Traduza este blog

domingo, 31 de agosto de 2008

Palavra Viva: Palavra para Comunhão




"Porque o Senhor foi testemunha da aliança entre ti e a mulher da tua mocidade..." (Malaquias 2:14).



Compromisso. Eis uma palavra que parece fadada a ser excluída do vocabulário de nossa sociedade corrompida. Mas não pode, em hipótese alguma, ser esquecida no campo semântico dos cristãos. Aliança é símbolo de um compromisso e não um adorno para os dedos, de tal forma que não pode ser trocada, ou retirada ao sabor das circunstâncias. Aliança é voto de honra, pois tem Deus como testemunha. O cristão que não sabe honrar seus compromissos desonra o nome de Deus. Independentemente da pompa e da circunstância que envolve a celebração de uma união, o que deve estar em evidência é o compromisso assumido diante do outro e, sobretudo, de Deus. Quem não tem compromisso não pode ter crédito, não pode ser visto com honra porque muda ao sabor dos ventos e não tem estabilidade. Infelizmente, hoje em dia, mesmo dentro das igrejas, isso parece ser mais comum do que imaginamos. Se não honramos nossos compromissos com as pessoas, agimos de igual modo com Jesus. Fazemos as pessoas sofrerem, e entristecemos o coração de Deus.
Amado(a), Imagine quando você tiver que se apresentar diante Dele e Ele te disser: “Desculpe, mas não tenho nada contigo. Teu lugar não é aqui".




Deus te abençoe!

Não deis lugar ao diabo” (Efésios 4:27)





As brechas que o cristão não pode deixar

Uma expressão bíblica bastante conhecida no seio da Igreja é que o diabo é pai da mentira, que veio para matar, roubar e destruir. Sabemos que ele anda ao derredor tentando encontrar brechas, fraquezas, áreas frágeis na vida do cristão, por isso é preciso sobriedade e vigilância. Se não deixarmos brechas, o diabo não pode agir em nossas vidas. E não existe maior fraqueza no cristianismo do que aceitar os padrões do mundo. Não existe maior fragilidade na vida de um cristão do que aderir, aceitar, pensar ou agir de acordo com o modelo fracassado do mundo. Mas o diabo, conhecedor disso, tem como principal estratégia banalizar o pecado.
Ele faz com que enxerguemos o pecado de uma forma tão “comum” que deixamos de considerá-lo como pecado. Coisas que nos parecem tão simples, que não vemos como pecados, vão abrindo brechas para o inimigo agir em nossas vidas.
Por isso devemos ficar atentos ao que nos diz o apóstolo Paulo aos Romanos 12:2 "E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus."
Se aderirmos ao modelo do mundo, passamos a pensar e a agir como o mundo pensa e age, e não percebemos que esses são os caminhos pelos quais o diabo se fortalece em nossas vidas. Por isso é preciso atentar para o que diz 1 Pedro 5:8: "Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar; resisti-lhe firmes na fé, certos de que sofrimentos iguais aos vossos estão-se cumprindo na vossa irmandade espalhada pelo mundo".
Quando o diabo sopra em nossos ouvidos coisas que aparentemente são inocentes como deixar de ir ao culto para fazermos um programa com nossos amigos, ou não devolver o dízimo porque pode nos fazer falta naquele mês, não vemos isso como pecado. Afinal, somos seres sociáveis e precisamos conviver com nossos semelhantes, nosso salário pode estar minguado e as contas estão mesmo vencendo. A questão é que, passamos, com o tempo, a achar natural não irmos à igreja porque ele sopra que podemos orar em qualquer lugar. Daí, assumimos um compromisso aqui, outro ali, e Deus vai ficando em segundo plano. Pensamos “isso não é pecado”. E, na seqüência, passamos a nos comprometer mais com as pessoas mundanas e deixamos a comunhão, deixamos de ler a palavra, não cultuamos mais a Deus e em seguida estamos fazendo igual ou pior que aqueles que jamais confessaram Jesus como seu Senhor e Salvador. "Como a cidade derrubada, sem muro, assim é o homem que não pode conter o seu espírito." (Provérbios 25:28). E peca quem não coloca Deus em primeiro lugar. Pois que desobedece ao grande mandamento: “Amarás o Senhor teu Deus sobre todas as coisas”.
Lembre-se do que nos disse Tiago 4:7 “Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós”. O diabo é ladrão (João 10:10), mas ele só pode roubar aquilo que o homem deixa. No entanto, se fechamos todas as brechas, ele só pode ficar ao derredor esperando oportunidade para atacar, mas não pode agir. "Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não peca; mas o que de Deus é gerado conserva-se a si mesmo, e o maligno não lhe toca." (I João 5: 18).
Qual tem sido a brecha em sua vida para o diabo roubar legalmente sua bênção?
Amado(a), você tem negligenciado o primeiro e grande mandamento? Tem dado lugar à carne, praticando a prostituição, a mentira, a corrupção? Tem alimentado a soberba, o orgulho, a vaidade? Não libera perdão ou não faz o bem quando pode fazê-lo?
Faça um exame consigo mesmo(a) e experiente dar lugar ao Espírito Santo para ajudá-lo(a) a varrer o pecado de sua vida. À medida que você for subjugando a sua própria carne, você fortalecerá o seu espírito. “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça”. (1 João 1:9)



Graça e Paz!

sábado, 30 de agosto de 2008

Palavra Viva: Palavra para Comunhão


“Assim não são mais dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem”. (Mateus 19:6)


As vítimas da separação


O divórcio é um inimigo cruel e sua causa principal é a falta do verdadeiro amor num lar que deixou de guiar-se pelos princípios estabelecidos por Deus.
Quando Deus é convidado para fazer parte da união do casal, mesmo muito antes do casamento, ainda no namoro, com certeza, Ele restaura as forças necessárias para superar as diferenças.
Jesus, ao responder a uma pergunta dos fariseus, que indagavam se "é lícito ao homem repudiar sua mulher por qualquer motivo", disse que, no princípio, Deus os fez macho e fêmea, e que os dois seriam "uma só carne", não sendo mais dois, "mas uma só carne". E foi categórico: "Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem" (Mateus 19.6). A seguir, o Senhor Jesus dá a entender que, como recurso extremo para o problema criado por um ato de infidelidade por um dos cônjuges, o divórcio só poderia ser admitido como remédio amargo, e somente nesse caso (Mateus 19.9).
A separação do casal é uma inimiga mortal da família e de forma alguma procede de Deus. Mas é evidente que, seja qual for sua natureza, é de origem diabólica, promovida pelo príncipe das trevas, atuando sobre a natureza carnal de um ou dos dois cônjuges. É interessante observar que quando se cria uma brecha, o inimigo entra e destrói o que veio para ser uma bênção. E ele sabe onde agir, porque observa, incansavelmente nossos passos. Pode-se notar que ele age sempre quando vislumbra que juntos o casal é um instrumento nas mãos do Senhor, ou que um dos dois, ou ambos se fortalecem com a união. Cada esposa, ou cada esposo que professa o nome de Jesus deve ter em mente essa constatação com base na Bíblia. Aquele que dá causa à separação de um casal torna-se, sem dúvida, instrumento do diabo para a destruição do lar. As conseqüências da separação são danos irreparáveis para os membros da família, especialmente para os filhos, que, sem ter nenhuma culpa, tornam-se vítimas de uma trama arquitetada por satanás.
Não é raro observar, também, que o cônjuge que dá origem à separação dificilmente se ajusta e sofre porque não consegue manter-se por muito tempo equilibrado interiormente: seu espírito acaba sentindo as dores da falta de comunhão com Deus, e, de igual forma, o cônjuge fiel sofre por ver que o diabo conseguiu desfazer o lar construído com muito amor, à custa de anos e anos de sacrifício.
A separação nada mais é do que o reflexo das obras da carne. Sempre gerada pela "inimizade, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, invejas, e coisas semelhantes a estas" (Gálatas 5.20-21).
Por isso, amado(a) para se evitarem as causas e as conseqüências da separação no lar, atente para o conselho da Bíblia: "Digo, porém, andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne. Porque a carne milita contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes se opõem um ao outro, para que não façais o que quereis. Mas, se sois guiados pelo Espírito de Deus, não estais debaixo da lei" (Gálatas 5.16-18). "Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão e temperança. Contra estas coisas não há lei. E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências. Se vivemos em Espírito, andemos também em Espírito. Não sejamos cobiçosos de vanglórias irritando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros" (Gálatas 5.22-26). Creia; o fruto do Espírito - AMOR - anula a ação do inimigo da família.
"Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem" (Mateus 19.6).


Deus te abençoe!

“Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará. (Salmos 1: 3)


Uma árvore plantada junto ao ribeiro é o cristão



No primeiro salmo, Davi já nos credencia para recebermos as dádivas de filhos de Deus. Ele afirma que o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores, será abençoado e próspero. Mas, ele destaca que isso é para aquele que “tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite”. A árvore plantada junto ao ribeiro é sempre viçosa e frutífera e assim é o homem que se alimenta da palavra de Deus. Aquele que fixa suas raízes próximas aos ribeiros, tem nutriente suficiente para si e para os outros.
Amado(a) onde você tem plantado suas raízes? Lembre-se do que disse o salmista e não por acaso já no primeiro verso do salmo primeiro: bem aventurado é o homem que não anda seguindo o conselho dos ímpios! Você tem deixado o mundo controlar suas ações? Tem lançado suas raízes nesse mundo? Veja que o senhor nos compara a árvore. Uma árvore que tem raízes Nele, que resiste a tempestades e à seca. Por isso também o profeta Jeremias 17: 7.8 também empregou essa metáfora para se referir ao homem temente a Deus: “Bendito o varão que confia no Senhor, e cuja esperança é o Senhor. Porque é como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro, e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e no ano de sequidão não se afadiga, nem deixa de dar fruto.”
Não se engane que a prosperidade que o mundo oferece é passageira, mas o que o Senhor nos oferece é vida eterna.

Graça e Paz!

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Palavra Viva: Palavra para Comunhão



Eis por que deixará o homem a seu pai e a sua mãe e se unirá à sua mulher, e se tornarão os dois uma só carne (Efésios 5.31)


Vida espiritual do casal

A forma como o casal conduz sua vida espiritual interfere na maturidade e na comunhão com Deus. Muitos casais, apesar de viverem sob o mesmo teto, vivem níveis diferentes na vida espiritual e isso geralmente traz em muitos momentos dificuldades no relacionamento e nas atividades cotidianas. As prioridades passam a ser diferentes, o modo de encarar a vida também tem outro sentido. Além disso, nota-se que não há a preocupação de um dos cônjuges em ter uma experiência profunda com Deus. Se um se dedica a Deus e o outro está mais voltado para as atividades do mundo, há um descompasso, que precisa ser revertido.
Uma vida espiritual precisa ser marcada pelo enchimento do Espírito. “Enchei-vos do Espírito”, esta é a exortação de Paulo. Veja em Efésios 5:18 “E não vos embriagueis com vinho, em que há contenda, mas enchei-vos do Espírito”.
Amado(a), é claro que o fato de ser cristão não é uma garantia de que o casamento e a vida familiar darão automaticamente certo, porque são dois inteiros diferentes que se juntam e isso precisa ser considerado. Daí a importância de não se ter união desigual: “Porventura andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?” (Amós 3:3). Muitas vezes ser cristão comprometido com os padrões bíblicos pode trazer dificuldades ainda maiores ao casamento, principalmente se um dos cônjuges não compreende esse comprometimento e se ressente com seus compromissos e atenção a Deus. Eis mais uma razão para se buscar a unidade desde a escolha do companheiro. É importante também considerarmos que o conceito bíblico de casamento é único e diferente de todos os demais, por isso não é compreendido em sua integridade.
Quando se tem um casamento baseado nos ensinamentos de Cristo, as dificuldades surgidas são tratadas pelo Espírito Santo que vai trabalhando em nossas vidas e nos prepara para vivermos segundo os padrões de Deus para a família.



Deus te abençoe!

“é melhor ter um amigo do que ficar sozinho(...) se você cai, seu amigo pode ajudá-lo a levantar-se. Mas se você cai sem um amigo por perto , esta realmente em dificuldades”. (Eclesiastes, 4:9-10).)




Aconselhamento


O aconselhamento é uma estratégia bíblica, usada pelos grandes homens de Deus. Vemos exemplos da vários deles que recorreram aos anciãos, profetas para buscarem orientação em algum momento de suas vidas. E o resultado é que, quando ouviram foram abençoados, mas se rejeitaram viram seus caminhos se desviarem da perfeita vontade de Deus.
Hoje ainda precisamos recorrer a alguém que nos encaminhe ou nos oriente nas nossas dúvidas e nas tomadas de decisões. E essas pessoas são os homens e mulheres de Deus, os profetas que o Senhor ungiu e estão prontos para nos ouvir e aconselhar. São nossos pastores, conselheiros.
Não há um cristão que, em algum momento, não precise dividir suas angústias, ouvir um aconselhamento. Todos nós precisamos ser ouvidos e a ajuda pastoral, nesse momento é uma benção de Deus.
Não é novidade que o diabo quer tirar todas as nossas chances de sermos feliz, prósperos e salvos. Ele nos tenta, pois conhece bem nossos pontos fracos. Somos constantemente alvos das investidas de Satanás, principalmente quando ele sabe que estamos no caminho certo. É por isso mesmo que precisamos buscar forças em quem está amadurecido na fé e fortalecido em Cristo. Sozinhos, somos vulneráveis e muitas vezes repetimos nossos velhos erros. Alguns problemas estão tão arraigados que se tornaram rotineiros e, aos nossos olhos, tão grandes que não conseguimos solucioná-los por conta própria. E mesmo que sejam simples, sem orientação, fazemos com que eles se tornem gigantes e acabamos não saindo do ponto de partida. Andamos em círculos e vivemos os mesmos problemas repetidas vezes. Perceba sua vulnerabilidade. “O coração é mais enganoso que qualquer outra coisa e sua doença é incurável.” (Jeremias, 17:9). Isso significa que somos bons em nos enganar a nós mesmos. Nós não somos imunes aos erros.
Amado(a), você tem um problema sobre o qual precisa conversar? Você precisa de aconselhamento pastoral? Sua vida tem sido um repetir de erros e frustrações, sempre no mesmo sentido? Esqueça a autoconfiança, ela não te levará a nada. Cultive a confiança em Deus. Procure ajuda pastoral. Deixe o orgulho e a pretensão de resolver a seu modo. Liberte-se para receber as águas da vida que precisam de um poço vazio para inundar!


Graça e Paz!

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Palavra Viva: Palavra para Comunhão




“A tua mulher será como a videira frutífera aos lados da tua casa; os teus filhos como plantas de oliveira à roda da tua mesa. Eis que assim será abençoado o homem que teme ao SENHOR”. (Salmos 128: 3-4)

Grandes são os benefícios de uma vida do casal, quando ambos são cheios do Espírito e procuram viver nessa dimensão. Um ponto importante é que proporciona a ambos a oportunidade de amadurecerem juntos na fé. Um casal que adora ao Senhor em unidade terá uma vida doméstica abençoada e coberta pelo poder de Deus. Um outro aspecto de suma importância é que representa a formação de uma herança espiritual para sua família. Os filhos já crescem com o exemplo dos pais e se fortalecem diante das ciladas do mundo. É certo que a união será estável, duradoura e frutífera, pois fortalece o relacionamento e cria ambiente para ministrarem um ao outro: oração, consolo, exortação, ensino. Não há disputa de poder, mas a instituição de um discipulado permanente no lar (um aprendendo com o outro) a como seguir a Cristo. Além do mais, renova as forças do casal nas diversas áreas de suas vidas.
Amado(a), se seu relacionamento não está nos padrões de Deus, busque a intervenção do Espírito Santo e conheça os benefícios que isso trará para você e sua família.

Deus te abençoe!

“Porque assim diz o SENHOR: Eis que voará como a águia, e estenderá as suas asas sobre Moabe”. (Jeremias 48:40).

Cristão águia



Muitos conhecem a natureza da águia: um pássaro com a maior longevidade de sua espécie, cerca de 70 anos. Mas é conhecido também que, para chegar a essa idade, ela inicia, aos 40 anos, o processo de renovação. É um processo difícil e doloroso, mas ela tem que tomar essa decisão ou enfrentar a decadência e a morte. Na nossa vida espiritual também, em um momento dela, temos que entrar em um processo de renovação. A exemplo desse pássaro, que também é conhecido por ter uma visão ampla, devemos nos desprender de lembranças, costumes e outras tradições que nos causaram dor. Somente livres do peso do passado, do apego a coisas que nos fazem sofrer e nos acorrentam, poderemos aproveitar o resultado valioso que uma renovação sempre traz.
O cristão águia busca essa renovação, não apenas quando atinge a idade avançada, mas quando percebe que suas forças físicas e mentais estão em decadência natural, como resultado do pecado que passou a todas as pessoas (Romanos 5.12).
Se o cristão não buscar constantemente uma renovação espiritual, ele está fadado a entrar em um processo de envelhecimento espiritual perigoso, em que já não há mais alegria; em que já não há mais força para caminhar; em que já não há mais visão para contemplar a glória de Deus; em que já não há mais força para amar o irmão e muito menos o inimigo (Mateus 5.44); em que já não há mais disposição para perdoar e ser perdoado. Ele deixa de olhar para o alto e mergulha em seus próprios problemas e assim perde o desejo de se alimentar da palavra e da água do espírito. Dá lugar as amarguras e abre uma brecha para que o inimigo entre em sua vida, cegando seu entendimento e fazendo-o crer que já não precisa mais viver ou buscar o novo de Deus. O medo do futuro paralisa as emoções e enfraquece a sua alma, e, assim, debilita o espírito!
A águia se renova para viver mais e melhor, para continuar voando e enxergando longe, mas nós, cristãos, devemos nos renovar para continuar compartilhando a palavra e viver em comunhão com Deus e com os irmãos.
“E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus”.
É necessário renovação! Ensina o apóstolo Paulo, e em todos os dias de nossa vida cristã. (Romanos 12:2). Não foi por acaso que o profeta Isaias 40:31 nos disse: “Mas os que esperam no SENHOR renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão”.


Graça e Paz!

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

“Honra teu pai e tua mãe, e amarás o teu próximo como a ti mesmo”. (Mateus 19:19)






Como você trata o outro?

A forma como você trata o outro reflete o seu caráter. E, é claro, cada um só pode dar o que tem. Se você tem educação, trata o outro com educação, mas se a sua educação é apenas um verniz, ou uma máscara usada apenas quando convém, ou diante de cartas pessoas, ou ainda só por um curto período de tempo, comece a refletir sobre isso.
Como Jesus faria se estivesse em seu lugar? Lembre-se do que está em Gálatas 5.22-23: “Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio”.
Quantas vezes você agiu, ou reagiu de forma torpe, indelicada e até agressiva? Seria assim que gostaria de ser tratado? Jesus o trataria assim? Não se esqueça do grande mandamento: “Amarás ao teu próximo como a ti mesmo”.
Então, amado(a), não seria melhor considerar o outro em primeiro lugar? “Nada façam por ambição egoísta ou por vaidade, mas humildemente considerem os outros superiores a si mesmos. Cada um cuide, não somente dos seus interesses, mas também dos interesses dos outros” (Filipenses 2.3-4).
“Tudo o que fizerem, façam de todo o coração, como para o Senhor, e não para os homens… É a Cristo, o Senhor, que vocês estão servindo.” (Colossenses 3.23-24).
Quando você tem um gesto de gentileza e cuidado para com o outro, está apenas buscando seu próprio interesse? Sua educação, gentileza e solidariedade tem prazo marcado para acabar, ou são características próprias de seu caráter?
Você é o que escolhe ser. E tudo o que faz reflete em você mesmo. Lembre-se disso. Quem planta amor e atenção colhe o que plantou, mas quem planta desamor, colhe o seu fruto.


Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão


“E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.” (Gênesis 2:18 )

O casamento na visão cristã

Desde Gênesis vemos que Deus afirma que não é bom que o homem esteja só. Ali Ele instituiu o casamento como uma união que garante a unidade e o desenvolvimento da humanidade. Mas isso não está revogado, porque os tempos são outros, como quer e apregoa a sociedade atual regida pelo príncipe do mundo. O casamento, depois do ato de aceitar e seguir a Cristo como nosso Salvador, é a segunda escolha mais importante a ser feita em toda nossa vida. O casamento continua importante e foi a primeira instituição divina na terra. É, portanto, a instituição mais antiga e de maior efeito em nossa existência, por isso deve ser sabiamente dirigida. Assim, escolher o companheiro que vai compartilhar todos os nossos momentos é também de suma importância na vida, porque não é como escolher uma roupa, um carro, ou uma casa. De nossa escolha dependerá nosso destino. Deus estabeleceu o matrimônio com os seguintes propósitos: 1.promover companheirismo entre o homem e a mulher; 2.disciplinar o instinto sexual, restringido-o ao núcleo do matrimônio; 3. favorecer a procriação da espécie humana; e 4. formar um lar no qual os filhos possam ser criados e educados para servir a Deus, à família e à pátria.
Juntar duas pessoas numa unidade harmônica e criativa de alma e corpo é o objetivo primordial do casamento. O matrimônio é uma associação, na qual os sócios vivem para complementar um ao outro e ambos têm o mesmo valor. Mas para viver uma unidade conjugal, as cadeias precisam ser destruídas pelo poder do perdão. A disputa pessoal deve dar lugar ao companheirismo e a busca do crescimento espiritual.



Deus te abençoe!

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Palavra Viva: Palavra para Comunhão

“Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus molhos.” (Salmos 126:6).

Perseverança

Devemos entender que tudo depende de empenho: só a mediocridade não exige esforço. Se nos falta dom, a disciplina compensa. A baixa auto estima é a mãe da inconstância. Quem já se considera perdedor não se empenha na luta para a conquista. Outros apenas se empolgam com a conquista, não se empenham em preservar o conquistado. Pensam buscar o amor ideal, o trabalho ideal, o curso ideal como um toque mágico.
Muitas pessoas querem pular etapas necessárias, esperam chegar logo ao topo da escada do sucesso, do trabalho, a um casamento feliz, ter grandes coisas, mas não querem pagar o preço. Deus fez a parte Dele, mas temos que fazer a nossa. Ele não trabalha para nós, mas nos dá forças para vencer em nosso trabalho.
Se você é inconstante, lembre-se de que Satanás é constante. E está atento procurando aqueles que não perseveram na busca da verdade. Atente para o que nos alerta 1 Pedro 5:8: “Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar”. Um alvo fácil do inimigo é aquele que não coloca Deus antes de tudo. Aquele que cuida primeiro de seus interesses e deixa o Senhor em segundo, ou terceiro plano em sua agenda. Mateus 6:33 é bastante claro: “Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”. Saiba que o diabo tem suas estratégias: atrai o inconstante para o mundo, fazendo coloridas e bonitas as coisas que são das trevas, para quando estiver bastante envolvido dar-lhe uma rasteira. Lembre-se de que ele é o pai da mentira e jamais entrega o que promete.
Assim, amado(a), livre-se do pecado, caminhe com alguém que o ajude a ser firme e constante e confie sempre no amor do Pai!

Deus te abençoe!

“Em qualquer tempo em que eu temer, confiarei em ti”. (Salmos 56:3)




Confiança

A palavra confiar vem de fiar (tecer) e com (alguém). Portanto, tecer com alguém.
Para que possamos tecer, ou fazer algo com alguém é necessário antes de tudo depender de outra pessoa, com humildade, comunhão e perseverança.
Confiar é atribuir autoridade e liberdade de ação a outra pessoa, que trabalhará conosco, ou por nós.
Quando confiamos em outra pessoa, damos a ela crédito e condições de agir em nosso favor. A confiança é fundamental para o sucesso de qualquer empreendimento. Se confiamos em nossos subordinados, companheiros, ou filhos, dormimos tranqüilos e não ficamos inquietos, porque sabemos o que pode acontecer. Mas nenhum deles é onisciente, onipresente e onipotente. Imagine, então, o que acontece quando confiamos em Deus, que tudo pode, tudo sabe, tudo vê!
Várias passagens bíblicas mostram a segurança de Jesus ao resolver as questões seculares porque Ele confiava no Pai: nas bodas de Caná, quando o vinho da festa acabou houve o milagre da transformação da água em vinho; Quando a multidão estava faminta e havia somente alguns peixes e alguns pães, houve o milagre da multiplicação dos pães e dos peixes; Quando Jesus ordenou aos discípulos que fossem pescar e na boca do peixe que pescaram veio a provisão que precisava para pagar os impostos, dentre outras tantas. Precisamos confiar no Pai. Se Deus é o mesmo, ontem, hoje e sempre, então Ele fiará conosco. Se muitas vezes nos parece que Deus não responde as nossas orações, saiba que Ele tem um propósito: é para que aprendamos a confiar Nele, a FIAR com Ele. Porque, como nos lembra o salmista: “É melhor confiar no SENHOR do que confiar no homem”. (Salmos 118:8)

Amado(a) Confie em Deus! Fie com Ele!

Graça e Paz!

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

“Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças”. (Filipenses 4:6).




Reconhecimento

A gratidão é fruto do Espírito e uma virtude que precisa ser cultivada e desenvolvida continuamente. Muitas vezes não nos lembramos de agradecer e apenas reclamamos. Nos nossos relacionamentos é comum fazermos críticas quando vemos que algo não está bem, mas é muito raro reconhecermos quando as coisas vão bem. Criticamos mais do que elogiamos. E isso pode ser um veneno para as relações.
Nossa maneira de lidar com nossos amigos, cônjuge, pais e filhos, revela nossa forma de lidar com Deus. Somos ávidos por pedir e quase nunca agradecemos.
Dificilmente demonstramos nossa gratidão aos que nos ajudam, mas quando falham conosco, imediatamente expressamos nossa decepção. Expressar gratidão é uma força poderosa; é um atributo natural que nos faz melhores diante dos irmãos e de Deus.
A gratidão cura as doenças psicossomáticas e crônicas. Cura as dores da alma como a depressão, a tristeza, a solidão, melancolia, a baixa-estima, insônia e ansiedade.
Quantas vezes estivemos em situação difícil e um irmão, um amigo esteve ao nosso lado e nos apoiou e sequer nos lembramos de dizer-lhe um simples “obrigado”. Muitas vezes achamos mesmo que não passa de uma obrigação. E com relação a Deus, se estamos em fase ruim, corremos para a Igreja, oramos, lamentamos e pedimos a Ele que nos conceda a benção. Se precisamos de um emprego, se queremos passar em uma prova, ou pagar uma dívida, recorremos a Ele. Mas quantos são os que continuam perseverantes diante Dele depois de recebida a bênção. Muitos são os que agem como se Deus fosse apenas um entregador de bênçãos: quando precisamos ligamos pra Ele e encomendamos o que queremos, mas, depois de entregue, voltamos as costas e vamos cuidar de nossas vidas, com o que adquirimos, até que precisemos de algo novamente.



Amado(a), é assim que você tem agido, diante de Deus e dos irmãos?
Só se lembra Dele e das pessoas quando precisa? Quando recebe é incapaz de agradecer e compartilhar? Pois Ele te manda um recado: seja grato, reconheça humildemente que precisa dos outros e que sem Deus nada poderá fazer.
Atente para o que disse o apóstolo Paulo aos filipenses: não precisamos nos inquietar porque temos um Pai em quem confiar, mas não podemos nos esquecer de agradecer. Muitos fazem a primeira parte e desprezam a outra. E, creia, é a mais importante, porque o sentimento de gratidão nos liberta da preocupação e nos acalma, nos coloca em sintonia com Deus e com os irmãos, nosso coração descansa, nossa mente se aquieta, relaxamos mais, dormimos melhor e ficamos livres de tantas tensões que a vida nos oferece.




Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão


“Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração;”
(Romanos 12:12)

Inconstância


Os obstáculos não são impedimentos, mas instrumentos que nos auxiliam a crescer e forjar um caráter persistente. Deus é constante e seu amor por nós não se esgota. Resistimos a Ele e Ele nos chama de várias formas. Somos infiéis, mas Ele é fiel e justo.
Amado(a), você termina o que inicia? Ou traz consigo a síndrome da inconstância? Inicia um curso e pára? Inicia um relacionamento já pensando que se não der certo, se algo fugir de sua expectativa, desistirá sem enfrentar as causas? A inconstância conspira contra a vitória. Ela está relacionada à infidelidade. Se você é inconstante, dificilmente será fiel. Muitas pessoas acreditam que ser fiel é não trair sexualmente o parceiro, mas se esquecem de que ao descumprir seu compromisso com ele, está sendo infiel emocional e sentimentalmente.
Devagar e sempre: eis o conselho popular, semelhante ao que diz o provérbio: basta um pouco cada dia, se a cada dia obtivermos esse pouco. Os apressados, os afoitos, os que querem as coisas instantaneamente, não só as fazem mal, como se cansam ao longo do caminho. Gastam toda sua energia logo no início e em seguida começam o processo de desistência. Quando conhecem Jesus vão à igreja todos os dias, e se envolvem em várias atividades com todo o gás, mas de repente começam a faltar, a encontrar desculpas para a ausência: trabalho, cansaço, outras atividades e quando se percebem estão nas garras do mundo novamente e longe das bênçãos.
Inicia um curso e se entusiasma, mas vêm o desanimo, o cansaço, o convite de amigos para outras coisas e na seqüência o abandono apegando-se a desculpas: “o trabalho me impediu, minha família não me estimula”. Todavia o seu tempo é priorizado com outras coisas improdutivas e que não enriquecem, antes desvia do foco e só o faz andar em círculos.
Inicia um relacionamento com toda a atenção, dedicação ao parceiro, visitas todos os dias, desdobra-se em agradar, depois vai esfriando e bloqueando a possibilidade de alimentar o que começou com todo entusiasmo. Passada a empolgação inicial, sepulta o relacionamento. Entusiasmo significa ter Deus dentro de si. E, se Deus sai do relacionamento, ele morre na mente do inconstante.
Amado(a), pense nisso! Coloque Deus em tudo o que fizer, mas seja constante! Ele é fiel e estará com você em todas as circunstâncias!


Deus te abençoe!

domingo, 24 de agosto de 2008

Palavra Viva: Palavra para Comunhão

Libertando-se do passado


“Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, 14 Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus”. (Filipenses 3:13-14).”

O passado como foco de nosso olhar é um inimigo implacável. É um fardo a que nos condenamos a carregar até que nossos olhares se voltem para o presente. Mas quem se recusa a aprender com passado está condenado a repetir o mesmo erro, passar pelas mesmas situações e anda em círculo sem chegar a lugar nenhum. Muitos usam o passado como justificativa e não liberam o perdão necessário para se desvencilhar desse fardo que acorrenta.
Como tem sido sua vida? Você tem repetido os mesmos comportamentos? As circunstâncias mudam e as pessoas também, mas algumas pessoas insistem em lutar as mesmas guerras,
Lembre-se amado(a) você é resultado das suas escolhas. Pode escolher entre ser livre hoje e ser escravo do que já se foi. Se seus pais erraram, não é necessário que carregue nas costas o peso do erro deles. Vejamos o exemplo de alguns valorosos homens dos quais nos fala a Bíblia: José, apesar da oportunidade de vingança, escolheu perdoar e Deus lhe deu a possibilidade de abençoar sua casa. Mateus, Maria Madalena, Saulo/Paulo, foram outros exemplos de pessoas que deixaram para trás seu passado e escolheram a liberdade de viver uma vida de bênçãos.
Mas para se libertar do passado é necessário, seguir três importantes passos: o primeiro é o arrependimento: “Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade”. (2 Timóteo 2:25).
O segundo é confessar os pecados: 1 João 1:8 “Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós”.
E o terceiro é perdoar: “Quem é Deus semelhante a ti, que perdoa a iniqüidade, e que passa por cima da rebelião do restante da sua herança? Ele não retém a sua ira para sempre, porque tem prazer na sua benignidade”. (Miquéias 7: 18-19)
“e diante dele asseguraremos nossos corações; Sabendo que, se o nosso coração nos condena, maior é Deus do que o nosso coração, e conhece todas as coisas”. (1 João 19b-20)
Deus reserva o melhor para final. Lembre-se daquela canção: “o melhor de Deus ainda está por vir”. (João 2: 10) “E disse-lhe: Todo o homem põe primeiro o vinho bom e, quando já têm bebido bem, então o inferior; mas tu guardaste até agora o bom vinho”.
O passado nos paralisa como uma estátua e nos torna amargos. Atente para o fato de que ao se voltar para trás, como sinal de que ainda se apegava ao seu passado, a mulher de Ló transformou-se em uma estátua de sal, e não de açúcar. Quem se apega ao passado não consegue se sentir feliz e se torna crítico, amargo, inconstante e espalha infelicidade por onde passa.
Às vezes é necessário falar das coisas ruins que nos aconteceram para nos libertar delas, mas isso deve ser feito com alguém que, além de nos ouvir sem julgamento, nos orienta a seguir deixando para trás as coisas que passaram, para que possamos seguir em frente.
Quem se liberta do passado renova a mente.
Amado(a) agradeça o que o passado trouxe a você, pelas coisas ruins que te serviram como lição, mas não se prenda a ele. Siga em frente que o melhor de Deus ainda está por vir...




Deus te abençoe!

“Bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.” (Salmos 1: 1)





Alegria é fruto do Espírito

O que leva a uma vida feliz? É uma indagação que todos nos fazemos. Mas esse questionamento pode ser respondido com base neste verso do Salmo 1. Há três conselhos fundamentais aqui registrados que apontam para uma vida feliz. O primeiro deles é o de não seguir o caminho dos ímpios. A Bíblia afirma que há caminhos que para o homem são bons, mas que o seu fim leva a morte (Provérbios 14.12). O Senhor Jesus mencionou que há um caminho largo que conduz à perdição (Mateus 7.13). Este mesmo Salvador, entretanto, disse que Ele é o Caminho que conduz ao Pai (João 14.6).
O segundo conselho é o de não imitar a conduta dos pecadores! Amado(a), não precisamos seguir o curso do mundo atrás de aplausos terrenos, nossa vida transformada em Cristo já tem nos trazido aplausos do céu! Seja imitador de Jesus Cristo (1 Coríntios 11.1).
O terceiro conselho menciona não se assentar na roda dos escarnecedores. Só pode se assentar quem não tem muito que fazer. Se o tempo está sobrando, invista esse tempo naquilo que realmente tem importância: sua família, projetos pessoais, coisas que edificam a si e ao próximo e, principalmente, no seu relacionamento pessoal com Deus!
Seguindo estes conselhos, seu coração será feliz. Siga o caminho que é Cristo! Seja imitador do Mestre! Assente-se aos seus pés em louvor e adoração! Um cristão deve ser reconhecido pelas suas atitudes. A alegria que Deus reservou pra você alcançará multidões!




Graça e Paz!

sábado, 23 de agosto de 2008

Como passa a tempestade, assim desaparece o perverso, mas o justo tem fundamento perpétuo”. Provérbios 10:25



Quando enfrentamos adversidades somos provados. E nossa forma de agir diante dos ventos demonstra nossa forma de ser como cristão. Quando temos Jesus no coração somos firmes na nossa convicção de servir a Deus, mesmo que tudo pareça desabar. Como tem sido seu comportamento diante das tempestades da vida? Você tem sido duro e inflexível, insistindo em repetir as atitudes que já mostraram sua ineficácia? Tem se comportado como dono da verdade que não se dobra diante das respostas que a vida tem lhe dado? Deus, muitas vezes nos coloca diante de situações de confronto para que aprendamos com os nossos erros. Mas a vida é feita de escolhas e somos livres para fazê-las. Como nos lembra o sábio rei, as tempestades passam, e com elas devemos aprender a agir, mas o que deve prevalecer é a firme convicção de que Deus está no controle e que não desampara o justo. Entretanto, é preciso compreender que caminhar com Jesus não nos impede de enfrentar tempestades. Jesus nunca nos prometeu isso, ao contrário, Jesus nos afirmou que no mundo teríamos aflições. A diferença é que sabemos que Ele está no comando e não nos desampara e roga ao Pai para que enfrentemos com força as lutas do mundo: “E eu já não estou mais no mundo, mas eles estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, guarda em teu nome aqueles que me deste, para que sejam um, assim como nós”. João 17:11. Se estamos no mundo, estamos sujeitos a tudo o que existe no mundo: guerras, atentados, doenças, tempestades...
Amado(a) atente para o nos disse Jesus em Lucas 18:7 “E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles?”
É, pois, fundamental que saibamos que apesar de estarmos no mundo e sujeitos a todas essas situações de perigo pelos quais todos passam, nós temos a presença de Jesus conosco. E que com Ele nenhuma tempestade nos abaterá!

Graça e Paz!

“Como passa a tempestade, assim desaparece o perverso, mas o justo tem fundamento perpétuo”. Provérbios 10:25



Tudo passa
Quando enfrentamos adversidades somos provados. E nossa forma de agir diante dos ventos demonstra nossa forma de ser como cristão. Quando temos Jesus no coração somos firmes na nossa convicção de servir a Deus, mesmo que tudo pareça desabar. Como tem sido seu comportamento diante das tempestades da vida? Você tem sido duro e inflexível, insistindo em repetir as atitudes que já mostraram sua ineficácia? Tem se comportado como dono da verdade que não se dobra diante das respostas que a vida tem lhe dado? Deus, muitas vezes nos coloca diante de situações de confronto para que aprendamos com os nossos erros. Mas a vida é feita de escolhas e somos livres para fazê-las. Como nos lembra o sábio rei, as tempestades passam, e com elas devemos aprender a agir, mas o que deve prevalecer é a firme convicção de que Deus está no controle e que não desampara o justo. Entretanto, é preciso compreender que caminhar com Jesus não nos impede de enfrentar tempestades. Jesus nunca nos prometeu isso, ao contrário, Jesus nos afirmou que no mundo teríamos aflições. A diferença é que sabemos que Ele está no comando e não nos desampara e roga ao Pai para que enfrentemos com força as lutas do mundo: “E eu já não estou mais no mundo, mas eles estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, guarda em teu nome aqueles que me deste, para que sejam um, assim como nós”. João 17:11. Se estamos no mundo, estamos sujeitos a tudo o que existe no mundo: guerras, atentados, doenças, tempestades...
Amado(a) atente para o nos disse Jesus em Lucas 18:7 “E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles?”
É, pois, fundamental que saibamos que apesar de estarmos no mundo e sujeitos a todas essas situações de perigo pelos quais todos passam, nós temos a presença de Jesus conosco. E que com Ele nenhuma tempestade nos abaterá!
Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão


O perdão é sempre para quem perdoa.

“Arrepende-te, pois, dessa tua iniqüidade, e ora a Deus, para que porventura te seja perdoado o pensamento do teu coração;”(Atos dos Apóstolos 8:22)

Há pessoas que não conseguem avançar em muitas coisas na vida porque retém em si o perdão. Não se perdoam por algo que fez e seguem escravizadas pela culpa. Muitas vezes introjetam a culpabilidade, mas são incapazes de admitir a si próprias que erraram e que carecem de se perdoar. O autoperdão também é importante, porque reconhecendo os nossos erros encontramos forças para reformular nossas atitudes e começar uma vida nova.

Mas antes de tudo é preciso arrependimento sincero, todavia o arrependimento, puro e simples, se não vier acompanhado da ação reparadora, é tão inócuo e prejudicial quanto a sua falta. Considerando a própria fragilidade, a pessoa concede a si própria a oportunidade de reparar os males praticados, reabilitando-se perante si mesmo e perante aqueles a quem tenha prejudicado. O autoperdão ajuda o amadurecimento moral, porque propicia clara visão de responsabilidade, leva a pessoa à reflexão, antes de tomar atitudes agressivas ou negligentes, precipitadas ou contraditórias no futuro. Quando alguém se perdoa, aprende também a perdoar o outro, oferecendo a mesma oportunidade ao seu próximo.

Há pessoas que se culpam por terem nascido e sentem-se como um grande fardo. Para compensar essa rejeição sentida em algum momento de sua vida, passam a vida tentando mostrar aos outros o quanto são úteis, importantes, como que para provar a si próprias que são merecedoras de amor e de atenção.

Quando não nos perdoamos ou não perdoarmos alguém, carregamos os sentimentos de mágoa e ressentimentos e isso envenena nosso organismo, porque, se alimentarmos idéias de ódio e vingança entramos na mesma sintonia de agressão, sobrecarregamos nossos pensamentos e nos tornamos escravos daquilo que não sai de nossa mente.

Amado(a), Deus nos liberta da acusação, mas enquanto Ele quer que saibamos que somos perdoados, Satanás quer que nos sintamos culpados. Satanás cochicha em nossos ouvidos para nos imputar sentimentos de culpa, para nos aniquilar, porque sabe que esses sentimentos nos mantêm separados de Deus.

Em Apocalipse 12:10, ele é chamado de o "acusador de nossos irmãos." Mas Deus declara que somos puros como Jesus Cristo. Deus disse que nós somos completamente perdoados porque Jesus pagou a penalidade por nossos pecados quando Ele morreu na cruz e que somos livres “porque já o acusador de nossos irmãos é derrubado, o qual diante do nosso Deus os acusava de dia e de noite”.

Vivamos em paz e com a nossa consciência tranqüila pronta para merecer o perdão das pessoas que prejudicamos com os nossos atos, palavras e pensamentos, pois somente será perdoado aquele que perdoa.

Deus te abençoe!

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Alegrei-me quando me disseram: vamos a casa do Senhor (Salmos 122:1)


A alegria é fruto do Espírito.

E uma das maiores demonstrações desse fruto é apresentada quando nos dirigimos à casa do Senhor, como relata o salmista. Ele nos fala de uma alegria diferente: uma felicidade que deve invadir nossos corações em pensarmos: “Vamos à Igreja”. Vamos cultuar o Pai. Quando nos preparamos para encontrar nossos amigos, nos arrumamos com cuidado e desde antes de sairmos nosso coração já se alegra com a expectativa do encontro. Muito mais esperançoso deve estar nosso coração ante a possibilidade de nos dirigirmos à Casa de Deus. Mas quantos de nós não têm se alegrado nisso. Quantos têm negligenciado o culto a Deus, colocando todas as outras atividades à frente e se alegrado em coisas mundanas e passageiras?
Em Provérbios 17:22, o sábio rei já dizia: “...o coração alegre serve de bom remédio, mas o espírito abatido virá a secar os ossos.... Lembremos que essa alegria que nos embriaga fora da casa de Deus é passageira, não dá frutos e seca os ossos, porque abate nossos espíritos. Em vista disso muitos não se alegram, ou sequer se dirigem à Igreja para cultuar ao Senhor, porque não conseguem ouvir a voz de Deus!
Muitas vezes Ele nos manda recados os mais diretos possíveis e não somos capazes de ouvir porque estamos longe da sintonia, ocupados que estamos em ouvir as vozes do mundo. Isso nos afasta cada vez mais da casa do Pai, da casa de bênçãos e só vamos nos dar conta disso quando a tristeza, advinda de nossas escolhas, vier bater à nossa porta. Não nos alegramos porque nosso coração está em outro lugar. Lembremos do disse Jesus em Mateus 6:21 “Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração”. Muitos estão na Igreja, mas o coração está longe. Vão à Igreja, mas não absorvem a Palavra, porque não se comprometem com a mudança. Querem ouvir apenas os que lhes convém e não se interessam em ouvir a verdade, como disse Isaías 30:9,10...: “Porque este é um povo rebelde, filhos mentirosos, filhos que não querem ouvir a lei do SENHOR. Que dizem aos videntes: Não vejais; e aos profetas: Não profetizeis para nós o que é reto; dizei-nos coisas aprazíveis, e vede para nós enganos”. Vivem em pecado, assim, a Palavra de Deus incomoda. Muitos querem a bênção, mas não o abençoador.
Mas é preciso recuperar a alegria de ir à Casa do Pai. É preciso que tenhamos “fome de ouvir a Palavra do Senhor...” é preciso pedir como Amos 8:11: “...tem misericórdia de mim. Purifica-me. Lava-me.Torna a dar-me a alegria ”
O salmista usa a figura do cervo suspirando pela corrente das águas “...assim como o cervo brama pelas águas, minha alma suspira por Ti, ó Deus...” (Salmos 42:1) como uma analogia à nossa busca por refúgio na Casa de Deus, porque assim como a água despista o inimigo, na Igreja também estamos seguros e ali o inimigo de nossas almas não tem poder e não pode nos atingir.
Amado(a) Não continue surdo ao chamado de Deus. Ele está falando com você de todas as formas! Você não está ouvindo! Tenha hoje a mesma disposição de Samuel 3.10: “Fala Senhor, pois o teu servo ouve!”


Deus te abençoe!Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão



O perdão nos relacionamentos


“Olhai por vós mesmos. E, se teu irmão pecar contra ti, repreende-o e, se ele se arrepender, perdoa-lhe”. (Lucas 17:3)


Ninguém é perfeito. Nem existe par perfeito, como não existe metade para encontrar a outra metade ideal. Somos inteiros e limitados pelas nossas imperfeições. O único perfeito é Cristo, em quem devemos nos espelhar para nos tornarmos melhores “Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo”. (Efésios 4:13). Mas porque visamos ou nos iludimos com a idéia da perfeição do outro é que ferimos ou saímos feridos em nossos relacionamentos. Idealizamos uma pessoa e projetamos nela os nossos desejos de que nos completem. Aí reside o grande erro: está em nós de não aceitarmos as pessoas como elas são. Quando notamos que as pessoas não correspondem às nossas expectativas, aos nossos sonhos de complementação e perfeição, nos decepcionamos e nos sentimos magoados. Muitos não conseguem perdoar, sem perceber que o problema não está no outro, pois era previsível que por mais especial que esta pessoa fosse, um dia acabaria agindo de forma diferente daquela que esperávamos. Reconheçamos: Sem Aceitação, Não há Perdão!
Jesus ensina que devemos amar ao nosso próximo como a nós mesmos e aceitar as pessoas como elas são. Com toda certeza se assim o fizermos não seremos decepcionados e nossos relacionamentos serão sinceros, duradouros e abençoados em Cristo. Caso contrário, acumularemos decepções e amarguras e passaremos pela vida sem experimentar o verdadeiro amor: aquele que aceita e perdoa, e por isso cresce em busca da estatura de Cristo.
Amado(a) A única forma de ser feliz é perdoando e compreendendo que o outro é diferente de nós, e precisa ser amado como é e não como queremos que seja!


Deus te abençoe!

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

“Surdos, ouvi, e vós, cegos, olhai, para que possais ver”. Isaías 42:18




Deus tem falado com você e você tem se feito de surdo. Ele te manda recados, de todas as formas possíveis e você tem se comportado de maneira insensata. Se diz acreditar na Palavra, não pode crer em apenas uma parte dela, aquela que lhe convém, mas em toda a escritura, pois como disse Paulo em 2 Timóteo: 3:16 “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça”. Se você crê em Jesus como seu único salvador, se fez com Ele um compromisso de servir ao Senhor, deve atentar para o que diz a palavra de Deus. Por que então tem desprezado seus mandamentos essenciais? ”Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo”.(Lucas 10:27).
O amor a Deus deve estar acima de qualquer outra coisa, pois aquele que ama a sua vida perdê-la-á. O Espírito Santo tem soprado ao seu ouvido: “por que se afasta das coisas de Deus? Por que se apega àquilo que não provém do Senhor? E ainda assim continua agindo como quem não ouve. Como pode passar a palavra à frente se você mesmo não a segue. Pode porventura o cego guiar o cego? Não cairão ambos na cova? (Lucas 6:39).
Deus tem colocado pessoas na sua vida para ser mensageiras Dele, tem te enviado cartas de amor eterno, nada do que ouve ou lê é por acaso, porque quando vêm de Deus se confirma reiteradas vezes, pela Bíblia, pelos profetas, pelas mais diversas formas de comunicação. E você sabe quando Ele fala com você. Por que não responde?


Amado(a) Ele te diz agora:”Filho meu, não desprezes a correção do Senhor, e não desmaies quando por ele fores repreendido” (Hebreus 12:5). Faça o que está em seu coração, mas “se os pecadores procuram te atrair com agrados, não aceites”. (Provérbios 1:10). A escolha entre continuar na escuridão e ser abraçado pelo Pai é sua!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão




A importância do Perdão

“Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; 15 Se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas”.(Mateus 6:14-15)

Nada é tão eficaz e necessário para a restauração humana do que o perdão. Jesus nos exortou a perdoar, quando nos ensinou a orar "e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores" (Mateus 6:12). Ele tornou claro que a oferta de perdão de Deus é inseparável da nossa vontade de perdoar os outros. A palavra grega traduzida como "perdoar" literalmente significa cancelar ou remir. É a liberação ou cancelamento de uma obrigação. Para entendermos o significado desta palavra à luz da Bíblia, precisamos entender que o pecador é um devedor espiritual.
A Bíblia ensina que o direito de vingança pertence ao Senhor (Romanos 12:17-21). O perdão, todavia, não é simplesmente cancelar a vingança. Algumas vezes a pessoa ofendida abstém-se de responder ao mal com o mal, mas não libera o pecador de sua condição de transgressor, mesmo quando este se arrepende. E sem perdão, não há paz genuína. Como todos nós fazemos mal e nos magoamos uns aos outros, precisamos pedir perdão tanto quanto perdoar.
Perdoar faz mais bem a quem perdoa do que a quem é perdoado, mas dizer que sentimos muito e pedir o perdão das pessoas a quem causamos mal, às vezes, é mais difícil do que perdoar os que nos causaram mal.

Amado(a), verifique se em sua vida há a necessidade de liberar perdão. Muitas de suas lutas podem estar associadas à falta de perdão. Pode ser que ainda esteja preso àquela pessoa a quem não consegue perdoar. Liberte-se disso e veja o poder de Deus e a transformação em sua vida. Pois se com a ajuda dEle decidirmos fazer do perdão a nossa forma de vida, isto nos levará à paz: paz conosco, com os outros e com Deus. Essa paz é uma benção grande e maravilhosa, da qual Deus quer que todos usufruam. Deus te convida hoje a exercitar o perdão. Se você entende que há alguém em sua vida a quem você precisa pedir ou liberar perdão, faça a sua parte, enquanto há tempo. Você sabe o caminho: ligue, mande uma carta, escreva um e-mail, envie um telegrama... Diga a essa pessoa que Jesus a ama e você também.


Deus te abençoe!

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

“E o SENHOR teu Deus circuncidará o teu coração, e o coração de tua descendência, para amares ao SENHOR teu Deus com todo o coração, e com toda a tua alma, para que vivas”. Deuteronômio 30:6)



Amado(a) Nosso Deus misericordioso tem cuidado do coração de seus eleitos. Ele, e só Ele pode fazer a verdadeira transformação em nossos corações: Lembre-se de Sua promessa: “E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne”. (Ezequiel 36:26). Mas é preciso que o entreguemos a Ele com confiança de que será cuidado. É preciso que nos quebrantemos diante do Pai, como fez o salmista “Inclinei o meu coração a guardar os teus estatutos, para sempre, até ao fim”. (Salmos 119:112). O sábio rei nos ensina em Provérbios 3:5 “Confia no SENHOR de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento”, porque como nos lembra o profeta Jeremias 17:9 “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e perverso; quem o conhecerá?” Por isso devemos entregá-lo ao Pai e pedir-Lhe “Examina-me, SENHOR, e prova-me; esquadrinha os meus rins e o meu coração”. (Salmos 26:2), porque Ele nos tem dito: “Filho meu, não te esqueças da minha lei, e o teu coração guarde os meus mandamentos”. (Provérbios 3:1).
Lembra-te amado(a) “porque esquadrinha o SENHOR todos os corações, e entende todas as imaginações dos pensamentos; se o buscares, será achado de ti; porém, se o deixares, rejeitar-te-á para sempre” (1 Crônicas 28:9).
Escolha a quem entregar seu coração!

Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão


A família deve cuidar uns dos outros


“Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo. Pois, se alguém pensa ser alguma coisa, não sendo nada, engana-se a si mesmo. Mas prove cada um a sua própria obra, e então terá motivo de glória somente em si mesmo, e não em outrem; porque cada qual levará o seu próprio fardo." (Gálatas 6:2-5)

A Palavra de Deus nos ensina que devemos aprender a “levar a carga uns dos outros”. O Texto de Paulo tem duas palavras importantes para entendermos os relacionamentos e seus limites na família. A primeira palavra é carga (peso excessivo) e a segunda é fardo (peso do trabalho diário). Isto nos dá os seguintes ensinamentos:
a) Paulo está dizendo que tem determinadas situações em que precisamos de ajuda, pois o peso é “excessivo”. Nesse caso cabe a cada membro da família ajudar uns aos outros a fim de que nesses momentos de dificuldades exista alguém para auxiliá-los. Assim, podemos descrever a família como um lugar de socorro. Lugar onde podemos ter apoio para enfrentarmos os momentos de grandes dificuldades.
b) A outra palavra é Fardo, isto é, peso do trabalho diário. Temos que tomar cuidado para que cada membro da família saiba lidar com sua própria vida. Reconhecer quais são os seus trabalhos diários e assim levá-los. Estamos falando do cotidiano, das lutas e dificuldades diárias presentes na vida do ser humano. Neste caso cada membro da família deve entender que precisa assumir sua parte e cumprir com ela. Infelizmente há muitas pessoas que acham que em todas as situações que acontecem com ele deve ter a ajuda da família. Dessa forma não cresce, não toma uma identidade, fica sempre dependente, sem amadurecer.


Deus te abençoe!

terça-feira, 19 de agosto de 2008

“Porque, quanto ao SENHOR, seus olhos passam por toda a terra, para mostrar-se forte para com aqueles cujo coração é perfeito para com Ele”. (2 Crônicas 16:9)



Não estamos tratando aqui de perfeição absoluta, mas de um coração que tem limites, porque o Senhor Deus procura homens íntegros que não se deixam corromper por valores errados, por alvos que não glorificam o seu nome. Ele procura por pessoas que entregam a Ele o seu coração e não à corrupção do mundo ou a pessoas que não têm Jesus em seu coração.
Observemos o que nos diz Pedro em 2 Pe 2:14 “Tendo os olhos cheios de adultério, e não cessando de pecar, engodando as almas inconstantes, tendo o coração exercitado na avareza, filhos de maldição”.
O apostolo se refere a pessoas que “exercitam seu coração” na ganância. Isso significa que podemos exercitar nosso coração para o bem ou para o mal. É o que nos exorta o profeta Isaías 1:17 “Aprendei a fazer bem; procurai o que é justo; ajudai o oprimido; fazei justiça ao órfão; tratai da causa das viúvas”, pois como reforça Tiago 4:17 “Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado.” Se fizermos o bem temos a promessa em Gálatas 6:9: “E não nos cansemos de fazer bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido”.
Se o termo coração é a representação do homem interior e completo, ele deve ser marcado pelos frutos do Espírito, listados em Gálatas 5:22: “amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança”. Nosso coração deve ser humilde, como ensina Paulo ao Colossenses 3:12 ” Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade”. Deve ser fortificado pela graça para que não se desvie, como exorta o apóstolo aos Hebreus 13:9 “Não vos deixeis levar em redor por doutrinas várias e estranhas, porque bom é que o coração se fortifique com graça, e não com alimentos que de nada aproveitaram aos que a eles se entregaram. Não deve ser um coração incrédulo: “Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do Deus vivo. (Hebreus 3:12).
Sejamos, pois pessoas amorosas, com corações transformados pelo poder de Deus, retendo nele o fruto do Espírito.

Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão


A família precisa colocar a Deus como prioridade e adorá-lo

O exemplo de muitos lares é de total desarranjo. Não existe o cuidado de colocar Deus em primeiro lugar. Estão na igreja, mas ainda não experimentaram o “novo nascimento”. A fé é sem resultados práticos. Não está presente no dia a dia. Os limites espirituais nos ensinam que nada pode estar sendo mais importante na vida do que Deus. E muitas vezes o homem coloca outros valores à frente de Deus: o trabalho, o lazer, os amigos... Se o Senhor não é honrado como deve em um lar, que estrutura terá esse lar? Imagine que o chefe de família, não honrando a Deus, também não será honrado pelos seus. E assim muitos lares se deterioram, ou já se iniciam em franca decadência. O senhor deve ser adorado pelo que é. E esse exemplo deve ser dado nos lares. A família precisa priorizar o culto a Deus antes de qualquer outro evento, antes mesmo da busca pelo suprimento, porque Deus é o dono do ouro e da prata e “Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela. (Salmos 127:1). Lembremos do que está escrito em Mateus 6:33: 33 “Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”.

A Ele seja toda a honra, a glória para todo sempre.


Deus te abençoe!



Bibliografia: Bíblia on line. E adaptação de estudo de: Pr. Antônio Firmino da Silva Júnior, em 09/06/2008

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

“Filho meu, não te esqueças da minha lei, e o teu coração guarde os meus mandamentos”. (Provérbios 3:1.)




Em um coração que é guardado frutificarão coisas boas que abençoarão a vida de toda família. Coração cheio de sentimentos ruins, em que se deixa entrar o desrespeito, o ódio, a inveja certamente trará destruição não só a si, mas a todos que estão a sua volta. Cada membro da família precisa buscar ter um coração guardado. Aqueles que se colocam na cruz “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim”, conforme trata Gálatas 2:20, têm seus corações transformados e limites bem definidos do que pode entrar nele. Veja o que nos ensina Moisés em Deuteronômio:11:16 “Guardai-vos, que o vosso coração não se engane, e vos desvieis, e sirvais a outros deuses, e vos inclineis perante eles”
Nosso coração representa todo nosso ser, pode receber todo tipo de modelos, idéias e caminhos. Por isso deve ser cuidado para que se encha daquilo que não agrada ao Senhor. Como pensamos, assim somos. Cabe a cada um de nós saber separar o que vai ser aceito neste coração ou não. Conforme o Senhor Jesus nos falou, o que contamina é o que sai deste coração. Veja o diz Marcos 7:21 “Porque do interior do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as prostituições, os homicídios”. Temos, portanto, que cuidar com muita atenção de nosso coração e para isto é preciso filtrar, escolher, limitar o que entra nele entra, e, principalmente, escolher com sabedoria a quem entregamos o nosso coração.


Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão


A palavra de Deus Inspirada e infalível

“Mas o que me der ouvidos habitará em segurança, e estará livre do temor do mal”(Provérbios 1:33)

A Palavra de Deus deve ser ensinada e praticada no lar. Ela é o “sopro de Deus”. Não é uma obra humana. Ela é a revelação escrita da parte de Deus para abençoar a vida de seus servos e servas. Crer nela como vinda de Deus é reconhecer sua natureza divina. Praticá-la é uma atitude sábia que indica submissão e fé no Deus da Palavra. Todavia, a família que não vive na Palavra não tem segurança, pois pela Palavra de Deus somos levados a ter segurança com relação ao nosso futuro. Nossas famílias estão nas mãos de Deus. Ainda que passemos, momentaneamente, por circunstâncias difíceis temos a plena convicção pela Palavra de Deus que no final vai da tudo certo. Deus está no controle e ilumina nossa mente para que compreendamos que nele podemos confiar. Sua promessa é fiel como é afirmado em Deuteronômio 32.4. “Ele é a Rocha, cuja obra é perfeita, porque todos os seus caminhos justos são; Deus é a verdade, e não há nele injustiça; justo e reto é”. “Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a comunhão de seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor”, nos lembra Paulo em 1 Coríntios 1:9. Sabemos que “Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo.” (2 Tm 2:13).
Famílias sem segurança, sem esperança, sem alegria, são famílias que não têm certeza de nada nesta vida. Mas nossa confiança está no Senhor. Dele vem nossa vitória e segurança ainda que sejamos provados não ele nos guardará. “Que mediante a fé estais guardados na virtude de Deus para a salvação, já prestes para se revelar no último tempo. Em que vós grandemente vos alegrais, ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações”, (1 Pe 1:5,6).
Lembremos do que nos disse Deus em João 10: 4 “E, quando tira para fora as suas ovelhas, vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz”. Essa é a direção de Deus para a família.

Deus te abençoe!
Bibliografia: Bíblia on line. E adaptação de estudo de: Pr. Antônio Firmino da Silva Júnior, em 09/06/2008

domingo, 17 de agosto de 2008

Palavra Viva: Palavra para Comunhão


A palavra de Deus é regra de Fé e conduta

“Por esta razão, nós também, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós, e de pedir que sejais cheios do conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e inteligência espiritual.” (Colossenses 1:9)


A Bíblia nos dá o caminho a seguir: “Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho”(Salmos 119:105). Ela traz os parâmetros estabelecidos por Deus para nossa conduta. (Veja Êxodo 20 e Mateus 5). Norteia nossos passos e nos dá base para vivermos “Ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente” como escreve Tito 2:12. Além disso, ela é poderosa “Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração” (Hebreus 4:12). E também é chamada de espada do espírito em Efésios 6.13 “Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes“. Ela é arma do Cristão contra as investidas do inimigo. Firmados nesta Palavra o cristão e sua família têm estabilidade e condições de enfrentar os problemas cotidianos.

Contudo, se a família não tem a orientação da palavra de Deus não pode discernir a verdade. Por isso há os clamam por essa orientação como está em Colossenses 1:9 “Por esta razão, nós também, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós, e de pedir que sejais cheios do conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e inteligência espiritual”. Discernimento é a capacidade de compreender, significa ter conhecimento entre o que é certo e o que é errado. Por isso Paulo orava para que os de Colossenses fossem cheios do pleno conhecimento de Deus e de inteligência espiritual, pois somente por meio da Palavra podemos conhecer a verdade. É discernimento que temos sabedoria prática e assim andamos conforme a vontade de Deus.

Deus te abençoe!

Adaptado de: Pr. Antônio Firmino da Silva Júnior, em 31/05/2008

“Guarda com toda a diligência o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida”. (Provérbios 4:23).


Como está seu coração?

Amado(a)
Como está seu coração? O que há nele? Está pergunta nos leva a pensar sobre o que é o coração segundo o sábio Salomão escreve. Coração aqui é o homem como um todo. Integral. Intelecto, emoção e vontade. Guardar o coração é impor limites para que determinados sentimentos, pensamentos, princípios e desejos não o dominem. Dele depende toda nossa vida. Em Eclesiastes 11:9 Salomão diz ”Alegra-te, jovem, na tua mocidade, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade, e anda pelos caminhos do teu coração, e pela vista dos teus olhos; sabe, porém, que por todas estas coisas te trará Deus a juízo”.
Portanto, há uma exortação para que se observem alguns limites que comprometem a integridade de um cristão. Lucas 6:45 assegura-nos que “O homem bom, do bom tesouro do seu coração tira o bem, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração tira o mal, porque da abundância do seu coração fala a boca”. Quem deixa seu coração se corromper será fruto disto. Quem não guarda seu coração passará limites que culminarão na sua própria destruição.
Mas a boa notícia é que Deus quer o seu coração e se você estiver disposto(a) a entregá-lo, não importa como ele está. Veja em 1 João 3:20: “Sabendo que, se o nosso coração nos condena, maior é Deus do que o nosso coração, e conhece todas as coisas”.
O Senhor amorosamente nos diz: “E dar-vos-ei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne”. (Ezequiel 36:26). Porque somente um coração assim pode agradar ao Pai: “Filho meu, se o teu coração for sábio, alegrar-se-á o meu coração, sim, o meu próprio”. (Provérbios 23:15).
Entregue seu coração ao Senhor. Ele cuidará dele!
Graça e Paz!

sábado, 16 de agosto de 2008

Palavra Viva: Palavra para Comunhão



A família deve viver em santidade.



“Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus”. (Romanos 8:8)

O lar deve ser um lugar onde esteja presente uma vida de pureza. Isto nos leva a avaliar o estilo de vida de famílias que esquecem que há determinados “limites” que não podem ser ultrapassados em relação à vida espiritual.
- Quem ultrapassa o limite da santidade entra numa vida de impureza e isto desagrada a Deus. Quem ultrapassa o limite do temor entra numa vida de soberba e desequilíbrio. “O temor do SENHOR é o princípio do conhecimento; os loucos desprezam a sabedoria e a instrução” (Provérbios 1:7) .
- Quem ultrapassa o limite da obediência a Deus condena a si mesmo à perdição. “Porém tampouco ouviram aos juízes, antes prostituíram-se após outros deuses, e adoraram a eles; depressa se desviaram do caminho, por onde andaram seus pais, obedecendo os mandamentos do SENHOR; mas eles assim não fizeram”. (Juízes 2:17)




Amado(a) A família de Deus deve ser separada e viver em santidade, para agradar ao Pai e dar testemunho aos incrédulos! Façamos a nossa parte!

Deus te abençoe!




Adaptado de: Pr. Antônio Firmino da Silva Júnior, em 31/05/2008

"E, tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! "(Lucas 15:17)




O "filho pródigo" nunca deu importância à qualidade de vida que seu pai lhe proporcionava. Foi preciso sair de casa, queimar seu dinheiro, fazer tolice sobre tolice, até chegar ao fundo do poço. Foi então que "caindo em si, disse: qualquer diarista do meu pai tem abundância de pão e eu aqui pereço de fome" (Lucas 15:17).
Por que será que só damos valor às coisas, depois que as perdemos? Por que passamos a valorizar a saúde só depois de termos abusado dela e ficado doente?
Não é uma pena a maneira como, muitas vezes, tratamos as pessoas que dizemos amar? Fazemos pouco caso, exploramos, esquecemos humilhamos: depois que as perdemos, choramos arrependidos.
Só o que pode dar um jeito em tudo isso é o amor de Cristo. Quando olhamos para dentro, para fora e tomamos consciência de que fizemos besteira. O jeito é sair do fundo do poço e deixar Jesus operar.
Não fique morrendo de fome. Ainda há tempo de voltar para Cristo.



Graça e Paz!

sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Palavra Viva: Palavra para Comunhão

A família deve pregar a Palavra

“E todos os dias, no templo e nas casas, não cessavam de ensinar, e de anunciar a Jesus Cristo”.
(Atos 5:42)

Como resposta ao amor de Deus: “Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores” Romanos 5:8 e “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”; João 3:16, devemos pregar sua Palavra. Outras famílias precisam ser alcançadas pela Palavra da verdade. Aqueles que já foram alcançados por Deus e vivem uma nova vida precisam se colocar como “mensageiros das boas novas”. Famílias estão sofrendo por não conhecerem a Jesus. Mas temos a mensagem que liberta. Temos a Palavra de Deus que quando aceita e pratica leva homens e a mulheres a conhecerem a Deus e a desfrutar do seu amor e graça. Nos devocionais diários a Palavra tem lugar prioritário, pois é por ela que aprendemos como devemos servir ao nosso Deus. É ela que nos ensina como devemos adorar a Deus. Devemos ter cuidado, pois muitos estão há tempos na Igreja, mas não se alimentam da Palavra de Deus. O resultado é a estagnação da vida cristã. Não amadurecem, continuam presos nos desejos carnais. “Porque, devendo já ser mestres pelo tempo, ainda necessitais de que se vos torne a ensinar quais sejam os primeiros rudimentos das palavras de Deus; e vos haveis feito tais que necessitais de leite, e não de sólido mantimento”. (Hebreus 5:12).

Deus te abençoe!
Bibliografia : Adaptado de: Pr. Antônio Firmino da Silva Júnior, em 31/05/2008

“Também vos enviou o SENHOR todos os seus servos, os profetas, madrugando e enviando-os, mas vós não escutastes, nem inclinastes os vossos ouvidos para ouvir” (Jeremias 25:4)



Para abençoar o homem, Deus usa vários agentes, que são sempre outros homens. Em várias passagens bíblicas vemos que Deus por vezes se serviu de meios supra-humanos, enviando anjos. Muitas vezes esses anjos eram humanos, e não celestiais. Jesus Cristo foi um desses meios celestiais, ao nos dar sua própria vida, coisa que nenhum anjo pode fazer, mas Ele o fez.
Deus, por seu Espírito Santo, doou aos seus filhos os recursos indispensáveis para que possam continuar a "onda" abençoadora de Deus. Ele quer abençoar e, para abençoar, abençoa pessoas que abençoam pessoas. Esta é a "corrente" divina.
Amado(a), muitas coisas ruins em sua vida foram desviadas ou muitas bênçãos lhe foram acrescentadas porque alguém atuou em sua vida, em forma de anjo. Muitas mensagens chegaram até você por meio e formas as mais inusitadas ou impensadas, mas serviram para lhe afastar de algo ruim, ou para lhe encaminhar a uma bênção. Elas podem ter vindo em forma de pregação, em uma mensagem da internet, em uma palavra de um irmão ou amigo, em um folheto encontrado ao acaso... Mas possivelmente muitas vezes você rejeitou esses “recados” de Deus e continuou em seu próprio entendimento. Já imaginou quantas vezes sua vida foi poupada, ou sua sorte foi mudada graças à oração de alguém por você? E o que você tem feito, hoje? Continua seguindo seu próprio coração? Lembre-se do que disse Salomão em Provérbios 16:9:”O coração do homem planeja o seu caminho, mas o SENHOR lhe dirige os passos”
Atente para o sábio conselho: “Filho meu, guarda as minhas palavras, e esconde dentro de ti os meus mandamentos. Guarda os meus mandamentos e vive; e a minha lei, como a menina dos teus olhos. Ata-os aos teus dedos, escreve-os na tábua do teu coração e “O SENHOR dará força ao seu povo; o SENHOR abençoará o seu povo com paz”. (Salmos 29:11).

Graça e Paz!..

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

O Pai perdoa nossos pecados




Imaginemos que se um dia nós fôssemos apresentados diante de Deus e nesse encontro todas nossas falhas fossem expostas? Como você se sentiria?
Imagine a vergonha de estar diante daquEle que com amor nos salvou e ser apresentado a esta lista vergonhosa?
Mas recorrendo à Bíblia Sagrada, vemos que nosso Pai, além de justo é longânimo e misericordioso. Em Jeremias 31.34 Deus nos fala “nunca mais me lembrarei dos seus pecados”. Em Miquéias 7.19, Ele menciona que nossos pecados seriam sepultados no fundo do mar: “Tornará a apiedar-se de nós; sujeitará as nossas iniqüidades, e tu lançarás todos os seus pecados nas profundezas do mar”. E em Hebreu 10.17, ele novamente afirma: “E jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniqüidades”. Deus já se esqueceu deles; porque você continua se lembrando? Ao invés de navegar em águas profundas em busca das lembranças dos erros do passado, que tal mergulhar nas profundezas da graça de Deus e do Seu amor?
Siga o exemplo do Pai! Deixe os pecados já perdoados para trás e viva em novidade de vida! Escolha os braços Dele e sua misericórdia!


Graça e Paz!