Traduza este blog

domingo, 24 de setembro de 2017

Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco. 1 Tessalonicenses 5:18


Ao lermos as cartas de Paulo veremos que toda a sua teologia foi fortemente alicerçada no espírito de gratidão. Esse apóstolo reconhecia com temor e gratidão que o seu ministério, de fato, não era dele, mas era Deus que ministrava por intermédio dele. Era Deus nele. E ao escrever aos tessalonicenses reflete o desejo de ver os cristãos daquela Igreja firmados na fé sobre a qual foram ensinados, com gratidão em todas as situações. Quando os exorta a dar graças em tudo, ele não exclui os momentos de tribulação, de perseguições e angústias pelos quais tiveram que suportar, contudo, ensina-os a serem vigilantes quanto ao Dia do Senhor e a respeitar a liderança local no serviço cristão, com disciplina e alegria, sabendo que a Obra não é humana e sim em prol do Reino de Deus. Por essa razão instou a Igreja à oração incessante e dar graças sempre, lembrando-os que o propósito soberano de Deus está por detrás de todas as circunstâncias. Paulo mesmo disse: “Em tudo”, porque estas recomendações são reivindicadas para qualquer situação.  O apóstolo nos faz refletir sobre a gratidão explicando que a vontade de Deus é o motivo desta conduta de gratidão constante. Então, precisamos entender que não se trata de uma sugestão, mas de uma expressa determinação da vontade de Deus, para que sejamos agradecidos permanentemente. Ser grato é demonstrar um autêntico espírito cristão, não é uma reação eventual a uma experiência positiva apenas, mas um comportamento cristão constante. A gratidão demonstra o nosso reconhecimento da dependência de Deus, pois é a Ele que nós devemos o que somos e o que temos. Somente uma pessoa que desenvolve um autêntico espírito de gratidão consegue ser grata genuinamente e não só em discursos. Quem não é desenvolvido espiritualmente, quem não cresceu espiritualmente, não entende o significado da gratidão e apenas consegue repetir as palavras de gratidão, mas não as manifesta em suas atitudes. Na vida pessoal, secular e na Igreja temos um chamado à gratidão, conforme nos diz o salmista

“Dar-te-ei graças na grande congregação, louvar-te-ei no meio da multidão poderosa.” Salmo 35:18

V

sábado, 23 de setembro de 2017

Porque vós mesmos sabeis muito bem que o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; Pois que, quando disserem: Há paz e segurança, então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida, e de modo nenhum escaparão. 1 Tessalonicenses 5:2-3



O apóstolo Paulo nos alerta sobre a segunda vinda do Senhor que, tão de repente quanto a ressurreição veio para os que pensavam tê-Lo abatido, da mesma forma também o dia do Senhor virá, como um ladrão na noite. A Bíblia registra que quando muitos estiverem descuidados, inertes na aparência de paz e segurança virá a destruição. Mas aqueles que não estão na escuridão do mundo e preservam a luz, esperando por Jesus não precisam temer. Aqueles que estão vigilantes não serão surpreendidos, por isso, em atenção ao alerta de Paulo, devemos nos perguntar sempre: se o Senhor voltar hoje, agradar-se-á do que faço, digo ou penso? Estou colocando os interesses seculares à frente dos interesses de Deus? Precisamos saber que não basta se dizer cristão e ser membro ou frequentador de uma igreja. O arrependimento e o batismo são credenciais para fazermos parte do Reino de Deus, mas não são garantias suficientes. Precisamos vigiar sempre, observar os sinais e ouvir com ouvidos atentos aquilo que Deus tem nos ensinado por intermédio de Seus profetas. Aqueles que estão atentos à Palavra e permanecerem firmes na promessa e na esperança da vinda do Senhor verão, na luz, o que predisse Zacarias 14:9

E o Senhor será rei sobre toda a terra; naquele dia um será o Senhor, e um será o seu nome.


sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra; 1 Tessalonicenses 4:4



Em tempos nos quais a grita da sociedade é que as criaturas têm total liberdade de fazer o que quiserem com seus corpos, quando se defende a ideia de que as pessoas podem escolher até mesmo o seu sexo e que podem usar o corpo conforme bem entendem sem considerar os mandamentos de Deus, a mensagem do apóstolo Paulo é mais do que oportuna àqueles que reconhecem a soberania do Criador. A Bíblia diz que somos criaturas e vasos de Deus, feitos filhos e herdeiros por Sua graça e misericórdia. E dentre os vários tipos de vasos, feitos de diversos elementos, como metais, madeira, vidro, porcelana, plástico, barro etc,  Deus escolheu nos como vasos de barro para que a excelência do poder não seja do vaso, mas Dele (2 Coríntios 4: 7). Paulo nos ensina que todos somos vasos ou instrumentos para uso do Senhor e assim como Deus fez com que ele se tornasse um vaso escolhido tendo-lhe dado uma missão distinta, Ele dá a nós a condição de encerrarmos também um tesouro, por isso o apóstolo que antes não se considerava digno de ser chamado fez-se apto para a obra particular que ele precisa realizar na vida. Assim como o apóstolo soube possuir seu vaso para a honra e glória do Senhor, somos também instados a ser vasos preciosos para a Obra de Deus, que outorga e utiliza os nossos dons naturais e nos prepara para a obra e a missão que recebemos. O Senhor, como o Oleiro, prepara-nos, conforme a missão que destinou a nós

Eis que, como o barro na mão do oleiro, assim sois vós na minha mão, ó casa de Israel. Jeremias 18:6

Veja também o vídeo a seguir:




quinta-feira, 21 de setembro de 2017

E o Senhor vos aumente, e faça crescer em amor uns para com os outros, e para com todos, como também o fazemos para convosco; 1 Tessalonicenses 3:12



Deus é amor. E quem ama reflete o amor de Deus, pois Ele também é a fonte de amor que derrama amor nos nossos corações por meio do Espírito Santo. A oração de Paulo no texto em epígrafe menciona a necessidade de progredirmos em santidade e mútuo amor, enquanto aguardamos a segunda vinda de Jesus. O apóstolo Paulo nos ensina a vivermos de modo digno da sua vocação para a qual fomos chamados. E, assim, dando o exemplo, primeiramente, mostra aos cristãos que o amor deve ser a essência que permeia as ações cristãs.

Por causa da casa do Senhor nosso Deus, buscarei o teu bem. Salmos 122:9


quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Para que vos conduzísseis dignamente para com Deus, que vos chama para o seu reino e glória. 1 Tessalonicenses 2:12



Tudo o que o apóstolo Paulo passou em seu ministério tinha propósitos claros e definidos e alvos a serem alcançados. Escrevendo aos Tessalonicenses o apóstolo explica o motivo de ter suportado tantas agruras juntamente com outros discípulos do Senhor Jesus para levar o Evangelho àquele povo. Observamos que ele tinha um cuidado especial em preparar os novos convertidos, para que vivessem, a partir de então, de acordo com as doutrinas da nova aliança, e, assim, viverem de forma digna diante do Senhor. Assim como ele buscava viver uma vida de santidade, também procurava incentivar os nascidos de novo em Cristo a que se separassem das coisas do mundo, ao mesmo tempo em que se dedicassem para Deus, visando o Reino incorruptível. Sabemos que há uma ressurreição quando aqueles que Nele creem são transformados e poderão passar da vida para a vida, da carne corruptível para corpos incorruptíveis.


Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos. Salmos 19:1



terça-feira, 19 de setembro de 2017

Porque por vós soou a palavra do Senhor, não somente na Macedônia e Acaia, mas também em todos os lugares a vossa fé para com Deus se espalhou, de tal maneira que já dela não temos necessidade de falar coisa alguma; 1 Tessalonicenses 1:8


Paulo nos faz refletir sobre como nossas atitudes são mais importantes do que nossas palavras. De nada adianta fazermos um belo discurso e nos dispormos a levar o Evangelho de Cristo se nossas ações contradizem nossa fala. Precisamos ponderar sempre sobre qual tem sido a nossa referência para o mundo. Infelizmente, muitos por aí fazendo brincadeiras e ridicularizando o nome do Senhor. Nem sempre quem fala o nome de Deus está com Deus. Paulo instruiu a igreja de Tessalônica sobre as coisas do Evangelho e, assim, os cristãos daquele lugar se tornaram bons discípulos de Cristo. Paulo pregou, mas deu o devido exemplo, por isso a Palavra do Senhor soou de forma que ao se converterem ao cristianismo, os tessalonicenses foram tomados pelo amor cristão pelos não convertidos e cada um daqueles que recebia a Cristo como Senhor e Salvador, se tornava um pregador, fazendo com que a Palavra de Deus se espalhasse de norte a sul: da Macedônia à Acaia, na Grécia. Desse modo, Paulo nos mostra que a Igreja de Cristo em Tessalônica se tornou uma Igreja missionária, levando o Evangelho de Cristo além das fronteiras do seu próprio país. Assim, essa Igreja contribuiu para a divulgação do Evangelho em toda Europa e demais regiões. Portanto, essa igreja teve uma importância fundamental em divulgar a fé em Cristo. Paulo nos ensina que assim como os cristãos de Tessalônica devemos cumprir nossa missão como apóstolo dos gentios. Sem, necessariamente abrirmos a boca, fazendo como nos ensina o sábio em Eclesiastes 12:10:

Procurou o pregador achar palavras agradáveis; e escreveu-as com retidão, palavras de verdade.


segunda-feira, 18 de setembro de 2017

A vossa palavra seja sempre agradável, temperada com sal, para que saibais como vos convém responder a cada um. Colossenses 4:6



A tendência humana é pronunciar palavras sem pensar no seu conteúdo, ou no que elas significam. Entretanto, a Bíblia nos ensina que poderíamos evitar muitas divergências e desafetos se usássemos as palavras para abençoar e não para promover discussões inócuas ou contenda, por isso é enfática ao mencionar o dever de sermos prudentes e decentes em nossa linguagem para evitarmos as consequências de palavras inconvenientes ou inoportunas. Não foi por acaso que Jesus nos disse para sermos assertivos e não darmos margens a dubiedade em nosso falar. Porque fomos chamados para sermos testemunhas de Cristo, em um mundo injusto, que persegue cristãos precisamos ter primeiro o domínio de nossa língua e assim falarmos com gentileza, educação, respeito e urbanidade. Lembremo-nos sempre de que o Senhor nos deu a possibilidade de escolhemos como usar as palavras

Eis que hoje eu ponho diante de vós a bênção e a maldição; Deuteronômio 11:26


domingo, 17 de setembro de 2017

E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens, Colossenses 3:23

O apóstolo Paulo nos ensina que devemos sempre fazer o melhor para Deus, mesmo que nossas ações sejam direcionadas às pessoas. Tudo o que fazemos deve ser feito com amor e com dedicação como se estivéssemos fazendo para o Senhor que sonda os corações e, sendo onipresente e onisciente, conhece todas as nossas intenções e sabe o que nos move em cada atitude, mesmo as mais corriqueiras. A Bíblia nos ensina a sermos humildes de coração e a não sermos arrogantes, usando de amor e de benevolência com aqueles que se aproximam de nós de modo a atendermos à exortação de do rei Salomão que disse:

“Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças” (Eclesiastes 9:10).



sábado, 16 de setembro de 2017

Mas agora, despojai-vos também de tudo: da ira, da cólera, da malícia, da maledicência, das palavras torpes da vossa boca. Colossenses 3:8



A Bíblia diz que os filhos de Deus devem ser santos. Portanto, a forma de vida do povo de Deus, sem engano, deve se distinguir de forma inequívoca dos demais humanos, pois devem ser serem santos em todos os aspectos da vida. Assim, a nossa forma de nos expressarmos, tanto no meio cristão, quanto no mundo, revela nossa identidade diante dos homens e de Deus. O próprio Senhor Jesus declara: “O homem bom, do bom tesouro do seu coração tira o bem, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração tira o mal, porque da abundância do seu coração fala a boca”. (Lucas 6: 45). Então, a forma de falar de um cristão demonstra quem somos não somente aos olhos das pessoas, mas diante de nosso Senhor. A ética cristã não se pauta pelo comportamento social, ainda que legitimado pelos tão à liberdade de expressão. O alicerce cristão está firmado nos mandamentos que o Senhor deixou ao Seu povo, por isso devemos nos lembrar de que a Bíblia nos recomenda a ter uma linguagem adequada à Palavra de Deus. Por isso o sábio nos diz em Provérbios 25:11

E a meu povo ensinarão a distinguir entre o santo e o profano, e o farão discernir entre o impuro e o puro. Ezequiel 44:23


sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra; Colossenses 3:2




Se considerarmos o quão breve é a vida e quão inútil é ajuntar tesouros na terra, não perderíamos tanto tempo e nos desgastaríamos tanto com coisas terrenas, se sabemos que tudo isso é passageiro e o que nos espera é muito maior.  O apóstolo Paulo nos ensina que pensar nas coisas do alto é uma das evidências de nossa união com Jesus Cristo. Se nós morremos e ressuscitamos com Cristo, certamente, somos novas criaturas e se nascemos de novo em Jesus Cristo, recebemos uma nova mentalidade que não mais se prende às coisas mundanas, mas vive focada nas coisas do alto. Renascer em Cristo significa que nossa antiga maneira de pensar já foi crucificada com Ele e, assim, olhando para as coisas do alto, recebemos de Deus novos pensamentos e novas motivações. O salmista nos mostra que só temos a ganhar quando honramos a Deus e O colocamos em primeiro lugar em nossas vidas.

Para quem agrada a Deus, até os desejos do seu coração serão supridos (Salmo 37.4).



quinta-feira, 14 de setembro de 2017

Tende cuidado, para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo; Colossenses 2:8


Paulo nos ensina que somente se estivermos firmes na Palavra, poderemos desmascarar as sutilezas e desarmar as ciladas de satanás contra a Igreja de Cristo. O mesmo apóstolo, com a inspiração do Espírito Santo nos lembra de que nos últimos tempos alguns se desviarão da fé por dar ouvidos a espíritos enganadores e doutrinas demoníacas. Basta ligarmos a TV, acessarmos a Internet ou prestarmos atenção à nossa volta para concluirmos que isso tem acontecido bem perto de nós. As filosofias e vãs sutilezas  que procedem de fontes malignas têm tomado conta da sociedade e entrado também na Igreja. O Senhor Jesus nos ensina que devemos adorar ao Único e verdadeiro Deus, mas as doutrinas que se travestem de espirituais lançam a crença de há intermediários entre Deus e os homens. Nas sutilezas dos dogmas e apelando para a carência de conhecimento acerca da Palavra muitos têm sido enganados. Desde os tempos bíblicos, satanás vem usando os seus agentes para desvirtuar as Escrituras a fim de levar o povo de Deus a desacreditar na divindade e na obra redentora de Cristo. Paulo nos ensina nos preparar devidamente para detectar e desmascarar suas sutilezas. Somente com a Espada da Palavra estaremos armados para entrar nessa guerra que não é contra a carne e o sangue e se e, fortalecidos, quando passarmos por adversidades saberemos que o Senhor
O meu socorro virá do Senhor que fez o céu e a terra.
Salmos 121:2

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Para que os seus corações sejam consolados, e estejam unidos em amor, e enriquecidos da plenitude da inteligência, para conhecimento do mistério de Deus e Pai, e de Cristo, Em quem estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência. Colossenses 2:2-3


O apóstolo Paulo em carta aos Colossenses procurar confortar essa comunidade cristã orientando-a para que não se deixam enganar por palavras persuasivas, mas mesmo distante mostra-se presente no sentido de apoiá-los para que não se desviem nem enfraqueçam na fé ao passarem por momentos difíceis. As palavras de Paulo nos vêm também como conforto. Não podemos desprezar os dias difíceis de nossas vidas. Esses momentos devem nos fortalecer e nos indicar o caminho que leve ao tesouro do conhecimento da sabedoria e da ciência. Quando aprendemos com as circunstâncias edificamos nossas vidas e nos aproximamos de Deus. Quando estamos no deserto, temos a oportunidade de abrir nossos corações para ouvir sem o ruído do mundo a voz do Senhor e nos aproximar do tesouro que Ele os oferece como filhos, herdeiros por adoção. Precisamos compreender que muitas vezes o próprio Deus nos chama para o deserto, lugar "árido" e "seco", com o propósito de falar ao nosso coração.

Portanto, eis que eu a atrairei, e a levarei para o deserto, e lhe falarei ao coração. Oséias 2:14.



terça-feira, 12 de setembro de 2017

Para que possais andar dignamente diante do Senhor, agradando-lhe em tudo, frutificando em toda a boa obra, e crescendo no conhecimento de Deus; Colossenses 1:10


O apóstolo Paulo nos convida a fazer um exame para verificarmos que tipo de cristãos temos sido. Como tem sido nossa vida diante de Deus e diante dos homens. Precisamos reconhecer nossas atitudes para termos a consciência exata de quem servimos: a Deus o às aparências do mundo.
Cristão apenas no nome não serve a Deus de modo digno e não faz jus ao adjetivo, tampouco pode ser considerado um substantivo diante do Senhor, posto que não é autêntico, por atribuir a si somente um título e não a essência. Quem não tem compromisso com Deus não pode ser qualificado como cristão. Aquele cujo pecado é regra e não uma exceção, ainda é anda em trevas, e escravo do mundo não pode se sentar à mesa de Deus com a dignidade que é própria dos que agem segundo a vontade do Pai. Para sermos um autêntico cristão, precisamos nos dedicar a coisas que edificam e deixarmos de ser tutelados pelo pecado. Quem come na mesa do Senhor não pode mais nos subjugar ao pecado, mas, nascido de novo, deve viver na fé em Jesus, agradando-Lhe em tudo. Quem é nascido de novo dá testemunho de vida e de renovação. Não vive das velhas práticas. Mudar o título não significa mudar a condição e é na atitude que se reconhece um cristão genuíno. Aquele que é liberto verdadeiramente do pecado come sempre na presença do Rei e faz jus ao que diz o profeta Jeremias

E lhe fez mudar as vestes da sua prisão; e passou a comer pão sempre na presença do rei, todos os dias da sua vida. Jeremias 52:33


segunda-feira, 11 de setembro de 2017

O meu Deus, segundo as suas riquezas, suprirá todas as vossas necessidades em glória, por Cristo Jesus. Filipenses 4:19


O apóstolo Paulo nos traz uma maravilhosa promessa de Deus que nos dá a segurança de que seremos abençoados. A palavra bênção vem do latim benedictĭo, e significa a ação e o efeito de benzer ou abençoar. A bênção é a expressão de um desejo benigno que se dirige a uma pessoa, a um ou vários objetos e que, por meio da própria expressão, se realiza. Paulo é enfático ao ser portador da promessa e o faz com a segurança de quem conhece e tem uma grande experiência com o Abençoador. Ele diz “o meu Deus”. Ele conhece o que abençoa e tem a dimensão de Seu poder. E sabe também que temos nossas fragilidades e temores. Temos medo de nos faltar a saúde, condições financeiras, segurança, tranquilidade... Nem sempre o que desejamos corresponde ao que de fato precisamos, mas o nosso Deus conhece as nossas necessidades. Paulo deixa claro que Deus suprirá as nossas necessidades e não as nossas vontades. O Senhor fará tudo para nos suprir em nossas necessidades quer sejam elas espirituais e/ou materiais e não deixará em falta aqueles que O servem sinceramente.



Este receberá a bênção do Senhor e a justiça do Deus da sua salvação. Salmos 24:5

domingo, 10 de setembro de 2017

Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Filipenses 3:14



A grande lição que Paulo nos passa é a de que a vida cristã não se resume a ser membro de uma igreja e a “assistir” cultos aos domingos. A vida cristã é um processo contínuo de crescimento tendo como referência a estatura de Cristo. É uma busca permanente de edificação. A vida cristã é dinâmica, vai além dos templos, dogmas, doutrinas e enfrenta as oposições do mundo. É um processo gradual, processual que prossegue a semana inteira e no domingo traz os frutos do testemunho diário em comunhão com os irmãos. Quando o apóstolo Paulo nos fala em “alvo”, ele está se referindo a Jesus e somente pelo Espírito Santo podemos compreender em plenitude como prosseguir esse alvo. E, obviamente, isso não pode ser reduzido a hábitos religiosos. Todos somos conclamados a participar da Obra de Deus e a prosseguir cotidianamente em busca do alvo. Isso significa olhar para frente. Esquecer o passado que nos aprisiona e buscar com a orientação do Espírito o caminho firme e sem atalhos:


“Guiará os mansos em justiça e aos mansos ensinará o seu caminho.” Salmo 25:9



sábado, 9 de setembro de 2017

Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas; Para que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis, no meio de uma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo; Filipenses 2:14-15


O apóstolo Paulo escreve aos obreiros da Igreja de Filipos, para que seguissem o exemplo do próprio Cristo que deu o maior exemplo de como se deve fazer as coisas pelo reino de Deus, abraçando a causa do Pai, sem esperar recompensas financeiras pelo seu trabalho. Paulo exorta-os a não fazerem nada por contendas, porque sabia que, naquela Igreja, como ocorre também nas Igreja atual, havia uma disputa por cargos e posição. O apóstolo espera que os obreiros sejam irrepreensíveis e sinceros e que se apresentem como bons exemplos de ministros do Evangelho do Senhor Jesus. Isso não significava que esperasse a perfeição, mas que dessem bons exemplos dignos da missão que lhe foi confiada. Paulo usa a expressão FILHOS DE DEUS INCULPÁVEIS para ressaltar a importância daqueles que fazem parte da Igreja de Cristo se comportarem de forma irrepreensível no meio de uma geração corrompida e perversa. Essa geração ainda permanece na sociedade atual, são os ateus, confessos ou não, os incrédulos, os ímpios e todos os que se rebelam e se insurgem contra a Obra de Deus. São os que se corromperam e não temem a Deus, vivem segundo a carne e seu próprio entendimento. Paulo deixa claro que os filhos de Deus devem resplandecer como astros no mundo, sem murmurar ou criticar os que trabalham, lembrando o que afirmava o profeta Malaquias 3:18

Então voltareis e vereis a diferença entre o justo e o ímpio; entre o que serve a Deus, e o que não o serve.




sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Nada façais por contenda ou por vanglória, mas por humildade; cada um considere os outros superiores a si mesmo. Filipenses 2:3


Em resumo, o que o apóstolo Paulo nos ensina é a exercício da humildade em tudo o que fizermos. Ele nos exorta a não nos vangloriarmos daquilo que fazemos, sabendo que isso cria contendas, pois demonstra a soberba que instiga o espírito da competição e não da solidariedade. Onde a soberba, a vaidade e o orgulho se estabelecem não há espaço para o amor fraternal e a compaixão pelos menos afortunados. A Bíblia nos ensina que devemos nos  mover pela humildade, considerando outros superiores a nós mesmos, para vivermos uma vida sabia e honrada por Deus. Precisamos entender que Deus resiste à soberba, à vaidade e à vanglória, mas dá graça aos humildes, conforme nos ensina Tiago 4:6. Precisamos saber, se quisermos ser bem-sucedidos em todas as áreas de nossas vidas que, quando o Senhor deseja nos honrar, não há quem possa impedi-Lo. Se honrarmos a Deus, Ele nos honrará. Lembremo-nos, pois, do que afirma o profeta Isaías 43:13: "

Ainda antes que houvesse dia, eu sou; e ninguém há que possa fazer escapar das minhas mãos; agindo eu, quem o impedirá?


quinta-feira, 7 de setembro de 2017

Dou graças ao meu Deus todas as vezes que me lembro de vós, Fazendo sempre com alegria oração por vós em todas as minhas súplicas, Filipenses 1:3-4



O apóstolo Paulo mostra grandeza ao reconhecer que a chave do sucesso de sua missão em Filipos era a oração. Ele demonstra gratidão quando olha para cima e agradece pelos frutos colhidos de onde não se esperava. A Bíblia conta que Paulo foi muito perseguido pelos judeus mais radicais, e também pelo Império Romano, e por causa disso muitas vezes passou perigo de morte para levar o evangelho da Salvação pela Cruz. Paulo agradece por ver o crescimento e o desenvolvimento do seu trabalho em Filipos certo de que não dependeu de nenhum líder religioso, nem de nenhum apoio externo. Da personalidade do apóstolo Paulo, vemos que ele era determinado em tudo o que fazia. Se foi determinado na perseguição aos cristãos, antes de seu encontro com Jesus, foi, em maior potencial, depois de convertido, determinado a levar a Palavra de Deus a judeus e gentios. E também foi persistente na oração e nas súplicas e em ações de graças pelos irmãos, nas diversas comunidades cristãs que fundou. Uma de suas características era o zelo em cuidar do bem estar espiritual dos que se convertiam ao cristianismo. As cartas paulinas registram fortemente essa atitude do apóstolo que não se cansava de interceder pelas comunidades cristãs que formavam a Igreja Primitiva. Na mesma proporção em que era perseguido, atribulado e enfrentava perigo de morte, Paulo buscava forças em Deus para animar a Igreja sem demonstrar desânimo ou falta de fé. Paulo é um grande exemplo para a Igreja de hoje. Lembremo-nos do que nos ensina o salmista

Aquietai-vos, e sabei que eu sou Deus; serei exaltado entre os gentios; serei exaltado sobre a terra. Salmos 46:10


quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Tomai também o capacete da salvação, e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus; Orando em todo o tempo com toda a oração e súplica no Espírito, e vigiando nisto com toda a perseverança e súplica por todos os santos, Efésios 6:17-18



O apóstolo Paulo nos mostra que pelas nossas forças não há como combater os principados e potestades, as forças espirituais do mal. Por isso, nos exorta a usar a armadura de Deus que nos foi dada para dela nos revestirmos. Essa armadura de Deus tem seis partes com significados espirituais valiosos, descritas na Carta aos Efésios. Mas como destaca o texto em epígrafe, para o cristão não basta estar revestido da armadura. É necessário saber como usá-la, por isso Paulo nos orienta a orar em todo o tempo com súplica no Espírito e a vigiar com perseverança. Tomar o Capacete da Salvação significa proteger a nossa mente dos ataques do inimigo que usa a dúvida e a mentira para nos tirar do alvo. A Espada é a palavra de Deus, conforme descreve o autor de Hebreus 4:12 “Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.
A Espada do Espirito Santo, é a nossa arma contra as investidas de satanás. Ao tomarmos a armadura estamos protegendo sobretudo o nosso coração lembrando-nos do que ensina o sábio em  Provérbios 3:23:

“Acima de tudo guarde o seu coração, porque dele procedem as fontes da vida”



terça-feira, 5 de setembro de 2017

Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa;Para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra. Efésios 6:2-3


A Bíblia traz reiteradas vezes o mandamento de Deus para que o povo de Israel honrasse seus pais e mães. Essa ordem do Senhor, inicialmente entregue ao povo por Moisés era de natureza moral, e de obrigação eterna. Deus registra pela própria mão a ordem para que os pais sejam honrados em tudo não só moral como financeiramente. E Paulo renova essa ordem, mostrando aos cristãos que devemos honrar nossos pais também com alimentação, vestimenta, suprindo-lhes com as necessidades da vida. E esse mandamento vem acompanhado com promessa, diferentemente dos demais mandamentos. Paulo repete esse mandamento em Carta aos Efésios e destaca que ele vem acompanhado de uma promessa. Isso nos faz refletir sobre a importância de cumprirmos essa ordem. Vemos que Jesus também deixou claro a importância de obedecermos esse mandamento para que nossa vida seja longa e abençoada.

 “Honra a teu pai e a tua mãe, como o SENHOR teu Deus te ordenou, para que se prolonguem os teus dias, e para que te vá bem na terra que te dá o SENHOR teu Deus. Deuteronômio 5:16


segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Por isso diz: Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te esclarecerá. Efésios 5:14



O apóstolo Paulo chama a atenção para o comportamento digno de quem tem o privilégio de ser chamado filho de Deus. A quem ele chama de imitadores de Deus. Todavia nos lembra de que, apesar de sermos amados por Deus, o pecado ainda impera em nosso meio, por isso o apóstolo nos orienta a nos afastarmos de todo o pecado, deixando de lado a prostituição, a impureza, a avareza, as torpezas, e parvoíces... Paulo nos exorta a despertar para a Palavra de Deus, agindo como um verdadeiro cristão. Apesar de conhecer as Escrituras, muitos estão dormindo, inertes em relação ao chamado do Senhor, estão se deixando enganar pelos conselhos dos ímpios, agindo como se mortos estivessem. Somente olhando para Cristo podemos ter o discernimento necessário para despertarmo-nos da inércia que nos aprisiona ao mundo.

Se fores puro e reto, certamente logo despertará por ti, e restaurará a morada da tua justiça. Jó 8:6


domingo, 3 de setembro de 2017

Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados. Efésios 5:1

A ciência comprova que já nascemos com uma forte tendência para imitação. Por essa razão, como seres sociais por excelência, imitamos o comportamento daqueles que nos são próximos, como os pais e irmãos, por exemplo. E em tempos de mídia que invade nossos lares, nosso ambiente de trabalho, social e até religioso muitos são levados pelo modelo em evidência e, principalmente, os mais jovens tendem a imitar o comportamento em evidência. Alguns imitam a linguagem, a forma de vestir ou de dançar, ou até mesmo o corte de cabelo de um ídolo do esporte, da música ou da TV. O apostolo Paulo, entretanto, exorta-nos a ser imitadores do Pai. E isso se refere ao esforço da busca pela santificação, por andar no caminho certo, trilhando os caminhos de Cristo, pois Deus sabe que não somos perfeitos, mas criados à imagem e semelhança do Pai devemos buscar a estatura de Cristo, pois se filhos se parecem com o pai, para sermos considerados filhos de Deus, temos que imitá-Lo. Assim, precisamos compreender o que é ser modelo, o que é ser exemplo para e viver dentro do propósito de Deus, cumprindo a Sua vontade nas pequenas coisas, para realizarmos aquilo que a vontade do senhor.


E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança;


sábado, 2 de setembro de 2017

Rogo-vos, pois, eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados, com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, Efésios 4:12.


O apóstolo Paulo nos lembra de não foi chamado apenas para ser um cristão, mas para ser um cristão que servia, que colocava a sua vida a serviço de Deus, cumprindo a vocação de Deus com relação ao Seu serviço dentro do Reino. Assim, conclama aqueles que nascidos de novo e adquiriram uma nova cidadania a andarem conforme o propósito para o qual também foram chamados. Para isso devem andar de modo digno, em harmonia, e em vitória. Aqueles que foram escolhidos por Deus para assentar-se com Cristo devem se lembrar que a honra de Cristo está envolvida em seu viver diário. Precisamos nos lembrar, com isso que nosso chamado inclui responsabilidade, pois fomos salvos para servir e não para sermos servidos. Deus nos separou para a tarefa de representarmos Jesus diante do mundo, para pregar a salvação pela Cruz e isso não acontece por merecimentos pessoais. Se somos vocacionados para a salvação, e essa vocação implica o serviço a Deus, somos chamados para o ministério e para sermos santos, certos de que o chamado de Deus cumpre um propósito, um plano. E isso significa que devemos apresentar as características descritas por Paulo: humildade, mansidão, longanimidade para suportarmos os outros em amor. Ser humilde é preocupar com a os outros, dar crédito a outrem. Ser manso significa ser gentil, cortês, consideração pelo outro. É preocupar-se com os outros. Mansidão, não quer dizer fraqueza; mas é a suavidade dos fortes, cuja força está sob controle. Longanimidade é a capacidade de suportar, sem perder o controle. É agir com equilíbrio nos momentos difíceis e nas adversidades. Todas essas qualidades são necessárias para que possamos suportar os outros com amos, pois suportar significa dar suporte, ou esteio para os que estão fracos. Paulo nos ensina a andar em justiça
Porque o Senhor é justo, e ama a justiça; o seu rosto olha para os retos. Salmos 11:7


sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Rogo-vos, pois, eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados, Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz. Efésios 4:1-3


Paulo exorta os cristãos de Éfeso a viverem de forma coerente com o propósito pelo qual foram chamados. E essa exortação encaixa-se perfeitamente aos nossos dias. Se vivermos de um modo contrário à nossa missão, que é levar a Palavra de Deus, o Evangelho do Senhor Jesus será envergonhado. A Bíblia nos diz que nem precisamos abrir a boca para fazer o que Jesus nos comissionou em Marcos 16:15, mas se agirmos conforme a Palavra já estaremos pregando o Evangelho da Salvação e vivendo de forma digna do Evangelho. Mas sem ou com entendimento equivocado, não cumprimos a vontade de Deus. Se nascemos de novo, pelo cumprimento da promessa de Cristo, recebemos de Deus um novo coração, e um espírito vivificado, e se fomos reconciliados com o Pai e colocados na Sua presença devemos viver de forma que Lhe agrade, andando segundo o Seu coração. Assim, viver de maneira digna, tornando-nos dignos, ainda que imerecedores desta vocação, é vivermos, como Paulo escreveu no versículo em epígrafe. Sabemos que não somos merecedores da vocação, mas, como filhos obedientes e nascidos de novo com o propósito de servir aos Pai, devemos agir como nos recomenda o apóstolo como meio para expressarmos o chamado que recebemos de Deus. Viver em humildade significa reconhecer a nossa completa dependência de Deus. Exercitar a mansidão é entregar-nos ao descanso em Deus, sabendo que Ele tem tudo sob o Seu controle. Praticar a longanimidade é entender a capacidade recebida de sermos tardios em julgar e condenar as pessoas. Suportar significa ajudar, a ser apoio uns para os outros. Preservar a unidade requer de nós o empenho, o sermos diligentes, colocando o propósito de Deus acima dos nossos desejos e interesses. Mas nada disso depende do nosso esforço, da nossa dedicação no sentido de alcançar algo, contudo, de expressarmos o que Deus já fez, o que nos deu e como nos capacitou, quando nascemos de novo, conforme nos lembra o profeta Ezequiel

“Dar-lhes-ei um só coração, espírito novo porei dentro deles; tirarei da sua carne o coração de pedra e lhes darei coração de carne;  para que andem nos meus estatutos, e guardem os meus juízos, e os executem; eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus.” (Ezequiel 11:19-20).




quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Ora, àquele que é poderoso para fazer tudo muito mais abundantemente além daquilo que pedimos ou pensamos, segundo o poder que em nós opera, Efésios 3:20


O apóstolo Paulo, ao escrever Efésios, mostra-nos a soberania de Deus e nos faz refletir sobre o quanto é um privilégio para os que Nele creem servir a Esse Deus magnífico e que tudo pode. Não há nada impossível para Ele. E sendo magnânimo é um Deus de fartura e que tem sempre mais para aqueles que O buscam e O amam sinceramente. E para esses tem sempre bênçãos em abundância que vai sempre além do que pedimos ou pensamos. A Bíblia afirma que não há impossível para Deus. Ele é o nosso pastor e nada nos faltará. Paulo reconhece a soberania de Deus e a Ele glorifica, assim como faz o salmista e como devemos fazer a cada instante de nossas vidas.

Ó Deus o Senhor, fortaleza da minha salvação, tu cobriste a minha cabeça no dia da batalha. Salmos 140:7



quarta-feira, 30 de agosto de 2017

No qual também vós juntamente sois edificados para morada de Deus em Espírito. Efésios 2:22



A Bíblia diz que fomos edificados para sermos a morada de Deus e que fomos criados à Sua imagem e semelhança de Deus e criados para o louvor da Sua glória. Assim, nosso corpo deve refletir a santidade Dele e por essa razão temos que cuidar dessa edificação com esmero. Precisamos ter cuidado com nossas atitudes, atentando para o que vemos, pois nossos olhos são a porta de entrada da nossa alma. Precisamos ter cuidado com o que ouvimos, com o que falamos, com o que fazemos, uma vez que nossas atitudes revelam quem somos. E se devemos cuidar de aspectos morais devemos também cuidar de nossa estética corporal, pois sendo templo de Deus é necessário cuidar da saúde do corpo. Nossa aparência reflete como estamos interiormente. Nossos trajes e higiene corporal também dizem quem somos. Como templo onde Deus habita, devemos ser exemplo de comportamento e de santidade para que a Glória de Deus seja refletida, .

Os céus declaram a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos. Salmos 19:1


terça-feira, 29 de agosto de 2017

Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie; Efésios 2:8-9


A graça é algo que é dado gratuitamente ao homem por seu Criador e não há requisitos além de recebê-la livremente. Ela não é merecida, mas foi oferecida como dom gratuito de Deus. E se qualquer mérito estiver envolvido, não pode ser graça, pois é um presente de Deus. O apóstolo Paulo nos diz que nos diz que é pela graça que somos salvos. Portanto, se somos salvos pela graça, não podemos requerer a salvação por nossas obras como querem algumas religiões. Assim, é inútil qualquer tentativa de merecer a salvação por meio de nossas obras, pois conforme nos diz a Tiago 2:10 “ qualquer que guarda toda a lei, mas tropeça em um só ponto, se torna culpado de todos”. Se dependêssemos de nossos méritos, e de seguirmos a letra da Lei, seriamos todos condenados, pois não há um só homem que não tenha pecado.

“A alma que pecar, essa morrerá” (Ezequiel 18.20); “



segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Não cesso de dar graças a Deus por vós, lembrando-me de vós nas minhas orações: Para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê em seu conhecimento o espírito de sabedoria e de revelação; Efésios 1:16-17



O Apóstolo Paulo faz uma oração pela Igreja de Éfeso. Mas o que nos chama à atenção nessa oração é que ele se dirige a pessoas que conhecem a verdade e os caminhos de Deus. São pessoas salvas, que já tinham uma experiência com o Senhor. Entretanto, essas pessoas demonstravam falhas em suas vidas. Por isso, Paulo orava para que o Espírito de Sabedoria e de Revelação iluminasse os corações daquelas pessoas para que verdadeiramente se regenerassem, pois apesar de serem seladas com o Santo Espírito da promessa, não compreendiam alguns fatos espirituais. O que ocorria em Éfeso, nos tempos do apóstolo, também acontece em nossos dias. Muitos ainda vivem como os da Igreja de Éfeso. Ainda seguem leis e doutrinas e desviam o foco Daquele que deve ser o único a ser honrado: Jesus Cristo. Paulo nos ensina que devemos dar graças sempre, reconhecendo a ação de Deus em nossas vidas em todos os momentos, assim como também faz o salmista.

Louvar-te-ei na grande congregação; entre muitíssimo povo te celebrarei. Salmos 35:18


domingo, 27 de agosto de 2017

Porque, se alguém cuida ser alguma coisa, não sendo nada, engana-se a si mesmo. Gálatas 6:3



A mensagem de Paulo aos gálatas trata da vaidade condenada por Deus. Contudo, Paulo não está falando aqui da vaidade sinônimo de cuidado com o corpo, com a vestimenta, ou com adereços, posto que não vimos na Bíblia nenhuma condenação de Deus ao fato de Seus filhos procurarem se embelezar e cuidar bem do templo onde o Espírito habita. Deus não condena esse tipo de vaidade, apesar de nos advertir que tudo isso passa e que não podemos colocar nosso coração em coisas passageiras. O que Deus condena é a vaidade que nos leva a menosprezar alguém ou a pensar que somos mais importantes ou mais santos do que os outros. Nesse sentido, vaidade refere-se a coisas vazias. E Paulo nos mostra que a própria vida se torna vaidade quando Jesus não é o seu fundamento. Nada tem mais valor do que Jesus e assim dinheiro, status, joias e aparências são vaidade, quando não são um fim em si mesmo e não um meio de glorificar a Deus. Ser vaidoso é não ter humildade. Jesus chamou o orgulho dos líderes religiosos de vaidade, por julgarem ser melhores do que os outros e o salmista afirmou

“O SENHOR conhece os pensamentos do homem, que são vaidade”. Salmos 94:11.




sábado, 26 de agosto de 2017

Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão. Gálatas 5:1



A palavra de Paulo aos gálatas nos convida a refletir sobre a tão aclamada liberdade. Precisamos entender que a liberdade cristã é diferente da liberdade proposta pelo mundo. E uma coisa é a liberdade que temos em Cristo e outra a maneira como a usamos. A liberdade cristã é o sentimento interno que temos na presença de Deus em nossas vidas, em todas as situações que vivemos e quando manifestamos esse sentimento diante dos homens usamos a liberdade que nos é dada de graça. É na comunhão com o Pai e com os irmãos que nos alegramos nesta liberdade certos de que estamos debaixo da graça e não da lei. Contudo, a mensagem do apóstolo Paulo é um alerta à escravidão religiosa que oferece salvação a preço dos méritos ou obras humanas. Precisamos ter claro que Cristo nos tornou livres do domínio de qualquer lei que um preço ou sacrifício para a salvação. O que existia Jesus já pagou por ela com Seu precioso sangue e nos tornou livres de graça. Portanto, se já obtemos a liberdade pelo sacrifício de Jesus na Cruz nada pode nos prender ao jugo da escravidão, por isso, se estivermos firmes na Palavra, podemos afirmar como salmista



E andarei em liberdade; pois busco os teus preceitos. Salmos 119:45




sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Mas, quando não conhecíeis a Deus, servíeis aos que por natureza não são deuses. Gálatas 4:8



Paulo registra em carta aos Gálatas uma clara reflexão sobre a questão do legalismo que assola a Igreja. O legalismo coloca as regras acima de Deus e das necessidades humanas e é o estilo de vida dos que acreditam que o cumprimento das regras torna as pessoas merecedoras do favor e da salvação eterna. Contudo, o legalismo é uma forma de escravidão e um pensamento que contraria a Bíblia e foi condenado por Jesus. Paulo nos diz que todos que estão debaixo dos rudimentos, são ainda meninos, e são tratados como infantis. Como crianças que ainda não têm conhecimento e sabedoria. Assim, Paulo pondera que aqueles que antes não conheciam a Deus e serviam aos que por natureza não são deuses; todavia, agora que já tiveram a oportunidade de conhecer a Deus e sendo conhecido por Ele, não podem outra vez retornar a esses rudimentos fracos e pobres. Jesus deixou claro que não é por nossas obras que somos salvos, mas unicamente pela graça, mediante a fé Nele. Que possamos sair da inércia que nos mantém meninos na fé e nos erguer com os olhos em Deus.

A ti, SENHOR, levanto a minha alma. Salmos 25:1



quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Mas nós, irmãos, somos filhos da promessa como Isaque. Gálatas 4:28


Paulo faz uma alusão à história do nascimento de Ismael e Isaque, conforme registrada no livro de Gênesis. Ele nos lembra que Deus prometeu a Abraão um herdeiro que sairia de suas entranhas, e também que a sua descendência seria tão numerosa quanto as estrelas do céu, apesar de sua esposa, Sara, ser estéril. O problema foi que Abraão, percebendo que estava ficando velho e que Sara continuava estéril, decidiu interferir nessa circunstância e forçar a vinda do filho prometido sem intervenção de Deus. Assim, ao gerar um filho com a escrava de sua mulher em vez de ter o "filho da promessa", teve um "filho da carne". Em vez que aguardar o filho de Sara, conforme Deus lhe disse, Abraão escolheu um atalho e mudou o curso da história. Mas nós podemos escolher que caminho seguir: o de Isaque ou de Ismael. Esperaremos pela promessa ou seguiremos a carne. O "filho da promessa" é nascido pela vontade de Deus e é gerado de forma sobrenatural e não segundo a carne.



Lembrou-se da sua aliança para sempre, da palavra que mandou a milhares de gerações. Salmos 105:8



quarta-feira, 23 de agosto de 2017

E, se sois de Cristo, então sois descendência de Abraão, e herdeiros conforme a promessa. Gálatas 3:29



Paulo nos diz que quando recebermos Jesus passamos a fazer parte de Seu Reino e conquistamos a posição de herdeiros segundo a promessa. Mas para herdarmos as promessas dadas aos filhos precisamos mudar a mentalidade de escravo. Precisamos nos reconhecer como filhos, lembrando-nos de que somente os filhos têm direito à herança, pois a Palavra de Deus é muito clara quando afirma que filho é somente aquele que foi gerado mediante a fé em Jesus. Aquele que confessa pelo batismo que Jesus Cristo é o Senhor toma parte na promessa. Promessa é o resultado da aliança firmada entre Deus e Abraão e o batismo é a nossa parte na aliança. Se aceitamos o sacrifício de Jesus e pela declaração de fé e batismos nos tornamos filhos e podemos afirmar que somos descendência de Abraão, certos de que Deus

Lembrou-se da sua aliança para sempre, da palavra que mandou a milhares de gerações. Salmos 105:8



terça-feira, 22 de agosto de 2017

Só quisera saber isto de vós: recebestes o Espírito pelas obras da lei ou pela pregação da fé? Sois vós tão insensatos que, tendo começado pelo Espírito, acabeis agora pela carne? Gálatas 3:2-3


Em carta aos Gálatas, Paulo fala sobre a insensatez desse povo, por não entender a diferença entre o recebimento do Espírito Santo, mediante o sacrifício de Jesus Cristo e o cumprimento da lei como (im)possibilidade de salvação. Conhecedor das Escrituras, ele apresenta o exemplo de justificação dado a Abraão, como consequência da sua fé nas promessas de Deus. Paulo usa esse argumento para mostrar na comparação com o exercício da fé, para deixar claro que o Espírito não é derramado pela prática da lei. Ao contrário, é a fé em Jesus que nos torna participantes da bênção de Deus prometida a Abraão e a mesma justificação concedida a ele. É a fé e não a lei que nos torna filhos de Deus, garante o apóstolo. A fé nos edifica e nos abre as portas das bênçãos, estabelecidas na promessa, enquanto a lei apenas regula o comportamento humano, controla a carne pela imposição, sem necessariamente chegar ao espírito. Os da fé e não da carne é que são filhos de Abraão e herdeiros da promessa.

E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra.
Gênesis 12:3


segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Não aniquilo a graça de Deus; porque, se a justiça provém da lei, segue-se que Cristo morreu debalde. Gálatas 2:21

Ninguém é capaz de entender o Cristianismo sem entender o significado de justificação. E essa palavra sintetiza a essência das pregações do apóstolo Paulo. No versículo em epígrafe, parte do texto no qual o apóstolo nos ensina a não poluir o princípio da graça, mostrando-nos que uma pessoa não pode ser salva pela graça e depois viver no pecado, cedendo aos impulsos carnais, com a justificativa de que está sob a graça. O apóstolo nos faz ponderar sobre o fato de que se o homem que está sob a graça também tem graça no coração e, portanto, não pode amar o pecado. Sabemos que aquele que é nascido pela graça não é perfeito, é passível de erros, contudo, odeia o erro e a si mesmo por errar, por isso se arrepende, e, assim, a graça de Deus que nele está não o deixará viver na prática do pecado. Paulo também nos faz ver que, assim como não podemos cair no erro de transformar a graça em desculpas para a libertinagem, também não podemos negar a graça como se não precisássemos dela para sermos salvos, pois a salvação não é mérito humano. Aqueles que assim agem tornam sem efeito o sacrifício de Jesus na Cruz e assumem que Cristo viveu e morreu por algo vão, se o próprio homem pode buscar e conquistar a sua salvação pelas obras.

Se forem destruídos os fundamentos, que poderá fazer o justo? Salmos 11:3

domingo, 20 de agosto de 2017

Mas, quando aprouve a Deus, que desde o ventre de minha mãe me separou, e me chamou pela sua graça, Gálatas 1:15


O mesmo Paulo que, antes de sua conversão, odiou e perseguiu os cristãos, com a mesma intensidade e determinação demonstrou seu amor a Jesus, e reconhece que sua vida e missão são propósitos do Senhor. Ele entendia que nada do que passou foi um acaso, ou mera opção sua, mas compreendia que Deus o havia escolhido e separado desde antes da criação do universo. Também nós não estamos neste mundo por acaso. Somos parte importante do plano do Criador e não podemos declinar esse desafio. Se fizermos uma analogia e nossa vida com a vida de Paulo, podemos considerar que fomos Saulo, com um passado tão corrompido quanto o perseguidor dos cristãos. Nossa vida antes de aceitarmos Jesus como nosso Senhor e Salvador é tão despropositada quanto a daquele que julgava estar cumprindo a Lei. Mas ao cairmos e olharmos para o alto, quando enxergamos a mão redentora Daquele que nos aceita como estamos, tornamo-nos como Paulo e podemos ter a consciência de que deixamos para trás nossa condição e para nos tornamos servos, certos de que fomos escolhidos desde o ventre como diz o profeta Jeremias 1:5
.
“Antes que Eu te formasse no ventre materno, eu te conheci, e antes que saísses da madre, te consagrei e te constituí profeta às nações“.


sábado, 19 de agosto de 2017

Porque nada podemos contra a verdade, senão pela verdade. 2 Coríntios 13:8



A Bíblia nos mostra que satanás é o “pai da mentira”, e o próprio Jesus eixa isso bem claro nas passagens de Sua experiência terrena. Então, lutar contra a mentira é lutar contra satanás e seus asseclas, contudo, precisamos entender que não temos o poder de vencer essa luta. O único capaz de lutar e vencer a guerra contra mentira, ou contra aquele que a usa como estratégia, é o próprio Jesus Cristo. Ele mesmo o declarou em João 16:33: “Eu venci o mundo”. No texto em epígrafe, o apóstolo Paulo nos ensina como podemos vencer essa luta. Primeiro, reconhecendo que essa batalha não é nossa e que nela não podemos usar nossas próprias estratégias ou armas. Estaremos nos enganando se pensarmos que combateremos a mentira e os mentirosos com nossas próprias forças. Paulo nos dá o caminho: só podemos vencer a mentira, com a Verdade. Verdade aqui deve ser registrada com maiúscula, pois trata-se do próprio Senhor Jesus em pessoa. Trata-se Daquele que disse “eu sou a verdade, o caminho e a vida...” (João 14:6). E porque Ele é o Caminho para nos garantir para sempre a Vida, é também a única e poderosa arma para vencer a mentira, o mundo e seu príncipe.

Desvia de mim o caminho da falsidade, e concede-me piedosamente a tua lei. Salmos 119:29