Traduza este blog

terça-feira, 30 de junho de 2015

“Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé”. (1 Timóteo 4:1)


Não é raro ouvirmos das pessoas que estão correndo, que estão sem tempo, estão cansadas! E isso atinge a todas as faixas etárias, às diversas camadas sociais, mesmos, ou principalmente, os bilionários! Estamos todos vivendo nesses últimos dias sob pressão! Mas não é simplesmente por causa do momento político e econômico que atravessamos. Várias são as causas desse desconforto e a sensação que temos é a de que a qualquer hora o mundo vai explodir. As guerras, as injustiças sociais se multiplicam, a violência cresce a programação da TV, que afronta nossa inteligência e nossos valores, têm sido a grande formadora de opiniões. Mas algo pior tem ocorrido sem que os próprios cristãos se deem conta: a apostasia! O apóstolo Paulo, movido pelo Espírito, afirmava que isso aconteceria no final dos tempos. Estamos vivendo esse tempo. A iniquidade tem se multiplicado. O amor tem esfriado. O que se vê são interesses pessoais se sobrepondo ao bem social. É nítida a deteriorização da família e consequentemente da Nação, e a Igreja que deveria ser a luz e o sal está se perdendo nesse contexto. Como vamos ser luz se muitos estão nas trevas? Como ser sal da terra se nos deixamos contaminar pela insipidez do mundo? Lembremo-nos do alerta de Jesus

e, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará” (Mateus 24:12).  

segunda-feira, 29 de junho de 2015

Graça e paz vos sejam multiplicadas, pelo conhecimento de Deus, e de Jesus nosso Senhor; 2 Pedro 1:2


Vivemos em uma sociedade cujos valores morais e éticos e princípios religiosos e familiares estão sendo constantemente bombardeados e corrompidos. Sob o pretexto da liberdade, do direito de escolha, de uma democracia, os verdadeiros direitos se apagam no discurso maniqueísta que divide as opiniões e confundem até as pessoas mais bem intencionadas. Se as pessoas, em vez de se ofenderem, de se digladiarem na defesa de suas posições, procurassem conhecer a Bíblia, sem autoritarismos, achismos ou posicionamentos ideológicos absolutos, apenas pedindo a compreensão que vem do Espírito, com toda certeza teriam sua mente aclarada e, em consequência, a paz que excede todo o entendimento. Não se trata de alienar, não significa que é preciso aceitar sem questionar, mas de buscar o conhecimento na fonte, não por meio de interpretações de terceiros, nem sempre capazes, ou bem intencionados nesse ensino. A própria Bíblia nos dá esse exemplo com os bereanos, exortando-nos a ter ouvido discernidor e uma língua crítica, para que possamos distinguir entre a verdade e o erro e ver a diferença entre o banquete oferecido por Deus e o guisado colocado à nossa frente pelo diabo.
"Sê como aqueles bereanos que examinavam as Escrituras, para verificar se, de fato, as coisas eram como lhes foram anunciadas (Atos 17:11).

domingo, 28 de junho de 2015

Se tu, Senhor, observares as iniqüidades, Senhor, quem subsistirá? Salmos 130:3


O salmista sabia o quanto doía o peso da culpa que pesava em sua própria consciência. Davi em momento algum foi poupado da vara corretiva do Senhor, quando errava em todas as áreas de sua vida. A Bíblia relata que ele enfrentou muitas aflições, enfermidades, tragédias pessoais e em seu reinado muitas vezes tumultuado. Vários versículos registram o clamor de Davi diante de  problemas, quando ele não acreditava que iria sobreviver. “Livra-me, ó Deus, pois as águas entraram até a minha alma. Atolei-me em profundo lamaçal, onde se não pode estar em pé; entrei na profundeza das águas, onde a corrente me leva” (Salmos 69:1-2). Mas os  problemas exteriores o incomodavam bem menos do que sua consciência em relação aos seus pecados. Ele temia que o Senhor o tivesse abandonado por completo, por causa do pecado e também sofria com o escândalo que havia causado a Israel. Mas a culpa ou a ansiedade  nunca endureceram o coração de Davi, ao contrário, quanto mais consciência de seu erro, mais temor do Senhor tinha Davi. Quantas pessoas hoje não são como Davi? Conhecem a Palavra, creem no Senhor, mas se deixam dominar pelo pecado e com isso sobrecarregam sua consciência de culpa e de dor, porque seu pecado permanece oculto e nunca foi tratado. Isso faz com que percam toda a alegria, o entusiasmo e a liberdade de que um dia desfrutaram. É preciso fazer como fez Davi e clamar a Deus
“Senhor, escuta a minha voz! Sejam os teus ouvidos atentos à voz das minhas súplicas” (Salmos 130:2).  

sábado, 27 de junho de 2015

"Desci à casa do oleiro, e eis que ele estava entregue à sua obra sobre as rodas. Como o vaso que o oleiro fazia de barro se lhe estragou na mão, tornou a fazer dele outro vaso, segundo bem lhe pareceu. Então, veio a mim a palavra do SENHOR: Não poderei eu fazer de vós como fez este oleiro, ó casa de Israel?" (Jeremias 18:3-6).


O profeta Jeremias diz que Deus é o Oleiro e nós somos o barro. Mas para que Ele nos molde precisamos estar abertos à Sua vontade. Assim Ele nos transforma e nos santifica conforme caminhamos com Ele e deixamos que Ele cuide de nossas imperfeições e nos faça o vaso de honra que Ele quer que sejamos. O primeiro passo que devemos dar é conhecer a Palavra para que sejamos flexíveis e moldáveis e permitir que Deus nos dê forma. Para isso é necessário estarmos centrados em Jesus, deixando nossas vidas totalmente entregue a Ele. Enquanto tentarmos viver nossas vidas de modo independente, sem deixar que Jesus nos guie, nada poderemos fazer. É por isso que Jesus nos diz: “Eu sou a videira e vocês são os galhos. Aquele que continuar em mim e eu nele, dará muitos frutos, porque sem mim vocês não podem fazer nada” – João 15:5. Infelizmente, há pessoas que pensem que Deus é que a argila que elas podem moldar, de modo que Ele seja conforme  as suas vontades.  Elas criam um deus imaginário, de acordo com suas preferencias e modo de enxergar a vida e se justificam dizendo que Deus não pode interferir em seu estilo de vida. Mas aqueles que conhecem a Palavra e têm o verdadeiro temor de Deus reconhecem, como o profeta Isaías que Ele é Oleiro e nós estamos sob o Seu controle e não o contrário
Mas agora, ó Senhor, tu és nosso Pai; nós o barro e tu o nosso oleiro; e todos nós a obra das tuas mãos. Isaías 64:8

sexta-feira, 26 de junho de 2015

" Expulsar-vos-ão das sinagogas; vem mesmo a hora em que qualquer que vos matar cuidará fazer um serviço a Deus”. João 16:2


Jesus não disse que seria fácil segui-lo, no entanto, muitas pessoas embaladas pela ilusão do evangelho a seu serviço, decepcionadas por ter suas expectativas frustradas, saem ou trocam de igreja, porque alicerçaram sua fé não em Jesus Cristo, mas na proposta deturpada de um “evangelho” de facilidades, quando de fato o que vemos é que não é fácil ser cristão. Se pesquisarmos sobre a vida dos primeiros discípulos de Jesus veremos que a maioria morreu de forma violenta: Mateus foi martirizado na Etiópia;  Lucas foi enforcado na Grécia; Marcos morreu depois de ser arrastado pelas ruas de Alexandria; Tiago foi decapitado em Jerusalém; Tiago, o Menor, morreu depois de  ser espancado até a morte em Jerusalém; Filipe foi enforcado na atual Turquia; Bartolomeu foi esfolado vivo em Albanópolis; André foi preso e morto em uma cruz,  na Grécia;  Matias foi apedrejado e decapitado em Jerusalém; Barnabé foi apedrejado até a morte pelos Judeus,  na Grécia; Paulo foi Decapitado; Pedro foi crucificado de cabeça para baixo, em Roma; João escapou da morte, depois de ser colocado em um caldeirão de óleo fervente, mas foi deportado para a ilha de Patmos. Ainda hoje muitos são mortos e martirizados por professarem a fé em Jesus e outros tantos ridicularizados por obedecerem ao Evangelho. São chamados de ignorantes, de fanáticos, de tolos, dentre outros adjetivos pejorativos porque comportam-se de forma diferente, na contramão do mundo.  E poucos são os que resistem e perseveram por isso Jesus indagava:

“Quando porém vier o Filho do homem, porventura achará fé na terra?” (Lucas 18.8).

quinta-feira, 25 de junho de 2015

“... no mundo tereis aflições, mas tende bom ânimo; eu venci o mundo.” (João 16:33).


O Senhor Jesus nos diz sobre a Sua própria experiência, pois nem mesmo Ele foi poupado das aflições, enquanto esteve na Terra, em forma humana. E Sua lição nos ensina que, mesmo sendo fiéis, não estamos imunes, enquanto estivermos na Terra, aos momentos difíceis da vida. Por isso Jesus alertou os seus discípulos ao mesmo tempo em que os confortou.  E é isso que Ele continua nos dizendo ainda hoje. Precisamos ver as circunstâncias  com os olhos de Deus, sabendo “que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados por seu decreto”.  (Romanos 8:28). Os momentos difíceis nos ensinam a enxergar a situação com os olhos de Deus e a encontrar motivos para agradecer em vez de lamentar. Foi exatamente isso que o Senhor Jesus fez. Ele sabia da intensidade do sofrimento pelo qual teria que passar, no entanto também os enxergava com os olhos do Pai. Ele sabia o que viria a seguir, mas sabia que o sofrimento tinha um tempo determinado para acabar, como bem nos lembra o sábio em Eclesiastes 3: 1 “Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu”. Ele sabia que a vitória completa dependia daquele sofrimento, mas também sabia das incontáveis e eternas bênçãos e consequências  daquele sofrimento. Por isso, o salmista reconhece

Foi-me bom ter sido afligido, para que aprendesse os teus estatutos. (Salmos 119:71)

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Mas, quando vier aquele Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir. João 16:13


O Espírito da verdade só se manifesta àqueles que estão em sintonia com a verdade. Evidentemente, não será conselheiro daqueles que não estão abertos para receber a verdade ou se mostram indiferentes à fé e ao sacrifício de Jesus. Quando observamos  os mandamentos de Cristo e seguimos os seus passos e nos colocamos em posição de receber somos agraciados com a Sua intervenção em nossas vidas. O cristão genuíno desenvolve o caráter de Deus, e jamais deixa de se comover ou de se sensibilizar com a dor e a necessidade do seu próximo. É impossível saber algo de Deus sem ter Seu Espírito e quem tem o Seu Espírito tem a sensibilidade para amar e para sentir compaixão, conforme o apóstolo Paulo afirma em Filipenses 2:13

"Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade."

terça-feira, 23 de junho de 2015

Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo. 2 Timóteo 2:13


A fidelidade é um dos atributos de Deus, enquanto a inconstância é própria  do homem. Por mais falho e limitado que seja o homem o certo é que pode contar com a fidelidade de Deus que nunca decepcionará a alma que Nele confia. Dificilmente se encontra quem não tenha se decepcionado com a infidelidade de alguém de seu convívio. Nas relações econômicas encontramos devedores infiéis. Na vida social os interesses pessoais e a mentira impera para garantir poder ou status. Na vida pessoal a infidelidade conjugal tem se tornado rotina  e os votos matrimoniais têm sido banalizados fazendo com que os laços do matrimônio sejam rompidos com mais  facilidade do que quem troca de endereço ou de carro. No mundo político, as promessas antes das eleições são quebradas com a mesma facilidade com que foram feitas. E na vida religiosa a infidelidade também tem sido comum. Não é raro encontrarmos quem professe uma fé e a neguem sem a menor cerimônia, ou quem afirme ser cristão e aja de forma tão incoerente envergonhando o próprio evangelho. Timóteo nos ensina sobre a fidelidade do Criador e nos faz pensar no que diz Moisés:

"Saberás, pois, que o Senhor teu Deus, ele é Deus, o Deus fiel". Deuteronômio 7:9.

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Não confieis em príncipes, nem em filho de homem, em quem não há salvação. Salmos 146:3

            

A Bíblia traz grandes conselhos de Deus para a nossa vida. O maior deles é o que nos diz para confiar Nele, deixando claro que não devemos confiar em nossa compreensão das coisas, pois somente Deus tem amplo e total  conhecimento de tudo e só Ele pode enxergar o que é melhor para nós, pois osso coração nos engana e nosso entendimento sobre as coisas é limitado e facilmente contaminado pela nossa visão distorcida. Confiar significa entregar algo de valor. O que hoje temos de mais valor é a nossa vida, ainda que o mundo nos apresente o dinheiro, bens materiais, o poder como sendo mais importante. Por isso não devemos nos apoiar no nosso próprio entendimento, ou seja, confiar em nossas próprias ideias e caminhos traçados de acordo com nossa vontade. Deus deixa claro que a nossa vida deve ser confiada a Ele e não a homem algum. O terceira conselho nos diz para reconhecer  Deus em todos os nossos caminhos, para que Ele possa  endireitar as nossas veredas. Vereda é rumo e quem coloca Deus no rumo da sua vida, terá esse rumo endireitado. Sabemos que as nossas decisões mudam o nosso rumo.  Muitas vezes essa mudança entortou o rumo, em vez de endireitá-lo. A única forma de endireitar o rumo de uma vida torta, sem direção, é colocando Jesus Cristo no comando de nossas vidas. Reconhecendo Deus em nossos caminhos, a promessa Dele é endireitar as nossas veredas. A Bíblia diz em Jeremias 17: 5
“Maldito o homem que confia no homem, faz da carne mortal o seu braço e aparta o seu coração do Senhor.”

domingo, 21 de junho de 2015

“O coração do homem traça seu caminho, mas o Senhor lhe dirige os passos”. Provérbios 16: 9


Muitas vezes temos planejado ou esperado por algo que não chega e ficamos imaginando que Deus não fez conta de nossa oração ou não se importa com nossos desejos. Outras vezes temos clamado ao Senhor por algo e a Sua resposta tem vindo, repetidas vezes na contramão do que ansiamos. O que precisamos fazer nesses casos não é murmurar ou deixar de confiar Naquele que pode todas as coisas. O melhor a fazer é refletirmos sobre o que o Senhor está nos dizendo com isso.  Lembremo-nos do que nos assegura Isaías 59:1:
"EIS que a mão do SENHOR não está encolhida, para que não possa salvar; nem agravado o seu ouvido, para não poder ouvir".

sábado, 20 de junho de 2015

Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti; porque ele confia em ti. Isaías 26:3


Neste mundo repleto de engano e de seduções que coopera para que o cristão perca o foco nas coisas espirituais tudo conspira para nos tirar a paz. Nossos esforços se concentram em requerer direitos, em cobrar o obvio ou o que seria natural se não houvesse tanta desonestidade, tanta corrupção, tanto mal feito. Nossa paz é retirada quando temos nossos cartões clonados, quando somos assediados por profissionais desonestos, quando temos nossos direitos subtraídos pelos nossos governantes, quando vemos nossos recurso sendo desviados, quando somos desrespeitados em vários sentidos... Mas a Bíblia nos ensina a colocar nossos olhos e nosso coração no Senhor, esperando que Ele nos faça sentir a verdadeira paz

a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus. Filipenses 4:7

sexta-feira, 19 de junho de 2015

"Conserva o modelo das sãs palavras que de mim tens ouvido, na fé e no amor que há em Cristo Jesus" ( 2Tm 1:13 ).


Se nos intitulamos cristãos devemos obedecer de coração e com integridade a doutrina do Evangelho de Cristo, agindo consoante os princípios do Senhor Jesus, registrados nas Escrituras. Afirmar-se cristão, frequentar uma igreja, ser membro de alguma denominação não faz de ninguém um autêntico cristão, tampouco garante ou legitima a salvação. Infelizmente, existem inúmeras pessoas que se intitulam cristãs, mas,  de fato, não são. Assim como há diversas religiões e religiosos que afirmam serem seguidores de Cristo, mas que não são cristãos. O que define o conceito de cristão é a forma, ou a identificação por obras e atitudes  com o que foi estabelecido por Cristo. O verdadeiro cristão é aquele que crê em Cristo conforme diz a Bíblia

"Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre" ( João 7:38 ).

quinta-feira, 18 de junho de 2015

ó preguiçoso, até quanto ficarás deitado? quando te levantarás do teu sono?” (Provérbios 6:9);


A preguiça é um mal condenado pela Bíblia. O preguiçoso não é bem visto diante de Deus e tampouco louvado pelo Senhor. Ao contrário do que muitos almejam, a Bíblia ensina a ganhar o pão com o suor do trabalho e aquele que espera que as coisas lhes caiam sem o menor esforço contraria a vontade de Deus. Também na obra de Deus a preguiça é sinal de fraqueza e causa muitos males. A ação e o dinamismo na igreja faz com a obra cresça. A vida do cristão indolente e que para tudo encontra uma desculpa, que não ora, não lê a Palavra de Deus, é uma vida seca, sem frutos. Não foi por acaso que Jesus disse em João 5:17
“Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também”.

quarta-feira, 17 de junho de 2015

“Nem todo o que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus” (Mateus 7:21).


Jesus nos ensina que só podemos dar lugar para o crescimento da vida divina em nós, quando negarmos a nossa vida carnal, liberando espaço para a vida espiritual de forma que Deus tenha o controle sobre nossos desejos e ações. Por meio de Sua vida em nosso espírito, Deus opera em nós e nos leva a alcançar a maturidade espiritual. E conforme permitimos a ação de Deus em nós, Ele nos confiará certas obras e nos dará responsabilidades para com a Sua obra. Para realizarmos essa obra, o apóstolo Paulo nos diz em Efésios 4:13-14


Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo, Para que não sejamos mais meninos inconstantes, levados em roda por todo o vento de doutrina, pelo engano dos homens que com astúcia enganam fraudulosamente.

terça-feira, 16 de junho de 2015

Mas, alcançando socorro de Deus, ainda até ao dia de hoje permaneço dando testemunho tanto a pequenos como a grandes, não dizendo nada mais do que o que os profetas e Moisés disseram que devia acontecer, Atos 26:22


Cristo mandou que ensinássemos a todas as nações, pregando o Evangelho a todas as criaturas, quando disse “ide, ensinai todas as nações” (Mateus 28:19). Jesus estava “reafirmando o que o que os profetas e Moisés disseram que devia acontecer” (Atos 26:22). Jesus Cristo veio cumprir as promessas feitas aos pais, por meio dos profetas. Deus prometeu a Abraão que a nação que seria formada por meio de sua família seria abençoada e que esta nação seria o instrumento de Deus para estender Sua benção ao mundo inteiro. (Gênesis 18:18) “E em tua descendência serão benditas todas as nações da terra”. Isso significa que, se somos herdeiros da promessa, se somos parte dessa família abençoada, não podemos requerer apenas o bônus, mas devemos fazer a nossa parte dando testemunho dos feitos do Senhor em nossas vidas. Testemunha é uma pessoa que pode dar um relato em primeira mão de alguma coisa. Se recebemos de Deus as bênçãos, devemos também atender à proclamação do apóstolo João:
"Nós lhes proclamamos o que vimos e ouvimos para que vocês também tenham comunhão conosco" (1 João 1:3).

segunda-feira, 15 de junho de 2015

Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto. Salmos 51:10


Mas o que é ter um coração puro? A Bíblia diz que é  ter um coração semelhante ao de Jesus. Um coração humano com sentimentos divinos. Um coração que ama como Jesus amava, um coração que se compadece, que perdoa quantas vezes seja necessário. Um coração sem preconceitos, sem mágoas, sem dar espaço para a mentira, a falsidade, a inveja e para o ódio. O salmista usa o verbo criar e isso nos mostra que é uma ação transformadora. É o amor de Deus, que transforma palavras em ações e transforma palavra e ações. Para termos um coração puro, precisamos ter um coração semelhante ao de Jesus. Certamente, não conseguiremos ser perfeitos, pois ainda habitamos em um corpo de pecado, mas precisamos nos esforçar ao máximo, buscando a santidade. Para isso devemos guardar a Palavra de Deus no nosso coração e não permitir que as coisas ruins deste mundo e o pecado tomem conta de nós. E, sobretudo, aceitar a renovação pelo Espírito Santo e permitir que Ele mexa em feridas abertas, que ainda não foram curadas, por mais que venha a doer. O resultado será uma vida de santidade, desfrutando de uma felicidade genuína, diferente daquela oferecida pelo mundo, pela mídia, pelo comércio, por uma sociedade corrompida. O resultado será uma vida com Deus aqui e na Eternidade, conforme nos promete Jesus
"Bem-aventurados os puros de coração, pois verão a Deus" (Mateus 5:8).

domingo, 14 de junho de 2015

“Não acordeis, nem desperteis o amor, até que este o queira.” (Cantares 2.7)


O amor verdadeiro não somente espera, mas é exclusivamente reservado para a pessoa que Deus escolheu para nós. Os solteiros precisam entender isso para não fazerem escolhas precipitadas e para se decepcionarem. Essa é a grande mensagem do sábio rei. O amor não pode ser banalizado, explorado como a mídia e sociedade tem feito. Amor não é simplesmente sexo e casamento não é acasalamento. Por isso é preciso identificar e distinguir "paixão" superficial e amor genuíno. Deus criou e abençoou o amor, e dedicou um livro inteiro da Bíblia sobre esse assunto. No  livro de Cantares, Salomão nos ensina que Deus reserva os maiores prazeres românticos para aqueles que saibam esperar o tempo Dele, sabendo que o amor perfeito é caracterizado por esperança e exclusividade: esperar em Deus e dedicar o amor a quem o Senhor preparou, sem se entregar a paixões mundanas e promíscuas. Entretanto, a mídia e muitos setores da sociedade atual diz exatamente o contrário: o amor é precipitado, apressado, forçado. A sedução e a promiscuidade falam mais alto. Careta e ultrapassado é quem age como recomenda o rei. Mas a mensagem de Salomão, inspirada em Deus é simples e clara e é reforçada pelo apóstolo Paulo em 1 Coríntios 13, quando define o amor:
"É paciente... não arde em ciúmes... não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses... tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

sábado, 13 de junho de 2015

“Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu; ele pastoreia entre os lírios”. Cantares 7:10.



Uma característica do amor conforme Cantares é a exclusividade. Mas isso não significa posse, exigência de atenção exclusiva em um monopólio doentio. Significa dedicação, fidelidade e atenção cuidadosa. A sociedade atual, na contração do que ensina a Bíblia, estribando-se em seu próprio entendimento, apregoa que “todas as formas de amor são legítimas”. Há várias formas de amor e elas são legítimas, mas o amor conjugal não permite a divisão, a promiscuidade, senão o apóstolo não afirmaria em I Coríntios 7:4,  essa verdade que deve ser aplicada ao contexto do casamento:
"A mulher não tem poder sobre o seu próprio corpo, e, sim, o marido; e também, semelhantemente, o marido não tem poder sobre o seu próprio corpo, e, sim, a mulher." 

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Então, enquanto temos tempo, façamos bem a todos, mas principalmente aos domésticos da fé. Gálatas 6:10


O apóstolo Paulo nos exorta a fazer o bem, lembrando-nos que devemos privilegiar os irmãos, todavia sem fazer acepção de pessoas. Isso significa que devemos disseminar o bem a todas as criaturas, começando com os da casa, com os domésticos da fé. Fazer o bem é também instruir as pessoas no conhecimento de Deus e na verdade,  alertando aqueles que estão andando no caminho do erro, por meio do exemplo positivo. Mas fazer o bem é socorrer o próximo nas suas necessidades físicas, emocionais e espirituais,  cooperando de alguma maneira para o seu conforto e felicidade neste mundo. E isso inclui os homens bons e os maus, os justos e os injustos. Não cabe a nós julgarmos as atitudes e sim cooperar para que com nosso exemplo de fé e de amor haja mudança de postura e Deus seja glorificado. Se deixarmos de fazer o bem a qualquer homem, independentemente de como ele seja, perderemos a oportunidade de beneficiá-los com as verdadeiras bênçãos espirituais, pregando o evangelho de Cristo. O Senhor nos ensina a fazer o bem tanto aos nossos amigos quanto aos nossos inimigos. Quando nos diz em Mateus 5:44: Eu, porém, vos digo: Amai a vossos inimigos, bendizei os que vos maldizem, fazei bem aos que vos odeiam, e orai pelos que vos maltratam e vos perseguem. E de igual modo devemos fazer o bem tanto aos homens bons, quanto àqueles que são ingratos e maus, segundo o que nos ensina Paulo
Da mesma forma, somos exortados a “A ninguém torneis mal por mal” (Romanos 12: 17).

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Venerado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; porém, aos que se dão à prostituição, e aos adúlteros, Deus os julgará. Hebreus 13:4


A Bíblia nos mostra que Deus criou três instituições na terra: a família, a nação, e a igreja. As demais instituições foram criadas pelo homem na tentativa de organizar a sociedade. Mas é inegável que essas instituições basilares foram criadas por Deus e devem ser preservadas. Destruir a família tem sido a arma de satanás para também destruir a nação e a igreja. Mudar os conceitos em relação ao casamento sob a afirmação de o mundo mudou e as relações humanas também, ou sob o argumento de que temos que aceitar todas as formas de amor, porque Deus é amor não está de acordo com a Palavra de Deus. Deus não mudou, mesmo que a sociedade tenha mudado. As leis de Deus continuam as mesmas, independente de nossa interpretação. Podemos ver em Marcos 10:7 registra o que Jesus afirmou sobre o casamento “Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á a sua mulher”, reiterando a vontade de Deus registrada em Gênesis 44:20
"Deixará o homem seu pai e sua mãe e se juntará à sua mulher e serão os dois uma só carne até que a morte os separe".  

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Portanto, ofereçamos sempre por ele a Deus sacrifício de louvor, isto é, o fruto dos lábios que confessam o seu nome. Hebreus 13:15


Mesmo diante da apregoada crise, de circunstâncias adversas ou de momentos de angústia e dor não podemos deixar de louvar e de agradecer a Deus, pois Ele é merecedor de honra, glória e louvor. Ele é o autor da vida. Louvar e agradecer, confiando que o Criador não faltará. A Sua majestade é muito maior que possamos imaginar. E em vez de murmurar, devemos glorificar a Deus, certos de que com o poder de Sua palavra montanhas se movem e as águas do mar se abrem para podermos passar em terra firme. O cristão que verdadeiramente conhece e teme a Deus deve mostrar o Criador por meio de atitudes e exemplos de fé, pois o mundo está sempre pronto a observar nossas ações, para ver se realmente colocamos em prática tudo que aprendemos com a Palavra de Deus. É por nossas ações e não por nossos discursos que mostramos se realmente servimos a Ele ou nos quedamos diante de muitas dificuldades, negando-O.
Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou. 1 João 2:6

terça-feira, 9 de junho de 2015

Não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem. Romanos 12:21


Não é difícil nos depararmos em nosso dia a dia, no trabalho, nas relações sociais ou até mesmo em família com pessoas que muitas vezes agem de maneira que nos incomodam, aborrecem,  perseguem,  e que tornam as nossas vidas difíceis. Infelizmente, até mesmo dentro da Igreja encontramos pessoas que nos tiram a serenidade. Muitas vezes nos sentimos injustiçados e pedimos justiça a Deus, entendendo que isso significa punir aqueles que nos incomodam. Mas a orientação do apóstolo Paulo nos faz repensar essa postura e assim em vez de pedir que o Senhor nos vingue, devemos pedir a Deus abençoe a quem nos persegue. Quando  deixamos de agir de forma egoísta e pensamos primeiro no outro, com certeza o Senhor nos ajudará, e nos guiará a  uma atitude correta. O que Deus espera de nós é que possamos fazer a diferença neste mundo e em vez agirmos com a orientação do mundo que ensina a pagar o mal como mal, devemos fazer o bem, demonstrando amor. Deus se encarregará do resto, por isso Paulo nos exorta em Romanos 12:17
Não retribuam a ninguém mal por mal. Procurem fazer o que é correto aos olhos de todos. 

segunda-feira, 8 de junho de 2015

O qual nos fez também capazes de ser ministros de um novo testamento, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata e o espírito vivifica. 2 Coríntios 3:6


A Palavra de Deus nos diz que precisamos ser guiados pelo espírito e não pelo conhecimento humano. O conhecimento é necessário e importante para a humanidade, mas não é capaz de dar ou de sustentar a vida em sua plenitude. Paulo diz que Deus o capacitou para ser ministro não da letra, como foi Moisés, mas do Espírito que é responsável pelo avivamento e pela nova vida como um cristão. Pela letra da Lei seremos condenados se descuidarmos de um único ponto, mas pela abundante Graça mesmo que imerecida recebemos vida por causa da aliança que o Senhor tem com aqueles que a aceitam


"Esta é a aliança que farei com a comunidade de Israel depois daqueles dias", declara o Senhor: "Porei a minha lei no íntimo deles e a escreverei nos seus corações. Serei o Deus deles, e eles serão o meu povo. Jeremias 31:33

domingo, 7 de junho de 2015

Tendo o vosso viver honesto entre os gentios; para que, naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores, glorifiquem a Deus no dia da visitação, pelas boas obras que em vós observem. 1 Pedro 2:12


A honestidade é uma característica fundamental a todos os homens, mas para os cristãos ela deve ser condição sine qua non e tem que ser acima de qualquer padrão humano, posto que é pela nossa conduta que glorificaremos a Deus e pregaremos o Evangelho vivo, sem hipocrisia. Jesus nunca aprovou um mundo de aparências, Ele sempre preferiu a essência, sempre valorizou o interior do ser humano e não o seu exterior, por isso, mesmo sendo Deus encarnado, e tendo o poder de escolher, preferiu vir ao mundo  em uma aparência comum e sem beleza (Isaías 53:2). Viver de forma honesta, honrando a palavra e o compromisso assumido é o cartão de apresentação do verdadeiro cristão. Mas aquele que diz que ama a Deus ou que é um crente em Jesus nega a sua própria palavra e envergonha o Pai quando age de forma desonesta e incoerente com a Palavra que professa. O verdadeiro cristão nem precisa dizer que é. Seu comportamento, os seus relacionamentos, os resultados de suas ações falam por ele. Por isso Jesus disse em Mateus 7:19

“Pelos frutos se conhece a arvore, se o fruto for bom a arvore é boa, se o fruto for ruim essa arvore não presta”.

sábado, 6 de junho de 2015

Bem-aventurados os que guardam o juízo, o que pratica justiça em todos os tempos. Salmos 106:3


O salmista retrata no Salmo 106 o tratamento misericordioso de Deus a um povo que repetidas vezes se rebelou contra Ele, mesmo quando estava recebendo suas bençãos. Assim como hoje vemos Deus protegendo o povo com quem fez um pacto de uma forma muito especial apesar de o povo não mostrar a mesma fidelidade à aliança com Deus. Os israelitas voltavam ao pecado, sofriam opressão, clamava ao Senhor, recebiam ajuda divina, e mesmo conhecendo o livramento do Senhor caíam novamente no pecado e não tiveram fé suficiente para tomar posse da terra prometida. Contudo,  a misericórdia divina fez com que o Senhor lhes ouvisse as orações e permanecesse fiel às promessas que fez. Precisamos cuidar para não continuarmos a cometer os mesmos erros dos israelitas, mantendo viva a chama da fé, pois sem fé é impossível vencer as dificuldades cotidianas sem murmurar. Os israelitas foram moldados pelo Senhor no deserto e hoje Ele quer fazer o mesmo com aqueles que passam por um vale árido. Que possamos nos regozijar recebendo a promessa de Deus
para que louvemos o teu nome santo, e nos gloriemos no teu louvor. Salmos 106:47

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. João 3:16


Esse é um dos textos mais conhecidos e mencionados de toda a Bíblia e possivelmente nenhum outro versículo explica tão bem a relação de Deus com a humanidade e o caminho da salvação. Por essa razão é comum que esse versículo ou a sua indicação, “João 3:16”, apareça em citações diversas em eventos, adesivos de carro, artes urbanas, epígrafes e epílogos. Todavia, nem todos entendem por que foi necessário que Jesus morresse pela humanidade e como a morte de Jesus é uma expressão do amor de Deus por nós. Mas para aqueles que compreendem o sentido desse plano divino a gratidão sincera pelo sacrifício de Jesus deve ser a motivação para as efetivas mudanças em suas vidas e assim devem viver para Jesus. Isso quer dizer que a nossa prioridade deve ser a de procurar seguir os passos de Jesus, praticando o que Ele ensinou. Consequentemente, essa mudança afetará nossos valores, nossas escolhas e tudo o que fazemos e assim deve fazer o que nos ensina o apóstolo João em 1 João 2:6
Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou. 

quinta-feira, 4 de junho de 2015

“Eu lhes tenho dado a tua palavra, e o mundo os odiou, porque eles não são do mundo, como também eu não sou. Não peço que os tires do mundo, e sim que os guardes do mal. Eles não são do mundo, como também eu não sou. Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade. Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo” (João 17:14-18).


Quando Deus separou Seu povo, deixou claro que não era imitar as coisas do mundo, nem para adotar a idolatria ou a tradição de outros povos. Mas também não disse que não poderia conviver com eles. Também hoje, Deus não pede uma separação física ou geográfica entre povos, ou entre pessoas que professam uma fé diferente. Deus filhos estejam separados do pecado, sem se isolar em uma fortaleza ou uma ilha. Ele deseja que seus discípulos convivam com as pessoas “do mundo” para que possam refletir os Seus princípios e assim exercer uma influência positiva e salvadora diante daqueles que não conhecem a salvação. Foi nesse sentido que Jesus orou ao Pai a favor dos seus discípulos: “Eu lhes tenho dado a tua palavra, e o mundo os odiou, porque eles não são do mundo, como também eu não sou. Não peço que os tires do mundo, e sim que os guardes do mal. Eles não são do mundo, como também eu não sou. Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade. Assim como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo” (João 17:14-18). O Senhor nos ensina que devemos influenciar os perdidos sendo a luz do mundo (Mateus 5:16)..
Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus. 

quarta-feira, 3 de junho de 2015

Olhando, pois, Arão e todos os filhos de Israel para Moisés, eis que a pele do seu rosto resplandecia; por isso temeram chegar-se a ele. Êxodo 34:30


Essa passagem bíblica narra o momento em que os israelitas não conseguiram encarar Moisés porque seu rosto resplandecia, depois de ele ter ficado 40 dias e 40 noites jejuando e buscando a Deus. Esse momento de intensa intimidade com o Senhor iluminou a sua face de tal modo que a Glória de Deus resplandeceu em seu rosto ao ponto de o povo não conseguir encará-lo. Essa experiência de Moisés também é a do cristão que vive de tal forma que reflete a Glória de Deus em sua vida. Quem vive conforme os princípios divinos, quem baliza sua conduta na orientação de Deus é reconhecido entre os ímpios inevitavelmente. Nem é preciso anunciar a sua fé, pois o verdadeiro cristão resplandece, traz em seu rosco a luz do Senhor. E para aqueles que carecem da presença de Deus o salmista clama:
"Faze resplandecer o teu rosto sobre o teu servo; salva-me por tuas misericórdias. Salmos 31:16

terça-feira, 2 de junho de 2015

Porque o Senhor fará justiça ao seu povo, e se compadecerá de seus servos; quando vir que o poder deles se foi, e não há preso nem desamparado. Deuteronômio 32:36


Quando se fala em justiça logo relacionamos à justiça dos homens e pensamos em burocracia, demora, protocolo, hierarquias, e, em muitos casos, injustiça. Mas essa não é a acepção da justiça divina. A Bíblia nos diz que Deus faz justiça aos Seus escolhidos e, ainda que pareça demorada, a Justiça de Deus jamais falhou. Ao contrário da justiça humana ela não parcial, não depende de quem é ou de quanto custa o advogado e do seu poder de argumentação ou exposição para o juiz. A justiça de Deus se faz, independente da influência ou do poder aquisitivo do acusado, porque Deus é incorruptível e não se importa com o status de quem é julgado. Ele, não se deixa influenciar por qualquer fato exterior à questão e faz se compadece de seus servos. Por isso, quando nos sentimos injustiçados pelos homens, devemos recorrer a Deus em nome do nosso único e necessário advogado que pleiteará a nossa causa: Jesus Cristo de Nazaré. E Ele mesmo nos garante em Lucas 18:7

E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles? Lucas 18:7

segunda-feira, 1 de junho de 2015

E dize-lhe: Acautela-te, e aquieta-te; não temas, nem se desanime o teu coração (...). Isaías 7:4


A Palavra de Deus trazida pelo profeta Isaías neste recorte bíblico diz respeito a um momento de Israel, mas atualizando-a para o nosso momento presente podemos depreender que se trata de uma exortação atemporal em que o Senhor por meio de seus profetas exorta o Seu povo a confiar Nele. Confiar em Deus é o princípio geral para que as bênçãos sejam desprendidas e recebidas. Mas o Senhor também nos diz para termos cautela, aquietando nosso coração. Muitas vezes o desânimo que nos impede de seguir em frente vem devido ao medo de tomarmos alguma atitude, ou também porque não serenamos nosso espírito. Nossa vida não deve ser caracterizada por inquietações que geram ansiedade, e sim pela fé que produz felicidade. O Senhor nos ensina a não nos inquietarmos acumulando preocupações com o que nos sucederá no futuro. Isso não significa que não devemos nos ocupar hoje em construir os alicerces de nossa vida. Mas o Senhor abençoa a vida de quem trabalha e nele confia, por isso é suficiente que o homem trabalhe em cada dia, que faca as tarefas que lhe são atribuídas e cuide  dos  problemas que lhe dizem respeito, tomando as decisões que forem sendo necessárias. O que não pode ocorrer é a preocupação excessiva e que pressupõe falta de fé. O apóstolo Paulo nos ensina o caminho para agradar a Deus e receber Suas promessas
Vigiai, estai firmes na fé; portai-vos varonilmente, e fortalecei-vos. 1 Coríntios 16:13