Traduza este blog

quarta-feira, 30 de junho de 2010




"Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu” (Isaías 43:1).


Amado(a), esse é mais um versículo que mostra o quanto Deus se preocupa com você, dentre outros tantos na Bíblia. Mas Ele tem demonstrado o Seu amor por você de várias formas. Você é escolhido(a) pelo Senhor e não faltam provas e testemunhos dessa dádiva. Olhe para a sua vida, para as circunstâncias que parecem contrariar a tudo o que mundo espera de você. Não fosse o imenso amor de Deus e os Seus livramentos nesse momento você estaria perdido(a), mas o Senhor resgata àqueles a quem chama por filho. E você é uma dessas pessoas. Você é chamado pelo nome, teve todas as oportunidades de fazer parte da mesa do Pai e não lhe falta amor, atenção e cuidado daqueles que o Senhor tem colocado em seu caminho para lhe provar em todos os sentidos que você é herdeiro(a) da promessa. O que mais está esperando para agir como filho?
Nesse mundo conturbado e de valores duvidosos como o que vivemos, que patrocina a futilidade, a infidelidade, a promiscuidade, a libertinagem, e a falta de compromisso, podemos ter a convicção de uma importante verdade que nos faz pensar e querer agir diferente: somos especiais e valiosos para o nosso Deus. Independente do que os outros pensem de nós ou das dificuldades que enfrentamos, temos a comprovação dessa verdade no fato de ter Cristo tomado a decisão de morrer na cruz, por nós, pecadores.
Jesus, no Calvário, mostrou o quanto era grande o amor do Pai para conosco e que ocupávamos um lugar de destaque em Seu coração.
Amado(a), você está consciente desse seu grande valor? Não importa o que você tenha feito, ou o que tentaram fazer com você. Jesus já lhe deu as credenciais para a sua vitória. O que está esperando para tomar o seu lugar à mesa do Senhor e mostrar ao mundo que você é diferente?Graça e Paz!

terça-feira, 29 de junho de 2010





Enganosa é a beleza e vã a formosura, mas a mulher que teme ao SENHOR, essa sim será louvada. (Provérbios 31:30)


Amado(a), Salomão faz um elogio à mulher que teme ao Senhor e encontra Nele toda a força que necessita para ser virtuosa: força nas adversidades com os filhos; força nas adversidades no casamento; força nas adversidades que rodeiam o seu mundo. Ele sabe que a mulher que teme ao Senhor é uma lutadora pelo bem-estar da sua família e prevalece porque permanece. Essas são as suas principais características: a perseverança e a fidelidade. Ela é virtuosa porque edifica a sua casa e as armas da sua luta não são físicas, mas espirituais, conforme diz Paulo em 2 Coríntios 10:4. Ela constrói com a oração a vida de sua família, o bem estar do seu marido, o equilíbrio financeiro. Ela edifica, profetizando o que ela quer ver no seu lar e alcança porque é sabia e não deixa o edifício a meio.
A mulher virtuosa espera em Deus, nos momentos difíceis e não desanima mesmo que as circunstâncias sejam adversas.
Ela não usa a sua própria persuasão ou força para mudar as coisas que a desagradam, porque ela teme a Deus, mas prevalece no Espírito do Senhor para que tudo continue a ser edificado na sua família. Para isto, fortalece a sua fé lendo e ouvindo a Palavra de Deus, para que os seus alicerces sejam profundos e inabaláveis.
Graça e Paz!

segunda-feira, 28 de junho de 2010



Se bem fizeres, não é certo que serás aceito? E se não fizeres bem, o pecado jaz à porta, e sobre ti será o seu desejo, mas sobre ele deves dominar. (Gênesis 4:7)


Amado(a), observe que neste texto Deus está dando um conceito de liberdade a Caim e afirmando que ele pode, se quiser, dominar o mal que paira sobre a vida dele. Mas há uma condicional explícita: ele precisa querer. O pecado está à porta de todos nós, porque estamos no mundo e o mundo jaz no maligno. Entretanto, somos livres para escolher entre o pecado e a santidade. Somos livres em Cristo. Mas essa liberdade cristã precisa ser compreendida para não ser deturpada e perdida. Liberdade cristã não é libertinagem. E Cristo não nos dá licença para pecar. Podemos escolher, mas nossas escolhas podem também nos aprisionar, pois se escolhemos o pecado, tornamo-nos escravos do inimigo e isso é uma forma de perdermos nossa liberdade. Quando pela misericórdia do Senhor o pecador é preservado, isso não deve ser confundido com tolerância com a prática do erro, mas como oportunidade para o arrependimento, como escreve Paulo aos Romanos 2:4 “Ou desprezas tu as riquezas da sua benignidade, e paciência e longanimidade, ignorando que a benignidade de Deus te leva ao arrependimento?”.A liberdade cristã consiste em estar dentro dos limites estabelecidos por Deus, por isso não significa independência ou insubmissão. Amado(a), como você tem se comportado em relação à liberdade que Deus lhe deu? Saiba que é livre para escolher, e por isso mesmo não está livre das conseqüências de suas escolhas. Escolha Jesus e vigie sempre!
Graça e Paz!

domingo, 27 de junho de 2010

Guarda com toda a diligência o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida. Desvia de ti a malignidade da boca, e alonga de ti a perversidade dos lábios. Dirijam-se os teus olhos para a frente, e olhem as tuas pálpebras diretamente diante de ti. Pondera a vereda de teus pés, e serão seguros todos os teus caminhos. Não declines nem para a direita nem para a esquerda; retira o teu pé do mal.” (Provérbios 4:23-27)

Amado(a), nas palavras do sábio podemos ver o segredo para uma vida abençoada e tranquila. E nada mais é do que seguir o caminho indicado pelo Senhor. Nosso coração se corrompe quando nossos olhos se desviam para aquilo que Deus diz para não olharmos, e quando insistimos em seguir o nosso coração sem ponderarmos se ele está de acordo com a palavra de Deus, ele se enche de tudo que não agrada ao Senhor. Mas se guardamos nosso coração, preenchendo-o com o que agrada ao Senhor nossos olhos se voltam para as coisas do Reino, nossos lábios proferem palavras doces, sábias e edificantes, nossos pés caminham por lugares de bênçãos e nossas mãos jamais tocam o que é impuro. Se nosso coração não nos condena, dormimos o sono dos justos e acordamos com a serenidade necessária para vencermos as lutas diárias ainda que tudo a nossa volta se mostre difícil. Nossos pés são guiados no rumo certo e não tropeçamos, porque o Senhor é que vai a nossa frente.
Mas é importante nos lembramos sempre do que diz Salomão: do coração procedem as fontes da vida. Amado(a), se você quer uma vida santificada, na prosperidade do Senhor, saiba que primeiro deve guardar seu coração de todo sentimento que não seja coerente com a palavra de Deus, seja ele de derrota, de orgulho, de lascívia, de vingança, de contenda, de inveja, de mágoa ou de infidelidade.
Coloque dentro de seu coração o amor de Deus e tudo o mais será abençoado.
Graça e Paz!

sábado, 26 de junho de 2010





Trouxe-me para um lugar espaçoso; livrou-me, porque tinha prazer em mim. (Salmos 18:19)


Amado(a), essa é uma palavra abençoada, que nos fortalece e nos dá novo ânimo. Como é bom saber que o Senhor nos dá abrigo e refrigério e os que Nele confiam não são abalados, mas permanecem firmes na promessa. Como é bom servir a um Deus que honra a Sua palavra e nos coloca na posição de vencedores ainda que as circunstâncias e as vozes do inimigo nos digam o contrário. Eis porque os que estão firmes na Rocha não desanimam e não se abalam, mesmo passando por tribulações. Antes, fazem dos obstáculos uma catapulta para o sucesso. Quando o Senhor vê em nós perseverança e fidelidade, Ele, certamente tem prazer em nossas atitudes e isso move a Sua mão a nosso favor. A palavra do Senhor é clara e não pode ser alterada. Se o Senhor permite que nossas bênçãos não cheguem no momento em que pedimos é porque está nos preparando para recebê-las no tempo certo de forma que elas não sejam desperdiçadas. Mas uma coisa é certa: o que Ele tem para nós não pode ser desviado. Os planos de Deus não serão frustrados, diz a Bíblia.
Amado(a), você já agradeceu a Deus hoje pela vitória que está a sua porta?
Graça e Paz!

sexta-feira, 25 de junho de 2010




Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos. (Tiago 5:16).


Amado(a), a palavra de Deus é o manual mais completo sobre como devemos conduzir nossas vidas. E há situações em nossas vidas que dependem de um posicionamento nosso, quando percebemos que estamos falhando em algo, ou com alguém. A Bíblia nos aconselha a confessar as nossas culpas e a orar uns pelos outros. O ato de confessar nos liberta daquilo que nos oprime e nos mantém reféns. Mas para que isso ocorra genuinamente é necessário arrependimento sincero. E arrependimento é a decisão de mudança total de atitude e de vida, quando,movidos por uma ação divina, somos levados a reconhecer o nosso pecado e nos entristecemos por ele, decidindo-nos a abandoná-lo. Arrependimento não é remorso, que apenas nos faz sentir culpa, sem desencadear o alívio que se baseia na confiança em Deus, que perdoa. O complemento do arrependimento é a Fé. Juntos, arrependimento e fé constituem a conversão. Só se converte quem se dispõe a abandonar o erro e se quebranta diante de Deus. E sabemos que Ele ouve o coração quebrantado. Tiago nos lembra também que, além da confissão, a oração move a mão de Deus. Entretanto, algumas pessoas oram por um propósito mas, se Deus lhe dá outra direção, elas não aceitam. Não é demais destacar que devemos estar dispostos a obedecer, ainda que a resposta de Deus não seja a que queremos ouvir, mas.
Graça e Paz!

quinta-feira, 24 de junho de 2010





E não somente isto, mas também nos gloriamos nas tribulações; sabendo que a tribulação produz a paciência, E a paciência a experiência, e a experiência a esperança. E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. (Romanos 5: 3-5)


Amado(a), o apóstolo Paulo em discernimento da palavra de Deus nos mostra de forma inequívoca que até mesmo as tribulações que passamos produzem em nós a base necessária para alcançarmos a vitória, pois elas nos trazem a paciência e ter paciência é saber esperar o tempo de Deus. Deus nos criou a Sua imagem e semelhança e Ele é fiel. Então, nascemos para ser fiéis, sabendo que a fidelidade produz em nós esperança e ser fiel é perseverar no amor, perseverar em Deus, porque seu amor já habita em nós, pois nos foi derramado o Espírito Santo. Aquele que ama com amor ágape sabe esperar com paciência sem desanimar nas tribulações. E reconhece que há um tempo de espera e um tempo de satisfação. Todas as coisas contribuem para o bem daqueles que amam a Deus, afirma Paulo em Romanos 8:28. E nessa palavra podemos entender que, segundo a vontade de Deus somos talhados até mesmo para compreender a hora certa de receber aquilo que Ele nos prometeu. Mas muitos não exercitam essa paciência ensinada pela bíblia e querem crescer rapidamente sem preparar o terreno. A natureza nos ensina essa lição o tempo todo. Em analogia à vida humana, podemos depreender que, se tivermos pressa, poderemos acabar construindo alguma coisa em cima de um solo movediço, sem firmeza, como num pântano. E todo o esforço será em vão. Crescer em pouco tempo não significa estabilidade. Quanto mais rápido for o crescimento, menos estável será a planta, porque não haverá tempo para uma estruturação interna, para um enraizamento que dê segurança. Assim é com a nossa vida tanto financeira, quanto emocional.
É acreditar que o crescimento rápido e espetacular é mais importante do que construir uma base sólida no trabalho, nas relações interpessoais, na busca da maturidade espiritual. O trabalho de estruturação, assim como o enraizamento do bambu, é algo demorado, feito longe da vista das pessoas, no anonimato, mas só assim é possível desenvolver a convicção de estar construindo algo verdadeiro, duradouro e firme. Só assim é possível construir algo estável, bem enraizado.
Paciência é fruto da confiança. Todo o tempo de espera é tempo de crescimento e de aprendizagem. É uma oportunidade de exercitar a paciência, a perseverança e a determinação. E isso traz esperança, e a esperança não traz confusão, afirma Paulo, ensinado que não o tempo é um aliado de quem confia e espera pelas promessas de Deus. Amado(a), se você crê em Deus, confie no futuro e viva o presente, segundo os Seus estatutos. Não se permita sofrer pensando em coisas que talvez possam acontecer, ou não, mais à frente. A ansiedade produz confusão, ao contrário da esperança. Não adianta se preocupar com as coisas do futuro, nem ficar lamentando o passado. O melhor é cuidar adequadamente das coisas possíveis do presente. Podemos aprender com o passado, mas não podemos alterá-lo. O futuro ainda virá e o máximo que podemos fazer é preparar o terreno no agora, como quem prepara a terra para a lavoura, ou como quem planta uma semente de bambu.
Graça e Paz!

quarta-feira, 23 de junho de 2010




E não me entregaste nas mãos do inimigo; puseste os meus pés num lugar espaçoso. (Salmos 31:8)


Amado(a) o salmista afirma neste salmo a sua confiança no Senhor e pede a Ele para que nunca o deixe confundido. Essa deve ser a nossa oração constante, pois, como Davi, quando reconhecemos nossa dependência de Deus, sabemos que somente Ele pode nos livrar do inimigo. Assim como Davi, devemos clamar a Deus “Inclina para mim os teus ouvidos, livra-me depressa; sê a minha firme rocha, uma casa fortíssima que me salve. Porque tu és a minha rocha e a minha fortaleza; assim, por amor do teu nome, guia-me e encaminha-me”.
Davi está nos mostrando que Deus coloca em um lugar espaçoso aquele que Nele confia, e que não será confundido quem busca refúgio em Sua casa. A casa do Senhor é abrigo seguro, lugar espaçoso e de paz, onde reina a esperança e todos que nela se encontram têm também a certeza de ter encontrado um lugar de honra, paz e refrigério para as dores da alma.
Assim como Davi reconheceu a sua dependência do Senhor, também o apóstolo Paulo afirmou em diz aos Filipenses 1:20 “Segundo a minha intensa expectação e esperança, de que em nada serei confundido; antes, com toda a confiança, Cristo será, tanto agora como sempre, engrandecido no meu corpo, seja pela vida, seja pela morte”. Também nós devemos entregar ao Senhor nossa esperança, crendo que só Ele pode nos resgatar e nos devolver a paz e a tranquilidade. Mas antes devemos tomar a posição de filho e proceder conforme Sua vontade, para que Ele seja engrandecido em nosso corpo.
Graça e Paz!

terça-feira, 22 de junho de 2010



Se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela. (Salmos 127:1.)

Amado(a) todos nós fazemos planos, vivemos expectativas e estamos de alguma forma empenhados na execução de um projeto -- desenvolver uma profissão, formar uma família, construir algo digno, ser reconhecido... Entretanto, em tudo o que quisermos fazer não podemos deixar Deus de fora, sob o risco de fracassarmos ou de nos frustrarmos, sabendo que sem Ele jamais atingiremos os objetivos. O salmista está nos dizendo que somente somos vitoriosos quando colocamos Deus nos nossos projetos de vida, e damos a Ele o controle de nossas vidas, deixando que nos oriente em tudo o que nos propusermos a fazer.
Sem Deus nada prospera, ainda que pareça bom aos olhos do mundo, pois quem semeia sem o Senhor ajunta em cesto sem fundo. Essa é a grande constatação e sobre a qual muitos não querem refletir. E infelizmente as pessoas têm se deixado envolver pelas ardilosas sugestões de satanás e se esquecido de que Deus é quem deve ser o centro de qualquer coisa que venhamos a edificar. E a casa que habitamos deve ser edificada tendo o Senhor como arquiteto, pois ela é o espaço de comunicação, comunhão, convivência e afetividade de seus membros. O ser humano deseja encontrar um lugar de refúgio, de convivência e de paz. E isso só é possível, quando edificamos nossa casa na base sólida. Para que nossos lares sejam esse lugar de referência é preciso colocar Cristo como o centro de reconciliação da vida e reintegrador da comunhão com o Pai, pois não bastam bens, pertences e valores na vida de algumas famílias. É necessária a presença transformadora de Jesus, aquele que tudo transformou nas Bodas de Caná da Galiléia. Mas é preciso lembrar sempre de que Ele só fez a transformação porque foi convidado a estar lá. Se não convidarmos o Senhor para estar em nossos lares ele jamais será transformado.

Graça e Paz!

segunda-feira, 21 de junho de 2010




E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido. (Gálatas 6:9)


Amado(a) a bíblia diz que aquele pode fazer o bem e não faz também peca. Mas o que significa fazer o bem? Muitos acreditam que é dar aos pobres alguns recursos, mas fazer o bem, de acordo com a palavra de Deus é bem mais do que isso. Deus nos dotou de capacidade para ajudar uns aos outros. Ele incutiu em nós recursos extraordinários para não apenas dar o pão a quem tem fome, mas também para ajudar o irmão a curar as doenças da alma. Em todo o tempo e lugar encontramos pessoas carentes de ajuda e não são necessariamente pessoas desprovidas de recursos materiais. Quantas vezes essas pessoas têm tudo, mas falta-lhes a essência que Jesus pode dar e ela desconhece. Quantas são as doenças da alma que minam o ser humano. Em geral elas são provocadas e/ou evidenciadas pela falta de relacionamentos saudáveis, como narcisismo (gente que só pensa em si mesma), falta de propósito para a vida, ressentimentos, imaturidade. Só Deus pode curar essas doenças e muitas vezes isso ocorre por nosso intermédio. Mas é preciso predisposição para servir ao próximo. Ouvir, sem julgar, encaminhar e orientar, na luz do Espírito Santo. Contudo, há que se ter a firme convicção de que somente por intermédio do Espírito Santo podemos ajudar outras pessoas rumo à maturidade. Desde que compreendamos os outros, podemos participar de um relacionamento que só o Evangelho possibilita. E isso só é possível na comunhão com Cristo. Só quando o amor de Cristo nos alcança verdadeiramente, poderemos tocar os outros.
Nossos relacionamentos curam quando nos preocupamos em liberar o que é bom no outro. Podemos fazer o bem, quando ativamos no outro a bondade ainda não cultivada para enfrentar a maldade que já está ativada. É a única forma de neutralizar o mal instalado nos corações vazios, com a ausência de Deus.
Paulo, impregnado do verdadeiro amor cristão nos ensina em Gálatas 6:2 “Levai as cargas uns dos outros e assim cumprireis a lei de Cristo”. Por isso exorta-nos “Então, enquanto temos tempo, façamos o bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé”.
E você tem vivido esse evangelho?

Graça e Paz!

domingo, 20 de junho de 2010




Saiba que aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador, salvará da morte uma alma, e cobrirá uma multidão de pecados. (Tiago 5:20)

Amado(a), veja quão grande é a misericórdia do Senhor. Ele dá um tempo para arrependimento dos pecados e se alguém que se desvia da verdade puder ser levado a arrependimento, Deus sempre coloca um intercessor, para que possa orar e instruir o irmão que se deixou levar nos laços do maligno. Veja o que diz o apóstolo Paulo em 2 Timóteo 2:24-26 "E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor, instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade, e tornarem a despertar, desprendendo-se dos laços do diabo, em que à vontade dele estão presos"
Amado(a), o que Tiago está nos dizendo é que somos responsáveis por aqueles que Deus colocou em nosso caminho e não podemos ficar tranqüilos se virmos nosso irmão em pecado que não é para morte e nada fizermos para que dele se desvie. E Paulo ratifica que o servo do Senhor deve instruir com mansidão aqueles que resistem à verdade. E se resistem é porque se desviaram dela. Somente com a ação do Espírito Santo e não pela força dos argumentos que vem o arrependimento e o conhecimento da verdade e assim pode o pecador sair do laço do diabo no qual caiu.
Se um irmão se desvia da verdade pode ser convertido, pode voltar á luz e se arrepender. E por isso deve ser mansamente admoestado para que tenha a oportunidade de reconhecer seu erro e ser chamado à verdade. Tiago também nos adverte que ajudar a quem precisa é obrigação do cristão, e há várias formas de fazer o bem: muitas vezes é a oração, outras vezes é o partilhar do pão, tantas outras uma palavra de conforto, um ombro amigo, ou até mesmo um puxão de orelha. Mas também “Aquele, pois, que sabe fazer o bem e não o faz, comete pecado” afirma Tiago 4:20.
Graça e Paz!

sábado, 19 de junho de 2010


"Guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa." (Apocalipse 3:11b)


Amado(a), essa exortação nos faz refletir sobre o que temos para ser guardado. O Senhor está nos dizendo para sermos vigilantes e não permitir que nos roube a coroa. O que você tem para ser guardado? Muitos têm se preocupado em guardar a casa, o carro, os bens materiais com receio de que os ladrões tomem aquilo que conseguiram juntar nessa vida, mas não têm se preocupado em guardar aquilo que é mais precioso: a chave do Reino de Deus. É preciso, pois, guardar a fé, pois sem fé é impossível agradar a Deus. E o grande ladrão sabe disso, por isso Jesus avisou em Lucas 18:8: “Digo-vos que, depressa, lhes fará justiça. Quando, porém, vier o Filho do Homem, porventura, achará fé na terra?” É preciso guardar a fidelidade, que é sustentada pela lealdade, firmeza, exatidão e probidade. A Bíblia diz que quem foi fiel no seu serviço ao Senhor e compartilhou do seu trabalho aqui na terra terá uma rica recompensa no reino futuro. É preciso guardar a justiça: virtude moral que inspira o respeito dos direitos de outrem e que faz dar a cada um o que lhe pertence. Muitos têm pensado só em si e passado por cima dos direitos dos outros em beneficio próprio, mas Jesus nos alerta em Mateus 5: 20 “Pois eu lhes digo que se a justiça de vocês não for muito superior à dos fariseus e mestres da lei, de modo nenhum entrarão no Reino dos céus”. É preciso guardar a santidade, conforme instrui Paulo aos Hebreus 12:14 “Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor”. Ser santo é estar separado do pecado e consagrado a Deus. É procurar ficar perto de Deus e ser semelhante a Ele, e, de todo o coração, buscar sua presença, sua justiça e a sua comunhão. Essa virtude é prioridade para Deus. Mas também é necessário guardar a obediência: submeter-nos à vontade de Deus e não nos desviar de Sua palavra. Mais importa obedecer a Deus do que aos homens, afirma a Bíblia em Atos 5:29. Antes que qualquer atitude nossa devemos ponderar "O que está certo diante de Deus?" (Gálatas 1:10). Se agirmos pautados nesses princípios, certamente não abriremos brechas para que ninguém possa tomar nossa coroa.

Graça e Paz!

sexta-feira, 18 de junho de 2010






A alma generosa prosperará e aquele que atende também será atendido. (Provérbios 11:25)



Amado(a), o sábio rei nos ensina que aquele que usa de generosidade, recebe de volta mais do que aquilo que deu. Isso é promessa de Deus, pois Ele abençoa os bondosos e generosos que dão dos seus recursos, ou dão de si mesmos. Ainda que a retribuição não venha pela mão da pessoa que recebeu, Deus sempre usa alguém que age igualmente de forma generosa na vida de quem não retém ajuda a quem precisa.
A Bíblia ensina que somos mordomos dos dons de Deus e que devemos usá-los em prol de Seu Reino e visando o bem dos necessitados. O apóstolo Paulo nos fala em II Coríntios 9:6 que aquele que semeia pouco, também colherá pouco, e aquele que semeia com fartura, também colherá fartamente. A medida da benção e da recompensa a recebermos do Senhor será proporcional ao nosso interesse pelos outros e à ajuda que lhes damos, quando Deus nos chama a fazer a nossa parte. E quando isso acontece, podemos escolher contribuir generosamente, ou com avareza. Toda vez que ajudamos ao próximo, servimos ao Pai e estamos plantando uma semente que frutificará em nossas vidas, pois a contribuição não é uma perda, mas uma forma de economizar; ela trará benefícios substanciais para quem contribui. Entretanto, é preciso observar que não é o valor ou a quantidade ofertada, mas a qualidade dos desejos e dos motivos do nosso coração ao ofertarmos que determinam nossa colheita. O Senhor Jesus, que disse: Mais bem-aventurada coisa é dar do que receber. (Atos 20: 35), mas sabemos que o mundo ensina o contrário: só dar, se recebermos em troca. E mais difícil ainda é ser generoso com quem nos fez algum mal. Amar os inimigos é perdoar-lhes e lhes retribuir o mal com o bem. Isso é usar de generosidade e colocar em prática o segundo mandamento. O que assim procede se torna superior aos seus inimigos, enquanto o que não pratica essa espécie de amor, age com egoísmo ou com espírito de vingança.
Amado(a), em que nível você se encontra?



Graça e Paz!

quinta-feira, 17 de junho de 2010



Falei contigo na tua prosperidade, mas tu disseste: Não ouvirei. Este tem sido o teu caminho, desde a tua mocidade, pois nunca deste ouvidos à minha voz. (Jeremias 22:21)

Amado(a), o profeta Jeremias fala sobre a prosperidade e esse versículo especialmente nos chama a atenção para algo que tem sido alvo de interesse de muitos, e cujos princípios basilares tem sido bastante negligenciado. Prosperidade, no sentido bíblico, é a medida das bênçãos de Deus, segundo a Sua vontade. Não se trata apenas de “ser rico” ou ter “ótima saúde”, mas também de possuir sabedoria, dons, um cônjuge honrado e fiel, filhos obedientes e fiéis a Deus, honras, paz, segurança, dentre outras coisas que a vida secular valoriza. Deus quer que Seu povo seja próspero, pois vemos que ao longo da história humana, Ele tem usado pessoas prósperas para abençoar seu povo: Abraão, Isaque, José (do Egito), Davi, Salomão. Ele muda a sorte das pessoas para que também possam abençoar outras vidas. Mas muitos se perguntam, como ser próspero, num mundo em crise?
O primeiro passo é ser obediente: de Gênesis a Apocalipse vemos textos que tratam disso e corroboram a ideia de que a obediência à vontade de Deus leva o homem a gozar paz, harmonia, segurança, e usufruir dos benefícios que Ele tem reservado àqueles que O amam As promessas feitas aos dizimistas são créditos de bênçãos pela obediência (Malaquias 3:10-11).
Mas não podemos reter as bênçãos, isso é outro princípio. Aquele que dá, mais recebe. Podemos constatar isso na vida de muitos homens bíblicos e até mesmos pessoas de nosso tempo
Em Romanos 8:28 lemos que “Todas as coisas cooperam para o bem...” E isso pode significar que às vezes ganhamos com nossas perdas. Elas devem nos servir de aprendizado. Jeremias nos mostra que os profetas falam e alguns não ouvem e seguem sem receber as bênçãos. Portanto, amado(a), outro princípio a ser aprendido é: ouça quem é abençoado e procure seguir seus conselhos. E, sobretudo, seja um bom mordomo daquilo que recebe. O que você tem não é seu, mas é dado para que saiba administrar bem. Muitos têm gastado seus recursos com coisas que não agradam ao Senhor e têm se corrompido com dinheiro que não é ganho de forma honesta. Peça sabedoria a Deus para saber usar e distribuir a sua renda.
É propósito de Deus que haja diligência com o que recebermos: o que pouco recebe, pouco será cobrado, o que muito recebe, muito será exigido (Lucas 12:48).
Como você tem administrado os recursos que Deus lhe dispensa?

Graça e Paz!

quarta-feira, 16 de junho de 2010





Mas agora, assim diz o SENHOR que te criou, ó Jacó, e que te formou, ó Israel: Não temas, porque eu te remi; chamei-te pelo teu nome, tu és meu. (Isaías 43:1)



Amado(a), quantas vezes Deus tem dado provas de que você foi escolhido(a) desde o ventre de sua mãe e tem promovido livramentos e guardado a sua vida com o amor misericordioso e você ainda não tomou um posicionamento de fé para confirmar que é filho(a) de Deus Altíssimo e não bastardo(a) sem um lar? Ele diz com todas as letras, de todas as formas: tu és meu. Ele te chama pelo nome e ama incondicionalmente. Por ainda prefere viver de sobras e migalhas do mundo? Não temas, nada há que posa lhe separar do amor de Deus, porque não foi você quem O escolheu, mas foi escolhido(a) pelo Senhor para fazer parte de sua família, para viver uma vida com abundância e tomar parte em Sua mesa, com as honras e as vestes de filho(a).
Amado(a), busque o Senhor enquanto se pode achar. Não há prova de amor maior do que a que Ele lhe deu, quando se deixou morrer na cruz pelos seus pecados. Por isso, reconheça o Seu amor e saiba que seus pecados já foram perdoados. Basta uma palavra sua para que deles Ele não se lembre mais. Lembre-se: o Senhor te chama pelo nome. Ele conhece seus passos e seus sofrimentos e tem um plano maravilhoso para sua vida. Sua parte agora é ouvir a voz de Deus e deixar ao longe os ruídos do mundo.

Graça e Paz!

terça-feira, 15 de junho de 2010




“Confie no SENHOR de todo o seu coração e não se apóie em seu próprio entendimento; reconheça o SENHOR em todos os seus caminhos, e ele endireitará as suas veredas. Não seja sábio aos seus próprios olhos; tema o SENHOR e evite o mal. Isso lhe dará saúde ao corpo e vigor aos ossos”. (Provérbios 3.5-8)



Amado(a), você quer ser uma pessoa rica e abençoada em todas as áreas de sua vida? Se a resposta for sim siga os passos que ensina Salomão nesses versículos. O primeiro passo é: confie no Senhor. Essa é a lição mais importante e dela dependem as demais. Para nos ensinar isso, muitas vezes o Senhor permite que passemos por situações nas quais nossa única saída é confiar. Assim, nos leva a viver experiências que revelam a Sua presença, quando pensávamos que tudo estava perdido. Mesmo quando as coisas se encaminham para onde não queremos, podemos ver a mão misericordiosa do Senhor e Seu livramento. Ele nos permite passar pelas aflições, mas está do nosso lado e espera que aprendamos uma grande lição. O segundo passo é não nos apoiar em nosso próprio entendimento. Isso significa que precisamos aceitar as verdades que Deus revela a outras pessoas. Outro passo é reconhecer o Senhor. Não é possível crescer como cristãos sem ter Deus como nosso referencial. Ele deve ser o nosso ponto central em todas as decisões. É o nosso “lugar de descanso”, pois com Ele, tudo fica mais seguro. É preciso dar graças e reconhecer que sem Ele nada podemos e todos nossos esforços são em vão sem Sua bênção. Outro passo é crer que Ele endireitará as nossas veredas. Deus nos conduzirá ao sucesso, mas não podemos nos desviar de Seus caminhos, nem para a direita nem para a esquerda. As respostas de Deus nos vêm de várias formas. Pode vir pela palavra, na pregação, na fala de um irmão, na voz de um desconhecido. Mas quando vem do Espírito, sabemos que vem para endireitar nossas veredas. Um passo essencial: temer o Senhor e evitar o mal.
Amado(a) pode ser que você já tenhamos passado alguns anos vagando pelo deserto. Pode ser até que tenha acreditado que Ele o abandonou. Mas o certo é: Deus é fiel e sabe a hora exata de nos abençoar para que não desperdicemos as bênçãos. Se crermos em Deus, andarmos em Seus caminhos, com toda certeza, teremos vigor para evitar o mal.

Graça e Paz!

segunda-feira, 14 de junho de 2010




Bem vês que a fé cooperou com as suas obras, e que pelas obras a fé foi aperfeiçoada. (Tiago 2:22)

Amado(a), Tiago está dizendo que é preciso fazer algo, sair do imobilismo a que muitos cristãos se prendem e agir. A fé é um dínamo, por isso não pode ser estática. Deve servir para impulsionar ações. Aquele que crê age para o bem da obra de Deus e trabalha pela conquista do Reino. A Bíblia diz que sem fé é impossível agradar a Deus, mas não basta ter fé, se ela não é motor de uma ação para que a Igreja se fortaleça, para que a sociedade seja transformada e para que vidas sejam salvas. Tiago dá exemplos de pessoas que usaram sua fé, mas não se limitaram a crer somente: agiram. Abraão levou seu filho em holocausto. Agiu pela fé e foi justificado e por isso alcançou a promessa. Tiago, no capítulo 2, também faz menção à Raabe, a meretriz, que, pela fé, acolheu os enviados de Josué e por conta disso foi salva e salvou a todos de sua casa. Ela não apenas creu, mas colocou em risco sua vida, porque acreditou e colocou em prática essa fé. De nada adianta dizermos que temos fé, que cremos em Deus e não amamos ao nosso irmão. E não demonstramos esse amor por obras. Há pessoas que amam no discurso, mas não praticam ou vivenciam o amor. Que perdoam com os lábios, mas não demonstram isso em seus atos. Que se dizem cristãos evangélicos, mas não praticam a palavra.
Amado(a), o que você tem feito para justificar sua fé? O que você diz pode ser confirmado por suas ações? Raabe tinha uma vida dissoluta, mas teve fé para mudar seu destino e de sua família. Contudo, é preciso observar que ela não só teve fé. Ela agiu e demonstrou a mudança necessária para que não só a sua vida fosse mudada, mas, indiretamente, de toda a humanidade: dela vem a linhagem de Jesus. Isso só confirma que Deus não olha o passado, mas o coração verdadeiramente disposto a segui-Lo.
.

Graça e Paz!

domingo, 13 de junho de 2010




"Todas as veredas do SENHOR são misericórdia e verdade para aqueles que guardam a sua aliança e os seus testemunhos. (Salmos 25:10)


Amado(a), observe que o salmista inicia esse versículo enfatizando que todos os caminhos do Senhor são benéficos, mas deixa claro que a sua misericórdia é para aqueles que guardam a sua aliança e vivem conforme a sua palavra. Aliança é pacto, é promessa que não pode ser quebrada e quando fazemos um compromisso não devemos banalizá-lo ou nos esquecer do que nos propusemos. Por isso os compromissos só devem ser assumidos quando estamos seguros de que os cumpriremos. Isso vale para os votos feitos entre os homens, mas e principalmente, entre os homens e Deus. Ele não se esquece de seus compromissos conosco, por isso Paulo afirma em Hebreus 10:23 “Retenhamos firmes a confissão da nossa esperança; porque fiel é o que prometeu”.
Amado(a), se Deus prometeu algo a você, se mais de uma vez a palavra recebida foi confirmada e você sabe que ela vem do Senhor e não da boca do homem, creia. Ele cumprirá. Se ela ainda não se cumpriu, você pode ter responsabilidade nisso. Se tem se desviado de suas veredas, se não tem guardado as promessas em seu coração e permitido que o inimigo coloque atalhos em seu caminho, que sussurre sugestões de derrota ou seduções que venham postergar a entrega de suas bênçãos, não culpe Deus. Ele continua fiel e justo e só você pode escolher: receber ou não as bênçãos, receber já, ou adiar mais enquanto não se decide pelas veredas da justiça e aceitar a misericórdia de Deus.
Mas você pode, neste momento, dobrar seus joelhos e confessar o seu desejo sincero que não quebrar a aliança do Senhor e receber brevemente, no tempo de Deus, as promessas que Ele tem para você.
Graça e Paz!

sábado, 12 de junho de 2010


O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; (I Coríntios 13: 4-8)


Amado(a), Neste trecho, Deus nos mostra, por intermédio do apóstolo Paulo as características do amor que devemos manifestar em nossas vidas. O amor é sofredor. Isso significa que as ofensas recebidas não devem ser entendidas como guerra, mas como possibilidade de compreender e aceitar o que se passa com o outro. Se compreendemos esta qualidade de amar alguém, sabemos processar a dor em crescimento e amadurecimento do amor. O amor é benigno. Por isso, em vez de criticar, de humilhar, devemos ressaltar as qualidades de forma que as falhas apontadas não apaguem o valor dos aspectos positivos. O amor não é invejoso. Nesse caso, não gera disputa, nem insegurança quando a outra pessoa tem algo a mais ou ocupa uma posição melhor do que a nossa. O amor não trata com leviandade. Isso significa não deixar que o outro se sinta inferior ou deixado de lado. Isso significa não abalar a honra do outro, ou falar mal nas costas, rebaixando ou difamando a pessoa. O amor não se ensoberbece. Se temos essa característica do amor, então não somos orgulhosa, nem arrogante diante de quem amamos. Damos honra à pessoa, sem esperar que ela faça o mesmo. O amor não se porta com indecência, por isso não somos grosseiros, sarcásticos ou críticos, tampouco somos exibicionistas ou banalizamos nossas relações com sensualidade, infidelidade ou atitudes imorais. Nosso amor deve ser demonstrado com cortesia nos mínimos gestos. No dia-a-dia, não apenas em datas especiais. O amor não busca os seus interesses. Quem ama dessa forma não focaliza em si próprio, mas em quem ama, buscando seu bem em todas as circunstâncias, independente de como é tratado, sem ser possessivo, ou exigindo os seus direitos. O amor não se irrita. Não procura ficar sempre na defensiva, nem se dar o troco, agindo com suscetibilidade e melindres. O amor não suspeita mal. Quando amamos verdadeiramente, demonstrarmos confiança e capacidade de perdoar. Não procuramos nos vingar pagando o mal com o mal. O amor não folga com a injustiça. Assim, nunca nos regozijamos com as falhas do outro, nem quando recebe a justa punição, ou quando é injustiçado. O amor folga com a verdade. Isso significa agir com lealdade e valorizar o outro pela sua honestidade, mesmo que suas atitudes sejam contra nós. O amor tudo sofre. Assim, somos capazes de suportar qualquer tipo de provação ou angústia pelo bem daquele a quem amamos. O amor tudo crê. Com este amor, confiamos na pessoa e cremos no potencial da pessoa e no seu valor diante de Deus. O amor tudo espera. Quem ama realmente, crê que Deus está agindo na vida da pessoa amada, trabalhando e moldando como o oleiro faz com o barro e assim nunca desanima, quando as circunstâncias são contrária. Antes damos forma ao outro e nos fortalecemos em Deus, esperando que Ele, não outra pessoa, afaste os obstáculos. O amor tudo suporta. Pela pessoa amada, suportamos críticas, dificuldades financeiras, até mesmo a ausência. Isso jamais nos desanima, porque estamos alicerçados no amor de Deus, não no amor mundano que contraria a todas essas características.
Amado(a), você tem desenvolvido nas suas relações essas características? Antes de dizer “eu te amo”, pense nisto!

Graça e Paz!

sexta-feira, 11 de junho de 2010



"Buscai ao SENHOR enquanto se pode achar, invocai-o enquanto está perto”. (Isaías 55:6)


Amado(a), o profeta Isaias chama a nossa atenção sobre a presença de Deus em nossas vidas e para a importância de O buscarmos enquanto está perto. Quantas vezes ignoramos o Seu chamado, deixamos de lado a Sua palavra para ouvirmos a voz do mundo e nos associarmos aos pecadores? Quantas vezes gastamos o nosso dinheiro naquilo que não é pão e o produto do nosso trabalho naquilo que não pode satisfazer? Pois Deus tem constantemente usado Seus profetas para nos dizer “Ouvi-me atentamente, e comei o que é bom, e a vossa alma se deleite com a gordura”. Inclinai os vossos ouvidos, e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá; porque convosco farei uma aliança perpétua, dando-vos as firmes beneficências de Davi”.
Ele tem nos prometido o melhor, a honra e a dignidade de nos sentarmos à Sua mesa e partilhamos do pão da vida e temos sido tolos e negligentes. Ele tem nos dito “Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos, e se converta ao SENHOR, que se compadecerá dele; torne para o nosso Deus, porque grandioso é em perdoar”. (Isaias 55:7). Quando ouvirmos a Sua voz e nossos olhos não se desviarem de Seus caminhos, tomaremos posse de Suas promessas.
Amado(a), Deus tem falado com você todos os dias, de todas as formas, para que assuma a sua posição de filho e receba as vestes e o anel de honra. Essa aliança não se desfaz, mas só será selada, quando o seu coração estiver rendido completamente: “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o SENHOR”.
Graça e Paz!

quarta-feira, 9 de junho de 2010




“Pai, perdoa-lhes! Eles não sabem o que fazem!”.(Lucas 23: 34)


Amado(a), com esse gesto, na cruz, Jesus nos ensinou a ter um coração que perdoa, ou pelo menos que quer perdoar. Uma forma de nos aproximarmos de Deus e fazermos a Sua vontade é intercessão junto a Deus por aqueles que nos fazem ou fizeram mal. Se fomos criados à imagem e semelhança de Deus, devemos exercitar o perdão.
Perdoar, não é fácil, mas como cristão, temos que pelo menos querer dar o perdão àqueles que nos fazem mal. Perdoar faz bem muito mais ao que perdoa, do que ao que é perdoado. Entretanto, muitas não querem nem mesmo ver a pessoa que lhe fez algum mal. Jesus estava sendo crucificado e intercedia por seus algozes. Jesus reconhece que aqueles homens não sabiam a gravidade do que estavam fazendo. Nós também precisamos compreender, por mais difícil que seja, que todo homem é bom, que é imagem e semelhança de Deus, e que muitas vezes faz o mal sem querer fazê-lo, sem saber a gravidade daquilo que esta fazendo.
Como interceder por alguém que magoa nosso coração? É preciso nos colocar diante de Deus e pedir graça e direção, porque Ele sabe as razões por que passamos por algo que nos incomoda. Certamente, ao nos fazer um mal, um bem vem em nosso alcance, quando temos o coração aberto ao perdão.
Diante de todo o mal, Deus tira um bem. E aquele que nos faz mal merece não só o perdão de Deus, mas também o nosso.
Esse é o verdadeiro amor, amar como Jesus ensinou. Perdoar a todos aqueles que nos fizeram mal. Como podemos dizer que amamos a Deus, se não amamos ao próximo?

Graça e Paz!


"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu Filho..." Existe maior amor do que este? (João 3:16)

Amado(a), a Bíblia nos mostra que o amor é um dom supremo e assim como Jesus fez por nós, quem ama com o amor ágape, aquele amor que se dá e se sacrifica pelo mais alto bem da outra pessoa, conhece verdadeiramente o que o amor e assim também pode conhecer a Deus. Nessa forma de amor busca-se o que é melhor para aquele que ama e não os próprios interesses. Nessa forma de amor percebe-se a dedicação, pois se continua amando aconteça o que acontecer, eis porque é o mais profundo e o mais sublime de todos. É o amor que sempre caracterizou Deus. Veja Em Encontramos também este amor expresso em I Coríntios 13:4-7. só as relações fundamentadas no amor ágape podem sobreviver a qualquer tipo de tempestade, desencontros, desavenças, desemprego, doenças... Somente vivendo esse amor, podemos entender como a palavra de Deus se torna realidade quando Ele diz: "o amor jamais acaba". Mas certamente este tipo de amor precisa ser aprendido e esta aprendizagem pressupõe dedicação e desejo de conhecer, além de muito esforço Todos precisamos aprender a amar com essa abnegação, porque esse amor nos levará ao Pai.

Graça e Paz!

terça-feira, 8 de junho de 2010



E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai. (Colossenses 3:17)


Amado(a), o apóstolo Paulo está nos falando neste texto sobre a importância de trilharmos nossa vida de acordo com a Palavra de Deus. Isso significa fazer tudo considerando que Jesus está no controle e que se agradaria de nossas atitudes, sejam elas quais forem. Possam os homens reconhecer ou não. E além disso, em tudo o que conquistarmos devemos graças a Deus, porque nada seremos sem Ele. Nenhum tesouro, nenhum bem amealhado sem a presença de Deus pode nos contentar ou nos enriquecer. Se a riqueza do mundo se descortina aos nossos olhos, a pobreza espiritual e moral não ficam invisíveis. Quando estamos em dúvida acerca de algo ser correto ou errado, o melhor é nos dirigir ao nosso canto de oração, dobre os joelhos e pedir a bênção de Deus sobre aquilo "E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai." (Colossenses 3:17). Se não pudermos fazê-lo é porque o Espírito nos diz que aquilo é algo errado "Mas aquele que tem dúvidas, se come está condenado, porque não come por fé; e tudo o que não é de fé é pecado." (Romanos 14:23).
Jamais devemos relacionar nossos atos aos de outros, mesmos que confessos cristãos, argumentando que se tal pessoa faz isto ou aquilo nós também pode fazê-lo. O que devemos fazer é nos perguntar: como o Senhor Jesus agiria em meu lugar? Se fizermos o que diz a palavra e dela não nos desviarmos, ainda que as circunstâncias sejam adversas, certamente seremos abençoados. "As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem;" (João 10:27). Jamais podemos crer naquilo que sentimos, mas que contradiz à Palavra de Deus. O correto é nos perguntar: o que eu sinto é verdadeiro, e pode ser provado à luz da Palavra de Deus? Se ambos não podem ser verdadeiros, creia em Deus e acredite que seu coração está mentindo
Amado(a), antes de qualquer decisão, em qualquer área de sua vida, coloque-a diante do Senhor, sabendo que "Quem crê no Filho de Deus, em si mesmo tem o testemunho; quem a Deus não crê mentiroso o fez, porquanto não creu no testemunho que Deus de seu Filho deu. E o testemunho é este: que Deus nos deu a vida eterna; e esta vida está em seu Filho." (1 João 5:10-11) .
Graça e Paz!

segunda-feira, 7 de junho de 2010


O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. (I Coríntios 13: 4)

Amado(a), o apóstolo Paulo está nos falando neste texto sobre a característica sobremodo excelente do amor. O amor como é conhecido pelo mundo não se assemelha a esse amor descrito pelo apóstolo. O amor não é um sentimento, ao contrário do que o mundo ensina. O amor é uma decisão é uma atitude. Uma busca de aceitar e de compreender, ainda que as circunstâncias digam não. Amar pressupõe aceitação de diferenças, determinação em superar conflitos. E o primeiro passo para compreender esse amor é amar a si próprio com o amor de Deus. Fazendo também ao outro o que se espera para si. O amor visto dessa forma é construído aos poucos, sem a urgência mundana, com a certeza de Deus e sem a inconstância do homem. O amor tudo suporta, porque não é um sentimento como a raiva, que, felizmente, vem e passa. O amor não é invejoso e não se porta com leviandade, afirma Paulo. Isso significa que quem ama com o amor aqui descrito não busca o que é melhor para si, sem considerar o outro. Isso é paixão, um sentimento que, não contido, extrapola os sentidos e não atenta para o outro, apenas para a sua satisfação. Mas o amor, como ação e construção, respeita e se alimenta do bem estar do outro.
Amar consiste em entender o outro. Em fazer de tudo para poder ajudar o próximo. Amor não é só sentimento, assim como o perdão não é só sentimento. Isto porque todo sentimento depende do outro: Mas o amor não é um sentimento porque ele não é circunstancial. Não depende das circunstâncias externas. Sentimentos são circunstanciais. Amar é uma decisão, é uma ação. Contudo, se decidimos amar, isso não quer dizer que excluímos os sentimentos e as emoções. A diferença é que no verdadeiro amor não agimos por sentimentos e emoções, mas, agimos conforme o que acreditamos ser nobre e passamos a experimentar sentimentos e emoções também nobres. Não almejamos os nossos interesses, mas somos pacientes para esperar que o outro receba o nosso amor. O amor, como entendido pelo mundo tem tempo definido e se manifesta apenas de acordo com os interesses de um. Não considera o outro: é como aquela máxima “se um não quer dois não brigam”. Amor, conforme define Paulo não é infinito enquanto dure, porque ainda que um não queira ele existe, independente desse querer. A diferença é que aquele que não escolheu, não fez essa decisão não vai conhecer o que é amor. Assim, vai viver perseguindo o que o mundo nomeia como amor e jamais encontrará o que procura. Isso porque o amor é uma decisão consciente.
Graça e Paz!

domingo, 6 de junho de 2010





E lhes darei um só coração, e um espírito novo porei dentro deles; e tirarei da sua carne o coração de pedra, e lhes darei um coração de carne; Para que andem nos meus estatutos, e guardem os meus juízos, e os cumpram; e eles me serão por povo, e eu lhes serei por Deus. (Ezequiel 11:19,20).

Amado(a), veja que a palavra do Senhor é de conforto para quem procura Sua presença. Ele pode e quer restaurar as vidas que se desviaram, que deixaram Seus estatutos para andar sob os domínios da carne, porque é um Deus misericordioso. Mas deixa claro que espera decisão e arrependimento sincero. E para que possa abençoar, Ele quer que andemos em Seus caminhos, sem deles nos desviar. Para isso é preciso abandonar todas as suas coisas detestáveis e todas as suas abominações.
Se há algo que impede a ação de Deus em nossas vidas, e o Espírito tem nos mostrado, ainda há tempo de reconhecermos e de nos posicionarmos, porque o profeta nos alerta que àqueles cujo coração andar conforme o coração das suas coisas detestáveis, e as suas abominações, serão banidos do Reino de Deus e não contemplarão a Sua face, tampouco conhecerão o descanso e a paz que Ele reservou ‘aqueles que se arrependem, mesmo que tenham andado por caminhos tortuosos.
Graça e Paz!

sábado, 5 de junho de 2010



“O qual nos tirou da potestade das trevas, e nos transportou para o reino do Filho do seu amor”. (Colossenses 1:13)

Amado(a), trevas significam ausência de luz e tudo que está fora da palavra, que não é alcançado pela luz de Deus está nas trevas. O inimigo tenta controlar a mente, as emoções, os sentimentos, e as ações das pessoas que andam nas trevas, levando-as ao pecado. Toda pessoa que anda nas trevas não crê na luz, ou seja, em Jesus, pratica o mal (João 3:20), aborrece o seu irmão, está cego espiritualmente, porque as trevas lhe cegaram os olhos e, por essa razão, não sabe para onde vai (1 João 2:11). A Palavra de Deus diz que satanás, o deus deste século, cega os entendimentos dos incrédulos para que não lhes resplandeça a luz do evangelho (2 Corintios 4:4). Quem anda em trevas, aborrece a luz e não vem para ela para que as suas obras más não sejam manifestas, pois o Senhor traz à luz as coisas ocultas das trevas e as intenções do coração. Também não tem comunhão com Deus e não pratica a verdade, uma vez que mente dizendo que está em comunhão com Ele, pois a luz não combina com as trevas. Quem está na luz não pode viver contrariando a palavra de Deus. Mas, se observarmos bem a mensagem deste versículo, veremos quão grande é esse Deus o qual muitas vezes desprezamos para viver na escuridão das ilusões mundanas. Só Ele pode nos transportar dessa escuridão que nos impede de enxergar o que preparou de melhor para os Seus filhos para nos mostrar o Reino do Filho de seu amor.
Amado(a), isso é sobremodo excelente. O apóstolo Paulo no lembra que Deus enviou Seu Filho Jesus ao mundo para direcionar nosso caminho, dando-nos a visão espiritual para enxergarmos as promessas e as bênçãos que Ele tem preparado para nós. Jesus é a Luz do mundo e quem O segue não andará em trevas, mas terá a Luz da vida e o direito de participar da herança dos Santos na Luz . Paulo se refere ao sacrifício de Jesus para que fôssemos alcançados e libertos da escravidão do pecado. Não há outro caminho nem outra fórmula: só Jesus. A Ele foi dado todo poder e se a Ele clamarmos teremos força para enfrentarmos as trevas que nos assombram e nos impedem de pisar em terreno sólido para que possamos pisar com segurança. Amado(a), o Senhor Jesus tem colocado em seu caminho pessoas para ajudá-lo(a) em oração, para que seus olhos sejam abertos e jamais se desviem da Luz!

Graça e Paz!

sexta-feira, 4 de junho de 2010


“Serei misericordioso para com suas iniquidades e de seus pecados e suas prevaricações não me lembrarei mais” (Hebreus 8:12).

Amado(a), este é um dos versículos que falam sobre o perdão, sobre a misericórdia de Deus com aqueles que pecaram. Várias são as passagens bíblicas que falam da superação pelo perdão, uma bênção maior que alcança o perdoador, bem mais do que ao ofensor arrependido. Jesus disse que devemos perdoar pelo menos setenta vezes sete ao nosso irmão, pois, não existem limites para o perdão. Foi o que Jesus quis dizer quando Pedro lhe perguntou até quando deveria perdoar seu irmão, se até sete vezes. E Jesus responde: “Eu lhe digo: Não até sete, mas até setenta vezes sete". Mateus 18: 21-35. Deus é sensível a um coração contrito e arrependido, mas percebemos que muitas pessoas têm uma grande dificuldade de perdoar a si próprias. Quantas pessoas vemos que sentem remorso, se dizem arrependidas, mas não se libertam de uma culpa sem sentido. É claro que os erros não devem ser ignorados ou banalizados, entretanto, devem servir de lição para nós, mas assim como não podemos reter o pecado alheio, sobretudo, não devemos reter o nosso, pois faz mal para a nossa vida.
Devemos livrar de tudo que nos faz mal, curar a ferida que mais dói, curar nossa vida emocional, perdoar a quem de alguma forma nos ofendeu, mas a verdadeira cura só ocorrerá quando fizermos as pazes com a gente mesmo.
Para usufruirmos dessa vida plena que o Pai nos concede, é necessário a prática do amor e da reconciliação, mas a reconciliação conosco mesmo é fundamental para quem pretende viver em plenitude. Se observarmos o segundo mandamento veremos que ele nos ensina a amar ao próximo como a nós mesmos. Como amar o outro se não nos amamos? Se não nos perdoarmos verdadeiramente, como perdoar o irmão?
Amado(a), leia o recado de Deus para a nossa vida. Se arrependermos do fundo do coração de algum mau ato praticado, recorremos a Deus com o coração sincero e Ele, em sua infinita misericórdia, nos perdoa e esquece nossas transgressões: Isaías 1.18 confirma: “Vinde então, e argüi-me, diz o SENHOR: ainda que os vossos pecados sejam como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã.”
Graça e Paz!

quinta-feira, 3 de junho de 2010



Confessai as vossas culpas uns aos outros e orai uns pelos outros, para que sareis; a oração feita por um justo pode muito em seus efeitos.
(Tiago 5:16)


Amado(a), esse versículo nos faz refletir sobre algo que a medicina e a psicologia têm constatado com freqüência: as dores não confessadas acabam sendo somatizadas e se transformando em doenças que tomam conta de nosso organismo. Úlceras, gastrites, doenças de pele e até mesmo o câncer. Essas doenças estão relacionadas, quase sempre à falta de perdão. Muitas pessoas têm muita dificuldade em perdoar aos outros as suas ofensas. Às vezes, nem foi tão grave o que ocorreu, mas, se ofendeu a vaidade, atingiu o ego, fez com que a pessoa se sentisse depreciada. Mas há também pessoas que não sabem ou não conseguem perdoar a si mesmas. Por se sentirem incapazes de controlar algum sentimento, ou de ano realizar algo, acabem se fechando num sentimento de culpa e, por isso, muitas de suas doenças, depressões, angústias, dão origem a doenças. Culpa, remorso, arrependimento trazem junto a humilhação, a vergonha, o medo e a autopunição. Muitas pessoas ficam "remoendo" os erros do passado, mesmo aqueles que já foram confessados e perdoados por Deus. Eis porque precisamos ter alguém que nos ouça e nos ajude a compreender a necessidade do auto perdão, pois requer enfrentar os próprios medos, julgamentos, injustiças, limitações, olhar para a própria vida e lembrarmos-nos de quantas vezes já erramos e quantas vezes já acertamos. Tiago nos lembra da importância de orarmos uns pelos outros e dos efeitos da oração de um justo. Isso significa também que nossos problemas e aflições devem ser compartilhados com aqueles que estão no caminho do Senhor e não com os ímpios, que certamente não estão em sintonia com a palavra e nada podem faze para ajudar, antes, porém, podem nos desviar de bons propósitos.
Amado(a), se em você tem se manifestado doenças que revelam a necessidade do perdão e do auto perdão, não fique só, busque ajuda. Deus certamente colocará em seu caminho alguém que possa ouvi-lo(a) e orar com e por você.

Graça e Paz!

quarta-feira, 2 de junho de 2010



Como, pois, recebestes o Senhor Jesus Cristo, assim também andai nele, (Colossenses 2:6)

Amado(a), embora se diga por aí que todos são filhos de Deus, essa não é uma afirmativa que pode ser confirmada pela Bíblia. Ninguém nasceu sendo filho de Deus! Só mesmo Jesus Cristo teve este privilégio. Nascemos como criatura de Deus e somos legitimados filhos quando cremos e aceitamos nos despir desta criatura e receber Jesus Cristo como nosso Senhor e Salvador. Filhos devem se parecer com o pai. Por isso nossas atitudes, para sermos considerados filhos, devem ser a de buscar a semelhança de Deus. O fruto das nossas ações pode mostrar claramente de quem somos. E filhos devem obediência ao pai. "Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, e não filhos", afirma o apóstolo Paulo em Hebreus 12:8. Mas, acrescenta o apóstolo em Romanos 8:14 “Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus. E se um dia recebemos o Senhor Jesus pela confissão e confirmação no batismo, devemos andar Nele, conforme filhos e não como bastardos que andam segundo as obras da carne. "Quem comete o pecado é do diabo; porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo". (I João 3:8).
"Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus". (Gálatas 5:19-21).
Amado(a), você é filho(a) de Deus? Já confessou diante dos homens que Jesus é Senhor de sua vida? Então observe se seu comportamento é semelhante ao do Pai e caso esteja vivendo como bastardo, não desprezes a correção do Senhor, e não desmaies quando por ele fores repreendido, porque o Senhor corrige a quem ama, e castiga a todo o que recebe por filho.

Graça e Paz!

terça-feira, 1 de junho de 2010


Ai dos filhos rebeldes, diz o SENHOR, que tomam conselho, mas não de mim; e que se cobrem, com uma cobertura, mas não do meu espírito, para acrescentarem pecado sobre pecado; (Isaías 30:5)

Amado(a), o profeta Isaías está nos alertando sobre o perigo de não ouvirmos a voz de Deus e daqueles que Ele colocou para nos aconselhar. Ele lembra que o povo deixou de ouvir o Senhor que lhes deu liberdade para se voltar àquilo que os escravizava, confiando na força e no poder de Faraó.
Quantos não estão hoje em situação de escravidão porque não ouvem a voz do Senhor? São escravos dos vícios, da prostituição, do dinheiro ilícito e não confiam que Deus é o único que pode libertar. Fortificam-se com a força de Faraó e confiam na sombra do Egito.
Estão cobertos com a confiança que têm no dinheiro mal ganho, e não com o Espírito de Deus. Isaias adverte que essa força se tornará em vergonha, e a confiança na sombra do Egito em confusão. Chegará um dia em que, sem a cobertura do Espírito “todos se envergonharão de um povo que de nada lhes servirá nem de ajuda, nem de proveito, porém de vergonha, e de opróbrio”. Por isso ele exorta para não dar ouvidos aos que dizem: “Desviai-vos do caminho, apartai-vos da vereda; fazei que o Santo de Israel cesse de estar perante nós”. É isso que acontece com quem não busca o Senhor, mas dá ouvidos aos deuses estranhos e aos ímpios.
Quem rejeita a palavra, e confia na opressão e na perversidade, dando brecha ao inimigo, certamente cairá. Mas assim diz o Senhor DEUS, o Santo de Israel: Voltando e descansando sereis salvos; no sossego e na confiança estaria a vossa força, mas não quisestes.
Amado(a), a palavra de Deus é clara e quem nela se aconselha não será envergonhado, mas aquele que confia no Senhor será honrado.
Não se aparte deste Deus soberano e misericordioso para confiar na mentira, no pecado e na idolatria. Leia a palavra de Deus para você neste dia e tome-a como um ponto de fé e de restauração
Eis que assim diz o nosso Deus: “Por isso, o SENHOR esperará, para ter misericórdia de vós; e por isso se levantará, para se compadecer de vós, porque o SENHOR é um Deus de equidade; bem-aventurados todos os que nele esperam. Porque o povo habitará em Sião, em Jerusalém; não chorarás mais; certamente se compadecerá de ti, à voz do teu clamor e, ouvindo-a, te responderá. Bem vos dará o Senhor pão de angústia e água de aperto, mas os teus mestres nunca mais fugirão de ti, como voando com asas; antes os teus olhos verão a todos os teus mestres. E os teus ouvidos ouvirão a palavra do que está por detrás de ti, dizendo: Este é o caminho, andai nele, sem vos desviardes nem para a direita nem para a esquerda. E terás por contaminadas as coberturas de tuas esculturas de prata, e o revestimento das tuas esculturas fundidas de ouro; e as lançarás fora como um pano imundo, e dirás a cada uma delas: Fora daqui. Então te dará chuva sobre a tua semente, com que semeares a terra, como também pão da novidade da terra; e esta será fértil e cheia; naquele dia o teu gado pastará em largos pastos.
E os bois e os jumentinhos, que lavram a terra, comerão grão puro, que for padejado com a pá, e cirandado com a ciranda. E em todo o monte alto, e em todo o outeiro levantado, haverá ribeiros e correntes de águas, no dia da grande matança, quando caírem as torres. E a luz da lua será como a luz do sol, e a luz do sol sete vezes maior, como a luz de sete dias, no dia em que o SENHOR ligar a quebradura do seu povo, e curar a chaga da sua ferida”. (Isaias 30: 18-26)
Amado(a), para que essa palavra se cumpra em sua vida é preciso que diga a tudo que contamina a sua vida: FORA DAQUI.

Graça e Paz!