Traduza este blog

quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

“Bendito o homem que confia no SENHOR, e cuja confiança é o SENHOR. Porque será como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro, e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e no ano de sequidão não se afadiga, nem deixa de dar fruto”. (Jeremias 17:7-8)




Balanço

Amado(a), fim de ano é tempo de balanço. É tempo de mexermos em nossas gavetas e de fazermos uma faxina. Mas sabendo que a verdadeira e eficaz limpeza é aquela que fazemos em nossos corações. É tempo de contabilizar nossas bênçãos, de verificar os motivos de nossas perdas. Para saber como agir no próximo ano faça as seguintes perguntas: neste ano que hoje finda eu fui mais vezes à casa de Deus ou a lugares nos quais Ele não entraria? Eu fui fiel e leal com meus amigos, bem mais do que os desprezei? Eu abençoei mais do que magoei? Eu disse aos meus pais, aos meus irmãos e aos meus filhos o quanto eu os amo, ou eu banalizei essa declaração fazendo-a repetidas vezes a pessoas com as quais eu sequer convivi ou procurei amar verdadeiramente? Eu retribuí com amor e atenção o amor e o carinho que me deram, ou julguei que o dinheiro pagaria minha dívida? Eu respeitei o sentimento de meus semelhantes, comportando-me com eles como eu gostaria que fizessem comigo, ou eu fui arrogante e insensível, trazendo mais lágrimas do que sorriso aos que conviveram comigo? Eu falei do amor de Deus para as pessoas, orando e perseverando em oração para que elas se convertessem a Deus, ou apenas mostrei que a Igreja é um bom lugar para se ir aos domingos, quando não se tem outro programa melhor? Eu dei testemunho de cristão aos meus amigos, colegas e familiares, pregando com minhas atitudes, ou apenas vesti uma couraça de “crente” e saí por aí mostrando como um cristão não deve se comportar? Os amigos que fiz ao longo do ano, ainda constam em minhas relações, ou apenas em meus álbuns de fotografia? Eu fui fiel a Deus e as pessoas com as quais me comprometi, ou agi como se Deus e as pessoas fossem apenas um objeto de uso pessoal, descartável e transferível, quando eu não os quisesse por perto? Eu tive um verdadeiro encontro com Deus, ou fiz apenas parte de mais um evento social? Eu mostrei ao mundo que sou nova criatura, ou termino o ano fazendo as mesmas coisas de sempre? Eu paguei minhas dívidas a Deus e aos homens, como uma pessoa digna e honrada, ou continuo achando que não devo nada a ninguém, nem mesmo amor e consideração?
Feitos esses questionamentos, contabilize agora suas vitórias e suas perdas: as pessoas que estiveram ao seu lado no início do ano são as mesmas que estão agora, ou você já as perdeu, por negligência, por descaso e insensatez? Os amigos de hoje são os mesmos, ou você nem se lembra quem eles eram? O seu lar foi edificado, restaurado e abençoado pelo Senhor, ou maculado pela sua infidelidade e inconstância? Sua vida financeira melhorou porque você foi fiel a Deus e Ele o abençoou, ou você espalhou seus ganhos em festas e futilidades? Quando você recebeu uma bênção de Deus, aonde foi comemorar: em um culto de ação de graças entre os irmãos que oraram e jejuaram pelo seu pedido, ou entre mundanos, nas rodas dos escarnecedores? Quando você esteve só e sem dinheiro, foi buscar abrigo e ajuda entre os irmãos que compartilham da mesma fé. E quanto se sentiu seguro e com a carteira cheia, com quem compartilhou?
Amado(a), isso não é uma previsão astrológica, mas é um check list necessário para que você saiba como será seu próximo ano. A lei da semeadura é certa: aquilo que o homem plantar, isso também colherá.
Quando, à meia-noite, o mundo estiver comemorando mais uma virada de ano, olhe bem nos olhos de quem você for abraçar, mas, sobretudo, olhe bem para dentro de si mesmo(a) e pergunte-se: é aqui que eu devo estar? Jesus estaria aqui comigo? Se você é verdadeiramente nascido(a) de novo sabe que não tem do que se envergonhar. Mas se apenas passou pelo ritual, sem se transformar, sem realmente conhecer Aquele que transforma, então não está apto(a) a cear com Ele. Fique apenas nas festas do mundo. Mas se sente que ainda há tempo de se transformar, deixe o velho homem, mude de atitude, não se envergonhe e nem envergonhe a Igreja do Senhor.
Não fique morrendo de fome. Ainda há tempo de voltar para Cristo. Ele não está pregado na cruz. Está de braços abertos para receber aqueles que querem cear com Ele e iniciar um ano de bênçãos, vitórias e conquistas para o Reino de Deus.



Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão


“Aquele que diz: Eu conheço-o, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade.”.(1 João 2:4)

Amado(a), o ano está chegando ao fim, como tudo nessa vida efêmera. Mas existe uma promessa de vida eterna: na luz ou nas trevas. E, seja qual o lugar que você definir para si, saiba que lá os anos não acabam. É certo que o Senhor voltará, mas não sabemos quando. Pode ser que venha levar sua Igreja ainda hoje, muitos sinais de Sua volta já estão se cumprindo. Não nos foi dado conhecer o dia exato dessa volta, mas nos foi alertado para estarmos em constante vigília, prontos para que esse dia não nos surpreenda.
E nesse dia Jesus separará os Seus, aqueles que têm perseverado na fé e guardado Seus mandamentos. Muitos ficarão de fora nesse dia, porque, como afirma João no texto em epígrafe, não basta apenas conhecer Jesus. É preciso guardar os Seus mandamentos. Não basta pegar a Bíblia e levá-la aos cultos aos domingos, bater palmas e cantar durante o louvor, se saímos da igreja e continuamos fazendo as obras da carne. Se uma aliança é quebrada não há como substituí-la. Ela precisa ser restaurada. Quando declaramos que Jesus é o Senhor de nossas vidas, assumimos essa aliança pelo batismo nas águas, confirmado pelo fruto do Espírito Santo que é produzido em nós. Aliança não é adorno para ser mostrado ao mundo. É sinal de compromisso eterno com Deus, diante dos homens.
Quem quebra essa aliança não pode ser chamado filho(a), não pode tomar parte da mesa e cear com o Pai. Porque quem é de Deus conhece e guarda Seus mandamentos e não mais pratica as obras da carne. “Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia, idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus”. (Gálatas 5: 19-21)
O apóstolo Paulo deixou esses ensinamentos aos Gálatas e ainda hoje, durante a ministração da palavra, ou pelas diversas formas de se ouvir ou ler a palavra de Deus, o Senhor tem reiterado o Seu mandamento. No tempo de Paulo, Jesus falava à Igreja por intermédio de suas cartas e de suas pregações. Hoje, Jesus continua nos ensinando a forma de fazermos parte de Seu Reino, empregando diversos canais: a pregação no culto, mensagens cristãs que nos chegam por e-mail, a palavra dada por um irmão, folders, cartazes, dentre os diversos meios modernos.
Amado(a), Jesus tem insistido em que você faça parte da comitiva que subirá com Ele para desfrutar da eternidade ao Seu lado. E você tem entendido Suas mensagens? Nesse último dia do ano, Ele ainda lhe envia um apelo: deixe para trás as coisas do mundo, aquilo que lhe escraviza e lhe faz refém de satanás. Deus lhe dotou de inteligência para que soubesse identificar os sinais. Quem é de Deus não faz pacto com o mundo. Não dá lugar às obras da carne, não se associa com os gentios, nem ignora a Sua palavra.

Deus lhe abençoe!

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

“Desceu Sansão a Timnate; e vendo em Timnate uma mulher das filhas dos filisteus , e declarou-o a seu pai e a sua mãe, dizendo: Vi uma mulher em Timnate, das filhas dos filisteus; agora pois, tomai-ma por mulher”. (Juízes 14: 1-2)



Cuidado para não cair!

Amado(a), o texto em epígrafe é o início da narrativa de como Sansão, um homem consagrado ao Senhor, destinado a libertar Israel do jugo dos filisteus, mudou o curso de sua vida e, deixando de ser o homem mais forte, foi humilhado pelos inimigos. Essa introdução pode nos revelar muito sobre o que Deus espera de nós ainda hoje, então, atentemos para os verbos deste texto: descer, ver, declarar, e tomar.
Se Sansão desceu é porque estava em um lugar mais alto, e ao descer ele viu uma mulher. Observe que ele não colocou os olhos em uma mulher que estava à altura de seu olhar, mas em uma que estava abaixo. Isso significa que ele deixou de tomar como esposa uma mulher que partilhava da mesma crença, da mesma cultura, dos mesmos valores que ele. E desobedeceu: “não contrairás com elas matrimônios; [não darás] tuas filhas a seus filhos, e não tomarás suas filhas para teus filhos (Deuteronômio 7:3). Assim, ele desceu. E descer, amado(a), significou o início de sua queda, que culminou na perda do dom que lhe era dado por Deus. O segundo verbo mostra que Sansão viu uma mulher. E ele só viu porque desceu. Se estivesse com os olhos firmes no alto, jamais teria visto, ainda que olhasse, para uma mulher que contrariava os princípios nos quais fora educado. Quando você não está com os olhos firmes em Deus, você corre o risco de enxergar beleza e se vê atraído(a) por algo ou alguém que não faz parte de seu mundo e isso pode ser um sinal de queda. E ele declarou aos seus pais. Declarar significa admitir, confessar. Quando ele fez isso, ele confessou diante de sua família a sua intenção de se associar a uma mulher estranha, o que contrariava o mandamento de Deus. Ao olhar para o que não é permitido, desejando fazer aliança com algo, ou alguém que não faz parte de seu mundo, você declara diante da sua família, da igreja, dos irmãos que não se importa com os estatutos do Senhor, mas o que conta é o seu desejo imediato e você assume o risco de transgredir a lei por conta de uma sedução do mundo. Os filisteus representam o mundo. E por último, o verbo tomar, que significa pegar para si, para se ajuntarem, para se fazerem um. Veja que tomar nesse caso significa a contaminação do que é consagrado a Deus, quando se mistura com aquilo que é do mundo, portanto, longe dos estatutos de Deus. Quando Sansão desejou tomar uma mulher estranha, ele não viu mal nisso, pois já estava sendo iludido por satanás, porque primeiro desceu.
Amado(a), satanás é ardiloso, mas não é nada perto do Deus que você serve. Se você tem descido a lugares abaixo da altura que Deus tem para você, tem colocado os olhos e desejado se juntar com aquilo que não faz parte do seu mundo, ainda há tempo de olhar para o alto. Os filisteus ainda não cegaram você completamente e não lhe roubaram a força. Você tem um Pai, uma família que partilha dos mesmos valores que você, não desça mais! Não busque no mundo o que pode encontrar na casa do Pai. O Senhor tem lhe dado a orientação, enquanto há salvação. Não espere ser atraído de uma forma sem volta. O Senhor tem lhe enviado seu anjo para lhe proteger, tem lhe mandado mensagens das formas mais diversas. Mas você ainda não ouviu a voz do Espírito. Ele fala consigo de todas as maneiras. Até mesmo em pequenas cenas cotidianas, em discussões corriqueiras. Lembre-se de que tudo coopera para o bem dos que amam a Deus. E Ele tem lhe mostrado isso. Não é difícil entender o recado: o Espírito Santo mostra que água é óleo não se misturam. Se você pensa diferente do que pensam aqueles que têm lhe rodeado, se seus valores não são comuns, não se engane: Dalila, para atrair Sansão, também se aproximou dele. À primeira vista, também pareceu amável e receptiva.
A história da queda de Sansão deve ser suficiente para que você, amado(a), não seja completamente cegado por satanás. Para continuar forte você precisa ficar entre o povo de Deus, não precisa descer para o mundo para confirmar sua pseudo-força. Não precisa se misturar com pessoas de cultura e valores diferentes para que o mundo reconheça quem você é. E, sobretudo, não precisa se arriscar a perder sua salvação por conta de uma ilusão que, tão breve quanto chegou aos olhos, também passará.


Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão


"Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus".(Apocalipse 14:12)

Amado(a), são muitas as promessas que a Bíblia registra. Mas, com certeza, a mais esperada pelos cristãos do mundo inteiro é a volta de Jesus. Em João 14:3 Jesus faz essa promessa: “E quando eu for, e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos levarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também”.
Que promessa maravilhosa! Mas infelizmente ela não é para todos. É tão somente para aqueles fizerem o que afirma o texto em epígrafe: apenas para “os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus”.
Guardar os mandamentos e a fé é a condição para que possamos fazer parte daqueles que subirão com Jesus, na sua volta. Contudo, nenhum ser humano sabe o exato momento da vinda de Cristo. "Porque vós mesmos sabeis muito bem que o Dia do Senhor virá como o ladrão de noite. Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então, lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida; de modo nenhum escaparão. Mas vós, irmãos, já não estais em trevas, para que aquele Dia vos surpreenda como ladrão"(1 Tessalonicenses 5:2-4).
Considere, amado(a), que você é membro do corpo de Cristo, remido pelo sangue e nascido de novo pelo arrependimento e pelo batismo. É uma credencial para fazer parte do Reino de Deus, mas não é garantia. Você precisa segurar sua consagração, observar os sinais e ouvir com ouvidos atentos aquilo que Deus tem lhe dito pelos Seus profetas. Segundo o ensinado pelo Senhor Jesus, estar atento à palavra dos profetas é o que nos permitirá conhecer quão perto se encontra o dia de sua segunda volta: "E temos, mui firme, a palavra dos profetas, a qual bem fazeis em estar atentos, como a uma luz que alumia em lugar escuro..." (2 Pedro 1:19). Portanto, obedeça aos mandamentos, apegue-se na fé em Jesus e não troque por nada que o mundo lhe oferecer, atento ao que disse Jesus em Mateus 16:26 “Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?”

Deus lhe abençoe!

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Palavra Viva: Palavra para Comunhão



“Digo-vos que naquela noite estarão dois numa cama; um será tomado, e outro será deixado”(Lucas 17: 34).

Amado(a), o Senhor está nos alertando sobre o fato de que, em sua volta, nem todos subirão com Ele. Mesmo estando juntos, na mesma casa, no mesmo trabalho, um subirá e outro poderá ficar. A salvação não será atribuída por nome de família, posse, cargo, posição social ou posição na igreja. Subirá com Jesus quem obedeceu aos Seus mandamentos. Quem se preparou para a Sua volta. Ele deixa sinais para serem atentamente observados, mas afirma que virá como ladrão. Isso significa que será sem aviso prévio e pode ser a qualquer momento. Portanto, é preciso que estejamos sempre preparados.Longe do pecado e das enganações do mundo.
Jesus, ao falar sobre os sinais dos tempos, sobre o pecado trouxe-nos essa recomendação: “Lembrai-vos da mulher de Ló”, alertando-nos de que “qualquer que procurar salvar a sua vida, perdê-la-á, e qualquer que a perder, salvá-la-á”. (Lucas 17:32-33).
Há tantos exemplos de mulheres santas na bíblia, que poderiam ser lembradas, e cujos exemplos devem ser seguidos. Entretanto, o Senhor escolheu a mulher de Ló para nos ensinar a como não proceder, principalmente diante dos prazeres transitórios e ilusórios do pecado. A mulher de Ló não seguia a palavra de Deus, não era obediente e por pouco sua família também não pereceu por sua causa. Ló poderia ter tido uma família feliz e completa se seguisse a voz do Senhor, mas aquela a quem tomou como mulher não tinha comunhão com Deus e pactuava com o pecado que reinava em Sodoma. Mesmo tendo oportunidade de sair daquela cidade perdida e obter a salvação, ela não se desapegou do passado de erros, antes preferiu olhar para trás do que seguir com sua família uma vida de santidade em observância aos estatutos do Senhor, pois seu coração era voltado para o pecado em que vivia. Ela não olhou para frente, para o futuro, para a salvação de Deus, para a recomendação de livramento... Transformou-se em uma estátua de sal porque não obedeceu, porque não temia a Deus e sequer partilhava da mesma fé que seu marido.
Amado(a), como está sua preparação para a volta de Cristo? Se hoje a noite Ele voltar, você estará preparado(a), como os olhos firmes para o alto, ou seus pés ainda vacilam entre as atrações do mundo?


Deus lhe abençoe!

“Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns; antes, façamos admoestações, e tanto mais quanto vedes que o dia se aproxima”. (Hebreus 10:25)



Por que não devemos ser cristãos domingueiros?
Amado(a), a igreja como templo é o local onde a Igreja como corpo se reúne para compartilhar as alegrias e atividades próprias de uma família, além de cultuar a Deus, que estabeleceu esse lugar como Sua casa para que Seus filhos partilhem de comunhão. Se vamos à igreja apenas socialmente, não podemos dizer que somos membros de um corpo, ou que temos uma família. Toda família tem suas alegrias, e também seus problemas, mas juntos são fortes, por isso Deus instituiu a família como base da humanidade. Igreja de Cristo é família de Deus e nenhuma família é completa, feliz e realizada se seus membros se tratam como estranhos, se mal se encontram. Ou se não convivem na mesma casa. Uma família pressupõe intimidade, um lugar comum, onde se possa voltar ao final de um dia de trabalho, um aconchego e apoio nos momentos difíceis. Assim também é a Igreja do Senhor. Nela os irmãos se encontram para compartilhar as mesmas expectativas, para se nutrirem com as bênçãos do pai, para honrar o Criador, assim como na família a figura paterna deve ser honrada.
Não podemos, portanto, ser cristãos domingueiros, como filhos que apenas passam em casa, de vez em quando, para buscar algo. Ou mesmo como andarilhos, sem um teto, ou que vivem como se hospedassem a cada dia em um lugar. A Igreja é referência. É porto seguro, faz parte da identidade do cristão.
Na igreja ouvimos a Palavra de Deus por meio de outras pessoas: a fé vem por se ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de cristo.
Na igreja também temos uma família: "também os predestinou para serem conforme a imagem de seu filho, a fim de que ele seja o primogênito entre muitos irmãos." (Romanos 8: 29) e "como é bom e agradável viverem unidos aos irmãos."(Salmos 133:1).
Na igreja podemos conviver com pessoas que compartilham da mesma fé já antecipando a comunhão que teremos no céu junto com Deus. Não podemos fazer da igreja apenas um local de evento social, tampouco contaminar a Igreja com nossas mazelas, pois se um membro está doente, o corpo todo padece. E devemos nos lembrar sempre de que a cabeça desse corpo é Cristo. E certamente Ele não quer fazer parte de um corpo contaminado.


Graça e Paz!

domingo, 28 de dezembro de 2008

“E deu-lhes ordem, dizendo: Assim fazei no temor do SENHOR, com fidelidade, e com coração íntegro”(2 Crônicas 19:9)


Fidelidade

Amado(a), parece que a palavra fidelidade perdeu seu sentido nos dias atuais, apesar de tantos empregos: cartão fidelidade para garantir milhagens, fidelização de clientes, para garantir exclusividade de uso das atividades de uma empresa, dentre outras acepções. No entanto, o verdadeiro sentido dessa palavra não tem sido apreendido ou vivenciado. Fidelidade vem do latim fidelitate e significa tanto “observância de fé que um deve a outro”, como exatidão; veracidade de algo ou de um fato.
Em termos bíblicos, a palavra fidelidade deve ser entendida como a constância nos compromissos assumidos. É a dedicação a alguém ou a uma causa.
Jesus foi fiel à causa de vencer o pecado, entregando-se como cordeiro imolado. Os discípulos foram fiéis à causa de Cristo, na pregação de Seu evangelho. Mas também satanás tem sido fiel à causa de levar a humanidade à perdição. Nisso ele é constante. Persevera fielmente. Em vista disso, ele tem vencido diversas batalhas contra aqueles que agem de forma inconstante. Aqueles que em uma hora estão na igreja, noutra no mundo; em um momento estão decididos a seguir Jesus e Sua palavra, noutro estão se deleitando com a oferta do mundo; aqueles que só são fiéis a Deus assim como são aos compromissos assumidos: enquanto interessam. São fiéis até que alguém ou algo atraia mais a atenção ou ofereça algo mais tentador. Ou são fiéis desde que nada os contrariem
E você, amado(a), a quem tem sido fiel? A Cristo e Seu evangelho, ou ao mundo e suas tentações? Em que você tem perseverado? À obra de Deus ou ao seu orgulho?

Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão



“Irmãos, relativamente aos tempos e às épocas, não há necessidade de que eu vos escreva; pois vós mesmos estais inteirados com precisão de que o dia do Senhor vem como ladrão de noite. (I Tessalonicenses. 5:1 e 2).

Sobre a volta de Jesus


Amado(a), tão certo quanto haveremos de morrer e deixar esse mundo para habitarmos outro, nas trevas, ou na luz, é que o Senhor Jesus voltará para buscar Sua Igreja. E como anuncia Paulo à Igreja de Tessalônica, esse dia virá como um ladrão à noite. Mas nenhum cristão precisa ser apanhado desprevenido por esse evento. "Vós, irmãos, não estais em trevas, para que esse dia como ladrão vos apanhe de surpresa." (I Tessalonicenses 5:4). Nós somos os "filhos da luz", e continuaremos a ser filhos da luz enquanto permanecermos perto da Luz do mundo.
Os textos bíblicos têm reiteradas vezes prevenido os cristãos para se prepararem para esse dia. “Prepara-te, ó Israel, para te encontrares com o teu Deus”. (Amós 4:12). Nessa orientação está implícita a condição de que o Senhor pode voltar a qualquer momento e por isso devemos estar atentos, pois esse dia chegará sem aviso, assim como o ladrão não manda um mensageiro antecipar sua chegada, Jesus voltará sem aviso prévio, pois Ele tem anunciado a Sua volta, quando alguns sinais se cumprirem.
Quem lê e vive a palavra de Deus, sabe que esses sinais já estão se cumprindo e a vinda do Senhor se aproxima. Por diversas vezes somos alertados pelo Senhor que, uma vez fechada a porta, ninguém mais poderá entrar.
Amado(a), você está preparado(a) para a volta de Jesus? Ou quer correr o risco de ouvir do Senhor “Em verdade vos digo que não vos conheço. Vigiai, pois, porque não sabeis o dia nem a hora." (Mateus 25:1-13)


Deus lhe abençoe!

sábado, 27 de dezembro de 2008

“Sabei isto, meus amados irmãos, mas todo homem seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar. Porque a ira do homem não opera a justiça de Deus. Pelo que, rejeitando toda a imundícia e superfluidade de malícia, recebei com mansidão a palavra em vós enxertada, a qual pode salvar as vossas almas. E sede cumpridores da palavra e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos" (Tiago 1: 19-22)




Resistência a ouvir a palavra

Amado(a), uma grande retentora de bênçãos é a resistência para ouvir e aceitar a palavra que não é aquela que espera. Seleciona na palavra o que lhe convém, e fecha os ouvidos para aquilo que não está de acordo com seu interesse. He pessoas que querem ser ouvidas pelos outros, mas não aceitam que lhe digam algo diferente do que pensam. Até a palavra de Deus é manipulada ao seu bel prazer. Agem como se não fosse a lei maior a ser seguida, mas um estatuto que pode ser revogado de acordo com as circunstâncias. Para essas pessoas o que determina a norma é o interesse pessoal, assim, o que diz a Bíblia é secundário, não se aplica aos dias atuais.a justiça de Deus não opera nessas circunstâncias, não se aplica àqueles que se orientam pelo entendimento próprio. Para esses, Deus é apenas coadjuvante, uma energia cósmica que faz com que as coisas aconteçam, mas não é o Senhor. Ao ouvirem a palavra de salvação, quando não a rejeitam por completo, selecionam o que interessa, segundo a própria e conveniente doutrina. No coração dessas pessoas, a palavra não germina como semente em terra fértil, mas é apenas um discurso refutado com argumentos contraditórios, sem sustentação. São alvos de falsos discursos e se enredam em tolas convicções com a arrogância de quem tem a palavra da verdade. Não sabem que são mais pobres e carentes do que qualquer outra pessoa porque rejeitam o pão da vida, em troca de migalhas. E estão sempre prontos a criticar e a julgar os outros.
Ouça, amado(a), a voz de Deus e deixe que Ele entre em seu coração.

.Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão



“Irmãos, se um homem chegar a ser surpreendido em algum delito, vós que sois espirituais corrigi o tal com espírito de mansidão; (Gálatas 6:1a)

Amado(a), nossa conduta de cristão deve ser a de fugir do pecado, resistir ao diabo, para que ele fuja de nós. Sabemos que ele não descansa enquanto não atinge o seu intento, que é de nos fazer pecar para nos tirar as bênçãos terrenas e a salvação eterna. Por isso a Bíblia nos ensina a vigiar e a orar, sem cessar. Todos estamos sujeitos à tentação. Mas alguns são mais resistentes, apegam-se mais ao escudo de Deus e se fortalecem em oração o tempo todo, quando se vêem diante das investidas de satanás. No entanto, amado(a), há pessoas que não estão firmes na fé, que vacilam porque carecem de oração e de arrependimento. Por elas precisamos dobrar nossos joelhos e suplicar ao Pai, em nome de Jesus, para que não caiam, não esmoreçam na fé. Às vezes é necessário também admoestar o irmão que se encontra fragilizado, débil na fé e em pecado perceptível a Igreja. É preciso alertá-lo “Para perseverar no bem, deve-se lutar contra o mal, obrando "com temor e com tremor" conforme nos ensina o apóstolo Paulo em Filipenses 2:12. É claro que essa admoestação deve ser feita com amor e não com prepotência ou sentimento de superioridade como quem está acima do erro, mas antes disso, deve ser feita com amor, sabendo e levando o irmão a saber que “se alguém pecar, temos um Advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo”. (1 João 2:1b).
Amado(a), não se irrite se seu líder, discipulador, ou um irmão maduro na fé, faça com que você veja onde e como está dando espaço para o diabo tirá-lo(a) de sua força que é a comunhão com Deus e com a Igreja. Nem sempre quem está em pecado consegue perceber as sutilezas do maligno e, como a carne é fraca, cai em tentação.
Contudo, se você age sem humildade, e comporta-se como quem jamais erra e não precisa ser alertado, corre o risco de cair, perder a comunhão com Deus e os com os irmãos e, o que é pior, entrar em sintonia com os intentos de satanás e, envolvendo-se com o mundo, perder sua salvação.
Não deixe que isso aconteça. Jesus se homem para que você fosse salvo, não viva mais uma vida de incertezas, se você pode tomar posse do que o Pai tem para você.

Deus lhe abençoe!

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

“Quando passares pelas águas estarei contigo, e quando pelos rios, eles não te submergirão; quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti”. (Isaías 43:2)



Tempos de Crise

Amado(a), vivemos tempos que anunciam dificuldades de toda sorte: catástrofes naturais, violência sem controle, desarmonia em família, lares desfeitos sob qualquer pretexto, corrupção e prenúncios de crise financeira em todo o mundo. Ninguém está livre de passar por problemas, mesmo os cristãos. A diferença é que temos a certeza de que passaremos por eles, porque Jesus prometeu que estaria conosco até o final dos tempos. Essa é nossa garantia que nos é dada em Isaías 43:2. Jesus não disse que estaríamos livres dos problemas, mas sim que estaria ao nosso lado, conforme anuncia em João 16:33 “Tenho-vos dito isto, para que em mim tenhais paz; no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”.
O certo é que as profecias bíblicas estão se cumprindo de uma forma incontestável. Estamos vendo a cada momento a confirmação dos fatos anunciados há mais de dois mil anos. Mas as promessas de livramento para aqueles que seguem a palavra de Deus também permanecem, portanto, amado(a), atentemos para o que diz Isaias 43: 13 “Eu, eu sou o SENHOR, e fora de mim não há Salvador”.
Não há crise sem solução para quem é filho legítimo do verdadeiro Rei, somente para aqueles que se envolvem com as armações do príncipe deste mundo.

Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão



“Não vos enganeis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbedos, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. (1.Coríntios. 6:9b-10)

Amado(a), lembre-se de que pecado é aquilo que nos afasta de Deus, e que há conseqüências para os pecados, sendo a maior delas a perda da salvação.
Paulo é bem claro quando avisa aos coríntios que nem todos herdarão o reino de Deus. Ele enumera que tipo de pecado cometido terá como conseqüência a essa exclusão. Observe que a lista não é pequena e dela decorrem vários outros pecados que podem nos afastar do Senhor. Em 1 João 5:16-17, o discípulo amado de Jesus ensina que há uma forma de livrar os homens da condenação, caso cometam um tipo de pecado: “Se alguém vir pecar seu irmão, pecado que não é para morte, orará, e Deus dará a vida àqueles que não pecarem para morte. Há pecado para morte, e por esse não digo que ore”. Perceba que há pecado que ainda pode ser perdoado, mas há pecado que encerra essa possibilidade. Há dois estágios do pecado: a intenção, como Jesus mostra em Mateus. 5: 28 “Eu, porém, vos digo que todo aquele que olhar para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela” e o ato em si: Mateus 5:27 “Ouvistes que foi dito: Não adulterarás”. Ambos levam à condenação, pois para Deus os dois são iguais. No entanto, para aqueles incidentais, para os quais há arrependimento e abandono, Jesus, nosso advogado junto ao Pai, nos libera e perdoa. Mas para aqueles não confessados e deixados, a punição é perdição eterna: “não herdarão o reino de Deus”. De que lado você quer ficar?


Deus lhe abençoe!

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

“Porque um menino nos nasceu, um filho se nos deu, e o principado está sobre os seus ombros, e se chamará o seu nome: Maravilhoso, Conselheiro, Deus Forte, Pai da Eternidade, Príncipe da Paz”. (Isaías 9:6)




É Natal?

Amado(a), hoje é uma data considerada especial entre os cristãos, pelo que se convencionou comemorar o nascimento de Cristo entre os homens. Entretanto esse acontecimento tem sido banalizado e seu objetivo fundamentalmente alterado. Verifica-se hoje que a data tem sido apenas mais uma ocasião social e uma excelente fonte econômica. Mas seu verdadeiro sentido, mas festas mundanas, raras vezes tem sido considerado. Há espaço para a compra e troca de presentes, para a reunião e motivo de ajuntamento para as bebedices e glutonarias, pouco ou nada sobra para se refletir sobre o real objetivo pelo qual Deus se fez homem e escolheu habitar entre pecadores, conforme lembra o apóstolo Paulo aos Filipenses 2:7 “Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens”.
Natal é nascimento de Cristo. É Cristo que escolhe, pela Sua graça e misericórdia, habitar em nossos corações. Mas creia que o Senhor não faz morada em qualquer lugar. É preciso que esse lar esteja limpo e santificado para que o Senhor ali habite. Como está seu coração? Como está sua vida? Hoje, você pode convidar Jesus para entrar, sem receio de que Ele decline do convite? Você tem seguido Suas palavras e procurado andar como Ele andou enquanto esteve entre nós na terra? Há um ditado que diz: diga-me com quem andas que dir-te-ei quem és. Na expressão popular isso significa que seremos como aqueles com os quais convivemos. Jesus, quando esteve entre nós andou entre pecadores, prostitutas e publicanos, nas a diferença é que Ele não viveu como aqueles, ao contrário, Sua forma de ser e de agir é que mudou a vida dos pecadores. Será que estamos fazendo como Jesus, convivendo com pecadores e levando-as a se converterem pelo nosso exemplo, ou deixando que eles nos arrastem para seu meio e assim, tornando em vão Seu sacrifício de viver entre os homens e morrer pela remissão de nossos pecados?
Pense nisso amado(a). Sua conduta de cristã(o) é o presente que o Senhor espera nesse aniversário. E TENHA UM FELIZ NATAL, COM JESUS EM SEU CORAÇÃO SEMPRE
Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão


“Irmãos, se um homem chegar a ser surpreendido em algum delito, vós que sois espirituais corrigi o tal com espírito de mansidão”. (Gálatas. 6:1a)

Amado(a), a Bíblia diz que todos somos pecadores, e que carecemos da graça e misericórdia de Deus, mas diz também que o cristão deve resistir ao diabo e fugir do pecado. Para isso é preciso reconhecer que é um pecador e procurar não errar mais. No entanto, quando estamos em pecado, pela cegueira espiritual que o príncipe deste mundo coloca em nós, é difícil esse reconhecimento, por isso, o apóstolo Paulo ensina que um irmão maduro na fé, deve ajudar o outro a se livrar desse fardo. Mas isso deve ser feito com amor e mansidão, sem prepotência e sem achar que está acima da verdade, pois todos somos pecadores a não ser Cristo, não houve na terra quem não cometesse pecado.
Quem recebe a admoestação também deve ter a mansidão e a humildade de reconhecer no irmão um instrumento do Senhor para levá-lo de volta ao caminho e ser grato porque, conforme recomenda Tiago 5:16 “Confessai as vossas culpas uns aos outros, e orai uns pelos outros, para que sareis. A oração feita por um justo pode muito em seus efeitos”. Lembrando que “a nossa luta não é contra carne nem sangue mais sim contra principados e potestades”. (Efésios 6:12).
Amado(a), se seu líder ou algum irmão repreendê-lo, sabendo que está incorrendo em erro que possa fazê-lo(a) perder a salvação, agradeça a Deus pela vida dele e reconheça que essa atitude é graça de Deus. Deixe de lado o orgulho e receba as bênçãos do Pai.
Em geral, as pessoas, quando admoestadas sobre seus pescados apresentam três tipos de reação: um deles é encobrir. Mas veja o que diz o Sal. 32:3 “Enquanto guardei silêncio, consumiram-se os meus ossos pelo meu bramido durante o dia todo”. Portanto, não dever a escolha de um cristão que deseja obter as graças de Deus. Outra é admitir mas querer preservar a honra. Isso faz com que a pessoa reconheça, mas se esconda em um silêncio que o distancia de Deus e daquele que procura ajudá-la. Veja o que fez o Rei Saul, na narrativa de 1. Sam. 15:259 e 30 “Agora, pois, perdoa o meu pecado, e volta comigo, para que eu adore ao Senhor. Ao que disse Saul: Pequei; honra-me, porém, agora diante dos anciãos do meu povo, e diante de Israel”. A melhor reação, é, antão, confessar o pecado sem condicionante e deixá-lo, como ensinou o Rei Davi: 2.Sam 12:13 “Então disse Davi a Natã: Pequei contra o Senhor. E disse Natã a Davi: Também o SENHOR perdoou o teu pecado; não morrerás. “Confessei-te o meu pecado, e a minha iniqüidade não encobri. Disse eu: Confessarei ao Senhor as minhas transgressões; e tu perdoaste a culpa do meu pecado. (Salmos 32:5).
Davi foi um grande exemplo de um homem que, embora pecasse, arrependia-se com sinceridade. E alcançou a graça de Deus. Sendo conhecido por “um homem segundo o coração de Deus” (I Samuel 13:14). Veja que ele era pecador, como nós, mas sabia ouvir conselhos e se arrependia verdadeiramente e isso agrada a Deus.



Deus lhe abençoe!

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

“Mas, quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir.” (João 16:13)




Amado(a), qual tem sido a sua postura diante da Igreja, de Deus e de Sua palavra? Você pode afirmar que a Bíblia é a vontade de Deus? Se você respondeu positivamente a essa questões, então, certamente, concorda que toda e não apenas uma parte da Bíblia é verdadeira. Mas por que, então, quando se trata de agir, você escolhe partes de Bíblia e ignora outras?
A palavra de Deus diz em Mateus 19:19 “Honra teu pai e tua mãe, e amarás o teu próximo como a ti mesmo”. E ainda assim você ignora seus pais, desrespeita seus irmãos? Seu próximo é aquela pessoa com quem você negocia, com quem faz compromissos, com que divide a casa, o espaço de trabalho, até mesmo a mesa de um bar. Seu próximo o é motorista que lhe ultrapassa imprudentemente, o vizinho que o aborrece.
Em Marcos 12:30 está escrito: “Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento”. E você primeiro satisfaz as concupiscências da carne, veste a camisa de seu time, cumpre seus compromissos com os amigos e quando sobra um tempo vai cumprir sua “obrigação” de cristão?
Está escrito em Mateus 18: 21b-22 “... Senhor, até quantas vezes pecará meu irmão contra mim, e eu lhe perdoarei? Até sete? Jesus lhe disse: Não te digo que até sete; mas, até setenta vezes sete. E você, cristão de carteirinha, batizado em nome de Jesus, membro do corpo da Sua Igreja, perdoa apenas de boca e continua agindo como um gentio? Perdoar é esquecer as falhas, as quais todos estamos sujeitos, é dar nova chance, assim como Jesus fez conosco. Perdoar não é apenas pronunciar palavras e manter as mesmas atitudes.
Está escrito em Gálatas 5:19 “Porque as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, prostituição, impureza, lascívia”. E você não vê problema algum em “pular a cerca”, em ter contatos íntimos com mulheres que mal conhece, não enxerga nada errado em assistir a vídeos pornográficos, a fazer parte de comunidades de encontros extra-conjugais, a levar para o seu leito a primeira pessoa que encontra, antes mesmo de saber se essa é a vontade de Deus? Não se incomoda em participar de rodas que propagam o amor livre e sem compromisso, nem de contar ou rir de piadas imorais? Então amado(a), de que lado você está? Se você crê integralmente na palavra de Deus como preceito de fé e conduta, então não pode cumprir só uma parte dela. Você é ou não um(a) cristã(o) que honra o nome e palavra do Senhor. Decida-se que lado você quer ficar, pois o Senhor deixou bem claro em Apocalipse 3:16 “Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca” e Ele repreende a quem ama, por isso, sinta-se amado(a) porque Ele não o(a) quer do outro lado .


Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão


“Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham assim os tempos do refrigério pela presença do Senhor”. ( Atos dos Apóstolos 3:19)

Amado(a), o pecado é atitude do homem natural, pois "todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus"(Romanos 3.23) mas pela graça de Deus e sacrifício do Senhor Jesus, que venceu o pecado pela morte na cruz, somos redimidos e devemos todos lutar contra o pecado.
Para que tenhamos salvação e desfrutemos da vida eterna, devemos tão somente crer, pois "Pela graça sois salvos, por meio da fé...", conforme nos afirma Paulo em Efésios 2.8, que Jesus é nosso único e suficiente salvador, e confessar nossos pecados para sermos perdoados "Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça" ( I João 1.9). O arrependimento é necessário, não basta apenas ter somente remorso, que nos leva a cometer novamente os mesmos erros por não termos mais lembrança da "culpa" que nos abateu. Arrepender é não errar mais, e deixar de cometer os mesmos erros. Jesus não se fez homem, viveu entre nós, sofrendo por nossas culpas e padeceu morte em vão. Paulo nos lembra em 2 Coríntios 5:21 “Aquele que não conheceu pecado, o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus”. E João já advertia “E, quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, e da justiça e do juízo”. (João 16:8). O Senhor Jesus veio para que os homens se arrependessem verdadeiramente de seus pecados. O verdadeiro arrependimento é desistir dos nossos próprios pensamentos e voltar-nos para Deus (Atos 2:38).




Deus lhe abençoe!

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Palavra Viva: Palavra para Comunhão



“mas o que se prostitui peca contra o seu próprio corpo. Qualquer outro pecado que o homem comete, é fora do corpo;”.(1. Cor. 6:18a)

Sobre o pecado

Amado(a), veja que Paulo nos mostra que todas as formas de pecado são exteriores ao corpo, ainda que tenham seu embrião no pensamento e encontrem abrigo no coração. Mas, segundo o apóstolo, a prostituição é uma forma de pecado contra o próprio corpo. E o que é o nosso corpo senão a morada do Espírito Santo? Deus não nos deu um corpo físico apenas como adorno, mas para que Seu Espírito fizesse morada em nós. Assim, dele não somos donos, mas seu fiel depositário e, certamente, o Senhor nos cobrará pelo uso que dele fazemos. Cuidar do corpo não é idolatrá-lo, mas torná-lo saudável e digno para ser templo do Espírito, como nos ensina Paulo em 1 Co 3.16, 17; "Não sabei vós que sois templo de Deus, e que o Espírito de Deus habita em vós? Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós é santo".
Compreende, amado(a), a responsabilidade dessa constatação? Assim, entregar o corpo às concupiscências, aos prazeres da carne é afrontar a Deus.
Em I Coríntios 6:13b, Paulo enfatiza “Mas o corpo não é para a prostituição, senão para o Senhor, e o Senhor para o corpo”. O apóstolo Paulo insiste que é importante o que fazemos com os nossos corpos físicos, pois Deus honra o templo em que Ele habita: “Não sabeis vós que os vossos corpos são membros de Cristo? Tomarei, pois, os membros de Cristo, e fá-los-ei membros de uma meretriz? Não, por certo” (6:15). Se nos prostituímos, envolvemos Cristo na prostituição, pois somos membros de Cristo. “Ou não sabeis que o que se ajunta com a meretriz, faz-se um corpo com ela? Porque serão dois numa só carne. Mas o que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito” (I Coríntios. 6:16,17). Veja a seriedade dessa afirmação: quem pratica sexo fora da bênção do Senhor se prostitui e quem se prostitui macula o templo do Espírito. Amado(a), Deus o(a) quer em santidade para que possa habitar em você.


Deus lhe abençoe!

“O homem paciente dá prova de grande entendimento, mas o precipitado revela insensatez”. (Provérbios 14:29)


Precipitação

Amado(a), Salomão com toda a sua sabedoria declarou que o precipitado é um insensato. Disse também que é melhor encontrar uma ursa da qual roubaram seus filhotes do que um tolo em sua insensatez.
O insensato afasta de si as bênçãos e chama a si toda sorte de problemas, porque, assim como o ansioso, não sabe esperar em Deus, caminha em direção à ruína e demonstra falta de confiança e fé no SENHOR, porque Nele não espera.
Mesmo sabendo aonde sua precipitação o levará, o insensato entra na primeira porta que lhe é aberta. Sabe que ali não está o seu tesouro, o que seu coração espera, mas contenta-se com o pouco, ainda que por pouco tempo, porque não tem sabedoria e paciência para aguardar o melhor.
Age de forma leviana, repetitiva e inconseqüente, como quem não tem nada a perder, por isso está sempre perdendo. Perde o amor verdadeiro, o respeito da família, a admiração dos colegas, porque é visto como um inconstante, um vira-folhas, alguém que não tem raízes. Muda de casa, de amigos, de família, de emprego, de igreja e de fé, na precipitação do vento. E por conta disso não consegue concluir nada que inicia. Quase foi promovido, quase terminou um curso, quase teve um lar, quase foi feliz, quase exerceu um ministério na igreja... O precipitado, da mesma forma que abre a primeira porta e se atira ao que nela vê, como se fosse a sua única alternativa, também bate essa porta sem considerar o que deixou para trás. Por isso perde o amor, o respeito, a consideração, a comunhão verdadeira. E o que é pior: perde a graça de Deus. Quem se compromete com Deus de forma precipitada também corre o risco de abandoná-Lo ao primeiro sinal que o mundo dá para atrair os néscios, os tolos. É como uma criança, sem siso, mesmo que já tenha vivido várias décadas. Anos que só lhe acrescentam rugas, mas não maturidade.
Quem tem Jesus no coração, tem a verdadeira confiança de que Ele estará à frente de tudo e não precisa se precipitar nem para iniciar, nem para terminar algo sem Sua confirmação. Aos Seus filhos, Deus jamais desampara. Mas o precipitado não se comporta como filho, porque não demonstra confiança no Pai. Antes age por orgulho, satisfação imediata, ignorando quem quer que seja. Quem não se importa com o Pai, tampouco se importa com os irmãos. Mas a conseqüência disso é o retorno a si próprio, a lei da semeadura. Quem não sabe esperar a hora certa da colheita, não come o pão da fartura. E o pior disso tudo é que o precipitado vive em um círculo vicioso. Não aprende com seus erros, não busca a libertação para fugir de seus fracassos, mas firma-se nas suas parcas forças, sem a humildade para ouvir seus líderes, para aceitar suas limitações. Erra porque pensa que dessa vez não errará mais, no entanto, suas atitudes não mudam. Muda apenas de foco, nunca de postura. Tem razão Salomão de chamar esse homem de insensato, pois sabe aonde sua atitude o levará, sabe que não tem forças para lidar com suas limitações, mas insiste em desobedecer à Palavra, ao Espírito Santo, à voz da consciência, ao seu próprio desejo de mudar o curso de uma vida insensata.
Amado(a) ouça o que diz as Escrituras: “Sede pois, irmãos, pacientes até à vinda do Senhor. Eis que o lavrador espera o precioso fruto da terra, aguardando-o com paciência, até que receba a chuva temporã e serôdia”. (Tiago 5:7)
Deus nos livre de toda precipitação, esperemos no SENHOR।
Graça e Paz!

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

“ e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”. (João 8:32)



Liberte-se do passado

Amado(a), nesse texto de João, Jesus está nos mostrando que a única forma de liberdade é o conhecimento da palavra. E a palavra de Deus não é dúbia, ela não tem duplos significados. Mas um somente, conforme reforça João 8:36 “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”. Se você ainda está preso ao passado, cometendo os velhos erros, você não está na liberdade de Cristo, pois como afirma Paulo em Gálatas 5:1 “Para a liberdade foi que Cristo nos libertou”.
O passado ainda lhe escraviza, o velho homem ainda domina seu ser é porque verdadeiramente você não está firme na Rocha. Mas saiba que Deus tem falado com você. Ele não está mudo, nem quieto. Ele está no controle de tudo. Acredite: quando Ele fala, usa até mesmo as coisas mais inusitadas. Ele fala pela palavra Dele, mas você interpreta a sua maneira. Ele fala por mensagens vindas de todas as formas, entretanto, você não lê com entendimento. Ele fala pelos presentes que você recebe, mas você ignora. Ele fala pelos tombos que você leva, mas se levanta com o orgulho mais acentuado, e cada vez mais seguro de que conhece a verdade.
Saiba que tudo coopera para o bem daqueles que amam a Deus, e Ele não deixa Seus filhos serem envergonhados. Se você não tem ouvido as mensagens de Deus, não se assuste se amanhã estiver de volta ao mesmo ponto de onde partiu. Quem não vive um presente com Deus, não se liberta de um passado de erros, e segue repetindo as mesmas condutas, certamente, não terá um futuro que comemorar.
Mas Deus ainda lhe dá uma chance de se recompor. De viver uma vida santificada. De aprender com os erros do passado e olhar para a frente. Se pecava, não peque mais. Se mentia, não minta mais. Se agia com ingratidão, seja grato e reconheça o bem que as pessoas lhe fazem. Se se comportava com leviandade, prometendo o que não pode cumprir, tenha palavra. Seja a sua vida uma busca da verdade. Entregue seus caminhos ao Senhor e Ele conduzirá os seus passos com firmeza.
Não creia que Deus tem prazer em quem anda segundo os conselhos dos ímpios.
Quem está firme no Senhor não é orgulhoso, não é vaidoso, não paga o bem com o mal, não se ensoberbece, não age com leviandade, não se prostitui, nem macula o seu leito, mas é um exemplo para os irmãos e para a família. Se essa tem sido a sua conduta, trate de se consertar com o Pai, antes que seja tarde!
Se você ainda se atormenta recordando acontecimentos desagradáveis que gostaria de se esquecer, mas que reaparecem como fantasmas interiores, não busque resposta em outros livros, o único que poderá lhe dar o caminho é a Bíblia. Mas ler apenas não adianta. É preciso praticar o que ela ensina. Nela não há contradição, mas a única e absoluta verdade que liberta. Se a sua aliança com Deus foi desfeita e você tem feito aliança com deuses estranhos, ainda é tempo de acordar.


Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão


“Bem-aventurado o homem a quem o Senhor não imputa o pecado.”(Romanos 4:8)

Amado(a), a vida cristã é luta. É luta contra a carne; contra o mundo, inimigo de Deus; é luta contra o diabo, que busca a nossa perdição. Você já se deu conta de quantas armadilhas estão por aí, para que você saia do caminho do Senhor e peque? Elas são sutis e vêm antes sob a cauterização de sua consciência. Muitas vezes você não percebe que está caindo na rede e quando vê já está no laço do inimigo. Para nos fazer pecar, o diabo nos faz de tolos, de marionetes. Ele conhece nossos pontos fracos e é ali que ataca sem misericórdia. Qual é o seu ponto fraco? É a vida profissional, sentimental, financeira? Pois saiba que onde lhe é mais sensível será o ponto de ataque. Ele não descansa enquanto não consegue o seu intento: o de lhe roubar o mais precioso bem, a salvação. Oferece a você o que parece importante, mas o que quer é tirar a bênção da vida eterna ao lado do Pai, lugar de onde ele foi excluído e agora quer levar a humanidade com ele.
É por isso que ele faz com que você peque.
O pecado nada mais é do que a transgressão aos mandamentos de Deus, segundo I João 3:4 “Todo aquele que pratica o pecado também transgride a lei, porque o pecado é a transgressão da lei”. Pecado é um ato, pois "cada um é tentado, quando atraído e engodado pelo seu próprio desejo. Depois, havendo concebido o desejo, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte." (Tiago 1:14 e 15). Tiago ainda acrescenta, exortando-nos a não errar “Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vem do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação”.
Observe que aquilo que vem do Senhor não varia, não vacila, não troca de lado, não é inconstante. O que tem levado você ao pecado? Cuide disso para que não perca seu lugar ao lado de Deus. Lembre-se de que o Senhor não se agrada de quem não obedece a Sua palavra. “Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará.” (Gálatas 6: 7b)
Deus lhe abençoe!

domingo, 21 de dezembro de 2008

Palavra Viva: Palavra para Comunhão



“Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade, E tornarem a despertar, desprendendo-se dos laços do diabo, em que à vontade dele estão presos.”(2 Timóteo 2: 25-26)

Sobre o pecado


Amado(a), pecado é o nome daquilo que nos afasta de Deus e de Suas bênçãos. O mundo ignora o pecado e age instigado por satanás como se fosse algo insignificante, que não traz conseqüências à vida cristã. Ledo engano. O pecado é o mal que assola a humanidade e a grande causa do abismo que existe entre o céu e a terra. É devido ao pecado que acumulamos tristezas, doenças e ansiedades.
Quando cometemos um pecado grave expulsamos a Deus de nossas vidas e perdemos a Sua graça. Por isso o pecado é a desgraça maior que existe no mundo. Atuar contra a vontade de Deus é atentar contra sua glória, é ofender ao Espírito Santo, é submeter-se à escravidão do diabo, é converter-se em candidato ao seu reino.
João 8: 34 nos ensina que quem comete o pecado, é escravo: “ Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado. E cada um é escravo daquele que o domina, conforme nos mostra 2 Pedro 2: 19b “Porque de quem alguém é vencido, do tal faz-se também servo”. Como é o diabo quem vence o homem induzindo-o a pecar, quem comete pecado se submete à servidão do diabo. Assim, quem comete pecado é do diabo, porque o diabo peca desde o princípio. (1 João 3: 8)
Mas o Filho de Deus se manifestou para desfazer as obras do diabo, e tirar do laço os pecadores enredados pelo príncipe das trevas, que os tinha cativos de sua vontade.
Amado(a), se você ainda não se conscientizou de que é separado por Deus e que para isso precisa lutar contra o pecado, não perca mais tempo, Jesus não morreu em vão: Ele espera que agora você faça a sua parte.
Deus lhe abençoe!

“De sorte que as línguas são um sinal, não para os fiéis, mas para os infiéis; e a profecia não é sinal para os infiéis, mas para os fiéis.” (1 Coríntios 14:22 )



Profecias

Amado(a), é certo que o cristão vive pela fé. E é constantemente assediado pelo mundo e pelas artimanhas do maligno, que muitas vezes, para confundir se transfigura em anjo de luz, como nos mostra o apóstolo Paulo em 2 Coríntios 11:14 “E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz”. Mas como o cristão pode discernir o que é genuíno, o que vem de Deus do que é falso?
É importante atentarmos para a instrução dada pelo apóstolo João: "Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo." (1 João 4:1).
As profecias são de fato orientações de Deus, para que o cristão trilhe o caminho da paz, justiça e alegria do Senhor. Mas é preciso que sejam avaliados, criteriosamente, tanto o profeta como a profecia, para que não sejam confundidos.
Paulo nos ensina em I Tessalonicenses 5:20 “Não desprezeis as profecias.” E em I Timóteo 4:14 “Não desprezes o dom que há em ti, o qual te foi dado por profecia, com a imposição das mãos do presbitério”.
Por isso é preciso discernir o que vem do Senhor e atentar para o que representa a profecia. Se ela vem para edificação da casa de Deus, para que o Reino de Deus seja conhecido e Seu nome glorificado, certamente, é verdadeira.
E assim se confirma por mais de uma voz, sem que se perceba contradição. Uma profecia verdadeira vem de um profeta que produz bons frutos. Em Mateus 7:17 está escrito que árvore ruim não pode dar bons frutos. Por isso é preciso verificar a procedência de quem profetiza: “Sua aparência externa até é mansa e muito humilde, mas por dentro é lobo devorador”. (Mateus 7:15). Até mesmo na igreja aparecem pessoas que são interlocutoras do diabo. Mesmo que tenham aparência amiga e de bondade, é fácil perceber seus frutos: veja se elas são constantes em suas atitudes, se servem a Jesus ou ao mundo, se têm uma vida reta diante de Deus. Muitas vezes pessoas são usadas para entrar na igreja para tirar de lá quem tem um chamado de Deus.
Muitos crentes fiéis têm sido levados a práticas que não condizem com a Bíblia, porque não estão olhando atentamente às profecias que têm recebido.
A mentira, a injúria, a contenda não são frutos de Deus, portanto, se você tem ouvido conselhos de pessoas que se comportam assim, saiba que está seguindo a voz de quem não tem procuração para falar pelo Senhor.
Uma profecia verdadeira glorifica a Cristo e não aos homens. Se o profeta e a profecia estiverem corretos, eles testificarão de Jesus, pois a profecia que é de Deus aponta para Jesus. Ela não deve falar de coisas mundanas, isso é adivinhação, ou cartomancia, e não provém do Senhor.
Tudo o que cria divisão no Corpo de Cristo está fora da palavra de Deus, e toda profecia verdadeira sempre concorda com Bíblia.
Assim, amado(a), confirme as profecias a seu respeito conhecendo bem o que diz a Bíblia para confrontar com a palavra recebida.
O Espírito Santo e a palavra de Deus sempre concordam entre si. ("Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens santos de Deus falaram inspirados pelo Espírito Santo." 2 Pedro 1:21)
E saiba que uma profecia verdadeira se cumpre, porque Deus zela pela Sua palavra. E quando se cumpre glorifica a Deus e aproxima você mais ainda do Senhor.
Uma profecia verdadeira produz liberdade e não escravidão. Verifique se ela o está acorrentando a algo, se assim for, refute-a pois, conforme ensina Paulo em 2 Coríntios 3:1 "Ora, o Senhor é Espírito; e onde está o Espírito do Senhor, aí há liberdade."
Amado(a), não despreze a profecia, atente para aquilo que tem sido recorrente, chamando você para atuar na obra de Deus. Ela pode vir de varias formas e, se for verdadeira, o Espírito Santo que habita em você vai ratificar e você saberá que é um privilegiado(a), porque é escolhido(a) de Deus.

Graça e Paz!

sábado, 20 de dezembro de 2008

Palavra Viva: Palavra para Comunhão


“Digno de honra entre todos seja o matrimônio, bem como o leito sem mácula; porque Deus julgará os impuros e adúlteros" (Hebreus 13:4).

Amado(a), satanás sabe que a família é plano de Deus, sabe que é na família que o Senhor edifica Sua Igreja, tem pleno conhecimento de que sozinho o homem é fraco e infeliz. Por isso é sobre a família que o príncipe do mundo vem fazendo suas investidas. Ele tem corrompido seus valores, inculcando a idéia de que é melhor se separar do que viver juntos em desavenças, de que não há nada de mais em trair, trocar de par quando a atração acaba e, assim, sorrateiramente, induz homens e mulheres a uma vida promíscua, sem compromisso, ou de compromissos com data marcada para acabar.
Essa não é vontade de Deus e, por isso mesmo, o diabo não perde tempo em agir entre o povo eleito para lhe tirar as bênçãos e a salvação.
É certo que ele tem um plano ardiloso e determinado e para o qual trabalha incansavelmente, agindo de forma sutil de modo a fazer com que pessoas inteligentes se comportem como tolas. Ele provoca uma cegueira espiritual que as impede de enxergarem o óbvio.
Por mais que seja avisada, a vítima do maligno não tem olhos para ver, nem ouvidos para ouvir. Muitas vezes se irrita e se indispõe com quem tenta alertá-la.
Nesse momento tudo contribui para que aquele que está agindo de acordo com a palavra de Deus seja visto como errado. Somente depois do lar desfeito, de vidas separadas, de muita dor e tristeza é que se percebe o quão mais simples teria sido submeter-se à vontade do Pai e restaurar o lar, cada um fazendo a sua parte.
Mas o diabo não é nem um pouco criativo e, desde Gênesis, ele tem feito sempre da mesma forma, por isso não é difícil identificar suas artimanhas, desde que nossa mente e coração estejam abertos para isso.
Quando entra em um lar, ele sabe que ali tem bênçãos perenes, prontas a serem entregues, foi o que ocorreu com o primeiro casal: havia um paraíso e promessas de abundância. Contudo, ele colocou a idéia da desobediência a Deus, a indução ao erro e a covardia em assumi-lo para atribuí-lo à companheira. Uma voz estranha ao casal era a conselheira, a amiga que estimula. Quantos casais não se separam por essa mesma atitude. Não percebem o plano diabólico e se acusam mutuamente, destruindo a força que têm, justamente por permanecerem juntos. É certo que todos sofrem com isso, quem saiu e quem ficou, mas a parte mais afetada é justamente aquela que mais precisa de Deus. Quando um lar é desfeito, no início, as promessas de mudança, de vida melhor são oferecidas, tudo parece ser festa para quem voltou as costas para o lar. Afinal, é a liberdade de viver momentos felizes, sem cobranças, numa expectativa e planos de bonança. Entretanto, o tempo mostra que os problemas voltam, em faces diferentes, que as máscaras caem, que a euforia de uma nova relação é passageira e que seria muito mais sábio investir na edificação do lar do que mudar de casa como nômade. Quem não se firma, não tem lastro, não tem uma história de sucesso, em geral é aquela pessoa que não mantém um compromisso com o Senhor e, embora pareça senhor de sua vida, é a marionete nas mãos de satanás, que tudo faz para tirá-la do caminho. Repare nas pessoas que viveram essa experiência: ao deixar a aliança, a vida melhorou? Prosperou financeiramente? Construiu uma família melhor? Obteve amor e respeito dos outros? Mais certo é que continuam a caminhar em círculos, como o povo desobediente no deserto. Se a bênção não chega é sinal de que algo não está de acordo com a vontade de Deus. É ponto para refletir e reconhecer onde está o erro.
Amado(a), não deixe que o diabo lhe roube a capacidade de discernir, peça ao Espírito Santo de Deus que lhe abra os olhos e o coração e não fique sem as benesses do Senhor.

Deus lhe abençoe!

“O que é que o SENHOR prefere? Obediência ou oferta de sacrifícios? É melhor obedecer a Deus do que oferecer-Lhe em sacrifício as melhores ovelhas”. (I Samuel 15:22)




Obediência é o princípio da vitória!

Amado(a), imagine que você, como pai ou mãe, tenha planos maravilhosos para seus filhos, mas muitas vezes fica impedido(a) de realizá-los porque os filhos não se comportam de forma a merecê-los. Assim, se você dá a eles o que não estão preparados para receber, corre o risco de vê-los perdidos e de não aproveitarem o presente concedido. Dessa forma Deus também age com você. Ele, muitas vezes, fica impedido de lhe conceder uma bênção, porque você não age com obediência a Sua palavra. Pense em quantas vezes esteve para receber algo muito esperado e não obteve. Obedecer é um princípio básico para que você seja tratado como filho e fazer jus à herança do Pai, qual seja todas as promessas de vida abundante e salvação eterna. Mas você tem agido como filho(a) rebelde. Segue sua vida por aí, ignorando que tem um Pai, cumprindo os desejos da carne e se satisfazendo temporariamente com as coisas do mundo, mesmo sabendo que elas não lhe trarão o que seu coração anseia. Por que será que só damos valor às coisas, depois que as perdemos? Por que você espera que o mundo e as pessoas com quem se compromete o(a) decepcionem, para se voltar para Deus, assim como o filho pródigo, narrado em Lucas 15:17? –“E, tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome!”
É isso, amado(a), o que acontece consigo também: sai por aí desprezando o banquete na casa do Pai, o lar, a família abençoada que Ele preparou para você e come migalhas oferecidas pelo príncipe do mundo. Quando você não tinha nada, o Senhor lhe acolheu, as pessoas que Ele colocou para estar do seu lado serviram-lhe de apoio e de abrigo. E vendo-se com dinheiro na mão, você trocou de lado, passou a viver largamente, em festas e eventos sociais, a cada dia em um lugar, desprezando a casa do Pai e aqueles que sempre estiveram consigo nos tempos difíceis. Mas um dia isso acaba, o vazio toma conta de seu coração e só pode ser preenchido pelo genuíno amor de Deus.
O "filho pródigo" nunca deu valor à qualidade de vida que seu pai lhe proporcionava. Foi preciso sair de casa, acabar com seu dinheiro, fazer tolice sobre tolice, até chegar ao fundo do poço. Foi então que, "caindo em si, disse: qualquer diarista do meu pai tem abundância de pão e eu aqui pereço de fome" (Lucas 15:17). Não é assim que, muitas vezes, tratamos as pessoas que dizemos amar? Fazemos pouco caso, oprimimos, negligenciamos, humilhamos: depois que as perdemos, choramos arrependidos.
Mas a boa notícia é que o amor de Cristo pode dar um jeito nisso. Quando refletimos amadurecidamente e tomamos consciência de que fizemos besteira, podemos sair do fundo do poço e deixar Jesus operar. Veja onde errou, onde esbanjou seu dinheiro, reconheça onde está sua família e não se esqueça de que a sua casa está de portas abertas esperando você de volta. Lá esperam por você as melhores roupas, uma mesa farta e amor verdadeiro. Mas você continua sendo livre para escolher. Prefere voltar ou continuar a comer com os porcos?



Graça e Paz!

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

“Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens.” (João 10:9)


Jesus é a Porta da Frente!

Amado(a), veja que Jesus usa a metáfora da porta para mostrar aos homens que é por meio Dele que se pode chegar a um lugar aprazível e farto. Sem Jesus qualquer passagem é enganosa. Pode-se adentrar, todavia não se encontra a salvação. Mas Jesus não é qualquer porta: é a porta da frente, aquela pela qual passam os convidados de honra, os donos da casa.
No texto de João, Jesus assim declarou: "Todo aquele que recusa entrar no estábulo pela porta e que prefere esgueirar-se por cima do muro é certamente ladrão. Porque o pastor, esse entra pela porta; o guarda abre-lha, as ovelhas ouvem a sua voz e aproximam-se dele; ele chama as ovelhas pelo seu nome e leva-as para fora. Depois de as ajuntar, ele caminha à sua frente e elas seguem-no, porque reconhecem a sua voz. Se fosse um estranho, não o seguiriam; antes fugiriam dele por não lhe conhecerem a voz."
Aqueles que ouviram este exemplo não compreenderam o que queria dizer, e assim Jesus explicou:
"Eu sou a porta das ovelhas. Todos os que vieram antes de mim eram ladrões e salteadores, mas as ovelhas não os escutaram. Eu sou a porta. Quem entrar por mim se salvará. E entrará, sairá e encontrará pastagens. O ladrão só quer roubar, matar e destruir. Mas eu vim para dar vida, e com abundância."
Jesus ainda declarou todo o seu amor pelas ovelhas - pessoas (nós!), afirmando com essa analogia, relatada em João 10:11-16: "Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas. Mas o mercenário, e o que não é pastor, de quem não são as ovelhas, vê vir o lobo, e deixa as ovelhas, e foge; e o lobo as arrebata e dispersa as ovelhas. Ora, o mercenário foge, porque é mercenário, e não tem cuidado das ovelhas. Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido. Assim como o Pai me conhece a mim, também eu conheço o Pai, e dou a minha vida pelas ovelhas. Ainda tenho outras ovelhas que não são deste aprisco; também me convém agregar estas, e elas ouvirão a minha voz, e haverá um rebanho e um Pastor”.
Amado(a), Jesus está do seu lado agora, esperando que você entre pela porta da frente e te libertar de uma vez!
A passagem é gratuita! Faça a sua escolha e conheça a liberdade que Jesus está lhe oferecendo!



Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão



“Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna.”(Gálatas 6:8)

Amado(a), o casamento, segundo os princípios de Deus é uma das ricas bênçãos que o cristão pode ter em vida. De nada adianta almejar outras bênçãos se elas não forem compartilhadas em um lar harmonioso. A família é o alicerce da sociedade e o esteio do homem, por isso o Criador a edificou como base de sua criação. Desde gênesis isso é evidenciado. Assim, quando seguimos o plano divino, gozamos das maravilhas do amor e da segurança nesta vida, e a expectativa de um lar perfeito na eternidade.
Mas, para que existam segurança e alegria no casamento, é necessário compromisso absoluto. Por isso Jesus ordenou pelo apóstolo Paulo: "...cada um tenha a sua própria esposa, e cada uma, o seu próprio marido" (1 Coríntios 7:2). Pode ser que você, no passado, tenha ignorado esse ensinamento e por isso tem colhido as conseqüências do pecado, conforme nos é lembrado em Gálatas 6:7-8.
O compromisso absoluto cria confiança no casamento, ele gera fidelidade, o que não ocorre com aqueles que têm meio-compromisso. Cria estabilidade, necessária ao casamento, pois não é bom que se viva em constante insegurança, sem saber que se pode confiar no cônjuge, sem ter a certeza de um teto e do aconchego de um lar permanente. O homem não é como a tartaruga que põe sua casa nas costas e se abriga a cada momento em um lugar diferente. O homem foi criado para ter um lar definitivo, uma família que lhe dê suporte. Mas não se esqueça, amado(a), crianças não trocam alianças, por isso Deus espera que homens e mulheres, maduros e preparados se comportem com lealdade e honrem a palavra empenhada, pois o compromisso absoluto constrói um alicerce sólido como a base do casamento. Sem esse alicerce, nenhuma família de qualidade será construída.
O que você espera para sua vida?
Deus lhe abençoe!

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

“Agora, pois, o SENHOR use convosco de beneficência e fidelidade; e também eu vos farei este bem, porquanto fizestes isto.” (2 Samuel 2:6)



Amado(a), as vezes você tem se perguntado por que, apesar de tanto esforço, as coisas não se resolvem na sua vida. Você sonha, acredita, confia, batalha com suas forças, mas não sabe por que muitos conseguem o que você tanto anseia e nunca concretiza. A resposta, amado(a), está nas suas atitudes diante de Deus e daqueles que Ele tem colocado em seu caminho. Está na sua fidelidade. Quem testemunha fidelidade, também testemunha bênçãos. Você pode observar isso na igreja e nas suas relações pessoais. Mas quem vacila e não consegue sequer manter um compromisso, colhe a instabilidade que planta. Nenhuma planta que muda de terreno o tempo todo, que um dia está no claro, outro dia sem luz, pode germinar. E você? Onde tem plantado seus pés? Reflita sobre sua conduta diante disso e tenha a resposta: você coloca seu pacto de louvar e reverenciar a Deus em primeiro lugar, ou vai ao culto como se fosse uma ocasião social, quando não tem outro compromisso em sua agenda? O encontro com os amigos, com namorado(a), vem em primeiro lugar? Você vai à igreja no domingo que seu time joga? Seu coração deseja estar na casa do Senhor para louvá-lo e glorificá-lo e espera ansiosamente por esse momento, ou apenas segue um ritual, desde que não tenha outro compromisso social?
Creia que pessoas realizadas e que testemunham vitórias em sua vida pessoal, financeira e profissional não colocam antes de Deus nem mesmo seu trabalho ou qualquer outro compromisso, por isso elas são honradas, posto que honram primeiro a Deus. Pergunte a essas pessoas que relação há entre sua conta sempre no azul e sua fidelidade na entrega dos dízimos. Pergunte a elas se o estar na casa de Deus e a comunhão com os irmãos não têm sido motivo de júbilo e não de obrigação. Com toda certeza, elas buscam primeiro o reino de Deus, por isso tudo o mais lhes é acrescentado.
Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão





“E eu, João, vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que de Deus descia do céu, adereçada como uma esposa ataviada para o seu marido.”(Apocalipse 21:2)

A bênção de um compromisso absoluto

Amado(a), o casamento é tão importante para Deus que Ele usa essa relação para designar o compromisso da Igreja com o reino do Céu. Repare que, em vários momentos, a Bíblia se refere ao casamento, dando-lhe destaque. Não foi por acaso que o primeiro milagre de Jesus foi realizado durante uma festa de casamento, para a qual Jesus foi convidado. Há dois relacionamentos em vida nos quais Deus espera compromisso absoluto: o relacionamento do cristão com Cristo e o relacionamento conjugal. O primeiro é sempre associado ao segundo, de acordo com as Escrituras. Você pode mudar de emprego, de cidade, de bairro ou até mesmo de igreja. Todavia, o seu compromisso com Cristo e com quem trocou alianças são para a vida toda. O abandono de qualquer dos dois traz o desprezo de Deus. Não é por acaso que a aliança, o símbolo do casamento e também das promessas de Deus, tem formato de círculo, isso quer dizer que é infinito, ou, o que Deus une, o homem não separa. Ou, o que Deus garante, não há homem que desfaça. A aliança é um símbolo de permanência de algo que não tem fim.
Assim, quando uma pessoa se torna cristã, ela promete sua lealdade a Cristo como seu Senhor. Mesmo que venham tentações ou problemas na igreja, ela promete ser fiel até a morte. Semelhantemente, quando alguém troca alianças com seu par, promete seu amor e fidelidade enquanto os dois viverem. Mesmo que problemas surjam, doenças, dificuldades financeiras, pressão dos membros da família, ou mal-entendidos, a promessa firmada deve ser mantida.
Quem não consegue manter um compromisso, com Deus, ou com o cônjuge, é instável e está sempre inseguro, não consegue se firmar, ou concluir o que inicia. Não se realiza e está sempre em busca de algo que jamais consegue atingir. Isso é explicado na Bíblia, pois a vontade de Deus em relação à permanência do casamento é claramente revelada. No casamento, um homem deixa seu pai e sua mãe e se une à sua esposa (Gênesis 2:24). São ligados (Romanos 7:2-3). São ajuntados por Deus e não devem ser separados (Mateus 19:6). Eles se tornam uma só carne (Mateus 19:6). Não conseguimos imaginar termos mais fortes para descrever a permanência do relacionamento. Não é de admirar que Malaquias disse que Deus odeia o divórcio (Malaquias 2:16).
Amado(a), mesmo que o mundo apresente o contrário, uma aliança não é um adorno, uma jóia que usa por um tempo e se coloca na gaveta quando parece não mais ornar. Uma aliança não vale o preço de mercado, mas tem o valor de honra e isso não tem preço. Deus lhe abençoe!

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

“E disseram um para o outro: Porventura não ardia em nós o nosso coração quando, pelo caminho, nos falava, e quando nos abria as Escrituras?” (Lucas 24:32)



Perdas


Amado(a), quão duro é conviver com nossas perdas. Entretanto, mais cedo, ou mais tarde, todos nós perdemos algo ou alguém que nos é caro. Muitas vezes, amargurados por nossas perdas, não nos damos conta de nossas vitórias e delas não tomamos posse, para ficarmos lastimando o que não temos, ou que deixamos de ter, por um período de tempo.
Nesse texto em epígrafe, Lucas narra o sentimento dos discípulos, após a morte de Jesus, quando eles saíram pelo caminho de Emaús e não perceberam que Jesus caminhava com eles. Assim como eles, sofrendo pela dor de nossas perdas, nós também perambulamos pelo caminho e nada nos conforta. Mas nesse momento é preciso que voltemos nossos olhares para Deus e busquemos os Seus planos para nós. É preciso sentir a presença reconfortante do Senhor e nos apegarmos em Suas palavras. Nem sempre o que perdemos pode ser contabilizado como prejuízo, mas muitas vezes era o peso que precisava ser tirado de nossa bagagem para que ganhássemos uma bênção maior. Pense nisso antes de murmurar e de reclamar que o Senhor lhe abandonou. Você é por demais precioso(a) para Deus e Ele não lhe desamparará.

Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão




“E disse o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora idônea para ele.”(Gênesis 2: 18)

A relação do casamento: dois se tornam um

Amado(a), veja a beleza do plano divino, ao juntar duas pessoas completamente diferentes numa união completa. Perceba que desde o princípio o Senhor não pretendia deixar o homem sozinho, por isso lhe fez uma companheira perfeitamente adequada. Não estava nos planos de Deus que o homem seguisse por aí, a cada dia, procurando uma mulher diferente. Seu plano era e ainda é de dar ao varão uma mulher única, que o ajude e que o acompanhe em todos os momentos. Quando um homem e uma mulher assumem um compromisso, eles formam uma nova e única unidade. Eles dividem uma relação sexual especial que jamais deve ser compartilhada com outros. Veja o que ensina o apóstolo Paulo sobre essa relação em 1 Coríntios 7:3-5: “O marido pague à mulher a devida benevolência, e da mesma sorte a mulher ao marido. A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no o marido; e também da mesma maneira o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, mas tem-no a mulher. Não vos priveis um ao outro, senão por consentimento mútuo por algum tempo, para vos aplicardes ao jejum e à oração; e depois ajuntai-vos outra vez, para que Satanás não vos tente pela vossa incontinência”.
Muitos casais desagradam ao Senhor quando agem de forma egoísta, não dando o devido amor ao cônjuge, privando um ao outro do dever matrimonial, quer como pirraça, quer como forma de distanciamento que fatalmente dará lugar ao diabo que se aproveitará dessa brecha para inculcar seu plano de destruição do lar. Ele mais do ninguém sabe da intenção de Deus de formar um lar baseado no amor e no respeito e como é importante que os cônjuges estejam em harmonia para que a família prospere em amor e em santidade.
Quando a mulher segue o que é ensinado em Efésios 5:22-33, ambos participam de sonhos e amarguras, de conquistas e derrotas, do frescor da juventude e da fragilidade da velhice, de forma cooperativa e singular. Tornam-se nós e nãos eus que disputam quem é melhor. Desse modo, a vida se desenrola no plural, os problemas são compartilhados e as bênçãos multiplicadas. Sozinhos as pessoas se perdem em buscas inócuas.
Amado(a), não desista dos planos de Deus para sua vida, só porque está enfrentando uma crise. Isso passa, só a palavra do Senhor permanece. O mundo e seu príncipe podem ter lhe vendido a idéia equivocada de que a entrega amorosa e a confiança acontecem instantaneamente, quando na verdade são qualidades que levam anos a se desenvolver. Portanto, é preciso perseverança para que sua relação seja aquela que você sonha e aquela que Deus tem planejado para você.
Se há algo em sua vida que precisa mudado, ainda há tempo: não deixe de ser abençoado por orgulho ou desobediência. O Senhor se agrada daqueles que mantém vivo o compromisso assumido, ainda que enfrente lutas.




Deus lhe abençoe!

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

“Em todo o tempo ama o amigo e para a hora da angústia nasce o irmão”. (Provérbios 17:17)




Amizade cristã

Amado(a), a Bíblia Sagrada faz alusões à amizade e demonstra em várias passagens a sua importância. Jesus se mostrou amigo e colocou em relevo esse sentimento em diversos momentos. Salomão lembrou-nos do quanto é valioso aos homens cultivar verdadeiras amizades, mas muitos não se apercebem desse tesouro incalculável. Há pessoas que agem como se dependessem apenas delas e não se dão conta de que chegará um momento em que precisarão do irmão. São pessoas que plantam a solidão. Não sabem valorizar aqueles que estão ao seu lado nos momentos difíceis. No entanto, vivem se cercando de amizades temporárias que são substituídas com a mesma rapidez com que aparecem. Não criam lastros, não se firmam nas relações. E isso, em geral, pode ser percebido em todas as suas formas de se relacionar. São pessoas que agem de acordo com o momento: ora são todas solícitas, desdobram-se para agradar e serem úteis, mas esse papel logo é substituído por outro: o da negligência, do abandono, da insatisfação e do descaso. Em geral, essas pessoas nunca têm um círculo de amizades fixas, seu quadro de relações é tão inconstante quanto elas. São ressentidas e se irritam ao menor sinal de que não estão sendo aceitas. Assim, preferem trocar os amigos, em vez de entender que as relações são feitas de diferenças. O resultado disso é a crescente inquietação e a sensação de que as pessoas são passageiras. Mas, no momento da dor e da angústia, a solidão se apresenta, pois os ombros apoiadores já não estão presentes. É como se fossem estrangeiras em terra natal. A cada ciclo, um grupo de pessoas.
Essa, amado(a), não pode ser a conduta de um(a) cristã(o). Não foi isso o que Jesus nos ensinou. Ele cultivou amigos, até mesmo aqueles que eram rudes. O cristão não pode trocar de amizades como troca de roupa e, a cada fase de sua vida, desfilar com um grupo de pessoas, desprezando outras. Quem faz um amigo deve guardá-lo infinitamente. Mesmo que outros surjam, ninguém substitui ninguém. Todos devem ter um espaço no coração daqueles que decidiram agir como Jesus agiu.
Mas amigo de verdade não é aquele da hora, do momento de alegrias, das festas e tempos bons, amigos verdadeiros ficam nos bastidores, não deixam de ser porque não estão em evidência. O verdadeiro amigo reconhece as fraquezas do outro e nem por isso o abandona.
Amado(a), como você tem se comportado com relação aos seu círculo de amizades? Seus amigos do início do ano estarão com você celebrando mais um ano do Senhor, ou você já nem se lembra mais quem eram seus amigos do mês passado? Não se esqueça de que na vida tudo é colheita e você será sempre livre para escolher. Se quer um irmão, plante um amigo. Mas se quer solidão, vire as costas para aqueles que já não compartilham de suas expectativas. Afinal, você não está nesse mundo para ouvir broncas! Mas se quer compartilhar um pouco da sabedoria de Salomão, atente para o que ele diz em Provérbios 28:23: “O que repreende o homem gozará depois mais amizade do que aquele que lisonjeia com a língua”. O tempo e as suas experiências lhe dirão o que fazer. E quem verdadeiramente é seu amigo.


Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão



“Também vos digo que, se dois de vós concordarem na terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus.”.(Mateus 18: 19)

Amado(a), você tem buscado a vontade de Deus em seu relacionamento? Pois saiba que não há casamento problemático. O que há, na verdade, são pessoas com problemas que se casam e não se dispõem a entregar seu relacionamento a Deus. O que há são pessoas que se unem por um capricho pessoal e não se lembram de que, antes de suas vontades, está a vontade de Deus. Essas pessoas agem como se fossem auto-suficientes e não precisam de ninguém para orientá-las. Assim, se há uma crise a ser enfrentada, preferem abandonar o barco e buscar outra experiência. Afinal não estão dispostas a correr o risco de consertar o que errou, mas preferem errar novamente com uma pessoa diferente.
Reconciliar pra quê? Concordar pra quê? Se é mais fácil discordar. Não colocar o coração no mesmo propósito. Observe que a raiz das relações humanas está também alicerçada no tipo de relacionamento que você tem com Deus. Se você é fiel a Deus, se desenvolve o fruto do Espírito, também o fará em seu casamento.
Amor, alegria, paz, paciência, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Que bom seria se você pudesse desenvolvê-lo no casamento. Amor não é uma capacidade humana: é fruto do Espírito. O milagre no casamento cristão começa quando dois concordam entre si. E concordar significa um coração estar com o outro. Quando ambos procuram o coração de Jesus Cristo, e quando suas mentes procuram a mente de Jesus de Nazaré. Quando Jesus Cristo é o Senhor do seu lar e de sua vida, você consegue olhar para sua esposa, ou marido, com um novo olhar; com nova compreensão. Só assim os relacionamentos são estáveis e duradouros, fora disso são como fogo de palha, que, ao menor sinal do vento, acende com a mesma intrepidez com que se apaga.
É essa a forma de relacionamento que você quer para sua vida? Se não, amado(a), reveja suas atitudes e veja como tem desenvolvido em sua vida o fruto do Espírito. A vontade de Deus é que sua união tenha um clima espiritual, conforme ensina Mateus 18: 19.


Deus lhe abençoe!

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

“Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo”. (1 João 4:1).




Nem tudo o que parece é. Você tem se encantado com palavras doces, com teorias e filosofias que tentam explicar certas situações de sua vida, mas é preciso que elas sejam provadas à luz da palavra. O que vem de Deus se confirma, pelas Escrituras, pelos frutos. Nenhuma árvore má produz bons frutos. Aquilo que o Senhor tem preparado para você, ninguém pode tirar, pois a porta que Ele abre ninguém fecha, nem mesmo a sua tola convicção. Se você tem insistido nos mesmos erros, buscando explicações na palavra de Deus, saiba que ela própria irá conduzi-lo à verdade. Não se deixe enganar por falsos sorrisos, por falsas promessas. O que vem de Deus é testado e confirmado repetidas vezes. O que vem do Senhor persevera. O que é efêmero e passageiro, que cede aos movimentos do vento, tão logo se saberá. Seja em que sentido for de sua vida, coloque em prova, comporte-se como os cristãos de Beréia. Como eles “Receberam a Palavra com toda a avidez, examinando as Escrituras todos os dias para ver se as coisas eram, de fato, assim”. (Atos 17:11), também aja colocando em prova as palavras que lhe caem como verdades. Ouvir a palavra corretamente é necessário para que possamos crescer como cristãos maduros. Todos precisamos ter cuidado em como ouvimos.
Os cristãos de Beréia ouviram a Palavra corretamente: primeiro, eles a receberam avidamente; depois eles a confirmaram nas Escrituras; e creram nela quando a acharam verdadeira. É um exemplo que devemos seguir para não nos enredarmos em falsas doutrinas.


Graça e Paz!

Palavra Viva: Palavra para Comunhão



“Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem" (Mateus 19:6).

Amado(a), para uma união duradoura, é necessário que se veja o Casamento pelos olhos de Deus "Porque o Senhor foi testemunha da aliança entre ti e a mulher da tua mocidade..." (Malaquias 2:14).
O casamento não é invenção humana que pode ser decidida e extinguida conforme os interesses dos homens. Foi criado por Deus e Ele é testemunha dos nossos compromissos. É preciso, pois, que aprendamos a ver o casamento como Deus o vê. Muitas pessoas pensam que o mundo moderno permite o cancelamento de uma união, porque crêem que se a relação está enfrentando problemas é sinal de que deve chegar ao fim. Essa é uma falácia que o inimigo incute na mente daqueles que se desviam da palavra. Em situações de crise, os cônjuges são tentados a buscar apoio fora do lar, a encerrarem o diálogo, ou a procurar mínimos motivos para discussão. Quando a palavra de Deus é clara: "Maridos, vós, igualmente, vivei a vida comum do lar, com discernimento...para que não se interrompam as vossas orações" (1 Pedro 3:7).
A infidelidade surge dessa desobediência. Não precisa necessariamente ser infidelidade sexual, mas se um dois deixa de cumprir suas obrigações matrimoniais, de procurar resolver em casa seus conflitos e procura distante do lar a solução, que na verdade não chegará, está dando brechas ao inimigo que tem o objetivo de destruir o lar.
Aqueles que ignoram o plano divino sofrem as tristes conseqüências de lares desfeitos e seguem solitários em busca de uma relação utópica, pois todo e qualquer relacionamento exige renúncia e dedicação. O que Deus uniu, o homem não deve separar. Mas é preciso determinação e responsabilidade para que se cumpram os compromissos firmados entre duas pessoas, mesmo que não sejam feitos com pompa e circunstância. O compromisso é a palavra dada, ao companheiro e sob a vista de Deus. O homem que se precipita em dizer seus votos, também se precipita em abandoná-los e deixa um lar em destroços. Dele prestará conta a Deus, pois Ele conhece o coração dos homens. Nem leis humanas nem doutrinas diversas podem mudar o fato que Deus permite apenas dois motivos para contrair novas núpcias: morte do primeiro companheiro (Romanos 7:3; 1 Coríntios 7:8-9,39) ou divórcio porque o parceiro cometeu adultério (Mateus 19:9).
Amado(a), se você sente que não está sendo cumpridor(a) da palavra de Deus, Ele lhe diz que ainda é tempo de se arrepender. A família é o seu bem mais precioso, depois da sua salvação em Cristo Jesus. Não a negligencie, não se enrede nas armadilhas de satanás. Deixe o mundo e as suas concupiscências e recomece fazendo a vontade de Deus.

Deus lhe abençoe!