Traduza este blog

quinta-feira, 30 de junho de 2011



"Como diz o Espírito Santo: hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais os vossos corações." (Hebreus 3:7-8)




Amado(a), a tarefa do inimigo é destruir nossa alma, investindo contra o plano de salvação de Deus por meio do sacrifício de Jesus. E ele tem conseguido êxito com aqueles que têm seu coração endurecido, com quem se estriba em seu próprio entendimento e não ouve a voz do Senhor por intermédio de vários canais: pela Bíblia, pela exortação profética, por mensagens diversas que nos chegam a todo instante com o propósito de nos fazer refletir e retornar ao caminho verdadeiro indicado em João 14:6. Quem tem o coração endurecido não considera os próprios erros como oportunidade de reconstrução ou como aprendizado, antes reitera suas atitudes por orgulho, teimosia e rebeldia e assim deixa de receber o perdão de Deus, quando também não se perdoa. Mas o Senhor nos exorta a dar ouvidos à voz do Espírito e deixar de lado a insensatez. Quem um dia recebeu a palavra da salvação e decidiu deixar de lado o velho homem, tornando-se filho de Deus pela confirmação do batismo não pode voltar atrás e dar espaço ao inimigo.
Amado(a), você tem escolhas e é responsável por suas conseqüências. Quanto tempo precisa para deixar a escravidão e voltar a ser livre, se já sabe que pode tomar posse da promessa, ao escolher o caminho traçado pelo Criador?
Graça e Paz!

quarta-feira, 29 de junho de 2011



Agora já têm conhecido que tudo quanto me deste provém de ti; (João 17:7)



Amado(a), Deus tem lhe chamado a atenção para as bênçãos que coloca em sua vida todos os dias e você insiste em ignorar. Ele ouve os seus clamores, atende aos seus pedidos, mas você nunca se satisfaz e está sempre em busca daquilo que pensa ser o melhor, quando Deus já separou o melhor para você. Acontece que Deus nos surpreende e usa até mesmo a nossa insensatez para nos ensinar. Nem sempre conseguimos perceber nossos erros e não enxergamos as bênçãos de Deus em nossas vidas. Por vezes julgamos por bem o que é mal e não valorizamos o que nos foi dado. Por vezes não nos satisfazemos com o que é bom, porque julgamos que encontraremos algo melhor. Entretanto, esse melhor passa pelos nossos sonhos, não pelo crivo de Deus e isso nos faz não enxergar o que temos de melhor e a não reconhecer nossas bênçãos. Assim, perdemos a oportunidade de viver como filhos de Deus e não como jogadores que definem suas relações como quem aposta suas fichas no que lhe parece oportuno.
Amado(a), lembre-se de que você é responsável pelas suas escolhas e elas têm conseqüências que fatalmente definirão o rumo de sua vida.
Graça e Paz!

terça-feira, 28 de junho de 2011



"Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece”. (Filipenses 4:13)




Amado(a), é impressionante como a mensagem desse versículo é poderosa. Entretanto, ela não é um mantra a ser repetido. Ela é uma verdade a ser introjetada e vivida por aqueles que se fato se apoderam da Palavra. Ela é fonte de empoderamento para quem sabe onde colocar os seus olhos e onde firmar os seus pés. Não há nada impossível para Deus, assim como nada é impossível ao que crê. Deus pode todas as coisas e nós podemos tudo, se olharmos para Ele. Mas também é necessário assumirmos uma conduta de reverência e reconhecimento da soberania de Deus e de nossas limitações. Quando nos julgamos fortes, em geral, temos uma tendência a nos esquecer de quem nos fortalece e o perigo de nos distanciarmos da fonte é maior. E como todo ser vivo, quanto mais nos afastamos da seiva que vivifica, mais fracos nos tornamos. Daí para nos tornar um galho seco, sem vida e sem função ao ponto de sermos cortados é um passo.
Amado(a), assim como na parábola que Jesus nos ensinou, somos fortes quando estamos ligados na videira. Somos dependentes de Deus e Nele podemos todas as coisas. Até mesmo passar por lutas e adversidades com o espírito elevado e com o coração agradecido pelas tribulações que nos edificam. Faça um balanço de sua vida e verifique: você caiu todas as vezes em que se sentiu forte e que tomou suas decisões sozinho(a) sem contar com Aquele que é a fonte de toda força e sabedoria. Mas assim como se afastou desta seiva, sabe que somente retornando a ela pode voltar a ser vitorioso(a), assumindo como o apóstolo Paulo a razão dessa vitória.



Graça e Paz!

segunda-feira, 27 de junho de 2011



"O Senhor Deus disse: 'Não é bom que o homem esteja sozinho. Vou fazer-lhe uma auxiliar que lhe seja idônea'. (Gênesis 2: 18)




Amado(a), relacionamentos não são fáceis, mas são necessários na nossa vida e fazem parte do projeto de Deus para a humanidade. Deus nos criou para termos relacionamentos, com Ele e com outros seres humanos. Precisamos nos relacionar com o próximo, precisamos ter um relacionamento pessoal, mas, sobretudo, precisamos colocar Deus á frente de nossos relacionamentos. Quando não fazemos isso, agimos por impulso, com egoísmo ou insensatez. Relacionamentos exigem tempo e dedicação para se firmarem, mas, especialmente, exigem compromisso e persistência. Assim como exigem renúncia e adaptação. Nós somos seres imperfeitos, embora criados à imagem e semelhança de Deus. Somos falhos e temos nossa própria maneira de nos adaptar a uma situação ou a pessoas, por isso não podemos esperar que o outro reaja como nós reagiríamos.



Graça e Paz!

domingo, 26 de junho de 2011



Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu. (Eclesiastes 3:1)


Amado(a), quando pensamos em tempo, temos uma tendência a ficar presos nas definições relacionadas à espera, demora, algo que não chega ou não acontece, pelo menos no nosso intervalo. Entretanto as pessoas não param de chegar e as coisas não param de acontecer.
À luz da Bíblia nossas definições estão erradas. O nosso tempo não coincide com o tempo de Deus. Nossa noção de tempo nos deixa ansiosos. Temos pressa e ficamos triste com a demora. Isso porque nos falta-me sensibilidade para perceber que as coisas não param de acontecer e que Deus tem nos respondido, mas nossa ansiedade não nos deixa perceber quantas coisas boas Ele tem feito na nossa vida.
Essa falta de sensibilidade está relacionada com o nosso egoísmo, porque pensamos em nós, nos nossos planos e sonhos pessoas e nem sempre consideramos que outras pessoas estão envolvidas e que Deus também deve fazer parte destes planos. Isso faz com que fechemos nossos olhos para tudo ao nosso redor e os nossos ouvidos deixam de ouvir a voz s do Senhor que insiste em nos mostrar o que preparou para nós e a nos indicar o caminho e os passos a serem dados. Entretanto, em nossa cegueira e surdez deixamos que a oportunidade passe, rejeitamos o que está ao nosso alcance, esperando o que já veio e negligenciamos, ou tomamos posse de coisas erradas no tempo errado, porque não esperamos o tempo de Deus!
Amado(a) esperar no tempo de Deus significa ter uma atitude ativa e não passiva, por isso é preciso perceber que as coisas não param de acontecer: é Deus a agir a todo instante.
Precisamos esperar com uma postura diferente, uma postura confiante de que Deus, sabendo que Ele tem sempre o melhor para nós e permitirá que as coisas cheguem, entrem e aconteçam no momento certo nas nossas vidas, nem antes nem depois, no tempo certo.




Graça e Paz!

sábado, 25 de junho de 2011



Regozijai-vos sempre no Senhor; outra vez digo, regozijai-vos. (Filipenses 4:4)



Amado(a), o apóstolo Paulo nos exorta a sermos sempre gratos, mesmo na adversidade, mesmo quando nem tudo parece ser como esperávamos. Fomos criados para o louvor do Criador e fomos feitos à Sua imagem e semelhança. Entretanto, por desobediência e por dar ouvidos ao príncipe deste mundo não raras vezes desviamos o foco e nos perdemos em meio a inutilidades que apenas nos sugam a energia e nos tira o foco. Pior quando nos fazem sair do alvo. É preciso ter consciência de que fazemos parte do plano do Criador e nada nos acontece por acaso. Muitas vezes o que nos parece coincidência nada mais é do que a mão do Senhor agindo em nosso favor para nos abençoar ou para nos dar livramento. Aquela pessoa que aparece inesperadamente vem com um propósito, aquele atraso que nos irrita no primeiro momento pode se revelar providencial. Mas muitas vezes, também, quando não sabemos agradecer ou reconhecer a providência Divina, deixamos de honrar a Deus e a dar-Lhe o devido tributo quando o que nos acontece não é o que esperávamos.
Amado(a), Deus conhece todas as coisas e sabe o que é melhor para nós. Por que insistir em algo, se é reconhecer nosso erro ou nossa fraqueza é o caminho mais fácil para a nossa vitória? Há quem prefira perder a admitir que errou. Mas há também os que sabem que é a teimosia é o primeiro sinal do fracasso.

Graça e Paz!

sexta-feira, 24 de junho de 2011



Voltei-me, e vi debaixo do sol que não é dos ligeiros a carreira, nem dos fortes a batalha, nem tampouco dos sábios o pão, nem tampouco dos prudentes as riquezas, nem tampouco dos entendidos o favor, mas que o tempo e a oportunidade ocorrem a todos. (Eclesiastes 9:11)




Amado(a), o que você tem feito com as oportunidades que o SENHOR lhe tem dado? Você tem sido grato às pessoas que Deus tem colocado em seu caminho para lhe abençoar? Você tem usado os seus talentos para a obra de Deus, ou tem usado os recursos que Ele lhe deu para seu benefício próprio? Você tem vivido com mordomia ou tem pensado que tudo lhe pertence e que é merecedor até mesmo daquilo que não conquistou?
As respostas a essas perguntas lhe darão os parâmetros necessários para que faça um balanço de sua vida e descubra as razões por não ter alcançado as bênçãos que tanto pede ao Pai. Muitas vezes pedimos mal, porque pedimos de forma egoísta. Outras vezes pedimos prematuramente por algo para o qual não estamos preparados para receber. Outras vezes recebemos o que pedimos, mas não nos damos conta de que já fomos contemplados e outras desperdiçamos as bênçãos e as oportunidades que nos foram dadas.
Amado(a), não perca as suas bênçãos por negligência, por egoísmo ou teimosia. Mesmo que não mereça, saiba receber de Deus o que Ele preparou para você e não aja mais como um(a) tolo(a)
Graça e Paz!

quinta-feira, 23 de junho de 2011



“Os planos do diligente conduzem à abundância; mas todo precipitado apressa-se para a penúria.” (Provérbios 21:5)




Amado(a), a Bíblia diz que Deus planejou a nossa criação. Depois fez um plano para nossa salvação. Deus tem um plano em nossa vida, portanto planejar é algo que combina com os propósitos de Deus. Mas planejar segundo a vontade de Deus significa planejar cuidadosa e deliberadamente, não com pressa. E isso inclui submissão a Deus. A Bíblia diz em Tiago 4:13-16 “Eia agora, vós que dizeis: Hoje ou amanhã iremos a tal cidade, lá passaremos um ano, negociaremos e ganharemos. No entanto, não sabeis o que sucederá amanhã. Que é a vossa vida? Sois um vapor que aparece por um pouco, e logo se desvanece. Em lugar disso, devíeis dizer: Se o Senhor quiser, viveremos e faremos isto ou aquilo. Mas agora vos jactais das vossas presunções; toda jactância tal como esta é maligna.”
A Bíblia nos ensina que os homens sábios sempre planejam com antecedência. Em Lucas 14:28-31 lemos “Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se senta primeiro a calcular as despesas, para ver se tem com que a acabar? Para não acontecer que, depois de haver posto os alicerces, e não a podendo acabar, todos os que a virem comecem a zombar dele, dizendo: Este homem começou a edificar e não pode acabar. Ou qual é o rei que, indo entrar em guerra contra outro rei, não se senta primeiro a consultar se com dez mil pode sair ao encontro do que vem contra ele com vinte mil?”
Mas o sábio afirma que aqueles que agem precipitadamente acabam em privação. E essa privação pode ocorrer em várias áreas: financeira, profissional, sentimental...
Quem planeja e executa diligentemente os seus planos conseguem sucesso em suas metas, mas quem age apressadamente em geral se arrepende e não obtém êxito em suas atividades ou relações.
Amado(a), Deus tem um plano para a sua vida. E você tem agido conforme o plano de Deus? Lembre-se do que o Senhor nos diz em Jeremias 29:11-13 “Pois eu bem sei os planos que estou projetando para vós, diz o Senhor; planos de paz, e não de mal, para vos dar um futuro e uma esperança.” Você tem cooperado para que os planos de Deus se cumpram em sua vida, ou tem dado brechas para que o inimigo adie as suas bênçãos?



Graça e Paz!

quarta-feira, 22 de junho de 2011



Concilia-te depressa com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele, para que não aconteça que o adversário te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao oficial, e te encerrem na prisão. (Mateus 5:25)




Amado(a), o tempo para se reconciliar com Deus, com o irmão, com o amigo é agora. Amanhã é dia incerto. Ninguém sabe se virá, ou como virá. Se o seu irmão você tem algo contra você, procure-o. Não espere que ele dê o primeiro passo. Toda vez que adiamos um posicionamento que nos leve de volta ao caminho estamos correndo o risco de perder a última chance. A Bíblia diz que, enquanto não tentamos restabelecer a paz com o irmão, nossa comunhão com Deus ficará prejudicada. Fomos criados para viver em comunhão e se ela está corrompida podemos ficar até doentes ou morrer, devido ao ressentimento ou ódio que está no nosso coração: Mt 5:23-26 "Se, pois, ao trazeres ao altar a tua oferta, ali te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa perante o altar a tua oferta, vai primeiro reconciliar-te com teu irmão; e, então, voltando, faze a tua oferta. Entra em acordo sem demora com o teu adversário, enquanto estás com ele a caminho, para que o adversário não te entregue ao juiz, o juiz, ao oficial de justiça, e sejas recolhido à prisão. Em verdade te digo que não sairás dali, enquanto não pagares o último centavo.";
Observe, amado(a), que isso não é uma sugestão, mas uma ordem expressa. Um imperativo. De nada adianta fazermos planos para o amanhã, se hoje não colocamos nossa vida limpa diante do altar e isso implica analisar os nossos erros e nos dispor ao arrependimento e à busca do perdão, pois em tudo que fizermos seremos cobrados no juízo. Amanhã pode ser tarde. Pense nisto!



Graça e Paz!

terça-feira, 21 de junho de 2011



Ora, quem é que vos há de maltratar, se fordes zelosos do que é bom? Mas, ainda que venhais a sofrer por causa da justiça, bem-aventurados sois. Não vos amedronteis, portanto, com as suas ameaças, nem fiqueis alarmados; antes, santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós” (1 Pedro 3:13-15).




Amado(a), vemos na história do apóstolo Pedro que mesmo os mais dedicados servos de Deus erram, e precisam da compaixão e amor de Jesus. Mas a grande lição que tiramos disso é que somos passiveis de erro, mas não podemos permanecer errando. Pedro errou porque foi impulsivo, não resistiu a tentação da circunstância, enfrentou uma circunstância muito difícil. Errou principalmente porque não aproveitou as saídas que Deus lhe ofereceu. Precisamos saber que nunca é necessário pecar. Assim como Pedro, também nós passamos por provações, mas não precisamos pecar. Há alternativas para fugir do pecado: não entrar no lugar de tentação; confessar a sua fé abertamente; orar e pedir ajuda a Deus; procurar a ajuda de um irmão que está perto; uma vez que nos encontremos num ambiente mau, podemos sair. Pedro não escolheu nenhuma dessas alternativas, mas seu pecado, embora grave, não foi imperdoável. Ele recorreu à graça e à misericórdia do Senhor, a mesma fonte de amor e perdão que nos oferece esperança da vida eterna.
Amado(a), não precisamos errar como Pedro. Há muitas lições importantes no exemplo de Pedro e de outros personagens bíblicos, as quais podemos recorrer para evitar um sofrimento desnecessário.



Graça e Paz!

segunda-feira, 20 de junho de 2011



E Simão Pedro estava ali, e aquentava-se. Disseram-lhe, pois: Não és também tu um dos seus discípulos? Ele negou, e disse: Não sou. (João 18:25)




Amado(a), há pessoas que têm tudo para dar certo, mas vemos em seu percurso que fazem das oportunidades recebidas o oposto do que as levariam ao sucesso. Essas pessoas, mesmo sem merecimento próprio encontram quem lhes dê espaço, credibilidade, apoio, até mesmo honra, mas ao menor sinal de ascensão viram as costas a quem lhes deu suporte. Negam quem lhes abriu as portas, ignoram quem lhes apoiou quando sequer eram vistos. Mas a história mostra que, tendo tudo para dar certo essas pessoas que assim agem acabam se dando mal. Judas teve as mesmas oportunidades e escolheu virar as costas para o Mestre. Pedro também negou a quem seguiu. A diferença é que ele pode repensar sua negligência. Depois de negar Jesus pela terceira vez o galo cantou, cumprindo a profecia de Cristo e isso fez com que relembrasse as palavras de seu Senhor. Nem todos conseguem ouvir o cantar do galo (a consciência), quando negam aqueles que lhe estenderam a mão. Quando a consciência do pecador não o acusa, há algo muito errado. Se a consciência está cauterizada pelos costumes pecaminosos (1 Timóteo 4:2), a pessoa não reage como Pedro: toma uma posição e com verdadeiro arrependimento muda de postura. O que ocorre é um remorso tardio que não leva à mudança, mas apenas à imersão na consciência do próprio erro que corrói e deprime, mas não transforma. Judas não agiu como Pedro. Uma das coisas mais assustadoras na vida do servo de Deus é de poder pecar contra Deus sem sentir nada. A consciência inútil é sintoma de enfermidade ou até de morte espiritual.
Quando Pedro negou a Jesus pela terceira vez, o Senhor olhou para ele (Lucas 22:60-61). É isso que acontece: quando pecamos, Jesus olha para nós, também (Hebreus 4:13). Não podemos esconder nossos pecados do Senhor, ainda que o façamos diante de outras pessoas. Podemos até enganar a nós mesmos, achando alguma justificativa para os nossos próprios pecados, mas jamais esconderemos o nosso pecado de Deus. Ele vê tudo, e julgará a todos.
Quando Jesus olhou para Pedro ele viu a repreensão e a condenação por sua atitude pecaminosa porque Jesus não aprova o erro. Mas, com toda certeza Pedro enxergou também o amor de Jesus e seu desejo de reconciliar-se com ele e a vontade do Senhor de trazê-lo de volta à comunhão com ele. É assim que Ele age conosco. É assim que cristãos verdadeiros também agem: desaprovam o erro, mas abrem espaço para a reconciliação originada no verdadeiro arrependimento.
Amado(a), se persistirmos no pecado, precisamos sentir a repreensão e até a rejeição. Mas o pecador arrependido encontra na pessoa de Jesus a vontade de perdoar e reconciliar-se. Jesus nos ama, e quer nos salvar eternamente. É essencial enxergar a compaixão e amor no olhar dele. Graça e Paz!

domingo, 19 de junho de 2011



Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não peca; mas o que de Deus é gerado conserva-se a si mesmo, e o maligno não lhe toca. (I João 5:18)




Amado(a), desde o início da criação, satanás tem como missão tentar substituir o lugar de Deus na vida das pessoas. Ele era um dos anjos de Deus, um dos mais belos e líder do louvor. Mas seu coração se encheu de inveja e, pelo seu pecado foi expulso juntamente com outros anjos que o seguiram. Desde a sua queda ele passou a ser o príncipe das potestades do ar (Ef 2:2), e governador de um mundo de trevas (Cl 1:13; Lc 22:53). Sabemos que ele não tem domínio absoluto no mundo que é seu território, pois o único que está realmente no controle de tudo é Deus, mas por ter usurpado esse território criado para a humanidade, ele governa o coração dos homens que se mantêm alienados de Deus. O engano é a sua principal tática de guerra, em relação aos crentes e aos incrédulos. Eis por que precisamos nos fortalecer no Senhor, entendendo que estamos em uma batalha contra inimigos que não são de carne e sangue. Precisamos saber que estes inimigos jogam sujo e não desistem facilmente. Por isso muitas vezes coloca seus servos até mesmo dentro das igrejas para induzir ao erro aquele que está em busca do caminho certo. Ele pode cegar os incrédulos e fazer com que o óbvio pareça improvável. Faz com o que o errado pareça certo, porque sua maior estratégia é iludir os homens. Quantos estavam no caminho do Senhor e se desviaram porque acreditaram em uma ilusão. A palavra semeada tantas vezes é roubada e deturpada e quem tenta mostrar a verdade muitas vezes é mal visto e interpretado.
Amado(a), não podemos nos esquecer jamais que a nossa guerra já está ganha pelo sacrifício de Jesus, mas não podemos subestimar o inimigo, dando-lhe brechas para agir em nossas vidas. Orar e vigiar sempre é a orientação bíblica. Resistir ao diabo para que ele fuja de nós é a grande estratégia.



Graça e Paz!

sábado, 18 de junho de 2011



Ao que te ferir numa face, oferece-lhe também a outra; e ao que te houver tirado a capa, nem a túnica recuses; (Lucas 6:29)




Amado(a), nós somos responsáveis pelas nossas escolhas. Certas ou erradas, elas são as sementes que darão frutos e o seu sabor é a conseqüência do que plantamos. Se escolhemos amar, ainda que num ambiente hostil, certamente essa escolha refletirá positivamente em nossas relações. Mas se nossa escolha for tratar com indiferença ou hostilidade quem nos acolhe nos momentos em que o mundo nos rejeita, com toda certeza encontraremos quem nos retribua da mesma forma. Há um dito popular que afirma: “quem semeia vento colhe tempestades”. Somos nós quem decidimos o que fazer com o que nos fazem. A Bíblia ensina a dar a outra face, a perdoar o ofensor. Quem libera perdão fica livre, mas quem escolhe reter a mágoa escolhe ser escravo de que o magoou.Amado(a), qual é a sua escolha?

sexta-feira, 17 de junho de 2011




“Considerai, pois, atentamente, aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossa alma.” (Hebreus 12:3)





Amado(a), a exortação é para que deixemos de lado os temores diante das circunstâncias e olhemos para Aquele que nos garantiu a vitória. Jesus não nos prometeu dias tranqüilos, enquanto estivermos no mundo, mas nos deu a absoluta confiança na vitória. Nosso adversário, incansável e persistente em sua luta com o propósito de nos fazer desistir, assim como tentou fazer com Jesus, lança sobre nós a tentação. Muitos, ao contrário do Senhor que resistiu usando a Palavra de Deus em contra argumento às provocações diabólicas, deixam-se levar pela dúvida. A dúvida vem do desconhecimento ou da não apropriação da Palavra. Quem não se fortalece nela deixa espaço para que a argumentação contrária se firme em seu espírito. Os espiritualmente pobres não atingem os seus plenos potenciais, acabam buscando em outras fontes o que almejam e são alvos das armadilhas do inimigo. Muitos não são bem-sucedidos, porque são pessoas que trabalham e pensam num plano superficial da vida, baseadas somente no que veem. Outros aparentemente são vitoriosos, mas como suas conquistas não vêm da fonte Divina acabam se frustrando em permanente vazio. O que a maioria das pessoas nunca percebe é que o reino físico é apenas o resultado do invisível, que as coisas materiais vêm das coisas espirituais. Há os ricos de bens e pobres de espírito, como há os que aparentemente nada têm, mas são providos pelo Senhor porque na Sua Palavra são edificados.Amado(a), Jesus nos deu o exemplo. Ele suportou as investidas do inimigo e nos garantiu a vitória. Por que continuar aceitando os blefes de satanás? Você é livre e vencedor(a) por natureza. Tome posse disso e aja como tal!




Graça e Paz!

quinta-feira, 16 de junho de 2011




“De onde vêm as guerras e contendas que há entre vós? Não vêm dos desejos que guerreiam nos vossos membros? 2 Vocês cobiçam (desejam) coisas, e não as têm; matam e invejam, mas não conseguem obter o que desejam. Vocês vivem a lutar e a fazer guerras” (Tiago 4.1-2 )




Amado(a), quando falamos em guerra, pensamos sempre em um exército bem armado de um lado e de outro o adversário também organizado com soldados e estrategistas capazes de derrotar ou de fazer temer o lado oponente. Pensamos em guerra no seu sentido bélico, entretanto, a guerra é um sentimento de conflito que habita o coração e pode estar presente nos lares aparentemente tranqüilos, nas pessoas desarmadas. Ela se configura na própria luta interna que nos faz escolher um caminho diferente do que Deus planejou para nós. Ela é a briga desencadeada pelo sentimento de paz e harmonia que o Senhor desenhou para seus filhos na comunhão dos santos e a proposta do mundo que sutilmente provoca a dúvida. Há quem pense que a felicidade está em ter, está no consumismo e no poder em todas as áreas e isso provoca a instabilidade que tira a paz. A ausência da paz também pode ser entendida como guerra. É a guerra silenciosa que corrói o espírito e nos arma para o desentendimento entre nossos pares, nossos líderes, nossos irmãos. A guerra sutil que inicia na família, onde aparentemente nos sentimos protegidos, mas, por estratégia do inimigo, caímos nas ciladas criadas para nos desestabilizar, porque a família é a célula da sociedade.
Amado(a), nenhuma guerra começa na explosão das armas, ela começa no silêncio do nosso coração, nas estratégias do nosso pensamento e nos encaminha para a destruição. Essa guerra pode ser na nossa personalidade, nos nossos relacionamentos de trabalho, na família ou na sociedade. Mas todas as suas manifestações levam a um mesmo objetivo: desestabilizar a ação de Deus em nossas vidas e desmontar o plano salvífico. Contudo, precisamos saber que se nosso General é Cristo, a guerra já está ganha. Precisamos, portanto, assumir a posição de vencedores e começar vencendo a batalha no nosso espírito. O inimigo já está derrotado e sua estratégia é blefe, que só se impõe àqueles que não sabem a força que lhes foi conferida no Calvário.



Graça e Paz!

quarta-feira, 15 de junho de 2011



“Quem vencer, herdará todas as coisas; e eu serei seu Deus, e ele será meu filho”. (Apocalipse 21:7)




Amado(a), quantas vezes insistimos em fazer coisas que as quais já sabemos que não nos conduzirão a um bom caminho. Somos avisados pelos pais, pelos professores, pelos amigos, pelos pastores, pelos irmãos, ou até por pessoas que mal nos conhecem. A palavra de Deus chega a nós como “carapuça cortada” e ainda assim não ponderamos sobre os efeitos de desobedecer, ou de seguir nosso próprio entendimento. A vida não é jogo, mas podemos usar a metáfora da partida de futebol para entendermos esse processo. Temos um tempo “de jogo”, eventualmente podemos ter um tempo de prorrogação, mas o certo é que também esse tempo acaba. E é no tempo regulamentar que temos que fazer a nossa parte e nos esforçar para vencer. As “faltas” são sempre vistas pelo Juiz e não há como disfarçar os erros. Mas diferentemente de uma partida, o nosso Juiz está olhando individualmente para cada “jogador”.
Nesse jogo vence quem dribla o adversário, quem não se deixa enganar, e o nosso troféu é individual, não da equipe. Portanto, ainda que precisemos estar “em uma boa equipe”, de nada adianta estampar essa bandeira. Cada um é responsável pelo seu resultado final.






Graça e Paz!

terça-feira, 14 de junho de 2011



O Amor é o Dom Supremo. E Eu passo a mostrar-vos agora um caminho sobremodo excelente. (Coríntios 13)


Amado(a), vale repetir que Deus é amor. Amor não é sentimento, mas escolha e não há caminho melhor do que escolher o amor. Muitas nos iludimos e nos desencantamos porque esperamos pelo amor do mundo que nunca nos preenche. Muitas vezes pedimos a Deus que nos mostre o amor e não percebemos que ele sempre esteve ali. Acontece que nem sempre ele é a nossa opção e seguimos buscando as ilusões e ou a amor que idealizamos, enquanto o amor que nos foi dado pela graça passa despercebido. Há um ditado que diz “um cavalo encilhado não passa por nós duas vezes”. A sabedoria popular afirma ser tolo quem não aproveita essa ocasião. Entretanto, a Bíblia nos mostra que Deus nos dá diversas oportunidades e nós, tolamente, as ignoramos. Se não somos capazes de ver o cavalo encilhado quando passa por nós, também não percebemos quando ele volta, porque não compreendemos que as oportunidades de Deus se renovam e o Seu amor jamais acaba. Quem não compreende esse caminho sobremodo excelente também não entende a forma como ele se apresenta. Amor que vem de Deus não se esgota, mas se renova a cada dia, como uma nova oportunidade.






Graça e Paz!

segunda-feira, 13 de junho de 2011



"A Palavra de Deus é viva e eficaz, mais penetrante que espada alguma de dois gumes e penetra até ao mais fundo da alma, do espírito e da medula, sendo apta para discernir os pensamentos e as intenções do coração..." (Hebreus 4:12)




Amado(a), o bombardeio de informações e até mesmo o acúmulo de atividades muitas vezes nos impede de dedicar um tempo à leitura da palavra e vamos dando espaço a tantas outras coisas que as heresias e teorias inconsistentes acabam por entranhar em nosso cotidiano de tal forma que muitos passam a crer no que antes seria questionado. Eis porque devemos sempre ler e ouvir a palavra de Deus, ainda que inicialmente pareça que não há entendimento. A palavra penetra e, como uma semente, a seu tempo germina. É através da alma que sentimos, compreendemos e temos que assimilar todas as coisas deste mundo.
Amado(a) Muitas vezes a ocasião, as circunstâncias nos contagiam e aí há o grande perigo de nos deixarmos determinar pelos sentimentos e pelas emoções, e é nessa área que o inimigo mais nos tenta. Ele perturba nossa visão espiritual e desvia nossa atenção. Assim, com facilidade o inimigo manipula sentimentos e emoções, fazendo você crer que é o Senhor lhe mostrando alguma coisa, que é o Senhor tentando lhe dizer algo. Mas quando a palavra está firme ela age a seu tempo como um antídoto e impedirá que seja confundido(a), por ela é viva e eficaz.



Graça e Paz!

domingo, 12 de junho de 2011



“As muitas águas não poderiam apagar esse amor, nem os rios, afogá-lo…”(Cantares 8:7)




Amado(a), o amor que vem do Senhor jamais acaba, diferentemente do amor que o mundo apregoa: infinito enquanto dure. Há um pensamento equivocado e difundido no mundo: o amor não é um sentimento. É uma escolha madura e consciente que exige aceitação. Uma escritora afirmou “Porque eu fazia do amor um cálculo matemático errado: pensava que, somando as compreensões, eu amava. Não sabia que, somando as incompreensões é que se ama verdadeiramente.” De alguma forma essa concepção se aproxima da essência do amor bíblico, pois não se ama por causa de, mas apesar de. O amor em si não muda, mas paradoxalemente não é estático. O que mudam são as pessoas e as suas maneiras de enxergar as coisas em dado momento. “” que acaba são algumas de nossas expectativas e desejos, que são substituídos por outros no decorrer da vida”, assegura outra escritora. Em geral, o amor costuma ser amoldado à nossa carência de envolvimento afetivo,

O amor se mantém o mesmo apenas para aqueles que se mantém os mesmos. O amor não acaba. a paixão sim. Amor é aquilo que mantemos vivo, às vezes como centro das atenções, às vezes no fundo do baú, mas que nunca tiramos de nossas vidas. Hoje, quando o mundo comemora o dia dos namorados, nós, cristão, comemoramos o dia do amor que vem de Deus, que traz na união o caráter de Cristo, por isso não muda, mas se transforma para melhor à medida que o casal amadurece.



Graça e Paz!

sábado, 11 de junho de 2011



“Pois o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, que é o seu corpo, do qual ele é o Salvador.”(Efésios 5:23)

Amado(a), muitos casamentos não dão certo porque não seguem o padrão bíblico. Às vezes o marido negligencia seu papel de sacerdote do lar e deixa com a mulher as responsabilidades que lhe caberiam. Às vezes a mulher toma o espaço que cabe ao esposo e tira dele a posição de cabeça do lar. Quantos maridos se veem desonrados pelas atitudes de suas esposas que acabam seguindo o padrão do mundo porque essa tem sido a ideia propagada pela mídia e aceita por muitas famílias: a mulher precisa ocupar seu espaço. Essa ideia nega os princípios bíblicos. Segundo a Bíblia, para a mulher, ocupar o seu espaço não significa tomar o lugar masculino, mas dar honras a seu marido e merecer dele o amor devido. Quando os dois seguem os princípios de Deus, a submissão não representa posição de inferioridade, nem de subserviência, mas uma atitude voluntária de colaboração e sinal de amor e respeito. Amor no padrão divino, não no padrão mundano que submete as pessoas de tal forma a tirar-lhes a dignidade. Quem ama no padrão de Deus jamais desonra o seu cônjuge, jamais permite que ele seja humilhado, ou desprezado. Deus criou o homem para dividir sua vida com uma companheira, que lhe seja auxiliadora e para que isso ocorra é necessário que o amor seja construído a cada instante em que cada um exerça o seu papel segundo a vontade de Deus.



Graça e Paz!

sexta-feira, 10 de junho de 2011


Então o SENHOR Deus declarou: “Não é bom que o homem esteja só; farei para ele alguém que o auxilie e lhe corresponda”.(Gênesis 2:18)


Amado(a), para vivermos plenamente o amor, na concepção divina, devemos entender que Deus estabeleceu o casamento como uma instituição basilar da sociedade, para por fim à solidão humana. Entretanto, muitos casais permanecem solitários porque não compreendem a expressão desse amor e assumem o compromisso do casamento com a visão do mundo: consumista e descomprometida. Na visão de Deus, o amor não é um sentimento, mas uma escolha consciente e responsável. Há um ditado popular que diz: “quem pensa não casa e quem casa não pensa”. Essa expressão bem demonstra por que muitos casais se formam na intempestividade e se desfazem do mesmo modo. O casamento duradouro é resultante da dinâmica do amor divino por isso é solidificado: “Nós amamos porque ele nos amou primeiro”. (I João 4:19) Não existe possibilidade de um relacionamento de qualidade começar com o nosso amor. O amor começa com Deus, pois, mesmo quando há amor em nós, é somente porque Ele nos amou primeiro. É Deus quem ama primeiro. Quem firma seus relacionamentos fora dos princípios de Deus dificilmente encontrará a harmonia, ou a tão esperada felicidade. Quem espera um sentimento duradouro nas uniões fora do amor de Deus geralmente se frustra e o resultado é a decepção que contamina as relações, ou a separação que fere e machuca.
Amado(a), se você ainda não percebeu que não há sentimento duradouro sem que se respeite os princípios divinos, está na hora de agir racionalmente e deixar as emoções de lado para viver seu relacionamento de forma madura. O sucesso do relacionamento começa com a nossa escolha, pois o casamento nos padrões de Deus é construído, não é um passe de mágica. E isso pressupõe posicionamento, resignação, adaptação ao outro, sem perder os próprios valores e princípios. Quando dois se juntam, tornam-se um. Eis por que o jugo desigual impede as bênçãos de Deus e é motivo de luta interior constante.

Graça e Paz!

quinta-feira, 9 de junho de 2011




“Quem se ama a si mesmo, perde-se; quem se despreza a si mesmo neste mundo, assegura para si a vida eterna”. (João 12:25).





Amado(a), Deus é amor. É a legítima e sincera expressão do amor. E, na relação com a humanidade, não apenas fala de amor, mas vive o amor plenamente. Eis porque essa relação é doação. Eis porque tem sido misericordioso vivendo nossas dores e aceitando nossas fraquezas e limitações. É essa forma de amor, pouco compreendida entre os homens, que o Senhor espera que vivamos enquanto estivermos na Terra. Entretanto, o amor anunciado pelo mundo tem trazido tantas confusões e não é capaz de satisfazer os vazios daqueles que anseiam pelo amor anunciado. O amor na concepção divina sim! Quem ama com amor do mundo, ama a si mesmo e não consegue sair de si para se dar ao outro. Ama esperando receber e assim não é capaz de se dar, ao ponto de compreender que amando, como Jesus nos amou, assegura a eternidade. Até mesmo amor, enquanto está na Terra. Mas aquele que ama porque o outro o completa, porque o outro lhes faz bem e deixa de amar porque o outro já não mais supre suas carências, ou não corresponde mais à sua idealização de amor, certamente, não consegue sair de si mesmo e jamais conseguirá alcançar o outro. Tampouco entender o amor de Deus. Essas pessoas perdem a oportunidade de encontrar o amor que vem de Deus, porque seus olhos não enxergam além de si. E, na verdade, não amam nem mesmo a si mesmos. O que mundo chama de altruísta é aquele que se desprende de si para encontrar o outro. Mas é interessante observar que esse consegue expressar o amor por si mesmo de forma completa, porque, ao amar o outro, aceitando-o como é, consegue trazer de volta o amor a si, consegue assegurar para si a vida eterna.
Amado(a), qual tem sido a sua concepção de amor?
Graça e Paz!

quarta-feira, 8 de junho de 2011




“Aquele que não ama não conhece a Deus, pois Deus é amor (...) E nós conhecemos e cremos no amor que Deus tem por nós. Deus é amor”.



Amado(a), a palavra amor tem feito parte de nosso dia-a-dia. É um termo bastante comum e até mesmo banalizado. Nosso cotidiano é permeado de músicas que falem de amor, de filmes ou livros que têm como tema o amor. No entanto, nem sempre a acepção de amor contemplada é a dimensão do amor de Deus. O conceito de amor que nos remete a Deus é totalmente diferente. O apóstolo João deixa isso claro nos versículos em epígrafe. Ele mesmo pode testemunhar isso porque foi tratado nos evangelhos como um discípulo amado por Deus e conhecido como o discípulo do amor, por isso esse assunto está sempre presente em seus textos. Deus: Deus é amor e, por ser amor, naturalmente Ele se expressa amando. O conceito do amor divino por nós é tão forte que a Bíblia usa nas suas línguas originais, o hebraico e o grego, mais de dez palavras para descrever alguma faceta ou aspecto do amor, sempre relacionadas a Deus. Deus nos ama como alguém que tem amizade. Em Isaías 41:8, vemos:”Mas tu, ó Israel, servo meu, tu, Jacó, a quem elegi, descendente de Abraão, meu amigo. A palavra “amigo” da maneira como aparece nesse versículo é uma forma verbal de um dos verbos que significavam amar na língua hebraica. Isso significa que Deus se relaciona com o ser humano com um amor de amigo, sendo confidente. Deus também se expressa no Seu amor como alguém que se apaixona. Eis porque em Deuteronômio 10:15, está escrito: “No entanto o SENHOR se afeiçoou aos seus antepassados e os amou...” Deus também expressa Seu amor estabelecendo um pacto, como lemos em Jeremias 31:3: “Eu a amei com amor eterno; com amor leal a atraí”. Vemos que o amor de Deus é um amor leal, de alguém que cumpre os compromissos assumidos, assim como num casamento.
Amado(a) quem conhece Deus, verdadeiramente, ama com amor de Deus: com amizade, com paixão sincera e com lealdade.
Graça e Paz!

terça-feira, 7 de junho de 2011

Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. (I Coríntios 13: 7)


Amado(a), o apóstolo Paulo está nos falando de uma grande característica do amor: a abnegação. E sua própria experiência nos mostra que ele mesmo foi alvo da misericórdia de Deus em 1 Timóteo 1:13 Paulo diz: “A mim que noutro tempo era blasfemo e perseguidor e insolente. Mas obtive misericórdia, pois o fiz na ignorância, na incredulidade”. Paulo explica aqui como obteve misericórdia. Muitos de nós recebemos essa dádiva, proveniente dessa característica do amor de Deus e nela devemos nos espelhar. Quem ama com amor de Deus compreende o sofrimento, sem se fazer de vítima ou sem esmorecer no caminho. Toda a obra de Deus na graça foi planejada de acordo com Sua misericórdia em amor. Sua graça é dirigida por Sua misericórdia, e Sua misericórdia é dirigida por Seu amor e pelo Seu imenso amor fomos feitos Seus filhos, por meio do sofrimento na Cruz. Pedro 1:3 diz: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo que, segundo a sua muita misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança mediante a ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos”.
Amado(a), o padrão de amor do mundo nos tem ensinado justamente o contrário: ama-se quando está tudo bem, mas quando há crise o amor acaba. Essa não é a orientação do Senhor.
Observe como você tem agido com relação a isso e verifique se tem amado segundo esse padrão. Jesus nos deu o maior exemplo e como cristãos devemos pensar nessa forma de amor e rejeitar o padrão mundano.

Graça e Paz!

segunda-feira, 6 de junho de 2011




Pois não deixarás a minha alma no inferno, nem permitirás que o teu Santo veja corrupção.(Salmos 16:10)



Amado(a), o salmista sabe que pode confiar em Deus nos momentos difíceis e também reconhece que o Senhor nos livra de todo mal, quando colocamos Nele nossa confiança, por isso afirma nos Salmos 31:8 “E não me entregaste nas mãos do inimigo; puseste os meus pés num lugar espaçoso”.
É impossível passar por essa sem problemas, mas a questão está em como passar pelos problemas sem que ele nos dominem. Sábio é, quem aprende com os erros e ao cair não fica prostrado, mas reage positivamente tirando dos problemas uma lição de vida. Como diria a sabedoria popular “quem faz do limão uma limonada”. A Bíblia nos mostra de Gênesis a Apocalipse que o fato de sermos feitos filhos de Deus não nos livra do mal, por isso Tiago 1:12 afirma “Bem-aventurado o homem que suporta a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam”. Por isso está registrado em Apocalipse 3:11 “Eis que venho sem demora; guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa”. Em Apocalipse 2:10 “Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida”.
Para isso, o cristão precisa aprender a enfrentar seus problemas, fazendo deles uma forma de edificação, assim como Davi, ao enfrentar seus problemas, devemos acreditar que ela possa ser resolvido, mas não com nossas próprias forças. Davi buscou a Deus – jejuou e se prostrou, pois acreditava que a oração podia reverter a palavra profética. Ele acreditava na bondade e na misericórdia do Senhor, e sabia que Deus podia reverter o processo. Deus pode resolver qualquer problema, amado(a), mesmo os que nos parecem impossíveis!
Se sentir necessidade, chore. Davi jejuou e chorou, ele mostrou que era humano e que dependia de Deus– o choro traz alívio e calma.
Não se entregue , não deixe de lutar e persistir enquanto houver esperança. Quem desiste no meio do caminho jamais será vencedor
Davi se levantou da terra e viu que precisava mudar. Ele não ficou prostrado, se lamentando, ou repetindo os mesmos erros. Davi aceitou a correção do Senhor e mudou para melhor.
A Bíblia diz que Davi se levantou e se lavou. Isso significa que ele – tirou tudo que estava grudado nele que não conseguiu vencer. Precisamos nos purificar das coisas que nos contaminam e assim como Davi nos ungir para nos consagrar ao Senhor. Davi mudou seus vestidos. Isso significa que ele mudou seu estilo de vida e se fortaleceu, sabendo que teria muitos embates pela frente. Ele compreendeu seus limites e lutou até onde pode lutar, com coragem para romper com situações anteriores. O mais importante, Davi não se afastou da Casa do Senhor. Ele foi ao lugar certo e adorou – não murmurou, não blasfemou. Ao se submeter à soberania de Deus, mostrou que era um vencedor. Ele não ficou abalado emocionalmente e mesmo sofrendo consolou o outro que não pensou como ele.
Amado(a), se a vida está lhe mostrando problemas, mostre que você pode mais. Seja corajoso(a) e tente outra vez.

domingo, 5 de junho de 2011



"Conjuro-te, perante Deus e Cristo Jesus, que há de julgar vivos e mortos, pela sua manifestação e pelo seu reino: prega a palavra, insta, quer oportuno, quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longaminidade e doutrina. Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas.". (2º Timóteo 04:01,04).




Amado(a), o apóstolo está nos chamando a atenção para algo que tem sido negligenciado entre os cristãos: pregar a palavra! E isso muitas vezes implica corrigir, chamar de volta quem se desvia do caminho, repreender quem se deixa envolver por doutrinas estranhas, ou por pessoas que entram na vida do cristão apenas para corromper seus passos. Infelizmente, até mesmo dentro das igrejas pessoas são usadas pelo inimigo para afastar o eleito do Senhor. A Bíblia diz que alguns não suportarão a doutrina do Senhor e se desviarão, porque preferem dar ouvidos a quem não testemunha uma vida cristã e se deixam enganar. Essas pessoas, quando exortadas, recusam-se a dar ouvidos à verdade e preferem acreditar em ilusões. Mas tão logo se dispersam, provarão as conseqüências de sua rebeldia, sentirão na pele e no espírito o que é se afastar de Deus. Eis porque o apóstolo insiste em dizer que devemos chamar à razão aqueles que assim procedem. O inimigo não desiste e enquanto não retira da Casa de Deus aquele que fez a opção de servir ao Senhor, continua insistindo, ainda que não mude de tática.
Amado(a), fique atento! O diabo não muda, ele persiste sempre. Resta a você fazer o que a Bíblia ensina: resisti ao diabo e ele fugirá de vós.



Graça e Paz!

sábado, 4 de junho de 2011




Tu és formosa, amiga minha, em ti não há mácula. (Cantares 4:7)


Amado(a), veja quão bonita é essa expressão de Salomão para sua amada. O rei, conhecido por ter tido vária mulheres, reconhece na pureza um valor substancial e elogia a noiva por essa característica. Mas hoje, podemos observar uma inversão de valores na visão do mundo, que ignora os preceitos de Deus na relação amorosa. O sexo, cada vez mais banalizado, o casamento, cada vez mais deturpado, a amizade cada vez menos considerada em qualquer relação. O mundo vive uma degradação e considera “natural”, direito de escolha, liberdade de usar o corpo, etc. Nas relações, sejam elas entre companheiros de trabalho, homem e mulher, amigos ou irmãos o que tem sido aclamado é o interesse: juntos enquanto convém. Os sentimentos podem até mudar, as necessidades também, mas o amor não pode ser banalizado. É isso que a Bíblia ensina em todo o tempo. A promiscuidade nas relações é incentivada em todo momento, em todas as esferas, na política, na mídia, na própria família. Os cristãos autênticos, veem estarrecidos o mundo dedicar um dia com festas e notícias à prostituição, “a profissão mais antiga do mundo”. Dois de junho é o dia Internacional das Prostitutas. Quantas famílias têm se degradado por essas profissionais? Quantos casamentos ou relações que poderiam ser edificadas foram transformados por conta da promiscuidade? O que parece ser um inocente direito de usar o corpo, ou uma profissão como outra qualquer é, segundo a Bíblia, a mancha que corrói o espírito. Deus em seu imenso amor, enviou Jesus para nos limpar com seu sangue de toda mácula. Por isso, amado, mesmo as manchas do passado podem ser limpas pelo sangue purificador de Cristo. O que não podemos é permitir que o mundo nos convença de que não há mal em exercer a liberdade de usar o corpo, conforme nos convém. Como é feliz o homem que pode afirmar à sua amada, o mesmo que Salomão, porque sabe que escolheu amar alguém que se deixou purificar pelo precioso sangue de Jesus, por isso não há mais mácula alguma.



Graça e Paz!

sexta-feira, 3 de junho de 2011



“E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado em nosso coração pelo Espírito Santo que nos foi dado.”. (Romanos 5:5).




Amado(a), Paulo nos fala do amor de Deus, derramado em nosso coração pelo Seu Espírito, por isso temos esperança naquilo que acreditamos e, sobretudo, certeza. E esse deve ser o nosso modelo de amor. O amor do mundo é instável, inconseqüente, pendular. Deus nos dá o modelo de amor: sincero, duradouro e puro. Nesse modelo, eu escolho amar. Diferentemente do amor apregoado pelo mundo, em que as pessoas acreditam ser alvos de um “cupido”, ser capturadas pelo amor. Amor sincero e duradouro, amor verdadeiro é aquele em que há uma escolha. Eu escolho, portanto, determino que vou amar. E isso independe das circunstâncias. Eu não amo por causa de. Mas amo, apesar de. Todos nós somos limitados e imperfeitos e Deus nos amou assim mesmo. Fez uma escolha e não poupou Seu Filho por esse amor. Quando amamos na perspectiva de Deus, também fazemos essa escolha: amar o que o mundo despreza. Aceitar as limitações, fraquezas e imperfeições do outro. Quando “amamos” na perspectiva do mundo, nosso objeto de amor tem prazo de validade, que se esgota na medida em que se vai nosso encantamento inicial ao percebermos as imperfeições do outro. O amor de Deus é incondicional, por isso também é fiel, mas o amor do mundo é inconstante e baseado na utopia da falsa complementaridade “eu te amo porque você me completa e me faz feliz”. Esse amor traz confusão porque não se sustenta.
Amado(a) você pode dizer que tem o amor de Deus como modelo?a
Graça e Paz!

quinta-feira, 2 de junho de 2011



Aquele que ama a seu irmão permanece na luz, e nele não há tropeço.(I João 1:10)






Amado(a), a Bíblia, em várias passagens nos fala do amor, do respeito, da necessária gratidão que devemos ter pelos que nos acolhem. Fala também da importância da submissão à palavra de Deus e da necessidade de estarmos em família. Em suma, a Bíblia evidencia que os seres humanos foram criados, em suas limitações, para conviver com o próximo e depender de Deus.
Entretanto, aqueles que se recusam a compreender esse sentido da vida também sofrem as conseqüências de sua rebeldia, quando se isolam, quando não admitem suas fraquezas, quando não sabem viver em harmonia com o irmão, com a família, e, sobretudo, quando não colocam o Senhor á frente de suas decisões, conquistas e metas.
Graça e Paz!

quarta-feira, 1 de junho de 2011



Vigiai, estai firmes na fé; portai-vos varonilmente, e fortalecei-vos.
(1 Coríntios 16:13)

Amado(a), a palavra do Senhor para hoje é de esperança para os que se mantêm firmes na fé. Ele está no controle e conhece as necessidades de Seus filhos. Mas é preciso vigiar, como aconselha o apóstolo Paulo, pois o diabo não desiste fácil daqueles que se convertem ao Senhor Jesus. E quanto mais ele percebe que estamos no caminho, mais ele procura nos desviar. Entretanto, quem conhece a palavra de Deus e vive consoante as suas orientações não desanima diante das adversidades e se fortalece nas piores circunstâncias porque sabe que Deus é fiel não desampara aqueles que Nele confiam.
Amado(a) se você está atravessando momentos de luta e de provações saiba que somente somos fortes em Cristo e Ele lhe dará o refrigério.
Graça e Paz!