Traduza este blog

domingo, 31 de julho de 2011






Mas qualquer que me negar diante dos homens, eu o negarei também diante de meu Pai, que está nos céus. (Mateus 10:33).






Amado(a), reconhecer o Senhorio de Jesus é condição essencial à vida cristã. E, segundo Jesus, isso deve ser feito publicamente, diante de outras pessoas, até mesmo aqueles que se opõem ao Seu padrão de existência.
Todos os dias, temos a oportunidade de fazer o que Jesus nos ensinou. Entretanto, vemos que muitos fazem isso apenas quando lhes convém. Pedro e Pilatos são dois exemplos de pessoas que tiveram a oportunidade de tornar público um compromisso pessoal com Jesus Cristo, mas não o fizeram. A diferença entre esses dois personagens bíblicos é que Pedro, após experimentar sincero arrependimento, converteu-se e aproveitou uma nova oportunidade para confessar o Senhor. Ao passo que Pilatos preferiu lavar a mãos e deixar para os outros a sua responsabilidade. Quantos de nós temos agido como Pilatos e negado ao Senhor diante de amigos, colegas, chefes porque julgamos que não podemos assumir nossa condição de cristão? Interessante é que demonstramos o maior empenho e orgulho em estampar a camisa de nosso time, de levantar a bandeira de algum partido, de assumir publicamente nosso encantamento por algum ator, ou cantor e até mesmo deixamos claro nas redes sociais e em nossas mesas as nossas preferências por alguém. Contudo,
quando nos vemos em situação difícil clamamos a Jesus e, na primeira oportunidade de assumirmos nosso relacionamento com Ele diante dos homens, declinamos por vergonha, timidez ou covardia. Precisamos prestar atenção às palavras de Jesus, lembrando que muitas as pessoas que nos cercam nos abandonam ao primeiro sinal de um eventual fracasso, mas Deus se mantém fiel em todas as circunstâncias.






Graça e Paz!

sábado, 30 de julho de 2011




E tudo isto provém de Deus, que nos reconciliou consigo mesmo por Jesus Cristo... Isto é, Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não lhes imputando os seus pecados; e pôs em nós a palavra da reconciliação. (2 Coríntios 5:17-19)




Amado(a), a palavra de Deus para nós hoje é “reconciliação”. Ele quer nos lembrar que Jesus deu o exemplo e mesmo sem culpa alguma reconciliou-nos com o Pai pelo seu sacrifício. Tirou de nós o peso do pecado e nos fez herdeiros das promessas. Entretanto, muitos não compreendem essa linguagem e não seguem o exemplo de Cristo, preferindo continuar obstinadamente a pecar e a se distanciar do Reino de Deus. Muitos desconhecem o significado da palavra reconciliação. Mesmo colhendo os frutos amargos da mágoa, da depressão, preferem se isolar a reconciliar com os irmãos, com a família, com a Igreja.
Amado(a), Deus está falando especialmente com aqueles que precisam de alguma forma liberar perdão para se libertarem das amarras da culpa. Está falando com aqueles que se culpam e distribuem suas culpas aos outros, mas não dão o primeiro passo para a reconciliação. Se o Espírito Santo lhe incomoda neste momento, faça a sua parte. Dê um passo em direção à sua libertação, ainda que isto lhe custe o orgulho. Só assim conseguirá a paz e a felicidade que tanto busca fora ou nos outros.
Graça e Paz!

sexta-feira, 29 de julho de 2011



Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim vós sois como vossos pais. (Atos 7:51)


Amado(a), o Senhor nos chama a atenção para o fato de sermos obstinados na teimosia e de termos o coração duro ao ponto de não deixarmos que o Espírito Santo nos oriente. A Bíblia nos dá vários exemplos de pessoas que se deixaram levar pelos próprios pés, que não abriram seus corações para perdoar ou para se submeter à soberania de Deus. O próprio exemplo de pessoas à nossa volta deveria servir para nos indicar que caminho não devemos seguir. Entretanto, muitos insistem em obstinar na teimosia e fazem exatamente o que já sabem que levará uma conseqüência ruim. A lei de causa e efeito é óbvia e natural. Ela acontece porque acionamos os seus comandos. Mas temos o benefício da escolha. Podemos escolher como fez Josué 24:15.
Graça e Paz!


quinta-feira, 28 de julho de 2011



“Em tudo, dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco”. (1 Tessalonicenses 5:18)




Amado(a), observe que o apóstolo usa a expressão “em tudo”, ao nos ensinar a exercitar a gratidão. Isso significa que não devemos ser gratos apenas nos momentos de bonança, de “vacas gordas”, mas também nas adversidades, porque essa é a vontade de Deus. Ser grato não pode ser uma reação eventual, relacionada a uma experiência positiva apenas, mas uma atitude cristã constante. A conjução traduzida por “porque” também poderia ser traduzida por “pois” expressando o sentido de “causa”. Ou seja, a vontade de Deus é o ensejo desta conduta orientada pela gratidão em tudo. Portanto, a expressão de Paulo não é uma sugestão, mas uma clara determinação da vontade de Deus para que sejamos agradecidos permanentemente. Tomemos o exemplo de Cristo que em todo o tempo e circunstância foi grato ao Pai. Mesmo quando bebia o cálice das tribulações. Ele nos ensina a oferecer ações de graças mesmo quando nem tudo está como gostaríamos. É na gratidão que agradamos a Deus. Assim, devemos aprender a ser gratos aos nossos irmãos e até mesmos àqueles que nos ferem. Muitas vezes Deus usa o mal que nos fazem para nos fazer bem. Por isso e, principalmente, pela graça da salvação devemos iniciar o dia e terminá-lo com ações de graças.
Graça e Paz!

quarta-feira, 27 de julho de 2011



"Em lugar da vossa vergonha tereis dupla honra; e em lugar da afronta exultareis na vossa parte; por isso na sua terra possuirão o dobro, e terão perpétua alegria" (Isaias 61:7).

Amado(a), o profeta Isaias mostra àqueles que perseveram em seguir o Estatutos do Senhor que, ainda que as circunstâncias sejam adversas, como foi com Jó e outros personagens bíblicos, Deus honra duplamente os que se mantém íntegros. A Bíblia narra que o SENHOR abençoou o último estado de Jó, mais do que o primeiro. A história de Jó poderia ter se encerrado no capítulo 41, mas por conta da persistência e da integridade o Senhor acrescentou o capítulo 42 em sua vida. Por isso lemos em Jó 42:10 “E o SENHOR virou o cativeiro de Jó, quando orava pelos seus amigos; e o SENHOR acrescentou, em dobro, a tudo quanto Jó antes possuía”.

Amado(a) Deus está falando com você neste momento. Se tem sido humilhado(a), desprezado(a); se as suas lutas parecem não ter fim e se o inimigo, ou até mesmo os amigos tentam lhe desanimar acerca das promessas de Deus em sua vida, saiba que Ele não muda. O que fez a Jó também fará a você. Creia: em lugar da vergonha terá dupla honra, mas para isso é necessário agir como Jó. Seja perseverante e Deus escreverá o capítulo 42 em sua vida.

Graça e Paz!

terça-feira, 26 de julho de 2011



E guardai os meus estatutos, e cumpri-os. Eu sou o SENHOR que vos santifica. (Levítico 20:8)



Amado(a), observe que neste trecho Moisés é portador da palavra de Deus que nos exorta a guardar a palavra de Deus. E para que não haja distorção ou compreensão dúbia do sentido do verbo guardar, deixa claro que guardar aqui não é esconder, economizar, arquivar ou poupar. Ele ratifica o sentido pretendido quando acrescenta o verbo cumprir. Guardar quer dizer reter o ensinamento executando-o. Não apenas aprendendo sem apreender como parece ser a atitude de muitos que conhecem a palavra, mas não a pratica. Ele completa reportando a palavra do Senhor, quando afirma que é por meio Dele que conseguiremos guardar a palavra dentro da vontade de Deus. Não basta conhecer a palavra. É preciso praticá-la. Um dos maiores conhecedores da Bíblia é satanás e ele a tem usado para distrair os filhos de Deus. Ele tem recortado a verdade de forma que ela, isolada de seu contexto cria opções que o mundo tem adotado como verdade relativizada. O apóstolo Paulo nos ensina em Gálatas 5:25 “Se vivemos em Espírito, andemos também em Espírito”. Somente nesta condição podemos discernir o que é a Palavra e o que são os discursos do mundo que Dela se apropriam. Amado(a), esteja atento. O diabo não desistiu de seu plano e não se acomoda como muitos cristãos. Ele conhece a Bíblia e sabe manejá-la. E você? Está preparado para usá-la em sua defesa, ou vai se deixar apanhar pelo desconhecimento? Jesus nos disse que se conhecermos a verdade ela nos libertará. Pense nisto!

Graça e Paz!

segunda-feira, 25 de julho de 2011



Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? Ou que dará o homem em recompensa da sua alma?" (Mateus 16:26)


Amado(a), Jesus nos faz esta pergunta ainda hoje, e mais do que nunca, percebemos o quanto o mundo e suas propostas têm desviado as pessoas do seu propósito cristão. Precisamos refletir sobre esse questionamento de Jesus antes de qualquer decisão que nos leve a sair do alvo. Diante de tanta motivação para o consumismo, de tanta proposta de corrupção, de obtenção de poder e de status muitos caem em tentação. Jesus resistiu ao diabo e nos deu o exemplo a seguir. Precisamos compreender que essa vida e tudo que ela oferece são efêmeros e o que importa mesmo é a vida eterna contemplando a Glória de Deus. Nenhum tesouro, nenhum poder ou satisfação terrena devem ser colocados à frente da salvação. Por isso, amado(a), avalie antes se as propostas que lhes são feitas estão de acordo com a vontade de Deus. Se não, é melhor manter-se distante da tentação de conquistar o mundo, para não perder a alma.

Graça e Paz!

domingo, 24 de julho de 2011



“porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; (I João 5.4)



Amado(a), há algumas verdades, reiteramente explicitadas na Bíblia, o nosso manual de instrução para vencermos o inimigo de nossas almas. Entretanto, elas vem sendo esquecidas ou não empregadas. Essa é a vontade do diabo: nos distrair de tal forma que esqueçamos a maneira correta de vencê-lo. O apóstolo João no texto em epígrafe nos lembra uma dessas verdades: quem é nascido de Deus vence o mundo. O que deveria ser uma constatação óbvia, se compreendemos que Deus é soberano, passa despercebida, porque não assumimos verdadeiramente nossa condição de herdeiros e, por isso, caímos nas ciladas de satanás que usa como principal estratégia para conseguir seu intento a sugestão de que somos fracassados. Ora, quem é nascido de Deus, quem aceitou o plano de salvação de Cristo é naturalmente vencedor. Mas precisamos tomar parte neste plano, entendendo que nossa luta é contra o pecado, e temos que ser firmes na resolução de não abrir brechas para que o acusador nos enfraqueça. Eis porque é fundamental nos afastarmos das más influências. Elas são o estopim para nos desviarmos de nossos propósitos e o inimigo sabe disso, fazendo parecer que são inofensivas. Muitas vezes ele nos faz pensar que somos fortes o bastante para nos envolvermos com pessoas que potencialmente podem nos desviar dos caminhos de Deus. Outras vezes ele entra na própria igreja e nos faz pensar que já estamos firmes o suficiente para evangelizarmos no terreno do inimigo e assim esquecemo-nos de vigiar, abrimos brechas quando passamos a fazer o contrário do que a Bíblia nos ensina, e aos poucos passamos a fazer exatamente o que o inimigo espera. Mas nunca é demais lembrar que já temos a vitória. É preciso tão somente decisão firme de abraçar essa vitória.
Amado(a), quando se sentir fraco, lembre-se de que Deus coloca em seu caminho pessoas que lhe darão bons conselhos. Siga-os, mesmo que eles sejam exatamente o contrário de seus desejos.
Graça e Paz!

sábado, 23 de julho de 2011



E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz.
(2 Coríntios 11:14)


Amado(a), o único objetivo de satanás, do qual não desiste, é levar as pessoas a desistirem de buscar o caminho da salvação, de tomar posse do que Jesus já conquistou por nós na cruz. Para isso ele usa as mais diversas estratégias, mas não muda sua intenção. Ele até se faz de bonzinho, entra sutilmente na vida daqueles que conhecem a palavra e, conhecendo o ponto fraco de cada um, usa as brechas que lhes convém. Nem sempre ele se apresenta com as garras e o tridente. Muitas vezes ele usa o “amigo” que nos entusiasma a fazer algo que não faríamos sem tal apoio. Algumas vezes usa o companheiro que nos impede de ir à casa de Deus. Outras vezes o chefe que nos enche de trabalho e até mesmo a família que nos cobra a participação em eventos que nada têm de sagrado nem contribuem para a nossa edificação pessoal ou espiritual.
O fato é que ele é persistente e não desiste de seu propósito. Todo cuidado é pouco quando se trata de zelarmos pela nossa salvação. Deus nos dá o manual de instrução para sabermos como agir. Ele nos ensina a fugir da tentação e no dá a liberdade de escolha. Mas cabe a nós a decisão, sabendo que dela colheremos as inevitáveis consequências.
Graça e Paz!

sexta-feira, 22 de julho de 2011


“Digo-vos que de toda palavra frívola que proferirem os homens, dela darão conta no dia do juízo; porque pelas tuas palavras serás justificado e pelas tuas palavras serás condenado” (Mateus 12:36-37).


Amado(a), Jesus nos adverte sobre o poder de nossas palavras e sobre o quanto somos responsáveis pelo que proferimos. Platão dizia que a palavra é “Pharmakon”, a palavra grega que equivale à ideia original de farmácia. Um lugar que vende veneno, remédio ou cosméticos. A palavra, para esse filósofo, pode ter o poder de matar, curar ou mascarar. Se a usamos na dose equilibrada, podemos gerar vida, estimulando nosso próximo, mas a mesma palavra que cura também pode matar, quando a usamos para agredir, para acusar ou para amaldiçoar. Também podemos esconder ou maquiar algo, se a usamos como um cosmético. Para o bem ou para o mal, seremos responsabilizados pelo uso que fazemos da palavra e prestaremos conta disso. Às vezes Deus nos dá a incumbência de remédio na vida de alguém e isso implica saber dosar a palavra para que ela, seja usada na porção de cura. Nesse caso é necessário ter o discernimento para saber quando admoestar para que a pessoa não dê um passo errado, ou corrija os seus passos e quando é necessário apenas usar a dose do conforto, do apoio e do estímulo. Para isso precisamos estar em sintonia com o Espírito Santo que nos apontará como agir, pois há momentos em que será necessário usar de remédio amargo e outros em que será essencial que usemos de doçura.
Graça e Paz!

quinta-feira, 21 de julho de 2011




“Porque foste a fortaleza do pobre, e a fortaleza do necessitado, na sua angústia; refúgio contra a tempestade, e sombra contra o calor; porque o sopro dos opressores é como a tempestade contra o muro. (Isaías 25:4)


Amado(a), o profeta reconhece o quanto Deus é bom e misericordioso e esta constatação também nós precisamos fazer todos os dias. Quantas vezes estamos atravessando momentos de crise e eis que surge diante de nós um livramento de onde menos esperávamos. Deus coloca pessoas no nosso caminho para nos ajudar e nos aliviar, dando-nos apoio ou até mesmo nos admoestando nos momentos de fraqueza. Quando Jesus nos diz em Mateus 11:28 “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei”. Ele é o nosso auxílio constante, mas nem sempre percebemos ou visualizamos isso. Às vezes o Senhor se manifesta a nós por intermédio de pessoas que cruzam nossos caminhos e são Seus instrumentos para nos sustentar. Quem não teve uma experiência nesse sentido?
Amado(a) a Bíblia nos ensina a dar graças em todo o tempo e isso significa que devemos agradecer a Deus em qualquer circunstância porque Ele se manifesta até mesmo nos nossos piores momentos.



Graça e Paz!

quarta-feira, 20 de julho de 2011



“O Senhor é a minha força e o meu cântico; e se fez a minha salvação. Nas tendas dos justos há voz de júbilo e de salvação; a destra do Senhor faz proezas”. (Salmo 118: 14-15)


Amado(a), o salmista nos ensina algo do qual temos nos esquecido, ou temos feito mecanicamente: agradecer. Muitos têm se esquecido de que há mais motivos para sermos gratos do que para murmurarmos. Deus tem sido misericordioso, mas temos nos esquecido de que Ele não está ao nosso serviço e que tudo que faz é por sua imensa graça. Muitos não têm se alegrado com bênçãos do Senhor e até incluem o júbilo como mais uma festa social, enquanto deveriam encontrar motivos para agradecer a Deus pela vida e até mesmo pelas pedras encontradas no caminho, porque elas também nos fazem crescer e nos impedem de cometer erros. Muitas vezes são as barreiras que encontramos que nos levam a refletir e a mudar o curso de nossas vidas e por isso precisamos também ser gratos.
Amado(a) você tem sido grato a Deus? Tem se firmado em Sua força e se espelhado em Sua palavra? A promessa de Deus é fiel, nós é que somos inconstantes e ingratos e como Jonas tendemos a fugir para não assumirmos a nossa missão.
Como você tem se comportado?


Graça e Paz!

terça-feira, 19 de julho de 2011

Herança do Senhor são os filhos, o fruto do ventre, seu galardão (Sl 127:3)


Amado(a), o salmista nos lembra de algo que muitos parecem se esquecer: os filhos são herança do Senhor. Entretanto, muitos pais têm agido como se os filhos fossem seus frutos, portanto, podem decidir sobre as suas vidas como lhes convém. É preciso lembrar que os pais são autoridade na vida dos filhos e cabe a eles dar o exemplo, mas eles são do Senhor e para Ele devem ser orientados. Pais que não mostram aos seus filhos a importância de conhecer a palavra de Deus e de honrar ao Senhor sobre todas as coisas não podem esperar que seus filhos façam essa descoberta por si. Se o mundo está oferecendo cada vez mais caminhos opostos a Deus não é de se espantar que os filhos criados sem essa orientação venham a se perder.
Amado(a), se queremos que nossa casa sirva ao Senhor, se desejamos que nossos filhos não sejam contaminados pelos valores mundanos, é necessário primeiro dar o exemplo e usar da autoridade conferida aos pais, lembrando que a família é um projeto de Deus e o esteio da sociedade. Toda propaganda contrária a isso não encontrará respaldo se agirmos como a Bíblia nos ensina.


Graça e Paz!

segunda-feira, 18 de julho de 2011



Eis que os caminhos do homem estão perante os olhos do SENHOR, e ele pesa todas as suas veredas. (Provérbios 5:21)




Amado(a), nada do que fazemos ou pensamos passa despercebido aos olhos de Deus. Ele conhece todos os nossos caminhos e sabe de nossas intenções. Podemos passar uma imagem aos homens, mas Deus sabe quem realmente somos. Por isso é inútil fazermos o bem ou o mal pensando nas pessoas ou na sua repercussão segundo nossos interesses. Deus sabe de todas as coisas e é por isso que Jesus afirma em João 5:28,29 “Não vos maravilheis disto; porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação”. Aquele que é movido pela aparência, ou que manipula as suas ações com o intuito de obter benefício próprio ignorando o outro colherá do Senhor o resultado de suas atitudes. Ao homem pode parecer bom, mas cada um sabe qual foi a verdadeira motivação e sabe que Deus sonda os nossos corações e mente mesmo antes de agirmos. Portanto, amado(a), não pense que aquilo que você guarda como segredo, por detrás de olhos enigmáticos está encoberto perante Deus.

Graça e Paz!

domingo, 17 de julho de 2011



Disse mais o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea. (Gênesis 2:18)



Amado(a), esse versículo do primeiro livro da Bíblia mostra a importância que Deus deu ao casamento. Depois de criar o homem, Ele viu que não seria bom que ele estivesse só e criou para ele uma companheira. Mas observe que na segunda parte do versículo Deus considera o fato de que essa companheira não deve ser casual, mas alguém que seja idônea. Entretanto, vemos que hoje em dia não se dá o devido valor a essa relação. Toma-se apenas a primeira parte do texto. As pessoas não querem ficar e para isso não se incomodam em ter relacionamentos ocasionais, em se unir a pessoas que mal conhecem, ou que não têm uma índole agradável a Deus. Infelizmente até entre os cristãos há que não se importam com o jugo desigual. Para não ficar só há quem se compromete com a falsa aparência de cristão, ou até com quem declara não temer a Deus. Há quem se compromete intempestivamente com quem nega a palavra de Deus, quem se prostitui ou se rebela contra as orientações do Senhor. Para não ficar só as pessoas comprometem a sua própria salvação, abandonam a família, os amigos ou a própria dignidade. Mas a palavra de Deus é clara e se Ele abençoa todo relacionamento por mais difícil que seja terá sucesso. Deus não quer o homem só. Mas também nunca quis que ele fosse mal acompanhado, ou que se juntasse com quem lhe tirasse a comunhão e depois disso a paz. Deus quer que o homem tenha uma companheira idônea, por isso o sábio ensina em Provérbios 19: 14 “Casa e riquezas são herdadas dos pais; mas a mulher prudente vem do Senhor”. Nesse mundo contaminado pelas impurezas do inimigo, a dificuldade de se achar um companheiro ou uma companheira, tem levado muitas pessoas a se precipitarem assumindo relações imaturas ou por conveniência. Isso acontece porque as relações não estão firmadas na palavra de Deus. O homem não quer ficar só, mas não espera em Deus a companheira que lhe seja idônea. Mas é isso que a bíblia nos ensina. A pessoa abençoada vem do Senhor.
Amado(a), Deus é fiel e com toda certeza lhe dará o melhor. Confie!
Graça e Paz!

sábado, 16 de julho de 2011

Irmãos, não sejais meninos no entendimento, mas sede meninos na malícia, e adultos no entendimento. (1 Coríntios 14:20)

Amado(a), a Bíblia a nos ensina a agirmos como as crianças. A aprendermos com elas a pureza de sentimento e a orar com sinceridade, mas a crescermos na fé e a buscarmos a edificação diária. Quando temos o coração puro, desarmado para as conveniências do mundo, chegamos a Deus inteiros, sem muros ou frestas que nos impendem a passagem ao Seu Trono. Deus conhece nosso coração e sabe de nossas intenções antes mesmos de Lhe pedirmos algo. Sabe quando estamos sendo egoístas ou imaturos ou quando pedimos precipitadamente por algo do qual viremos a nos arrepender, por isso nem sempre nos atende de imediato até que possamos abrir os olhos e entender as Suas razões. Contudo, muitos agem como crianças, não na pureza das intenções, mas na imaturidade e na estultícia. Como crianças rebeldes, não aprendem com os próprios erros, não aceitam conselhos dos mais experientes, preferem colocar a culpa nos outros e nos problemas e passam a vida sem amadurecer. Deus nos ensina a ser como crianças na pureza do coração e na intenção sincera, sem contaminação com os interesses do mundo, mas espera que cresçamos na fé e no compromisso de buscarmos a estatura de Cristo. Mas pode ser que Deus permita que nossas orações egoístas até sejam atendidas para que venhamos a compreender que nada é mais precioso do que gozar de Sua presença e que tudo o mais é dispensável se nos afasta Dele.

Amado(a), se sua oração não tem sido atendida, conforme sua expectativa, faça um exame e veja se ela está de acordo com a vontade de Deus. Se ela o aproxima do Reino de Deus, ou se é apenas mais um desejo imaturo e prematuro que, se atendido, irá afastá-lo(a) do Senhor.

Graça e Paz!



sexta-feira, 15 de julho de 2011






“E dizia-lhes uma parábola: Pode porventura o cego guiar o cego? Não cairão ambos na cova? (Lucas 6:39)




Amado(a), Jesus ensinava por parábolas lições simples e que ainda hoje nos levam a compreender o sentido que devemos dar às nossas vidas. Às vezes não conseguimos enxergar o óbvio, não entendemos uma expressão clara e direta e não percebemos as nossas tolices. Ainda é preciso que elas sejam traduzidas metaforicamente para que compreendamos. Nessa parábola, Jesus nos mostra que não podemos confiar na direção de quem não sabe se orientar. Isso significa que não teremos uma direção segura vinda de quem não dá testemunho positivo. Entretanto, vemos muitas pessoas se darem mal porque preferiram seguir os passos de quem não tem exemplos a serem seguidos. Essas pessoas julgam, avaliam, criticam, dão orientação aos outros quando elas mesmas não levam uma vida que lhes permitam ser um exemplo para ninguém. O cego da parábola refere-se aos que não veem no sentido espiritual. Refere-se a quem ainda se encontra doente por conta do pecado, mas se considera são, ao ponto de se achar na condição de poder guiar a outra pessoa também doente. Ninguém pode guiar o outro se não sair da condição de cegueira, e, para isso, precisa nascer de novo. Depois, precisa se expor à Palavra de Deus dia-a-dia, pois é ela que nos abre os olhos acerca dos nossos pecados. Quem não consegue consertar os próprios erros, que vive se enrolando com os mesmos problemas não está abalizado para orientar ou conduzir alguém. Para isso é necessário nos cercar de pessoas maduras e verdadeiramente espirituais, que nos ajudem a ver o que ainda não conseguimos, devido à nossa imaturidade. Um “cego”, espiritualmente falando, quando se junta a outro nunca demonstra maturidade nos relacionamentos, na vida espiritual, familiar, bem como nas demais áreas da sua vida, enquanto estiver assimilando os ensinos e o caráter distorcido de quem ele escolheu para ser o seu referencial.
Amado(a), em quem você tem se espelhado? De quem você ouvido conselhos? Em quem você tem se apoiado? Os seus testemunhos evidenciam quem é você e os testemunhos de seus companheiros e orientadores, se seguidos, determinarão como você será.
Graça e Paz!

quinta-feira, 14 de julho de 2011



“As riquezas granjeiam muitos amigos, mas ao pobre, o seu próprio amigo o deixa.” (Provérbios 19:4)



Amado(a), sábio traz à reflexão o que é comum percebermos neste mundo: as relações de interesse. Infelizmente não é raro verificarmos que as pessoas buscam suas relações por conveniências e se afastam também quando lhes convém. Essa atitude, recriminada por Salomão, traz sérias conseqüências na vida de quem age movido por aparências ou circunstâncias. A Bíblia ensina que não se pode colher algo diferente do que se planta. Quem se aproxima do outro apenas quando lhe convém também recebe o mesmo tratamento de outras pessoas. Com a mesma medida que medimos seremos medidos. Aqueles que se importam com os outros somente quando têm cargos, posições ou dinheiro e deixam de dar atenção aos que aparentemente não lhe podem dar algo em troca serão tratados por outros de igual modo. Mas há também aqueles que agem com ingratidão e viram as costas para os que lhe ajudaram, quando julgam que estão bem e não mais precisam de seu apoio mais cedo ou mais tarde receberão as conseqüências de sua conduta.
A Bíblia ensina que devemos ser gratos, fazer o bem sem olhar a quem, retribuir com cortesia até mesmo aos que nos maltratam ou hostilizam, porque ninguém que planta amor colherá indiferença. Entretanto, quem planta indiferença e ingratidão, certamente, não encontrará em seus caminhos um fruto diferente.
Graça e Paz!

quarta-feira, 13 de julho de 2011

E nós conhecemos, e cremos no amor que Deus nos tem. Deus é amor; e quem está em amor está em Deus, e Deus nele. (1 João 4:16)


Amado(a), se tivéssemos que escolher uma só palavra para definir Deus, essa palavra seria “amor”, mas não podemos confundi-la com as diversas acepções que o mundo dá. Para compreendermos o seu sentido, precisamos compreender a forma como Deus se mostra a nós. Deus é amor, na acepção ágape. O seu significado pode ser traduzido ou expresso em uma língua, mas o seu sentido precisa ser compreendido individualmente. É, literalmente, uma experiência de sentido. Precisamos sentir na alma, na pele, no nosso interior o que é de fato amar. Quando amamos na acepção de Deus, entendemos por que Ele nos entregou Seu Filho e por que não desiste de nós. Assim entendemos as oportunidades que Ele nos dá a cada momento, mesmo quando pensamos que Ele está distante. Precisamos compreender que Deus não está ao nosso serviço. Ele se apresenta a nós na medida em que conseguimos abrir nossos olhos, nosso coração, nossa mente. É interessante observarmos que Ele sempre esteve presente, mas nossa limitação e nossos muros emocionais nos impendem de enxergá-LO.
Amado(a), você tem percebido Deus em sua vida?
Graça e Paz!

terça-feira, 12 de julho de 2011



“Ah! se tivesses dado ouvidos aos meus mandamentos, então seria a tua paz como o rio, e a tua justiça como as ondas do mar! (Isaías 48:18)


Amado(a), muitas vezes nos perguntamos por que estamos vivendo tal angústia em nossas vidas. Mas poucas vezes ponderamos como fez o profeta no versículo em epígrafe. Costumamos nos queixar do que temos, ou do que não temos. Reclamamos de nossa falta de sorte, ou de estar vivendo uma série de problemas, mas não paramos para pontuar nossos erros e acertos. Deus não nos ouviu! Essa é a conclusão mais intempestiva, em vez de nos penitenciarmos e nos arrependermos de não tê-LO ouvido. Quantas vezes o Senhor nos mostra o caminho, nos ensina aonde ir, ou aonde não colocar os nossos pés e nós, prepotentemente, julgamos saber onde pisamos e nos achamos fortes e sábios o suficiente para entrar no terreno do inimigo sem nos machucar. O resultado disso é que brincamos com fogo e saímos queimados e depois colocamos em Deus a responsabilidade, ou o julgamos por não te nos protegido.
Amado(a), quantas vezes você foi avisado previamente do perigo que corria em dar as mãos ao inimigo, tanto os ostensivos, quanto os que se passavam por amigos? Profetas não faltaram em sua vida. Eles vêm na forma de irmãos, de pastores, vêm até mesmo nas mais despretensiosas mensagens que você recebe de fontes diversas. Mas você insiste em continuar andando por sua bússola e responsabilizando os outros por seus desatinos. Mas a palavra de Deus hoje é para que acorde. Acordar é abrir o coração e deixar que o Espírito Santo fale sem os ruídos que você deixou invadir seu lar. Pense nisto!
Graça e Paz!

segunda-feira, 11 de julho de 2011



“Far-me-ás ver a vereda da vida; na tua presença há fartura de alegrias; à tua mão direita há delícias perpetuamente.” (Salmos 16:11)

Amado(a), nossa busca pela felicidade terrena tem sido frustrada, porque a procuramos onde ela não pode se sustentar. Não é nos prazeres da carne, que são efêmeros e extenuantes que a encontraremos. Não é no outro que não pode ser o responsável por nossos sonhos. Não é na riqueza, no poder, ou na fama, também transitórios, que teremos o que desejamos. A Bíblia nos ensina o caminho e nos dá exemplos de onde encontrar a verdadeira e perene felicidade: ela está dentro de nós. Ela está na apreensão dos ensinamentos do Senhor e na forma como caminhamos pela vida, quando deixamos que o Espírito Santo habite em nós.
Inútil será esperar que ter um bom emprego, fazer sucesso entre as pessoas, ter poder ou recursos materiais nos traga felicidade. Podemos até ter uma alegria temporária, que vem imediatamente após a sensação da conquista, mas isso não se sustenta por si. Logo já estaremos insatisfeitos em busca de algo mais, porque a fonte não é legítima.
Amado(a), o salmista nos apresenta a verdadeira fonte da felicidade. Ela vem do Senhor e não se esgota. Por isso ele se alegra, por isso ele afirma que está alegre o seu coração e se regozija a sua glória; e também a sua carne repousará segura. O salmista só pode fazer essa declaração porque ouviu os conselhos de Deus e aprendeu Dele os caminhos a seguir para não se desviar. Porque colocou o SENHOR continuamente diante de dele; sabe que Ele está à sua mão direita, e por isso nunca vacilará.
Amado(a), só pode ser feliz quem tem a consciência do bem dentro de si. Não é preciso que o outro nos acuse. O Espírito de Deus que habita em nós nos ensina e nos faz reconhecer os nossos passos falsos. Feliz não é quem não erra, mas quem não se deixa permanecer no erro.
Quem, como Davi, coloca o Senhor à frente de suas decisões também pode afirmar em tudo o que se propuser a fazer: “Pois não deixarás a minha alma no inferno, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção”. (Salmos 16:10)
Graça e Paz!

domingo, 10 de julho de 2011


Entrega o teu caminho ao Senhor; confia nele, e ele tudo fará (Sl 37:5)



Amado(a), confiar! Eis a palavra chave para o sucesso de toda empreitada. Quando entramos em uma atividade sem confiança, a chance de ela não ser bem sucedida é infinitamente maior do que quando acreditamos. Acreditar nos impulsiona ao sucesso. Imagine então, quando colocamos nossa confiança naquele que sabe de todas as coisas e nos conhece profundamente. Mas é incrível como há quem insista em ser cético, ou aqueles que preferem confiar em si mesmos e nas propostas de pessoas que não testemunham sucesso em sua vida profissional, pessoal ou espiritual. Os que preferem confiar em seu coração e intuição e deixam de lado a confiança em Deus, e perdem a oportunidade de pautar suas ações nos conselhos daqueles que dão testemunhos de vida calcados na força da palavra de Deus. É comum observarmos que quem assim age não consegue levar a cabo os seus sonhos. Podem até fazer planos maravilhosos e, inicialmente, se sentirem impulsionados pelas promessas de sucesso. O problema está no fato de que essas pessoas não conhecem o abençoador. Querem apenas se apropriar das bênçãos, e não agem com sabedoria. Se são aconselhados a fazer algo diferente do que imaginam, julgam estar aptos a decidir por si e ignoram os conselhos. Se são instados a obedecer e simplesmente esperar com fé, julgam que não têm tempo e preferem agir com sua conta e risco. O resultado é fácil de ser constatado: em pouco tempo a frustração e o desânimo toma conta e essas pessoas voltam ao lugar do começo. Quem confia no Senhor dá a volta por cima, faz a verdadeira conversão de 180 graus. Aquela que nos tira de nós mesmos e nos leva a contemplar a dimensão de Deus. Mas quem confia em si, ou nos homens, faz a conversão de 360 graus, aparentemente, um ângulo maior, mas é a conversão que não nos leva a lugar algum. Ela apenas nos faz girar de volta aonde saímos. É a conversão do homem insensato que o leva de si para si mesmo, que o faz com ele volte a cometer os mesmos erros e a não progredir, ou avançar nos seus planos e sonhos. É a conversão dos solitários, daqueles que não conseguem viver os sonhos de Deus em sua vida.
Amado(a), faça um balanço e verifique de onde saiu e onde está neste momento. Você se converteu a si mesmo e ao mundo, ou a Deus?
Graça e Paz!

sábado, 9 de julho de 2011



“Eis, agora, o tempo sobremodo oportuno, eis, agora, o dia da salvação” (2 Coríntios 6:2b).




Amado(a), o Senhor insiste em nos dizer que HOJE é o dia oportuno para que você se decida pelo caminho do Senhor. Amanhã vem carregado de incertezas, e, embora o mundo insista em nos confundir com suas previsões ora catastróficas, ora tranqüilizadoras, a única certeza que temos é que nosso corpo é mortal e por isso devemos escolher onde passaremos a eternidade. Esse é o tempo oportuno. Amanhã poderemos não ter mais a possibilidade de escolha e é por isso que não podemos postergar essa decisão.
Essa decisão implica um posicionamento de fé e traz um alívio e uma paz que o mundo não conhece e, portanto, não pode oferecer.
Em todo o tempo somos instados a decidir e essas decisões geram inevitáveis conseqüências em nossas vidas. Amado(a), Deus espera que você opte pela vida eterna ao Seu lado. Mas a escolha é sua e o tempo oportuno é agora!
Graça e Paz!

sexta-feira, 8 de julho de 2011





“Em ti confiarão os que conhecem o teu nome; porque tu, Senhor, nunca desamparaste os que te buscam” (Salmos 9:10).


Amado(a), na Bíblia e em toda a história do povo de Deus, vemos declarações e confirmações de que o Senhor não nos deixa sós. É Sua promessa manter-se ao lado daqueles que O buscam e clamam por Ele. E sendo fiel desde o princípio Ele mantém a Sua palavra. Quantas vezes nos sentimos desamparados, julgamos que não somos ouvidos, ou que todos nos deixaram. Essa sensação, amado(a) é típica de quem em algum momento perdeu a sintonia com o Pai e sente um vazio, que não pode ser preenchido por nada nem ninguém. A dor do sentimento do homem apartado de Deus nos incomoda de tal forma que nos faz projetar em Deus o que de fato nós é havemos feito. Deus jamais nos abandona, nós é que deixamos de olhar para Ele e, consequentemente, temos a sensação do abandono. É a mesma sensação que teve o primeiro casal no Éden ao se darem conta de estavam nus. Deus não apontou a sua nudez, mas a reação deles foi a da percepção do pecado e isso ainda nos acontece. Reagimos como se Deus tivesse se afastado, quando somos nós que deixamos de buscar ao Senhor.
Amado(a), o Senhor está insistindo que você não pode mais ficar longe de Suas asas. Ele espera por você, de braços abertos. Mas lembre-se: Ele não está pregado na cruz. Ele saiu dela, depois de carregar o peso de nossos pecados, para que fôssemos libertos do mal. Por que você ainda insiste em carregar esse peso?
Graça e Paz!

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Mas todos nós, com rosto descoberto, refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor. (2 Coríntios 3:18).


Amado(a), nos últimos tempos Deus tem falado conosco por meio de Seus profetas e por todos os canais possíveis que precisamos ficar atentos e não desperdiçarmos nenhuma oportunidade que nos são dadas. Primeiro a oportunidade de aprender com nossos próprios erros e de buscar a santificação, depois de reconhecer que erramos. Segundo, a oportunidade instantânea, casual, ou mesmo recorrente de falar de Jesus e o que Ele representa em nossas vidas. E para isso não precisamos mudar o curso de nossas atividades, temos que mudar a nossa forma de comportar diante das pessoas ao nosso redor. Devemos lembrar que somos espelhos e que espelharemos aquilo que está gravado em nosso caráter. Se damos exemplo ao mundo, não precisamos fazer discursos, não precisamos exigir respeito. Nossos atos falam por nós. Quando erramos repetidas vezes e, por teimosia, orgulho ou negligência, insistimos em permanecer no erro, não adianta afirmar que queremos mudar. Quando tratamos as pessoas com indiferença, hostilidade, ou como se fossem objetos ao nosso dispor, certamente, não seremos vistos como modelo a ser seguido, a não ser por aqueles cujo caráter está longe de se aproximar do caráter de Cristo.
Amado(a), o recado é claro: Jesus está as portas e nos exorta a exercitar o segundo mandamento. Por isso, aja com o outro, como se tivesse diante de um espelho. Mas lembre-se de que o espelho não reflete apenas. Ele também refrata na presença da luz. Se há luz na sua vida, se nela Jesus está presente, certamente, você seus exemplos alcançarão outras pessoas, não só como reflexo, mas como refração de luz. Para sermos modelos na pregação do evangelho, não basta refletir: é preciso refratar. Pense nisto!
Graça e Paz!

quarta-feira, 6 de julho de 2011




"E tudo quanto fizerdes, fazei-o de coração, como ao Senhor, e não aos homens... Pois quem faz injustiça receberá a paga da injustiça que fez; e não há acepção de pessoas." (Colossenses 3: 23 e 25).




Amado(a), vivemos hoje um tempo em que as aparências contam mais do que nossa verdadeira essência. É o tempo do foto shop, da exposição à mídia, do ter em detrimento do ser. Mas, se analisarmos as Escrituras, veremos que esse comportamento não agrada a Deus. Em I Samuel 15.7, lemos: “Não atentes para a sua aparência, nem para a sua altura, pois eu o rejeitei. O Senhor não vê como vê o homem. O homem olha para o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração”. Quantas vezes fazemos de tudo para conquistar uma posição, um poder, uma imagem e nos esquecemos de que, ao contrário do que diz a máxima maquiavélica: os fins não podem justificar os meios. Muitos, para obterem status ou poder acabam vendendo a própria alma e não se lembram de que nossa condição terrena é temporária. Muitos escondem o verdadeiro caráter sob uma máscara que engana por algum tempo, mas jamais pode enganar a Deus. A Bíblia nos exorta a buscar o caráter de Cristo e isso significa valorizar o que somos de fato e não o que parecemos ser diante dos homens. No Sermão do Monte, Jesus nos ensina a desenvolver o caráter cristão e nos incentiva a cultivar algo em oculto, que molde o nosso caráter mesmo em detrimento da reputação, que poderia ser muito beneficiada com o resultado desses comportamentos.
Isso significa que devemos ser autênticos e sinceros, ainda que isso incomode ao mundo. Jesus nos ensina em Mateus 6: 1-3 “Guardai-vos de praticar os vossos atos de justiça diante dos homens, para serdes vistos por eles. Se o fizerdes, não tereis galardão justo de vosso Pai que está nos céus...Mas, quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz à tua direita”.
Amado(a), nós temos uma tendência a nos preocupar em construir uma boa imagem perante os homens e não refletimos sobre o quanto isso acabará por nos confrontar com verdades de Deus que teremos de desobedecer para agradar as pessoas.
Para você o que vale mais: a opinião das pessoas a seu respeito ou a opinião de Deus?
Graça e Paz!

terça-feira, 5 de julho de 2011







Louco, esta noite te pedirão a tua alma, e o que tens preparado para quem será? Assim é aquele que para si ajunta tesouros e não é rico para com Deus." (Lucas 12.16-21)

Amado(a), embora não seja surpresa o fato de que temos um tempo determinado na Terra, pois aqui estamos de passagem e daqui nada levamos, muitos são os que vivem como se não tivessem fim e como se, ao final desta passagem na Terra, não tivessem que prestar contas de suas atitudes. Muitos se esquecem de que tiveram a liberdade de escolher e por isso mesmo terão que se responsabilizar pelas suas escolhas. Boas ou más, elas trazem conseqüências que são determinantes para a nossa vida, na Terra e na Eternidade. Enquanto estivermos aqui podemos decidir aonde iremos. Muitos são os que pensam que podem viver indiscriminadamente o momento e que, quando decidirem, quando se cansarem, ou se sentirem mais velhos, ou próximo da morte, mudarão de vida e se redimirão com Deus. A grande verdade e que não deveria ser surpresa é que não sabemos quando seremos levados. O fato é que podemos não ter outra oportunidade e devemos nos conscientizar de que nosso tempo de decisão é agora. Amanhã, ou daqui a dois minutos pode ser tarde demais.
Amado(a), você já refletiu sobre isso? Já pensou que nada levará e que pode estar comprometendo sua condição na vida eterna, por abrir mão de seu crescimento espiritual enquanto espera ajuntar tesouros que não serão levados para a Eternidade? Ainda é tempo de acertar suas dívidas e de valorizar a sua salvação. Pense nisto!
Graça e Paz!
Bibliografia: http://www.icmv.org.br/BibliaOnline.aspx

segunda-feira, 4 de julho de 2011





Pedis e não recebeis, porque pedis mal...(Tiago 4:3)


Amado(a), quantas vezes nos sentimos frustrados porque pensamos não receber de Deus aquilo que pedimos. Nessas ocasiões, colhemos o risco de nos sentir desanimados e desiludidos, pensando que Deus não me ouve as nossas orações. A primeira lição a tirar disso é que devemos tomar cuidado, pois o desânimo é uma das mais perigosas armas que o diabo usa para nos impedir de recebermos as bênçãos do Senhor. Não podemos cair no erro de duvidar da eficácia da oração. Mas nem sempre nos damos conta de que nossas orações e nossos pedidos não servem para a glória de Deus, não são benéficos para o próximo e tampouco servem ao nosso próprio bem. A melhor maneira, a maneira mais certa de pedir é no sentido de que Deus nos dê sabedoria para reconhecer o que é bom e nos livrar de nosso julgamento precipitado. Por vezes, oramos e não vemos a resposta, porque pedimos mal; pedimos com sentimentos egoístas e menos de acordo com a vontade de Deus. O orgulho e a vaidade nos levam a pedir sem critérios, sem obedecer aos princípios de Deus. Se pedirmos com fé, humildade e segundo a vontade de Deus, certamente receberemos, porque Deus é fiel e não pode negar-Se a Si mesmo. Amado(a), faça você mesmo um balanço das graças que têm recebido ou não e verifique se aquelas que deixou de recebeu ou não recebeu no tempo em que pediu estavam de acordo com o propósito de Deus e se não chocavam com a sua bênção maior: a sua salvação! Aí você verá que Deus é fiel e justo e que ama você apesar de suas fraquezas!


Graça e Paz!

domingo, 3 de julho de 2011




Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.(Romanos 15:8)


Amado(a), quantas experiências frustradas, quantos desencontros e sofrimentos vão sendo contabilizados quando aprendemos que o amor não é um sentimento conforme apresenta o mundo, a mídia e conforme nossas ilusões reforçam. Quando vivemos a expectativa do amor ideal e romântico anunciado pela mídia, nos filmes, nas novelas e disseminado nas rodas de bares, fatalmente nos decepcionamos e fazemos sofrer aqueles com os quais nos envolvemos. O amor não é sentimento, é a expressão da forma como Deus se relaciona com a humanidade e isso implica aceitação de imperfeições, decisão em caminhar ao lado e, sobretudo, persistência e determinação em honrar as alianças. Deus tem agido assim com a humanidade. Ele nos aceita apesar de nossas imperfeições. Ele continua apaixonado por nós, mesmo quando nos comportamos diferentemente do que Ele esperava. Ele nos amou primeiro e continua nos amando não por causa de, mas apesar do que somos ou do que apresentamos ser.
Amado(a), se nos espelharmos na forma como Deus se relaciona com a humanidade temos muito a receber, mas se insistirmos, nas nossas relações a amar da forma como o inimigo de nossas almas tem ensinado, certamente, sairemos frustrados e jamais experimentaremos um amor sincero e duradouro. Pense nisto!
Graça e Paz!

sábado, 2 de julho de 2011




A tua malícia te castigará, e as tuas apostasias te repreenderão; sabe, pois, e vê, que mal e quão amargo é deixares ao SENHOR teu Deus, e não teres em ti o meu temor, diz o Senhor DEUS dos Exércitos. (Jeremias 2:19)


Amado(a), o profeta está nos alertando sobre o perigo de retrocedermos na fé e de deixamos nos conduzir por outros caminhos que não o anunciado em João 14:16. Muitos são os que um dia conheceram a palavra, decidiram receber Jesus como Salvador e, por um tempo, aceitaram a palavra de salvação. Entretanto alguns não suportam o peso da cruz, querem Jesus como Salvador, mas não o querem como Senhor. Querem a bênção da salvação, mas não o compromisso da submissão. Sabem que o caminho estreito leva a Deus e que as aparentes facilidades do mundo conduzem à iminente frustração e ao vazio, mas ainda assim endurecem o coração e tornam a abrir as portas da casa para o pecado e abandonam o Senhor. Esse abandono começa quando se rebelam contra a palavra, quando não aceitam as admoestações dos profetas, quando escolhem seguir o seu coração enganoso e a buscar justificativas para a desobediência. Aceitar Jesus como Senhor exige uma transformação radical. E essa transformação implica inicialmente submissão e obediência. Implica deixar de lado o orgulho, a teimosia e a obstinação em repetir os erros. Implica deixar Deus agir e tomar a frente nas nossas decisões. Entretanto, há quem prefira, mesmo conhecendo as conseqüências de sua rebeldia, agir a seu modo, sem ouvir àqueles que procuram lhe mostrar o caminho da verdade, por isso Paulo afirma em Romanos 2:5 “Mas, segundo a tua dureza e teu coração impenitente, entesouras ira para ti no dia da ira e da manifestação do juízo de Deus”;\
Amado(a), cuidado! Se você ainda não aprendeu com seus erros, se ainda não se deu conta de que suas atitudes não lhe trazem benefícios algum e não está disposto(a) a mudar, não se surpreenda com o final anunciado. Você pode escolher, ainda, entre a bênção e a maldição. Mas amanhã pode ser tarde.

Graça e Paz!

sexta-feira, 1 de julho de 2011



“Não deixemos de reunirnos como igreja, segundo o costume de alguns, mas procuremos encorajar-nos uns aos outros,e ainda mais quando vocês vêem que se aproxima o Dia” (Hebreus 10.25).




Amado(a), o autor de Hebreus no lembra o que não podemos nos isolar ou nos esquecer que somos membros de um corpo e nenhum membro isolado sobrevive. Ele também nos exorta a encorajar uns aos outros porque todos nós em algum momento precisamos de estímulo quando nos sentimos fraquejar. Entretanto, todas as vezes que nos sentimos fracos nossa tendência é nos afastar, procurar o isolamento, deixar de congregar e isso nos faz perder a sintonia com o Pai. Observe que a segunda parte do versículo nos lembra que a volta do Senhor está prestes a acontecer e essa é uma grande razão para nos mantermos no caminho do Senhor. Reunir como igreja nos fortalece e nos mantém no corpo.



Graça e Paz!