Traduza este blog

sábado, 31 de março de 2018

“Prepara-te, ó Israel, para te encontrares com o teu Deus”. (Amós 4:12).





A Bíblia tem reiteradas vezes prevenido os cristãos para se prepararem para esse dia, deixando claro que o Senhor pode voltar a qualquer momento e por isso devemos estar atentos, pois esse dia chegará sem aviso. Assim como o ladrão não manda um mensageiro antecipar sua chegada, Jesus voltará sem aviso prévio, pois Ele tem anunciado a Sua volta, quando alguns sinais se cumprirem. Precisamos estar sempre preparados para a volta de Jesus. Essa é a mensagem que não pode deixar de ser propagada, pois tão certo quanto haveremos de morrer e deixar esse mundo para habitarmos outro, nas trevas, ou na luz, é que o Senhor Jesus voltará para buscar Sua Igreja. E esse dia virá como um ladrão à noite. Nós somos os "filhos da luz", e continuaremos a ser filhos da luz enquanto permanecermos perto da Luz do mundo.
Quem lê e vive a palavra de Deus sabe que esses sinais já estão se cumprindo e a vinda do Senhor se aproxima. Por diversas vezes somos alertados pelo Senhor que, uma vez fechada a porta, ninguém mais poderá entrar. Mas nenhum cristão precisa ser apanhado desprevenido por esse evento se atentar para a mensagem do apóstolo Paulo em I Tessalonicenses 5:1-2.

“Irmãos, relativamente aos tempos e às épocas, não há necessidade de que eu vos escreva; pois vós mesmos estais inteirados com precisão de que o dia do Senhor vem como ladrão de noite.

sexta-feira, 30 de março de 2018

“Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo. E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre." 1 João 2: 16-17



O mundanismo é uma das grandes armadilhas do inimigo e atinge ímpios e cristãos de forma avassaladora, porque se me manifesta de uma forma natural, imiscuindo-se na vida das pessoas de modo sutil, diferentemente de expressões que podem ser julgadas obviamente como o satanismo, o ocultismo, a idolatria. O mundanismo configura-se como preocupações com prazeres materiais e nos distancia das coisas do Reino. Nossa tendência é pensar que separamos claramente o bem do mal, mas por isso mesmo nos tornamos alvos fáceis para as artimanhas de satanás, contudo, a Palavra de Deus nos adverte

"Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele”. (1 João 2:15).



quinta-feira, 29 de março de 2018

“Mas as vossas iniquidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que não vos ouça”. Isaias 59:2



O pecado traz o medo, a ansiedade, a angústia, a opressão, e a depressão. Quando deixamos o pecado entrar e o mundanismo tomar conta de nossas vidas, conquistamos, às vezes e por tempo curto, a alegria do mundo, mas perdemos a alegria da salvação, pois o pecado causa o nosso afastamento e separação de Deus, como mostra o profeta Isaias. Quando trocamos a paz com Deus para experimentarmos a euforia e a agitação das rodas nem sempre saudáveis. Mas precisamos saber que Jesus já venceu o pecado por nós, e, se estamos em Cristo não precisamos mais viver sob o jugo de escravidão do pecado, porque sabemos que Ele nos comprou por um alto preço e foi ao inferno buscar a sua chave para que não precisássemos descer até lá. Sabendo que podemos agarrar essa oportunidade e vivermos uma vida reta diante de Deus, aclamando como o salmista em Salmo 51:12

“Torna a dar-me a alegria da tua salvação, e sustém-me com um espírito voluntário”.

quarta-feira, 28 de março de 2018

“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas me convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas” I Coríntios 6:12



A Bíblia diz que Deus fez o mundo para desfrutarmos dele, enquanto estivermos na Terra, todavia, nada no mundo deve ser colocado à frente de seu Criador. O apóstolo Paulo no texto em epígrafe nos ensina que devemos ter esse equilíbrio necessário para sermos efetivamente sal da terra e para fazermos a diferença cumprindo o objetivo de vencer o mundo, estando no mundo. Deus criou o mundo pensando em dar o melhor à Sua criação. E nele fomos colocados por Sua vontade. Assim, é lícito usarmos de algumas coisas que estão no mundo, no entanto, a Palavra de Deus nos exorta a não amarmos o mundo porque ele é transitório, um dia vai acabar e com ele os que o serviram, mas Deus permanece para sempre. Se amamos mais o mundo, não podemos amar nem servir a Deus, e consequentemente o amor do Pai não está em nós, pois o amor às coisas do mundo não procedem do Pai, pois como nos afirma Jesus em Mateus 6:24

"Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom”

terça-feira, 27 de março de 2018

“Quem é de Deus escuta as palavras de Deus; por isso vós não as escutais, porque não sois de Deus”, João 8:47




A Palavra de Deus nos ensina a não tomarmos decisão sem antes ouvirmos a orientação do Senhor. A Palavra de Deus tem tal efeito sobre nossas vidas, que a Bíblia a compara com uma espada, com poder de penetrar não só o corpo, mas a alma e o espírito. Quantas vezes Deus tem falado conosco e não entendemos o que Ele nos diz. O Senhor usa de diversas formas para falar conosco, quando quer nos abençoar, porque “Toda a Palavra de Deus é pura; escudo é para os que confiam nele”, garante Salomão em Provérbios 30:5. A palavra se confirma na vida de quem teme a Deus e anda nos Seus caminhos, porque “o caminho de Deus é perfeito e a palavra do SENHOR refinada.

“Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração”. (Hebreus 4:12)


segunda-feira, 26 de março de 2018

“Todo aquele que pratica o pecado também transgride a lei, porque o pecado é a transgressão da lei”. I João 3:4




Segundo a Bíblia, o pecado é a transgressão aos mandamentos de Deus. O  pecado é um erro impulsionado pela carne, conforme nos diz Tiago 1:14 e 15 "cada um é tentado, quando atraído e engodado pelo seu próprio desejo. Depois, havendo concebido o desejo, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte."  A vida cristã é luta. É luta contra a carne; contra o mundo, inimigo de Deus; é luta contra o diabo, que busca a nossa perdição. A estratégia do inimigo é colocar armadilhas para que o cristão saia do caminho do Senhor e peque? Elas são sutis e vêm antes sob a cauterização de nossa consciência, fazendo-nos crer que não há nada de mais naquilo que fazemos e muitas vezes não percebemos que estamos caindo na rede e quando percebemos já estamos no laço do inimigo. O diabo conhece nossos pontos fracos e é ali que ataca sem misericórdia. Ele não descansa enquanto não consegue o seu intento: o de lhe roubar o mais precioso bem, a salvação. Mas aquele que se mantém firme na Palavra tem a garantia de que Deus o livrará das armadilhas do inimigo

“Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa o pecado.” (Romanos 4:8)

domingo, 25 de março de 2018

"como é bom e agradável viverem unidos aos irmãos."(Salmos 133:1).




A igreja como templo é o local onde a Igreja como corpo se reúne para compartilhar as alegrias e atividades próprias de uma família, além de cultuar a Deus, que estabeleceu esse lugar como Sua casa para que Seus filhos partilhem de comunhão. É na igreja que a Igreja se reúne para compartilhar as mesmas expectativas, para se nutrir com as bênçãos do pai, para honrar o Criador, assim como na família a figura paterna deve ser honrada. Da mesma forma que demonstramos gostar de nos reunir para celebrar entre amigos e em família assim também deve ser com a Igreja do Senhor. Igreja de Cristo é família de Deus e nenhuma família é completa, feliz e realizada se seus membros se tratam como estranhos, se mal se encontram. Ou se não convivem na mesma casa. Por isso, ouçamos a exortação de hebreus 10:25

“Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações, e tanto mais quanto vedes que o dia se aproxima”.


sábado, 24 de março de 2018

Não te desamparem a benignidade e a fidelidade; ata-as ao teu pescoço; escreve-as na tábua do teu coração. Provérbios 3:3



O sábio lista três importantes atitudes para que o servo de Deus seja feliz e próspero em seu caminho. Destacamos, todavia, nesta exortação a fidelidade, pois nos dias atuais parece que essa palavra perdeu o seu sentido, apesar de ser tão empregada. Ela tem sido usada muito mais para garantir milhagens, fidelização de clientes, exclusividade de uso das atividades de uma empresa, dentre outras acepções. Enquanto o verdadeiro sentido dessa palavra não tem sido apreendido ou vivenciado. Fidelidade vem do latim fidelitate e significa tanto “observância de fé que um deve a outro”, como exatidão; veracidade de algo ou de um fato. Em termos bíblicos, a palavra fidelidade deve ser entendida como a constância nos compromissos assumidos. É a dedicação a alguém ou a uma causa. A Bíblia nos mostra que os discípulos foram fiéis à causa de Cristo, na pregação de Seu evangelho. Mas também que satanás tem sido fiel à causa de levar a humanidade à perdição. E nisso ele persevera fielmente. Precisamos avaliar nossas atitudes em relação à nossa fidelidade e atender à exortação bíblica

Assim fazei no temor do SENHOR, com fidelidade, e com coração íntegro”(2 Crônicas 19:9b)


sexta-feira, 23 de março de 2018

“Confia ao SENHOR as tuas obras, e teus pensamentos serão estabelecidos”. Provérbios 16:3





Muitos são os cristãos que esperam receber as bênçãos de Deus e não entendem porque elas não chegam como desejam. Quais seriam os motivos de a mão de Deus estar recolhida se a Bíblia nos diz que o  grande desejo de Deus é nos abençoar. Mas na Palavra de Deus encontramos as respostas. Muitas vezes somos nós mesmos impedimos as bênçãos do Senhor de chegarem até nós. Vemos que há cristãos batizados, que professam a fé no Senhor Jesus, frequentam os cultos, mas não dão testemunhos entre os irmãos, colegas, amigos e familiares do cumprimento das promessas. Aqueles que nunca dão graças, mas, em vez disso, murmuram, queixam-se, reclamam e lamentam o tempo todo. Não reconhecem com o coração e com os lábios que até mesmo contrariando nossos desejos imediatos Deus está agindo em nosso favor. Não confiam plenamente no Senhor, nem se comportam como vitoriosos que apenas esperam a hora de receber o prêmio. Assim, contrariam a exortação do apóstolo Paulo em 1 Tessalonicenses 5:18:

“ Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco”.

quinta-feira, 22 de março de 2018

“Entrega o teu caminho ao SENHOR; confia nele, e ele o fará”. (Salmo 37:5) e verá que muito antes do que imagina poderá testemunhar: “ESPEREI com paciência no SENHOR, e ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor”. (Salmos 40:1)



A Bíblia nos ensina que a paciência é fruto do Espírito e que, por meio dela nosso caráter é moldado para nos aproximarmos da Estatura de Cristo. A espera nos ensina a dádiva da dependência. E a dependência de Deus nos leva a entregar a Ele os nossos passos. A espera nos mantém na dependência do Pai e nos ensina a reconhecer com humildade que precisamos da graça divina. O tempo é uma prova. Muitas vezes Deus demora em agir em algumas coisas que Ele poderia realizar em instantes. Mas Ele assim o faz para que nesse intervalo sejamos modelados e a paciência seja formada em nosso caráter. Muitas vezes o Senhor permite que trilhemos alguns caminhos impensados e que fogem dos nossos planos, mas nesses momentos podemos sentir que Deus está no controle e que não nos abandona! Por isso o salmista nos exorta:

“Espera no SENHOR, anima-te, e ele fortalecerá o teu coração; espera, pois, no SENHOR”. (Salmos 27:14).


quarta-feira, 21 de março de 2018

“Ele é a Rocha, cuja obra é perfeita, porque todos os seus caminhos justos são; Deus é a verdade, e não há nele injustiça; justo e reto é”. Deuteronômio 32:4.


Moisés reconhece em Deus a sua força e nos ensina que a Palavra de Deus deve ser nossa regra absoluta de fé e de conduta e por isso deve ser ensinada e praticada no lar. Ela é o “sopro de Deus” e sem Ela corremos o risco de ver corrompidos valores caros à sociedade, cujo embrião é a família. Ela é a revelação escrita da parte de Deus para abençoar a vida de seus servos e servas. Crer Nela como vinda de Deus é reconhecer sua natureza divina, pois não é uma obra humana, como insistem aqueles que pregam outros valores e que, visivelmente, têm transformado a sociedade em um caos. Praticá-la é uma atitude sábia que indica submissão e fé no Deus da Palavra. Nossas famílias estão nas mãos de Deus. Ainda que passemos, momentaneamente, por circunstâncias difíceis temos a plena convicção pela Palavra de Deus que no final vai dar tudo certo. Deus está no controle e ilumina nossa mente para que compreendamos que Nele podemos confiar. Sua promessa é fiel como nos lembra Paulo em 1 Coríntios  1:9

 “Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a comunhão de seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor”

terça-feira, 20 de março de 2018

“Guardai-vos, que o vosso coração não se engane, e vos desvieis, e sirvais a outros deuses, e vos inclineis perante eles” Deuteronômio:11:16



Moisés nos ensina que devemos ter cuidado para que nosso coração não se encha daquilo que não agrada ao Senhor. Simbolicamente, esse órgão representa todo nosso ser. Como pensamos, assim somos. Nosso coração pode receber todo tipo de modelos, ideias e caminhos, mas cabe a cada um de nós escolher o que vai ser aceito no coração ou não. Temos que cuidar com muita atenção do que armazenamos em nosso coração e para isto é preciso filtrar, escolher, limitar o que entra nele entra, e, principalmente, escolher com sabedoria a quem entregamos o nosso coração. Lembremo-nos do que nos disse Jesus em Marcos 7:21 “Porque do interior do coração dos homens saem os maus pensamentos, os adultérios, as prostituições, os homicídios”. Em um coração que é guardado frutificarão coisas boas que abençoarão a vida de toda família. Coração cheio de sentimentos ruins, em que se deixa entrar o desrespeito, o ódio, a inveja certamente trará destruição não só a si, mas a todos que estão a sua volta. Por isso o Senhor nos exorta por meio do sábio Salomão:

 “Filho meu, não te esqueças da minha lei, e o teu coração guarde os meus mandamentos”. (Provérbios 3:1.)

segunda-feira, 19 de março de 2018

“Sujeitai-vos, pois, a Deus, resisti ao diabo, e ele fugirá de vós”. Tiago 4:7




A Bíblia nos alerta sobre as brechas que o cristão não pode deixar em sua vida para que não caia nas armadilhas do diabo. Quando negligenciamos o primeiro e grande mandamento, naturalmente, damos lugar à carne, e isso leva à prostituição, à mentira, à corrupção, alimentando a soberba, o orgulho, a vaidade e outros tantos vícios e pecados. E peca quem não coloca Deus em primeiro lugar. Pois que desobedece ao grande mandamento: “Amarás o Senhor teu Deus sobre todas as coisas”. O diabo, como pai da mentira, faz com que enxerguemos o pecado de uma forma tão “comum” que deixamos de considerá-lo como pecado. E as coisas que nos parecem tão simples, que não vemos como pecados, vão abrindo brechas para o inimigo agir em nossas vidas. O diabo tem como principal estratégia banalizar o pecado. Não existe maior fragilidade na vida de um cristão do que aderir, aceitar, pensar ou agir de acordo com o modelo fracassado do mundo. E não existe maior fraqueza no cristianismo do que aceitar os padrões do mundo. Por isso devemos ficar atentos ao que nos diz o apóstolo Paulo aos Romanos 12:2:


"E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus."



domingo, 18 de março de 2018

Ensina-me, SENHOR, o teu caminho, e guia-me pela vereda direita, por causa dos meus inimigos”. (Salmos 27:11).





A vida é feita de escolhas e decisões. Deus nos permite escolher quais caminhos queremos seguir. Mas escolher um significa desistir de outro e essa escolha, além de gerar consequências, pressupõe um preço. E, obviamente, uma responsabilidade. Muitas vezes, na nossa limitação humana, não sabemos que caminho escolher, por isso, o mais sensato é deixar que o Senhor dirija nossos passos e nos conduza ao caminho certo. Mas, para isso, é preciso ouvir a Deus e nos deixar ser ensinados por Ele! E, sem dúvida, se praticarmos o que Ele nos ensina, acertaremos muito mais! Ser ensinado por Deus pressupõe conhecer a Sua Palavra, cuja compreensão das lições vem pela oração!

As quais também falamos, não com palavras que a sabedoria humana ensina, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais. 1 Coríntios 2:13

sábado, 17 de março de 2018

“Ele é a Rocha, cuja obra é perfeita, porque todos os seus caminhos justos são; Deus é a verdade, e não há nele injustiça; justo e reto é”. Deuteronômio 32:4




Ainda que passemos, momentaneamente, por circunstâncias difíceis temos a plena convicção pela Palavra de Deus que no final tudo vai dar certo. Deus está no controle e ilumina nossa mente para que compreendamos que Nele podemos confiar. Sua promessa é fiel e pela Palavra de Deus somos levados a ter segurança com relação ao nosso futuro. Dele vem nossa vitória e segurança ainda que sejamos provados não ele nos guardará. Nossa confiança deve estar sempre no Senhor e não em nossas próprias forças, nas pessoas ou em aparatos. O salmista nos anima, enfatizando nos Salmos 46: 11: “O SENHOR dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio”. E a Sua Palavra, como luz a nos guiar nos garante que Ele estará conosco até a consumação dos séculos, mesmo em tempos adversos, ainda que pareça distante é o que nos diz o salmista” nos Salmos 34:19

 “Muitas são as aflições do justo, mas o SENHOR o livra de todas”

sexta-feira, 16 de março de 2018

“Por esta razão, nós também, desde o dia em que o ouvimos, não cessamos de orar por vós, e de pedir que sejais cheios do conhecimento da sua vontade, em toda a sabedoria e inteligência espiritual.” (Colossenses 1:9)




Discernimento é a capacidade de compreender, significa ter conhecimento entre o que é certo e o que é errado. Por isso Paulo orava para que os de Colossenses fossem cheios do pleno conhecimento de Deus e de inteligência espiritual, pois somente por meio da Palavra podemos conhecer a verdade. É pelo discernimento que temos sabedoria prática e assim andamos conforme a vontade de Deus. A Bíblia nos dá o caminho a seguir e traz os parâmetros estabelecidos por Deus para nossa conduta e assim norteia nossos passos e nos dá base para vivermos com equilíbrio, em paz e em segurança, mesmo em circunstâncias adversas. Além disso, ela é poderosa porque a Palavra de Deus é viva e eficaz, apta para discernir os pensamentos e intenções do coração, conforme nos diz o autor de Hebreus 4:12. Como espada do espírito é a arma do Cristão contra as investidas do inimigo e nos ajuda a resistir no dia mau. Firmados nesta Palavra o temos estabilidade e condições de enfrentar os problemas cotidianos.

 “Lâmpada para os meus pés é tua palavra, e luz para o meu caminho”(Salmos 119:105).

quinta-feira, 15 de março de 2018

“Guarda com toda a diligência o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida”. (Provérbios 4:23).




A Bíblia nos mostra que há uma relação entre o que nossa boca profere e aquilo que somos no íntimo. O sentido de coração dado pelo sábio Salomão equivale ao homem como ser integral: intelecto, emoção e vontade. Assim, guardar o coração é impor limites para que determinados sentimentos, pensamentos, princípios e desejos não o dominem. Portanto, o cristão deve observar alguns limites que comprometem a sua integridade para que seu coração não se corrompa. Quem não guarda seu coração passará limites que culminarão na sua própria destruição. Por essa razão Salomão exorta os jovens em Eclesiastes 11:9

”Alegra-te, jovem, na tua mocidade, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade, e anda pelos caminhos do teu coração, e pela vista dos teus olhos; sabe, porém, que por todas estas coisas te trará Deus a juízo”.

quarta-feira, 14 de março de 2018

“Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo”. (2 Pedro 1:4).



Quando recebemos Jesus Cristo como Salvador, tornamo-nos membros da família de Deus e como filhos somos feitos Seus herdeiros. Assim, herdamos milhares de promessas perfeitamente seguras. Mas para recebermos as promessas do Pai, antes, precisamos agir como filhos e certos de quem Ele é, o primeiro passo é entregar aos Seus cuidados os nossos pontos fracos e crer que Ele, por intermédio do Espírito Santo, transformará nossas fraquezas. Deus é absolutamente fiel e, certamente ao Seu tempo fará muito mais do que pedimos ou esperamos. Todavia, a condição de que  alcancemos as promessas é, também, esperar com paciência, “e estando plenamente convencido de que Deus é poderoso para também cumprir o que tem prometido” (Romanos, 4:21).

 “E assim, esperando com paciência, alcançou a promessa”. (Hebreus 6:15)


terça-feira, 13 de março de 2018

E Jesus disse-lhe: Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento. Mateus 22:37




A Palavra de Deus nos exorta a dedicar a Ele as primícias de nossa vida. Isso significa coloca-Lo à frente de todas as coisas em nossa agenda. O reino de Deus deve ocupar o primeiro lugar em nossa vida, por isso Jesus reforçou a importância do amor a Deus como primeiro mandamento. Quando Ele não está em posição de primazia, Ele não está em lugar nenhum, pois o Senhor não pode ser mais um item na nossa agenda. Ele deve ser o Senhor de nosso tempo. E com Ele todas as outras coisas serão acrescentadas.

“Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”. (Mateus 6.33).

segunda-feira, 12 de março de 2018

"Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que creem no seu no­me; os quais não nasceram da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus." João 1:12-13.




A palavra “cristão” é uma combinação de duas outras: Cristo e homem. O cristão é uma combinação de Cristo e aquele que escolhe pertencer a Ele, aquele que nasceu de novo. Mas isso só ocorre pelo novo nascimento sobre o qual Jesus falou a Nicodemos: "Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus" (João 3:3). Portanto, Cristão é aquele que nasce de Deus e o nascimento espiritual é a única forma de entrar na família de Deus, ao contrário do que diz o senso comum, ao propagar que todos são filhos de Deus. Só pode se autodenominar cristão aquele que recebe a Cristo pela fé e compreende que Jesus, o Filho de Deus, morreu voluntariamente para expiar os pecados de toda a humanidade. Por isso o apóstolo João nos disse:

"Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus; a saber: aos que creem no seu nome" (João 1:12). Mas aquele que crê e recebe a Jesus deve andar como Ele andou: não basta apenas crer. Deve ser conhecido pelos seus frutos.  "Assim, pois, pelos seus frutos os conhecereis" (Mateus 7:20).

domingo, 11 de março de 2018

“Jabez invocou o Deus de Israel, dizendo: Oh! Tomara que me abençoes e me alargues as fronteiras, que seja comigo a tua mão e me preserves do mal, de modo que não me sobrevenha aflição! E Deus lhe concedeu o que lhe tinha pedido”. (1CRÔNICAS 4:10)




A Palavra de Deus nos orienta a clamarmos pelas bênçãos de Deus. Quando fazemos isso, estamos pedindo aquilo que não poderíamos conseguir com nosso próprio esforço e estamos reconhecendo a nossa dependência de Deus. Bênção é uma palavra que vem do latim, benedictione, que significa: "favor divino, graça". Favor divino é algo que recebemos de graça. No âmbito bíblico, significa pedir ou conceder um favor sobrenatural. No texto em epígrafe, vemos que Jabez deixou inteiramente nas mãos de Deus a natureza da bênção, onde e como ela lhe seria dada. Ele demonstra confiança na soberania e nas boas intenções de Deus para conosco, e coloca em Suas mãos o alcance das bênçãos, mas também é muito específico, pois pede a Deus que lhe dê nada mais nada menos do que Ele tem reservado para ele. Jabez confia plenamente no senhorio do Senhor, crendo que só Ele sabe o que mais lhe é necessário. Jabez neste pedido entrega-se inteiramente à vontade de Deus, reconhecendo Seu poder e Seu propósito para ele, pois entende, assim como o sábio que:


"A bênção do Senhor é a base da verdadeira riqueza, pois não traz tristezas nem preocupações." Provérbios 10:22

sábado, 10 de março de 2018

“Pedi, e dar-se-vos-á; buscai, e achareis; batei, e abrir-se-vos-á" (Mateus 7:7)



A Bíblia é repleta de mensagens que nos falam sobre a importância da oração e seus efeitos nas nossas vidas. Oração é motor que move a mão de Deus. É o elixir que estimula e dá força e energia espirituais. É a atitude que nos coloca em real comunhão com nosso Pai celestial. Por meio da oração nossos pensamentos se dirigem a Ele e nos permite meditar sobre Suas obras, Suas misericórdias, Suas bênçãos... A oração é a chave que abre o coração a Deus como a um amigo. A oração não faz Deus baixar a nós, mas eleva-nos a Ele. A bondade de Deus não tem limites e abençoar faz parte da Sua natureza, mas precisamos entender que a liberalidade de Deus é limitada somente por nós, porque não sabemos como nos aproximar Dele. Deus está esperando o abrir de nossas bocas e, sobretudo, o mover de nosso coração para clamarmos como o salmista:

“Oh! Deus, ouve a minha oração, inclina os teus ouvidos às palavras da minha boca”. (Salmo 54:2)


sexta-feira, 9 de março de 2018

“O sacrifício aceitável a Deus é o espírito quebrantado; ao coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus”. Salmos 51:17


O salmista nos ensina que o choro que chama a atenção de Deus é o choro do arrependimento. O que interessa ao Senhor não a erudição ou a fórmula da oração, mas o quebrantamento do coração Isso move o coração de Deus a nosso favor, Ele não consegue resistir ao coração contrito. Sem arrependimento sincero e mudança de atitudes não podemos chegar à santificação e tampouco ver a Deus. Assim, todo o mal que possa estar sobre nossas vidas como fruto de uma vida inconstante ou pecaminosa se esvai. Deus muda nossa sorte. Os escarnecedores que se riem de nossas vidas e tramam o mal contra nós, zombando da nossa fé, são derrubados um por um. Como é descrito em Salmos 23:5

“Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos, unges a minha cabeça com óleo, o meu cálice transborda.”




quinta-feira, 8 de março de 2018

Se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam; se o SENHOR não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela. (Salmos 127:1).



Esse salmo nos faz refletir que nada somos ou podemos sem Deus no comando de nossas vidas, pois é Ele que nos dá a vitória. Só Deus pode edificar solidamente a nossa "casa". Sem Deus nada somos, nada podemos fazer, tampouco podemos viver dignamente, mesmo dispondo de poder e de riquezas terrenas. O melhor engenheiro não pode garantir que um edifício permaneça de pé, livre das calamidades naturais. O mais renomado médico não pode prolongar a sua própria vida ou a de seus entes queridos, por mais sofisticadas que sejam as técnicas e aparatos que dispõe. Nenhum recurso tecnológico ou engrenagens modernas podem impedir que criminosos tomem nossas casas ou carros de assalto. Temos constatado isso com frequência quando vemos a audácia cada vez mais crescente dos marginais. O salmista nos mostra que devemos ter o cuidado de vigiar nossa casa, física e espiritual para não deixarmos nenhuma brecha por onde o inimigo possa adentrar. Quando cuidamos das coisas de Deus, Ele cuida das nossas coisas. É o que nos garante Jesus em Mateus 6:33: 

“Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”.



quarta-feira, 7 de março de 2018

Porque em esperança fomos salvos. Ora a esperança que se vê não é esperança; porque o que alguém vê como o esperará? Mas, se esperamos o que não vemos, com paciência o esperamos. (Romanos 8:24-25)



A fé deve ser o alicerce da esperança, pois ela é a certeza daquilo que os olhos humanos não podem vislumbrar. O apóstolo Paulo nos faz refletir sobre o fato de que na fé está a diferença entre crer no que está posto e esperar pacientemente pelo que não se pode enxergar, contudo é a Palavra do Senhor. Paulo nos ensina a esperar com paciência nas lutas, a enxergar a tempestade com os olhos da fé, pois todos estamos sujeitos a ela. Contudo, a diferença está em como agimos diante da tribulação. Conhecendo quem tem a mão no leme, sabemos em quem confiar. Devemos pois, fazer coro com as palavras do profeta Jeremias em Lamentações 3:21:“Disto me recordarei na minha mente; por isso esperarei” e seguir as orientações do apóstolo Paulo em Romanos 12:12

“Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração”.

terça-feira, 6 de março de 2018

Tende bom ânimo; sou eu, não temais. (Marcos 6:50b)



Os discípulos caminhavam com Jesus e viam os milagres acontecerem a cada momento. Onde entravam, na cidade, aldeias, ou no campo, viam os enfermos serem curados e todos os que o tocavam serem sarados. Mas neste episódio especificamente o evangelista nos mostra a surpreendente compreensão dos discípulos acerca de quem é Jesus. Marcos registra que os discípulos ficaram assombrados e maravilhados ao reconhecerem Jesus e virem que o mar se acalmou quando Ele veio até eles e entrou no barco. Pouco tempo antes, Jesus havia realizado o milagre da multiplicação dos pães e aqueles homens não haviam compreendido, porque seus corações estavam endurecidos. Nos dias atuais, vemos que muitos ainda não percebem a presença poderosa do Senhor Jesus. Ele tem dito a muitos “não temas” e nem todos conseguem compreender que Ele não é uma visão, mas o Cristo que nos salva da tempestade. Muitos são os têm presenciado o milagre da multiplicação em suas vidas, mas continuam com o coração endurecido. Muitos podem testemunhar os milagres de cura naqueles que tocam a orla do vestido de Jesus, mas não conseguem ser tocados, pois estão mais preocupados em manter as tradições religiosas, em olhar para a falha do outro e não percebem que estão na presença do Salvador.


segunda-feira, 5 de março de 2018

Se é que o tendes ouvido, e nele fostes ensinados, como está a verdade em Jesus; Que, quanto ao trato passado, vos despojeis do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; Efésios 4:21-22




O apóstolo Paulo nos chama à reflexão sobre a coerência que deve pautar a vida daquele que é nascido de novo. Precisamos ser coerentes em todas as áreas de nossas vidas a fim de testemunharmos a presença de Deus. Despojar do velho homem é desviar-se do mal, andar em retidão, deixar a mentira e os jeitinhos tão comuns até mesmo entre os cristãos, sob a alegação de que todos agem assim. A integridade é fundamental, independente de como as pessoas agem conosco. A Bíblia nos exorta andarmos na contramão da sociedade, ainda que isso signifique a exclusão. Precisamos demonstrar coerência com o que falamos e o modo como agimos em todos os lugares, assim não damos lugar ao diabo, deixamos de lado a mentira, a maldade e as concupiscências da carne. As coisas do mundo já não têm mais valor, por isso o nosso interesse deve mudar e nos apegamos ao que nos diz Paulo em Romanos 12:2:

“E não sejam conformados com este mundo, mas sejam transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus”.

domingo, 4 de março de 2018

Vós também, como pedras vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo. 1 Pedro 2:5




O apóstolo Pedro usa de figuras metafóricas para nos mostrar como deve ser nossa vida espiritual. Uma pedra morta é aquela que é tão dura, que não se deixa mais lapidar, moldar. É considerada uma pedra inútil pelos construtores, porque não se deixa trabalhar. Não é possível lapidá-lo ao ponto que interessa à edificação. Se for usada na obra, deve ser de forma rústica, mostrando a sua dureza e imperfeições. Uma pedra viva é aquela que aceita o trabalho dos martelos, das lâminas e atende ao projeto de seu burilador. Ela permite o desafio de ser moldada e lapidada para se encaixar no molde. Para a obra de Deus somos consideradas pedras, a serem encaixadas na Pedra Angular que é Cristo. E para tal precisamos nos moldar ao Projeto de Deus. Precisamos ser pedras vivas, aptas ao trabalho do burilador, pois somos parte da Obra


Não sabeis que sois santuário de Deus e que o seu Espírito habita em vós? 1 Coríntios 3:16