Traduza este blog

domingo, 30 de setembro de 2012


E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. João 8:32

Em 2 Timóteo 3:16-17, Paulo disse: "Toda Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra." Paulo também disse em 1 Coríntios 2:9-13 que seu ensinamento não tinha palavras de sabedoria humana, e sim palavras reveladas pelo Espírito Santo. A verdade que liberta é clara e inequívoca, mas está camuflada pelos enganos do mundo. Muitos estão perecendo e impedindo Deus de entregar as bênçãos porque estão caindo nas ciladas do diabo, que faz com que pareça bonito o que é feio, certo o que é errado, bom o que é mau, bem o que é mal. Isto acontece porque, embora a palavra seja simples e transparente, muitos simplesmente não dão crédito ao que aprenderam. Preferem persistir no erro, cair em vez de aprender com os erros dos outros, ou com os próprios. A palavra de Deus é clara, simples e objetiva. Nela está registrado tudo o que precisamos saber para nos prepararmos para a guerra contra nosso inimigo. Sabemos que nossa luta não é contra a carne e o sangue, mas insistimos em brigar com nosso semelhante, em vez de ficarmos atentos às estratégias de nosso verdadeiro adversário. O segredo para vencermos esse inimigo é sujeitar-nos a Deus. Precisamos saber que a ação do inimigo sobre a nossa vida não acontece de forma imediata. Ela vem sutilmente de forma a nos envolver e se não reagimos, ou agimos em desobediência aos conselhos de Deus, aos poucos nos enreda numa teia controlada pelo inimigo. Assim ele vai edificando fortalezas em nossas vidas e nos prendendo em nossa própria casa sorrateiramente. É assim que nos tornamos escravos. Primeiro ele nos ronda, para nos pegar no ponto fraco, depois atiça-nos para a desobediência, fazendo-nos acreditar que não há problema, que merecemos aquilo que vimos pedindo e nos faz crer que vem de Deus o que ele tem lançado como armadilha. O que se vem de Deus traz paz e contentamento perene. O que é passageiro e incomoda não vem de Deus. Precisamos abrir nossas mentes para nos tornar livres.

sábado, 29 de setembro de 2012


Achando-se as tuas palavras, logo as comi, e a tua palavra foi para mim o gozo e alegria do meu coração; porque pelo teu nome sou chamado, ó SENHOR Deus dos Exércitos. Jeremias 15:16



É nesse alimento que nutre o espírito e revigora a alma que devemos sustentar nossas fraquezas. Foi com ele que o profeta Jeremias se sustentou. Há aspectos da vida espiritual desse profeta que nos ajudam a compreender essas palavras como um estímulo a fazermos uma alimentação saudável também espiritualmente.  Jeremias ingeriu as palavras de Deus como nutrientes que fortificariam a sua vida. Assim ele permitiu que as palavras de Deus tivessem efeito positivo.Jeremias deu importância à palavra porque ele valorizou a sua relação com a pessoa que a revelou. É como fazemos quando pagamos caro por um restaurante porque conhecemos o valor de seu chef de cozinha. Há uma expressão popular que diz “você é o que você come”. Isso significa dizer, em outras palavras, que nosso organismo reflete aquilo que recebe como nutrição. E isso se aplica também para nosso espírito. Se nos alimentos com coisas saudáveis, certamente assim o seremos. Se nosso espírito recebe a porção necessária de alimento estaremos nutridos para vencer qualquer luta. Mas se nos alimentamos dos “fast foods” do mundo, se não cuidamos de nossa saúde espiritual, é certo que ficaremos debilitados. Podemos gastar fortunas em restaurantes ou nas prateleiras de supermercados e continuar desnutridos, se não observarmos o valor nutricional do que ingerimos. Analogamente isso pode ser visto na vida espiritual de uma pessoa.  O Senhor Jesus em  Mateus 4:4 nos ensina  “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus. "  Para ficarmos espiritualmente saudáveis precisamos cuidar bem da nossa alimentação. Jeremias entendeu esse princípio e por isso cultivou uma verdadeira comunhão com Deus. Do que você tem se alimentado? A resposta a essa pergunta é o seu termômetro para saber como anda sua vida espiritual. Muitos  têm se servido dos alimentos  na roda dos escarnecedores. Muitos têm comido as sobras dos porcos, ignorando que na Casa do Pai há uma mesa farta e da melhor qualidade. Muitos têm se contaminado com alimentos estragados e impuros e chamado a si a enfermidade do corpo e da alma. Muitos estão desnutridos e perecem. Mas o Senhor misericordioso manda aos Seus a porção diária do maná, porque deste pão o homem se fartará e nada haverá de lhe faltar, pois estará forte para resistir nos dia mau.

sexta-feira, 28 de setembro de 2012


E, tirando-os para fora, disse: Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar? E eles disseram: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa. Atos 16:30,31

Quantos não desejam a salvação e a de sua família! E para isso não é necessário fazer oferendas, fazer trabalhos ou se dobrar diante de imagens. Basta crermos no Senhor Jesus, aceitando recebê-Lo no coração, em espírito e em verdade para que Ele promova uma transformação em nossas vidas. A promessa é que nossa casa será salva por Aquele que pode transformar água em vinho, que pode mudar o curso de uma vida entregue à perdição.
Se você está vivendo problemas familiares, se não tem conseguido resolver os próprios problemas, não tente enfrentá-los. Entregue-os diante do altar do Senhor. Ele tem cuidado de nós. Deixe de lado as opções que o mundo lhe oferece e aceite o convite amoroso do Salvador.  Faça como Josué e diga ao mundo “eu e a minha casa serviremos ao SENHOR”.  Josué 24:15

quinta-feira, 27 de setembro de 2012


"Ai dos meus filhos que se revoltam contra mim, que fazem planos sem me consultarem e assinam acordos sem a minha aprovação! Assim amontoam pecado em cima de pecado. (Isaías 30:1)

O profeta traz à tona uma questão recorrente nos dias atuais: a desobediência e a rebelião. A insubmissão tem sido comum na família, no trabalho e na sociedade. Vemos submissão às autoridades, aos patrões, ao governo, aos professores, aos pais,  do mesmo modo que vemos  abuso de poder e exploração por parte daqueles que estão em autoridade. A bíblia nos ensina que devemos submissão às pessoas que são colocadas para exercerem autoridade e também nos ensina a sermos submissos aos que têm autoridade sobre nós. Primeiro devemos submissão a Deus, pois Ele  é autoridade suprema e  fonte de toda autoridade, conforme ensina Paulo em  Romanos 13:1. Assim como devemos submissão a Deus, devemos também respeitar a hierarquia, pois a autoridade funciona também respeitando uma ordem, pois existe uma hierarquia constituída por Deus.  Desobediência é a oposição, resistência às autoridades e isso desagrada a Deus, pois a rebeldia é um princípio de satanás! Ele desobedeceu a Deus e almejou ocupar o seu lugar e também influenciou alguns anjos. Adão e Eva também foram rebeldes e sua atitude trouxe sérias consequências para toda humanidade. Precisamos saber que toda desobediência traz grandes prejuízos. A história está repleta de exemplos de consequências advindas da desobediência. A nossa volta podemos reconhecer vários casos em que a desobediência trouxe sérias consequências. Quem faz planos sem consultar a Deus certamente se frustra. Quem age com independência e insubordinação  aos seus líderes em pouco tempo se decepciona.

quarta-feira, 26 de setembro de 2012


“lançando sobre ele toda a vossa ansiedade porque ele tem cuidado de vós.”  I Pe. 5:7

O apóstolo Pedro nos lembra que não precisamos ficar ansiosos quando cremos em Deus.  Jesus nos ensina que devemos buscar primeiro o Reino de Deus e as outras coisas nos serão acrescentadas. É natural que tenhamos algumas preocupações se elas são  voltadas para a satisfação de necessidades básicas. O ser humano, para sobreviver precisa se alimentar, beber água e buscar sua proteção.  Portanto, é legítimo que trabalhe para comprar alimento e água. É legitimo que precise de moradia, vestuário e de  locomoção. Sem comida, sem água e sem proteção, ninguém sobrevive por muito tempo. O problema está em, satisfeitas as nossas necessidades, passamos a ficar ansiosos por acumular aquilo  que jamais conseguiremos consumir. O problema se agiganta  quando  criamos a necessidade de ter e vivemos em função disso. Os bens que adquirimos  para satisfazer as nossas necessidades tornam-se a razão de nossa existência,  então, nossa vida perde o eixo.  Tomamos o lugar de Deus como o provedor e nos tornamos nós mesmos os provedores, quando deveríamos apenas ser coprovedores daquilo que precisamos para viver. Não podemos gastar nossa vida acumulando bens que não tem nenhum proveito na Eternidade. Não podemos nos concentrar em  ajuntar o que é secundário, deixando de lado o principal. Muitas vezes nossa ansiedade  advém de nossa tendência em imitar o estilo de vida dos que não confiam em Deus. O estilo de vida de pessoas que não partilham de nossos princípios não pode reger nossos planos. Por  mais sedutor ou glamouroso que pareça, não precisamos ter ou ser como o ímpio. Não precisamos ser como ou nos parecer com os ímpios para sermos aceitos ou apreciados. Basta-nos ser aceitos por Quem interessa: Deus. E para Ele nós temos valor. E, se temos valor, Ele proverá o que precisamos. A Bíblia nos ensina a confiar e a descansar, sabendo que Deus não nos dará o que nos compete fazer, mas, se fizermos o que nos cabe, receberemos o que precisamos enquanto estivermos dormindo, conforme nos lembra o salmista (Salmo 127.2). Em outras palavras, a recomendação bíblica é: trabalhemos e descansemos, para que Deus possa fazer a parte Dele.

terça-feira, 25 de setembro de 2012


Tenho experimentado que o SENHOR me abençoou por amor de ti. (Gênesis 30:27)

Essas foram as palavras de Labão a Jacó quando esse quis deixar a casa do tio e partir com sua família para voltar à sua terra. Jacó continuava pobre mesmo depois de trabalhar vários anos para Labão que prosperava com o trabalho de seu sobrinho. Muitas vezes nos sentimos como Jacó. Trabalhamos para abençoar a vida daqueles que nos exploram e continuamos pobres. Essa constatação pode nos levar ao desânimo, mas se continuarmos lendo sobre a história de Jacó veremos que houve uma reviravolta em sua vida. Também não podemos deixar de considerar que  Jacó foi bênção porque era herdeiro da promessa. Ele era filho do filho de Abraão. Jacó fora enganado pelo irmão de sua mãe, mas continuou sendo honesto e não pagou com a mesma moeda o tratamento que recebera. Isso também deve ser considerado. O Senhor abençoa quem não se deixa corromper pelos costumes do mundo e faz do mal que o ímpio intenta nos fazer um bem. Os mal intencionados não prosperam quando tentam usurpar as bênçãos que foram destinadas aos filhos da promessa. O Deus de Abraão é o nosso Deus. É o Deus daqueles que creem e esperam Nele sem se misturar com o ímpio. A Bíblia conta que Jacó prosperou enquanto Labão estagnou, mesmo depois de enganar e roubar aquele que lhe serviu com fidelidade. É isso que acontece com aqueles que tentam enganar ou roubar os servos de Deus. Enquanto usufruem das bênçãos pela proximidade com os filhos de Deus ou por se apropriarem daquilo que deveria ser do servo de Deus, o ímpio pensa estar prosperando. Contudo Deus não deixa que seus filho sejam enganados e certamente fará do mal um bem. Com quem você se identifica? Com Jacó ou com Labão? 

segunda-feira, 24 de setembro de 2012


Porque o SENHOR dos Exércitos o determinou; quem o invalidará? E a sua mão está estendida; quem pois a fará voltar atrás? Isaías 14:27

Enfrentamos muitas dificuldades em nossas vidas, no emprego, na família,  problemas de saúde, causas que achamos impossíveis de resolver, dentre tantas outras coisas passiveis de ocorrer enquanto estamos neste mundo. Não estamos livres dos problemas, tampouco das consequências de nossas escolhas. Mas diante de todas as  dificuldades que vivenciamos podemos ter a certeza do amor de Deus em nossas vidas, a certeza de que  as lutas são  passageiras e que no momento certo o Senhor vai entrar com providência. Se o Senhor prometeu não há porque duvidar. Ninguém poderá invalidar os decretos de Deus, por isso Jeremias 29:11 afirma  “Pois eu sei os planos que tenho para vós, diz o Senhor, planos de paz, e não de mal, para vos dar uma esperança e um futuro.” Eu quero meditar com você sobre o plano de Deus para nossas vidas. Deus cumprirá a sua palavra., porque Ele tem um plano para cada um de nós e nada, absolutamente nada em nossas vidas acontece por acaso. Tudo está no controle do nosso poderoso Deus. Podemos confiar no seu amor e cuidado.

domingo, 23 de setembro de 2012


Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Mateus 6:33

O ser humano sempre se preocupou com bens materiais, com o seu sustento, e com o seu futuro. Mas nos dias atuais esta preocupação tem se intensificado e  as pessoas têm comprometido a sua própria vida para obter o que é perecível, deixando de se preocupar com o que permanecerá. Não há nada de errado no fato de o homem  trabalhar, ajuntar  bens e fazer investimentos que lhe assegurem  uma vida melhor e  mais próspera. Contudo precisamos saber que os  bens terrenos são perecíveis e estão sujeitos as turbulências dos mercados interno e externo. Quando os investimentos do homem se restringem às coisas materiais distante de uma visão espiritual e celestial certamente  não satisfará a quem por eles se empenhou.  Jesus mostrou que não adiante ter sucesso na vida terrena e perder a vida eterna. Há algo que não tem preço e que deve ser prioridade para nós: o Reino de Deus. O homem deve lutar honestamente para ter o seu conforto aqui na terra, mas não pode privilegiar os bens terrenos esquecendo as suas obrigações para com  Deus. Isso porque a vida terrena é transitória, mas a espiritual é interminável. E é na eternidade  que iremos passar o resto de nossas vidas na presença de Deus ou longe dela. Isto vai depender do tipo de investimento que fizermos nesta vida.  Se investirmos em coisas terrenas não teremos o que levar. Mas Jesus nos deu a fórmula para o sucesso nesta vida terrena e na eternidade. Se buscarmos primeiro o Reino de Deus, todas as outras coisas nos serão acrescentadas.
Em que você tem investido sua vida, seu tempo e seus bens, suas primícias? 

sábado, 22 de setembro de 2012


“..para fazer muito mais abundantemente, além daquilo que pedimos ou pensamos..." (Efésios 3:20).
Todos estão sujeitos a passar por lutas e dificuldades, mas a diferença é que aquele que tem Deus  passa por essas circunstâncias com serenidade e ainda encontra forças para ampliar a fé e a impulsionar suas forças em sentido positivo. Se uma porta está se fechando, certamente Deus que tudo conhece está abrindo outra melhor. É fácil encontrarmos pessoas que nos desestimulam e difícil encontrar quem nos impulsione, quem nos dê ânimo nos momentos de luta. A palavra de Deus é clara quando diz que não devemos dar ouvidos àqueles que agem como sugadores de nossa energia. Precisamos saber que Deus é maior e se Ele está no controle não há palavra negativa, ou força contrária que nos desestimule. Se Ele é por nós, ninguém poderá ser contra. Mas sabemos que a arma do diabo muitas vezes é usar pessoas negativas ou nossa própria incredulidade para nos fazer desistir, para nos enfraquecer e nos tirar o foco.
Deus quer que você abandone uma mentalidade de aceitação das circunstâncias ou de viver lutando apenas pela sobrevivência. Ele quer a sua confiança Nele  assumindo a  posição  de quem vai governar e reinar. A posição de filho e herdeiro do Rei e isso implica dizer não ao negativismo, deixar de se acomodar espiritualmente e fisicamente. Deus quer que você se dirija a Ele com direito de filho. E qual o pai que não dará o melhor ao seu filho?  Nosso Pai que fazer infinitamente mais do que pedimos, mas espera que antes assumamos uma postura de alguém que verdadeiramente acredita que Ele: está no controle e sabe o que está fazendo.

sexta-feira, 21 de setembro de 2012


“Para que, uma vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível...” (1 Pe 1:7)

Nem sempre entendemos a razão pela qual Deus permite que passemos por tribulações. Mas conhecendo a natureza de Deus e o Seu amor por nós podemos ponderar que  Ele tem um propósito muito maior do que imaginamos. Muitas vezes, as tribulações provam nossa fé que,  purificada  glorifica e exalta a Deus, pois todo aquele que passa por provas desenvolve uma fé inabalável e reconhece que nunca teria chegado à vitória se o Senhor não estivesse com ele e por ele. Pedro nos mostra que as provações são um dos meios que Deus usa para demonstrar a autenticidade de nossa fé. Se cremos somente quando tudo vai bem,  nossa fé é superficial e  pode não ser genuína. As provações  purificam  a nossa fé, assim como o calor separa o ouro das impurezas. Essa analogia demonstra que, enquanto não passamos por provações, nossa fé é uma mistura de coisas boas e coisas ruins e pode ser contaminada com nosso egoísmo, vaidade, orgulho e justiça própria, falta de perdão. Mas na tribulação essas impurezas são removidas e Deus se revela como um bem precioso, incorruptível na vida de quem se deixa purificar. Não devemos nos alegrar pelas tribulações em si, mas pelos benefícios que elas nos trazem. Nem sempre é possível perceber o propósito soberano de Deus para aquilo que estamos passando. Mas o próprio apóstolo Pedro nos lembra que, em contraste com a eternidade, essas provações são breves, passageiras. O que nos ajuda a passar por elas é a nossa convicção de que Deus está no controle e sabe o que está fazendo.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012


 “E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e perante ti, e já não sou digno de ser chamado teu filho”. Lucas 15:21
No episódio do filho pródigo narrado por Lucas vemos os passos para  vencermos o pecado: o arrependimento. Voltar atrás e procurar não errar mais são as atitudes mais dignas daquele que reconhece o sacrifício de Cristo por nós. O pecado pode ser vencido porque Ele levou sobre si as nossas dores e nossas maldições. O segundo passo é confessar os nossos erros, como afirma o salmista nos Salmos 51:2-4 “Lava-me completamente da minha iniquidade, e purifica-me do meu pecado”. O terceiro é desejar viver uma vida pura e santa. “Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto”, clama o Salmo 51:10. É importante deixar para trás o que passou e, enfim, crer no poder purificador do sangue de Jesus, lembrando sempre o que ministra 1 João 1:7 “Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado”. Assim como o filho pródigo que soube reconhecer onde errou e teve coragem para voltar atrás e pedir perdão ao pai,  precisamos compreender a profundidade do que representa a atitude de Jesus em nosso favor. Precisamos  crer que Jesus já venceu o pecado por nós, e, se estamos em Cristo não precisamos mais viver sob o jugo de escravidão do pecado, porque sabemos que Ele nos comprou por um alto preço e foi ao inferno buscar a sua chave para que não precisássemos descer até lá. Tomemos posse dessa oportunidade e vivamos uma vida reta diante de Deus!

quarta-feira, 19 de setembro de 2012


Porque Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, e de amor, e de moderação. (2 Timóteo 1:7)
O apóstolo Paulo nos lembra que quando nos entregamos nas mãos protetoras de Deus, o “espírito de temor” é destronado. No  lugar do medo recebemos o espírito “de fortaleza, de amor e de moderação”.  A fala de Paulo  é confirmada pelo apóstolo João, quando diz: “Deus é amor. O amor lança fora o medo”. Quem ama o desafio não tem medo de ser derrotado, não se dá por vencido, mesmo. Quem ama as pessoas  não tem medo de demonstrar esse amor. O amor do Senhor nos fortalece. Ele lança fora o medo e nos capacita com moderação. O apóstolo afirma que o propósito de Deus é que nós sejamos moderados. Isso significa que devemos ser prudente  e autodisciplinados. Fazer as coisas certas, na hora, com as pessoas certas. É isso que Deus espera de nós. Que falemos quando é necessário falar, mas que nos calemos quando for preciso. O equilíbrio nos ajuda a combater todo tipo de erro.  Como é bom saber que Deus quer trabalhar em nossos medos, transformar nossos traumas e renovar nosso espírito como novas criaturas nascidas de novo. 

terça-feira, 18 de setembro de 2012


Todas as coisas são lícitas, mas nem todas convêm; todas são lícitas, mas nem todas edificam. Ninguém busque o seu próprio interesse, e sim o de outrem." 1 Coríntios 10:23-24

O apóstolo Paulo lembra-nos que somos livres para fazer qualquer coisa, pois tudo nos é permitido, mas por escolha própria, decidimos fazer somente aquilo que nos edifica, que agrada a Deus, pois sabemos que isto é o melhor para nossa vida. Diferentemente do que pensam as pessoas que não encontraram Jesus, os cristãos são mais livres do que aqueles que se julgam livres para os vícios, para relacionamentos abertos, para decidirem sobre seu próprio corpo... Os cristãos que  vivem sob a orientação  da Palavra de Deus, ainda que tenha a liberdade para fazer qualquer coisa, como beber, fumar, corromper, enganar, mentir, não o faz porque sabe que todas as escolhas trazem suas consequências. Então, livre para dizer não, prefere praticar somente aquilo que é bom para si e para os seus entes queridos. Quem pensa ser livre, na verdade não passa de um escravo de suas escolhas. Esta é a sabedoria que vem de Deus para nossa vida. É maravilhoso saber que a liberdade espiritual que temos foi conquistada por Jesus, e nos é revelada pelo Espírito Santo. Somos livres porque Jesus nos libertou.

segunda-feira, 17 de setembro de 2012


Clamarei ao Deus altíssimo, ao Deus que por mim tudo executa. Salmos 57:2

Qual a causa de suas lágrimas? Aquilo que nos faz chorar diz muito a nosso respeito. O motivo pelo qual derramamos nossas lágrimas pode indicar se somos egoístas, solidários, se temos nosso coração voltado para Deus, ou se nos incomodamos com futilidades. Há quem chore por ter o seu orgulho ferido, há quem chore por não poder dar o melhor aos seus entes queridos, e há os que choram porque as pessoas à sua volta levam uma vida pecaminosa e rejeitam o Deus que as ama com amor incondicional. Jeremias foi um profeta conhecido pelo choro e pelas lamentações. Ele se angustiava pelo povo que entristecia a Deus. Davi chorava quando reconhecia que seus atos desagradavam ao Senhor. Esses homens de Deus clamavam e eram ouvidos. Eles sabiam que seriam atendidos, porque conheciam o Deus a quem serviam. Não duvidavam, ainda que as circunstâncias fossem contrárias. Sabiam que tudo podiam Naquele que tudo pode e a Ele clamavam. Talvez você ainda tenha duvidas quanto ao poder de Deus em executar na sua vida aquilo pelo qual tem suplicado. Pode ser que tenha clamado e não conseguiu resposta ainda. Talvez você não tenha ouvido a voz do Senhor respondendo, ou os seus olhos não puderam ver o milagre acontecendo. Talvez lhe falte a sensibilidade de Davi e de Jeremias para ter a confiança inabalável no poder de um Deus que executa por nós o que necessitamos, quando nos chegamos a Ele com o coração aberto, pois  como disse Jesus em Mateus 7: 9 se o pai  descrente não dá a seus filhos pedra no lugar de pão, então  o nosso Pai que esta no céu não nos dará o que necessitamos? Por isso tenha certeza, se você se reconhece como filho de Deus. Se crê que Jesus Cristo é o SENHOR, Ele certamente lhe ouvirá em seu clamor e responderá com um milagre. Qual é o motivo de suas lágrimas? 

domingo, 16 de setembro de 2012


“Mas o que era para mim era ganho reputei-o perda por Cristo; e, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas, e as considero como escória, para que possa ganhar a Cristo”. [Filipenses 3:7-8]

Perda não é uma palavra que é levada em conta nos dias atuais. As palavras mais agradáveis como bênção, vitória e prosperidade são mais bem vindas. Contudo não podemos deixar de refletir sobre o que essa palavra e o que representa significa na vida de um cristão. precisamos aceitar e aprender com as perdas. Muitas vezes  o sofrimento seja físico ou psicológico é  o método que Deus usa para vermos em que estamos fundamentando nossas vidas. Quando perdemos a saúde, ou a família, ou o trabalho, ou a reputação, e a nossa estrutura  desmorona e nos sentimos perdidos, é que percebemos o quanto nosso senso de propósito e identidade estava de fato ligado a essas coisas. Quando permitimos que tudo isso seja tirado de nós aprendemos a lidar com a perda, sabendo que nessa vida ela é inevitável.  Se queremos um companheiro(a), será preciso perder a liberdade de estar só. Se queremos viver muito, naturalmente precisamos aprender a lidar com a perda da juventude.  São perdas naturais que nos ensinam a aceitar as mudanças. A Bíblia nos ensina muito sobre as perdas. A  perda serve para nos mostrar que nossa capacidade não vale nada. Ela prova nossa fé e proporciona experiência com Deus. O apóstolo Paulo aprendeu que a perda mostra que a nossa capacidade não vale nada (Filipenses 3:3-6). Moisés aprendeu que a perda proporciona experiência com Deus, depois de perder o conforto do palácio de Faraó e seguir  para o deserto. José aprendeu que a perda prova a nossa fé, ao manter-se inabalável mesmo em meio a várias adversidades. E com Davi aprendemos que a perda revigora a nossa fé. 

sábado, 15 de setembro de 2012


Jesus respondeu-lhes, e disse: Na verdade, na verdade vos digo que me buscais, não pelos sinais que vistes, mas porque comestes do pão e vos saciastes. (João 6:26)

Não é raro ouvirmos dizer que o e egoísmo é um sintoma da falta de Deus na vida de uma pessoa. Geralmente, quando a pessoa não se interessa, não se preocupa, e não faz nada pela vida dos outros é porque não conhece a Deus. São pessoas que vivem em função de si mesmas e se elas estão bem é o que importa. O pior é quando se constata essas  características naqueles que se denominam cristãos. Há cristãos que vivem em busca de bênçãos, que pedem e esperam receber, mas dificilmente estão prontos para abençoar outras vidas. Seus testemunhos confirmam essa característica. Apregoam o quanto foram abençoados, mas não relatam sequer uma vez em que foram abençoadores. Cristão egoísta é um paradoxo inaceitável, pois cristão deveria ser um imitador de Cristo e Ele deu a Sua vida por uma humanidade que não merecia, enquanto muitos cristãos vão se tornando sanguessuga (Pv. 30.15), a gerar filhos Dá e Dá, preocupados somente com o que vão receber, mas nunca com o que podem dar.  Esse tipo de cristão está muito mais preocupado com o que Jesus pode lhe dar do que em conhecê-Lo. Faça um exame, que lhe interessa mais? Quem é Jesus ou o que Ele pode fazer por você? Mas isso não é novidade, Jesus era frequentemente procurado somente pelo que Ele podia fazer por aquelas pessoas.   Ainda hoje muitos continuam fazendo isso com o Senhor, da mesma forma que fazem aos irmãos.
Devemos lembrar que as nossas necessidades chegarão a um fim, mas Jesus Cristo permanecerá para sempre. Se as suas orações têm sido somente a apresentação de  pedidos ao Senhor, e se nunca é capaz de abençoar outras vidas, esperando apenas ser abençoado está perdendo uma grande oportunidade de conhecer alguém com quem vamos passar a eternidade e de partilhar a alegria de ser um multiplicador de bênçãos enquanto está nesta Terra. 

sexta-feira, 14 de setembro de 2012



E Jesus disse-lhe: Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê. E logo o pai do menino, clamando, com lágrimas, disse: Eu creio, Senhor! ajuda a minha incredulidade. Marcos 9:23-24

Quando passamos por lutas, dificuldades, enfermidades nem sempre encontramos forças para buscar em oração a resposta aos nossos problemas. Tendemos a nos isolar e a silenciar diante Daquele que pode mudar esse quadro. Essa passagem narrada por Marcos mostra o que devemos fazer quando nossa fé parece se esvaziar, quando nos deixamos dominar pela incredulidade: precisamos clamar ao Senhor e, antes de pedir que nos dê o que desejamos, devemos pedir que Ele nos ajude a recobrar a fé. O próprio Jesus afirmou em Lucas 17: 6 “Se tivésseis fé como um grão de mostarda, diríeis a esta amoreira: Desarraiga-te daqui, e planta-te no mar; e ela vos obedeceria”.  É a fé que nos impulsiona a seguir em frente, a superar os obstáculos. Mas fé não é somente para transpor montanhas. Fé é para viver.  Deus nos dá graça para viver, se nós crermos.  “O justo viverá por fé” e "Sem fé é impossível agradar a Deus" diz o autor de Hebreus 11:6.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012


E para vós olharei, e vos farei frutificar, e vos multiplicarei, e confirmarei a minha aliança convosco. Levítico 26:9

O Senhor é um Deus de alianças e quando depositamos Nele a nossa confiança podemos ter a certeza de que daremos frutos no tempo certo. Independente do problema, da dificuldade, independente de onde tenhamos nos enveredado, devemos confiar que Deus nos ouvirá e que atenderá nosso clamor. Essa é a Sua promessa e Deus não é homem para mentir. 
Manter a fé e a esperança quando as coisas não estão bem é demonstrar que conhecemos quem é nosso Deus. Fé é acreditar naquilo que não se pode ver. É  tomar posse do impossível que ainda não aconteceu, crendo que acontecerá, mesmo que as circunstâncias digam não.  Para ter  fé  não podemos levar em conta apenas a razão, há algo de sobrenatural que procede do Espírito Santo. Fé, segundo o autor de  Hebreus 11:1  " é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não veem". Aquele que tem fé, por mínima que seja, pode testificar as palavras de Moisés, no texto em epígrafe. Aquele que crê verá seus anseios respondidos, certo de que a aliança que Deus estabelece não se rompe, nem pode ser corrompida. 

quarta-feira, 12 de setembro de 2012


Veio para o que era seu, e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome; João (1: 11-12).

Quantas vezes nos sentimos rejeitados, preteridos, injustiçados? Achamos que não merecemos esse tratamento, principalmente quando vem de pessoas que estimamos e a quem devotamos nossa atenção e nossos sentimentos mais sinceros. Se nos sentimos assim, imagine pensar que Jesus foi rejeitado na forma mais aguda em que alguém pode ser rejeitado pelos seus compatriotas e familiares. Jesus sofreu rejeições, mas superou todas elas sem deixar de amar aqueles que o magoaram profundamente. O versículo de João nos faz refletir sobre a importância de não desistirmos de fazer o bem mesmo para aqueles que nos feriram de alguma forma. Jesus superou toda injustiça sem deixar de amar. Ele só pode exercer o perdão porque amou de tal maneira a humanidade que foi capaz de dar a Sua vida por aqueles que O feriram. A boa notícia é que esse Jesus que nos ama apesar de nossas limitações nos recebe como estamos se a Ele nos chegarmos. Ele jamais nos rejeitará. 

terça-feira, 11 de setembro de 2012



O SENHOR não deixa o justo passar fome, mas rechaça a aspiração dos perversos. (Provérbios 10:3)

Essa constatação do sábio rei Salomão pode também ser feita por nós nos dias atuais, pois uma das características de Deus é a imutabilidade. Deus não muda Seus princípios e continua fazendo valer os Seus estatutos. Aquele que vive segundo a vontade de Deus, ainda que seja roubado ou enganado pelos homens não permanece em má situação, pois Deus está à frente e faz com que o mal se transforme em bem. O perverso, aquele que rouba o próximo, seja em confiança, seja em espécie, aquele que toma emprestado e não paga, que explora o trabalho alheio, ao contrário, receberá as consequências de suas ações. Aparentemente, pode até parecer imune ao castigo, mas tão logo se dê conta colherá o que semeou. Deus não se agrada de quem explora o justo e tampouco fecha os olhos para aspiração dos perversos. Deus é justo e não vingativo, é preciso esclarecer, por isso não permite que quem pratica o bem e age de boa fé seja explorado, ludibriado ou abandonado. A Bíblia diz que Jesus é nosso advogado e, com certeza, não perde uma causa porque a Sua justiça excede a justiça humana e não jamais tem dois pesos e duas medidas. Ninguém que tenha colocado sua causa nas mãos do Senhor se arrepende porque Ele julga com equidade. 

segunda-feira, 10 de setembro de 2012


Por que gastais o dinheiro naquilo que não é pão? E o produto do vosso trabalho naquilo que não pode satisfazer? Ouvi-me atentamente, e comei o que é bom, e a vossa alma se deleite com a gordura. Isaías 55:2

Esse questionamento do profeta Isaías nos faz refletir sobre como estamos investindo nossas finanças, nosso tempo, nossas energias. O profeta nos alerta sobre a temeridade que é abrir mão do que é perene para consumirmos nossos bens no que é supérfluo e passageiro. Muitas  vezes nos cansamos com o que não necessitamos, com o supérfluo, com o luxo, com a aparência, com o que não edifica, e não atentamos para o que nos ensinou o apóstolo Paulo na carta aos Filipenses 4: 6,7 “Não estejais inquietos por coisa alguma; antes, as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus, pela oração e súplicas com ações de graças. E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus.” Jesus nos ensinou que devemos apresentar ao Senhor as nossas inquietudes, pois Ele não somente irá resolver o nosso problema, como irá falar ao nosso coração dando-nos a paz. 

domingo, 9 de setembro de 2012



Porque não podemos deixar de falar do que temos visto e ouvido. Atos 4:20

Os milagres acontecem todos os dias e não podem ser banalizados. É preciso testemunhar, é preciso apregoar ao mundo o que o Senhor tem feito por nós. O próprio Jesus, em Atos 1:8, antes de sua ascensão ao Céu deu uma ordem que não se limitava aos primeiros cristãos. Ela continua valendo para toda Igreja:  “Mas recebereis poder, ao descer sobre vós o Espírito Santo, e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém, como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra”. Em II Pedro 1:8, o apóstolo exortou os cristãos, mostrando que Deus não quer que sejamos “ociosos e infrutíferos”, pois não fomos ganhos para ficarmos em silêncio ou acomodados em nossa bênção, temos uma responsabilidade a exercer. Fomos alcançados com um propósito, por isso Paulo afirma em carta aos Filipenses 3:12: “... mas vou prosseguindo, para ver se poderei alcançar aquilo para o que fui alcançado por Cristo Jesus”. Em outras palavras, fomos alcançados para alcançar. Receber a bênção e passar adiante. Não podemos ser egoístas e esperar apenas ser abençoados.  Jesus nos alcançou também para que possamos cumprir Seu propósito aqui na terra. Precisamos frutificar, pois o plano de Jesus é fazer de cada um de nós suas testemunhas. E  se na nossa vida cristã não estamos  cumprindo de algum modo esse propósito estamos fora do padrão divino e precisamos repensar nossas atitudes. Cristão nominal, cristão de fachada e cristão não praticante não fazem parte do plano de Deus.  Testemunhar não significa somente “pregar” ou “evangelizar”. Testemunhar é fazer o que exorta Lucas no texto em epígrafe. Significa fazer o que primeiros apóstolos fizeram: contar tudo o que viram e ouviram. Não  se trata simplesmente de pregar, “Pois nós não podemos deixar de falar das coisas que temos visto e ouvido”.  (Atos 4:20). O nosso testemunho leva à evangelização e isso é muito mais autêntico do que apenas falar de nossas leituras da palavra de Deus, pois ninguém tem autoridade para testemunhar com base no que outros viram, e sim naquilo que ele próprio viu. Isto é testemunhar. Aquele que vive os milagres é testemunha autêntica e tem autoridade para falar do viu. Daí a evangelização flui confirmando-se pela palavra. 

sábado, 8 de setembro de 2012


Eu, porém, estou aflito e necessitado; apressa-te por mim, ó Deus. Tu és o meu auxílio e o meu libertador; SENHOR, não te detenhas. (Salmos 70:5)

Precisamos crer nas promessas do Senhor, principalmente quando estamos enfrentando lutas e provações. Os gigantes que nos afrontam não são maiores do que o nosso Deus.  Assim como Davi, podemos descansar na certeza de que  Ele vai lutar as nossas lutas. E não importa o nosso tamanho diante do inimigo, a vitória é nossa porque não é na nossa força que nos firmamos, mas sim na força do Senhor. Gigantes significam situações que, aos nossos olhos, parecem impossíveis de serem vencidas. Os mesmos desafios que Davi viveu diante do gigante, também estão presentes diante de nós, a cada dia, nas mais diversas áreas e circunstâncias de nossas vidas.  Nosso DEUS tem prometido que fará grandes coisas por aqueles que nELE esperam. E o fará, pois só Ele pode intervir nos eventos de nossa história, até na própria história humana, sempre em cumprimento as suas promessas e para que Seu nome seja engrandecido. O profeta Isaías reforça o que Davi já anunciava “Porque desde a antiguidade não se ouviu, nem com os ouvidos se percebeu , nem com os olhos se viu um DEUS, além de TI, que trabalhe para aquele que nELE espera.” (Isaias 64.4).  Aquele que crê e espera terá suas forças renovadas e verá o gigante cair por terra.

sexta-feira, 7 de setembro de 2012

“Se eu atender à iniquidade no meu coração, o Senhor não me ouvirá.” (Salmos 66:18).”

  Quantas vezes desejamos muito receber uma benção, pedimos insistentemente ao Senhor que nos abençoe, e não somos agraciados com o que sonhamos. Isso não acontece porque Deus não deseja nos atender, mas porque Ele vê em nosso coração algo que não lhe agrada. Às vezes pedimos porque achamos que é para o nosso bem, para nosso deleite, mas deixamos de considerar que nosso pedido tem consequências e que pode afetar também outras vidas. Precisamos também nos lembrar de que Deus não pode atender a oração de quem está em pecado, conforme nos mostra o salmista. Ele só ouve a oração quando não há mal praticado de propósito deliberado. Quando nos arrependemos e deixamos de praticar o mal, o Senhor não só nos perdoa, mas atende a nossa oração. Ela é inocente daquele mal. E isso é uma das condições para que a oração seja atendida. Para que a oração seja atendida há que existir uma disposição interior de obedecer à Lei do Senhor, com o desejo de ter o amor verdadeiro para com nossos irmãos. Isto, para Deus, vale muito mais do que passarmos o dia e a noite em altos clamores e depois, saindo dali, nos deixarmos levar pela falta de perdão, pela soberba, pela maledicência, pela indiferença e pela impiedade, ou concupiscência. Quando pedimos que Deus nos abençoe sem acertarmos nossas dívidas, sejam elas de que natureza for, é natural que fiquemos na espera somente, porque a vida verdadeiramente cristã é a vida de atos, vida de coerência e não de palavras somente. E Deus não é incoerente como os homens. A vida cristã é feita de obras, não de fé somente. Portanto, o recado do salmista deve nos servir como reflexão: antes de insistir em nossos pedidos, devemos  observar nossas atitudes e refletir sobre o porquê de o Senhor ainda não ter nos atendido. Onde está o bloqueio que impede que a nossa oração seja aceita?

quinta-feira, 6 de setembro de 2012


“Tornaste o meu pranto em folguedo; desataste o meu pano de saco, e me cingiste de alegria.”(Salmos 30:11).

Somente quem conhece o Senhor verdadeiramente pode repetir essas palavras do salmista. Quando nos sentimos tristes, amargurados Deus nos enche com a verdadeira alegria que não apenas dura o tempo da festa, que não vai embora depois de passados os efeitos da bebida. É  uma alegria que não tem nada a ver com a solução que as religiões oferecem. Não é uma solução mágica prometida pela bebida, ou algum alucinógeno. Não depende da expectativa que temos de um companheiro. O caminho do verdadeiro júbilo é Jesus. Não há outro caminho, não há outro Deus e não há outra fonte de alegria perene. Está ligada à paz que só aquele que conhece a Cristo com intimidade pode desfrutar. Aquela certeza que nos faz seguir em frente quando todas as circunstâncias dizem "não". A confiança que nos faz sentir uma alegria permanente e real, porque suas raízes não estão fincadas em celebrações humanas, mas na morte de Jesus na cruz, que trouxe vida abundante para todo que crê e aceita esse sacrifício. Quantas vezes depositamos nossas expectativas nas pessoas, nas festividades do mundo, nas possibilidades de dividir com alguém nossos sonhos e nos decepcionamos! Mas a verdadeira alegria só ocorre quando nos voltamos para Aquele que é capaz de gerar em nós uma paz que excede todo o entendimento (Filipenses 4:7). Essa paz não está sujeita a dinheiro no banco, saúde, ausência de problemas ou qualquer outra condição que acreditamos ser imprescindível para vivermos bem. Ela está fincada na cruz do calvário, foi conquistada pelo sangue precioso de Jesus e não há nome maior sobre a terra. 

quarta-feira, 5 de setembro de 2012


"Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;" (I Timóteo 4 : 2)

“Uma mentira muitas vezes repetida acaba virando uma verdade”. Esse dito popular  confirma o que Paulo disse em  Romanos 1 : 25. "Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém." Infelizmente, as pessoas estão permitindo que suas vidas sejam moldadas pelos padrões ditados pela mídia, que, via de regra, caminha diretamente contra os mandamentos de Deus e os ensinamentos de Jesus Cristo. Não ser diferente da grande massa, ou seguir os conceitos impostos socialmente têm levado a sociedade a se desviar dos caminhos do Senhor. Desde que a humanidade passou a defender a liberdade de expressão e criar as próprias normas, o que deveria ser uma liberdade voltada para o crescimento com igualdade e oportunidade para todos acabou se tornando um descaminho. A mentira é como uma bola de neve, quanto mais rola, mais cresce. Uma mentira leva à outra e enreda a quem se aproxima.  Do que parece algo simples e inofensivo extrai-se um gigante. Assim, uma frase dita apenas para agradar, para seduzir, pode levar a um compromisso do qual não se pode desvencilhar sem deixar marcas, ou consequências sérias. E isso pode ocorrer em todas as áreas de nossa vida. Falar  sem pensar, ou sem medir as consequências, pode até parecer algo inocente, mas aos poucos revela-se uma prisão. A mentira, que cauteriza a consciência, como afirma o apóstolo, é um caminho largo, às vezes atrativo, fantasioso, que leva à perdição. O antídoto para isso é Jesus de Nazaré: o caminho, a verdade e a vida!

terça-feira, 4 de setembro de 2012


“…buscai as coisas lá do alto, onde Cristo está sentado à direita de Deus.” (Colossenses 3:1)

Todos nós almejamos conquistar algo. A mais despretenciosa das criaturas tem um desejo, um anseio, uma necessidade, um objetivo a alcançar em sua vida. E por conta disso aplica seu tempo, empenha suas forças. Pode ser por algo material, ou imaterial.   Mas sempre haverá um objetivo e um motivo para se comemorar ou para se lastimar. Você pode dizer que tem algo a comemorar hoje? Aquilo que tanto esperava e para o qual empenhou seu tempo, suas energias, depois de alcançado tem sido motivo de comemoração, ou, ao contrário do que imaginava, tem sido um peso, um motivo de lástima em sua vida? Essas questões nos levam a refletir sobre como estamos preenchendo o nosso desejo do “querer mais”? Muitas vezes almejamos o sucesso profissional, reconhecimento humano, fama, dinheiro… Quando temos  um desejo, acreditamos que é para preencher a nossa felicidade. Conscientemente, ninguém busca um desejo para ser infeliz. Ocorre que nosso coração é enganoso e muitas vezes nos leva a desejar justamente aquilo que não nos fará bem. Às vezes nos tornamos cegos e achamos que aquilo que almejamos e para o qual empenhamos nossos esforços em conquistar vai nos trazer felicidade. Mas mesmo assim, quando julgamos ter encontrado e satisfeito nosso desejo inicial nos depararmos ainda com a sensação da insatisfação, da lacuna da incompletude. E quando não nos debatemos com a angústia da frustração, passamos a viver o ciclo vicioso da nova busca e da insatisfação recorrente...
Mas se refletirmos nas palavras de Paulo, no texto em epígrafe, encontraremos a resposta para o nosso maior anseio. Quando buscamos as coisas que vêm do alto, quando deixamos de dar destaque para os desejos de nosso coração, com toda certeza, aquietaremos nosso coração e aprendemos a reconhecer a vontade de Deus em nossa, evitando a frustração. 

segunda-feira, 3 de setembro de 2012


"Digo-vos ainda: todo aquele que me confessar diante dos homens, também o Filho do Homem o confessará diante dos anjos de Deus." Lucas 12:8

Temos a oportunidade de testemunhar sobre Jesus em tudo que fazemos e devemos dar nosso testemunho com palavras, ações e também em atitudes.  O  que dizemos e o que deixamos de dizer revela quem é Jesus para nós. Tanto nossas palavras, como nosso  silêncio são reveladoras de nossas atitudes. E testemunham Jesus. Quando estamos na fila do banco,  do supermercado, do ônibus,  ou quando estamos na sala de espera do médico, do dentista, não importa onde, o importante é que devemos aproveitar a oportunidade de falar ou mostrar que somos de Jesus. "Aquele que aceitou o seu testemunho, esse confirmou que Deus é verdadeiro." João 3 : 33, deve cumprir o proferido por  Jesus e registrado em Marcos 16:15: "E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura." Todos os dias temos essa oportunidade de confessar Jesus diante dos homens e de dar um bom testemunho pelo nosso comportamento nas mais corriqueiras situações cotidianas.  Paulo afirmou “Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas." Romanos 10 : 15.

domingo, 2 de setembro de 2012


"Suave é ao homem o pão ganho por fraude, mas, depois, a sua boca se encherá de pedrinhas de areia." Provérbios 20:17

Vivemos dias em que a fraude, a corrupção, o enriquecimentos ilícito têm se tornado tão corriqueiro que muitas pessoas acham normal essas atitudes e alguns chegam a pensar que estranhos são os que assim não agem, errado estão os que se mantém íntegros e probos. Mas a Bíblia mostra claramente que quando o homem se corrompe a consequência é a ruína. As riquezas que são adquiridas pela fraude, pela desonestidade e pela corrupção acabam se  transformando em maldição na vida das pessoas. O pecado engana e se a princípio se apresenta como tentador e aparentemente glamouroso em pouco tempo mostra a sua verdadeira face.   Ele tem um sabor amargo e não poupa aqueles que se fartaram dos frutos da injustiça e da corrupção. O que hoje pensa estar levando vantagem ao obter um lucro fácil, ao tomar emprestado em não pagar, ao explorar o trabalho ou a boa fé de uma pessoa, certamente, não se fartará, mas colherá o que semeou. O cristão não pode aderir a essa ideia, mas precisa entregar seus caminhos ao Senhor, seu trabalho, sua profissão, suas finanças, para que o Senhor o ajude a administrar honestamente tudo o que o Senhor tem lhe dado. Precisamos dar um bom testemunho, consultando ao Senhor antes de negociar, comprar e vender para que não causemos prejuízos a ninguém, para que sejamos exemplos para as pessoas a nossa volta e não pedra de tropeço, para que nossa boca se encha de pedrinhas de areia. 

sábado, 1 de setembro de 2012



"Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome." Salmo 23:3

O salmista clama ao Senhor para que não se desvie de Sua presença, porque reconhece que é fraco e passível de falhas.  Aquele que compreende a profundidade dessa entrega se torna forte, confiante e destemido. Se o Senhor nos conduz  por vereda plana e pelos caminhos da justiça por amor do Seu nome, é certo que as coisas tenderão a dar certo em nossa vida. essa é uma promessa bíblica.  Todas as angústias, todo o mau humor, toda insatisfação e todas as queixas vêm da incredulidade. Precisamos nos conscientizar que o Senhor só é honrado e glorificado se aceitamos as Suas promessas. Se aqui está escrito: "Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome", isso significa por amor ao nome de Jesus. As promessas que Ele fez são garantidas e certas no precioso nome de Jesus, pois está escrito: "Porque quantas são as promessas de Deus tantas têm nele o sim; porquanto também por ele é o amém para glória de Deus." Essa certeza de ser guiado por vereda plana, por vereda de justiça, consola nosso coração. O mesmo Davi que também tinha essa certeza exclamou: "Percorrerei o caminho dos teus mandamentos, quando me alegrares o coração." É como um abençoado círculo divino, depois de nos aproximarmos dEle fica mais fácil obedecer ao Senhor.