Traduza este blog

domingo, 31 de maio de 2015

Ainda que caia, não ficará prostrado, pois o Senhor o sustém com a sua mão. Salmos 37:24


O salmista reconhece que a promessa de Deus não falha e que aqueles que creem podem até ser atirados ao chão por algum motivo alheio às suas vontades. Pode ser a perda de uma pessoa querida, por morte ou abandono, pode ser a perda do emprego, ou de uma esperada promoção ou reconhecimento. Podemos ser desestimulados por causa de um pecado. Mas uma coisa é cair e outra, completamente diferente, é desistir e permanecer prostrado. Todos estamos sujeitos à queda, à dor, ao sofrimento e quem já passou por isso sabe que a dor devasta. Nessa  vida em que tudo é passageiro o certo é que quem está no alto pode cair e quem está por baixo pode subir. Todavia, precisamos entender que Deus está no controle e se a Ele entregarmos nossas aflições teremos serenidade e força suficientes para superar esses momentos sem ficarmos prostrados. No entanto, mais do que esperar em Deus que Ele satisfaça as nossas necessidades físicas nesse mundo, precisamos crer e esperar que Ele nos sustente na fé, certos de que somos eleitos para uma vida incorruptível ao Seu lado, pois é o Senhor quem nos diz:
E dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão. João 10:28

sábado, 30 de maio de 2015

“E não vos conformeis com este século, mas transformai- vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”. (Romanos 12:2)


O apóstolo Paulo nos fala de um processo contínuo e diário para experimentar a vontade de Deus que é boa, agradável e perfeita. É pela renovação da mente que nos torna aptos a conhecer a vontade de Deus. Esse processo é individual e parte inicialmente de um desejo próprio, da vontade do cristão. Assim, é necessário que o cristão leia, estude, medite e pratique a palavra de Deus. O processo da renovação da mente não acontece por oração, ou pelo louvor, mas por intermédio da Palavra de Deus! Ler a Bíblia, pedindo ao Espírito Santo que nos oriente e abra a nossa mente é essencial para obtermos a transformação. Quem confia nos estudos, na sorte, ou nas promessas dos governantes sem que agregue a orientação de Deus se frustra em seus desejos, mas quem não se conforma com o mundo e coloca Deus no centro experimenta a perfeita vontade do Pai. A sorte é passageira, mas as bênçãos  de Deus são para sempre.
Os estudos são importantes, mas o conhecimento sem Deus não garante a sabedoria. Aqueles que buscam a Deus para serem abençoados se tornam sábios, e podem afirmar como o salmista:
 Folgo com a tua palavra, como aquele que acha um grande despojo. Salmos 119:162 

sexta-feira, 29 de maio de 2015

E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado. Romanos 5:5


Quando tudo à nossa volta parece desmoronar, quando por toda parte se anunciam crises e tumultos é muito difícil manter a serenidade. Aí nos perguntamos onde buscar apoio para nos mantermos firmes sem nos deixarmos contaminar com a desilusão e com as fraquezas do mundo? A Bíblia nos ensina que devemos nos estribar naquilo que Deus é. Pelo Espírito de Deus somos guiados a buscar o caminho seguro e assim fortalecemos a esperança de superar as crises. É substituir com a ajuda do Espírito Santo as duas últimas letras da palavra crises. Para as crises, aquele que mantém acesa a sua esperança a solução é Cristo. A nossa esperança não pode estar no governo, na mídia, nem no mundo, pois as circunstâncias são ruins – mas permanecemos confiando num Deus que não pode mentir. Mesmo debaixo do governo humano, precisamos saber que estamos debaixo de poder transitório, mas que  Deus permanece assentado no trono para sempre. Precisamos entregar a Deus nossas ansiedades e esperar Nele porque confiar em Deus é solo firme
E porei dentro de vós o meu Espírito, e farei que andeis nos meus estatutos, e guardeis os meus juízos, e os observeis. Ezequiel 36:27

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Dizem-lhe eles: Dará afrontosa morte aos maus, e arrendará a vinha a outros lavradores, que a seu tempo lhe deem os frutos. Mateus 21:41


Dentre as parábolas que Jesus contou, em Jerusalém, a parábola nos faz refletir sobre a nossa responsabilidade como trabalhadores do Reino é a parábola dos lavradores maus. O dono da vinha é o próprio Deus, e a vinha simboliza o seu povo. Os lavradores com quem o dono da vinha deixa sua propriedade são os encarregados de cuidar e conduzir o povo de Deus. Se naquela época eram os judeus, hoje são todos os que se confessam cristãos porque chamam a si a responsabilidade outorgada por Jesus antes de subir aos Céus e registrada por Marcos 16:15. Daquele que se comporta como maus lavradores  será tirado não só o que lhe foi dado, mas também a condição futura de chegar ao Céu. E isso é uma escolha pessoal. Assim como os judeus da época decidiram ignorar e matar os profetas e o Filho de Deus, ainda hoje muitos ignoram os profetas e a Jesus. Essa parábola é um alerta para qual será o destino dos que assim o fazem e ignoram o recado dado por Jesus em Mateus 21:41:
Portanto, Eu vos digo que o Reino de Deus vos será tirado e será dado a uma nação que dê os seus frutos”

quarta-feira, 27 de maio de 2015

Tocai a trombeta em Sião, e clamai em alta voz no meu santo monte; tremam todos os moradores da terra, porque o dia do SENHOR vem, já está perto; Joel 2:1


O profeta Joel convoca-nos a anunciar a vinda do Senhor. E essa palavra não é para o povo de Israel do passado. É uma palavra para nós hoje. O dia do Senhor está mais próximo do que imaginamos. Os sinais do fim já nos aparecem claramente e é visível que o amor de muitos tem se esfriado. A ganância, a corrupção, a violência exacerbada são sinais expressivos de que esse esfriamento já é fato e prenuncia o final dos tempos e com ele a desejada volta de Jesus para quem não se afastou da Palavra e é conclamado a tocar a trombeta. Todavia, Jesus nos alerta em Marcos 13:5
"Cuidado, que ninguém os engane.

terça-feira, 26 de maio de 2015

“Como a corça anseia por águas correntes, a minha alma anseia por Ti, ó Deus” (Salmo 42:1).



Assim como expressa o salmista, nós também sentimos necessidade de Deus e é por isso que buscamos a inalcançável felicidade como se ela pudesse ser encontrada nas coisas, nas pessoas com quem convivemos, em projetos diversos. Mas essa incompletude que nos faz buscar sempre algo além do que alcançamos é o anseio que nossa alma sente pela presença de Deus.  Ele não pode ser apenas um detalhe em nossa vida, ou uma expressão inconsciente ou mecânica no dia a dia. A corça anseia pela água porque depende dela para sobreviver e dela tem seu refrigério. Quando falta água, falta vida, porque a água é parte de nossa constituição física, mas quando falta Deus a vida se extingue porque somos mais do que um corpo, somos também espírito e na nossa conformação espiritual fomos feitos à semelhança do Criador. Essa é a razão da “sede” de Deus, mesmo para aqueles que não têm essa consciência.
Quando nos sentirmos tristes, incompletos, façamos como ensina o salmista em Salmos 42:11
Espera em Deus, pois ainda o louvarei, o qual é a salvação da minha face, e o meu Deus.

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal. Mateus 6:34


A nossa vida não deve ser caracterizada por inquietações que geram ansiedade, e sim pela fé que produz felicidade. O Senhor nos ensina a não nos inquietarmos acumulando preocupações com o que nos sucederá no futuro. Isso não significa que não devemos nos ocupar hoje em construir os alicerces de nossa vida. Obviamente o homem precisa dos materiais para as necessidades do dia e por isso precisa trabalhar para prover o seu sustento e de sua família. Mas o Senhor abençoa a vida de quem trabalha e nele confia, por isso é suficiente que o homem trabalhe em cada dia, que faca as tarefas que lhe são atribuídas e cuide  dos  problemas que lhe dizem respeito, tomando as decisões que forem sendo necessárias. O que não pode ocorrer é a preocupação excessiva e que pressupõe falta de fé. A Bíblia nos ensina a trabalhar e a sermos prudentes como as serpentes e simples como as pombas! A ansiedade vai contra isso, porque demonstra que o homem não se coloca nas mãos do Senhor. Trabalhar e confiar em Deus. Essa é a chave para a vitória. Quando fazemos a nossa parte e descansamos nos Senhor, Ele suprirá as nossas necessidades. Nosso Pai sabe do que necessitamos antes mesmo de Lhe pedirmos. Assim, devemos entregar nossa preocupação ao Senhor certos que
“Aos seus amados Ele o dá enquanto dormem.” Salmos 127: 2

domingo, 24 de maio de 2015

Então Moisés disse a Deus: Quem sou eu, que vá a Faraó e tire do Egito os filhos de Israel? Êxodo 3:11


A vida de Moisés pode ser dividida em  três momentos distintos: no primeiro ele viveu como príncipe no palácio de Faraó tendo toda a sua provisão feita por aquele que planejou tirar a sua vida. Isso nos mostra que os planos de Deus não se frustram e aqueles que vêm  sobre os  escolhidos do Senhor também podem ser usados para o Seu plano seja concretizado. Esse foi o momento  da inconsciência de Moisés de seu papel na vida de seu povo e para a obra de Deus. Mas nesse momento Deus preparava aquele que viria a ser o guia do povo hebreu rumo à Terra Prometida. O segundo momento foi o da saída do Egito, quando Moisés tomou consciência de seu papel e da necessidade de se aproximar do Deus de seus pais biológicos e de deixar para trás os deuses de seus país adotivos. O terceiro momento e mais importante na vida de Moisés foi aquele em que recebeu de Deus a promessa. Esses momentos da vida do homem usado por Deus para libertar o seu povo da escravidão são também analogamente percebidos em nossa vida. Muitos são os que passam o momento de inconsciência de seu papel na obra do Senhor e ignoram o livramento de Deus para que venham a dar frutos no futuro. Assim como fez a Moisés, um dia Deus nos livrou da morte e  nos deu condição de sobreviver nesse mundo governado pelo inimigo. É interessante observar que Deus colocou na casa de faraó a própria mãe biológica de Moisés para amamenta-lo e para estar próxima a ele a fim de que sua origem e os princípios de seu povo não fossem esquecidos. Moisés foi educado com a provisão do inimigo de seu povo e aprendeu os seus princípios. E isso também tem acontecido aos filhos de Deus nos dias atuais, mas precisamos nos apegar à Palavra sabendo que  tudo o que nos é ensinado e que contraria as Escrituras deve ser rejeitado. Aquele que tem consciência da ação de Deus em sua vida e que rejeita os ensinamentos do mundo, mesmo vivendo nesse mundo e dele retirando o seu sustento faz como Moisés. Mesmo príncipe no palácio de Faraó não traiu os princípios de seus pais e não se deixou contaminar pela idolatria egípcia. Quando nos colocamos diante da vontade de Deus, Ele nos dá livramento,  garante as condições para o nosso sustento e educação sem que nos contaminemos com as coisas do mundo, prepara o nosso espírito para voltarmos a Ele,  abre o mar diante de nossos inimigos e, mais do isso, abre-nos as portas da Terra Prometida. Assim como Moisés podemos afirmar
O Senhor é a minha força, e o meu cântico; ele me foi por salvação; este é o meu Deus, portanto lhe farei uma habitação; ele é o Deus de meu pai, por isso o exaltarei. Êxodo 15:2.

sábado, 23 de maio de 2015

Por isso também damos, sem cessar, graças a Deus, pois, havendo recebido de nós a palavra da pregação de Deus, a recebestes, não como palavra de homens, mas (segundo é, na verdade), como palavra de Deus, a qual também opera em vós, os que crestes. 1 Tessalonicenses 2:13


O apóstolo Paulo nos lembra de que Deus opera Sua vontade em nós por meio de sua palavra para nos dirigir no caminho. Ela é a principal fonte da revelação da vontade de Deus e o elemento básico na execução de seus planos. Certamente a Bíblia não nos diz com quem nos casar, nem que profissão escolher, mas no dá as diretrizes que influem diretamente nessas questões, pois quanto mais conhecemos a Palavra mais conhecemos a mente de Deus e a sua vontade e assim nos orientamos no centro da vontade de Deus de modo que nossas atitudes, opiniões, ideais e valores se tornam semelhantes aos de Deus. A Palavra ensina o que é certo e nos dá o entendimento daquilo que Deus espera de nós. Ela nos repreende e nos aponta os nossos erros, para nos corrigir e nos trazer para o caminho de volta. Assim ela nos educa  e nos aperfeiçoa na prática da justiça. Por isso o salmista declara
Folgo com a tua palavra, como aquele que acha um grande despojo. Salmos 119:162

sexta-feira, 22 de maio de 2015

“No dia da minha angústia clamarei a ti, pois tu me responderás” (Salmos 86:7)


Quando estamos angustiados experimentamos uma dor profunda que sangra a alma, com uma ferida latejante. Sentimos um vazio no estômago, uma fome que não pode ser satisfeita. Um vazio que não é preenchido por nada. A angústia é reflexo de uma incompletude, de uma (in)consciência de que nada somos ou podemos sem Deus.  É no momento da angustia que  nos damos conta de nossa finitude. Quando nosso espírito dói o corpo acompanha e somatiza.  A dor aponta a nossa humanidade e nos faz querer uma aproximação com o Criador, principalmente, quando estamos nos distanciando. Mas essa consciência deve nos levar a fazer como o salmista e clamar ao Senhor. A angustia nos tira a paz, mas nos permite avaliar o caminho que estamos seguindo, por isso Tiago 5:13 nos ensina
"Está alguém entre vós sofrendo, faça oração" 

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Meus filhinhos, estas coisas vos escrevo, para que não pequeis; e, se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo. 1 João 2:1


Não é demais nos lembrarmos de que Deus nos criou para a santidade, porém, nossa natureza tende ao pecado. Todavia, isso não significa que devemos pecar, ou desistir da busca pela santidade porque cedemos ao pecado. O apóstolo João nos exorta a fugir do pecado, mas nos lembra de que temos um Advogado junto ao Pai, caso pequemos. Essa é uma preciosa promessa e da qual nos podemos nos esquecer. O diabo quer que pensemos que já não há salvação para os que cederam às suas provocações e porventura caíram, mas Deus misericordioso nos deixou a promessa de salvação para aqueles que se arrependem e entregam a sua vida na mão do Seu Filho. Jesus é o nosso advogado e nos garante proteção, conforme nos lembra João com essa promessa maravilhosa:

"Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado" (1 João 1:7).

quarta-feira, 20 de maio de 2015

Já o tens ouvido; olha bem para tudo isto; porventura não o anunciareis? Desde agora te faço ouvir coisas novas e ocultas, e que nunca conheceste. Isaías 48:6


O profeta Isaías nos faz olhar para o novo, para a novidade de vida que já nos foi anunciada por Jesus. Mas isso pressupõe mudança de atitude e é certo que não existem mudanças profundas, sem as necessárias rupturas com o passado, com tudo que nos prende ao velho homem. Para conhecermos as coisas novas que nos serão anunciadas precisamos aproveitar as coisas velhas e passadas, delas retirando a necessária lição. Quando compreendemos que o passado nos controla, que nos faz mal e não nos deixa seguir em frente, devemos pedir a Deus que nos dê sabedoria para produzirmos a mudança como uma reforma de modo a deixarmos hoje o antigo e abraçarmos o futuro, cortando o que for devido para um recomeço vislumbrando a vitória com a luz da Palavra. Lembrando sempre o que nos
"Ensinou Jesus: Ninguém tira um pedaço de uma roupa nova para a coser em roupa velha, pois romperá a nova e o remendo não condiz com a velha." Lucas 5:36 

terça-feira, 19 de maio de 2015

Haveria coisa alguma difícil ao Senhor? Ao tempo determinado tornarei a ti por este tempo da vida, e Sara terá um filho. Gênesis 18:14


Essa pergunta retórica feita em Gênesis tem a mesma reposta ainda nos dias atuais, mas ainda encontramos pessoas descrentes e mesmo pessoas de fé que, ao se depararem com problemas que julgam difíceis, parecem se esquecer das promessas feitas pelo Senhor. Quando isso acontece nossa tendência é a de quer dar uma ajudinha a Deus. Assim, procuramos ajuda de quem não tem nada a nos oferecer, usamos os nossos próprios recursos, lutamos com nossas próprias forças e, como não poderia ser diferente, nada acontece! Precisamos entender que nós só podemos fazer o possível, porque o impossível é pra Deus fazer. Precisamos entender que crer nas promessas do Senhor é viver de milagres! E isso significa saber que haverá muralhas, portas fechadas, escassez, crises,  enfermidades e perdas. Mas não podemos nos esquecer de que a presença de Jesus muda o ambiente, pois quando Ele chega fortalece o cansado, restaura os feridos, derruba as muralhas. Lembremo-nos do que Ele disse:
Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê. Marcos 9:23

segunda-feira, 18 de maio de 2015

“Os que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos descontrolados e nocivos, que levam os homens a mergulharem na ruína e na destruição.” I Timóteo 6.10.


O apóstolo Paulo nos alerta quanto ao perigo da insatisfação do homem e de se preocupar apenas em ter, ao invés de ser. O que presenciamos atualmente é uma desenfreada por bens, e um consumismo exagerado. Quanto mais se tem, mais se quer. Nada basta. E isso muitas vezes é uma forma de compensar um vazio, ou a falta de uma experiência com Deus. O consumismo, a busca pela riqueza, a insatisfação com o que se tem leva à frustração, à obesidade, ao stress familiar, à corrupção... Essas são armadilhas usadas por satanás para nos tirar o foco do nosso verdadeiro objetivo. A nossa vida pode ser muito mais simples sem essa preocupação pelo adquirir coisas. O problema não está na riqueza em si, mas, onde estamos colocando o nosso coração. Por isso Paulo nos diz
 “o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males. ..”. I Timóteo 6:10.

domingo, 17 de maio de 2015

“...nada trouxemos para este mundo e dele nada podemos levar; por isso, tendo o que comer e com que vestir-nos, estejamos com isso satisfeitos.”1 Timóteo 6:7-8


Desde que o homem pecou e lhe foram imputadas algumas punições como a morte e a necessidade de trabalhar para buscar seu sustento, duas coisas têm preocupado os homens: a morte e a pobreza. O homem luta para se livrar da morte e tem uma sede insaciável pela vida eterna. Morrer para o homem é algo para o qual nunca está preparado e tudo faz para que sua existência seja prolongada ao máximo. E mesmo sabendo que nada trouxe ou levará desse mundo, o homem naturalmente se apega às coisas da terra. E assim tudo faz para se livrar da pobreza. Não há mal em viver desfrutando recursos para uma vida confortável, o grande problema é quando o homem usa de meios ilícitos para enriquecer e quanto mais possui mais deseja. O pior é quando se torna altivo, arrogante e autossuficiente e coloca sua esperança no dinheiro. Mas quando temos Jesus como Senhor e Salvador de nossa vida, temos a certeza da vida eterna e no que tange à riqueza, ao apego às coisas materiais, e ao desejo de ter, e ter sempre mais, precisamos aprender a viver com o que Deus nos dá, firmando-nos no que nos diz Paulo em Filipenses 4: 13.
Tudo posso naquele que me fortalece.

sábado, 16 de maio de 2015

Porque os meus inimigos falam contra mim, e os que espiam a minha alma consultam juntos, Salmos 71:10


Desde que o homem desobedeceu e deu ouvidos ao pecado, afastando-se das orientações de Deus, o que não lhe falta são inimigos. E inimigos nem sempre se apresentam ostensivamente como tal. Muitos aparecem gratuitamente sem uma causa específica, usados pelo inimigo de nossas almas, podem ser pessoas próximas, aparentemente amigas, o que os tornam mais perigosos. Alguns estão até mesmo dentro das igrejas, ou entre os familiares. Quantos não se surpreendem tendo  próprio cônjuge ou os filhos agindo como inimigos. Precisamos nos preparar para não cairmos nas armadilhas, para não cedermos à tendência natural de nos defender atacando aos que nos agridem, antes temos que agir com amor e misericórdia com aqueles que nos traem, entendendo, como nos ensina Paulo em Efésios 6:12 que
não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. 

sexta-feira, 15 de maio de 2015

"E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos se esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim será salvo." Mateus 24:12-13


A Bíblia relata, desde os primeiros tempos, atos de crueldade praticados pelos homens, mas atualmente o que vemos extrapola o entendimento e mostra um paradoxo entre os níveis de conhecimentos e a índole das pessoas. Vivemos uma época em as atrocidades se revelam com requintes de maldade como nunca antes visto e não só em relação à violência gratuita e desumana que vemos pelas ruas. A forma egoísta e desprovida de sensibilidade com que as pessoas de bem são tratadas também por aqueles que deveriam ser seus lideres ou protetores é assustadora. Guerras, atentados, sequestros, assassinatos, filhos matando seus pais, pais matando seus filhos, lares destruídos, busca a qualquer preço por dinheiro e poder, corrupção generalizada, governantes e policiais que deixam à mingua inocentes, enquanto se beneficiam do que seria público. Vivemos uma época que representa bem o que Jesus se referiu no texto em epígrafe. Mas nós precisamos fazer a diferença e exercitar o verdadeiro amor que emana do Pai, se alimentarmos nossos corações com a Palavra de Deus. Lembremos que, apesar de todas as circunstâncias adversas temos que nos lembrar do que disse o Senhor:
Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo. Mateus 24:13

quinta-feira, 14 de maio de 2015

"Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas" - Mateus 7:12



O ser humano foi criado para se relacionar e todas as ações  humanas envolvem relacionamentos. O principal deles é o relacionamento do homem com o Criador e desse relacionamento decorrem os demais. Jesus nos ensina a fazer ao outro o que gostaríamos que fizessem a nós. Isso determina como agimos com nossos semelhantes sejam eles irmãos, colegas, amigos, ou desconhecidos. Mas, infelizmente, pela nossa natureza carnal  despejamos nossas mazelas sobre os outros e às vezes de maneira impiedosa. E diferentemente do que se espera do povo de Deus, também encontramos na Igreja pessoas que agem na contramão do que ensina o Senhor. Na igreja também convivemos com falsidade, mentira, calúnia, murmuração, egoísmo, insubmissão, agressividade e tantas outras atitudes incoerentes com a Palavra de Deus. Mas sabemos que a Igreja é o lugar privilegiado da comunhão e dos relacionamentos. É também um pronto socorro para almas doentes e que necessitam ser tratadas pelo Espírito Santo. Por isso, é  importante a compreensão de que devemos fazer cada um a nossa parte e nos deixar tratar antes de acusar ou destratar o irmão. Esse acompanhamento é importante porque todos nós estamos sujeitos ao engano e, como todo ser humano, temos pontos fracos. Precisamos nos associar a pessoas que nos exortem e que nos ajudem a enxergar a verdade sobre nós e sobre os nossos relacionamentos na vida espiritual ou secular. Precisamos, sobretudo, conviver com pessoas que saibam amar, perdoar e pedir perdão e que saibam se relacionar tendo a verdade como princípio fundamental, vivenciando o que diz o apóstolo Paulo aos Romanos 15:14:
“E certo estou, meus irmãos, sim, eu mesmo, a vosso respeito, de que estais possuídos de bondade, cheios de todo o conhecimento, aptos para vos admoestardes uns aos outros.”

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Resgata-me e livra-me por tua justiça; inclina o teu ouvido para mim e salva-me”. (Salmos 71.2)


Deus sempre tem o melhor para nós, Ele está atento a nos ouvir, mas nem sempre conseguimos ouvi-lo justamente porque não aquietamos nosso coração ou porque não entramos em sintonia com Ele. Quando entregamos nosso coração a Jesus reconhecendo-o como seu suficiente salvador, Deus começou uma boa obra em  nós e vai completá-la. Faz parte de Seu plano transformar as nossas vidas e nos libertar das amarras do inimigo. Ele quer nos libertar não apenas porque nos ama e tem compaixão de nós, mas porque deseja que possamos servi-lo
“libertos da mão de nossos inimigos, o serviríamos sem temor, em santidade e justiça perante ele, todos os dias da nossa vida. Lucas 1:75

terça-feira, 12 de maio de 2015

Se eu atender à iniquidade no meu coração, o Senhor não me ouvirá; Salmos 66:18


O Senhor está atento a tudo o que se passa conosco e nada pode ser escondido. Sejam ações ou pensamentos, nada pode ser escondido de Deus. O salmista nos lembra disso, ao se referir ao fato de que nossas petições só podem ser atendidas pelo Senhor se estivermos livres da iniquidade. A oração fervorosa e sincera expõe o que está no fundo do coração. Mas o se resistimos ao pecado, ou se dele nos arrependemos com sinceridade  e inteireza de coração, o Senhor nos ouve e dá atenção à oração que lhe dirigimos. Deus não rejeita a oração nem afasta o Seu amor daqueles que guardam os Seus mandamentos. Então se tivermos qualquer sentimento de falta de perdão, amargura, egoísmo, orgulho, ira, irritação ou ressentimento, com toda certeza as nossas orações não serão respondidas. E se quisermos que nossas orações sejam atendidas temos que nos apresentar ao Senhor com o coração aberto, fazendo sempre o que é correto. Deus deseja que ajamos corretamente com as pessoas antes de levar nossas preocupações, ou até nossos atos de serviço para Ele, por isso Jesus assim  instruiu seus seguidores:
“Portanto, se você estiver apresentando sua oferta diante do altar e ali se lembrar de que seu irmão tem algo contra você, deixe sua oferta ali, diante do altar, e vá primeiro reconciliar-se com seu irmão; depois, volte e apresente a oferta” (Mateus 5:23-24). 

segunda-feira, 11 de maio de 2015

"Sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios em vós mesmos;" Romanos 12:16


O Senhor Jesus nos ensinou a ser como as aves do céu ou como os lírios do campo, sabendo que Deus cuidará de nós assim como faz com todas as suas criaturas, por isso o apóstolo Paulo nos lembra de que não devemos ambicionar coisas altas, mas buscar humildemente aquilo que Deus tem para nós. Contudo, nesse mundo consumista e que propaga o ter a todo custo, muitos estão se deixando levar pela ambição e pela corrupção, sem refletir que desse mundo nada levaremos. Buscar as coisas do alto e aceitar o que Deus tem para nós é o segredo de viver bem, pois o Pai não deixará que os Seus filhos passem necessidades. O Senhor quer que estejamos satisfeitos com o que possuímos, com a vida que Ele nos deu, e com o lugar onde nos colocou e nos diz:
Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal. Mateus 6:34

domingo, 10 de maio de 2015

Disse então Maria: Eis aqui a serva do Senhor; cumpra-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo ausentou-se dela. Lucas 1:38


Maria é uma grande personagem bíblica, mulher exemplar e cujas características devem ser modelo para as mulheres e mães cristãs, muitas vezes é deixada de lado devido à distorção de seu papel para a humanidade. Como registra o versículo em epígrafe, Maria se colocou na posição de serva e pelo seu comportamento foi agraciada com a maior honraria que uma mulher poderia ter neste mundo: conceber o Filho de Deus, o nosso Salvador Jesus Cristo. Mas a mudança de seu papel conduzida pela Igreja Secular fez com que essa mulher exemplar deixasse de representar o modelo de mãe que Deus nos apresenta para ocupar o papel de Seu Filho. Maria não pode salvar, não pode interceder, não é nossa advogada. Ela é a agraciada, a que recebeu a honra de ser a mãe Daquele que pode fazer isso por nós. E a ela não devemos nos curvar, idolatrar ou colocar nossa fé, mas respeitar e entender o seu precioso papel na história do Plano de Salvação. A ela foi dada uma enorme responsabilidade da qual não hesito, mesmo sabendo que corria riscos de ser mal vista na sociedade da época. Foi a forte fé de Maria que fez com que ela se submetesse à vontade de seu Deus e com ela aprendemos a obedecer. Maria não teve dúvidas de que Deus estava no controle e que cuidaria dela. Foi por isso que exclamou o que registra Lucas 1:38. Em vez que venerarmos Maria, porque isso contraria o propósito de Deus, uma vez que a Bíblia ensina que só a Deus devemos fazer isso, precisamos aprender com ela a ser mãe, mulher e esposa. Devemos receber a tarefa da maternidade com a dedicação de quem prepara o filho para a Obra do Senhor, mas a Ele, só a Ele dar honra e Glórias. E a exemplo de Maria, devemos dizer:
A minha alma engrandece ao Senhor, E o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador; Porque atentou na baixeza de sua serva; Pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada, Lucas 1:46-48

sábado, 9 de maio de 2015

O temor do SENHOR é odiar o mal; a soberba e a arrogância, o mau caminho e a boca perversa, eu odeio." Provérbios 8:13


O sábio nos ensina que aqueles que amam a Deus amam o que Ele ama e odeia o que Ele abomina. Quando temos um respeito profundo e reverente para com o Senhor, fazemos da Obra Dele a nossa obra e adotamos o Seu caráter. Se sabemos que Deus odeia o mal, o pecado, a mentira, o orgulho, a arrogância, o mau comportamento e fala desprezível, essas coisas devem ser evitadas  e odiadas por nós. Deus quer que seu povo seja um povo de caráter, que espelhe a Sua santidade, que sejam pessoas humildes nas atitudes e altivas na defesa da Obra. Deus espera que os cristãos tenham um  comportamento moral exemplar, uma fala positiva e atitudes misericordiosas. Quem teme a Deus  não infringe nenhum de Seus mandamentos e desfruta de Sua proteção, como promessa.
“Aquele que teme o Senhor possui uma fortaleza segura, refúgio para os seus filhos. O temor do Senhor é fonte de vida, e afasta das armadilhas da morte. Provérbios 14:26-27

sexta-feira, 8 de maio de 2015

"Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos, os meus caminhos, diz o SENHOR, porque, assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos, mais altos do que os vossos pensamentos." Isaías 55:8-9


Não conseguiremos, por mais que tentemos, compreender os alcances dos propósitos de Deus, porque enxergamos o Senhor e Sua criação com olhos humanos. Assim, não podemos perceber a majestade de Deus, contudo, Ele continua sendo Deus e nós simples criaturas, mesmo sendo criados á Sua imagem e semelhança. Quando o homem pecou no Éden mostrou a sua fragilidade e a sua incapacidade de compreender Deus em conhecimento e sabedoria plenos. Devemos conhecer a Deus, mas nunca poderemos saber tudo sobre Ele. Assim, precisamos entender que podemos assumir o caráter de Deus, mas jamais podemos nos aproximar da Sua majestade, santidade e justiça com mérito próprio.  Mas o que nos conforta e estimula, diminuindo nossa frustração é que temos do Senhor a promessa de que um dia seremos como Ele e O veremos como Ele é
“Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido. 1 Coríntios 13:12

quinta-feira, 7 de maio de 2015

"E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito." Romanos 8:28


Quando o apóstolo Paulo usa a palavra “todas”, ele está dizendo que  até mesmo as dificuldades que enfrentamos, e nem sempre  entendemos o porquê, também cooperam juntas para o nosso bem. Por isso devemos dar graças a Deus não só nas vitórias, mas também na adversidade, pois às vezes elas são usadas para forjarem em nós um caráter firme e para nos preparar para a bênção que Deus tem nos preparado. Em meio aos problemas, precisamos nos  lembrar de que as tribulação do dia a dia são instrumentos de Deus para nos aperfeiçoar, pois o Senhor faz com que tudo o que acontece na vida daqueles que amam a Deus tem o propósito supremo e soberano de nos conduzir para algo melhor ou para um lugar melhor, assim é bom lembrarmos sempre do que nos diz Paulo em Romanos 8:37
“Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. “somos mais do que vencedores”

quarta-feira, 6 de maio de 2015

"Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como a dá o mundo. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize." João 14:27


Quando temos Deus em nosso coração e temos certeza de quem Ele é, podemos até enfrentar uma grande luta, mas sabemos que a paz verdadeira está bem perto de nós. Não estamos nos referindo à paz meramente exterior e passageira, que o mundo conhece ou a paz artificial dos antidepressivos, das férias ou da ausência de problemas.  Referimo-nos à paz que vem do Senhor Jesus, aquele que morreu na cruz para que a desfrutássemos. A paz que supera as piores circunstâncias, que não se abala apesar dos problemas. A paz verdadeira que vem da confiança no único Deus, criador e sustentador da vida, e que nos mantêm firmes e resistentes em face às maiores tormentas. É a paz que vem de graça, sem acordos políticos. Falamos da paz perfeita que vem de Deus e que nos foi prometida pelo próprio Jesus quando disse:

"Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá (João 14:27).

terça-feira, 5 de maio de 2015

"Sede unânimes entre vós; não ambicioneis coisas altas, mas acomodai-vos às humildes; não sejais sábios em vós mesmos;" Romanos 12:16

O apóstolo Paulo nos ensina que aquele que muito quer nada tem, posto que coloca seu coração naquilo que é perecível e que nada constrói. Muitos são os que não se contentam com o que Deus lhe providencia e almejam coisas altas demais, sem esperar no Senhor, e assim  correm o risco de não alcançá-las e depois sofrer com o sentimento de incapacidade e frustração. Aqueles que buscam glória e reconhecimento para si acabam atraindo bajuladores e perdendo a oportunidade de um encontro verdadeiro com Deus. A recomendação bíblica é que busquemos as coisas do alto e sejamos humildes com as coisas terrenas. Deus quer que estejamos satisfeitos com o que temos e caso Ele ache que convém nos dará as coisas grandes para que Seu nome seja glorificado. O Senhor Jesus nos ensinou em Mateus 6:33
Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.

segunda-feira, 4 de maio de 2015

"Dar-vos-ei coração novo e porei dentro de vós espírito novo; tirarei de vós o coração de pedra e vos darei coração de carne." Ezequiel 36:26


A Palavra de Deus é promessa do Senhor para nós, e ainda que não tenhamos a dimensão do tempo ela não tardará a se cumprir! Mesmo que nosso coração esteja endurecido e machucado e que não sejamos capazes de compreender as circunstâncias, nem de abandonarmos a amargura e a dor que assola o nosso espírito, precisamos saber que Deus quer nos dar um coração novo. Ele quer colocar dentro de nós um espírito novo, livre do rancor e da tristeza, liberto das amarras e dos desejos deste mundo. Precisamos deste coração de carne, sem feridas, sem mágoas, sem dores, para que possamos adorar ao Senhor com todo nosso coração. Se o pecado transformou o nosso coração de carne em pedra dura e insensível e um espírito morto em delitos e pecados, pela graça e sacrifício de Jesus temos a promessa de Deus de que  seremos transformados, por isso o profeta nos diz:-
Lançai de vós todas as vossas transgressões com que transgredistes, e fazei-vos um coração novo e um espírito novo; pois, por que razão morreríeis, ó casa de Israel? Ezequiel 18:31

domingo, 3 de maio de 2015

"Não é bom agir sem refletir; e o que se apressa com seus pés erra o caminho." Provérbios 19:2


Salomão nos mostra neste versículo a importância de sermos paciente, cautelosos, e prudentes para esperar que as coisas aconteçam no momento oportuno de Deus, ou no tempo kairós, quando, independente de nossa vontade, mas apoiados na confiança Naquele que tudo sabe, aprendemos a discernir o nosso desejo da vontade de Deus. O sábio nos ensina que apressar as coisas não é uma decisão prudente, por isso é preciso saber esperar para que se possa ter um aproveitamento total de qualquer situação. Quando nos precipitamos corremos o risco de nos frustrar e de colher frutos amargos. Mas devemos entender que o amadurecimento é adquirido somente com o tempo, e que as experiências precisam ser vividas dia a dia e que não estamos livres de assumir as consequências de nossas escolhas ou atitudes precipitadas. A pressa é muitas vezes uma cilada do diabo para nos fazer agir rápido demais e nos pegar em um momento de descuido, dando-lhe a brecha para agir. Por isso a Bíblia nos diz em Provérbios 25:28
Como a cidade derrubada, que não tem muros, assim é o homem que não pode conter o seu espírito. 

sábado, 2 de maio de 2015

“Celebrai com Júbilo ao Senhor, todos os moradores da terra.” Salmo 100:1



Neste versículo há três palavras importantes que devem ser consideras: a palavra celebrar que quer dizer comemorar, festejar, publicar com louvor e exaltar; a palavra júbilo que significa ter grande alegria ou contentamento, regozijo; e a palavra todos que significa totalidade. O que o salmista está nos ensinando ao usar essa combinação de palavras é que todos, sem exceção, devemos exaltar ao Senhor em todos os dias e circunstancias e ao contrário de contabilizar tristezas, devemos aclamar, aplaudir ou aprovar com brados o simples fato de estarmos vivos, de comemorarmos mais um ano de existência, mais um dia de luta, mais uma semana de trabalho. Assim, devemos  saudar, proclamar, reconhecer, exclamar em aprovação até mesmo os nossos infortúnios, pois o Senhor está no controle e Dele vem o nosso livramento, proteção e provimento.
Quando temos o Espírito Santo como nosso orientador, temos motivos para celebrar 24 horas por dia. Temos tempo para adorar, e nos alegrar com muito louvor. Ainda que as lutas nos sobrevenham o Senhor nos convida no Salmo 95:1-2
“VINDE, cantemos ao Senhor; jubilemos à rocha da nossa salvação. Apresentemo-nos ante a sua face com louvores, e celebremo-lo com salmos.”

sexta-feira, 1 de maio de 2015

Abre a tua boca a favor do mudo, pela causa de todos que são designados à destruição. (Provérbios 31:8)


A Bíblia nos ensina a interceder por aqueles que não podem usar sua, não podem se defender ou pleitear direitos. São muitos os que não sabem falar em benefício próprio. Muitos são os que têm voz para reclamar das dificuldades, mas não reivindicam melhorias porque nem sabem que têm direitos, enquanto veem outros desfrutando privilégios. Nós, cristãos, precisamos também ser voz dessa multidão muda, que não pode ou consegue fazer valer seus direitos. Mas, sobretudo, precisamos clamar a Deus pela salvação das almas perdidas; precisamos agir em favor da multidão também  diante dos nossos governantes para que os direitos sociais sejam garantidos a todos e não apenas a um grupo de privilegiados. Quando evangelizamos estamos sendo instrumentos de mudança para aqueles que estão mudos  lembrando que a Palavra de Deus pode fazer a diferença.
“E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará .”  (João 8:32)