Traduza este blog

segunda-feira, 30 de abril de 2018

“O Senhor corrige o que ama, E açoita a qualquer que recebe por filho”. Hebreus 12:6





Por natureza o ser humano tem dificuldade de enfrentar seus erros. Ninguém gosta de se sentir culpado, ou de ser repreendido. Muitos cristãos, de tão imersos que estão no mundo e no pecado, não percebem que esse peso leva ao isolamento e a que percam a própria noção de pecado. A Palavra de Deus nos estimula a levar ao Senhor os nossos problemas, medos e anseios. Não precisamos esconder de Deus os nossos problemas, os nossos pecados, tampouco nos intimidarmos diante Dele com receio de confessar nossos sonhos. Diante de um Deus magnânimo podemos abrir as portas de nosso coração! Quando admitimos nossas fraquezas e confessamos os nossos pecados a Deus encontramos paz e nos dispomos a aceitar a correção. Precisamos entender que muitos dos problemas que enfrentamos são decorrentes da indisposição em abrir o coração e expor o que verdadeiramente sentimos. Podemos confessar nossos pecados com a segurança de que Jesus continua chamando: "Vinde a mim todos os que estais cansados e eu vos aliviarei:" Talvez a maior razão que temos para confessar nossos pecados seja a que encontramos em I João 1:9:

"Se confessarmos nossos pecados Ele é fiel e justo para nos perdoar e nos purificar".


domingo, 29 de abril de 2018

Amados, amemos uns aos outros, pois o amor procede de Deus. Aquele que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Quem não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor. 1 João 4:7-8




O apóstolo nos exorta a praticar o amor, a exemplo de Deus., porque Deus é amor e essa é a essência de seu ser. Tudo que Deus faz vem de seu amor por nós, pela justiça, pelo bem, pela verdade. Mas precisamos entender que o amor de Deus é diferente do amor apregoado pelo mundo e está presente nas atitudes de pessoas que usam de mansidão e bondade, mesmo quando precisam corrigir o outro. Pessoas comprometidas com a Obra demonstram o amor que vem de Deus. Pessoas que dedicam parte de seu tempo ao próximo demonstram amor genuíno e sabem retribuir carinho e solidariedade. O amor de Deus por nós é o maior exemplo para nos ensinar a exercer o amor pelo próximo e a fazer ao outro aquilo que desejamos que nos façam, agindo como nos ensina o apóstolo Paulo em I Coríntios 13:5

“Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal.”

sábado, 28 de abril de 2018

"E Jesus disse-lhe: Se tu podes crer; tudo é possível ao que crê. (Marcos 9: 23)



Essa declaração de Jesus, registrada pelo evangelista Marcos não deve ser entendida como promessa incondicional. O ”tudo” a que se refere Jesus deve estar fundamentado na vontade de Deus. A Palavra de Deus não pode ser contraditória. Assim, se nosso desejo contraria os princípios bíblicos, se pedimos algo insensato ou que não esteja de acordo com os propósitos de Deus, certamente ele não se materializará. O que Jesus nos assegura é que tudo o que desejamos com coração voltado para Deus é possível de ser realizado. Por isso, confiando que a vontade de Deus é boa, perfeita e agradável, precisamos aprender a esperar que Ele aja no tempo certo, cientes de que a nossa leve e momentânea tribulação servirá para nos fortalecer e nos preparar para receber aquilo que o Senhor tem preparado para nós. Se agirmos com sinceridade e vivermos segundo a Sua vontade, podemos pedir que o Senhor nos concederá, pois Ele quer o melhor para os Seus. E justamente porque nos ama, não nos dará nada que nos afaste de Sua presença, ou que nos distancie do Reino. Por isso Tiago 4: 3 nos diz

“Pedis, e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites.”



sexta-feira, 27 de abril de 2018

“Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; Mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. (Mateus 6: 19-20).



A Bíblia nos ensina que podemos esperar em Deus para prover as necessidades daqueles que Nele confiam. Em Mateus 6: 25, Jesus nos diz que não precisamos ficar cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que havemos de comer, beber ou vestir. Por isso o Senhor nos ensina a não colocarmos nossas forças na busca de bens terrenos e nos exorta à preocupação com as coisas celestiais. Contudo, muitos têm gasto sua vida em acumular riquezas e, infelizmente, em muitos casos têm adquirido bens de forma que contraria a Palavra de Deus. O dinheiro ganho desonestamente, além de trazer amarguras e dores, em geral, vai embora de uma forma imprevista também. Sabemos, entretanto, que Deus supre as nossas necessidades e para quem é fiel à Palavra de Deus, o pouco é abundante. Vemos pessoas que ganham muito, de forma desonesta, têm, de fato, bem menos do que aqueles que pouco recebem, mas são escravos do que adquiriram contrariando as orientações de Deus. Por isso, devemos agir como recomenda o apóstolo Paulo , pois se agirmos com honestidade não só perante o Senhor, mas também diante dos homens, certamente obteremos as graças do Senhor. Isso se aplica em todas as áreas. No trabalho, na vida social, nas relações afetivas e familiares.

"Pois o que nos preocupa é procedermos honestamente, não só perante o Senhor, como também diante dos homens”.(II Coríntios 8:21)

quinta-feira, 26 de abril de 2018

Esperei com paciência no SENHOR, e ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor. Salmos 40:1






A Bíblia deixa claro que cristão vitorioso é aquele que persevera. O próprio Jesus nos ensina a sermos pacientes e a aguardar o momento oportuno para recebermos de Deus as promessas. Várias são as narrativas que demonstram que para vencermos as lutas que nos cercam precisamos ser pacientes e confiar no Senhor. É pela paciência que alcançamos o equilíbrio espiritual para nos desvencilharmos das investidas do inimigo. Ser paciente não significa estarmos inertes, mas esperar em Deus, aguardando as Suas promessas fundamentados na Sua Palavra. Certos que Deus nos atenderá a Seu tempo.

"Na vossa paciência possuí as vossas almas”. (Lucas 21:19)



quarta-feira, 25 de abril de 2018

Não abandonemos, como alguns estão fazendo, o costume de assistir às nossas reuniões. Pelo contrário, animemos uns aos outros e ainda mais agora que vocês veem que o dia está chegando. Hebreus 10: 25



A Palavra de Deus nos diz que não podemos ter uma vida espiritual sozinhos, pois viver no Espírito é como uma semente que precisa de terreno fértil para crescer. E esse terreno é preparado quando nos reunimos como Igreja e preparamos o ambiente espiritual para ouvir, compreender e aceitar a Palavra de Deus. É nesse ambiente que preparamos o terreno para que a semente da Palavra possa crescer e amadurecer de forma plena. Mas quando deixamos de congregar como Igreja não nos permitimos receber os nutrientes necessários. Quando deixamos o Senhor em posição secundária em nossa vida, a consequência é o esfriamento e a desnutrição espiritual que pode nos levar à inanição. Mas quando nos reunimos criamos um ambiente de intimidade com Deus, pois na congregação há uma medida maior da Sua presença e a graça coletiva é liberada. Ao nos reunirmos como Igreja aplicamos na nossa vida espiritual o princípio expresso em Deuteronômio 32:30

 “um pode perseguir mil, mas dois juntos dez mil”


terça-feira, 24 de abril de 2018

“Porque todos tropeçamos em muitas coisas. Se alguém não tropeça em palavra, o tal é perfeito, e poderoso para também refrear todo o corpo.” Tiago 3:2





O apóstolo nos mostra o quão imperfeitos somos e o quanto devemos nos esmerar para alcançarmos o verdadeiro propósito cristão de buscarmos nos aproximar do caráter de Cristo. E esse exercício começa pelo domínio de nossa língua. A misericórdia e a benevolência começa em nosso falar e segue em nossas atitudes coerentes. Nosso agir deve ser movido pelo amor de Deus e nosso falar deve expressar o que vai em nosso coração. Falar falsamente em vez de procurar ajudar em oração ou apoiando como convém, aqueles que estão com problemas é a atitude mais coerente com a missão do cristão. É pela Palavra de vida que podemos ajudar o próximo a sair do pecado e não pela crítica e depreciação, tampouco por elogios que nada se aproximam do que está em nosso pensamento. Se assim fizermos passaremos a impressão de que a vida cristã é pura hipocrisia e aqueles que nos veem fazendo isso seguirão o mesmo caminho. A Bíblia ensina que a língua é um órgão perigoso e que o homem que sabe dominá-la dominará todo o corpo. Por isso, diante dos homens, devemos seguir a orientação de Tito 3:2:

“Que a ninguém infamem, nem sejam contenciosos, mas moderados, mostrando toda a mansidão para com todos os homens",.


segunda-feira, 23 de abril de 2018

“Disse Jesus: “Pois o filho do homem (Jesus) veio buscar e salvar o que estava perdido” (Lucas 19.10)




A Bíblia está repleta de narrativas que ilustram o momento em que várias e diferentes pessoas tiveram a oportunidade de terem o  seu encontro com Cristo. Ele é a nossa única esperança de vida, mas muitas vezes ignoramos o Seu sacrifício e deixamos de ser transformados pelo Seu precioso sangue. Lemos que essas pessoas tinham basicamente duas coisas em comum: o sofrimento, e a esperança em Jesus, mas tiveram suas vidas mudadas pelo encontro transformador com Cristo, “Pois o Filho do homem veio buscar e salvar o que estava perdido, conforme nos afirma o próprio Senhor Jesus  em Lucas 19:10. O ladrão da Cruz, narrado por Lucas 23:42, expressou: “Jesus lembra-te de mim!”. Veja que aos nossos olhos seria inadmissível que alguém naquelas circunstâncias pudesse ser transformado, mas o encontro com Jesus no seu último minuto garantiu o perdão e a salvação àquele condenado pelo mundo, mas liberto pelo único que pode nos libertar verdadeiramente. Por isso disse Jesus:

“Eu lhe garanto: Hoje você estará comigo no paraíso. (Lucas 23:43).


domingo, 22 de abril de 2018

"Não houve quem voltasse para dar glória a Deus senão este estrangeiro?” (Lucas 17:18)






Essa passagem bíblica é um dos textos que mais nos ensinam sobre como o Senhor dá importância à gratidão. Jesus questiona "Não foram dez os limpos? Onde estão os nove?", quando observa que a benção da cura foi entregue a dez, mas desses somente um voltou para agradecer.  Todos os dias recebemos bênçãos diversas, algumas mais evidentes e outras que passam despercebidas como porque nos acostumamos a elas, poder respirar, andar, enxergar, comer... recebemos o livramento de perigos, de assaltos, de balas perdidas, de bactérias, de vírus, de acidentes... Por maiores que sejam as nossas posses e acesso à tecnologia e à proteção do Estado, “Se o Senhor não guardar a cidade, em vão vigia a sentinela” afirma o Salmos 127:1. De tudo e de todos é o Senhor quem nos livra, mas nem sempre temos noção da dimensão disso, da complexidade dos livramentos operados pelo Senhor em nosso favor. Não somos capazes de compreender a profundidade da generosidade do Senhor e em vez de começarmos e terminarmos o dia agradecendo, reclamamos de tudo. Agimos como os nove que não voltaram para agradecer e por isso limitam suas bênçãos. Não fazemos como aquele leproso que, agradecido, recebeu também a salvação além da cura para o seu mal. O salmista nos ensina a abrir nossos lábios para louvar e agradecer a Deus por tudo o que Ele tem feito em nossas vidas. E se assim agirmos, certamente o Senhor ouvirá quando clamarmos por justiça, segurança e paz, diante dos obstáculos que enfrentamos nesse mundo conturbado.
Entrai pelas portas dele com gratidão, e em seus átrios com louvor; louvai-o, e bendizei o seu nome. Salmos 100:4

sábado, 21 de abril de 2018

“E disse-me: A minha graça te basta, porque o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza. De boa vontade, pois, me gloriarei nas minhas fraquezas, para que em mim habite o poder de Cristo.” 2 Coríntios 2:19





A Bíblia nos ensina que vencedor é aquele que, quando cai, não fica se lamentando ou buscando culpados para sua queda, todavia, dá a volta por cima, reflete sobre seu erro, arrepende-se e se firma na palavra para se fortalecer e não mais cair. É aquele que busca força nas fraquezas e sabe que sua força vem do Senhor. Essa é a lição que o apóstolo Paulo nos dá no texto em epígrafe, instruindo-nos a nos apegar em Deus quando nos sentirmos fraquejando, pois só Ele pode nos aperfeiçoar na fraqueza e nos equipar com o escudo da vitória. A Bíblia é repleta de histórias de homens de fé, que lutaram contra as adversidades e foram vencedores naquilo que enfrentaram, porque a fé foi a mola propulsora da vitória e tem sido ainda o combustível que impulsiona pessoas que jamais seriam consideradas vencedoras. São pessoas que olham para Deus e não para as próprias forças, por isso homens fracos, frágeis e imperfeitos se tornam fortes quando creem e se sustentam na força que vem do Senhor. Vencedor não é aquele que nunca perdeu uma batalha, mas aquele que não esmorece, e não se deixa abater. Aquele que admite suas fraquezas e, se cai, não fica prostrado. Aquele que tem fé.

 “Porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé.”. (1 João 5:4)


sexta-feira, 20 de abril de 2018

Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele. Provérbios 22:6





A Bíblia nos dá lições preciosas sobre a educação de nossos filhos e nos ensina que para que eles estejam preparados para discernir o certo do errado é preciso antes de tudo eles cresçam em um lar que aplique os princípios da Palavra de Deus. Não podemos esperar que eles sejam diferentes dos outros, que ajam com disciplina e ética nas relações sociais e de trabalho se eles não percebem em casa como se deve aplicar os princípios da palavra de Deus em todos os aspectos. Sem o exemplo coerente e a possibilidade de ouvir e de refletir sobre as atitudes cristãs eles jamais verão a diferença entre servir a Deus e servir ao mundo. Por isso é imprescindível que os pais ensinem os  filhos a andar no caminho certo, falando mais pelo exemplo, desde a sua tenra idade. Só assim é possível fazê-los entender a verdade pregada nas Escrituras. Nossos filhos serão aquilo que fizermos deles. Se semearmos a semente da Verdade e ensinarmos o caminho do Senhor em um terreno fértil, ainda que o mundo tente plantar o joio entre o trigo, haverá uma maior probabilidade de que nossos filhos escolham o caminho certo. Contudo, se nunca ouvirem os princípios bíblicos e nunca forem levados à casa de Deus não saberão discernir entre o bem e o mal. Se ensinamos que devem falar a verdade e vivemos em falsidade, não podemos esperar que ajam diferente. Assim, se queremos que sejam íntegros e coerentes, devemos também agir dessa forma. Precisamos nos lembrar de que somos espelhos e responsáveis pela formação daqueles que o Senhor nos deu como filhos.

"E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos, e delas falarás sentado em tua casa e andando pelo caminho, ao deitar-te e ao levantar-te" (Deuteronômio 6: 6-7).


quinta-feira, 19 de abril de 2018

“Disse Jesus: “Pois o filho do homem (Jesus) veio buscar e salvar o que estava perdido” (Lucas 19:10)





Jesus é a nossa única esperança de vida, mas muitas vezes ignoramos o Seu sacrifício e deixamos de ser transformados pelo Seu precioso sangue. A Bíblia registra várias histórias de pessoas que tinham basicamente duas coisas em comum: o sofrimento, e a esperança em Jesus e que tiveram suas vidas mudadas pelo encontro transformador com Cristo. O ladrão que esteve na cruz ao lado de Jesus, no episódio narrado por Lucas 23:42, expressou: “Jesus lembra-te de mim!” O encontro com Jesus no seu último minuto lhe garantiu o perdão e a salvação Aos nossos olhos seria inadmissível que alguém naquelas circunstâncias fosse transformado. O endemoninhado Gadareno, narrado em Lucas 8:35, mostra-nos que aquele homem, depois de se encontrar com Jesus, foi liberto e quis segui-Lo, porque estava verdadeiramente transformado. Lucas 8: 46 conta-nos mais essa passagem, da qual pode-se conhecer a experiência desse encontro que cura e transforma a quem não tem mais esperança. A mulher que foi curada de uma hemorragia de anos. Até mesmo o fiscal de impostos corrupto teve seu momento de transformação e pôde mudar sua conduta diante do encontro com Jesus, porque Jesus veio para resgatar sua vida do mal, dando-lhe novas perspectivas, assim como faz a todos quantos O invocam.

Clama a mim, e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes que não sabes. Jeremias 33:3


quarta-feira, 18 de abril de 2018

“Não te precipites com a tua boca, nem o teu coração se apresse a pronunciar palavra alguma diante de Deus; porque Deus está nos céus, e tu estás sobre a terra; assim sejam poucas as tuas palavras”. Provérbios 19:2 “Não é bom proceder sem refletir, e peca quem é precipitado”. Eclesiastes 5:2




O sábio Salomão nos ensina sobre os riscos da precipitação porque quem se arvora a decidir algo sem antes refletir e consultar o Senhor pode estar se comprometendo com algo do qual mais cedo ou mais tarde se arrependerá e lhe acrescentará amargas consequências e dores.  Uma benção fora do tempo pode ser tornar em maldição, por isso Deus nos orienta a esperar com paciência a hora certa para colhermos os melhores frutos. Quem se precipita para assumir um compromisso, sem antes consultar ao Senhor, também se precipita para anulá-lo. Quem se precipita para falar, para julgar ou para incriminar, logo se arrepende e nem sempre se pode voltar atrás. Por mais que estejamos angustiados e desejosos de obter alguma benção o melhor que fazemos é orar, esperar e confiar que Deus ao Seu tempo providenciará o que necessitamos. A Bíblia nos ensina a refletir antes de falar ou de agir, mas, sobretudo, a consultar ao Senhor antes de qualquer decisão, pois as portas que Ele abre ninguém fecha e as que Ele fecha ninguém abre. Por essa razão Paulo nos exorta em Filipenses 4:6

“Não andeis ansiosos de coisa alguma; em tudo, porém, sejam conhecidas, diante de Deus, as vossas petições, pela oração e pela súplica, com ações de graças”. (Filipenses 4:6).


terça-feira, 17 de abril de 2018

Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta. Hebreus 12:1




Há um dito popular que diz “Não tropeçamos em montanhas!”. Isso equivale a dizer que nossos erros não começam grandes, mas nascem nos pequenos deslizes e concessões e quando nos damos conta já estamos imbricados no pecado. Tropeçamos porque não prestamos atenção nas pequenas coisas que encontramos no caminho. Abrimos espaços para que satanás desvie nossa atenção das coisas do Reino e nos envolva com as coisas do mundo. Tropeçamos porque olhamos para trás em vez de olharmos para Deus. Ficamos presos ao nosso passado assim como a mulher de Ló que virou uma estátua de sal. É isso que acontece quando nos esquecemos que somos novas criaturas, salvas e redimidas pelo sangue de Jesus e voltamos a cometer os mesmos erros e a praticar as mesmas coisas de antes. Tudo porque não percebemos que um pequeno deslize, uma negligência, uma desatenção fez com que não saíssemos do lugar. Mas o salmista nos ensina a buscar a Deus para não tropeçarmos nas armadilhas do inimigo

“Porque a seus anjos ele dará ordens a seu respeito, para que o protejam em todos os seus caminhos; com as mãos eles o segurarão, para que você não tropece em alguma pedra.” (Salmo 91:11-12).



segunda-feira, 16 de abril de 2018

Mas, sobretudo, tende ardente amor uns para com os outros; porque o amor cobrirá a multidão de pecados.( I Pedro: 4: 8)




A Bíblia nos ensina que o amor supera as diferenças e nos aproxima do Senhor que é Amor, por excelência, enquanto o pecado nos afasta de Deus. O apóstolo nos exorta a exercitarmos o amor para com outros de forma ardente, ou seja, deixando de lado o orgulho e tudo aquilo que nos impede de enxergar o ponto de vista do próximo. O orgulho é a arma de satanás para nos impedir de enxergar o ponto de vista do outro e perdoar as suas fraquezas. Em geral, agimos irracionalmente numa discussão e nos sentimos com a razão. Nesse momento é muito difícil reconhecer que estamos errados e isso acarreta não só a perda do controle, como nos afasta de Deus, porque nos sentimos ofendidos e não ofensores. É quando o amor próprio fala mais alto e nos esquecemos do amor ao próximo. Queremos vencer, não importa se a custa de magoar outra pessoa. Deterioramos nossos relacionamentos, quando perdemos a razão querendo tê-la. Mas em Cristo, não precisamos mais ter medo de assumir nossas culpas. O nosso único papel é reconhecê-las, pois Ele já as carregou na cruz. Praticamos o amor quando reconhecemos nossas falhas e nos prontificamos a perdoar as falhas alheias. Somos abençoados quando deixamos que o Senhor nos liberte da resistência que nos aprisiona

Deus resiste ao soberbo, mas dá a sua graça aos humildes (Tiago 4.6).




domingo, 15 de abril de 2018

“No amor não há temor, antes o perfeito amor lança fora o temor; porque o temor tem consigo a pena, e o que teme não é perfeito em amor”. (1 João 4:18)




Para ser um vencedor o cristão deve se comportar com tal e uma  das estratégias para ser uma pessoa vitoriosa é parar de se considerar um fracassado, deixar de repetir palavras e expressões de pessimismo. O cristão deve antes de tudo assumir a posição de vencedor, conquistada na Cruz, pois em Cristo somos mais do vencedores. É o que a Bíblia ensina. E assim, agir com criticidade e de forma positiva com relação ao que se considera fracasso. Precisamos fazer uma análise para verificarmos em qual ou quais áreas temos falhado repetidas vezes e, diante disso rever as expectativas para essa área. Podemos estar cometendo o mesmo erro por falta de conhecimento da palavra de Deus, ignorando o que a Bíblia nos diz em João 8:32: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”. Temos ouvido a voz do Senhor antes de tomar uma decisão? Temos nos aconselhado com nossos líderes e pastores em relação a essa área? Temos a persistido em oração e esperado no Senhor a resposta? Essas são perguntas as quais devemos nos fazer cotidianamente. Falhamos justamente naquilo que mais deseja nosso coração, e nem sempre fechamos as brechas para que satanás, que bem conhece esses pontos nos faça andar em círculos e repetir velhos erros. Mas se colocamos o Senhor à frente de nossos planos, podemos confiar no que nos diz o profeta Isaias 40:31

“Mas os que esperam no SENHOR renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão”. (Isaías 40:31)


sábado, 14 de abril de 2018

"Aquele que é nascido de Deus não peca habitualmente; porque a semente de Deus permanece nele, e não pode continuar no pecado, porque é nascido de Deus". João 3: 9




Jesus nos leva a refletir se temos deixado o Espírito Santo de Deus falar ao nosso coração e sobre como tem sido o nosso confronto com a nossa consciência. Nossa consciência age como a voz de Deus nos sinalizando para o pecado, para que possamos encontrar o caminho reto, sem nos desviar nem para a direita, nem para a esquerda. Todavia, muitas vezes respondemos a essa voz sem fugir das tentações e do pecado, porque cauterizamos nossa. Isso nos leva a nos comportar como um ímpio que só ouve o que lhe interessa e separa na Bíblia, nos sermões e na consciência apenas a parte que lhe convém. O Senhor nos diz que o pecado é tão somente uma exceção e não uma regra na vida do cristão. Mas há aqueles que pecam deliberadamente e repetitivamente, sem preocupações, por não terem consciência do pecado ou porque não se importam, uma vez que perderam o temor de Deus. Felizmente, também há os que se esforçam para não pecar, não se orgulham de suas iniquidades, e delas têm vergonha. O nosso pecado está o tempo todo diante de nós,  mas e bem aventurado é o homem que é tocado pelo Espírito e pode afirmar como o salmista
“Porque eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim” (Salmos 51: 3).




sexta-feira, 13 de abril de 2018

“Sei estar abatido e sei também ter abundância; em toda a maneira e em todas as coisas, estou instruído, tanto a ter fartura como a ter fome, tanto a ter abundância como a padecer necessidade. Posso todas as coisas naquele que me fortalece.” Filipenses 4:12-13





A Bíblia, como um manual de regra e de conduta no qual todo cristão deveria se pautar, também nos orienta em várias passagens sobre como agir com nossas finanças. Ela certamente não proíbe ganhar dinheiro, contudo, recomenda como devemos agir em relação ao uso que dele fazemos. Paulo instruiu-nos que devemos trabalhar para suprir as nossas necessidades e a das nossas famílias. E Jesus em Suas lições nos mostra que não há problema em prosperarmos e em usarmos os nossos dons para gerar bens e usufruirmos deles para viver com qualidade nesta terra. Como povo de Deus, somos chamados a trabalhar usando as nossas habilidades e a gerar recursos para sustentarmos a nós e a outros em necessidade, sejam eles os irmãos cristãos ou os pobres. O apóstolo, no entanto, nos ensina com seu exemplo que devemos aprender a viver com fartura e com escassez, entendendo que não devemos ter apego ao dinheiro Ter dinheiro não contraria a palavra de Deus, o que contraria é o apego ao dinheiro e seu uso indevido. Por isso, o apóstolo exorta

"Manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos” (I Timóteo 6.17)


quinta-feira, 12 de abril de 2018

Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Romanos 8:37




A Bíblia nos dá os caminhos para que o cristão seja uma pessoa vitoriosa e uma das estratégias é parar de se considerar um fracassado, e, assim, assumir a posição de vencedor. Precisamos fazer uma reflexão profunda para conhecermos qual uma área de nossa vida temos falhado repetidas vezes, revendo as nossas expectativas para essa área. Precisamos verificar se não estamos cometendo o mesmo erro por falta de conhecimento da palavra de Deus. Precisamos nos questionar se temos ouvido a voz do Senhor antes de tomar uma decisão; se temos nos aconselhado com nossos líderes e pastores com relação a essa área de sua vida que tem sido a brecha para que o inimigo nos mantenha reféns. Em geral, falhamos justamente naquilo em que mais ansiamos, porque satanás conhece nossos pontos frágeis. Mas não importa que área estamos sendo assediados pelo inimigo, Jesus já determinou que somos vitoriosos. Ele já venceu por nós.

“Mas os que esperam no SENHOR renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão”. (Isaías 40:31)

quarta-feira, 11 de abril de 2018

“Prepara-se o cavalo para o dia da batalha, porém do SENHOR vem a vitória”. (Provérbios 21:31).



A Bíblia nos diz que se Deus estiver em primeiro lugar, tudo o mais vai se vai encaixar perfeitamente nos nossos propósitos. Nossos problemas começam quando nos colocamos à frente e julgamos que nossos planos e nossas ações serão mais eficazes do que a intervenção de Deus. Não há nada errado em dedicar nosso tempo cuidando das coisas seculares. O erro está em envolver-nos com as questões dessa vida sem priorizar Deus, sem colocá-LO no centro ou no comando de nossas ações. Certamente, seremos muito mais felizes se permitirmos que as prioridades de Deus governem nossa vida, reconhecendo o Seu senhorio. Melhor faremos se atentarmos para o que nos lembra Salomão em Provérbios 19:21:

“Muitos propósitos há no coração do homem, porém o conselho do SENHOR permanecerá”.




terça-feira, 10 de abril de 2018

Mas receberão poder quando o Espírito Santo descer sobre vocês, e serão minhas testemunhas em Jerusalém, em toda a Judeia e Samaria, e até os confins da terra". Atos dos Apóstolos 1:8



A Bíblia nos mostra em diversos momentos a importância do testemunho cristão e nos faz refletir sobre essa missão de cada um que aceitou o compromisso do Evangelho. O cristão deve contar ao maior número possível de pessoas as maravilhas que o Senhor Jesus tem feito em suas vidas e na vida de sua família, sobretudo, com exemplo vivo. Como carta viva que traz a mensagem impregnada em sua vida, por meio de ações, atitudes e palavras. Testemunhar não é contar vantagem, se vangloriar de ter conseguido uma casa própria, um carro zero, uma família feliz, saúde e etc. Mas compartilhar as bênçãos recebidas do Senhor com outras pessoas para que elas saibam o quanto Deus é tremendo e desejem também fazer parte do seu Reino. Não foi para nos calarmos que o Senhor nos comissionou, e nos deu autoridade. Por isso, é imprescindível que usemos os nossos dons para contagiarmos pessoas, pois o nosso testemunho permite que todos saibam que Jesus Cristo é o Senhor e que opera milagres e prodígios em favor do seu povo.

Porque apregoarei o nome do Senhor; engrandecei a nosso Deus. Deuteronômio 32:3

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Porque a graça salvadora de Deus se há manifestado a todos os homens, Ensinando-nos que, renunciando à impiedade e às concupiscências mundanas, vivamos neste presente século sóbria, e justa, e piamente, Tito 2:11,12



O termo: ‘graça de Deus’ deve ser aqui entendido como aquela que se encontra no Evangelho que traz a notícia da salvação aos ouvidos dos homens, sob a magnifica influência e aplicação do Espírito de Deus. O apóstolo nos fala da graça salvadora, sendo o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, conforme lemos também em Atos 20:24, 2 Coríntios 6:1, Hebreus 12:15. Mas se essa doutrina é manifestada a todos os homens, nem todos têm se apercebido ou se apropriado dela. O Evangelho do Senhor está aí para mostrar a todos os homens tanto gentios quanto judeus que, renunciando aos chamados do mundo, podem alcançar a graça salvadora. A graça salvadora de Cristo é oferecida a todos os homens que, entendendo a mensagem da Cruz, renunciam à impiedade, e às concupiscências mundanas, vivendo de forma sóbria, justa e piamente. Assim, compreende que o amor e o favor de Deus enviaram Jesus Cristo ao mundo para que

“todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16).


domingo, 8 de abril de 2018

Por que estás ao longe, SENHOR? Por que te escondes nos tempos de angústia? Salmos 10:1



Esse é um versículo que automaticamente vem à mente de muitos quando vivem situações angustiantes, assim como o salmista, inquietado com suas lutas internas e externas, clamou ao Senhor em busca de respostas e à procura de alento. A Bíblia nos mostra que em todas as vezes em que foi conclamado o Senhor, mesmo parecendo distante, revelou-se trazendo o refrigério para aqueles que O invocaram. Ainda hoje vemos que o Senhor ouve a nossa oração e nos acrescenta dias, assim como fez ao rei Ezequias e ao rei Davi. Ele nos ampara nos momentos de angústia e nos acolhe. Lembremo-nos o que disse o profeta Isaías 38: 5 


Vá dizer a Ezequias: Assim diz o Senhor, o Deus de seu antepassado Davi: Ouvi sua oração e vi suas lágrimas; acrescentarei quinze anos à sua vida.




sábado, 7 de abril de 2018

Mas a esperança volta quando penso no seguinte: O amor do Senhor Deus não se acaba, e a sua bondade não tem fim. Lamentações 3: 21-22



O profeta nos fala do amor e da bondade infinita do Senhor. E o salmista escreve o Salmo 136 para nos lembrar de que a bondade do Senhor dura para sempre e que não muda com o tempo e reconhece essa característica própria do Senhor e na qual devemos nos espelhar Mas precisamos compreender que o amor de Deus é diferente do amor apregoado pelo mundo e está presente nas atitudes de pessoas que escutam mais do que falam, apoiam mais do que julgam, acolhem mais do que reclamam... De pessoas que quando falam usam de mansidão e bondade, mesmo quando precisam corrigir o outro. A forma de falar e para quem falar também demonstra bem mais do que a elegância, elogiada pelo mundo, a bondade que vem da alma. Demonstra quem é o nosso modelo. Jesus deve ser o nosso exemplo, com Ele aprendemos a bondade e a esperança de mudar as coisas pelo exemplo e não pela imposição. E assim aprenderemos também a agir como Jó.

 E terás confiança, porque haverá esperança; olharás em volta e repousarás seguro. Jó 11:18

sexta-feira, 6 de abril de 2018

“E eu já não estou mais no mundo, mas eles estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, guarda em teu nome aqueles que me deste, para que sejam um, assim como nós”. João 17:11.



A Bíblia nos ensina que quem se liberta do passado renova a sua mente. Mas para nos libertar do passado é necessário, seguirmos três importantes passos: arrepender, confessar os pecados e perdoar. Precisamos ver o passado como uma base para o que é o nosso presente e sobre a qual se estabelecerá o nosso futuro. Devemos refletir sobre o que o passado nos trouxe, pelas coisas que nos serviram como lição, mas não podemos nos prender a ele. Precisamos seguir em frente certos de que o melhor de Deus ainda está por vir. Somos o resultado das nossas escolhas. Podemos escolher entre ser livre hoje e ser escravo do que já se foi. José, apesar da oportunidade de vingança, escolheu perdoar e Deus lhe deu a possibilidade de abençoar sua casa. Mateus, Maria Madalena, Saulo/Paulo, foram outros exemplos de pessoas que deixaram para trás seu passado e escolheram a liberdade de viver uma vida de bênçãos. Façamos, pois, o que nos ensina o apóstolo Paulo:

“Irmãos, quanto a mim, não julgo que o haja alcançado; mas uma coisa faço, e é que, esquecendo-me das coisas que atrás ficam, e avançando para as que estão diante de mim, 14 Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus”. (Filipenses 3:13-14).”



quinta-feira, 5 de abril de 2018

“E eu já não estou mais no mundo, mas eles estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, guarda em teu nome aqueles que me deste, para que sejam um, assim como nós”. João 17:11.



A Palavra do Senhor é um alento quando enfrentamos adversidades. Mas a nossa forma de reagir diante da provação demonstra nossa forma de ser como cristão. Quando temos Jesus no coração somos firmes na nossa convicção de servir a Deus, mesmo que tudo parece desabar. Deus, muitas vezes nos permite vivenciar situações de confronto para aprendermos com os nossos erros. A promessa do Senhor é a de nos guardar e de nos proteger, certos de que as tempestades passam. Todavia, com elas devemos aprender a agir, convictos de que Deus está no controle e não desampara o justo. Entretanto, conscientes de que caminhar com Jesus não nos impede de enfrentar tempestades, pois Jesus nunca nos prometeu isso. Jesus nos afirmou que no mundo teríamos aflições, entretanto, como nos lembra o sábio Salomão.

“Como passa a tempestade, assim desaparece o perverso, mas o justo tem fundamento perpétuo”. Provérbios 10:25


quarta-feira, 4 de abril de 2018

“O SENHOR dos Exércitos está conosco; o Deus de Jacó é o nosso refúgio”. Salmos 46: 11



Ainda que passemos, momentaneamente, por circunstâncias difíceis temos a plena convicção pela Palavra de Deus de que no final tudo vai dar certo, porque sabemos que o Senhor está no controle e ilumina nossa mente para que compreendamos que Nele podemos confiar. A Bíblia reitera que Sua promessa é fiel “Ele é a Rocha, cuja obra é perfeita, porque todos os seus caminhos justos são; Deus é a verdade, e não há nele injustiça; justo e reto é”, afirma Moisés em Deuteronômio 32.4. Em várias passagens bíblicas vemos que Deus por vezes se serviu de meios supra-humanos, enviando anjos para livrar e para abençoar o homem. Muitas vezes esses anjos eram humanos, e não celestiais. Jesus Cristo foi um desses meios celestiais, ao nos dar sua própria vida, coisa que nenhum anjo pode fazer, mas Ele o fez. E aquele que ouve a voz do Senhor pode descansar em segurança, garante-nos o sábio em Provérbios 1:33:

“Mas o que me der ouvidos habitará em segurança, e estará livre do temor do mal” 

terça-feira, 3 de abril de 2018

“Por seus frutos os conhecereis. Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos?” Mateus 7:16



A Bíblia nos mostra que somos resultados de nossas escolhas e nossas ações determinam o que somos e o que colhemos. Jesus nos orienta a fazer aos outros o que quisermos que eles nos façam. Essa é a lei da semeadura. Aquilo que o homem plantar isso também ceifará. Isso significa que se plantarmos o bem, colheremos um bem maior. Se plantarmos o mal, colheremos o mal que plantamos. Paulo disse aos Gálatas 6: 9 “E não nos cansemos de fazer bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não houvermos desfalecido”. Muitas pessoas querem ser amadas, mas plantam desamor. Querem atenção, enquanto negligenciam os outros. Querem ser respeitadas, mas desrespeitam o irmão. Colhemos o resultado de nossas atitudes e decisões passadas. E se não há como voltar no tempo e deixar de fazer o que já está feito ainda se pode utilizar o que fizemos de errado para glória de Deus, para não errar mais uma vez! Aprender com os erros é sinal de amadurecimento. No entanto há pessoas que insistem sempre nos mesmos erros! Lembremo-nos do que nos disse Jesus em Mateus 7:12

 “Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas”.

segunda-feira, 2 de abril de 2018

Exortamo-vos também irmãos, a que admoesteis os insubmissos, consoleis os desanimados, ampareis os fracos e sejais longânimos para com todos. I Tessalonicenses 5:14



Em uma sociedade composta cada vez mais de pessoas que estão se enclausurando em suas próprias preocupações e cujas orações são voltadas apenas para si mesmas, a palavra do apóstolo Paulo é bastante atual em uma Igreja que reúne pessoas carentes de apoio e de solidariedade. Quando Paulo exorta os tessalonicenses a admoestar a cada um segundo a sua necessidade espiritual ele nos ensina a agir como Jesus e a enxergar a necessidade especial de cada irmão. Mesmo aquelas que parecem não necessitar de nada possivelmente precisam de algo. A Bíblia nos mostra que até mesmo Jesus teve momentos de tristeza, de angústia ou de solidão. Todos de alguma forma temos necessidades espirituais e afetivas que precisam ser consideradas. As pessoas precisam ser admoestadas, porém com amor, cuidado e respeito. Quem ama o próximo como Cristo ensinou não é conivente com o seu erro, mas também não faz do erro do irmão motivo de crítica apenas. Precisamos exortar os fracos, estimulando-os a superarem suas limitações. Um cristão autêntico, que se aproxima do caráter de Jesus enxerga as pessoas nas suas necessidades espirituais, admoesta o insubmisso com amor, consola o desanimado e sustenta o fraco. Essa é a verdadeira atitude cristã. Não se aborreça com seu irmão que o exorta para trilhar o bom caminho, porque esse é um dos conselhos do Senhor dado a nós em Hebreus 3:13:

Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado; (Hebreus 3:13) 


domingo, 1 de abril de 2018

“Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência”. Efésios 5:6



A Bíblia nos ensina a sermos prudentes, cuidando sempre para não sermos enganados. O sábio Salomão nos exorta a ter cuidado com os lábios enganosos, com a sedução das palavras e ainda nos adverte a não desviarmos os ouvidos de ouvir a lei, para que nossa oração não seja abominável ao Senhor. (Provérbios 28:9) e adverte-nos para que saibamos receber a devida repreensão sem endurecer o coração, atentando-nos para a correção que vem de Deus. (Provérbios 29: 1). Quantos de nós ficamos chateados quando um irmão, um pastor, ou um familiar nos admoesta e nos fala algo que no momento nos parece duro. Gostamos de ouvir elogios e ficamos envaidecidos quando eles vêm de outras pessoas. Todavia, não nos damos conta de que muitas vezes os elogios são ciladas e as verdades que nos parecem amargas, mesmo ditas por aqueles que nos amam, são para a nossa edificação. Lembremo-nos do eu nos diz o sábio em Provérbios 28:23

 “O que repreende o homem gozará depois mais amizade do que aquele que lisonjeia com a língua”. (Provérbios 28:23)