Traduza este blog

quinta-feira, 30 de junho de 2016

E pão dos céus lhes deste na sua fome, e água da penha lhes produziste na sua sede; e lhes disseste que entrassem para possuírem a terra pela qual alçaste a tua mão, que lhes havias de dar. Neemias 9:15


O livro de Neemias narra a história da peregrinação do povo de Deus em sua saída do Egito rumo à terra prometida. Nessa história podemos constatar o grande amor de Deus pelo seu povo e como a misericórdia não permitiu que o povo perecesse no deserto. A coluna de nuvem guiava o povo de dia e a coluna de fogo de noite, conduzindo-o pelo caminho por onde havia de ir. Era o próprio Deus quem guiava o Seu povo, mostrando quando era hora de ficar e esperar e também a hora de prosseguir pelo deserto. Vemos que o povo tinha um poderoso GPS, por isso não se perdeu, e nem se desviou do seu caminho. Esse é o GPS que precisamos ter em nossos caminhos, pois mais do que guiar, Deus protegeu e salvou o povo, fornecendo a provisão necessária durante a travessia. O povo experimentou a libertação do Egito, como um grande milagre, depois de mais de 400 anos de escravidão e opressão. Após a libertação, sob a liderança de Moisés, o povo foi conduzido até a terra prometida, sempre contando com Deus à frente desta jornada. Quem estava à frente do povo era Moisés, mas quem comanda é Deus. Se somos filhos e temos a promessa de Deus, devemos deixar que Deus nos conduza e nos diga o que, como e quando fazer. Quais decisões tomar. Ele deve ser o nosso GPS.



Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus esses são filhos de Deus. Romanos 8:14

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Disse-lhes mais: Ide, comei as gorduras, e bebei as doçuras, e enviai porções aos que não têm nada preparado para si; porque este dia é consagrado ao nosso Senhor; portanto não vos entristeçais; porque a alegria do Senhor é a vossa força. Neemias 8:10


A Bíblia mostra claramente que sempre que fizermos a nossa parte, podemos contar com a mão do Senhor em nosso favor. Isso significa que não podemos pedir a ajuda dele sem nada fazermos! A acomodação não agrada a Deus, pois Ele acredita nos talentos que colocou em nós a fim de ser usado para a Sua honra e glória. Não há ninguém que não tenha ao menos um único talento a ser usado para a Obra de Deus. Assim, se formos fiéis ao Senhor e à Sua Palavra, se nos esforçarmos e trabalharmos, confiando na direção e nas estratégias dadas por Ele, sem dúvida Ele nos fará prosperar, como promete em Deuteronômio 29:9: Guardai, pois, as palavras deste concerto e cumpri-as para que prospereis em tudo quanto fizerdes. Não nos esqueçamos de nos consagrar ao Senhor, sabendo que Ele tem interesse em ver nossa vida espiritual, emocional e material restaurada. Não podemos nos esquecer de fazer como Neemias, quando nossos projetos forem concluídos. Temos que tributar a Deus a honra e a glória e ser canal de bênção para outros, repartindo aquilo que recebemos do Senhor. Como nos afirmou o apóstolo Paulo em 1 Coríntios 3:9


Porque nós somos cooperadores de Deus; vós sois lavoura de Deus e edifício de Deus. 

terça-feira, 28 de junho de 2016

E sucedeu que, ouvindo-o todos os nossos inimigos, todos os povos que havia em redor de nós temeram, e abateram-se muito a seus próprios olhos; porque reconheceram que o nosso Deus fizera esta obra. Neemias 6:16


Neemias era copeiro do Rei da Pérsia, um cargo de prestígio, mas, incomodado com a situação de seu povo, atende ao chamado para reconstruir o muro de Jerusalém e começa a pedir a direção de Deus e assim, sem olhar para as suas limitações ele se levantou e acreditou que com a ajuda de Deus ele poderia mudar aquela situação. Então, depois de se assentar e de lamentar, ele tomou uma posição e pediu direção de Deus. Assim, tudo que ele precisava foi concedido pelo rei. Neemias não deu ouvidos às vozes contrárias, porque confiou em Deus. Assim como Neemias, quando temos que reedificar algo em nossas vidas, seja em que área for  com certeza o inimigo se levanta contra nós e  é nessa hora que temos que agir como Neemias que, mesmo desacreditado, zombado e desprezado declarou que Deus iria lhe dar a vitória. Desse modo, foram os inimigos que passaram a reconhecer a grandeza de Deus. Por isso, não devemos ouvir as vozes daqueles que nos dizem não podemos, que não podemos conseguir. Devemos declarar o contrário, porque


 Se Deus é por nós, quem será contra nós? Romanos 8:31B  

segunda-feira, 27 de junho de 2016

Porque todos eles procuravam atemorizar-nos, dizendo: As suas mãos largarão a obra, e não se efetuará. Agora, pois, ó Deus, fortalece as minhas mãos. Neemias 6:9


Esta passagem relata as dificuldades de Neemias diante dos inimigos que se interpunham para que ele executasse uma obra que apenas Deus conseguiria fazer. Não seria simples erguer uma nação que havia sido completamente esquecida. Para reconstruir Jerusalém, Neemias teve de enfrentar as conspirações e más intenções de todos os que se sentiam intimidados com a construção daquele muro. E para tal ele teve de enfrentar um trabalho árduo e perigoso, além das mentiras inventadas e que circulavam, atentando contra a sua honra e bom nome. Certamente ele também teve de enfrentar as suas dúvidas os seus próprios sentimentos de incapacidade. Mas vemos que no momento de incerteza ele dirige uma oração a Deus “ó Deus, fortalece as minhas mãos.” Vivemos hoje tempos em que as situações são análogas à época de Neemias, precisamos reconstruir nossos muros e proteger o templo, quando o inimigo nos afronta de todas as formas e as suas estratégias não são diferentes. Todos precisamos fazer esta oração, pois somos incapazes de levar a cabo, com forças próprias o projeto que Deus tem para nós. Somos limitados para proteger por nossos créditos a Nação que Deus nos reservou. Mas sabemos que Ele quer que ousemos começar uma obra que apenas Ele pode acabar. Por isso, não cuidemos que nossas mãos são aquilo que elas são, mas estamos certos de que em Deus elas serão fortalecidas.


Portanto, tornai a levantar as mãos cansadas, e os joelhos desconjuntados, Hebreus 12:12

domingo, 26 de junho de 2016

“Então lhes declarei como a mão do meu Deus me fora favorável, como também as palavras do rei, que ele me tinha dito; então disseram: Levantemo-nos, e edifiquemos. E esforçaram as suas mãos para o bem... Neemias 2:18



 Mesmo com tantos inimigos cercando Israel e com tantas dificuldades, Neemias procurou animar o povo e se mostrou um grande líder em meio às lutas e dificuldades. E como líder íntegro, Neemias agiu com transparência e sinceridade e não tentou disfarçar a realidade. Ele reconhecia a miséria que corroía o povo, mas jamais deixou de declarar o que DEUS havia feito e ao reafirmar sua confiança em Deus diante do povo, Neemias orou, suplicando por auxílio. A mão de Deus foi favorável ao profeta, porque ele era reconhecidamente um homem de sabedoria, ação e oração. Precisamos aprender com esse homem a sabedoria espiritual e a batalhar em orações pelas causas do povo e de nossa nação. Nós vivemos em tempos de apostasia gritante, de corrupção vergonhosa dentro e fora da Igreja. Temos assistido a busca de satisfações pessoais em detrimento à honra a Deus. O risco de contaminação da Igreja pelas propostas mundanas ronda a Igreja, mas a Bíblia nos ensina a vigiar e orar certos de que a mão do Senhor está sobre aqueles que O buscam

Sabendo que recebereis do Senhor o galardão da herança, porque a Cristo, o Senhor, servis. Colossenses 3:24

sábado, 25 de junho de 2016

Agora, pois, ó nosso Deus, que diremos depois disto? Pois deixamos os teus mandamentos, Esdras 9:10


O Livro de Esdras é para o cristão, cuja vida tem sido marcada pelo pecado e rebelião, um estímulo à esperança e restauração. Se buscarmos a restauração do templo, Deus não vai nos virar as costas. O templo hoje somos nós e quando buscamos com arrependimento e espírito quebrantado certamente o Senhor será por nós.  Não importa quanto tempo ficamos afastados, Ele está pronto para nos perdoar e nos receber de volta. Assim como fez aos israelitas, Deus está disposto a nos ajudar a reconstruir nossas vidas, restaurando o nosso coração, o templo do Espírito Santo. Vemos que os propósitos de Esdras eram altos e santos. Em tudo ele foi movido por um profundo amor pela obra de Deus e pelas almas. Mas vemos que a base de seu trabalho foi a busca pela restauração e pelo reavivamento espiritual do povo, por isso não deixou de estimular o conhecimento da Lei para dar esperança e conforto ao povo com a vinda do Messias. Hoje, vemos que a iniquidade prevalece justamente por falta de conhecimento e de obediência às Escrituras, pois quando a Palavra de Deus é deixada de lado, Deus é ignorado e consequentemente o nosso templo fica alvo fácil do inimigo. Com o abandono da Bíblia, naturalmente vem o abandono da lei de Deus.  Aí surge brecha para que proliferem doutrinas e ensinamentos que afirmam que os homens estão livres da obediência a Deus, pois são senhores de seus corpos, mente e coração. Mas nós sabemos qual é o caminho para o cativeiro e o da verdadeira restauração.


“Porventura, procuro eu, agora, o favor dos homens ou o de Deus? Ou procuro agradar a homens? Se agradasse ainda a homens, não seria servo de Cristo” (Gálatas 1:10).

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Nós, pois, jejuamos, e pedimos isto ao nosso Deus, e moveu-se pelas nossas orações. Esdras 8:23



Havia muitos inimigos e perigos no caminho de Esdras quando ele  voltava para Jerusalém a fim de reconstruir a cidade. Mas Esdras confiando somente no Senhor apregoou um jejum de humilhação diante de Deus, para pedir que o povo e seus bens tivessem um caminho seguro. Assim, como frutos do jejum e da oração seu testemunho permaneceu inabalado. Vemos aqui a demonstração clara da grande dependência que o povo de Israel, naquele momento, tinha de Deus, e como se consagravam para que Deus verdadeiramente se manifestasse. Em tempos difíceis, os quais atravessamos atualmente, precisamos aprender com Esdras uma grande lição. Quando nos colocamos na dependência integral de Deus, confiamos irrestritamente e a Ele entregamos o nosso caminho. Quando duvidamos da ação de Deus nossa tendência é buscar atalhos que nem sempre são seguros e confiamos muito mais nas forças humanas. Depender de Deus é muito mais do que simplesmente esperar. Essa confiança envolve consagração e humilhação, pois depender de Deus significa entregar o mais profundo do nosso ser para que Ele controle. Assim devemos entregar aquelas áreas as quais julgamos que somos donos, e deixarmos de agir pela nossa própria vontade. Nós também precisamos de um caminho seguro para nós, nossa família e nossos bens, apegando-nos no que nos diz o autor de Hebreu

Para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta; Hebreus 6:18. 

quinta-feira, 23 de junho de 2016

Porque tive vergonha de pedir ao rei exército e cavaleiros para nos defenderem do inimigo pelo caminho; porquanto tínhamos falado ao rei, dizendo: A mão do nosso Deus é sobre todos os que o buscam, para o bem deles; mas o seu poder e a sua ira contra todos os que o deixam. Esdras 8:22


A Bíblia narra que Esdras apregoou um jejum para pedir a Deus um  caminho seguro para o povo,  e para todos os seus bens. Esdras receio de que tudo o que ele tinha falado ao rei fosse tido como mentira. Teve medo  de que o rei lhe perguntasse “Onde está seu Deus agora?” Esse Deus não  é poderoso?” Com receio de manchar seu testemunho, ele busca o favor de Deus para que pudesse confirmar tudo o que ele tinha pregado ao rei. Quantas vezes isso ocorre conosco? Temos medo de falar de um Deus poderoso e não testemunharmos em nossa vida o que pregamos. Assim, precisamos buscar em Deus, proteção para nosso testemunho. Aquele que  prega uma coisa e vive outra dá testemunho contrário, por isso temos antes que acreditar em tudo aquilo que declaramos a respeito de Deus.  Esdras jejuou e orou por essa causa e obteve o favor de Deus. Assim como ele devemos usar essa estratégia e pedir a Deus um caminho seguro para tudo o que intencionamos fazer. Mas lembremo-nos sempre do que nos ensina o apóstolo Paulo


 “Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus pela oração e súplica, com ação de graças.” Filipenses 4:6

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Bendito seja o Senhor Deus de nossos pais, que tal inspirou ao coração do rei, para ornar a casa do Senhor, que está em Jerusalém. Esdras 7:27


Os profetas Ageu e Zacarias exortaram os judeus a continuarem a construção do templo, mesmo quando os inimigos tentavam impedir, mas a Bíblia narra que os anciãos explicaram ao rei Dario que a obra era determinação do rei Ciro. Com a concordância do rei, os judeus edificaram o templo e aperfeiçoaram a obra de acordo com O mandado de Deus. Assim, quando o templo ficou pronto eles o consagraram com alegria. Assim como Deus inspirou o povo e fez renascer nele o sonho de edificar a Casa, Ele tem sonhos e projetos para todos nós. E quando os nossos sonhos estão alinhados com os sonhos de Deus para nós, certamente eles se transformam em realidade. E quando executamos um projeto de acordo com a vontade de Deus, inevitavelmente satanás se levanta contra ele e tudo faz para desistirmos. Algumas vezes ele usa os nossos familiares, nossos colegas ou amigos na tentativa de frustrar nossos sonhos, assim como usa os problemas e situações adversas. Mas, assim como fez ao povo de Israel, Deus levanta profetas para nos ajudar, usa amigos e até mesmo estranhos ou as circunstancias.

"Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes" (I Coríntios 1:27)

terça-feira, 21 de junho de 2016

“De maneira que não discernia o povo as vozes do júbilo de alegria das vozes do choro do povo; porque o povo jubilava com tão altas vozes, que o som se ouvia de muito longe.” (Esdras 3:13).


Depois de muitos anos de cativeiro na Babilônia, em decorrência da desobediência e apostasia e depois de alguns anos de desanimo e abandono da reconstrução,  o povo encontra motivo de alegria. Era preciso resgatar a Glória do Templo planejado por Davi e construído por seu filho Salomão, e que foi destruído pelo rei Nabucodonosor, quando levou o povo judeu cativo para a Babilônia. O templo simboliza a presença do Senhor, e o povo de Deus havia se deixado levar cativo pelos outros povos, porque fez alianças espúrias, desviou-se dos princípios ensinados por Moisés. Quando o próprio Templo passou a ser o centro das atenções, e não o Deus motivo de sua construção, não restou pedra sobre pedra dele e nem da cidade de Jerusalém. E mais uma vez os judeus foram subjugados por outra nação. Hoje nós somos o Templo de Deus. E não podemos baixar a guarda e deixar que o inimigo destrua o nosso santuário. O Santuário é nosso espírito. A corrupção e a idolatria dos israelitas fizeram com que  Deus permitisse que o povo fosse derrotado pelos babilônios, sob o comando do rei Nabucodonosor, em 586 a.C. Precisamos aprender com Israel e não cometer os mesmos erros. A Bíblia nos mostra que quando o povo de Deus é derrotado, a causa principal nunca é o poder do inimigo, mas a sua própria fraqueza produzida pela desobediência e pelo pecado. A alegria do Senhor é a nossa força. Para nos mantermos firmes, não precisamos jamais procurar a alegria do mundo que nos corrompe, mas fazer como nos ensina o apóstolo em Efésios 3:16-20

 Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera (Efésios 3:20).

segunda-feira, 20 de junho de 2016

E cantavam juntos por grupo, louvando e rendendo graças ao Senhor, dizendo: porque é bom; porque a sua benignidade dura para sempre sobre Israel. E todo o povo jubilou com altas vozes, quando louvaram ao Senhor, pela fundação da casa do Senhor. Esdras 3:11


  Vemos em Esdras 1:5 que o povo se mobilizou e movidos pelo Espírito de Deus edificou a casa do Senhor em Jerusalém. O sentimento de alegria foi tão grande com aquela obra que, decisivamente, mudaria a história de Israel. Essa obra foi interrompida, mas o desejo de que o Tabernáculo estivesse de pé era meta de um povo que encontrava em Deus a sua força. E era desejo do Senhor que Seu povo construísse um lugar de júbilo e adoração. Deus sempre quis se relacionar com Seus filhos e ainda é Sua vontade estreitar a Sua relação com o Seu povo. Ciro, rei da Pérsia manifestou o desejo de edificar uma casa ao Senhor, para que se cumprisse a palavra de Deus pela boca de Jeremias por isso esse rei  declarou: “O SENHOR Deus dos céus me deu todos os reinos da terra, e me encarregou de lhe edificar uma casa em Jerusalém, que está em Judá”. (Esdras 1:2). Se antes, muitas eram as dificuldades enfrentada pelo povo para cumprir esse desejo de Deus, hoje temos o privilégio da liberdade de Culto ao Senhor e por isso não podemos negligenciar nossos momentos de culto e de adoração ao Senhor. Na Igreja, congregando com os irmãos, podemos jubilar e manifestar nossa alegria. O povo de Deus, apesar das lutas é um povo alegra porque priva da intimidade com o Criador, por isso deve considerar um privilegio poder estar continuamente em um ambiente de profunda presença e manifestação da glória Divina em busca da constante edificação.


“Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação.”(1 Coríntios 14:26).

domingo, 19 de junho de 2016

Porém enviou profetas entre eles, para os reconduzir ao Senhor, os quais protestaram contra eles; mas eles não deram ouvidos. 2 Crônicas 24:19


Essa passagem nos remete ao episódio de os príncipes de Judá terem  deixado a casa do Senhor para servirem aos ídolos. Então, Deus enviou profetas para traze-los de volta, mas eles estavam tão cegos e endurecidos que não deram ouvidos. A intenção dos profetas era fazer tornar ao Senhor esses príncipes, mas eles resistiram aos mandamentos de Deus que os profetas anunciavam. Todavia, foi da vontade de Deus que essa resistência acontecesse. Deus mandou que esses profetas fossem converter o povo, assim como nos manda levar a Palavra aos que estão fora do Caminho. Todavia, sabemos que nem todos que a ouvem dão ouvidos. Assim como um dia foi necessário que homens usados por Deus protestassem para fazer com que as igrejas voltassem às doutrinas e ensinamentos bíblicos corretos. Ainda hoje é necessário que a Igreja avalie sua conduta e reflita sobre seus ensinos para que retorne às primeiras obras. Assim como no passado, a Igreja do Senhor precisa ser exortada a deixar o sincretismo, para não se contaminar com doutrinas estranhas. Precisa deixar de confiar em amuletos, em superstições e falsas profecias. E para isso precisa se dedicar mais ao estudo da Palavra e receba alimento sólido, para que atinja a maturidade espiritual, como nos estimula  o apóstolo Pedro


Desejando afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo’’ (1Pedro 2:2).


sábado, 18 de junho de 2016

“Se algum mal nos sobrevier, espada, juízo, peste, ou fome, nós nos apresentaremos diante desta casa e diante de ti, pois teu nome está nesta casa, e clamaremos a ti na nossa angústia, e tu nos ouvirás e livrarás.”(2 Crônicas 20:9).


Esse texto nos mostra a oração que fez Josafá na congregação de Judá e de Jerusalém na Casa do Senhor. Josafá com todo o seu coração e toda sua alma engrandeceu ao Senhor e nos serve como exemplo, pois vemos nela todos os aspectos de uma oração eficiente. Ela contém adoração, invocação da Palavra sobre o assunto em pauta, o pedido e a assinatura. Mas não podemos nos esquecer de que deve vir sempre em Nome de Jesus, pois só Jesus é o legitimo Intercessor entre Deus e os homens. Assim como Josafá, devemos expor a Deus nossas dificuldades e fazer o nosso o pedido, certos de que Deus é quem peleja por nós. Josafá creu na Palavra do Senhor e sabia que um grande milagre estava para acontecer, mas atentemos para a estratégia adotada por ele: o louvor. A Bíblia conta que algo extraordinário aconteceu quando os cantores começaram a louvar.  Deus pôs emboscadas aos exércitos inimigos e eles se mataram, sem o exército de Judá precisasse mover a espada. Ninguém escapou e o povo só teve o trabalho de recolher a riqueza entre os despojos. Aprendemos que por maiores que sejam nossos problemas, nenhum é insolúvel para Deus. Quando agimos como Josafá, e nos colocamos com humildade, podemos estar certos de que o Senhor conduz nossos passos e por mais duras que sejam nossas batalhas, o Senhor dos Exércitos está à frente e nenhum mal nos sucederá. O inimigo se exterminou quando o povo deu o primeiro passo e é isso que precisamos fazer para obtermos a vitória naquilo que pedimos a Deus, atentando-nos para o que nos ensina o apóstolo Paulo.


Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade; Colossenses 3:12

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Agora, pois, seja o temor do SENHOR convosco; guardai-o, e fazei-o; porque não há no SENHOR nosso Deus iniquidade nem acepção de pessoas, nem aceitação de suborno.2 Crônicas 19:7


O livro de Crônicas mostra que o Rei Jeosafá advertiu aos juízes para que eles fossem diligentes no julgamento de questões que envolvessem o povo, para que não utilizassem suas posições para oprimir ou para se beneficiarem. Lembremo-nos de que Deus não faz acepção de pessoas e não aceita suborno. Esse texto também é dirigido a nós, pois também agimos como juízes nas nossas relações cotidianas e por isso precisamos refletir sobre nossas atitudes. Não podemos continuar subornando nossos filhos com presentes e mimos, assim como filhos não podem subornar os pais com chantagens emocionais para obterem privilégios. Às vezes elogiamos as pessoas com o objetivo manter a pessoa do nosso lado, fazer com que ela passe a ser tolerante com nossos erros. Precisamos ter cuidado com o suborno travestido de santo e não envolvermos o Espírito Santo em nossas causas com intenção de manipularmos as pessoas. Que as atitudes de Josafá como rei e como pessoa possam nos inspirar a agir segundo os princípios de Deus para que possamos ouvir do Senhor

Amaste a justiça e odiaste a iniquidade; por isso Deus, o teu Deus, te ungiu Com óleo de alegria mais do que a teus companheiros. Hebreus 1:9

quinta-feira, 16 de junho de 2016

E disse aos juízes: Vede o que fazeis; porque não julgais da parte do homem, senão da parte do Senhor, e ele está convosco quando julgardes. 2 Crônicas 19:6


Josafá foi um rei fiel a Deus e por causa da sua fidelidade, porque ele rejeitou os ídolos e buscou ao Deus verdadeiro o Senhor confirmou seu reinado e lhe engrandeceu entre os outros reinos. Naquela época Israel dividia-se em dois reinos, em consequência do pecado da nação. Mas essa divisão não agradava ao coração de Deus. A Bíblia narra que Josafá era um excelente administrador e fez vários avanços, tanto do ponto de vista espiritual, quanto nas questões governamentais. Para estabelecer as bases de seu governo e restabelecer a relação da nação com Deus, ele retirou os altares dedicados a deuses estranhos, e mandou sacerdotes e levitas às as cidades de Judá para ensinar ao povo sobre o Livro da Lei do Senhor, pois os hebreus estavam longe do seu Deus e pouco sabiam sobre a lei mosaica.  Josafá também edificou cidades-fortalezas e cidades-armazéns e além de fazer várias obras estruturantes, criou o sistema jurídico de Judá e colocou juízes em todas as cidades fortificadas para julgar as causas do povo. O mais importante disso foi a sua exortação a pessoal cada juiz a julgar da parte do Senhor e não dos homens, sem aceitar suborno. Infelizmente, vivemos tempos em que os juízes julgam usando pesos e medidas diferentes e em causa própria se colocam acima da lei. Há os que apontam o dedo para o erro alheio e que fazem o que reprovam nos outros. Mas Jesus nos ensina a exercer a justiça e a não nos deixarmos corromper pelos interesses do mundo.
"Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós. E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho ? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão" (Mateus 7:2-5).

quarta-feira, 15 de junho de 2016

Antes buscou ao Deus de seu pai, andou nos seus mandamentos, e não segundo as obras de Israel. 2 Crônicas 17:4


O livro de Crônicas conta que o Senhor era com Josafá, porque esse rei andou nos primeiros caminhos de Davi e não buscou outros deuses. Ele escolheu buscar ao Deus de seu pai, andou nos seus mandamentos, e não segundo as obras de Israel. Por isso, Senhor confirmou o reino na sua mão, e assim teve riquezas e glória em abundância. Uma de suas ações foi retirar os altos e os bosques de Judá, porque seu coração se exaltou nos caminhos do Senhor. Josafá creu nas promessas do Senhor, exortou o Seu louvor durante as batalhas , o que fez com que as outras nações temessem a Deus. Josafá nos ensina o caminho da vitória para nossa vida pessoal e espiritual: primeiro ele buscou ao Senhor, depois jejuou orou e por fim adorou e louvou a Deus. Em tempos de luta, quando precisamos vencer diversas batalhas como doenças físicas e espirituais, ansiedade, preocupações, tribulações, temos medo  como  Josafá. Por isso,  devemos seguir o exemplo deste rei. Se precisamos de orientação, a Bíblia é um perfeito manual e quando a lemos com temor e com o coração aberto o Espírito Santo nos ensina como devemos proceder no dia da dificuldade.
Por isso, devemos ouvir o que exorta Jesus em Mateus 13:9

Quem tem ouvidos para ouvir, ouça.

terça-feira, 14 de junho de 2016

Mas esforçai-vos, e não desfaleçam as vossas mãos; porque a vossa obra tem uma recompensa. 2 Crônicas 15:7


Deus sempre soube das falhas, dos desejos e das razões humanas, mas sempre agiu com infinita bondade e misericórdia, quando o homem, agindo com precipitação e insensatez, teve seus projetos frustrados. Deus jamais se esquece de seus escolhidos, ainda que nós sejamos rápidos em nos esquecer de Suas misericórdias. A Bíblia nos exorta a buscar a Deus enquanto podemos achá-Lo, pois Suas mãos estão sempre estendidas para abençoar e Ele não deixará aquele que Nele espera e confia. O livro de Crônicas relata que, por deixar os estatutos e mandamentos do Senhor, Israel esteve por muito tempo sem o verdadeiro Deus, sem sacerdote que ensinasse o povo e sem lei. Contudo, quando na sua angústia se voltaram para o Senhor e o buscaram, Deus se manifestou. Observemos que no versículo em epígrafe há três pontos relevantes que devem ser considerados para alcançarmos as bênçãos de Deus: primeiro, precisamos nos esforçar. Isso significa que devemos estar prontos para o trabalho de Sua e para servi-Lo de todo o coração. Outra ação importante é não  desfalecermos as nossas mãos. Todo aquele que trabalha precisa ter mãos firmes. E o terceiro ponto é a recompensa que vem da perseverança e firmeza nas atitudes em relação ao Reino de Deus, por isso o apóstolo diz em Apocalipse 2:10:

Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida.

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Vendo, pois, o Senhor que se humilhavam, veio a palavra do Senhor a Semaías, dizendo: Humilharam-se, não os destruirei; antes em breve lhes darei algum socorro, para que o meu furor não se derrame sobre Jerusalém, por mão de Sisaque. 2 Crônicas 12:7


O Senhor fez uma promessa ao povo de Israel, no tempo do rei Salomão e essa promessa se aplica à Igreja atual. Quando o povo estiver em dificuldades, enfrentando períodos de lutas, basta dirigir um clamor ao Senhor que a resposta virá. Todavia, Deus colocou algumas condições para que a sua bênção seja derramada. Uma delas é a necessidade de se humilhar e buscar a Deus, pois o homem precisa reconhecer que é limitado e que Deus é infinitamente grande. Quando o homem tem uma noção de sua pequenez, ele se aproxima do Criador com humildade. Humilhar-se é submeter-se, sujeitar-se a alguém. E quando o homem se reconhece como pecador, está apto a buscar a presença de Deus e diante Dele colocar as suas ansiedades. Nada é mais valioso do que a presença de Deus nas nossas vidas e buscar a comunhão com Ele deve ser o nosso alvo constante. Quando nos humilhamos diante de Deus, Ele nos exalta, conforme nos garante Tiago 4:10

Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará.

domingo, 12 de junho de 2016

Agora, pois, ó meu Deus, estejam os teus olhos abertos, e os teus ouvidos atentos à oração deste lugar. 2 Crônicas 6:40


A Bíblia nos mostra em vários momentos que a oração á a chave da porta que nos leva até Deus.  É pela oração que chegamos no altar de altar do Senhor, onde podemos expor nossas dores, nossos problemas, nossas dúvida e dificuldades. E também pela oração podemos pedir, agradecer e interceder. A oração é uma grande e poderosa arma e com ela o cristão se empodera e se fortalece, pois sempre será respondida e nunca será rejeitada por Deus, quando feita por um justo, com sinceridade e humildade e em nome de Jesus.   Os ouvidos de Deus sempre estão abertos a ela. Por isso Paulo nos diz para orarmos com perseverança, em todo momento, sabendo que ela pode nos curar e nos livrar da tentação. Portanto, devemos tomar posse dessa chave que abre todas as portas, quando tocamos o coração de Deus, lembrando-nos de que é necessário que os verdadeiros adoradores O adorem em espírito e em verdade. Certos do que nos diz Jesus em João 14:13 


E tudo quanto pedirdes em meu nome, isso farei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho.

sábado, 11 de junho de 2016

Atende, pois, à oração do teu servo, e à sua súplica, ó Senhor meu Deus; para ouvires o clamor, e a oração, que o teu servo faz perante ti. 2 Crônicas 6:19


A Bíblia diz que Deus sempre olhará e provará nosso coração, assim como fez com Davi e com seu filho Salomão. Deus se agrada de um coração sincero. Quando Davi foi escolhido rei, Deus enviou o profeta Samuel a ungi-lo, mas advertiu que ele não estivesse preso à aparência, pois Ele, o Senhor, via e provava o coração.  Deus atende a oração de Seus servos, mas também observa a sua conduta e sonda suas intenções. Para cada conquista, é necessário um sacrifício. Assim foi com Salomão, que entendeu como Deus age. Por isso foi um rei sábio, inteligente e próspero. Todavia, a Bíblia conta que ele não terminou o seu ministério bem, pois mudou o curso de sua vida. Infelizmente, Salomão não conseguiu vencer a tentação e se deixou corromper pelas mulheres que trouxe para seu reino. Mas nós ainda podemos escolher seguir os princípios do Senhor e fazer o que ensina o apóstolo Paulo

Alegrai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação, perseverai na oração; Romanos 12:12

sexta-feira, 10 de junho de 2016

E a casa que estou para edificar há de ser grande; porque o nosso Deus é maior do que todos os deuses. 2 Crônicas 2:5


Este foi o propósito que Salomão colocou em seu coração para edificar a Casa de Deus. Em seu tempo, ele edificou um templo físico, de forma a honrar a grandeza de um Deus soberano. Hoje, como Igreja, sabendo que somos membros do mesmo Corpo, somos responsáveis pela edificação da Casa do Senhor, como pedra importante a ser colocada na construção que Jesus está fazendo. Para isso, Deus trabalha em nós, burila nosso caráter, apara as arestas de nosso temperamento e transforma nossa compreensão acerca das coisas espirituais. Às vezes, isso dói e leva tempo. Todavia, por mais que leve tempo, devemos nos permitir ser tratados para glorificarmos o nome de Jesus e nos transformarmos em pedra firme. Isso significa que, para compormos um edifício bem estruturado devemos, como pedra, estar um ao lado do outro para nos encaixarmos e não deixarmos brechas ou fissuras. Assim, alicerçados na Pedra Angular, Jesus, seremos parte de uma construção sólida, conforme  nos diz o apóstolo Paulo em Efésios 2:20


Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina; Efésios 2:20

quinta-feira, 9 de junho de 2016

Então Deus disse a Salomão: Porquanto houve isto no teu coração, e não pediste riquezas, bens, ou honra, nem a morte dos que te odeiam, nem tampouco pediste muitos dias de vida, mas pediste para ti sabedoria e conhecimento, para poderes julgar a meu povo, sobre o qual te constituí rei, 2 Crônicas 1:11


Quando Deus perguntou a Salomão e disse-lhe para pedir o que quisesse que Ele lhe daria, Salomão respondeu que queria receber sabedoria e conhecimento, para que pudesse julgar o povo. A Bíblia diz que Deus se alegrou muito com a resposta de Salomão, pois ele poderia ter pedido honras, riquezas, e poder, mas em vez disso pediu sabedoria e conhecimento. Então, Deus deu a Salomão o que pediu e ainda o cobriu de riquezas, honra e incontáveis bens. E Salomão se tornou, além de um homem extremamente rico, o mais sábio de todos os reis na terra.   Com isso aprendemos que quando pedimos coisas que alegram o coração de Deus, e não somente aquilo que desejamos, Deus nos surpreende. Jesus reitera essa lição e nos ensina em Lucas 12:31


Buscai antes o reino de Deus, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Lucas 12:31

quarta-feira, 8 de junho de 2016

E o povo se alegrou porque contribuíram voluntariamente; porque, com coração perfeito, voluntariamente deram ao Senhor; e também o rei Davi se alegrou com grande alegria. 1 Crônicas 29:9



A Bíblia conta que o povo ofertou porque o povo amava a Deus. Por gratidão a Deus e não por obrigação. Voluntariamente sem esperar recompensa o povo contribuiu para colaborar com a obra de Deus. E com tanto desejo de cooperar as ofertas sobejaram. Mas vemos que não ofertaram só dinheiro, mas também seus talentos, e suas habilidades. Ainda hoje existem muitas maneiras para contribuirmos com a Obra e para sermos abençoados. Há várias atividades na igreja com as quais podemos colaborar. Desde receber as pessoas que estão chegando a ajudar na decoração ou na cozinha da igreja são inúmeras maneiras de contribuirmos voluntariamente para a Casa de Deus. O povo se alegrou porque contribuiu voluntariamente, com coração perfeito, deu ao Senhor.  Aprendemos com isso que um coração sincero agrada a Deus que sonda o nosso coração. Então, podemos compreender que a nossa motivação não deve ser pautada em ganhar alguma coisa de Deus, ou em cumprir uma obrigação. Mas o amor sincero nos motiva a ofertar e a contribuir para a Obra, segundo nos ensina o apostolo Paulo em I Coríntios 13:3

E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria.

terça-feira, 7 de junho de 2016

E deu Davi a Salomão, seu filho, a planta do alpendre com as suas casas, e as suas tesourarias, e os seus cenáculos, e as suas recâmaras interiores, como também da casa do propiciatório. 1 Crônicas 28:11


O livro de Crônicas narra a preparação feita por Davi dos líderes políticos e espirituais para apoiarem Salomão na grande obra de edificar a Casa do Senhor e de reinar sobre Israel. Vemos com isso que Deus não só dá uma missão, como também nos dá a condição. E assim como fez a Davi Deus nos provê de todos os recursos necessários para fazer a Sua obra. Davi apresenta o seu filho Salomão como o próximo rei e entrega a planta e os materiais para o Templo e encoraja Salomão a construí-lo.  Com ele aprendemos a importância de uma liderança positiva, pois se assim não for a família, as instituições ou qualquer organização sofrem as consequências. Sabemos, como Davi que qualquer organização e esforço é em vão se não formos consagrados ao Senhor.  Por isso Davi afirmou nos Salmos 127:1 que se o SENHOR não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam. O propósito de Davi de preparar um templo fixo para o Senhor nos ensina que nada pode ser feito ao acaso. Sabemos que Deus não se limita a um Templo, mas anseia por estar entre o Seu povo e encontrar o Seu povo, em um local consagrado. Hoje, como Igreja, somos templo do Senhor, e ao congregarmos no templo físico, a igreja, somos juntamente edificados para morada de Deus em Espírito. Efésios 2: 21-22

No qual todo o edifício, bem ajustado, cresce para templo santo no Senhor. No qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus em Espírito.

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Então prosperarás, se tiveres cuidado de cumprir os estatutos e os juízos, que o Senhor mandou a Moisés acerca de Israel; esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem tenhas pavor. 1 Crônicas 22:13


A Palavra de Deus nos ensina a crer e a trabalhar pela prosperidade. Todavia, devemos entender que prosperidade não se trata de riqueza e fartura, mas de condições dignas e de ter paz com aquilo que adquirimos. Quando cumprimos a vontade de Deus e agimos de acordo com Seus princípios, tudo o que nos advém é abençoado e traz a verdadeira prosperidade. Tudo o que conquistamos com as bênçãos de Deus pela fé traz tranquilidade. E a fé está baseada naquilo que a Bíblia declara. Quando plantamos o fruto de nosso trabalho adubado pela fé podemos esperar que ele nos traga a verdadeira prosperidade. Não no sentido que o mundo entende, mas no sentido bíblico, pois o dinheiro e a espiritualidade podem andar juntos. E se usado de maneira certa é uma grande bênção. A forma como lidamos com o dinheiro é que determina o seu valor. Se aprendermos a tratar o dinheiro como uma ferramenta, ele será uma bênção nas nossas vidas. Crendo e trabalhando de acordo com os princípios do Senhor, firmamo-nos no que nos diz Paulo
O meu Deus suprirá todas as necessidades de vocês, de acordo com as suas gloriosas riquezas em Cristo Jesus. Filipenses 4:19

domingo, 5 de junho de 2016

Então disse Davi a Gade: Estou em grande angústia; caia eu, pois, nas mãos do Senhor, porque são muitíssimas as suas misericórdias; mas que eu não caia nas mãos dos homens. 1 Crônicas 21:13


Deus usava sempre um profeta para falar com o rei, ou com o povo. No texto em epigrafe Ele usou o profeta Gade para dar o recado do Senhor a Davi. As opções não eram boas, mas Davi optou por não cair nas mãos dos homens, pois sabia que Deus é misericordioso e preferiu cair em Suas mãos. Deus mandou a peste consumir Israel e assim morreram setenta mil homens. O profeta instruiu Davi a levantar um altar ao Senhor na eira de Ornã, perto de Jerusalém e Davi obedeceu fielmente à ordem do Senhor. Essa lição devemos aprender com Davi. Deus quer o nosso coração e tudo o que apresentarmos a Ele deve ser de coração puro e fruto do nosso trabalho. Porque Davi fez o que era certo diante de Deus, Ele deu ordem ao anjo e a peste cessou sobre as terras de Israel. Deus não aceita sacrifício de tolo, o que Ele quer é o nosso coração e nossa obediência. Quando entregamos dinheiro para a obra, não é o valor material que Deus leva em conta, mas o fruto de nosso trabalho traduzido no tempo que dedicamos para transforma-lo em oferta de amor a Deus. Por isso o apostolo nos ensina em Efésios 6:6

Não servindo à vista, como para agradar aos homens, mas como servos de Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus;

sábado, 4 de junho de 2016

Então disse Davi a Deus: Gravemente pequei em fazer este negócio; porém agora sê servido tirar a iniquidade de teu servo, porque procedi mui loucamente. 1 Crônicas 21:8


Davi aprendeu de forma dolorosa que tudo na vida pessoal ou espiritual tem seu preço e nem sempre é um preço justo ou de fácil pagamento. Sabemos que somente a salvação não custa nada ao homem, porque Jesus pagou um alto preço para nos resgatar da morte para a vida. Mas Deus espera que saibamos aplicar a Palavra na nossa vida pessoal e espiritual. A Bíblia é uma biblioteca cujos livros são inspirados por Deus e se neles nos pautarmos, segundo a orientação do Espírito Santo, não passaremos pelo que passou Davi. Mas quando percebemos que erramos diante de Deus em algo que tenha fugido ao nosso entendimento, assim como fez Davi, devemos reconhecer nossa falha e nos reconciliar com Deus, que irá nos perdoar, conforme está escrito em I João 1:9, 2:1-2:


 “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça… Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. E ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos de todo o mundo.”

sexta-feira, 3 de junho de 2016

Agora, pois, Senhor, a palavra que falaste de teu servo, e acerca da sua casa, confirma-a para sempre; e faze como falaste. 1 Crônicas 17:23


Muitas vezes pedimos coisas a Deus que não estão absolutamente dentro de Seu propósito para nossas vidas. Por isso precisamos perseverar em oração por algum tempo, para termos certeza de que o que pedimos está ou não dentro dos propósitos de Deus. Por vezes, achamos que o que estamos pedindo está de acordo com a vontade de Deus e reivindicamos como se fosse obrigação de Deus nos atender. Mas precisamos saber que quando temos uma promessa de Deus e nos apropriamos dela não pode haver angústia, luta ou combate. Devemos tão somente apresentar a nossa petição e requerermos o seu cumprimento. Não pode haver dúvida quanto ao resultado. Nossa oração precisa ser clara e objetiva, pois é bem melhor clamar especificamente por uma bênção do que orar vagamente por muitas. Assim, devemos esperar pelo cumprimento, no tempo de Deus,


E estando certíssimo de que o que ele tinha prometido também era poderoso para o fazer. Romanos 4:21

quinta-feira, 2 de junho de 2016

Então Natã disse a Davi: Tudo quanto tens no teu coração faze, porque Deus é contigo. 1 Crônicas 17:2


As palavras ditas pelo profeta a Davi são também palavras de alento que ressoam aos nossos ouvidos. Quando fazemos a vontade de Deus, quando nos tornamos seus amigos e compreendemos os Seus princípios como verdade segura e como regras de fé e de conduta podemos também ouvir essa exortação, sabendo que o Senhor será conosco. Deus é com aqueles que O honram e O temem. Com aqueles que agem como Davi. Deus era com Davi porque ele era íntegro, com Deus, consigo mesmo e com os outros. Apesar de falho era corajoso o suficiente para admiti-las e para lutar contra elas. Davi evitava viver em falsidade e não tolerava o mal.  Davi procurava se manter longe do pecado, e lutava contra as próprias fraquezas, mantendo-se distante da má influência dos que praticam coisas abomináveis a Deus. Davi não se rendeu à mentira e não tolerava o arrogante e orgulhoso, convicto do que a Bíblia diz em Tiago 4:6  

Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes.

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Louvai ao Senhor, porque é bom; pois a sua benignidade dura perpetuamente. 1 Crônicas 16:34



Apesar das más notícias que circulam na mídia, aqueles que têm Deus em suas vidas e Cristo como Salvador de suas almas podem estar tranquilos porque nem tudo já está perdido! Ainda há motivos para proclamarmos Deus, o Seu amor e a Sua bondade por nós. Enquanto o mundo lastima, os cristãos agradecem e louvam a Deus pela Sua misericórdia. Quando vemos tanta mentira, corrupção, falsidade, idolatria, devassidão, tanto crime, roubo, adultério, a tendência é fazermos coro aos insatisfeitos e,  perplexos, envergonhados deixamos de louvar.  Sabemos que o mundo está corrompido, mas, mesmo assim, encontramos motivos para louvar, adorar e viver na alegria do Senhor, porque para cada corrupto e mentiroso há centenas de cristãos que anseiam por louvar e honrar ao Seu Criador. Para cada ladrão há milhares de homens e mulheres honestos, que têm a sua esperança Naquele que pode todas coisas. Porque sabemos em quem confiamos, podemos seguir em frente sem medo e sem sobressaltos,


Com o fim de sermos para louvor da sua glória, nós os que primeiro esperamos em Cristo; Efésios 1:12