Traduza este blog

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

"Mas agora estamos livres da lei, pois morremos para aquilo em que estávamos retidos; para que sirvamos em novidade de espírito e não na velhice da letra". Romanos 6:4



Nesse versículo, o apóstolo Paulo nos dá a chave da vitória, o caminho seguro para conquistarmos êxitos no ano que inicia e para garantirmos que mesmo diante de prenúncios de instabilidade e de incertezas estaremos seguros Naquele que nos fortalece (I Tessalonicenses 4:13). Em vez de apostarmos nossas fichas em amuletos, simpatias e superstições, precisamos mudar a forma de agir e de reagir diante do que nos ensina a Palavra de Deus. No lugar de confiar nas previsões astrológicas, é melhor deixar de cometer os mesmos erros, e de andar em círculos, fazendo sempre as mesmas coisas, ainda que mudem as pessoas, ou o cenário. Hoje é dia de renovação, é dia de agradecimento pelos bons e maus momentos que vivemos e dia de compreender que, se não podemos voltar atrás e fazer de novo o que não foi feito, ainda há tempo de fazermos diferente a partir de agora. Antes que o ano mude, faça uma reflexão para que no próximo ano não venha a cometer os velhos erros. Não devemos esperar que as coisas ou que as pessoas mudem, precisamos ser o agente da mudança. Não é necessário pular sete ondas, comer romãs, uvas ou lentilhas, nem mesmo vestir branco para ter paz, amarelo para ter dinheiro, vermelho para ter amor. O que traz paz é o espírito de paz e de consciência tranquila, de dever cumprido, de compromissos solidificados... O que traz prosperidade é o trabalho digno e honesto, quando o pouco é suficiente se abençoado por Deus. O que traz amor é viver em amor, fazendo ao outro o que esperamos que seja feito a nós. Para colher frutos de bem é preciso semear o bem. Para desfrutar de novidades é necessário ter uma atitude diferente. O "novo homem", nascido de uma decisão consciente, fundamentada na fé em Jesus Cristo, poderá dar passos confiantes no novo ano. Mas, para desfrutarmos das novidades, precisamos criar novas estruturas na vida, deixando pra trás o que já constatamos não ser bom e não estar em consonância com a vontade de Deus para nossas vidas, seguindo o que nos ensina o apóstolo Paulo em Romanos 6: 4 "De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida".

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Olhai para as aves do céu; não semeiam, não colhem, nem ajuntam em celeiros, e contudo, o vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais do que elas?” Mateus 6: 26


A cada início de um novo ano, procuramos por perspectivas de tempos melhores. Fazemos planos de mudanças, intentamos abandonar velhos hábitos, consideramos deixar para trás o que não nos fez bem. Mas com o tempo, com o passar dos dias verificamos que os planos da noite da virada não se sustentam porque nós permanecemos os mesmos. Vemos que mais um ano se foi e nem percebemos porque passamos muito tempo ocupados com coisas perecíveis e continuamos correndo atrás de vento e de vaidades, quando deveríamos atentar para as palavras de Jesus expressa no versículo em epígrafe. É certo que devemos fazer planos e trabalhar por eles, com a benção do Senhor, mas Ele deixa bem claro que não devemos focar nossos objetivos nas coisas materiais. Isso é preocupação para aqueles que não nasceram de novo. Novo alvo principal deve ser um tesouro não perecível.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

"E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas". 2 Coríntios 5:17



Quando observamos a situação do mundo, e prestamos atenção aos noticiários, chegamos a pensar que nada é promissor, pois as dificuldades econômicas, a corrupção que assola os países e o baixo nível moral da sociedade nos fazem desacreditar de momentos melhores para a humanidade. É preciso encontrar um caminho que nos permita que olhar além das circunstâncias. Resta-nos somente uma alternativa: procurar a renovação pessoal. Mas sabemos que somos fracos e limitados, por isso essa renovação só pode se dar pela ação do Espírito e não por força intelectual. E isso só será realmente possível se abrirmos nossos corações para experimentar uma transformação nos moldes propostos por Jesus: a partir de um novo nascimento. Isso significa abrir mão de verdades arraigadas pela sociedade, deixar de lado as teorias e filosofias fundadas no intelecto e nos dogmas religiosos. Significa abrir mão do orgulho e da tradição e assumir a missão de Jesus, reconhecendo-O como único e suficiente Salvador, pela fé. Quem não tem a coragem de agir radicalmente, abandonando o velho homem, não pode compreender o que diz o apóstolo Paulo.

domingo, 28 de dezembro de 2014

“Bendito o homem que confia no SENHOR, e cuja confiança é o SENHOR. Porque será como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro, e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e no ano de sequidão não se afadiga, nem deixa de dar fruto”. Jeremias 17:7-8

Não raramente vemos as pessoas se perderem, destruírem o que conquistaram porque se estribam em seu próprio entendimento, agindo com arrogância e orgulho tal que deixam de olhar para Deus e de seguir os conselhos dos profetas do Senhor. O apóstolo Pedro afirma que aqueles que conhecem a palavra e dela se desvia encontra-se em pior estado do que antes quando andava nas trevas. Por isso, precisamos ficar atentos para conhecer e aceitar os planos de Deus para nossas vidas para não cairmos nas armadilhas de satanás. “Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior do que o primeiro. Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado; Deste modo sobreveio-lhes o que por um verdadeiro provérbio se diz: O cão voltou ao seu próprio vômito, e a porca lavada ao espojadouro de lama”. (2 Pedro 2: 20-22) Ao fazermos o balanço de como foi nossa vida este ano, ao mexermos em nossos armários para uma faxina, precisamos nos lembrar que a verdadeira e eficaz limpeza é aquela que fazemos em nossos corações. Os melhores projetos são os voltados para a nossa vida espiritual segundo os conselhos do Senhor. É tempo de contabilizar nossas bênçãos, de verificar os motivos de nossas perdas. Verificamos que nossas atitudes têm se repetido e, consequentemente, os resultados não são diferentes de ano para ano, é sinal de que precisamos mudar de estratégia. Então, para saber como agir no próximo ano, em vez de confiarmos em superstições ou em mega prêmios da virada, será bem mais proveitoso colocarmos nossa confiança em Deus e nos fazermos as seguintes perguntas: neste ano que hoje finda: fui mais vezes à casa de Deus ou a lugares nos quais Ele não entraria? Fui fiel e leal com meus amigos, bem mais do que os desprezei? Abençoei mais do que magoei? Eu deixei de pagar minhas contas, julgando por mim mesmo que em primeiro lugar estava o meu conforto do que a necessidade de meus credores? Retribuí com amor e atenção o amor e o carinho que me deram, ou julguei que o dinheiro pagaria minha dívida? Respeitei o sentimento de meus semelhantes, comportando-me com eles como eu gostaria que fizessem comigo, ou eu fui arrogante e insensível, trazendo mais lágrimas do que sorriso aos que conviveram comigo? A resposta a essas perguntas lhe dirá o que precisa ser feito, o que deve ser mudado e o que pode continuar.

sábado, 27 de dezembro de 2014

Ora, sabemos que o temos conhecido por isto: se guardamos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu o conheço, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está a verdade" (1 João 2:3-4).


O Natal do mundo já passou, mas o Natal do Salvador pode acontecer a qualquer momento. Jesus está esperando para nascer dentro de você e promover aquela verdadeira transformação em sua vida. Ainda há tempo! Por isso, Ele espera que fique atento não às publicidades voltadas para interesses comerciais ou financeiros, mas para a sua vida espiritual. Fim de ano é tempo de balanço e de pensar nos projetos para o novo ano. Mas antes de pensarmos no que faremos, precisamos verificar o que fizemos contrário à orientação do Pai. É importante compreendermos que nossos atos trazem consequências e não estamos livres de pagar por eles. É necessário lembrar que aquilo que vem de Deus, mesmo que não seja em nosso tempo, não traz dores, nem confusão. O que vem de Deus é duradouro, pleno e nos satisfaz, ao contrário das coisas do mundo. A Bíblia diz que se obedecermos comeremos o melhor desta terra. Resta-nos agir de forma inteligente e, em vez de iniciarmos mais um ano enfrentando as consequências de nossa insensatez, é fundamental abrir nossas mentes e tomar posse do que nos foi prometido e já é nosso por herança. Mas é preciso que não nos esqueçamos de que só filho tem direito a herança. E se não estamos agindo como filhos, nem adianta reivindicar esse direito. Temos que agir como nos recomenda a palavra de Deus, deixando com Ele nossa ansiedade e fazendo a nossa parte, pois quem obedece à voz do Senhor jamais se encontrará em dificuldades. Essa é promessa de Deus e Ele não é homem para mentir. Ouvir e obedecer são as palavras chave.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

“E crescia Jesus em sabedoria, estatura e graça, diante de Deus e dos homens.” (Lucas 2:52)



A humanidade de Jesus não foi apenas aparente, Ele foi semelhante a nós, exceto no pecado, sendo perfeitamente homem sem deixar de ser perfeitamente Deus. E se como cristãos somos pequenos Cristos é Nele que devemos nos espelhar para crescemos em estatura, conhecimento e sabedoria, como exorta o apóstolo Paulo em Efésios 4:13 Até que todos cheguemos à unidade da fé, e ao conhecimento do Filho de Deus, a homem perfeito, à medida da estatura completa de Cristo”. A Bíblia nos mostra que Jesus cresceu em todos os sentidos: primeiro, ele cresceu fisicamente, assim como nós, cumprindo o processo da natureza humana, como determina o nosso DNA  “e crescia Jesus em estatura”. Depois, Jesus cresceu intelectualmente, “e crescia Jesus em sabedoria”, para também crescer espiritualmente, “e crescia Jesus em graça diante de Deus e dos homens”. As Evangelhos mostram que Jesus era submisso a seus pais na terra (Lucas 2:51) e submisso ao Pai Celestial (Lucas 22:42).

Esse deve ser o nosso modelo de crescimento saudável, pautado em um equilíbrio nas diversas áreas da vida. Infelizmente a sociedade atual valoriza muito o crescimento físico e intelectual em detrimento do crescimento espiritual e esse desajuste que tem impedido os homens de alcançarem a estatura de Cristo. Se temos Cristo como modelo, se admitimos que Natal é o nascimento de Jesus em nós, devemos permitir que Ele também cresça de forma saudável. Assim, precisamos cuidar de nossas almas como cuidamos de nossos corpos. Devemos investimentos em nossa vida devocional como investimos em academias, e cosméticos. Precisamos gastar mais tempo olhando para nossa vida espiritual e menos tempo para o espelho. Precisamos ir mais à igreja e contemplar a face de Deus com mais frequência do que vamos ao shopping e admiramos as vitrines. Pensemos nisso para fazer o nosso projeto para 2015. Deus não espera que descuidemos de nosso corpo, afinal ele é o templo que o Espírito habita. Mas certamente a orientação do Criador é para que sigamos o exemplo dado por Jesus. Ele espera que cuidemos do corpo sem desmerecermos a alma. Que façamos investimentos na nossa formação intelectual, tendo o mesmo cuidado com o nosso crescimento espiritual. Jesus é o nosso exemplo. A ele devemos imitar!

quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

“É que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor.” (Lucas 2:11)



A Bíblia conta que José e Maria viajaram de Nazaré da Galileia para Belém para se cadastrarem em obediência a Herodes que governava naquela época, mas esse deslocamento não foi por uma ordem humana e sim para cumprir a profecia do Profeta Miqueias 5:2 “E tu, Belém Efrata, posto que pequena entre os milhares de Judá, de ti me sairá o que governará em Israel, e cujas saídas são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade”. Quando José e Maria chegaram a Belém, não havia lugar para Jesus, e era chegada a hora do Salvador nascer. Então, ele nasceu em um berço de palha numa estrebaria, onde os animais eram recolhidos à noite. O Salvador do mundo não num berço de ouro, pelos maiorais, mas foi recebido pelos simples. E naquela noite de Natal, o anjo de Deus proclamou aos pastores que estavam no campo: “Não temas, eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo: é Cristo, o Senhor.” (Lucas 2:10-11). Ainda hoje Jesus não encontra espaço em alguns locais luxuosos, mas nasce nos lares mais simples trazendo esperança e alegria para quem O acolhe.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

"Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele." João 3:16-17



Esse é o verdadeiro significado do Natal: a celebração deste ato de amor incrível de Deus pela humanidade. A mensagem de 1 João 5:20 também nos convida a refletir nesse dia, quando rememoramos esse ato de amor E sabemos que já o Filho de Deus é vindo, e nos deu entendimento para conhecermos o que é verdadeiro; e no que é verdadeiro estamos, isto é, em seu Filho Jesus Cristo. Este é o verdadeiro Deus e a vida eterna. Compreender a verdadeira história do Natal é reconhecer Deus se tornando um ser humano na Pessoa de Jesus Cristo porque Ele nos ama de tal maneira que nos enviou Seu Filho! Porque precisávamos de um Salvador para nos resgatar das trevas e ainda precisamos Dele para renascer em nós de tal forma que possamos entender que Deus nos ama porque Ele é o próprio amor (1 João 4:8). A celebração do Natal não pode ser apenas um ato social, mas um ato de gratidão pelo que Deus fez por nós. O verdadeiro significado do Natal é o amor, e é com amor que devemos celebrar.

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

E não sede conformados com este mundo, mas sede transformados pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus. Romanos 12:2




O dia 25 de dezembro é conhecido na cultura ocidental como o Natal, quando a comunidade cristã celebra o nascimento de Jesus, o Salvador. Nesse dia, várias religiões e até mesmo aqueles que se declaram ateus costumam comemorar em família ou entre os amigos, mesmo reconhecendo que essa pode não ser a data do nascimento do Senhor. Os evangelhos nos dão apenas indícios, mas nenhuma data precisa, e muitas variáveis devem ser consideradas, como a diferença de calendários adotados por judeus e romanos à época. Alguns estudiosos indicam outra época, tendo em vista as narrativas bíblicas, mas o que nos importa é a intenção e não a precisão, quando nos reunimos em família para festejar; desde que saibamos exatamente o que estamos realmente comemorando e como estamos fazendo isso. Paulo nos exorta a não nos conformarmos com esse mundo e nos ensina a olhar para Cristo tendo-O como modelo a ser seguido a fim de sermos transformados pela renovação do entendimento. Isso significa que, estando no mundo, não devemos nos parecer com o mundo, mas fazer a vontade de Deus. Se não sabemos exatamente o dia do nascimento de Jesus, mas temos a plena consciência de que é a presença Dele em nós, ou o nosso novo nascimento porque O recebemos como salvador, então é certo que esse dia deve ser comemorado sempre e o que verdadeiramente importa ao cristão é a oportunidade de honrar, louvar e glorificar a Deus pela Boa Nova possível pelo nascimento de Jesus.

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

E o Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade [...]” (João 1:14)


Embora o mundo e a sociedade consumista tenham escolhido uma data para comemorarem o Natal, os cristãos verdadeiros devem compreender que ele é um grande milagre que acontece todos os dias na vida de quem decide abrir o coração para receber Jesus, de quem faz de sua vida o templo, a morada de Deus.   Quando Deus se faz carne e habita entre nós. Esse dia depende do momento da decisão de cada um. Natal é nascimento de Cristo e mesmo que Ele tenha se feito homem em um momento cronológico da História da Humanidade, e que tenhamos determinado uma data para rememorarmos esse momento, Natal é o momento em que Cristo nasce em nós. O mundo com seus objetivos consumistas tem destorcido esse significado e tem feito gerações acreditarem que o Natal é apenas um momento de festas, de encontros, de confraternizações e de trocas de presentes. Mas Natal é o símbolo da aceitação da Salvação por intermédio de Jesus, que veio ao mundo em forma de homem, para nos resgatar do pecado. Comemorar esse gesto tão sublime com pecado é tudo  que não deve ser feito por aqueles que foram agraciados com a salvação. Por isso, antes de vivermos a comemoração mundana precisamos nos lembrar de que não há espaço para o Aniversariante nos  ambientes em que a comida e a bebida são fartas, as casas estão limpas e enfeitadas, mas os corações estão vazios e a consciência suja.


domingo, 21 de dezembro de 2014

"Sendo por divina advertência prevenidos em sonho para não voltarem à presença de Herodes, regressaram por outro caminho a sua terra" (Mateus 2:12).



Esse versículo é parte da narrativa de Mateus sobre o episódio do nascimento de Jesus. Vemos que os reis que seguiram a estrela que avistaram no oriente à procura do Menino que nasceria em Belém receberam orientação de Herodes para que o informassem sobre onde estaria o Messias. Mas depois de encontrarem com Jesus e de se prostrarem em adoração ao Rei que acabava de nascer, seguiram por outro caminho, porque receberam em sonho a revelação de que não deveriam retornar a Herodes. Essa é a grande lição que os reis que também levaram presentes a Jesus nos deram. Assim como foi com eles, o encontro deve fazer com que nos desviemos dos caminhos da perdição. Essa é uma premissa que ainda funciona, pois o Natal não é uma festa mundana, não é a reunião para que as pessoas sejam presenteadas. É um momento em que o encontro com Aquele que nasce nos faz seguir por outro caminho e não pelo caminho que antes trilhávamos. Os reis fizeram isso, depois de adorarem e presentearem o Senhor, ignoram os comandos daquele que os instruiu a serem os instrumentos de perseguição ao Salvador que acabava de nascer. Quantos herodes não existem por aí ainda, intentando matar o Salvador que nasce e se revela nos corações dos sedentos de vida? E quantos são os que, tendo a oportunidade de conhecer o Senhor, de adora-Lo, ignoram a revelação de Deus e escolhem voltar para o mesmo caminho! Que neste Natal nossa escolha seja a dos reis do oriente e que a estrela guia nao seja ofuscada pelas luzes do comércio, tampouco que a presença do Salvador seja invisível dando espaço a Papai Noel!

sábado, 20 de dezembro de 2014

E todos os que criam estavam juntos, e tinham tudo em comum. Atos 2:44


Como na Igreja Primitiva, ainda hoje o propósito deve ser que os cristãos se mantenham unidos, tendo tudo em comum, sendo uma a mente e um o coração. Deus nos criou seres relacionais que se completam na comunhão com Deus e com o próximo. Por isso precisamos entender que igreja não é um local, um ponto físico, mas um espaço de vivencias e compartilhamento de experiências entre membros. A Igreja é um corpo. Igreja é vida em comunidade, não uma reunião solene de pessoas. Aqueles que creem no Senhor Jesus Cristo são os membros.. Mas é impossível ser igreja permanecendo isolado dos outros irmãos na fé. Não basta estar na Igreja é preciso ser Igreja, por isso nem todos que estão conseguem se realizar plenamente. Uns porque procuram a Igreja apenas como um pronto socorro, aonde vão em busca de uma cura ou uma loja de departamentos, onde esperam encontrar um produto ao alcance da mão. Outros vão à Igreja apenas para assistir aos cultos, ou para cumprir um compromisso social ou religioso. Mas nem todos vão como Igreja, como ensina o autor de Hebreus 10. 25 ”Não deixemos de reunir-nos como igreja, segundo o costume de alguns, mas procuremos encorajar-nos uns aos outros...” (Hebreus). Cada membro é importante e fundamental para que Deus possa desenvolver a Sua obra através da igreja. Jesus deixa claro que Ele está sempre presente onde dois ou três se reunirem em Seu nome (Mateus 18. 20).

sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

Porém ele deixou o conselho que os anciãos lhe tinham dado, e teve conselho com os jovens que haviam crescido com ele, que estavam diante dele. (1 Reis 12:8)




A história de Davi e Jônatas nos mostra como a verdadeira amizade está acima de interesses pessoais. Jônatas seria rei depois da morte de Saul, se Davi não tivesse sido o escolhido por Deus. Mas Jônatas manteve uma amizade especial com Davi durante toda a sua vida, mesmo tendo perdido o direito ao trono. Quando Saul tentou matar Davi, foi Jônatas quem protegeu o seu amigo (1 Samuel 20). Davi depois da morte de Jônatas soube ser grato e mostrou bondade para com Mefibosete, filho aleijado de seu amigo. (2 Samuel 9). Contudo, escolher amigos e preservar bons amigos é uma escolha pessoal. Vemos que um dos filhos de Davi, Ammon, não escolheu seus amigos como o fez o seu pai. Em vez de cultivar amizades boas e saudáveis, ele escolheu como companheiro seu primo Jonadabe (2 Samuel 13:3) que não lhe deu bons conselhos. Em vez de corrigir e ajudar o seu primo, sua atitude fez com que Amnon fosse incentivado a agir de maneira errada de forma a magoar profundamente o seu pai (2 Samuel 13:4-21). O desfecho desta história mostra que o conselho de Jonadabe levou, afinal, à morte do próprio Amnon (2 Samuel 13:22-36). Vemos também que um neto de Davi, que se tornou rei depois da morte de Salomão em vez de procurar conselhos entre os homens mais velhos e experientes (1 Reis 12:7-11) preferiu valorizar a amizade de seus colegas. A "ajuda" destes amigos contribuiu para a divisão do reino e diminuiu muito a influência de Roboão.

quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Deixai-os; são cegos condutores de cegos. Ora, se um cego guiar outro cego, ambos cairão na cova. (Mateus 15:14)



Um cego não pode guiar outro cego, nos diz Jesus quando nos ensina a ficarmos atentos na vida cotidiana, pois não são poucos os exemplos de pessoas que se deixam envolver por quem sequer tem exemplos de boa conduta ou testemunhos positivos em sua vida. Como pode alguém que não tem estabilidade espiritual orientar quem está doente da alma? Como pode alguém que não domina a própria vida, não tem um relacionamento estável ou vive em total descontrole emocional dar conselhos sentimentais? Como pode alguém que vive endividado e que não demonstra controle de suas finanças guiar outras pessoas que precisam de uma orientação segura? Antes de ouvir os conselhos de alguém ou de nos pautarmos pelos seus exemplos devemos procurar se sua vida demonstra coerência, e se está pautada na Palavra de Deus. Deus nos ensina, também, por exemplos. Ele fez isso pelas histórias bíblicas e continua nos mostrando nas nossas relações em quem podemos ou não confiar e nos espelhar.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

"Como o ferro com o ferro se afia, assim, o homem, ao seu amigo" (Provérbios 27:17).




Sábio é quem procura se cercar de amigos que, se necessário irá corrigir o nosso erro e permitir que o alertemos diante de seu próprio engano. Há um grande engano em se pensar que aquele que nos adverte ou nos diz a verdade (que geralmente nos incomoda) não é nosso amigo e aquele que nos adula e nos diz o que gostaríamos de ouvir é o que nos ama e nos respeita. É preciso ter coragem e convicção para repreender quando for necessário. Mas o insensato geralmente evita pessoas que corrigem e criticam, procurando aprovação acima de sabedoria e se cerca de aduladores que só se fazem presentes quando as coisas estão bem. Eis porque o sábio ensina “Melhor é ouvir a repreensão do sábio do que ouvir a canção do insensato" (Eclesiastes 7:5). É certo que ninguém gosta de ser repreendido, mas todos nós precisamos de amigos que nos amam tanto que mostrem os nossos erros, sem receio de perder nossa amizade por ter nos alertado. A Bíblia diz em Provérbios 27:5-6: "Melhor é a repreensão franca do que o amor encoberto. Leais são as feridas feitas pelo que ama, porém os beijos de quem odeia são enganosos".

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Quando te incitar teu irmão, filho da tua mãe, ou teu filho, ou tua filha, ou a mulher do teu seio, ou teu amigo, que te é como a tua alma, dizendo-te em segredo: Vamos, e sirvamos a outros deuses que não conheceste, nem tu nem teus pais;Dentre os deuses dos povos que estão em redor de vós, perto ou longe de ti, desde uma extremidade da terra até à outra extremidade;Não consentirás com ele, nem o ouvirás; nem o teu olho o poupará, nem terás piedade dele, nem o esconderás; (Deuteronômio 13:6-8)



Deus sempre nos permite escolher, por isso devemos ficar atentos aos bons testemunhos antes de fazer nossas escolhas para que não venhamos a colher os frutos amargos das consequências de darmos ouvidos a pessoas erradas. Devemos escolher cuidadosamente os nossos amigos, evitando amizades que nos levariam ao pecado; valorizar amigos que nos corrigem quando erramos; cortar amizades que prejudicam a nossa vida espiritual, especialmente quando os "amigos" incentivam o pecado e nos desviam dos princípios de Deus. Tanto na Bíblia, como na mídia ou em nossos locais de convívio vemos exemplos de pessoas seguem uma vida errada e se desviam dos bons propósitos porque se deixam enganar por companhias erradas. Paulo mostrou aos coríntios que, mesmo dentro das igrejas é imprescindível evitar as influências negativas. Nem todos que estão nas igrejas vivem em santidade. Assim como no tempo dos coríntios, a igreja ainda é um lugar de pessoas em busca de tratamento. Isso significa que o fato de estar ou de frequentar uma igreja não faz instantaneamente com que essa pessoa esteja livre de influências negativas ou que seja uma pessoa espiritualmente liberta. Eis porque precisamos pedir a Deus o discernimento para identificarmos o que vem do Senhor e o que nos afasta Dele. O fato de alguém participar de uma igreja ou se dizer cristão não é garantia de uma amizade saudável e edificante, porque não são poucos os casos em que enganadores se apropriam do rótulo de cristão para induzir outros a crer que podem ser seguidos. Moisés avisou sobre parentes e amigos que incentivam os servos de Deus a servir outros deuses e mandou que não concordassem, nem ouvissem, nem olhassem com piedade para aqueles falsos professores. E Jesus nos ensina em Mateus 7:15-20 a julgar a árvore pelos frutos, retendo o que é bom e nos abstendo de toda forma de mal, como reforça Paulo em 1 Tessalonicenses 5:21-22.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

"Em todo tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão" (Provérbios 17:17)


A amizade verdadeira traz benefícios mútuos afirma a Bíblia em vários momentos quando também nos ensina sobre as responsabilidades de companheiros fiéis. Ao contrário do que muitos pensam amizade é um sentimento que exige responsabilidade e persistência. Ter amigos da hora, nos momentos de alegria e de fartura não corresponde ao que ensina a Palavra de Deus. Amigos contam com a presença uns dos outros: "Mais vale o vizinho perto do que o irmão longe", diz o sábio em Provérbios 27:10. Por isso, assim como devemos ser com nossos familiares não devemos abandonar nem trair os nossos amigos, e devemos dizer a verdade, exortando aquele que se desvia sempre que necessário, pois amigos verdadeiros não são interesseiros, mas são companheiros fiéis que ficam do nosso lado nos bons tempos e nos maus. Quem apenas compartilha os bons momentos são colegas, mas não são necessariamente amigos. Esses são encontrados independentemente da distância ou das circunstâncias.

domingo, 14 de dezembro de 2014

“Ouvistes que foi dito: Amarás ao teu próximo, e odiarás ao teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem.” Mateus 5:43-44




O amor cristão é uma decisão de agir não segundo o nosso desejo, mas de acordo com interesse do outro. Conforme está escrito em 1 João 4:8 "Deus é amor" e é o amor Dele que nos impulsiona a amarmos aos outros seres. Essa expressão é a essência de Deus. Ele nos ama não pelo que somos os fazemos. Simplesmente nos ama. Quando a Bíblia fala de amor ela se refere a uma ação e atitude, não apenas a uma emoção. Eis porque os cristãos não têm desculpa por não amar, ou amar segundo as formas do mundo. Amor é uma decisão, assim como Cristo decidiu se entregar por amor à humanidade, decidimos amar também aqueles que não se fazem amáveis. A Bíblia diz que devemos amar-nos uns aos outros. E amar a todos, pois o amor não é só para amigos, conforme disse Jesus.

sábado, 13 de dezembro de 2014

“E disse-lhes: Quando vos mandei sem bolsa, alforje, ou alparcas, faltou-vos porventura alguma coisa? Eles responderam: Nada”. Lucas 22:35


Àqueles que servem ao Senhor nada falta, garante o Senhor Jesus em seus ensinamentos registrados em várias passagens no Novo Testamentos. E Moisés, no Antigo Testamento já ressaltava que essa é uma condição para que os homens sejam prósperos no sentido mais amplo do termo. Lembremos que prosperidade não significa dinheiro ou bens em abundância, pois muitos são os que têm riquezas e justamente por isso têm suas vidas estagnadas nas demais áreas. Prosperidade significa viver bem com o que temos e não está condicionado aos valores e sim à forma como os bens e valores são utilizados e aproveitados. Observemos o que disse Moisés em Êxodo 23:25: “E servireis ao SENHOR vosso Deus, e ele abençoará o vosso pão e a vossa água; e eu tirarei do meio de vós as enfermidades”. Moisés ensinava ao seu povo que, sendo servos do Deus Altíssimo, eles seriam abençoados e nada lhes faltariam. Veja que ele lista as palavras chaves que significam tudo aquilo de que precisamos para viver: pão, água e saúde. O pão significa toda fonte de alimento e de provisão necessária ao homem. Alimento para o físico e para o espírito. Se nosso pão for abençoado, tudo que precisamos para nosso sustento está incluído. A água significa fonte de vida, que nos hidrata e purifica. Água limpa, corpo limpo, vida limpa, casa limpa. Tendo pão e água, metaforicamente temos os elementos necessários a uma vida com abundância e, consequentemente, saúde. Saúde física, emocional e espiritual. Os servos de Deus têm essa promessa e aqueles que nela confiam não se desesperam, não procuram o pão fora da bênção do Senhor, porque sabem que esse pão não farta, antes enfada e traz enfermidades para o corpo e para a alma. O pão que não é bendito traz dores e tristezas.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Porque a carne milita contra o espírito, e o espírito, contra a carne, porque são opostos entre si; para que não façais o que, porventura, seja do vosso querer. (Gálatas 5:17)


Esse versículo do apóstolo Paulo em carta aos gálatas nos faz refletir sobre o fato de que, nascidos de novo e sendo estrangeiros nesse mundo, estamos em constante batalha em defesa do Reino do qual somos cidadãos e por essa razão precisamos conhecer nossa a força e nossa fraqueza. Jesus nos fala em uma parábola que um rei não vai à batalha sem antes verificar se o seu exército tem condições para enfrentar o exército adversário (Lucas 14.31). Sendo assim precisamos conhecer quais são as nossas forças e fraquezas. A nossa força é Jesus Cristo, pois Ele já venceu nosso adversário, portanto, desnecessário é lutar contra o diabo, já derrotado por Jesus. Conforme diz o autor de Hebreus 2:14: “Visto, pois, que os filhos têm participação comum de carne e sangue, destes, também ele, igualmente, participou, para que, por sua morte, destruísse aquele que tem o poder da morte, a saber, o diabo”. Sendo assim, nossa luta deverá ser contra a nossa maior fraqueza, a nossa carne. É desnecessário lutar contra o diabo porque ele já está derrotado. É ilógico lutar contra satanás porque ele já está debaixo de nossos pés e se estamos em luta com ele, é porque há algo errado em nossas vidas. Estamos distantes de Deus e dando brechas aos espíritos do mal. Por isso, devemos vigiar e orar e não deixarmos espaço para que a nossa carne vença. Em Cristo somos fortes, mas a nossa carne é inimiga de Deus e luta contra Deus, e a nossa postura de combater as nossas vontades para fazer a vontade de Deus é a única estratégia eficiente para fazer da vitória conquistada por Jesus uma realidade em nossas vidas.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Qualquer que comete pecado, também comete iniqüidade; porque o pecado é iniqüidade. 1 João 3.4



Contrariando a doutrina de algumas religiões que afirmam que o homem precisa se reencarnar para se purificar e alcançar a espiritualidade em luz, vemos que o ser humano, está cada vez caindo mais, cada vez se afasta mais dos princípios de Deus devido à iniquidade. O ser humano desafia o Criador e se rebela tanto de forma individual quanto em atitudes coletivas assumindo teorias e doutrinas que são contrárias à Palavra de Deus. Vemos que o homem se rebela e quer decidir os seus caminhos, afirmando que é dono de seu próprio corpo de seu destino. De fato, o homem pode escolher o seu destino, mas também será responsável por suas escolhas. Nesse mundo em que a iniquidade prospera, o cristão precisa urgentemente fazer a diferença e não pode em hipótese alguma se deixar contaminar. Com o pretexto de que estão se juntando aos iníquos para evangelizar muitos têm se desviado do caminho e se igualado aos iníquos. Esse é o grande  problema e a arma do diabo. Mas a mensagem de Deus é a de o Espírito Santo está pronto para guiar os que reconhecem que precisam de ajuda, por isso Ele diz:  volte-se a Deus e acerte o alvo para receber o prêmio da soberana vocação. Quando cometemos pecados e transgredimos a lei de Deus! Ele vem a nós e nos dá capacidade de nos arrependermos, para assim confessarmos os pecados e automaticamente receber o perdão! 

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

mas ponde tudo à prova. Retende o que é bom; (I Tessalonissenses 5:21)






Vivemos em um mundo em que tudo está a nossa disposição, inclusive o pecado. Esse, sim, vem glamourizado com toda a pompa e circunstância e acompanhado das justificativas de que o homem é livre e pode escolher o que bem lhe aprouver, contrariando o que diz a Bíblia quando afirma que pagamos um alto preço por nossas escolhas insensatas. A Bíblia ensina que os cristãos não devem acreditar em qualquer coisa! Em vez disso, nós somos aconselhados a por tudo e todos à prova. Isso significa que qualquer discurso, doutrina, ensino, visão, sonho, profecia, ensino, testemunho, experiência, sentimento, etc. deve ser comparado com a mensagem da Bíblia. Se tais mensagens não forem consoantes com as da Bíblia não podem ter sido produzidas pela mesma fonte, ou seja, Deus. O apóstolo nos exorta a guardar o que for bom, conforme, ou seja, guardar o que for verdadeiro, assim como mostrado nas escrituras. Rejeite tudo o mais como veneno mortal.

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Quando o justo se apartar da sua justiça, praticando a iniquidade, morrerá nela; e, quando o ímpio se converter da sua impiedade, e praticar a retidão e a justiça, por estas viverá. (Ezequiel 33:18-19)


O recado do profeta é muito claro: Deus não tolera a iniquidade, mas ama o pecador que se redime. Por isso Ele promete mudar a vida daqueles que deixam o pecado e escolhem viver no caminho de retidão. Todavia, o contrário é verdadeiro: aquele que se desvia do caminho do Senhor e abandona seus princípios porque espera obter vantagens com a maldade, com a corrupção e com a injustiça colherá os frutos de sua escolha. Foi para que não nos deixássemos persuadir por enganadores que tentam nos desviar do caminho reto o apóstolo Paulo nos alerta em carta aos Colossenses 2:2-4 “para que os seus corações sejam animados, estando unidos em amor, e enriquecidos da plenitude do entendimento para o pleno conhecimento do mistério de Deus-Cristo, no qual estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência. Digo isto, para que ninguém vos engane com palavras persuasivas”.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Igualmente hão de surgir muitos falsos profetas, e enganarão a muitos; (Mateus 24:11)


O Senhor Jesus nos lembra que no final dos tempos os falsos profetas serão bem sucedidos em seus enganos. Esse alerta deveria deixar todos os cristão em prontidão, do ponto de vista espiritual, por que muitos serão enganados de todos as formas, o que também ocorre na vida secular. Vemos que as pessoas, com interesse de se dar bem estão deixando de lado princípios morais e religiosos e não se envergonham de enganar, ludibriar o próximo para levar vantagem sobre ele. Muitos criticam os políticos, se mostram indignados com a corrupção, mas se comportam igual ou pior. Mentir para tirar alguma espécie de proveito tem se tornado natural. Vemos isso no comércio, na política, nas relações pessoais e profissionais. A Bíblia diz que sinais e milagres podem ser realizados por enganadores. Vemos isso acontecer o tempo todo, quando as pessoas se deixam ludibriar por promessas vãs na vida secular e mais ainda na vida espiritual. Enganadores podem também ter fala mansa e podem ser gentis e lisonjeiros, e por isso mesmo se passam por alguém do bem. Mas aqueles que se fortalecem na Palavra de Deus não se deixam levar pela astúcia e nem caem nas ciladas porque usam o discernimento como dom do Espírito para não se tornarem presas das armadilhas, ou das sutilezas daqueles que disfarçam ou se expressam tão bem.

domingo, 7 de dezembro de 2014

“Em paz me deito e logo pego no sono, porque, Senhor, só Tu me fazes repousar seguro.” Salmos 4:8



Atualmente, quando as notícias mais comuns versam sobre a violência e sobre a forma acintosa com que o diabo tem levado as pessoas perversão e à desobediência, não é difícil perdemos o sono, perdemos a paz, perdermos a esperança, assim como não é difícil nos estressarmos o que desencadeia outros tantos problemas, pois geralmente uma noite mal dormida traz sérias consequências para o nosso dia e para a nossa saúde. Uma noite insone pode nos deixar com sono no outro dia e pouco produtivos, e faz com que deixemos de fazer ou com que façamos mal coisas importantes. Uma noite mal dormida altera o nosso humor e pode prejudicar nossas relações, além de desencadear stress, depressão, cansaço físico e outras doenças. Quantas vezes ao deitarmos em vez de descansarmos os nossos problemas nos tiram a paz e atrapalham nossa noite, pois perdemos o sono para pensar em uma solução, ou preocupados com situações que nos angustiam. Mas aquele que coloca a sua confiança no Senhor sabe que pode afirmar como o salmista!

sábado, 6 de dezembro de 2014

Meditarei também em todas as tuas obras, e falarei dos teus feitos. Salmos 77:12




O salmista nos leva a refletir o quão importante é meditar sobre os feitos de Deus e, principalmente, a fazê-los conhecidos pelas pessoas com as quais nos relacionamos. Mas nem sempre fazemos isso. Quando estamos em apuros, quando nos vimos em situações difíceis nas quais precisamos de ajuda não hesitamos em clamar a Deus, contudo são raras as vezes em que atribuímos a Deus a honra devida. Testemunhar diante dos irmãos, colegas, amigos, vizinhos e até mesmo para as pessoas estranhas deve ser a nossa rotina e não uma exceção. Isso demonstra nosso amor e reconhecimento a Deus e é agradável aos Seus olhos.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Na multidão de palavras não falta pecado, mas o que modera os seus lábios é sábio. Provérbios 10:19

O cristão deve ser conhecido pelo seu modo de falar, de agir e de reagir diante do mundo. Se falamos ou nos comportamos como os demais, que diferença podemos fazer? A Bíblia ensina que a boca fala aquilo que o coração está cheio e se estamos plenos do Espírito Santo consequentemente não podemos destilar maldades ou fofocas. O nosso falar deve trasbordar o nosso sentimento por Deus, em consequência do sentimento de Deus pela humanidade. Por essa razão devemos usar a nossa boca para falar do amor incomparável de Cristo, e da salvação possibilitada pelo sacrifício de Jesus. A nossa língua deve ser usada para abençoar e para exortar os irmãos a seguir o bom caminho. Há uma expressão popular que revela uma grande sabedoria: "nós não conhecemos uma pessoa pelo que falam dela, mas pelo que ela fala dos outros". Se uma pessoa se diz correta, mas de sua boca só saem críticas sobre os outros, certamente ela é o que diz que os outros são.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

E disse Pedro: Não tenho prata nem ouro; mas o que tenho isso te dou. Atos 6:3





Há pessoas que nunca estão dispostas a ofertar. Estão sempre com a desculpa de que nada têm, ou que esperam ter um pouco mais para poderem dar. A Bíblia ensina que não há ninguém que não possa dar, pois todos, de alguma forma receberam um talento. E isso ao se refere apenas ao dinheiro. Assim como Pedro, quem não possui prata nem ouro, pode em nome de Jesus, abençoar, conversar, ajudar, acolher e orar. Quem toma parte de seu tempo para levar uma palavra de conforto, ouvir ou aconselhar também está se doando e isso é bom aos olhos de Deus. Infelizmente muitos que se dizem cristãos, frequentadores de igrejas, são incapazes de dedicar um pouco de seu tempo para amenizar uma dor, ou apoiar um irmão ou até mesmo um desconhecido.

Há os que se dizem templo do Espírito Santo e não fazem nada para ajudar a quem necessita. Marcos 2:17. Jesus chama de túmulos caiados aqueles que pregam a religiosidade, mas não vivem o genuíno evangelho. Não há ninguém tão pobre que não possa dar e ninguém tão rico que não precise receber.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

“Esforça-te e tem bom ânimo, porque tu farás a este povo herdar a terra que jurei a seus pais lhes daria.” Juízes 1:6



A Palavra de Deus é assertiva e como vemos nesse episódio narrado em Juízes o Senhor promete a Calebe e Josué os frutos de sua fé, mas observamos que Deus deixa claro que não é uma fé sem obra. Esforço é fundamental e deve vir acompanhado de bom ânimo. Isso significa que além do trabalho precisamos acreditar que ele será frutífero. Há pessoas que trabalham e não conseguem conquistar seus objetivos e há também os que apenas esperam confiando na sorte. Mas a Bíblia diz que devemos nos esforçar, confiando Naquele que tudo pode. De nada adianta confiar em amuletos, em superstições, talismãs ou em trabalhos de magia, mas também é um erro agir com negatividade, com recusa a aceitar as coisas boas que Deus nos proporciona. Se todos os demais espias, além de Josué e de Calebe, enviados por Moisés para observarem a Terra Prometida não tivessem sido tão negativos, certamente teriam entrado e conhecido à terra de Canaã prometida por Deus ao povo de Israel. Josué e Calebe olharam a terra com olhos positivos, e acreditaram que Deus estava no controle de tudo e eles seriam ajudados e protegidos. Quando confiamos na Palavra de Deus e seguimos as suas orientações, esforçando-nos, para receber as promessas do Pai.

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

“Um homem que não sabe controlar as suas emoções e vontades é como a cidade com seus muros derrubados”, ou seja, sem domínio próprio o homem fica totalmente desprotegido tal qual uma cidade que tem seus muros derrubados pelo inimigo. Provérbios 25:28



O sábio nos ensina que o domínio próprio, uma das virtudes descritas pelo apóstolo Paulo como um fruto que o Espírito Santo, é a chave para que conquistemos diversas bênçãos. Uma delas é a possibilidade de termos bondade, benignidade, mansidão, paz, fidelidade, amor, fé, paciência, alegria etc... Quando conseguimos dominar nossa natureza humana, conseguimos desenvolver nosso relacionamento com Deus e a partir daí deixamos que Deus nos controle e nos faça agir da forma certa, o que seria impossível antes de aprendermos a governar nosso espírito. Uma vez que dominamos nosso próprio Espírito, estamos aptos aos olhos de Deus para conquistarmos as promessas do Senhor.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

“O Senhor repudia as balanças desonestas, mas os pesos justos lhe dão prazer.” Provérbios 11:1.




A Bíblia deixa claro que em se tratando de honestidade não existe meio termo. Ainda que a sociedade tente nos convencer de que em alguns casos não há nada de mal em driblamos as regras. Mas nós sabemos muito bem o que é justo e honesto e o que é injusto e desonesto. E se algumas vezes nos sentimos pressionados a ser desonestos, a agir de acordo com a orientação do mundo para conseguirmos algum bem ou para aumentarmos os nossos lucros, se quisermos obedecer e agradar a Deus precisamos saber que não existe meio termo. O Senhor nos exige honestidade em tudo. Aqueles que aceitaram viver de acordo com o Evangelho de Cristo sabem que estão na berlinda e que devem ser exemplos. Os que não são cristãos estão sempre nos observando para ver se nos pegam em alguma prática não cristã, ou atos desonestos, por isso a Bíblia registra em I Pedro 2:12 “Tomem cuidado com o modo como vocês se comportam entre os seus semelhantes não cristãos; porque assim, mesmo que eles acusem e falem mal de vocês, acabarão louvando a Deus pelas boas obras de vocês no dia de sua vinda”.

domingo, 30 de novembro de 2014

Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão e domínio próprio. Contra estas cousas não há lei. (Gálatas 5:22-23)








Em carta aos Gálatas, Paulo inventaria as características de um homem que tem o fruto do Espírito. É interesse observar que, embora seja uma lista, ela vem com um verbo no singular. Há um fruto e não frutos. E esse fruto desencadeia uma série de virtudes. Isso significa que um é intrínseco ao outro. Uma das virtudes intrínsecas a quem tem o fruto do Espírito é a longanimidade: caráter da pessoa que suporta as adversidades e que prossegue no seu empenho, apesar dos obstáculos. Quem tem longanimidade tem grandeza de ânimo, é benigno, complacente, indulgente, corajoso, generoso, paciente, resignado, ou seja, é uma pessoa que tem um longo ânimo. O que significa no popular ter pavio longo, que não explode com facilidade, sabe esperar o momento certo para falar ou agir sem reagir ou explodir em ira quando provocado. Infelizmente, nos dias de hoje, o nosso ânimo se tornou muito pequeno para tudo. As pessoas têm pressa para tudo, e os jovens não querem esperar para conquistar as bênçãos, por isso tantas brigas, corrupção, assaltos, maracutaias, e até mesmo as “inofensivas” fura-filas. Por isso tantas brigas e acidentes no trânsito, no trabalho, com nossos filhos, com os vizinhos, com amigos e até com quem não conhecemos. Tudo por causa do “pavio curto.” Trocando em miúdos, falta a longanimidade da qual nos fala o apóstolo. Longanimidade faz parte das virtudes que obtemos quando permitimos que o Espírito Santo de Deus habite em nós. Para que o fruto do Espírito cresça em nós, devemos nos unir a Ele. Devemos conhecê-lo, amá-lo, lembrá-lo e acima de tudo imitá-lo. A Palavra de Deus nos fala claramente que só conseguiremos dar frutos se verdadeiramente permitirmos que o Espírito Santo venha fazer morada em nosso coração.

sábado, 29 de novembro de 2014

“Para conseguir riqueza, respeito dos homens e uma vida feliz, você precisa ser humilde e temer o Senhor.” Provérbios 22:4.


A Bíblia não expressa em nenhum momento que ter riqueza é algo negativo, afinal, foi o próprio Deus quem criou tudo o que há no mundo e criou também as riquezas para que os seus filhos possam desfrutá-las. O grande problema está no uso que as pessoas fazem daquilo que Deus criou. Amar as riquezas acima do Criador, ou deixar que elas governem nossas vidas e nos tornem insensíveis, corruptos ou arrogantes é que subverte a vontade de Deus. Por isso o sábio ensina que até mesmo para possuir riquezas devemos ser humildes e tementes a Deus. Quem teme a Deus jamais será ávaro, retendo a parte que Lhe cabe, jamais explorará o próximo porque conhece as orientações do Senhor e dificilmente deixará ajudar o irmão ou ao anônimo que necessita. Quem teme a Deus valoriza o ser e por isso tem para multiplicadas vezes para dividir. E, sobretudo, sabe que a riqueza maior não está nesse mundo, pois compreende as palavras de Jesus em Mateus 6:19-21.: “Não se preocupem em acumular riquezas aqui na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e onde os ladrões arrombam e roubam. Guardem, sim, para si, tesouros preciosos no céu, onde a traça e a ferrugem não destroem, e onde os ladrões não arrombam nem roubam. Pois onde estiverem as suas riquezas lá estará também o seu coração.”

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Mas vejo nos meus membros outra lei, que batalha contra a lei do meu entendimento, e me prende debaixo da lei do pecado que está nos meus membros. Romanos 7:23


O apóstolo Paulo nos apresenta um panorama da batalha que ocorre todos os dias dentro de nós, quando conhecemos o Evangelho, mas ainda vivemos imersos em uma sociedade governada pelo maligno. Quando nascemos de novo e alimentarmos nossa nova natureza por meio do estudo da Palavra de Deus e da oração, crescemos espiritualmente e certamente daremos a vitória ao lado que nos assemelha a Deus. Sabemos o que é melhor, mas nem sempre fazemos o que é melhor! Muitas vezes, permitimos que ações e atitudes pecaminosas e mundanas continuem em nossas vidas, sem atentar para o que nos alerta o apóstolo João em 1 João 2:15-17: "Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo. E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre." Como tolos copiamos o que outros países fazem, mas não temos o discernimento para avaliar se é bom e na maioria das vezes repetimos apenas o lado grotesco. Assim é com o Halloween que nada tem a ver com a nossa cultura e nada mais é do que um culto às trevas. De igual modo, copiamos o Black Friday, muitas vezes nos deixando levar pelo consumismo e sem observarmos o engodo do poderia ser chamado de sexta feira negra ou black fraude, e não copiamos o que motivou essa explosão de consumismo. Na quarta quinta feira do mês de novembro os norte-americanos, motivados por um sentimento de gratidão a Deus, ao reconhecerem que deviam a Ele a fartura advinda das colheitas, instituíram como o principal feriado nacional o Thanksgiving Day, que depois se transformou no Dia Mundial de Ação de Graças. Apesar de essa festa de gratidão ter sido trazida ao Brasil por incentivo do embaixador Joaquim Nabuco e instituída pelo presidente Dutra, em 1949, pouco se vê sua realização, ao contrário da copiada festa do consumo. Nem a mídia, nem a sociedade se interessam pelo ato de agradecer, mas vemos uma explosão de anúncios e um destaque expressivo para a festa do consumismo, tal qual vemos os holofotes na figura do papai Noel que obscurece a posição do verdadeiro dono da festa, no Natal. Alimentamos o nosso lado pior, sem perceber que estamos dando lugar ao mundanismo que toma conta da sociedade. Sem nos darmos conta de que o amor ao mundo é um perigo muito real para o cristão, pois nossa natureza caída, que está conosco desde o nascimento, está naturalmente inclinada e preparada para as atrações que nos rodeiam.

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

“Não foram dez homens que eu curei? Onde estão os outros nove? Só este estrangeiro voltou para louvar a Deus?” O homem que voltou com gratidão era um samaritano. Lucas 17;11-19.


Hoje, dia Mundial de Ação de Graças, a mensagem é sobre a gratidão. Essa virtude tem sido desconsiderada em uma sociedade que supervaloriza o ter sem se importar com a forma de obter. Mas vamos lembrar principalmente da gratidão que devemos ao Senhor Deus, que nos criou e nos sustenta todos os dias desde o momento de nosso nascimento, e, sobretudo, que enviou o seu único filho para morrer por nós. Gratidão de acordo com o dicionário é um ato de reconhecimento de uma pessoa por alguém que lhe prestou um benefício, um auxílio, um favor etc. Se aprendemos que devemos agradecer aos que nos auxiliam, devemos muito mais ser gratos a quem criou e nos concede benefícios, providências e livramentos diariamente e nem sempre reconhecemos. Agimos muitas vezes como os nove leprosos ávidos para pedir a graça, mas sequer se lembraram de voltar para agradecer. Ainda hoje não mudamos as estatísticas: dos dez, apenas uma voltou para agradecer. E quem não agradece a Deus tampouco o faz com o próximo, com os familiares, colegas e anônimos que são usados por Deus para nos abençoar. Não são raros os que pensam que eles não fazem mais do que a obrigação de nos prestar ajuda. Mas não é isso que Jesus nos ensina. Devemos demonstrar gratidão todos os dias a todas as pessoas que nos ajudam e até mesmo àquelas que são obstáculos em nossa vida, pois também nos ajudam a crescer. Mas a nossa gratidão especial deve ser demonstrada a Deus, pois ela transforma e abre o nosso coração para o nosso Criador. 

Que possamos sempre agir como o samaritano que voltou para agradecer a Jesus pela cura obtida, e vigiarmos constantemente para não sermos como os nove que não voltaram.

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

“Observaste o meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem sincero e reto, temente a Deus, desviando-se do mal, e que ainda retém a sua sinceridade.” Jó 2-3.


Jó é considerado como exemplo de paciência, no entanto, há nesse homem outras características que agradam a Deus, como a integridade e a sinceridade. Por isso o Senhor o teve em alta conta e o citou como exemplo de homem a ser seguido. Ser íntegro significa se inteiro, intacto, agir com equidade, retidão, honestidade, imparcialidade, inteireza moral, honradez, enfim ter um comportamento exemplar. Parece ser difícil em um mundo no qual prevalece a teoria da lei do mais esperto, em que vigoram o consumismo a qualquer preço, a corrupção sem medidas, a banalização da vida humana, a prevalência do ter sobre o ser, sobreposição dos valores mundanos sobre os espirituais. No entanto, a Bíblia relata histórias de diversas pessoas que se mantiveram íntegras apesar de viverem tempos difíceis com muitas dificuldades e provações. Daniel pode ser citado, dentre outros tantos que não negou sua fé, mesmo diante de ameaças; José que, mesmo diante da possibilidade de se dar bem no palácio porque era alvo do interesse da mulher de Potifar, preferiu manter sua integridade e ser preso injustamente; João Batista, que manteve a sua postura austera e jamais se envaideceu, mantendo-se firme no propósito de anunciar Jesus, sem fazer uso da carteirada de assessor do Messias. E o próprio Jó que se enquadra em todos os adjetivos relacionados à integridade, pois apesar de todas as provações, e com “amigos” que não o ajudaram muito, não perdeu sua honradez e integridade sem atribuir a Deus falta alguma. apesar da esposa e dos amigos que tentavam dissuadi-lo de sua postura, Jó manteve-se irredutível e por sua integridade glorificava ao Senhor, pelo que Ele representava em sua vida e não pelo que ele lhe dava. É isso que Deus espera de seus filhos: integridade. Não podemos virar ao sabor dos ventos. Na igreja ter aparência de santos e no trabalho ou na sociedade nos deixarmos corromper. O Senhor quer que sejamos honestos, íntegros e, porque não dizer, santos. “Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver, porquanto escrito está: ‘Sede santos, porque eu sou santo”. I Pedro 1:15.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

“Ele terá prazer em obedecer ao Senhor. Ele não julgará pela aparência, nem com base no que ouviu, mas fará justiça aos necessitados e defenderá aos pobres. Com sua palavra como se fosse um cajado ferirá a terra; e matará o perverso com um sopro de sua boca.” Isaías 11:3-4

O profeta Isaías descreve o Senhor, destacando um de seus atributos intrínsecos: a justiça. Mas como seres humanos limitados e falhos, embora tenhamos sido criados à imagem e semelhança do Criador e, portanto, deveríamos desenvolver e refletir esse atributo, estamos longe de compreender o verdadeiro sentido dessa justiça. Eis por que a justiça humana é falha, incompleta e cega, não no sentido de que não é tendenciosa, mas literalmente. Os dicionários definem justiça como sendo equivalente à equidade, bondade, prática e exercício do que é direito. Outro significado da palavra é retidão. É a justiça, ou o senso de justiça que está em nós que regula nossa convivência, possibilita o bem comum, defende a dignidade humana, respeita os direitos humanos. Sem ela esse mundo que jaz no maligno seria muito mais tenebroso. A justiça é a firme e constante vontade de dar aos outros o que lhes é devido. E imbuídos da justiça devemos em todos os sentidos buscar os nossos direitos e não privilégios, o que tem sido mais comum nessa sociedade em que vigora a lei do levar vantagem, em que o mais esperto e reverenciado, em detrimento do mais honesto. Mas não podemos pensar em justiça apenas quando se refere a atos judiciários. A busca e execução da justiça são ações cotidianas em todos os espaços de convivência e deve ser colocada em prática sempre. Quando assinamos um contrato com alguém, ou mesmo quando fazemos um compromisso com uma pessoa, seja ele informal, mas pactuado ainda que por uma simples declaração verbal, por justiça devemos cumprir esse contrato, a nossa palavra. Se pedirmos emprestado algum objeto a alguém, devemos devolvê-lo no tempo estipulado e em perfeito estado. Quando compramos algo, pagar pelo que levamos um preço justo é o correto. A justiça é uma virtude que acompanha aqueles que têm o caráter de Cristo e, como afirma Davi, o Senhor jamais deixará que um justo seja envergonhado. Se quisermos um tratamento justo, devemos agir com justiça e equidade com os outros. Esse é o princípio do segundo mandamento: se quisermos ser tratados com justiça devemos tratar aos outros com a mesma justiça que gostaríamos que nos tratassem. E, agindo com justiça, por consequência, jamais infringiremos os demais mandamentos do Senhor.

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

Bem aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia. Mateus. 5:7


A palavra misericórdia é formada por outras duas palavras: misere + cordis. A primeira significa ter compaixão de, e a segunda vem de cordis, ou coração em nossa língua. Misericórdia é sentir com o coração do outro. É o mesmo que aproximar-se tanto de alguém que sofre e sentir o que essa pessoa está sentindo. Misericórdia então quer dizer: ter compaixão, estar em sintonia, sentir o que o outro sente com o coração, mas também pode significar: piedade, graça ou perdão concedido por bondade pura, compaixão solícita pela desgraça alheia. Misericórdia é um atributo de Deus que o leva a perdoar as faltas e os pecados dos homens. Nós somos salvos e nossos pecados são perdoados graças à misericórdia divina. Por essa razão o salmista não se cansa de repetir que a misericórdia do Senhor dura para sempre, pois ele mesmo vivenciou e pode reconhecer isso e m sua vida. “Misericordioso e piedoso é o Senhor; longânimo e grande em benignidade. Não repreenderá perpetuamente, nem para sempre conservará a sua ira. Não nos tratou segundo os nossos pecados, nem nos retribuiu segundo as nossas iniquidades.” Salmos. 103: 8-10. O Senhor tem prazer em nos perdoar, mesmo que tenhamos cometido faltas que aos olhos dos homens seriam imperdoáveis, assim como vimos com várias situações narradas na Bíblia como Davi e Jacó que foram agraciados com a misericórdia de Deus. Mas o maior exemplo de pessoa misericordiosa que temos é o de Jesus, que morreu em nosso lugar, pelos nossos pecados. E Deus espera que nos aproximemos do caráter de Jesus, sendo misericordiosos com nosso próximo.

domingo, 23 de novembro de 2014

“Não estejais inquietos por coisa alguma; antes as vossas petições sejam em tudo conhecidas diante de Deus, pela oração e súplicas, com ação de graças. E a paz que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus.” Filipenses 4: 6-7.



O Senhor nos permite descansar quando esperamos e confiamos Nele é isso que garante o apóstolo Paulo em carta aos filipenses. Quando temos paz, na verdade possuímos tudo, pois com a paz vem o equilíbrio, o bom senso, o sossego e o entendimento entre as pessoas. Paulo nos exorta a não andarmos inquietos por coisa alguma; e para fazermos petições diante de Deus, com oração, súplicas, e, principalmente, com ação de graças. Assim a paz que excede todo o entendimento, guardará os nossos corações e os nossos sentimentos. A paz que excede todo o entendimento é a paz verdadeira que nos permite estar serenos no meio ao caos e manter o espírito firmado em Cristo enquanto o mundo se debate em conflitos em busca de status e vaidades. A paz de Cristo é diferente da paz do mundo. Não é a ausência de conflitos, mas o equilíbrio no conflito e a certeza de seremos vencedores em Cristo Jesus. A paz de Deus ultrapassa a compreensão intelectual. Ela da convicção de que Deus está no controle de todas as coisas e se Ele é por nós, quem poderá se levantar contra?

sábado, 22 de novembro de 2014

“Porque assim diz o Senhor Deus, o Santo de Israel: Voltando e descansando sereis salvos; no sossego e na confiança estaria a vossa força, mas não quisestes.” Isaías 30:15.


A promessa de Deus, entregue pelo profeta Isaías ao seu povo, é a de habitaremos em morada de paz, e com segurança, e em lugares quietos de descanso. Por essa razão, confiante na promessa do Senhor é que o apóstolo Paulo exorta o povo a que não andem inquietos. O cristão que segue as orientações do Senhor tem tranquilidade do corpo e do espírito, apesar dos sobressaltos do mundo. Quando confiamos na Palavra de Deus não precisamos temer coisa alguma porque desde o início Deus nos convida a descansarmos Nele a ficarmos quietos e tranquilos. Mas, infelizmente desde sempre o homem segue desobedecendo a Deus, e por não se preocupar com o descanso e em guardar o dia que deve ser dedicado ao Senhor, o homem se afasta cada vez mais do que é natural, bom e agradável para ele e também para Deus. Não adianta procuramos fora de nós mesmos a tranquilidade e a quietude. Não é no marasmo de uma praia idílica, ou no escuro de um quarto isolado que encontraremos paz e sossego, pois ela está dentro de nós e nos é dada por Deus, quando nos entregamos a Ele. Podemos estar em paz no meio do caos ou de um barulho ensurdecedor, assim como podemos entrar em conflito em um silêncio absoluto, pois é o Senhor quem nos dá a força necessária para enfrentarmos as dificuldades. Precisamos deixar Deus falar em nosso coração e ouvir atentamente o que Ele nos diz: “O meu povo habitará em morada de paz, e em moradas bem seguras, e em lugares quietos de descanso, ainda que uma chuva de pedra destrua o bosque, e a cidade seja inteiramente abatida.” Isaías 32: 18-19. Por isso, a mensagem de hoje é: aquiete-se, e descanse nas promessas do Senhor.

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Não peço que os tires do mundo, mas que os livres do mal. João 17:15


Estas palavras de Jesus registradas pelo apóstolo João nos mostram o cuidado do Senhor com a vida daqueles que creem Nele e nos instiga a compreender que esta fé não nos tira de nossa realidade existencial. Nós continuamos inseridos no mundo secular, ainda que separados pelo amor de Cristo. Continuamos sujeitos a um mundo onde há fome, desemprego, corrupção, violência e outras mazelas. Não estamos livres de vivenciar as agruras do mundo governado pelo maligno, mas estamos sob a promessa do Senhor que intercede por nós ao Pai. Ele nos protege dentro da realidade que estamos inseridos, mas não nos tira dela. Ele nos protege do mal e nos ajuda com seus ensinamentos a passar as tribulações do dia a dia. Nisso podemos confiar: mesmo passando por tribulações temos a certeza de que nenhum mal nos sucederá, conforme afirma o salmista nos Salmos 91:10.

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Volta, minha alma, para o teu repouso, pois o Senhor te fez bem. Salmos 116:7





O salmista faz um apelo à sua alma, reconhecendo que ela deve se aproximar e buscar repouso no Senhor, porque Ele é o único que a completa. Assim como Davi podemos entender, quando permitimos que nossa alma se aproxime de Deus que a Sua misericórdia é grande e nos envolve de tal forma que encontramos repouso e refrigério. Os livramentos que Deus em sua infinita misericórdia nos concede todo o tempo das ciladas armadas pelo homem e também por satanás não podem ser esquecidos. O Senhor sempre nos ouve e atende às nossas orações por isso a nossa alma pode ficar bem tranquila.

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Então disse: Eis que eu faço uma aliança; farei diante de todo o teu povo maravilhas que nunca foram feitas em toda a terra, nem em nação alguma; de maneira que todo este povo, em cujo meio tu estás, veja a obra do Senhor; porque coisa terrível é o que faço contigo. Êxodo 34:10






Sempre ouvimos dizer que Deus, nosso Deus, é um Deus de alianças, mas, diante de nossa pequenez ficamos nos perguntando: por que o Criador faria uma aliança com seres tão limitados e pecadores? E quando refletimos sobre isso à luz da Bíblia, conhecendo os diversos exemplos de tantos homens e mulheres frágeis, pecadores e limitados como nós constatamos que Deus não acha graça nos mais fortes, Ele quer fazer aliança justamente com os mais fracos, com aqueles que dependem do Seu Poder, que se não se exaltam, mas sabem reconhecer que só pode todas as coisas Naquele que nos fortalece. Deus quer estabelecer uma aliança com aqueles que, apesar de caírem mil vezes reconhecem mil e uma que erraram e que nada são diante do Senhor, assim como fez Davi. Por isso é graça, algo totalmente imerecido. Deus não espera a nossa perfeição ou santidade absoluta, mas espera que nos aperfeiçoemos e busquemos a santidade com convicção de que ela é o caminho certo para mantermos a aliança que Deus faz conosco gratuitamente. Quando temos o desejo de santificação glorificamos a Deus, e atendemos a sua exortação: Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo.1 Pedro 1:16. Se assim agirmos podemos conhecer as maravilhas tremendas que Deus nos promete.

terça-feira, 18 de novembro de 2014

“Esforço-me para que eles sejam fortalecidos em seu coração, estejam unidos em amor e alcancem toda a riqueza do pleno entendimento, a fim de conhecerem plenamente o mistério de Deus, a saber, Cristo.” Colossensses 2:2






O apóstolo Paulo espera que corpo de Cristo esteja fortalecido e unido em amor para que cumpra a missão que Jesus nos delegou aqui na Terra. E isso só será possível se estivermos pleno de entendimento e da unção do Espírito que nos capacita a agir segundo a vontade de Deus. Nenhum conhecimento humano ou acadêmico, nem toda filosofia ou ciência pode nos fazer conhecer os mistérios que só o Senhor pelo Espírito Santo pode nos revelar. Todos os fatos que Cristo realizou podem ser experimentados e provados por nós pela fé. A grande revelação para andarmos em vitória está em sabermos que “não mais eu mas Cristo vive em mim”. Se “Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim.” Assim, quando nós saímos de cena Cristo entra e nos permite experimentar o verdadeiro conhecimento capaz de nos transformar completamente.

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Jesus disse: “Quem crer em mim, como diz a Escritura, do seu interior fluirão rios de água viva”. (João 7:38)


A promessa de Jesus está fundamentada em uma palavra chave: fé. Para alcançarmos a promessa de transbordamento, o rio de água viva a fluir de dentro de nós, haveremos de ter Fé. A fé transforma em experiência o fato espiritual. É por essa experiência sobrenatural descrita pelo autor de Hebreus 11:6 como “a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos” que alcançaremos a transformação do que parece impossível em algo possível e exequível tornam-se realidade pessoal pela fé. Sem fé não há como compreender a experiência do batismo para a salvação, ou a redenção pela ressurreição. Não basta praticar o ritual da descida às aguas, pois ele em si não é significante, só aqueles que depositam fé neste fato é que podem se unir a Cristo. Sem fé a única experiência que se pode ter é a um de um banho. Mas aqueles que creem compreendem o verdadeiro sentido dessa decisão e deles fluirão um rio de agua viva, ou a sensação única de nascer de novo, deixando o velho homem, porque se alguém está em Cristo, é nova criatura, as coisas antigas já passaram.

domingo, 16 de novembro de 2014

Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim. Gálatas 2:20




Quando entendemos a profundidade desse versículo, conseguimos compreender a essência da vida abundante que o Senhor nos prometeu em toda a Bíblia: “não sou mais eu quem vive, mas Cristo vive em mim”. Quando vivemos pela f[e, deixando que Cristo viva em nós alcançamos a promessa. Parece complicado quando insistimos em viver por nosso próprio entendimento, mas é simples quando entregamos a Ele a direção de tudo o que fazemos. Se quem comanda a nossa vida, ainda é a nossa carne, se não nos deixamos crucificar com Cristo, certamente não podemos desfrutar dessa vida de graça prometida a nós ainda neste mundo, mas se nos deixamos crucificar com Cristo, admitimos que estamos mortos para o pecado e prontos a viver pela fé, segundo a Palavra de Deus. O homem natural que vivia em nós antes de nos entregarmos pela confissão de fé e pelo batismo da ressurreição é morto e dá lugar ao novo homem, pois necessário é nascer de novo para viver em Cristo, diz o Senhor. E a consequência de vivermos essa Palavra é receber uma vida abundante e poderosa que que só pode ser ativada pela fé. Quando permitimos que a chamada da cruz quebre nosso homem exterior, abrimos o caminho para que a vida de Cristo se manifeste em nós.

sábado, 15 de novembro de 2014

E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre. 1 João 2:17




Nesta carta o apóstolo nos diz que as coisas deste mundo irão passar e somente aquele que cumpre a vontade de Deus irá permanecer, por isso, é necessário refletir sobre as escolhas que temos feito diante das propostas que nos são feitas todos os dias. Precisamos escolher entre as tentações deste mundo e a vontade de Deus. Não dá para ficar em cima do muro, escolher um meio termo, não há como servir a dois senhores, afirma a Bíblia. Ou escolhemos a Deus ou ficamos com o mundo e seu príncipe. Mas é claro que não precisamos viver em uma redoma, ou em uma clausura. Escolher a Deus significa seguir as suas orientações, viver conforme o Evangelho, enquanto estamos no mundo. Viver no mundo é diferente de deixar o mundo viver em nós. A Fazer a vontade de Deus é o caminho seguro para vencer o mundo e encontrar a vida eterna, ou seja, permanecer para sempre.

sexta-feira, 14 de novembro de 2014

“Eis que estou à porta, e bato; se alguém ouvir a minha voz, e abrir a porta, entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo”. Apocalipse 3:20




A voz do Senhor só pode ser ouvida pelos que põem em prática a Sua Palavra e dela não se desvia. Aquele que está atento à voz do Senhor tem o entendimento para compreender as suas mensagens e assim tem o devido discernimento para enfrentar os desafios de cada dia. Se Jesus diz que está à porta, isso significa que Ele está do lado de fora, porque existe uma porta entre Ele e aqueles que ainda não o receberam. E essa porta significa todos os obstáculos que são colocados para impedir a aproximação. Essa porta pode ser o amor ao dinheiro, a mentira, a desonestidade, a prostituição, a avareza, a vaidade, o orgulho... E Jesus coloca uma condição: “Se alguém ouvir a minha voz”. Jesus não se dirige especificamente a uma pessoa, mas a todos os que forem sensíveis a sua voz. Isso significa que o convite está feito a todos, mas somente os que se dispõem a ouvir e tomam a atitude de abrir a porta, rompendo com os vícios, e com tudo o que impede a passagem do Senhor é que poderão cear com Ele, depois de ter retirado todos os obstáculos que impedem o agir de Deus.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

“E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” Atos 4:12





Devemos ter essa convicção demonstrada pelos discípulos de Jesus, porque também nós somos feitos Seus discípulos se aceitarmos a missão que nos foi delegada. Sabemos que não há outro que possa salvar ou interceder pela nossa salvação. Em nenhum outro nome encontraremos a vida eterna. Mas, infelizmente muitos estão enganados, procurando em outras fontes a vida, onde jamais serão saciados. Pedro tinha convicção de quem deveria seguir. Deixou o velho homem e assumiu o seu papel de discípulo, enquanto muitos desistiram no caminho. Isso ainda acontece. Há aqueles que sabem quem é Jesus, reconhecem que Ele tem a palavra de vida, que não há outro, volta atrás quando ouve o que não quer. Mesmo que não nos agrade, como discípulo devemos nos submeter na certeza que Ele nos levará no lugar certo debaixo de Sua proteção e amor. Fora Dele não há salvação, pois conforme está registrado em João 14:6 Jesus é o caminho, a verdade e a vida e ninguém irá ao Pai a não ser por intermédio Dele.

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

“Mais profundamente entra a repreensão no prudente do que cem açoites no tolo”. Provérbios 17:10







O sábio nos faz refletir sobre a importância de aceitarmos a repreensão, principalmente se ela vem de pessoas instruídas nos princípios do Senhor, para evitarmos as consequências advindas da correção que o mundo inevitavelmente dá àqueles que se tornam surdos para os ensinamentos de Deus. A Bíblia nos ensina a aceitar com paciência a correção do Senhor, porque dela advém as nossas bênçãos. Vários versículos na Bíblia nos mostram a importância da correção: em Eclesiastes 7:5 “Melhor é ouvir a repreensão do sábio do que ouvir alguém a canção do tolo”; Jó 20:3, nos mostra que sua vida mudou porque ouviu a repreensão e a acatou como bem: “Eu ouvi a repreensão, que me envergonha, mas o espírito do meu entendimento responderá por mim”. Se passamos por momentos difíceis, nos quais pensamos que Deus se esqueceu de nós ou que está nos impingindo um castigo, devemos nos lembrar de outras circunstâncias em que nos víamos em situações semelhantes o Senhor nos corrigiu para que alcançássemos a graça. Nossos métodos não são os métodos de Deus e por isso tendemos a achar que é da nossa forma que Ele deve agir em nosso favor. Mas muitas vezes, para que saibamos aproveitar as bênçãos que virão, antes ele nos corrige, aplainando o terreno para receber a boa semente. De outro modo, ela corre o risco de cair em terra inóspita, em terreno. Entretanto, muitos são os que a ignoram e colhem os frutos de sua rebeldia.