Traduza este blog

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Mas seu pai recusou, e disse: Eu o sei, meu filho, eu o sei; também ele será um povo, e também ele será grande; contudo o seu irmão menor será maior que ele, e a sua descendência será uma multidão de nações. Gênesis 48:19

Esse trecho trata da bênção de Jacó aos filhos de José, após o seu reencontro com o filho que esteve ausente da família, governando o Egito, enquanto o pai o tinha por morto. A Bíblia conta que José teve dois filhos, antes que se acabasse os sete anos de fartura previsto por ele em sonhos.  “E chamou José ao primogênito Manassés, porque disse: Deus me fez esquecer de todo o meu trabalho, e de toda a casa de meu pai. E ao segundo chamou Efraim; porque disse: Deus me fez crescer na terra da minha aflição”. (Gênesis 41:51-52). De acordo com a tradição, Jacó deveria abençoar primeiro a Manasses, por ser o primogênito e  depois Efraim o segundo filho, mas ele escolheu abençoar primeiro o menor. O que pode parecer  um descuido, ou um engano por conta da visão turva de Jacó que já era bastante idoso, se analisado à luz da simbologia bíblica, quando vemos que nada é sem um propósito, mostra-se  com um sentido que deve nos chamar a atenção: Deus sempre teve preferência pelo menor e não pelo maior. A própria história de Jacó nos remete a isso, mas as semelhanças não param por aí. Efraim era o menor e biblicamente isso é  significativo. No Reino de Deus o menor é sempre o maior. Deus não se trabalha com quem já é grande, ou que pensa ser grande. Deus trabalha com quem se coloca na posição menor. Quantos exemplos na Bíblia nos levam a essa conclusão!  Davi foi o menor dos irmãos e foi o escolhido para ser  o maior dos reis de Israel. Belém era a menor cidade de Israel, a de menor importância e foi  a escolhida para receber o Salvador. A Galileia era o menor estado e foi para lá que Jesus foi iniciar seu ministério. Saulo de perseguidor dos cristãos tornou-se Paulo, cujo nome significa “pequeno”, do menor dos apóstolos, acabou sendo o maior, sem que tivesse essa pretensão.  Jesus afirmou em Lucas 14:11 “Porquanto qualquer que a si mesmo se exaltar será humilhado, e aquele que a si mesmo se humilhar será exaltado” e Ele mesmo seguiu esse principio. Foi rebaixado até o pó da terra, sendo obediente até o fim e por isso Deus o exaltou dando lhe um nome acima de todo nome, para que toda língua confesse que Ele é o Senhor. O que a palavra de Deus nos ensina é que não precisamos parecer grandes diante dos homens, mas se nos reconhecermos pequenos Deus nos fará crescer, assim como fez a Efraim, mesmo na maior aflição. 

domingo, 29 de setembro de 2013

E por isso é Mediador de um novo testamento, para que, intervindo a morte para remissão das transgressões que havia debaixo do primeiro testamento, os chamados recebam a promessa da herança eterna. Hebreus 9:15

Observemos que a palavra “Mediador” está iniciada em letra maiúscula no meio da frase. De acordo com a regra da Língua Portuguesa, os substantivos próprios são escritos em maiúsculas e os comuns em minúscula. Isso significa que palavra  "mediador" iniciada em letra maiúscula indica  que se trata de uma pessoa específica e não de várias. O autor de Hebreus, assim como outros autores da Bíblia, faz referência a um  “Mediador”  que fez a intervenção entre Deus e a humanidade para que os chamados sejam salvos. No Antigo Testamento, a remissão das transgressões era feita pelo sacrifício de sangue, na expiação dos pecados oferecida pela sacerdote. A Bíblia afirma que Jesus é o Sumo Sacerdote, é o Cordeiro imolado. Sabemos que o Sumo Sacerdote era o intermediário entre Deus e a nação, a fim de promover a expiação dos pecados. Sua função era advogar a causa do povo por meio do sangue de um cordeiro imolado, fazendo a ponte entre Deus e o pecador. Mas o Sumo Sacerdote só podia intermediar coem o sangue de um anima, conforme mostra Hebreus 9:7 “No entanto, somente o Sumo Sacerdote entrava no segundo tabernáculo, apenas uma vez por ano, e nunca sem sangue, o qual ele oferecia por si mesmo e pelos pecados que o povo havia cometido por ignorância”. Sendo o Cordeiro imolado, Jesus derramou Seu sangue por expiação de nossos pecados e tornou-se o único Mediador autorizado a entrar nos Santo dos Santos para ser o nosso Advogado “ Tendo, pois, a Jesus, o Filho de Deus, como grande Sumo Sacerdote que penetrou os céus, conservemos firmes a nossa confissão”. (Hebreus 4:14).

sábado, 28 de setembro de 2013

porque eles também tiveram por deuses todos os ídolos das nações, que não podem servir-se de seus olhos para ver, que não têm nariz para aspirar o ar, nem ouvidos para ouvir, nem os dedos das mãos para apalpar, e cujos pés são incapazes de andar; 16. foi, com efeito, um homem que os fez, formou-os alguém que recebeu a alma de empréstimo. Nenhum homem pode fazer um deus, mesmo semelhante a si próprio, 17. porque, sendo ele próprio mortal, morto é tudo que produz com suas mãos ímpias. De fato, ele vale mais que os objetos que venera; ele, pelo menos, tem vida, enquanto os ídolos não a têm. 18.  (Sabedoria 15: 15-18)

Por mais contraditório que pareça esse trecho foi extraído da Bíblia Católica, e pode ser consultado em: www.bibliacatolica.com.br/biblia-ave-maria/sabedoria/

Observe que esse livro, que não faz parte dos livros canônicos,  recrimina quem pratica a idolatria, explicando-a em termos de veneração a obras criadas pelas mãos humanas, quais sejam: imagens inanimadas feitas de barro por homens que não valem mais do que as suas obras, segundo constatação do próprio autor deste livro. Nesse livro, seu autor trata exatamente daquilo que é condenado em vários outros livros da Bíblia, mas que inacreditavelmente não é praticado por muitos que se afirmam cristãos: o repúdio à idolatria. Em outras palavras, a Biblia católica tem mais livros que repudiam a idolatria do que a Bílbia protestante, no entanto, pratica  a idolatria na forma mais ostensiva, quando venera as mais diversas  imagens  sob o discurso de que elas são apenas a memória de homens que merecem ser lembrados por sua fé em Deus. Se assim fosse, não as colocariam em altares, a elas não prestariam cultos e  reverências, tampouco fariam festas, com homenagens e procissões em agradecimento a graças alcançadas. Se assim fosse não as colocariam na posição de padroeiras de suas cidades e casas e de intercessoras junto a Deus, se também na Bíblia Católica se pode ler “Porque há um só Deus e há um só mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo, homem” (confira em  http://www.bibliacatolica.com.br/biblia-ave-maria/i-timoteo/2)  

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Eu, eu sou aquele que vos consola; quem, pois, és tu para que temas o homem que é mortal, ou o filho do homem, que se tornará em erva? Isaías 51:12


Seja qual for a situação pela qual você está passando, o Senhor Deus Criador e Soberano pelo profeta Isaías está dizendo que tem o consolo e que fará cessar toda angústia.  Não há nada nem ninguém que possa fazer o que Ele faz neste momento, quando todas as suas forças se esgotam e quando todos parecem não se importar com a sua dor presente. Mas Ele diz que nem um homem lhe fará mal e que Ele conhece a sua aflição e ouve o sussurro, a impronunciada palavra no mais profundo do seu coração. Deus conhece a sua dor e quer consolar você neste momento. Pelas palavras do profeta Isaías Ele "Porque eu, o Senhor teu Deus, te tomo pela tua mão direita; e te digo: Não temas, eu te ajudo." (Isaías 41:13). Você só precisa ouvir e confiar! A sua benção e o seu livramento chegarão.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Por cuja causa padeço também isto, mas não me envergonho; porque eu sei em quem tenho crido, e estou certo de que é poderoso para guardar o meu depósito até àquele dia. 2 Timóteo 1:12


Essa afirmação de Timóteo é a chave para a vitória em todas as áreas de nossas vidas. Saber quem é o nosso alicerce, reconhecer quem está no controle de nossas vidas e pode nos proteger é o maior passo para vencermos qualquer desafio. Quando sabemos em quem confiar, a quem entregar nossos problemas e por quem devemos esperar, com toda a certeza, garantimos a vitória. Essa convicção nos faz avançar e não nos deixa intimidar diante das ameaças do inimigo. Sabendo que nada somos, mas que tudo podemos Naquele que nos fortalece, Naquele que é poderoso para nos livrar e para fazer infinitamente mais do que tudo quanto pedimos, ou pensamos, conforme o seu poder que opera em nós, conforme afirma Paulo em  Efésios 3:20, será sempre  o nosso refúgio e bem presente na angústia.  

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Porque o Senhor dos Exércitos o determinou; quem o invalidará? E a sua mão está estendida; quem pois a fará voltar atrás? Isaías 14:27



Essa palavra profética nos faz refletir sobre a nossa condição de pecadores, destituídos do direito de contemplar Deus face a face, mas agraciados com Sua grande misericórdia. Por conta do pecado da desobediência, todos nós passamos em nossa vida por momentos difíceis, por problemas, situações desagradáveis e angústias por varias coisas que tiram a nossa paz. Tudo isso nos leva a buscar uma solução, um socorro que possa nos trazer alívio, paz e vitória. Contudo, nem todos buscam esse socorro no lugar certo. Há quem busque esse socorro em pessoas ou em coisas, mas quase sempre não o encontram, pois o socorro eficaz vem somente de Deus. O meu socorro está em Deus, afirmava o salmista, que certamente passava por alguma situação difícil, que o fez buscar o socorro em Deus. “Elevo os olhos para os montes: de onde me virá o socorro?” (Sl 121. 1). Ele tinha plena convicção de que o socorro de Deus é certo, por isso afirmou, sem duvidar  “O meu socorro vem do SENHOR, que fez o céu e a terra.” (Sl 121. 2). O salmista, assim como o profeta Isaías, reconhece  que Deus é soberano sobre todas as coisas e que nada pode acontecer sem a permissão Dele, por isso descansa e encontra a paz. Ele sabe que Deus está alerta ao que acontece em nossa vida e que não há perigo de Deus se esquecer de nós. Mesmo passando por dificuldades Deus nos garante a Sua proteção e cuidado de Deus em todos os lugares e momentos, como afirma salmista nos Salmos 121:8 “O SENHOR guardará a tua saída e a tua entrada, desde agora e para sempre.”  Se meus passos estão debaixo da supervisão e cuidados de Deus, a quem temerei? 

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna. João 4:14



Jesus usa uma metáfora para se referir à Sua missão de trazer a salvação ao mundo. A Bíblia, desde os profetas que antecederam a Jesus, faz menção a Ele como sendo a Rocha, (1 Coríntios 10:4). Assim como a água que dá vida fluiu da rocha que Moisés bateu no deserto, Jesus é a Rocha da qual fluem as águas vivas da vida eterna. Ele é a Rocha sobre a qual construímos nossas casas espirituais, de modo que nenhuma tempestade possa nos abalar. O profeta Isaías 48:21 nos diz sobre o povo que bebia da água da rocha: “E não tinham sede, quando os levava pelos desertos; fez-lhes correr água da rocha; fendeu a rocha, e as águas correram”. Mas o povo, livre para escolher entre a água de vida e as águas podres do mundo, nem sempre escolhe a primeira. O profeta lembra que “este povo desprezou as águas de Siloé que correm brandamente, e alegrou-se com Rezim e com o filho de Remalias”. (Isaías 8:6). Se buscarmos uma referência bíblica, veremos que “Siloé” significa “O Enviado”, conforme lemos em João 9:7 “E disse-lhe: Vai, lava-te no tanque de Siloé (que significa o Enviado). Foi, pois, e lavou-se, e voltou vendo”. Jesus é Rocha que, ferida, jorrou água de vida. Ele é o Enviado que veio para nos lavar do pecado deste mundo e por isso quem beber dessa Fonte jamais terá sede, pois essa água saltará para a vida eterna. Se buscarmos na geografia bíblica, veremos que a fonte de Siloé significa Jesus, Aquele que tem a água da vida eterna, mas tem sido desprezado por aqueles que buscam se alegrar com as águas passageiras deste mundo. Quando Jesus diz ao cego que encontrado por Ele à beira do caminho “lava-te no tanque de Siloé”, Ele deixa-nos uma lição, da qual podemos depreender: o cego é aquele que fica à beira do caminho, quem é encontrado por Jesus anda no caminho e passa a enxergar; não há outra fonte de vida, que  leva a enxergar até mesmo aqueles que nasceram cegos: somente aquele que tem um encontro com o Enviado pode passar das trevas para a luz.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Deus é amor, e o amor não se alegra com a injustiça (I Coríntios 13.6)


Muitas pessoas têm se apegado à essência de Deus, mas se esquecem de que o amor de Deus está intrinsecamente ligado à justiça, pois um amor injusto não é verdadeiro e Deus é, sobretudo, a verdade.  E, sendo amor justo, Deus também é misericórdia. Mas há quem, no zelo pela justiça, deixam de lado a misericórdia. Assim como aquele credor incompassivo que pediu perdão pela sua grande dívida, mas não perdoou uma pequena dívida (Lucas 7.41-50). Deus é amor e por isso mesmo, não aceita a injustiça, não permite que seus filhos sejam alvos de cobranças indevidas. Deus é o nosso modelo de justiça, de misericórdia e de amor. o

domingo, 22 de setembro de 2013

Portanto, não te envergonhes do testemunho de nosso Senhor, nem de mim, que sou prisioneiro seu; antes participa das aflições do evangelho segundo o poder de Deus, Que nos salvou, e chamou com uma santa vocação; não segundo as nossas obras, mas segundo o seu próprio propósito e graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos dos séculos; 2 Timóteo 1:8-9


    Timóteo nos orienta para que não nos envergonhemos do Evangelho de Cristo, e daqueles que pregam a Palavra do Deus. Por isso podemos deixar de ser solidários com os estão passando por provações, tampouco devemos nos calar diante do erro. Somos chamados a uma santa vocação e não podemos envergonhar o Evangelho de Cristo. Nós não podemos nos deixar envolver e ser regidos pelos maestros deste mundo. Não há como não perceber que a  mentalidade deste mundo, hoje, não é a mentalidade de Jesus. Não está em consonância com o que o Criador espera de Seus filhos.  Aqueles que não caminham na direção deste mundo, que não compactua com o pensamento do mundo que não age como o mundo age também deve dar testemunho da Graça, refletindo os propósitos de Deus! Dar testemunho, sem se envergonhar do Evangelho nem envergonhar o Evangelho é não transigir em relação aos valores de Cristo, ainda que passemos por diferentes, por radicais ou esquisitos. Quem é separado por Deus, ainda que esteja no mundo não pode viver como o mundo ou pensar como ele. As palavras de Timóteo enfatizam a vontade de Deus. Se o mundo diz que estamos errados, o Evangelho nos diz que estamos certos, portanto, a exortação do apóstolo é para que perseveremos em seguir o que é certo, o que é bom, o que é justo, se andar no ritmo do mundo de hoje. 

sábado, 21 de setembro de 2013

Filhinhos, guardai-vos dos ídolos. Amém. 1 João 5:21


A Bíblia, em diversas passagens, exorta o povo a não adorar outros deuses. Ela recomenta o povo a não ter imagens, que são ídolos, aqueles que ocupam o que deveria ser o lugar de Deus, por isso Moisés ensina em Êxodo 20:3 “Não terás outros deuses diante de mim” e em Números 33:52 “Lançareis fora todos os moradores da terra de diante de vós, e destruireis todas as suas pinturas; também destruireis todas as suas imagens de fundição, e desfareis todos os seus altos”. A Bíblia também nos ordena em Levítico 26:1 a não fazer nenhuma espécie de imagem para ser adorada, ou venerada: “Não fareis para vós ídolos, nem vos levantareis imagem de escultura, nem estátua, nem poreis pedra figurada na vossa terra, para inclinar-vos a ela; porque eu sou o SENHOR vosso Deus”. E em Êxodo 20:4 “Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra”. Por isso assevera em Deuteronômio 27:15 “Maldito o homem que fizer imagem de escultura, ou de fundição, abominação ao SENHOR, obra da mão do artífice, e a puser em um lugar escondido. E todo o povo, respondendo, dirá: Amém. “ e em Deuteronômio 5:8 “Não farás para ti imagem de escultura, nem semelhança alguma do que há em cima no céu, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra”. Em Êxodo 20:5, Moisés nos ensina a não servir a outros deuses “Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o SENHOR teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam.”  E, por tudo isso, o profeta Isaías 45:20 nos exorta a não fazer procissões aos ídolos “Congregai-vos, e vinde; chegai-vos juntos, os que escapastes das nações; nada sabem os que conduzem em procissão as suas imagens de escultura, feitas de madeira, e rogam a um deus que não pode salvar” e conclama o povo a jogar fora as imagens “E terás por contaminadas as coberturas de tuas esculturas de prata, e o revestimento das tuas esculturas fundidas de ouro; e as lançarás fora como um pano imundo, e dirás a cada uma delas: Fora daqui”. (Isaías 30:22), destruindo-as “Porém assim lhes fareis: Derrubareis os seus altares, quebrareis as suas estátuas; e cortareis os seus bosques, e queimareis a fogo as suas imagens de escultura” (Deuteronômio 7:5); “As imagens de escultura de seus deuses queimarás a fogo; a prata e o ouro que estão sobre elas não cobiçarás, nem os tomarás para ti, para que não te enlaces neles; pois abominação é ao SENHOR, teu Deus”. (Deuteronômio 7:25). Será que a Bíblia não está clara para que tantas pessoas ainda encontrem interpretações diversas para não obedecer a Deus? 

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

E os outros homens, que não foram mortos por estas pragas, não se arrependeram das obras de suas mãos, para não adorarem os demônios, e os ídolos de ouro, e de prata, e de bronze, e de pedra, e de madeira, que nem podem ver, nem ouvir, nem andar. Apocalipse 9:20-21


A idolatria é o grande mal que corrompe a humanidade e afronta a Deus. A Bíblia deixa isso muito claro, desde o Antigo Testamento, quando Deus afirma “Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão. Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam”. (Êxodo 20:2-5). E Deus não mudou de opinião e não transige em relação a tolerar esse grave pecado. Quem fabrica, ajoelha ou faz reverência a qualquer imagem de escultura, ou se dobra diante de outros deuses comete uma grave afronta a Deus. Mas precisamos saber que a idolatria se manifesta de diversas formas, não somente diante de um ídolo de pedra e de metal. Satanás tem usado estratégias as mais astutas e camufladas para envolver as pessoas no pecado da idolatria e roubar a adoração a Deus, porque ele sabe que há uma consequência séria para aqueles que insistem em não entender o que diz a Palavra de Deus em diferentes momentos: “Porque bem sabeis isto: que nenhum devasso, ou impuro, ou avarento, o qual é idólatra, tem herança no reino de Cristo e de Deus”. (Efésios 5:5). Quem se recusa a entender o que a Bíblia diz com toda clareza colherá a consequência de sua afronta ao Criador, revela João em Apocalipse 22:15 ”Mas, ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira”. É por isso que o apóstolo Paulo sentencia em Salmos 97:7 “Confundidos sejam todos os que servem imagens de escultura, que se gloriam de ídolos; prostrai-vos diante dele todos os deuses”. O melhor que temos a fazer para não colhermos as consequências da desobediência é fazer o que Deus nos ordenou por meio de Moisés e não revogou, apesar de algumas religiões instituírem a desobediência “Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra”. (Êxodo 20:4). 

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

E aquele sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; vendo eu sangue, passarei por cima de vós, e não haverá entre vós praga de mortandade, quando eu ferir a terra do Egito. E este dia vos será por memória, e celebrá-lo-eis por festa ao Senhor; nas vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo. Êxodo 12:13-14


O Senhor nos ordena por intermédio de Moisés a celebrar perpetuamente a Páscoa, porque há nesta festa um significado que transcende ao que é nos passado socialmente. A Páscoa, do hebraico  “Pesah”, significa “passar por cima”, no sentido de “poupar”. A festa da Páscoa, assim como a festa dos Pães Asmos e da Dedicação dos Primogênitos remete aos acontecimentos da saída de Israel do Egito. É uma memória da libertação do Egito e da saída rumo à Terra Prometida. A instituição da Páscoa é a lembrança do que Deus fez ao Seu povo no Egito e analogamente ao que fez pelos Seus filhos por meio do sacrifício de Jesus. Lemos na Bíblia que foi na Páscoa que Jesus chorou sobre Jerusalém. Ele era o cordeiro daquela Páscoa. Foi o Seu sangue no madeiro que nos livrou da morte, assim como foi o sangue colocado no madeiro, há 1400 anos antes de Cristo, que livrou os hebreus da morte nas mãos dos egípcios. A Páscoa é a lembrança do que Deus fez: a separação entre o que é Dele e o que não é. O sangue do cordeiro na porta dos hebreus, assim como sangue de Jesus no madeiro marca quem é de Deus mais de mil anos depois. O significado é o mesmo ainda hoje. Onde tiver sangue na porta não haverá morte. Ali estarão os que foram separados para não serem destruídos. Lemos em João 10:9 “Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens”. Jesus é a porta e nos garante que quem está coberto pelo sangue do cordeiro está protegido. Mas precisamos ter a clara convicção de que Jesus é a única porta pela qual entraremos no Reino de Deus, por isso a Bíblia diz em I Timóteo 2:5-6  que  há  um  único  mediador entre  Deus e os  homens: Jesus Cristo Homem. Por isso João 14:6 garante que Jesus é o caminho, a verdade e a vida e que é o único caminho que leva a Deus. Assim como no Egito, quem tinha o sangue na porta não seria morto. Mas precisamos ter clareza de que não basta apenas estar no meio do povo de Deus, é preciso passar pela porta. É preciso ter a cobertura do sangue do cordeiro. A porta é estreita, mas quem passar por ela terá vida em abundância onde mana leite e mel. Essa é a promessa, mas somente o sangue do Cordeiro nos livra da morte e nos garante a entrada na Terra Prometida, assim como foi na noite da morte dos primogênitos, conforme registra Êxodo 12:23 “Porque o Senhor passará para ferir aos egípcios, porém quando vir o sangue na verga da porta, e em ambas as ombreiras, o Senhor passará aquela porta, e não deixará o destruidor entrar em vossas casas, para vos ferir”. 

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Os pais não morrerão pelos filhos, nem os filhos pelos pais; cada um morrerá pelo seu pecado. Deuteronômio 24:16


Precisamos ter clareza em relação a essa afirmação de Moisés. A responsabilidade é individual; os filhos não pagam pelos pecados dos pais, conforme podemos também constatar em Ezequiel 18 e confirmar nas palavras de Jesus em João 3:18  “Quem Nele crê não será condenado”. Mesmos que nossos  pais tenham praticado iniquidades, são a nossa fé e perseverança, acompanhadas de um verdadeiro arrependimento é que nos garante a Salvação em Jesus. "Ezequiel fala que a culpa que os pais têm, por terem pecado, não se transfere para os filhos. Mas mesmo que os filhos não sejam culpados dos pecados de seus pais, eles sofrem por causa dos pecados dos pais. isso porque os pais são os modelos, são exemplos para os filhos e esses geralmente seguem seus passos, adotando seus maus hábitos. De algum modo as consequências seguem as gerações, pois aquilo que o pai faz dificilmente vai deixar de afetar o filhos, os netos, ou a toda uma sociedade. As consequências de nossos erros refletem na nossa descendência. Podemos constatar isso na história de José do Egito. Por conta do ciúme, os filhos de Jacó venderam seu irmão como escravo. Vemos que essa situação foi revertida e José pode mostrar seu caráter benigno perdoando seus irmãos e abençoando a vida deles, depois de ter recebido a justiça de Deus com a devida restituição e restauração. Mas isso não eliminou as consequências do ato praticado no passado pelos seus irmãos. Os filhos de Jacó se abrigaram no Egito porque José que havia sido vendido como escravo foi parar naquele país e lá se tornou o segundo homem mais poderoso. Por conta disso atraiu sua família para lá. Mas foi exatamente por estar no Egito o que  resultou no cativeiro do povo hebreu. Após a morte de José e de Faraó, houve uma mudança no governo. O Faraó da vez já não mais protegia os hebreus, por consideração a José. Isso nos mostra que não há nenhuma ação sem consequência. Para o bem ou para o mal nossas atitudes e nossas escolhas presentes refletirão o nosso futuro e o futuro de nossos filhos. De algum modo a consequência virá para os descendentes. Aqueles que roubam, que fraudam, que não pagam suas dívidas estão fazendo escolhas que deixarão consequências  inevitáveis na sua vida e de sua família, mais cedo ou mais tarde elas virão. 

terça-feira, 17 de setembro de 2013

“Clamo a ti, porém, tu não me respondes; estou em pé, porém, para mim não atentas.” Jó 30:20


Quantas vezes temos a sensação, assim como Jó, de que Deus não atende ao nosso clamor e que fica mudo diante de nosso chamado. Mas nem sempre o que pedimos ou que desejamos está em sintonia com o querer  ou com o momento de Deus. Grandes personagens bíblicos que desfrutaram de uma estreita experiência com Deus também passaram por essa frustração de não ter seu pedido atendido no tempo desejado. Vemos no Salmo 106: 33: "Deus se indignou com Moisés porque ele falou imprudentemente aos filhos de Israel”. Moisés  recebeu um sonoro não de Deus porque errou e por isso pode pisar os pés na Terra Prometida, apesar de ter orado a Deus mais de uma vez para entrar nela. O não de Deus veio como resultado da desobediência. Muitos nãos que recebemos chegam para nós também nessas condições. Moisés  um dia feriu a rocha, quando Deus lhe disse que era apenas  para falado a ela para jorrar água. Quando ferimos pessoas estamos desobedecendo a Deus e isso nos impede de receber o que pedimos.  Muitas vezes oramos pela cura de algum ente querido e isso não acontece ou demora a acontecer. Com Moisés também isso ocorreu, quando orou para Deus curar sua irmã Miriã da lepra. No livro de Números 12:13-14,  podemos ver esse episódio. Muitas vezes Deus precisa resolver outras coisas na vida das pessoas antes para depois lhe dar o que precisa em tempo oportuno. Davi, considerado um homem segundo o coração de Deus, também passou por essa experiência. Ele  quis construir o templo, mas Deus lhe que essa tarefa seria de seu filho.  Precisamos entender que o não de Deus não é algo negativo. A bênção de Deus não chega cedo, nem tarde. Ela vem na hora certa. Quantos não a desperdiçariam se a recebesse antes de estar preparado para o sim de Deus? 

domingo, 15 de setembro de 2013

E Jesus disse-lhe: Se tu podes crer, tudo é possível ao que crê. E logo o pai do menino, clamando, com lágrimas, disse: Eu creio, Senhor! ajuda a minha incredulidade. Marcos 9:23


Mesmo sabendo que temos um Deus que pode todas as coisas e que nos deu condições de, pelo nome de Jesus pleitear o que para nós parece impossível, muitas vezes o diabo sopra em nossos ouvidos mentiras, e nos faz acreditar em suas palavras mais do que na do Senhor. A consequência disso é que muitos caem na armadilha de minimizar o poder de Deus e a autoridade que Ele nos deu até mesmo para pisar na cabeça do diabo. Jesus Cristo nos diz que tudo é possível ao que crê, por isso quando estamos fragilizados, angustiados, desmotivados e propensos a acreditar nas mentiras do inimigo o que precisamos fazer é pedir a Jesus que nos ajude a ter fé, como aquele homem que tinha um filho endemoninhado. Precisamos escolher em quem crer, sabendo que o inferno não é reino do diabo, é sua prisão eterna, não foi criado para homens e sim para os demônios. Precisamos saber que o Reino de Deus é eterno e que tudo que o diabo oferece é passageiro. 

A maldição do Senhor habita na casa do ímpio, mas a habitação dos justos abençoará. Provérbios 3:33


A desobediência de  Lúcifer foi a razão de sua queda, a desobediência de Adão e Eva foi a causa da queda da humanidade, a desobediência de  Israel foi a causa do exílio na Babilônia. Em todos esses casos, a desobediência trouxe como consequência a maldição: Lúcifer de regente do Coro Celestial tornou-se satanás, adversário  da humanidade; Adão e Eva e toda a humanidade perderam o direito à árvore da vida e conheceram a morte; Israel deixa de ser uma nação política e se torna um rebanho religioso e perde o privilégio de servir ao Soberano Deus “E o Senhor vos espalhará entre todos os povos, desde uma extremidade da terra até à outra; e ali servireis a outros deuses que não conheceste, nem tu nem teus pais; ao pau e à pedra”. (Deuteronômio 28:64). Maldição continua sendo a consequência para os desobedientes e bênçãos acompanham a vida de quem escolhe obedecer.  Ainda que pareça impune, toda desobediência traz uma consequência, mesmo que inicialmente ela não se apresente. Do mesmo modo a obediência pode demorar a dar frutos, mas a Palavra de Deus garante que aquele que for fiel até o fim receberá a coroa da vida. (Apocalipse 2:10b).

sábado, 14 de setembro de 2013

Entre ti não se achará quem faça passar pelo fogo a seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro; Nem encantador, nem quem consulte a um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; Pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao Senhor; e por estas abominações o Senhor teu Deus os lança fora de diante de ti. (Deuteronômio 18:10-12)




A ordem expressa de Deus dada por Moisés ao povo de Israel é muito clara e ela não foi revogada como querem os defensores de que Deus mudou para acompanhar a sociedade que não é mais a mesma. Deus não mudou. Ele permanece o mesmo e continua abominando essas atitudes. O apóstolo Paulo é enfático quando afirma em sua carta aos Gálatas 5:19-22 que “as obras da carne são manifestas, as quais são: adultério, fornicação, impureza, lascívia, Idolatria, feitiçaria, inimizades, porfias, emulações, iras, pelejas, dissensões, heresias, Invejas, homicídios, bebedices, glutonarias, e coisas semelhantes a estas, acerca das quais vos declaro, como já antes vos disse, que os que cometem tais coisas não herdarão o reino de Deus”.  Tanto aqueles que praticam a feitiçaria, quanto os que consultam os mortos, ou deixam incorporar os espíritos adivinhadores  não herdarão o Reino de Deus, conforme nos diz a Palavra de Deus no último capítulo do último livro da Bíblia, o que traz a revelação registrada pelo  apóstolo João,  “Mas, ficarão de fora os cães e os feiticeiros, e os que se prostituem, e os homicidas, e os idólatras, e qualquer que ama e comete a mentira. (Apocalipse 22:15) Quem tem ouvidos ouça. Quem não tem entendimento, busque-o, para não se deixar enganar com interpretações diversas que o impeça de ler e de compreender o que é óbvio.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Porém esta palavra pareceu mal aos olhos de Samuel, quando disseram: Dá-nos um rei, para que nos julgue. E Samuel orou ao Senhor. 1 Samuel 8:6


O povo que tinha um Deus como Rei desejou ser como os outros povos e em vez de ser conduzidos pelo Criador Soberano escolheu ficar sob o governo de um rei. Evidentemente isso desagradou a Deus porque o Seu povo O estava rejeitando, mas Ele tem mostrado que, apesar disso jamais rejeitou o Seus. A Bíblia nos mostra que o povo judeu não só desejou ser governado por um rei, mas também passou a adorar e se prostrar diante de outros deuses. A história dos judeus, narrada em Samuel pode ser transportada para os dias de hoje, quando vemos que muitas pessoas, tendo a opção de ser governada por um único e soberano Deus, preferem ser escravas do deus deste mundo. Isso acontece porque para algumas pessoas as coisas que o mundo tem a oferecer são mais importantes e atraentes do que o Reino Eterno. Em Mateus 19:16-23, Jesus nos conta a história de um homem que não estava disposto a perder seus bens terrenos para ganhar um relacionamento eterno com Jesus. O povo de Israel preferiu seguir outros deuses e isso lhe trouxe sérias consequências. Mesmo diante da dura escravidão não foi capaz de perceber que servir o Senhor era liberdade. Paulo explica em 2 Corintios 4:4  que “... o deus deste século cegou os entendimentos dos incrédulos, para que lhes não resplandeça a luz do evangelho da glória de Cristo, que é a imagem de Deus”.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Então disse Samuel ao povo: Não temais; vós tendes cometido todo este mal; porém não vos desvieis de seguir ao Senhor, mas servi ao Senhor com todo o vosso coração. 1 Samuel 12:20


Essas palavras de Samuel nos mostram o quanto Deus é misericordioso e longânime. Ele está dizendo que o pecador mesmo tendo errado, mesmo tendo deixado o alvo não deve se desviar da Sua presença. Isso não significa que Deus é conivente com o pecado, mas deixa claro que Deus continua amando o pecador. Esse amor incondicional no retira as consequências do pecado, mas mostra que Deus estende a mão a todo aquele que se arrepende. Deus só pode restaurar e redimir que quer, quem está perto Dele, por isso o recado para não se desviar, mesmo que tenha consciência de que errou. A estratégia de Deus é chamar de volta quem errou o alvo, ao passo que a estratégia do inimigo é plantar a ideia de que a pessoa que pecou não é mais digna de contar com Deus. Por essa razão muitos se desviam da Igreja quando fazem algo errado. Porque  têm consciência de que erraram, fazem como Adão e Eva. Preferem se esconder, ou culpar alguém pelo seu erro, preferem responsabilizar até mesmo Deus. Todavia o que Deus espera não é que as pessoas se afastem, ou se envergonhem, mas que, na consciência do erro, decidam continuar na presença de Deus, buscando a redenção. Deus não quer que as pessoas se afastem porque cometeram algum pecado. Se o diabo usa a mesma estratégia que usou com o primeiro casal, levando as pessoas ao sentimento de vergonha e de rejeição, Jesus usa a estratégia da acolhida e diz em João 6:37: “Todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora”. Mas observe que Deus não força presença. Ele nos convida a ir até Ele da forma como estamos, porque a vontade de Deus é que ninguém se perca.

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Não te alongues de mim, pois a angústia está perto, e não há quem ajude. Salmos 22:11


Essas palavras de Davi são como um jargão para muitos que vivem momentos de angústia e aflição. Por não encontrarem uma saída natural julgam que estão sós ou desamparados e, assim como o salmista, que inicia esses salmos suplicando a Deus por socorro “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste? Por que te alongas do meu auxílio e das palavras do meu bramido? “ (Salmos 22:1),  não tardarão a reconhecer que Deus não lhe desampara, mesmo quando parece estar em silêncio. Observe o que cantou o salmista em outro momento, nos Salmos 66:16  “Vinde, e ouvi, todos os que temeis a Deus, e eu contarei o que ele tem feito à minha alma”,  quando percebeu que Deus ouviu as suas súplicas, como bem assegurou o profeta Isaías 55:3 quando  trouxe ao povo a palavra do Senhor: “Inclinai os vossos ouvidos, e vinde a mim; ouvi, e a vossa alma viverá; porque convosco farei uma aliança perpétua, dando-vos as firmes beneficências de Davi.” Foi por conhecer o sofrimento e com ele as misericórdias do Pai que Davi expressou em diversos momentos ”Vinde, e vede as obras de Deus: é tremendo nos seus feitos para com os filhos dos homens”. (Salmos 66:5); “Vinde, meninos, ouvi-me; eu vos ensinarei o temor do Senhor”. (Salmos 34:11); “Vinde, cantemos ao SENHOR; jubilemos à rocha da nossa salvação”. (Salmos 95:1). Se você também está sentido como Davi, preste atenção às palavras de Jesus registradas em Mateus 11:28 “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei” e lembre-se: Ele não está com os braços pregados na Cruz. Seus braços estão abertos para acolher a todos quantos  respondem a esse chamado e creem no que está dito em Lucas 1:37 “Porque para Deus nada é impossível”.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã. Salmos 30:5


A palavra noite é usada neste versículo no sentido figurado representando um tempo sem luz, aquele momento de sofrimento, de luto, de dor, de provação ou de angústia que inevitavelmente todos passamos em algum período de nossas vidas. Noite é aquele momento em que Deus não se manifestou ainda, ou o tempo de espera entre a determinação de Deus e o aparecimento da luz. Às vezes temos a sensação de que o sol não vai mais brilhar para nós e que não há solução para os nossos problemas ou cura para a nossa angústia. Quando vivemos momentos assim, a impressão que temos que as horas não passam que o dia não chega. Mas a  palavra de Deus nos encoraja a continuar perseverando mesmo em meio a dor e a tristeza, por isso o salmista afirma que "Os que semeiam em lágrimas segarão com alegria. Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os seus feixes". (Salmos 126:5-6). Precisamos ter confiança em Deus e entender que a noite é momento que passa, por isso a Bíblia  em Eclesiastes 3:4 diz que "há um tempo determinado para todas as coisas, um tempo para todo o propósito debaixo do céu; há um tempo de chorar e um tempo de rir, tempo de prantear e tempo de saltar de alegria". Entender e aceitar o tempo de Deus na nossa vida e deixar com que Ele use a “noite”para forjar em nós um amadurecimento e uma capacidade de reter as bênçãos que chegam em momento oportuno é o que precisamos pedir ao Espírito Santo. Precisamos compreender e aceitar o tempo de choro, o momento noite, como uma oportunidade de crescimento e amadurecimento espiritual e emocional dado  por Deus àqueles que conseguem se manter serenos para receber a luz e fazê-la resplandecer a todos.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Eu, porém, estou aflito e necessitado; apressa-te por mim, ó Deus. Tu és o meu auxílio e o meu libertador; Senhor, não te detenhas. Salmos 70:5


Davi confia em Deus e roga-lhe que o livre dos seus inimigos e o proteja. Vemos isso em vários registros da vida desse rei que foi chamado amigo de Deus. Quando estamos aflitos e passando por uma situação indesejada o melhor é clamar pelo auxílio de Deus. Há momentos que nem mesmo as pessoas mais próximas podem nos ajudar e aí a postura do servo do Senhor dever a de  orar e de se colocar na presença de Deus como sendo o seu único Juiz, confiando que só o Senhor é capaz de lhe ajudar, de fazer justiça em sua vida.  A história secular e própria Bíblia nos mostra que aqueles que confiaram em exércitos se frustraram; aqueles que confiaram na força humana para a solução de seus problemas se decepcionaram. Mas os que confiam no Senhor jamais serão confundidos.

domingo, 8 de setembro de 2013

E disse o senhor ao servo: Sai pelos caminhos e valados, e força-os a entrar, para que a minha casa se encha. Lucas 14:23


Deus está conclamando seus  servos a enxerem a Sua casa para que com Ele possa cear. Essa é a mensagem desta parábola dita por Jesus. Mas assim como na parábola, há os que são convidados e desprezam  o convite do Rei.  Muitos são os que consideram seu trabalho, seu lazer, seus negócios, seu time de futebol, seus amigos muito mais importantes do que a festa na Casa do Rei. E, por isso não aceitam o convite de cear na Sua Casa. Muitos são os que preferem a prisão dos vícios, do que a liberdade de servir a Deus.  porque muitos são chamados, mas poucos são os escolhidos é que Jesus afirma em João 1:11-12 “Ele veio para os que eram seus, mas, os seus não o receberam”. Hoje somos convidados de honra e como tal podemos aceitar ou desprezar esse convite, o acesso ao banquete do Rei nos foi aberto. Mas aceitar esse privilégio é atitude de poucos. Apenas os que têm a verdadeira sabedoria e não a aparência dela é que serão contemplados.

sábado, 7 de setembro de 2013

Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. Romanos 12:20


Deus, por intermédio do apóstolo Paulo, ensina como devemos tratar os nossos inimigos. Em Lucas 6:27-36 lemos: “Mas a vós que ouvis, digo: Amai a vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam, bendizei aos que vos maldizem, e orai pelos que vos caluniam. Ao que te ferir numa face, oferece-lhe também a outra; e ao que te houver tirado a capa, não lhe negues também a túnica. Dá a todo o que te pedir; e ao que tomar o que é teu, não lho reclames. Assim como quereis que os homens vos façam, do mesmo modo lhes fazei vós também. Se amardes aos que vos amam, que mérito há nisso? Pois também os pecadores amam aos que os amam. E se fizerdes bem aos que vos fazem bem, que mérito há nisso? Também os pecadores fazem o mesmo. E se emprestardes àqueles de quem esperais receber, que mérito há nisso? Também os pecadores emprestam aos pecadores, para receberem outro tanto. Amai, porém a vossos inimigos, fazei bem e emprestai, nunca desanimado; e grande será a vossa recompensa, e sereis filhos do Altíssimo; porque ele é benigno até para com os integrantes e maus. Sede misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso”. Essa não é uma tarefa fácil de ser cumprida se não a compreendermos sob a luz e a direção do Espírito Santo. Mas o fato é que a Bíblia nos ensina a tratar o inimigo com respeito. Isso significa que não devemos nos alegrar quando o inimigo tem problemas, atentando para o que o sábio diz em Provérbios 24:17-18 “Quando cair o teu inimigo, não te alegres, e quando tropeçar, não se regozije o teu coração; para que o Senhor não o veja, e isso seja mau aos seus olhos, e desvie dele, a sua ira”. Quando assim agimos, com toda certeza, Deus é o nosso vingador e não precisamos retribuir o mal com mal, tampouco esperar que nosso inimigo caia por nossas mãos. Ele cairá por si próprio, pelas consequência de sua própria iniquidade, pelo retorno de sua maldade. E Deus jamais deixará que Seus filhos sejam atingidos pelo mal. Ele nos promete proteção em Salmos 18:48 “Ele me livra de meus inimigos; sim, tu me exaltas sobre os que se levantam contra mim; tu me livras do homem violento”. 

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

E jamais me lembrarei de seus pecados e de suas iniquidades. Hebreus 10:17


Essas palavras são do Senhor Jesus que, cumprindo com o seu pacto de graça, trata seus filhos como se nunca pecaram, porque um dia Ele tomou sobre si as nossas faltas e sobre si chamou o peso de nossos pecados para que fossemos livres. Pela Sua atitude em nosso favor, cumprindo um plano complexo, uma vez que somos salvos e aceitamos Jesus Cristo como nosso Senhor e Salvador, Deus vê o nosso pecado, seja qual for a sua gravidade, como se nunca houvesse existido, como se eles fossem apagados de sua memória. O Senhor se esquece de nossos pecados e nos trata como se nunca O tivéssemos ofendido, conforme nos diz o profeta Isaías 1:18 “Vinde, pois, e arrazoemos, diz o Senhor: ainda que os vossos pecados são como a escarlata, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que são vermelhos como o carmesim, tornar-se-ão como a lã.“ 

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

E disse Sarai a Abrão: Eis que o Senhor me tem impedido de dar à luz; toma, pois, a minha serva; porventura terei filhos dela. E ouviu Abrão a voz de Sarai. Gênesis 16:2


Essa passagem relata o episódio em que Sara teve uma ideia para 'ajudar' a Deus e  sugeriu que Abraão tomasse sua serva, Agar, como concubina, para que Deus cumprisse as promessas por meio de um filho de Abraão com Agar. Dessa forma, por não conseguir enxergar os meios que Deus usaria para cumprir suas promessas, com a o estímulo da esposa, Abrão tentou facilitar as coisas para Deus. Mas a Bíblia nos mostra que a ajuda que Sara quis dar a Deus só causou muita angústia e sofrimento que subexiste até hoje. Assim como Sara e Abraão, nós também temos uma tendência a buscar atalhos, somos fascinados pelos caminhos mais curtos, seja para a solução de um problema econômico, espiritual, pessoal ou profissional. Achamos muito difícil trilhar o longo caminho da obediência, da dignidade, do trabalho honesto, da honra, do respeito, da paciência e da persistência para começar de baixo até alcançar o topo. Quantas pessoas não sabem esperar, preferem os atalhos aos caminhos longos, escolhem  a satisfação imediata em vez do crescimento maduro, preferem as relações superficiais às amizades verdadeiras e construídas com alicerce sólido. Muitas vezes Deus permite que passemos por tribulações, por longos caminhos, por uma árida travessia no deserto até amadurecermos. E nesse caminho não há atalhos, por isso a recomendação sábia e orientada pelo Espírito Santo nas Escrituras é para ter paciência nas tribulações. O atalho inicialmente aparece como uma benção, mas em pouco tempo mostra as consequências maléficas as quais não temos como evitar. Foi assim com Sara e ainda é assim com qualquer um que escolha o caminho da desobediência  "Mas os que esperam no Senhor renovarão as forças, subirão com asas como águias; correrão, e não se cansarão; caminharão, e não se fatigarão", garante o profeta Isaías 40:31.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Eu dizia na minha prosperidade: Não vacilarei jamais. Salmos 30:6



Esse versículo é parte de uma reflexão de Davi que também deve ser feita por nós. Quantas pessoas não se acham invencíveis, ou autossuficientes quanto se sentem por cima. Nesses momentos acabam se esquecendo de onde saíram, de quem lhe ajudou a chegar onde estão e, pior ainda, esquecem-se de Deus. Quantos não suplicam a Deus por um trabalho, por uma promoção, por um reconhecimento, mas quando são agraciados julgam-se vencedores e afastam-se daqueles que lhes apoiaram e Daquele que lhe abençoaram. Na prepotência e na falsa ideia de que já estão bem, ignoram os avisos de não somos nada sem Deus e de que para nos abençoar Ele usa também os irmãos, os amigos, até mesmo pessoas desconhecidas e não reconhecem o dedo de Deus, ou o ombro amigo nas “suas” conquistas. Aquele que pensa que não vacilará na prosperidade e age com orgulho é acaba tropeçando em seu orgulho. Davi conheceu isso, mas soube se redimir. Não é  por acaso que Paulo nos alerta em  1 Coríntios 10:12 “Aquele, pois, que cuida estar em pé, olhe não caia”. 

terça-feira, 3 de setembro de 2013

E todos os teus filhos serão ensinados do Senhor; e a paz de teus filhos será abundante. Isaías 54:13


Essas palavras do profeta  é música para os ouvidos e alento para o coração de  toda mãe e todo pai que anseiam por ver seus filhos nos caminhos do Senhor. Quantas famílias estão desestruturadas e quantos pais estão pranteando seus filhos  que ainda permanecem dançando conforme a batuta de satanás. Ser pais no mundo atual é um grande desafio, para o qual nem todos estão preparados. Mas esse desafio só pode ser encarado com a certeza da vitória se buscarmos a orientação do Espírito Santo, recorrendo a uma fonte eterna de conforto, sabedoria e orientação,  a Bíblia. A Bíblia traz a promessa pelo profeta  de que os pais experimentarão a alegria, de partilhar a paz abundante em família. Mas observemos que a paz vem como consequência de vivenciarmos os ensinamentos do Senhor. Precisamos ter consciência de que o tempo e a instrução que damos aos nossos filhos são muito mais valiosos do que qualquer bem material. Jesus nos exortou a dar "boas dádivas" para os nossos pequeninos. (Mateus 7:11). E boa dádiva não tem valor financeiro. A Bíblia é pródiga em palavras de conforto e sabedoria para os pais. Ela deve ser o manual de instrução e a sempre presente fonte de orientação.

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Mas o Senhor está comigo como um valente terrível; por isso tropeçarão os meus perseguidores, e não prevalecerão; ficarão muito confundidos; porque não se houveram prudentemente, terão uma confusão perpétua que nunca será esquecida. Jeremias 20:11


 Essas palavras do profeta Jeremias nos servem de estímulo para vencermos o desanimo. O primeiro passo é colocar os olhos em Deus e jamais escutar as palavras negativas das pessoas. O próprio Jeremias admite que a murmuração de muitos o levou a um estado de desânimo. Tanto na Bíblia, quando na nossa sociedade temos conhecimento de pessoas que superaram os seus desafios porque não ouviram as vozes negativas. Davi não se importou com o que diziam sobre Golias, foi em frente, venceu o gigante e chegou a ser rei; Ana não esmoreceu diante das críticas, clamou pelo milagre e foi abençoada, sendo mãe de Samuel. Não devemos nos importar com que os outros dizem de nós, porque Aquele que nos deu a promessa é fiel e justo. Se o Senhor está conosco como um poderoso guerreiro, com toda certeza nossos inimigos tropeçarão e os nossos perseguidores e não prevalecerão. Eles, e não nós, serão envergonhados. Na Bíblia há exemplos de pessoas que conquistaram a vitória colocando toda sua confiança em Deus:  Moisés, Elias, Davi, Samuel, Paulo...
 Todos aqueles que colocaram sua confiança em Deus não só superaram o desanimo  como se tornaram grandes vencedores.  

domingo, 1 de setembro de 2013

Um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos vós. Efésios 4:6


Mesmo que existam várias religiões e muitos dogmas, acreditamos que há um só Deus, ainda que receba nomes diferentes. A Bíblia, nas suas mais diversas traduções também é única e nos ensina que Deus  é o Criador do Universo (Gênesis 1:1), e Manifestado em três pessoas. Mateus 28:19; Isaías 45:18; Hebreus 1:10; João 1:1-3 é único e soberano, por isso cremos em um só Deus. (I Coríntios 8:6). A também nos ensina que Deus mora no céu. (I Timóteo 6:16);  É espírito. (João 4:24); É Eterno. (Isaías 57:15);   É imutável. (Tiago 1:17); É perfeito. (Mateus 5:48); É Sábio. (I Coríntios 1:24);  É Santo. (Êxodo 15:11); É a verdade. (Jeremias 10:10 e João 14:6);  É misericordioso. (Salmo 86:15); Deus se revela a nós  pela natureza. (Salmo 19:1); pela Bíblia. (Apocalipse 1:1); Por Jesus. (João 14:6). Porque Deus é único e soberano não podemos jamais usar Seu nome em vão, conforme nos ensina Moisés em Êxodo 20:7: "Não tomarás o nome do SENHOR teu Deus em vão; porque o SENHOR não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão.". E mais do que respeitar o Seu santo nome devemos colocá-Lo em primeiro lugar como exorta Mateus 6:33: "Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.", sabendo que Ele se preocupa-se com os nossos problemas. (Salmo 46:1); suporta-nos com misericórdia. (Jeremias 31:3); Consola-nos na dor. (II Coríntios 1:3); e  supre o que nos falta. (Filipenses 4:19).