Traduza este blog

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011


“Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo.” (Lucas 6: 38)

Amado(a), vemos neste versículo que Deus estabeleceu o princípio de plantio e colheita e que isso vale para todas as áreas de nossa vida. Na natureza percebemos claramente o plantio de uma semente e o modo como ela nasce e se multiplica dando seu fruto. Podemos também estabelecer uma analogia com a nossa vida. Os recursos que o Senhor nos deu para administrar e também para compartilhar advêm da forma como plantamos. Isso nos leva a refletir sobre o fato de que a generosidade não deve ser vista apenas como um dom de Deus, mas como uma orientação de vida em abundância. Quando abençoamos alguém estamos praticando o amor, Deus se alegra disso e derrama sobre nós uma boa medida, sacudida, recalcada e transbordante. Aquilo que fazemos ao próximo teremos de volta de alguma forma, eis porque devemos ter cuidado com o que plantamos. Nesse sentido, amar, fazer o bem e dar o que há de melhor em nós não é apenas uma boa política, mas “um bom negócio”. Nossas atitudes de hoje definirão o que teremos ou como seremos amanhã. Assim, como julgarmos, seremos julgados; como condenarmos, seremos condenados, e como perdoarmos seremos perdoados.
Amado(a), quando Jesus nos chama à generosidade, Ele nos dá exemplo, pois Ele não julga, não condena, perdoa as ofensas e dá sem medir custos. É certo que nunca poderemos retribuir tanta generosidade, mas podemos seguir Seu exemplo. Você precisa de perdão? Perdoe!

domingo, 30 de janeiro de 2011


“Escutarei o que Deus, o SENHOR, falar; porque falará de paz ao seu povo, e aos santos, para que não voltem à loucura.”(Salmos 85:8).

Amado(a), você tem buscado ouvir a voz de Deus? Tem pedido discernimento para separar o que Ele lhe fala por meios de Seus profetas daquilo que são os ruídos do mundo? Saiba que nosso Deus é um Deus de paz, não de confusão. Se a sua mente está confusa, se seu coração está acorrentado ao passado, a mágoas e a situações que trazem inquietação, é hora de perguntar: você já experimentou o perdão de Deus?
Mais que isso: você já se perdoou, perdoando também àqueles que um dia falharam com você? É importante que você limpe primeiro seu coração para que, livre dos ruídos e das interferências do mundo e de seu príncipe, você esteja apto a ouvir a voz de Deus. Isso requer antes de tudo humildade, desejo firme de atender à voz do Senhor e não apenas escutá-la. Só quem se sente resgatado do pecado com mão forte sabe exprimir a experiência de ouvir essa voz que traz paz.
A voz do Senhor separa o homem do pecado para que não pratique loucuras.
Quem ouve a voz do Senhor não anda segundo seu próprio entendimento, não se mistura aos ímpios, não segue os próprios impulsos. Quem ouve essa voz tem certeza da salvação em Cristo.
Amado(a), você tem experimentado as bênçãos decorrentes da salvação verdadeira? Como tem sido o seu testemunho de cristão?
Graça e Paz!

sábado, 29 de janeiro de 2011


“Clamaste na angústia, e te livrei; respondi-te no lugar oculto dos trovões; provei-te nas águas de Meribá. (Selá.) (Salmos 81:7)

Amado(a), esta palavra é para você que está cansado(a) de se debater com tantos problemas e situações as quais lhe parecem sem solução. O Senhor está lhe dizendo que ouve o seu clamor e está do seu lado. Ele afirma que recebe a sua oração e que não está surdo aos seus pedidos, mas você precisa dar um passo de fé e ir até Ele. Ele não desamparou você e tem colocado intercessores que não se descuidam das súplicas em seu favor. Jesus é o seu advogado diante do Pai e quer que você entenda que não há mais porque insistir na derrota, na desonra, na cabeça baixa. Ele o(a) toma por filho(a), herdeiro de Suas promessas, por que você insiste em agir como bastardo(a)? Se você clama por uma saída digna, e o que pede agrada ao Senhor, creia que a petição já foi concedida “porque, aquele que pede, recebe; e, o que busca, encontra; e, ao que bate, abrir-se-lhe-á. (Mateus 7:8). O Senhor confirma no seu coração aquilo que tem falado a Ele em oculto: Ele não abandonou você. Está ao seu lado, curando suas feridas, fortalecendo sua vida. Sinta o Seu toque de amor e glorifique a Deus. Mas há algo que só você pode fazer: arrepender-se e voltar-se para Ele. Os Seus braços estão abertos para lhe receber. Não pense que estão pregados em uma cruz que você insiste em carregar, porque até agora ao entendeu que Jesus já venceu em seu lugar.

Graça e Paz!

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011


Bendito o homem que confia no SENHOR, e cuja confiança é o SENHOR. Porque será como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro, e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e no ano de sequidão não se afadiga, nem deixa de dar fruto. ". (Jeremias 17:7-8).

Amado(a), o profeta Jeremias nos lembra que o Senhor tem chamado nossa atenção para um posicionamento e nessas palavras somos conclamados a nos enquadrar. Em quem você tem confiado? Em você mesmo, nos desejos de sua carne que direciona suas ações e reações, ou na orientação do Senhor, segundo a Sua palavra?
Aquele que confia no Senhor é bendito. Observe que o profeta faz uma analogia a uma árvore plantada junto às águas. Ela estende suas raízes para o ribeiro. Raízes são as coisas que construímos, são as nossas bases, o nosso ponto de referência. E o ribeiro é algo externo a nós, mas que nos nutre e nos refrigera. Uma planta que cresce ao lado de um ribeiro é uma planta saudável e que frutifica, pois busca para suas raízes os nutrientes necessários para que cresça fortificada. Ao passo que as plantas que estão distante do ribeiro não têm o mesmo nutriente. Eis porque o profeta chama de bendito a esse homem e em contraposição afirma que maldito é aquele que confia na carne. A carne é tudo aquilo que representa os desejos do homem natural, que não eleva, que beira ao instintivo. Quem confia na carne se aparta do Senhor e se deixa dominar pelas concupiscências e pelos prazeres efêmeros. Por isso, o profeta, para mostrar a conseqüência dessas atitudes, faz uma analogia com a tamargueira. Essa planta típica da região do Líbano simboliza a pessoa desamparada, sem ter a quem recorrer no deserto.
Aqueles que se entregam à carne, que não ouvem as exortações dos profetas de Deus e cauterizam sua consciência, fechando seus ouvidos para a voz do Espírito, certamente se firmam em seus desejos e acabam se isolando no deserto criado pela sua insensatez. Frequentemente se frustram, pois tomam atitudes intempestivas de resolver seus problemas sem ouvir o Senhor, guiando-se pelos próprios pés. A conseqüência disso é a sensação de solidão e de vazio, porque afastam de si os ribeiros de águas frescas que nutrem e fortificam, impedindo a frutificação.
Amado(a), onde você tem lançado suas raízes? Em terras banhadas por um ribeiro, ou em areia movediça que o faz afundar cada vez mais?

Graça e Paz!

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011


“Portanto, tornai a levantar as mãos cansadas, e os joelhos desconjuntados, e fazei veredas direitas para os vossos pés, para que o que manqueja não se desvie inteiramente, antes seja sarado.” (Hebreus 12:12-13)

Amado(a), viver como cristão não é fácil. Passar por provações e nos mantermos íntegros, vencendo as tentações também não é tarefa simples. Mas a palavra de Deus nos ensina a caminhar na direção certa, decidir corretamente, obedecer a Deus e em tudo dar graças. A Bíblia nos diz que a esperança que se retarda adoece o coração. Mãos levantadas, joelhos firmes denotam a ação de Deus em nossas vidas. Moisés, quando estava diante do Mar Vermelho, teve de levantar seu cajado para que a benção de Deus fosse determinada e o mar se abrisse, e depois novamente para que ele se fechasse sobre os egípcios. O Senhor ordenou que ele levantasse suas mãos e assim o sobrenatural aconteceu. Esta atitude demonstrou da parte de Moisés obediência e fé. A Bíblia fala em várias passagens sobre o manter-se de pé: manter-se de pé até a vinda de Jesus, cair e ser erguido por Deus, cuidar para não cair... Enfim, muitas são as passagens bíblicas que mencionam tais expressões. O cansaço nos faz mancar, e o coxear prova a falta de firmeza em nossos passos e a nossa fragilidade no andar. Os joelhos desconjuntados demonstram também que os caminhos não são planos, mas pedregosos e pode certamente resultado da escolha de uma caminho pouco seguro. Então, o Senhor nos adverte que, quando estivermos inseguros, mancando e andando sem firmeza, baixando os braços, cansados de tanto caminhar e não chegar a nosso destino, ter nossos joelhos desmontados pelo caminho tortuoso, então devemos nos recompor, tornar a levantar as mãos cansadas a fim de proclamar a bênção de Deus em nossas vidas e buscar lugares seguros para pisar nossos pés, a fim de que nossos caminhos sejam os que o nosso Pai escolheu para nós. Assim, os que mancam se desviarão totalmente e inteiramente do caminho errado escolhido e serão sarados porque não terão mais joelhos desarticulados, uma vez que o caminho não será mais tortuoso, pedregoso, mas será plano, firme e seguro. O Senhor decretará ordem a nosso respeito nas regiões espirituais quando levantarmos nossos braços, que erguidos demonstram a proclamação por nossas próprias palavras e ações a respeito da vitória que Deus nos dá nesta hora. Andando firmes, seguiremos para o cumprimento de nossas promessas, guiados e seguros pelo nosso Pai. Na prática isso tudo significa manter-nos firmes diante das promessas de Deus, sem recuar, sem pestanejar, sem duvida e proclamando todos os dias com nossa vida que cremos no Deus que opera milagres, prodígios e maravilhas.
Graça e Paz!

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011


“Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria.”(Salmos 126: 5)

Amado (a), quantas vezes suplicamos ao Pai pela solução de um problema em nossa vida, pela restauração de um relacionamento, pela cura de um enfermo, pela conversão de nossos familiares e nos banhamos em lágrimas esperando a ação de Deus que parece não chegar nunca? O salmista nos tranqüiliza, pois reconhece que Deus é fiel e suas palavras são verdadeiras, e também nós devemos saber que se estamos em comunhão com Ele, nossas petições, ainda que regadas com nossas lágrimas, serão aceitas e atendidas no tempo do Senhor. O choro pode até durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã, porque não estamos livres das aflições deste mundo. As lutas são necessárias ao nosso crescimento espiritual, pois elas nos fazem mais fortes para receber e valorizar as nossas conquistas que estão alicerçadas em Deus e não nas nossas próprias forças.

Quantas vezes semeamos com olhos cheios de lágrimas, quando pensamos que nossos esforços são em vão. Mas o certo é que Deus colhe nossas lágrimas e elas servem para regar a planta que colheremos com alegria. Creia nisto!

Graça e Paz!

terça-feira, 25 de janeiro de 2011


“Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei, e ele, comigo” (Apocalipse 3:20)


É frequente orarmos pedindo a Deus, para que Ele nos abra uma porta. Pode ser uma porta de emprego, de uma decisão judicial, de uma solução para um problema financeiro, sentimental, familiar ou de saúde. Tantas são as portas metafóricas para as quais pedimos a intercessão de Deus. E quando pedimos, cofiando e seguros de que estamos dentro da vontade do pai, podemos tomar posse do que diz Apocalipse 3: 7b que diz: “Isto diz o que é santo, o que é verdadeiro, o que tem a chave de Davi; o que abre, e ninguém fecha; e fecha, e ninguém abre”. Sabemos quem tem a chave que pode abrir ou fechar as portas para nós. Mas existe uma porta, que é muito complexa e da qual somos os guardiões de sua chave. Diante dela, o Senhor Jesus diz, no Apocalipse: Essa porta é a mais complicada de todas as portas que há no mundo: é a porta do nosso coração. Na maioria das pessoas, ela não se abre com facilidade para Deus.
Quantos são os procuram bater na porta do Senhor apenas quando se sentem desamparados, mas ao se sentirem fortalecidos dão as costas para essa porta e vão bater em outras, que certamente se apresentam mais atrativas.
Só nós temos a chave da porta de nosso coração e ela só pode ser aberta, por dentro. Quando trancamos a porta para o Senhor Jesus, consequentemente as portas se fecham para nós, porque só Ele é capaz de nos dar aquilo que ninguém pode tomar.
Amado(a),Jesus está à porta. Ele bate, mas você tem chave e a opção de abrir ou não. Qual é a sua escolha?
Graça e Paz!

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011


“Todos esperam de ti, que lhes dês o seu sustento em tempo oportuno.”(Salmos 104:27)

Amado (a), o salmista nos lembra que nosso Deus é poderoso, misericordioso e que não abandona os Seus. Mas os pensamentos de Deus são tão altos, que a nossa mente humana não os pode compreender! Muitas vezes, quando nos encontramos em luta, ao olharmos as nossas próprias condições ou mesmo a situação que estamos passando, nossa tendência é achar que nada daquilo que Ele nos falou se cumprirá! Mas nós somos servos do Deus do Impossível, e sabemos que o Ele faz não depende de nós, nem de condições favoráveis para operar! E Ele é um Deus que cumpre Suas promessas. Davi reconheceu que nem ele, nem ninguém que tenha deixado sua vida nas mãos do Senhor se frustrou.
Deus sempre retribui aos seus mais do que eles merecem e sempre está ao lado daqueles que n'Ele confiam.
Amado(a), seja o que estiver lhe acontecendo, neste momento, qual seja a sua necessidade imediata, confie no Senhor e verá que Deus está no controle de tudo e a farinha na panela não se acabará, nem o azeite da botija, nem a imensurável graça de Deus para conosco.
Graça e Paz!

domingo, 23 de janeiro de 2011


“O filho sábio atende à instrução do pai; mas o escarnecedor não ouve a repreensão.”(Provérbios 13:1).

Amado(a), em toda a Bíblia e especialmente no livro de Provérbios encontramos muito ensinamento que orientam os filhos a obedecer os pais. No Novo Testamento também encontramos essas instruções. Em Efésios 6:42, o apóstolo Paulo escreveu: “E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor”. Em Hebreus 12:4-11 explicou sobre a importância da disciplina na instrução dos filhos. A Bíblia toda enfatiza a importância da educação dada pelos pais aos filhos. É pelo exemplo e não pela autoridade que os pais conseguirão que seus filhos trilhem o caminho do Senhor.
Amado(a), seu filho pode se espelhar em você? Você tem se espelhado em Cristo e procurado seguir as Suas orientações de forma a dar boa orientação também aos seus filhos?

Salomão nos lembra que “O filho sábio alegra a seu pai, mas o filho insensato é a tristeza de sua mãe” (10:1) Em que tipo você se enquadra?
Graça e Paz!

sábado, 22 de janeiro de 2011


Por que estás abatida, ó minha alma, e por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei pela salvação que há na sua presença. (Salmos 42: 5)


Amado(a), tão certo como Jesus estará conosco até a consumação dos séculos é o fato de que nessa vida teremos aflições. Ninguém, ímpio ou cristão, estará isento de passar por momentos de lutas nesta vida. As lutas podem vir no plano material, espiritual, emocional, mas Jesus prometeu que não nos deixaria sós. Se no mundo temos aflições, também temos a certeza de que Aquele que começou a boa obra não nos deixará quando estivermos sendo afligidos, porque Ele venceu o mundo e Nele podemos confiar. O salmista nos exorta a esperar em Deus, porque está certo de que se a nossa reação for a de louvor, mesmo diante de circunstâncias adversas, sairemos da batalha vitoriosos. A nossa forma de reagir diante dos problemas define o resultado. A Bíblia mostra diversos exemplos de situações que pareciam impossíveis de serem resolvidas, mas tiveram sucesso porque foram dirigidas pelo Todo Poderoso. Vemos Ezequiel diante do vale de ossos secos, confiando e profetizando o que parecia aos olhos humanos irrealizável. Vemos Davi, insignificante aos olhos de Golias, mas vitorioso porque lutou com a confiança Naquele que nos fortalece e sem usara as armas do mundo. Vemos Josué derrubando muralhas porque obedeceu. Vemos Gideão vencendo os midianistas com apenas 300 homens. Assim como ainda faz conosco, nas conversas com Gideão, Deus afirmou sua presença repetidas vezes. Primeiro, ele afirmou por palavras: "Já que eu estou contigo, ferirás os midianitas como se fossem um só homem" (Juízes 6:16). Depois por sinais. Uma vez que Deus chamou a atenção de Gideão, ele lhe deu a sua primeira missão: destruir os ídolos do próprio pai e fazer um altar ao Senhor no mesmo lugar (Juízes 6:25-26). Em obediência, Gideão levou dez homens consigo e cumpriu o mandamento do Senhor na mesma noite.
E você, amado(a), por que continua abatido(a)? Davi e os outros saíram da aflição porque confiaram e obedeceu. Você tem a chave para enfrentar suas lutas. Se as coisas não estão fáceis, lembre-se de que sem Deus as dificuldades se agigantam, mas com Ele tudo é possível. Se você escolher confiar e obedecer, certamente o louvará diante da congregação.

Graça e Paz!

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011


“Jesus respondeu, e disse-lhe: Qualquer que beber desta água tornará a ter sede; ” (João 4:13).


Amado(a), Jesus disse à samaritana o que tem dito a nós o tempo todo: o que o mundo nos oferece não nos satisfaz. Mas uma coisa é certa. A pessoa que, como a samaritana, sacia a sede da sua alma com a água viva que o amor de Deus nos proporciona fica livre para ser tudo o que Deus a fez para ser.
Amado(a) Deus usa a nossa sede para nos atrair para Si. Quantas vezes estamos como a samaritana. Sua vida era uma grande confusão. Ela já havia passado por vários relacionamentos e vivia numa relação errada com um homem que nem era seu marido. Foi ao poço buscar água para satisfazer sua necessidade natural, mas encontrou Jesus. E esse, certamente, foi um momento crucial em sua vida. quantas vezes vamos em busca de solução para nossos problemas seculares e Jesus usa esses momentos para nos atrair. A questão está em agir como a samaritana ou continuar procurando a nossa satisfação. Quando nos entregamos em Suas mãos, Ele trabalha em nós para nos transformar em pessoas que esperam em Deus, fazendo escolhas certas e não temendo perturbação alguma. A samaritana percebeu isso e transformou sua vida após aquele encontro. Ela foi verdadeiramente despertada espiritualmente por Jesus e procurou ser aceita por Ele. O que parece ser um simples encontro entre Jesus e uma mulher desconhecida transformou-se em uma grande oportunidade de evangelização e Jesus aproveitou esse momento. Quantas vezes perdemos a oportunidade de agir como Ele. Não é com conversa mundana que ofereceremos a salvação ao mundo. Jesus usou uma linguagem espiritual e não se desviou de seu objetivo, mesmo quando a mulher não entendeu que Ele falava de outra água. Entretanto Ele usou as perguntas dela como uma alavanca para os assuntos que ela precisava ouvir. Ela falou de um monte, e Jesus foi para o seu coração. Ela relacionou o Messias como uma esperança futura, mas Jesus colocou-a face a face com o Salvador.
O ponto crítico da conversa foi quando Jesus implicitamente revelou que ela mulher estava em pecado e, que Ele era aquele que poderia reconhecer e resolver os seus problemas da alma. Jesus fala a mesma coisa conosco hoje. Ele nos dá a oportunidade de deixar uma vida de pecados e de beber da água da vida. Mas, para isso, precisamos fazer como a samaritana: ela reconhece seus erros e se dispõe a deixar que Jesus entre em sua vida.

Graça e Paz!

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011


“...eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” (João 10.10).

Amado(a), João está colocando em evidência algo do qual muitos parecem se esquecer: Jesus veio para cumprir o plano de salvação de Deus e nos dar vida. Mas essa vida não tem sido conhecida de muitos porque mesmo aqueles que conhecem a palavra de Deus não têm tomado posse do que o sacrifício de Jesus nos garantiu. Essa vida da qual nos fala o apóstolo é muito mais do passar os anos. É viver na plena certeza da salvação e da redenção conquistada na cruz. Ainda que em meio às lutas, próprias da existência humana, viver nessa certeza é ter o espírito em sintonia com o Pai, certos de que não são as nossas obras, ou nosso esforço pessoal que nos garantirão sucesso. Para tomar posse dessa promessa e de tudo que ela implica é necessário arrependimento sincero, deixar de confiar em nossa capacidade para nos salvar. É preciso crer que Cristo é o único que pode perdoar nossos pecados e tomar um posicionamento de fé que só vem por meio de uma decisão pessoal. Ninguém, por mais rico que seja pode dar essa vida a outro.
Amado(a), você pode escolher entre viver a vida que o mundo oferece e viver a sua vida em Cristo, mas deve saber que tanto a primeira como a segunda opção está regida por leis espirituais e que a sua escolha definirá tanto o resultado do que será como ser existente na Terra, como na vida eterna. Tanto aqui, como na Eternidade você definirá onde e com quem vai habitar.


Graça e Paz!

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011


Sois vós tão insensatos que, tendo começado pelo Espírito, acabeis agora pela carne? Será em vão que tenhais padecido tanto? Se é que isso também foi em vão. Gálatas 3:3,4


Amado(a), o apóstolo Paulo está chamando a atenção dos gálatas, porque, conhecendo o caminho da verdade deixaram-no de lado e deram espaço às concupiscências da carne. O apóstolo questiona os gálatas “Oh insensatos gálatas! quem vos fascinou para não obedecerdes à verdade, a vós, perante os olhos de quem Jesus Cristo foi evidenciado, crucificado, entre vós?”
E hoje questiona a igreja que, tendo conhecimento da palavra, sabendo o que não deve fazer, tendo sido alertada para não insistir em algum ponto que contraria a vontade de Deus, age de forma insensata. Inicia com o ímpeto do Espírito, desejando seguir o caminho da paz e do evangelho e se desvia, dando vazão aos desejos da carne, desobedecendo as orientações recebidas. Essa igreja ouve a palavra, sabe discernir o certo do errado, mas não pratica, preferindo fazer o contrário do que foi ensinado, mesmo ciente das conseqüências. O apóstolo chama de insensato aquele que, mesmo tendo sofrido as conseqüências de erros ou escolhas erradas, insiste em permanecer no erro, sem um verdadeiro arrependimento, sem tomar uma postura de mudança. Insensatos porque o sofrimento experimentado foi em vão. Sabendo o resultado da má escolha, o insensato ainda prefere passar pelo mesmo caminho que não o levou a um lugar tranqüilo. O profeta Jeremias 2:21 coloca o questionamento de Deus para aqueles que agem de forma insensata: “Eu mesmo te plantei como vide excelente, uma semente inteiramente fiel; como, pois, te tornaste para mim uma planta degenerada como vide estranha?”
Amado(a), nas palavras do profeta Deus está falando conosco. Temos agido de forma prudente ou insensata?
Graça e Paz!

terça-feira, 18 de janeiro de 2011


Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma. (Eclesiastes 9:10).


Amado(a), somos conclamados a fazer a obra do Senhor da melhor forma e não temos desculpas para não fazê-la. Se, em nosso trabalho, mostramos aos colegas atitudes coerentes com o evangelho, estamos, de certo modo, evangelizando. Se na Igreja nos dispomos a cooperar, dando parte de nosso tempo, estamos contribuindo com um mínimo que, somado a outros fazem a diferença. O que não pode acontecer é o comodismo. É o não achar nada a ser feito. É o pensar que o outro pode fazer por nós, ou que não temos tempo ou nada para colaborar. Hoje é o dia da ação, por menor e mais insignificante que possa parecer, é a base de tudo. Só se atinge o alto de uma escada, galgando o primeiro degrau. Amanhã toda intenção pode não se realizar, porque não sabemos se teremos amanhã. Eis porque o sábio nos alerta a fazer hoje, da melhor forma o que precisa ser feito. Ide e pregai o evangelho é uma ordem, não um convite. E pregar o evangelho não é uma atividade exclusiva de pastores. Não precisamos ser teólogos, ou seminaristas, não necessitamos do ritual da ordenação para tal. Pregar o evangelho é simples. Mas para isso é necessário conhecer e viver a Palavra de Deus, ofertando parte de nosso tempo para que Ela seja conhecida pelos outros.
Amado(a), como você tem usado seu tempo nesse sentido? Qual tem sido a sua disposição para a obra de Deus? Lembre-se de que hoje, agora, no lugar onde está esse chamado faz sentido. Amanhã é para aqueles que nunca estão dispostos. É para os que encontram desculpas e justificativas para a sua negligência com as coisas de Deus. O Senhor nos capacita. Disso precisamos estar seguros. E não há ninguém que não possa contribuir de alguma forma para que o evangelho seja levado à toda criatura. O que você tem feito?
Graça e Paz!

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011


De modo que, tendo diferentes dons, segundo a graça que nos é dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé;(Romanos 12:16)


Amado(a), a Bíblia nos mostra que todos temos dons, segundo o propósito de Deus e não podemos, porque disso seremos cobrados, deixar de exercitá-los em prol da obra de Deus. Os dons que recebemos devem ser desenvolvidos, não para proveito pessoal, mas para servir a Deus e ao próximo. Paulo menciona em suas cartas diversos dons. Em Romanos: profecia (pregação, declaração inspirada); Serviço (ministério); Ensino (comunicação de princípios bíblicos); Exortação (estímulo à fé, encorajamento); Contribuição (doação, generosidade); Liderança (autoridade, governo, administração); Misericórdia (simpatia, consolo, bondade); em I Coríntios 12 acrescenta: Sabedoria (conselho sábio, palavra sábia); Conhecimento (falar com propriedade); Fé (crer na intervenção divina); Cura (sarar mágoas e doenças físicas); Milagres (realização de grandes feitos); Discernimento de espíritos (percepção espiritual); Línguas (falar em línguas nunca aprendidas); Interpretação de línguas (tradução compreensiva); Apostolado; Socorro e Administração (governo, presidência, liderança). Em Efésios 4 adiciona: Evangelismo (missionário, pregador da salvação em Cristo); Pastoreio (ministrar ao povo de Deus)...
Amado(a), esses e vários outros dons que não foram elencados estão para os cristãos usarem com liberalidade. Não retenha o dom que Deus lhe deu. Use-o para evangelizar, para ser portador da boa nova. Sua atitude será vista por aqueles que ainda não conhecem Jesus.

domingo, 16 de janeiro de 2011


Eu sararei a sua infidelidade, eu voluntariamente os amarei; porque a minha ira se apartou deles. (Oséias 14:4)


Amado(a), na voz do profeta Oseías, o Senhor conclama o povo a se converter verdadeiramente; porque tem caído pelos seus. Ainda hoje essa palavra é necessária. É preciso que o povo de Deus tome essas palavras como uma nova e, (não se sabe) a última oportunidade de se converter ao SENHOR; pedindo-lhe para tirar toda a iniquidade, aceitando o que é bom.
Assim como disse ao povo de Israel, certamente o Senhor dirá àqueles que abandonarem as escolhas erradas e de fato e de atitude se voltarem à Casa do Pai:”Eu sararei a sua infidelidade, eu voluntariamente os amarei; porque a minha ira se apartou deles. Eu serei para Israel como o orvalho. Ele florescerá como o lírio e lançará as suas raízes como o Líbano. Estender-se-ão os seus galhos, e a sua glória será como a da oliveira, e sua fragrância como a do Líbano. Voltarão os que habitam debaixo da sua sombra; serão vivificados como o trigo, e florescerão como a vide; a sua memória será como o vinho do Líbano”.
O profeta afirma que sábio e prudente são os que entendem estas coisas porque os caminhos do SENHOR são retos, e os justos andarão neles, mas os transgressores neles cairão.
Amado(a), em que posição você quer ficar?

Graça e Paz!

sábado, 15 de janeiro de 2011


“Ele mesmo disse: Não te deixarei, nem te desampararei.” (E Hebreus 13:5)

Amado(a), neste mundo em que as pessoas estão sendo instigadas a consumir, a se entregar aos prazeres, a buscar o efêmero e o descartável o que mais encontramos são seres solitários. E quando esses seres circunstancial e inevitavelmente se encontram o que percebemos é o encontro de solidões. Solidão não é nos sentir sozinhos temporariamente, mas nos sentir sós mesmo rodeado de pessoas. Solidão é a ausência de Deus, é o vazio de nossa alma que não pode ser preenchido por ninguém.
Quantas pessoas estão se sentindo assim hoje em dia! Até mesmo dentro das igrejas, onde muitos vão ou estão! Na verdade isso continua acontecendo porque o homem visita Deus à procura da solução de seus problemas imediatos, em busca da cura de sua carência emocional, mas não habita no santuário do Altíssimo. Não está em Deus. É inevitável que a solidão aumente que as frustrações e as carências se acumulem. Nada pode preencher esse vazio. O homem só será plenamente satisfeito quando deixar de entregar a outras coisas o espaço que é do Senhor. A Bíblia diz que somos o templo de Deus. E é nesse espaço que Deus quer habitar. Ele não quer apenas visitar. Entretanto, muitos não permitem que Deus habite em seu coração. Ele é somente um convidado ocasional que é recebido formalmente na sala, enquanto outros ocupam os demais espaços.
Amado(a), é preciso saber que Deus não força entrada, só entra e habita se for autorizado e Ele não aceita dividir espaços com outros deuses.
Quem são os outros deuses que você tem permitido habitar no lugar que deveria ser o Santuário do Senhor? A rebeldia, a desobediência, o orgulho, a falta de perdão, a ganância, a luxúria, a ingratidão, o desamor são pecados que impedem a presença de Deus e abrem espaços para que o deus deste mundo tome o lugar que deveria ser santificado. Essa é a verdadeira causa da solidão. Nossa alma tem sede do Deus vivo, afirma o salmista.
E não adianta insistir: o homem apartado de Deus jamais preencherá esse vazio a não ser pela presença de Deus em sua vida.
Graça e Paz!

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011


E, tomando ele os cinco pães e os dois peixes, levantou os olhos ao céu, abençoou e partiu os pães, e deu-os aos seus discípulos para que os pusessem diante deles. E repartiu os dois peixes por todos. E todos comeram, e ficaram fartos; (Marcos 6: 41-42)


Amado(a), nesses versículos Marcos nos relata o episódio da multiplicação dos cinco pães e dos dois peixes para que uma multidão fosse alimentada. O evangelista destaca que todos comeram e se fartaram. O nosso Senhor Jesus daqueles dias é o mesmo de hoje e Ele nos prometeu coisas maiores realizadas em Seu nome. É certo que o cristão que vive segundo a palavra conhece o milagre da multiplicação e pode testemunhar isso em sua vida. Entretanto, infelizmente, na vida de alguns que assumem o “rótulo” de cristão, o que vemos é a multiplicação do que não é pão. A multiplicação de problemas, de dívidas, de algo que não é da vontade de Deus para Seus filhos. Mas aqueles que são gratos à Deus, que sabem reconhecer a Sua soberania, e também agem com espírito de gratidão com seu próximo; aqueles que semeiam em bom terreno, dividem com os outros o que Deus lhe dá pela graça e sabem administrar com mordomia os seus recursos, certamente conhecem o milagre da multiplicação.

Graça e Paz!

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011


Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também. (João 13:15)

Amado(a), vivemos tempos difíceis, tempos de desafios e lutas, quando a ética e a moral são mais importantes que nunca, por isso, como cristãos é importante que deixemos um bom exemplo para aqueles com quem trabalhamos ou convivemos. Sabemos que toda pregação é inócua se não vem acompanhada de um bom testemunho. O que fica é o exemplo da atitude. Aqueles que pregam o que vivem, quer na vida profissional, pessoal ou em seu ministério deixam mais do que conteúdos, deixam exemplos de vida, modelos a se espelhar. Esses fazem como nos ensina João, espelhando-se em Jesus. Temos que pensar que os exemplos recusáveis também ficam marcados. Muitos deles são responsáveis por um desserviço à obra de Deus. A incoerência do discurso com a prática salta aos olhos e muitas vezes é mais notória em uma
comunidade do que o bom exemplo. Ela presta um desserviço à própria fé que professamos. A prática continua sendo o critério da verdade. E Jesus é a verdade e a vida. Eis porque temos que nos espelhar em Cristo e assim como Ele dar exemplo em todas as esferas de nossa vida. Jesus disse que "é impossível que não venham escândalos, mas ai do homem pelo qual eles vêm! Melhor fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma pedra de moinho, e fosse atirado no mar, do que fazer tropeçar a um destes pequeninos." (Lucas 17:1,2). A palavra "escândalo" no grego é "skándalon" e significa tropeço ou armadilha, símbolo daquilo que incita ao pecado ou à perda da fé.Escândalo é todo ato, palavra, obra ou omissão que incita o outro a pecar. A forma como nos comportamos pode levar a outrem a se escandalizar.
Amado(a), a sua forma de conduzir a sua vida tem sido exemplo a ser seguido pelos irmãos, pela sua família, colegas e subordinados? Se não, está na hora de refletir sobre as palavras de João 13:15 e Lucas 17: 1-2, enquanto há tempo.

Graça e Paz!

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011


E cantavam juntos por grupo, louvando e rendendo graças ao SENHOR, dizendo: porque é bom; porque a sua benignidade dura para sempre sobre Israel. E todo o povo jubilou com altas vozes, quando louvaram ao SENHOR, pela fundação da casa do SENHOR. (Esdras 3:11)

Amado(a), Esdras fala em júbilo. Uma palavra que repetimos até mesmo sem compreender o seu verdadeiro sentido. Júbilo é uma extrema alegria, um contentamento que excede as possibilidades de explicações. Ele fala também do motivo dessa alegria sem tamanho: porque o povo de Deus reconhece que o Senhor é bom e juntos se regozijam. Observe, amado(a), que ele se refere à união do povo de Deus para render louvores a Deus, pela fundação da Sua casa. Estar na casa de Deus é motivo de júbilo, estar reunidos na família de Deus é razão de contentamento, porque não há júbilo na solidão, nem distante do Senhor. O povo de Deus não pode se contentar com momentos de júbilos, ou com cerimônias de júbilo. Esse povo jubila por natureza porque sabe que o Senhor é bom e mesmo diante de adversidades e lutas sabe que já é vencedor. Não há como se rejubilar nas derrotas, mas o povo que verdadeiramente conhece o seu Deus sabe que não será vencido pelo inimigo. É interesse destacar que Esdras diz que o povo cantava juntos em altas vozes ao ponto de não se ouvir o choro de outros, quando os edificadores lançaram os alicerces do templo. Você tem edificado os alicerces do templo, para que também possa viver em júbilo, ou tem apenas visitado o templo para desfrutar momentos de júbilo?
Edificar uma casa é colocar suas bases com alicerce firme, senão ela cai ao menor dos ventos. Isso também vale para o templo de Deus que deve ser edificado em nós. São os seus alicerces firmes que nos garantem permanecer em júbilo.

Graça e Paz!

terça-feira, 11 de janeiro de 2011


Crescei na graça e conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele seja dada a glória, assim agora como no dia da eternidade (2 Pedro 3.18).


Amado(a), somos seres imperfeitos, embora criados à imagem e semelhança de Deus. Eis porque precisamos buscar o que ensina Paulo aos Efésios 4:13 “Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a varão perfeito, à medida da estatura completa de Cristo.”
Todos nascemos incompleto e esta estatura precisa ser construída tanto na esfera física como na espiritual. E isso só pode ocorrer seguindo um curso natural.No mundo espiritual, se o cristão não cresce, fica medíocre, e a medida desse crescimento é proporcional ao exercício de construção de alguns pilares básicos para a edificação desse crescimento. Os ossos que dão suporte ao corpo são metaforicamente a fé (Romanos 1.17), o conhecimento (Oséias 6.3), a graça (2 Pedro 3.16-18), a santificação (Hebreus 12.14) e as experiências espirituais (2 Coríntios 3.18).
Aqueles que não atentam para isso permanecem meninos, pois não estudam a Palavra, não buscam a edificação, conformando-se com o leite materno representado apenas pelo ouvir as pregações aos domingos. Os anos passam, e muitos continuam sendo bebês na fé, sem saber discernir a voz de Deus e a dos homens, sem separar a emoção do poder espiritual.
Infelizmente há muitos dentro da Igreja que não progride nem na graça nem no conhecimento (1 Coríntios 7-10). São facilmente influenciados por qualquer coisa e não frutificam. Não dão testemunhos e estão sempre dependendo dos outros.
Amado(a), para crescer espiritualmente precisamos ter algumas atitudes imprescindíveis: é necessário antes de tudo buscar o Reino de Deus em primeiro lugar; estar aberto para aprender com os outros e com os próprios erros e, sobretudo, com paciência. Ler e estudar a Palavra de Deus é fundamental, pois a partir dela passamos com a ajuda do Espírito Santo a iluminar nossa mente, podemos a compreender a vontade de Deus e assim desenvolver um relacionamento pessoal com Ele. O cristão que ora, lê e medita sobre a Palavra aprende a ouvir a voz de Deus, tem discernimento espiritual, direção e vive em comunhão com a Igreja. É imprescindível ter comunhão com o Corpo de Cristo, pois aquele que se isola do Corpo não cresce com ele e assim morre espiritualmente.
Além disso, é preciso ser perseverante e ativo na obra de Deus. O cristão que conhece a palavra, não desiste na primeira dificuldade, não olha para trás, como a mulher de Ló, nem larga mão do arado, quando assume seu ministério. Ele ama, perdoa, resiste ao diabo e aos desejos da carne, evita pecado, dá dízimo e oferta, evangeliza e produz frutos que ao ser testemunhados glorificam a Deus e engrandecem Seu Reino (Mateus 7.24,25).
Amado(a), lembremos que somos imperfeitos, que temos nossas falhas, mas também elas podem ser tratadas e trabalhadas para a honra e a Glória do Senhor.

Graça e Paz!

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

“Porque o Senhor corrige o que ama, E açoita a qualquer que recebe por filho.” (Hebreus 12:6).




Amado(a), se você tem sido chamado ao arrependimento, se dentro de você ecoa uma voz que o incita a mudar sua forma de ver e de reagir diante de suas próprias atitudes, saiba que é o Senhor lhe chamando a atenção para que não se desvie de Seus caminhos. Se isso já aconteceu e há algo que o incomoda ao ponto de provocar inquietação é o Espírito Santo dando-lhe mais uma oportunidade de garantir a sua salvação. Para Deus você é especial e se recebe a correção do Pai, é porque Ele o trata como filho. Aproveite, pois o chamado, não negligencie essa oportunidade e nem se faça de surdo à voz de Deus. Assim como o filho pródigo, lembre-se de que na casa do Pai há um lugar especial, preparado para você, uma mesa farta e vestes limpas, com direito ao abraço caloroso e aconchegante que só a família pode oferecer.
Se você é filho(a), aceite a correção e não desperdice mais essa oportunidade. Ela pode ser a última.

Graça e Paz!

domingo, 9 de janeiro de 2011


“Sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo” (Efésios 4:32).


Amado(a), somos seres sociais por natureza e fomos criados para viver em comunhão com os outros seres também criados à imagem de Deus. Isso significa que necessitamos de nossos relacionamentos para sobreviver. A começar pelo nosso relacionamento com Deus. Fomos criados para nos relacionar com Ele. E, antes do pecado, o homem tinha uma relação direta com o Criador. Depois de quebrado esse relacionamento, Deus vem dando inúmeras oportunidades de restauração. Precisamos também do outro, estabelecendo diariamente um relacionamento sincero e se isso se rompe nossa vida na terra se torna mais difícil.
Sentir solidão é uma reação biológica, própria do ser que foi criado para se relacionar. A solidão, o vazio e a angústia que sentimos, mesmo estando cercados de pessoas são sinais que nos ajudam a corrigir algo que necessitamos para a nossa sobrevivência: relações de qualidade. De nada adianta substituir um relacionamento por outro se não há qualidade nas relações. O vazio irá permanecer e aumentaremos nossa frustração. A solidão é um sintoma de que algo está em desequilíbrio e precisa ser corrigido. Não sobrevivemos bem sozinhos, precisamos de conexão. Primeiramente com Deus, depois com aqueles que Ele designou para viver ao nosso lado.
Amado(a), a pior solidão é a do homem apartado de Deus. A sensação de solidão é maior quando nos cercamos de pessoas que não propocionam nossa relação com Deus. Temos a ilusão de viver bem, enquanto nos distanciamos de Deus, mas o vazio e a sensação de incompletude aumentam cada na proporção que nos afastamos de Deus e daqueles que estão em verdadeira sintonia com Ele. A cura para isso tudo é entendermos que somos seres imperfeitos e que só podemos ser melhores assimilando a necessidade de perdão, com aceitação de nossas próprias falhas, dando honra ao outro. Jesus nos ensinou essa grande lição e Paulo nos exorta a sermos benignos e misericordiosos aceitando o outro e perdoando-o se queremos ser aceitos e também perdoados. Um exemplo de restauração de relacionamento clássico na Bíblia é o de Esaú e Jacó. Quando Jacó, pela intervenção de Deus, foi quebrantado interiormente e reagiu em humildade, ele então estava apto a reconciliar-se com Esaú. A história de sua reconciliação, narrada em Gênesis 33 nos mostra-que para ela acontecesse foram necessários os seguintes passos: o espírito quebrantado e humilhado de Jacó perante Esaú: o abraço, quebrando a distância e estabelecendo um novo vínculo, o arrependimento, a reparação e o perdão. Vemos, então, que o restabelecimento, a cura que experimentaram foi um milagre da graça de Deus. Sabemos que também a cura em nossos relacionamentos é impossível sem a graça de Deus, por isso devemos colocar no Altar do Senhor todo relacionamento que precisa ser restaurado e começar em nós, abrindo verdadeiramente os nossos corações para receber a cura e o perdão.

Graça e Paz!

sábado, 8 de janeiro de 2011


Em todo o tempo ama o amigo e na angústia nasce o irmão. (Provérbios 17:17)

Amado(a), Salomão fala sobre algo que todos nós sabemos ser importantes, mas somente nos momentos de adversidade podemos perceber profundamente. Os amigos são os anjos usados por Deus para abençoar nossas vidas. São eles que muitas vezes estão ao nosso lado quando passamos por lutas. Muitas vezes o amigo é mais chegado do que um irmão, diz o sábio, lembrando-nos de que essa afinidade é um laço da alma e nos fortalece porque Deus abençoa. A Bíblia relata vários exemplos de pessoas e situações nas quais a amizade está em evidência. Jesus valorizou sobremaneira essa forma de relacionamento e nos momentos de angústia também contou com um ombro amigo. Muitas vezes precisamos de alguém que nos ouça, que nos conforte, que nós dê um conselho amigo, ou até mesmo um “puxão de orelhas”. Nessas horas os verdadeiros amigos são o nosso porto seguro. Há uma expressão popular que diz que nossos anos não devem ser contados pelos janeiros vividos, mas pelo número de amigos que conquistamos. A forca dessa expressão está no fato de que são as pessoas com as quais podemos contar, independente de nossa situação circunstancial, que nos fazem ricos ou pobres.
Amado(a), Jesus deve ser o nosso maior amigo, mas assim como qualquer verdadeira amizade terrena, Ele não força amizade, não banaliza essa relação. Jesus não quer ser amigo somente em algumas horas, Ele quer fazer parte de sua vida em todos os momentos, de alegria e de tristeza, de luta e de regozijo. Você sabe o que isso de fato significa?
Graça e Paz!

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011


Vede que não rejeiteis ao que fala; porque, se não escaparam aqueles que rejeitaram o que na terra os advertia, muito menos nós, se nos desviarmos daquele que é dos céus; (Hebreus 12:25)

Amado(a), o apóstolo nos lembra de uma verdade incontestável: seremos cobrados pelas nossas escolhas. E, ainda que recebamos de Deus a Sua infinita misericórdia, não estamos livres de assumir as conseqüências de nossas atitudes, sejam elas corretas ou erradas. Nossa vida é resultado do que semeamos. O que plantamos no passado, certamente, colhemos no presente e fazemos o alicerce de nosso futuro. Seja na terra ou no céus. Aqueles que rejeitam a palavra de Deus, que não dão ouvidos aos conselhos de quem procura alertar, ou desviar da má escolha devem saber que pagarão o preço da desobediência. E não há como fugir dessa lei. Paulo está falando para “aqueles que rejeitaram na terra os que os advertia, pois, certamente, ao se desviarem dos caminhos, ignorando as advertências de conselheiros ungidos por Deus, também deixaram de estabelecer o alicerce do Reino do Céu. A Bíblia nos exorta a vigiar e a orar sem cessar, porque todos os dias estamos sujeitos às ações do inimigo, para nos levar a atalhos e outros caminhos que nos distanciarão do Senhor. Nesse intervalo entre a volta de Jesus nossa tarefa é guardar a nossa preciosa semente e não deixar que nos roubem seu fruto. Portanto, é mais do que essencial ouvir a advertência de Paulo e atentarmos para o nosso alvo, lembrando que qualquer situação, seja ela aparentemente boa ou agradável, mas que nos desvie do foco, deve ser rejeitada no começo, antes que percamos o mais precioso. Muitas vezes é melhor perder, é melhor a aparência da derrota no presente do que a queda iminente. “Lembrai-vos dos vossos pastores, que vos falaram a palavra de Deus, a fé dos quais imitai, atentando para a sua maneira de viver”. Hebreus 13:7

Graça e Paz!

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011


Quem guardar o mandamento não experimentará nenhum mal; e o coração do sábio discernirá o tempo e o juízo. (Eclesiastes 8:5)

Amado(a), o sábio nos ensina que há tempo determinado para tudo nesse intervalo de tempo que vivemos na terra, enquanto aguardamos a volta de Cristo. Eis porque não faz sentido apressarmos o tempo ou a ordem dos acontecimentos. A intempestividade ou a impaciência em aguardar o tempo de Deus faz com que muitas pessoas percam a bênção ou chame a si e aos que estão a sua volta sofrimentos desnecessários. Quando somos advertidos a esperar, a colher o fruto no tempo oportuno nem sempre entendemos o porquê. Nossa urgência é tamanha que não compreendemos o que a sabedoria popular apregoa”o apressado come cru”. Em todas as áreas de nossa vida isso pode ser percebido. Esperar a hora certa para fechar um negócio, para comprar um bem, para assumir um compromisso, para estreitar relações é uma garantia de sucesso. E o inverso é sinal de problemas e de possíveis desencantos. Não se colhe um fruto antes da hora, sem experimentar seu sabor amargo. Não se tira uma borboleta do casulo sem romper com seu ciclo natural abortando o que poderia ser belo ao seu tempo. Assim também é na vida: quem não sabe esperar a hora não pode saborear o doce do fruto, nem apreciar a verdadeira beleza do que Deus preparou para nós.

Graça e Paz!

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011


“... Esforçai-vos e animai-vos, não temais, nem vos espanteis diante deles, porque o Senhor, vosso Deus é convosco, não vos deixará nem vos desamparará.” (Deuteronômio 31:6)

Amado(a), sempre que iniciamos um ano, iniciamos projetos, fazemos planos e colocamos nossos sonhos em evidência. Sonhar é bom e faz parte da condição humana. Sem a capacidade de sonhar estamos fadados a viver sem alegria, sem motivação. Além do mais, devemos saber que fazemos parte dos sonhos e dos planos de Deus. Mas falar de começo significa também falar de fim. A própria estrutura da Bíblia nos mostra isso. Ela tem a revelação do Senhor iniciando Gênesis e concluindo Apocalipse: o livro do começo e o livro do fim. Mas entre eles há o intervalo, assim como em nossa vida.
Aguardando a vinda do Senhor, estamos vivendo o intervalo. Nessa espera precisamos viver de acordo com a vontade de Deus e aceitar a Sua soberania, assumindo que Ele é completamente fiel no cumprimento das suas promessas. Portanto, amado(a), a palavra de ordem nesse intervalo entre o começo e o fim de ano é: confiar. É isso que nos diz Moisés no quarto livro do Pentateuco.
Somos uma obra prima de Deus e como tal devemos nos esmerar para conhecer a Sua plenitude, vivendo de acordo com as Suas orientações, seguindo o plano que Ele traçou para nós. Quando confiamos em Deus e não em nossos próprios passos, temos a garantia de vitória. Graça e Paz!

terça-feira, 4 de janeiro de 2011


Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação; (Efésios 1:17)


Amado(a), eis algo que precisamos diariamente, como um maná que vem do céu, mas que temos negligenciado: o espírito de sabedoria e de revelação. Sabemos que o conhecimento secular de nada nos adianta para enfrentarmos as batalhas espirituais, assim como sabemos que Deus dá sabedoria aos simples. Sabemos também que a Palavra de Deus é divinamente inspirada e apta a nos ensinar, mas de nada adianta a apreensão de seu conteúdo, se nosso espírito não estiver preparado para a revelação nela contida. Sem a revelação do Espírito, a Bíblia será apenas mais um livro, um amontoado de frases, ou de letras. Sua mensagem só fará sentido, se tivermos do Espírito Santo o espírito de sabedoria e de revelação. Quantas pessoas conhecem os textos bíblicos de Gênesis a Apocalipse, citam de cor seus versículos, freqüentam cultos e ouvem a palavra com bastante freqüência, mas continuam levando suas vidas sem serem transformadas pelo poder que há nessas palavras? A palavra de Deus revelada tem uma ação incalculável, corta como um bisturi e derrete o mais rígido dos materiais. Lemos na Bíblia vários exemplos de pessoas que foram transformadas quando se sentiram plenos da sabedoria e da revelação. Entretanto, é necessário estar desarmado para receber essa revelação. Se estivermos cheios de nosso próprio conhecimento e entendimento, a palavra não encontra pouso e não poderá lapidar nossa alma.
Muitas são as pessoas que até escutam a palavra, recebem a revelação, a voz de Deus que lhes chega por várias formas, mas resistem a obedecer ou a deixar sua própria compreensão e seguem os mesmos caminhos que nunca lhe levaram a lugar de paz, de prosperidade ou de honra. Há os que, em vez de escolherem ouvir a voz de Deus, por meio de seus líderes, preferem ouvir os sopros sutis de satanás que lhes ensina atalhos aparentemente mais fáceis de ser seguidos. Esses descobrem no meio do caminho que estão andando em círculo, como o povo de Deus no deserto e que jamais chegarão á terra prometida se voltarem suas vidas para a Divina Revelação, se não ouvirem a voz dos profetas do Senhor e se não obedecerem sem questionar.
Amado(a), basta ler e pedir a Deus que o Espírito Santo abra o seu entendimento e derrame a revelação, porque o que tinha a ser dito já nos foi comunicado.

Graça e Paz!

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011



Tu, pois, que ensinas a outrem, não te ensinas a ti mesmo? (Rm 2:21)



Amado(a), o apóstolo está nos ensinando a ser exemplo na vida das pessoas a nossa volta. A sermos espelho na vida de nossos filhos, pois não há discurso, ou pregação que fala mais profundamente do que nossas atitudes. Por outro lado, como cristãos não podemos ser hipócritas e cobrar do outro aquilo que não fazemos. Quem quer ser respeitado, deve exercer o respeito com todos, principalmente com aqueles que estão sob sua responsabilidade. Pais que não dão exemplo de integridade, honestidade, idoneidade e retidão aos filhos, embora continuem com a responsabilidade sobre a sua educação, não podem garantir que serão respeitados por eles. Aprendemos aquilo que vivemos e se fazemos o contrário do que queremos que seja feito, não temos autoridade moral para reclamar.
Os pais, principalmente, devem atentar para o fato de que o filho segue o seu exemplo e Exemplo, segundo o Dicionário Aurélio é “Lição; modelo; tudo o que pode ou deve ser imitado; fato de que se tira proveito ou ensinamento; fato, acontecimento ou frase de um autor, que se mencionaram para estabelecer uma opinião, confirmar uma regra ou demonstrar uma verdade; exemplar, modelo”.
O comportamento e atitudes positivas dos pais são responsáveis por nortear um futuro exemplar e para seus filhos. De outra forma, os comportamentos negativos como os vícios, as explosões de ira, discussões na frente dos filhos, falsas promessas, promiscuidade, imoralidade, tudo isso ficará marcado na vida dos filhos.
A psicologia explica que toda criança é imitadora, portanto, vale mais um exemplo do que uma lição.
Amado(a), que tipo de exemplo você tem sido nos seus relacionamentos? Você gostaria que os seus filhos, amigos, irmãos ou subordinados fizessem como você?
Graça e Paz!

domingo, 2 de janeiro de 2011



"porque essa é a alianca que depois daqueles dias farei com a casa de Israel, diz o Senhor; porei as minhas leis no seu entendimento, e em seu coração as escreverei; e eu lhes serei por Deus, e eles me serão por povo; (Hebreus 8:10)

Amado(a), início de ano é sempre tempo de recomeço, é tempo de renovar alianças e de tomar um novo ânimo em todas as dimensões de nossa vida. Aliança é símbolo de um compromisso. Vemos na Bíblia que Deus, em vários momentos, faz aliança com Seu povo. Entretanto, em muitas situações elas são quebradas, o elo é rompido, porque a natureza humana tende a não ser firme em seus propósitos. O mundo banalizou o sentido de aliança e os cristãos também têm se contaminado com esse entendimento. Vemos na política que alianças são feitas, muitas vezes visando interesses escusos e quase sempre, na mesma intenção, são rompidas. Em muitos relacionamentos a aliança não passa de um adorno no dedo e a essência desse símbolo não é respeitada. E o pior de tudo é quando percebemos que a aliança com Deus sequer é considerada. Não importa se prometemos ser fieis, se na hora do aperto nos comprometemos em honrar a Deus em colocá-Lo em primeiro lugar em nossas vidas. O que tem ocorrido com freqüência é que, quando nos sentimos fortes, quando nos vemos atraídos pelas coisas do mundo nos esquecemos de Deus e Ele passa para o último lugar em nossa ordem de prioridades: primeiro os problemas, os amigos, o trabalho, depois, se sobrar um tempo nos lembramos das coisas de Deus.
Infelizmente essa tem sido a ordem na vida de muitos. Eis porque as coisas não avançam, os problemas não são solucionados e o círculo vicioso do plantar no terreno errado não é desmontado. Se o círculo da aliança não é considerado, o outro círculo ganha força e desencadeia um resultado alheio aos nossos anseios, mas inevitável e previsível para aqueles que conhecem a palavra de Deus.
Amado(a), está na hora de romper esse círculo. É tempo de estabelecer uma verdadeira e sincera aliança com Deus e não a abandonar, ainda que os tempos sejam ruins. Pense nisto!
Graça e Paz!

sábado, 1 de janeiro de 2011



"Buscai, pois, em primeiro lugar, o Seu reino e a Sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” (Mateus 6:33).



Amado(a), a cada dia que amanhece, a cada ano de desponta, Deus nos concede uma nova oportunidade de escolher entre uma vida com Ele e uma vida indiferente aos Seus conselhos. Jesus nos ensina a buscar primeiro o Reino de Deus e a Bíblia nos apresenta inúmeras passagens que confirmam ser essa a escolha mais sensata.
A vida sempre nos apresenta como um grande presente de Deus, mas precisamos saber fazer uso de nossa liberdade de escolha e saber usar convenientemente as oportunidades que ela nos oferece.
Como cristãos, vemos o tempo como um dom especial de Deus e somos responsáveis por usar adequadamente esse tempo, os dons a nós concedido, porque como diz Tiago 4:14 “Sois apenas como neblina que aparece por instante e logo se dissipa.”
Hoje estamos iniciando mais um ano. E, se desejamos alcançar maturidade cristã, promovendo o reino de Deus. Em geral, iniciamos fazendo planos pessoais e nos esquecemos de buscar primeiro a comunhão com Deus. Jesus está às portas. O tempo dos Rei dos reis se aproxima. Eis porque precisamos dedicar as primícias de nosso tempo para o Seu Reino e para falar sobre as maravilhas que Deus tem operado em nossa vida. É tempo de priorizarmos os estudos bíblicos e o nosso crescimento espiritual. Paulo nos exorta a aproveitar melhor nosso tempo em Romanos 13:11:
“E digo isto a vós outros que conheceis o tempo, que já é hora de vos despertardes do sono; porque a nossa salvação está agora mais perto do que quando no princípio cremos”

Amado(a)Que Deus nos ajude a remir o tempo no ano que se inicia, a fim de que nos aproximemos da eternidade!
Graça e Paz!