Traduza este blog

segunda-feira, 31 de março de 2014

“se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente, e o não lança em rosto, e ser-lhe-á dada.” Tiago 1:5




A Bíblia nos diz para fazer a vontade de Deus e para isso precisamos de sabedoria. Não a sabedoria acadêmica que o mundo adota, não a sabedoria filosófica que os homens apregoam. A sabedoria de que nos fala a Bíblia é dada pelo Espírito Santo e nos permite a revelação daquilo que Ele espera de nós. Grande parte de nossas decisões cotidianas, por mais simples que pareçam, trazem sérias consequências e reflexos nas nossas vidas e das pessoas a nossa volta. Por essa razão, precisamos estar em sintonia com a perfeita vontade de Deus até mesmo nas ações mais simples. O caminho que seguimos deve ser traçado por Deus e a maneira de saber o que o Senhor quer  é pedindo a Ele para nos mostrar, para nos revelar, por meio do Seu espírito. Só assim saberemos se o que estamos pedindo a Ele está em alinhamento com a Sua vontade. Só assim podemos ter certeza de que vai acontecer, enquanto confiamos em Deus para nos guiar e nos proteger em todas as circunstâncias.

domingo, 30 de março de 2014

“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça”. João 1:9





A Bíblia afirma que o pecado nos escraviza e nos acorrenta ao passado de erros, por isso, para nos libertarmos a única saída, é confessá-los ao Senhor. E Ele, por intermédio do Espírito Santo, nos faz sentir um profundo incômodo que nos faz tocar a consciência que fala ao nosso coração. Se ouvirmos essa voz, com toda certeza a dor vai passar, nossos traumas serão resolvidos, a cura virá, mas somente quando confessarmos ao Pai os nossos pecados, conforme nos ensina o apóstolo João. A única coisa que precisa ser feita entrar na presença de Deus, e dizer a Deus que estamos arrependidos, e que queremos uma nova chance para começar de novo. Deus não ignora um coração arrependido. Ele nos conhece profundamente e sabe de nossas falhas. Podemos até enganar os nossos entes queridos, mas nunca a Ele. Davi nos Salmos 41:4 clamava, arrependido “Dizia eu: SENHOR, tem piedade de mim; sara a minha alma, porque pequei contra ti.” E Deus o atendeu. Como o rei, precisamos reconhecer que somos humanos, sentimos dores, angústias, tristeza e medo. Também precisamos admitir diante de Deus nossos erros, assumir nossas falhas, limitações e pecados. Essa é a confissão que Deus quer ouvir. Mesmo que Ele conheça nossos segredos mais íntimos é isso que Ele quer escutar, Ele precisa que admitamos o pecado que insistimos em omitir. O salmista admite que pecou e reconhece que está pagando pelo que fez, que está colhendo aquilo que plantou, mas também admite e reconhece, que sabe que em Deus existe cura para tudo. E que Ele é amoroso e complacente com Seus filhos que se arrependem do erro.

sábado, 29 de março de 2014

Agora, completem a obra, para que a forte disposição de realizá-la seja igualada pelo zelo em concluí-la, de acordo com os bens que vocês possuem. (2 Coríntios 8:11)



A exortação de Paulo é para que façamos a obra de Deus, completando com zelo e determinação o que foi iniciado por Jesus. Mas muitos têm um conceito errado sobre o que é fazer a obra de Deus. Não é fazer parte do coro da Igreja, assumir o papel do pregador, ocupar uma função na liderança. Tudo isso faz parte, mas não se resume nisso. Tocar, ministrar, dar aula, administrar a igreja, são tarefas necessárias, mas a obra de Deus não tem a ver com os aspectos físicos ou materiais, pois ela se dá no plano espiritual. Fazer a obra de Deus é levar a salvação de forma concreta, sendo instrumentos de Deus nesse propósito. É ser a parte visível e um Deus invisível, mas concreto e presente. Amar, perdoar, cuidar, ajudar, agir como Cristo agiria se estivesse materialmente entre nós. É fazer como Jesus fez, ou faria nas circunstâncias mais corriqueiras. É ser o portador da salvação.

sexta-feira, 28 de março de 2014

“E LEMBROU-SE Deus de Noé, e de todos os seres viventes, e de todo o gado que estavam com ele na arca; e Deus fez passar um vento sobre a terra, e aquietaram-se as águas”. Gêneses 8:1


Quantos de nós já quebramos as promessas feitas e sequer nos lembramos de tê-las deito. Mas Nosso Deus cumpre promessas, enquanto nós as fazemos em vão. Promessas  de pai para filho e de filho para os pais. Porque  somos limitados, quando prometemos não temo a certeza de cumprir. Por isso dizemos: “Se Deus quiser”. Mas não o nosso Deus. Ele é Deus que faz alianças e cumpre o que promete.  Ele começa prometendo em Gêneses 8:1. A expressão hebraica “E LEMBROU-SE Deus de Noé” indica ação baseada em cumprimento. Em Gênesis  9:15, vemos a confirmação: “Então me lembrarei da minha aliança, que está entre mim e vós, e entre toda a alma vivente de toda a carne; e as águas não se tornarão mais em dilúvio para destruir toda a carne”. Vemos que Deus cumpre a promessa a Noé. Assim como fez a em relação à promessa feita a Abrão em Gênesis 12: 1-3: “ORA, o SENHOR disse a Abrão: Sai-te da tua terra, da tua parentela e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção. E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra”. Abraão também prometeu que daria seu filho em sacrifício e cumpriu. Deus prometeu a Jacó grande descendência e cumpriu. A Bíblia mostra também que na vida de José do Egito as promessas de Deus se cumpriram. A Bíblia toda é um livro de promessas, e a grande promessa de Deus para humanidade começa em Isaías 7:14 quando o profeta fala sobre EMANUEL (Deus conosco).

quinta-feira, 27 de março de 2014

"Eis o homem!" Ao vê-lo, os chefes dos sacerdotes e os guardas gritaram: "Crucifica-o! Crucifica-o!" Mas Pilatos respondeu: "Levem-no vocês e crucifiquem-no. Quanto a mim, não encontro base para acusá-lo". João 19:4-6


A Bíblia relata que Pilatos não queria condenar Jesus. Na verdade, ele não entendia porque o povo queria condená-Lo, uma vez que nada havia que pudesse incriminá-Lo. Em João 18:38, vemos que ele disse aos judeus: “Não acho Nele crime algum” e até mesmo argumentou com Jesus afirmando que não via mal algum Nele. No diálogo que travou com Jesus, podemos perceber que ele queria libertá-Lo e que tentava induzir o povo a consentir nisso, porque era costume soltar alguém por ocasião da Páscoa. Mas sabemos que os religiosos preferiram soltar um ladrão, notório criminoso a absolverem Jesus. Pilatos lavou as mãos, mas os principais dos sacerdotes assumiram sua posição gritando “reiteradas vezes: “Crucifica-O! Crucifica-O!”.E o argumento no qual se baseavam era porque Jesus se declarou Filho de Deus. Interessante observar que a mulher de Pilatos já o havia prevenido sobre a possibilidade de estar condenando um inocente. a Bíblia narra a hesitação de Pilatos em relação à insistência dos judeus e nos mostra que ele só lavou as mãos e O entregou para ser crucificado quando os religiosos ameaçaram-no colocá-lo contra César. Nessa atitude, percebemos que ele até se manteve reticente e não intencionava condenar um justo, mas se deixou corromper pela ameaça de perder vantagens políticas. Lavar as mãos não tira a responsabilidade de ter crucificado um inocente, pois ele não teve coragem de enfrentar e assumir a sua postura e livrá-Lo da morte. Tiago 4:17 afirma que “aquele que pode fazer o bem e não faz comete pecado”. Quantas vezes agimos como Pilatos, covardemente, lavamos nossas mãos, e julgamos que nos eximimos da culpa, quando não tomamos certas atitudes, quando não defendemos alguém que sabemos estar sendo injustiçado. Muitas vezes para garantir nossa estabilidade ou nosso conforto, fechamos os olhos, ou a boca, como se não tivéssemos nada a ver com isso e não lutamos para fazer o que é certo e justo, simplesmente porque preferimos não nos expor. Quantas vezes vemos as coisas erradas e nos calamos para não ficarmos mal perante os outros, ou porque julgamos que nada temos a ganhar com uma reação de defesa e assim agimos como Pilatos, lavando nossas mãos e deixando o erro prosseguir, mas somos hipócritas o suficiente para pensar que os culpados são apenas os que declaram: “crucifica-O”.

quarta-feira, 26 de março de 2014

"Quem pode discernir os próprios erros? Absolve-me dos que desconheço!” (Salmos 19:12)



O salmista pede a Deus perdão para os pecados que ele desconhece. Essa atitude mostra uma pessoa aberta a se consertar diante de Deus. Para crescermos espiritualmente, precisamos deixar fora de nossas vidas tudo aquilo que nos afasta de Deus. Por isso, todos os pecados que conhecemos devem ser confessados em oração, mas também devemos fazer como Davi e pedir ao Senhor que perdoe os pecados que cometemos sem conhecer. O pecado mantido em secreto também é um entrave para nos aproximarmos de Deus, porque, ainda que aparentemente inofensivo, mesmo mantido em silêncio, cria raízes que se alastram e nos afastam de Deus. Quando deixamos de confessar nossos pecados, por orgulho ou por negligência banalizamos as suas consequências e damos legalidade ao diabo para agir em nossas vidas. O conhecimento de quem é Deus e do que Ele pode fazer quando damos a Ele a liberdade para atuar em nossas vidas nos edifica e reforça em nós o desejo pela busca da santidade, por isso João 17:17 pede: “Santifica-os na verdade, e a tua palavra é a verdade”.

terça-feira, 25 de março de 2014

“E o SENHOR te porá por cabeça, e não por cauda; e só estarás em cima, e não debaixo, se obedeceres aos mandamentos do SENHOR teu Deus, que hoje te ordeno, para os guardar e cumprir. E não te desviarás de todas as palavras que hoje te ordeno, nem para a direita nem para a esquerda, andando após outros deuses, para os servires ". (Deuteronômio, 28: 13-14).




Essa é uma promessa maravilhosa da qual todos querem tomar posse, até mesmo os que não creem e não servem ao Senhor, conforme os Seus Estatutos. Mas para receber essa promessa, devemos fazer escolhas com base na palavra de Deus. Para isso, precisamos definir nossos objetivos com inteligência e sabedoria, sem deixar que essas escolhas sejam feitas com base nas emoções, na opinião alheia ou na intuição e, principalmente, que não sejam feitas sob os critérios que o mundo dita. Para alcançarmos essa promessa, temos que ser ativos e produtivos, lembrando o ensinamento de Jesus em Mateus 25:26. E é imprescindível que não desperdicemos os recursos (tempo, bens e talentos), que Deus nos permite administrar, atentando para o que disse o profeta Isaías 55: 8-13. É fundamental também, ter disciplina e respeitar regras, princípios e autoridades humanas, sem ferir a autoridade de Deus. Ter ambição e projetos, sem deixar a ganância, a cobiça, a inveja e o egoísmo dominarem, mas antes, seguir o grande mandamento: "Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo", honrando a Deus com as primícias, como recomenda Provérbios 3: 9-10. E mais do que necessário é ter alvos espirituais, buscando sempre o conhecimento bíblico também para fundamentar as conquistas materiais, pois se o Senhor não edificar a casa, em vão trabalham os que a edificam afirma a Bíblia.

segunda-feira, 24 de março de 2014

E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele com quem temos de tratar. Hebreus 4:13


Podemos até convencer nossos amigos, colegas, pais, líderes, pastores, chefes ou as autoridades sobre algum ponto, não podemos nos esquecer de que, embora tratemos com eles de algum modo, e temos a necessidade de dar satisfação ou de prestar contas do que fazemos, é com Deus que haveremos de tratar, conforme nos diz o autor de Hebreus. De nada adianta tentar esconder as coisas, nem mesmo os nossos pensamentos mais secretos, ou nossas intenções mais obscuras, porque ninguém fica oculto diante de Deus. A mensagem bíblica nos coloca em xeque com nossas atitudes mais corriqueiras, quando pensamos que na solidão de nossos espaços ou de nossos corações estamos imunes. Não há nenhum lugar secreto que Deus não possa perscrutar. Por essa razão devemos nos perguntar antes: o Senhor entraria aqui? Faria ou aprovaria o que estou fazendo, pensando ou dizendo? Se a resposta for não, busque em Deus a força e a sabedoria para resistir e com toda certeza o Espírito Santo atuará nesse momento!   

domingo, 23 de março de 2014

"E, vendo de longe uma figueira que tinha folhas, foi ver se nela acharia alguma coisa; e, chegando a ela, não achou senão folhas, porque não era tempo de figos". Marcos 11: 13

O evangelista narra que Jesus amaldiçoou a figueira quando teve fome e ela não lhe deu frutos, mesmo sabendo que não era tempo de frutos. A primeira visa pensamos que se trata uma injustiça, pois se Jesus sabia que não era tempo de frutos, não poderia amaldiçoar a figueira, que segue a ordem natural das estações criadas por Deus. Mas para entendermos a razão pela qual Jesus amaldiçoou a figueira precisamos conhecer o processo. A figueira é uma árvore que primeiro apresenta os frutos, e só depois mostra a folhagem. E aquela figueira estava cheia de folhas, dando a entender que produzia frutos. Foi por isso que Jesus a amaldiçoou, pois ela tentava dar aparência de fruto antes da estação própria para frutificar. Todas as demais figueiras estavam sem folhas. A oferta de folhagem era a promessa da certeza de haver frutos. O que estava por trás daquela folhagem era uma mentira. Era a tentativa de engano. Aquela figueira  camuflava! Jesus amaldiçoou  somente aquela que representava o engodo, a falsa aparência e não as outras árvores, pois Deus não se agrada de mentiras e tudo aquilo que tem aparência do que não é não pode agradar a Deus.

sábado, 22 de março de 2014

E esta é a confiança que temos nele, que, se pedirmos alguma coisa, segundo a sua vontade, ele nos ouve. 1 João 5:14



Observe que Jesus não diz neste trecho do Evangelho narrado por João que Deus nos ouve se pedirmos alguma coisa a Ele, mas Ele deixa claro que o Senhor nos ouve se pedirmos a Deus segundo a Sua vontade. Isso significa que para a nossa oração ser ouvida precisamos estar alinhados com a vontade de Deus, que, como afirma o apóstolo Paulo em Romanos 12:2 é: “boa, agradável, e perfeita”. Só quando conhecemos a vontade de Deus é que podemos saber o que devemos esperar dele. E para conhecer a vontade de Deus, aquilo que Ele deseja revelar para nós, é necessário fazermos da Bíblia o nosso manual de estudo, de regra e de conduta. A palavra de Deus escrita, por meio do Espírito Santo nos nós a justa medida da Sua vontade sobre todos os temas e aspectos de nossas vidas.  Mas somente a inspiração do Espírito Santo  nos capacita a compreender essa verdade e a agir de acordo com a vontade de Deus.

sexta-feira, 21 de março de 2014

Fazer justiça e juízo é mais aceitável ao SENHOR do que sacrifício. Provérbios 21:2-3


Estamos em um período em que as pessoas, por religiosidade, ou por convicção, decidem fazer sacrifícios. Alguns deixam de beber, outros de comer carne, outros resolvem se abster de alguma coisa ou situação. Essas atitudes podem ser  benéficas ao corpo, ao espírito e à alma, mas não são por si mesmas condições de redenção diante de Deus. Qualquer espécie de sacrifício pode ser positiva para nosso aprimoramento, mas o que Deus espera é que sejamos justos e leais, seguindo os Seus preceitos. Há pessoas que ignoram esse princípio e não se dão conta de que se comportam injustamente, quando deixam de pagar suas dívidas, quando caluniam ou permitem que a calúnia contra o próximo seja divulgada, quando desrespeitam o direito dos outros. Fazer sacrifícios ou penitências não as eximirão do juízo de Deus. Nosso Deus é justo e não deixará que os Seus filhos sejam injustiçados.

quinta-feira, 20 de março de 2014

Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito, mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo, Tito 3:5






 Regeneração significa "nascer de novo" e isso se dá pela  mudança pela qual passamos da morte espiritual para a vida espiritual. Mas só mesmo com a ação do Espírito Santo em nossa vida podemos nascer de novo, deixando para trás o velho homem. O Espírito Santo  trabalha em nossa mente e passamos a enxergar nossos erros e nos encaminha ao arrependimento da alma, do coração. Arrependimento é o primeiro passo para a conversão dos nossos maus caminhos. Sem arrependimento não há mudança de rumo, de direção de vida. O Espírito Santo nos leva a reformular e a reconstruir nosso caráter para que possamos também alcançar outras vidas, pois ao nos entregarmos a Cristo somos constituídos embaixadores do Reino dos céus, como afirma Paulo em 2 Coríntios 5:20 "De sorte que somos embaixadores da parte de Cristo, como se Deus por nós rogasse. Rogamo-vos, pois, da parte de Cristo, que vos reconcilieis com Deus.”

quarta-feira, 19 de março de 2014

Porque noutro tempo éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor; andai como filhos da luz. Efésios 5:8

O apóstolo Paulo faz menção a uma condição essencial para que o cristão seja verdadeiramente convertido e para que possa testemunhar o Evangelho de Cristo: andar como filhos da luz. E para tal, não há outra forma a não ser andar na luz. A luz é Cristo, vem Dele e reflete a Sua presença. Andar na luz significa viver nas trilhas do Evangelho e não pelo código do mundo. Depois de conhecer Jesus, o primeiro passo é aprender a andar com Ele e por Ele. Isso significa abandonar outros caminhos que nos levem a desvios, muitas vezes íngremes e tortuosos. Se antes vivíamos nas trevas, agora que conhecemos a luz não podemos ser inativos. O papel da luz é iluminar, pois diz a Bíblia, ela não deve ficar escondida. Paulo ensina que precisamos ser “firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor” (1 Coríntios 15:58).

terça-feira, 18 de março de 2014

Eu disse no meu coração: Deus julgará o justo e o ímpio; porque há um tempo para todo o “Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido” (Lucas 19:10)


Com  a visão limitada, e com a experiência de julgar pelos parâmetros  humanos tendemos a pensar que os ímpios prosperam na injustiça e na corrupção e que não há vantagem em sermos honestos e fieis. Contudo, Salomão pondera sobre a justiça de Deus e nos garante que em tempo determinado ela virá, pois há tempo para tudo debaixo do céu. Aqueles que praticam boas obras, que não se deixam corromper pela Aparente riqueza deste mundo, ou pela tentação de poder, ainda que vivam modestamente, receberão de Deus a justa medida a seu tempo. Mas os que se contaminam com as propostas do mundo, que agem desonestamente, que mentem, enganam ou se dobram diante de ídolos, sejam eles de barro, de pedra, ou de carne, conhecerão a justiça de Deus, pois nada ficará encoberto, afirma a Bíblia. Deus é justiça e, sobretudo amor. E esse amor será também reconhecido pelo ímpio que se arrepende.

segunda-feira, 17 de março de 2014

“Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido” (Lucas 19:10)


Muitas pessoas se afastam porque erram e assim fogem da igreja, perdem a comunhão com os irmãos e caem cada vez mais nas mãos do inimigo. Mas a palavra de Jesus é de alento àqueles que se encontram nesta condição. E Ele quer que saibamos que existe oportunidade de restauração. O Senhor não retirará o Seu Espírito Santo e devolverá a alegria da salvação àqueles que, assim como Davi, pedir a Deus “Cria em mim, ó Deus, um coração puro, e renova em mim um espírito reto” (Salmos 51: 10). O Senhor quer que estejamos próximos a Ele e que experimentemos a uma vida plena e completa. Mas antes é necessário confessar a Deus os pecados para que Deus possa restituir a alegria de nosso relacionamento com Ele. Lembremos do que nos disse João 15:16 “Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda”.

domingo, 16 de março de 2014

"Honra ao Senhor com os teus bens, e com as primícias de toda a tua renda; assim se encherão de fartura os teus celeiros, e trasbordarão de mosto os teus lagares.” Provérbios 3: 9-10


Tudo o que temos e o que somos é por graça do Senhor. É ilusão pensarmos que nossos bens nos pertencem. Eles são dádivas de Deus que Ele nos permite administrar. Entregar ao Senhor, as primícias do que recebemos em honra ao Criador, é sinal de sabedoria, de reconhecimento e humildade.  Todos os que cumprem essa exortação podem testemunhar a experiência de que fala Salomão. Fartura e transbordamento são consequências da honra que é dada ao Senhor, que nos  agracia com toda a sorte de bênçãos. E Salomão não se refere apenas às bênçãos materiais, pois ele sabe que a maior bênção é estar na presença de Deus.

sábado, 15 de março de 2014

"Mas, se estais sem disciplina, da qual todos são feitos participantes, sois então bastardos, e não filhos"Hebreus 12:8.






A Bíblia nos ensina que filhos de Deus são todos aqueles que fazem a Sua vontade e aceitam os Seus desígnios. Ninguém nasceu sendo filho de Deus! Só mesmo Jesus Cristo teve este privilégio. Nascemos como criatura de Deus e somos legitimados filhos quando cremos e aceitamos nos despir desta criatura e receber Jesus Cristo como nosso Senhor e Salvador. Filhos devem se parecer com o pai. Por isso nossas atitudes, para sermos considerados filhos, devem ser a de buscar a semelhança de Deus. O fruto das nossas ações pode mostrar claramente de quem somos. E filhos devem obediência ao pai. Mas, acrescenta o apóstolo em Romanos 8:14 “Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus. E se um dia recebemos o Senhor Jesus pela confissão e confirmação no batismo, devemos andar Nele, conforme filhos e não como bastardos que andam segundo as obras da carne. "Quem comete o pecado é do diabo; porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo". (I João 3:8). Para que afirmar que somos filhos é preciso demonstrar um comportamento semelhante ao do Pai e desprezar a correção do Senhor, quando por ele formos repreendido, porque o Senhor corrige a quem ama, e castiga a todo o que recebe por filho.

sexta-feira, 14 de março de 2014

“Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo;Retendo a palavra da vida, para que no dia de Cristo possa gloriar-me de não ter corrido nem trabalhado em vão”. (Filipenses 2:15,16)

Quem conhece a palavra de Deus não se deixa dominar pelo pecado e se mantém incorruptível diante das propostas do mundo. Ainda que elas pareçam boas a primeira vista. A Bíblia nos exorta a conhecer a verdade porque ela nos libertará e não nos deixará cair em tentação. Quem conhece a Palavra não tem desculpas para o erro e não pode culpar o outro por sair do caminho, porque como afirma o sábio em Provérbios 4:18 “Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito”. Quem conhece a palavra e age como um néscio a si mesmo atrai a condenação, melhor seria se não conhece, afirma a Bíblia. Mas o Senhor, misericordioso, chama os Seus filhos à consciência. Nem é preciso que outros o façam, pois quem tem o Espírito de Deus é atraído para as coisas de Deus e só se sente bem na casa do Pai. Mas quem tem o espírito do mundo procura as coisas e pessoas do mundo e não se ajusta às coisas e pessoas de Deus. o apóstolo Paulo nos lembra que nosso corpo é parte do Corpo de Cristo e que devemos cuidar dele com zelo, por isso não devemos dar lugar ao pecado para que possamos nos apresentar a Deus irrepreensíveis. Quem conhece a palavra e é verdadeiramente convertido não se sente bem ao lado de pessoas que negam a sua fé. Dificilmente alguém que conhece a graça de Deus entra em sintonia com aquilo que não agrada a Deus, pois o temor de Deus é o seu termômetro.  Embora o mundo repita a máxima de que são os opostos que se atraem, a Bíblia nos mostra que no âmbito espiritual, no Reino de Deus, são os afins é que se atraem. Isso quer dizer quem servo de Deus jamais se sentirá bem ao lado de pessoas que vivem para o pecado. De igual modo, quem ama o pecado, a mentira e o engano do mundo não se sente à vontade entre os filhos de Deus.

quinta-feira, 13 de março de 2014

Eu, eu sou aquele que vos consola; quem, pois, és tu para que temas o homem que é mortal, ou o filho do homem, que se tornará em erva? Isaías 51:12




A palavra de alento que nos traz o profeta nos faz pensar que nenhum problema pode ser maior ou ocupar nossa atenção se temos a firme convicção de quem é o nosso Deus. Não há poder, ou força humana que se sobreponha à mão poderosa de Deus. Ele é o nosso consolo e a nossa força, sem a qual nada somos. Quantos estão  presos a convicções ou pensamentos equivocados de que podem estar na mãos dos homens, porque não atentam para o nos assevera Paulo em Romanos 8:31 “Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?” Aquele que nos consola, nos dá o livramento e o mais importante: a salvação.