Traduza este blog

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

“Não toqueis nos meus ungidos, nem maltrateis os meus profetas” (Salmo 105:15).




  A exortação neste salmo  nos faz refletir sobre essa poderosa advertência do Senhor. E Ele fala sério cada uma dessas palavras: ai do país ou da pessoa que toca nos escolhidos de Deus. E ai da pessoa que maltrata Seus profetas. A advertência de Deus para que não se maltrate Seus escolhidos não diz respeito apenas a época relatada pela Bíblia. Ela continua se aplicando atualmente e não se refere apenas aos reis e sacerdotes, mas também cobre Seu Israel espiritual, ou seja, a igreja. Precisamos conhecer a história para compreendermos essa exortação em seu contexto e atentarmos para o verdadeiro sentido dessa exortação. Saul foi o primeiro rei ungido por Deus para governar o povo de Israel, depois dele veio Davi, também ungido pelo Senhor. A diferença entre os dois é que Davi temia a Deus e respeitou até o fim essa ordem, enquanto Saul a desconsiderou. Por diversas vezes tentou contra a vida de Davi, sabendo que ele era ungido, ou seja, escolhido de Deus. Davi sabia disso em relação a Saul e mesmo tendo por diversas vezes a vida de Saul em suas mãos e, tendo várias oportunidades de acabar com seu reinado para assumir seu lugar em seguida, Davi não desobedeceu a ordem de Deus e jamais tocou no seu ungido, sendo ele mesmo ungido por Deus. A diferença entre esses dois é um ponto que merece nossa reflexão. Também nós podemos escolher ser como Davi ou ser como Saul. Davi obedeceu sempre à ordem de Deus e preferiu deixar em Suas mãos a própria proteção do que agir em defesa própria ou por vingança. Saul, ao contrário, não confiou que Deus estaria à frente de Seus reinado e agiu conforme seu coração, deixando a inveja, a ingratidão e a insensatez comandarem seus atos. Por várias vezes teve a prova de que Davi não era seu inimigo, mas o respeitava acima de tudo porque reconhecia nele um ungido de Deus. Mesmo se arrependendo aparentemente ao perceber isso, Saul em pouco tempo se esquecia de quem era Davi e não reconhecia nele uma índole obediente e servil, incapaz de desonrar os votos de fidelidade e lealdade ao rei. Muitos são como Saul preferem perseguir a quem lhe é leal e fiel, mesmo depois de reconhecerem que poderiam ter agido de forma diferente quando se encontravam fragilizados e vulneráveis ao ataque inimigo. Muitos veem nas pessoas que lhe fieis e leais um inimigo, assim como Saul enxergava a Davi. A grande lição dessa história é que Davi sempre prevaleceu porque era leal e obediente ao passo que Saul foi derrotado pelo próprio temperamento, porque não soube ser leal e grato aos que assim agiam com ele. Davi é considerado o maior rei que Israel já teve. É chamado amigo de Deus e reconhecido e referenciado por dar origem à linhagem de Jesus. Saul foi o primeiro rei, o primeiro ungido, conhecido por tramar contra o ungido do Senhor, reconhecido e derrotado por sua inveja, deslealdade e ingratidão. Com quem você gostaria de ser comparado. Lembre-se de que os dois eram ungidos. Os dois tiveram oportunidades de escolher como reinariam, mas cada um trilhou um caminho.  Qual é a sua escolha?

terça-feira, 30 de outubro de 2012


Ai dos que querem esconder profundamente o seu propósito do SENHOR, e fazem as suas obras às escuras, e dizem: Quem nos vê? E quem nos conhece? Isaías 29:15

 O profeta Isaías faz uma advertência àqueles que se desviam do caminho reto e fazem maldade às escuras, pensando estar encobertas. Na verdade nada fica encoberto diante de Deus. Por essa razão o autor de Hebreus exorta “Vede, irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do Deus vivo’’. (Hebreus 3:12). Quem pensa que pode intentar o mal ao seu próximo e ficar impune se engana, pois Aquele que tudo vê não deixa nada encoberto. O mal feito é mal recebido de volta, pois a lei da semeadura é implacável. Precisamos tomar cuidado para não permitir que nosso coração se endureça e se torne mal e nos afaste de Deus. Quando damos espaço ao pecado, abrimos brecha para que isso aconteça. Devemos guardar até o fim a nossa confiança em Cristo, sem permitir que nossos pecados nos afastem de Deus. Quando passarmos por lutas e provações que venham colocar em prova a nossa fé, precisamos saber  que não estamos sós, Jesus está conosco para nos garantir a vitória. Assim, em vez de deixarmos o mal invadir nosso coração  devemos fortalecer nossa fé orando  e lendo a palavra todos os dias, sem deixar de ir à igreja e de manter a comunhão com os irmãos. Essa é a vontade de Deus.

segunda-feira, 29 de outubro de 2012



A esperança dos justos é alegria, mas a expectação dos perversos perecerá. Provérbios 10:28

 Justo é toda pessoa que pratica a justiça de Deus, que foi transformada pelo Espírito Santo, que se aparta dos maus caminhos e vive uma vida de santidade, em obediência ao Senhor. O justo não é um religioso, mas aquele que pratica a justiça e é justificado por Deus. É um membro do corpo de Cristo e não somente um membro de uma igreja. O perverso é um ímpio, aquele que pratica que transgride deliberadamente os ensinamentos e conselhos de Deus. Pode até se um religioso, mas tem um coração duro, orgulhoso, cheio de soberba e impiedade. É incapaz de perdoar e, ao contrário do justo anda segundo os conselhos do mundo. Muitas vezes vemos o ímpio prosperar e nos questionamos se nisto há justiça. Mas, se atentarmos para as palavras do sábio, veremos que a aparente prosperidade do ímpio é ilusória. Ele pode ter sucesso na vida financeira, ter status ou poder, mas seu coração é vazio e nele há uma incompletude que só o Senhor Jesus pode solucionar. Engana-se quem pensa ser próspero à custa de um vazio que nada preenche. Mas nosso Deus é Deus de justiça e Ele nunca desamparará os que Nele esperam. O justo é como “a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperar” (Salmos 1:3). A Bíblia nos ensina a não ter inveja da prosperidade do ímpio, porque seu caminho leva à morte. A vitória do ímpio é passageira, mas o justo vive pela fé e em paz, porque sabe que  receberá do Senhor bênçãos duradouras que não trazem dores.

domingo, 28 de outubro de 2012


Porque mil anos são aos teus olhos como o dia de ontem que passou, e como a vigília da noite. Salmos 90:4

O apóstolo Pedro em sua segunda carta reafirma o que disse o salmista e garante  que Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a tenham por tardia. Ele nos lembra que o Senhor é longânimo para conosco, e não quer que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se. Moisés pediu a Deus no Salmo 90: 12, que Ele lhe ensinasse a contar os seus dias de maneira que alcançasse um coração sábio, porque ele desejava discernir o tempo de sua vida em relação ao tempo de Deus para sua vida. É isso que precisamos pedir a Deus. Que Ele nos dê  entendimento e que o Senhor confirme a obra de suas mãos. Nem sempre sabemos que escolha fazer, quando nos defrontamos com situações de dúvida, em que somos instados a decidir por um caminho ou uma situação. Somente se estivermos em sintonia com o Espírito Santo é que podemos fazer a escolha certa, pois nosso coração é enganoso e nos faz vacilar, quando não nos leva a escolher equivocadamente. Precisamos aprender a não apressar o tempo. A agir na expectativa do tempo de Deus que não é como o nosso. O tempo de Deus é um tempo de qualidade que não pode ser medido na cronologia que engole nossos esforços. O tempo de Deus não é baseado em minutos, segundos, dias ou anos. O tempo de Deus se baseia em aprendizagem. Deus quer que aprendamos a confiar e esperar n’Ele plenamente.
Precisamos, sobretudo e confiar nas promessas do Senhor  e a tomar posse delas, que no tempo certo chegarão. Precisamos ter consciência que o tempo certo é o tempo de Deus e para vivermos esse tempo é necessário esperar e confiar, pois Deus se utiliza dessa espera para nos amadurecer e nos formar. Para nos fortalecer e nos tornar responsáveis por aquilo que Ele nos entregará.

sábado, 27 de outubro de 2012


E o próprio nosso Senhor Jesus Cristo e nosso Deus e Pai, que nos amou, e em graça nos deu uma eterna consolação e boa esperança, Console os vossos corações, e vos confirme em toda a boa palavra e obra. 2 Tessalonicenses 2:16,17

Não importa o problema que você esteja passando Jesus tem o conforto e a solução para ele. Ainda que não seja como você planejou, como imagina que deve ser, o Senhor que sabe de todas as coisas tem a resposta e Ele não age pela metade. As soluções humanas são falhas e incompletas, mas a solução de Deus é certa, justa e eficaz. Se você está indeciso, se precisa tomar uma decisão e não quer mais errar, espere a resposta que vem de Deus. Não aja de forma intempestiva. Escute a voz do profeta de Deus e não aja mais segundo o seu entendimento. O Senhor está lhe dizendo que é hora de tomar uma decisão e não vacilar. O Senhor confirma a palavra dada e não volta atrás.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012


Não pergunteis, pois, que haveis de comer, ou que haveis de beber, e não andeis inquietos. Porque as nações do mundo buscam todas essas coisas; mas vosso Pai sabe que precisais delas. Lucas 12:29,30

Vivemos em um mundo cada vez mais impaciente, cheio de pressa e que exige de nós cada vez mais rapidez. Mesmo com toda modernidade e facilidades estamos cada vez mais tendo menos tempo para nós, para a família e para Deus porque tudo isso nos absorve e nos envolve. Quanto mais se tem, mais se quer e essa corrida nos mantém reféns. Estamos  presos ao “espírito da pressa. O dia com 24 horas é pouco e a sensação de que o tempo voa é frequente. E esse espírito da pressa provoca uma ansiedade que leva à uma angústia que provoca uma inquietação e um desejo por algo que jamais satisfaz.  Tudo isso ocorre porque não atentamos para o que Jesus nos ensina. Se Ele nos promete o que comer e o que beber, certamente, muito mais Ele nos dará! Tudo a seu tempo! A Bíblia nos ensina que há tempo para tudo e que precisamos aprender a esperar com paciência. Há tempo para trabalhar e tempo para descansar, assim como há tempo para estar com alguém e para se estar sozinho, para estar apaixonado e não estar, para ser solteiro e para se casar. Não há motivos para apressarmos os estágios da vida. É preciso confiar em Deus e saber que as Suas promessas  são verdadeiras e de nada adianta  tomar o problema em nossas mãos para tentar resolvê-lo a qualquer custo. Precisamos desenvolver a confiança Naquele que tudo pode e que é fiel, certos de que no momento certo, o momento de Deus, as coisas começarão a acontecer. A palavra de Deus nos exorta a deixar envolver a ansiedade e confiar que Deus está agindo. E se Ele está no controle o resultado só pode ser bom.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012


Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou. (1 João 2:6)

O apóstolo João ensina-nos uma sábia lição de coerência. Quem diz que é cristão deve ter atitudes cristãs. Deve seguir os passos de Jesus, andar como Ele andou. Porém, o que Deus espera de nós não é um andar perfeito, pois sabemos da nossa natureza imperfeita e Deus sabe que somos pecadores. O que o Senhor espera é uma atitude constante de  obediência aos Seus mandamentos, buscando o arrependimento sempre que pecarmos. Nossa meta deve ser a busca incessante do caráter de Cristo. Podemos aprender com os erros, devemos nos cercar de pessoas que também buscam a santidade, mesmo sendo limitados e fracos. Isto está ao nosso alcance cumprir unicamente pela graça e misericórdia do nosso Senhor.

quarta-feira, 24 de outubro de 2012


Mas esforçai-vos, e não desfaleçam as vossas mãos; porque a vossa obra tem uma recompensa. (2 Crônicas 15:7)

Trabalhamos muito no mundo secular, pelo salário. Por isso nos dedicamos, obedecemos, cumprimos as metas determinadas aguardando uma recompensa ao final do mês e um reconhecimento. Muitas vezes chegamos à conclusão de que fazemos as coisas para as pessoas erradas e esperamos a recompensa das pessoas erradas. Mas quando fazemos a obra de Deus não podemos ter a mesma expectativa. Não é dos homens que devemos esperar a recompensa. Quando esperamos recompensa de homens somos frustrados, porque os homens erram. Os homens podem nos frustrar, mas Deus cumpre Suas promessas e a Sua Palavra, mesmo que para nós pareça tardia. A espera nos amadurece.  Quando tudo parece distante, Deus aproxima. Deus é fiel e, ao contrário dos homens, prepara todo o caminho para o cumprimento de Suas promessas. A Bíblia nos exorta a não desanimarmos a não desfalecermos no caminho, pois é Deus quem garante que seremos recompensados. E Nele podemos confiar.

terça-feira, 23 de outubro de 2012


Olha, SENHOR, porque estou angustiada; turbadas estão as minhas entranhas; o meu coração está transtornado dentro de mim, porque gravemente me rebelei; fora me desfilhou a espada, em casa está a morte. Lamentações 1:20

Angústia é uma sensação psicológica, caracterizada por “abafamento”, insegurança, falta de humor, ressentimento, dor e ferida na alma. Na moderna psiquiatria, a angústia é considerada uma doença que pode produzir problemas psicossomáticos. A palavra de Deus nos convida a orar em todas as circunstâncias. Em tempo de tristeza, de aflição, na perseguição, na angústia. A melhor coisa a fazer quando estamos angustiados é orar. É isso que a Bíblia nos ensina. Precisamos nos lembrar sempre de que ainda que nosso coração esteja envolvido pela angústia Deus está conosco ! Mesmo que a intensidade da dor leve a pensar o contrário, Deus não nos abandona! Não importa qual seja a situação ou problema que nós possamos estar passando, o melhor sempre será entregar os nossos corações e caminhos ao Senhor. Ele fará o melhor. 

segunda-feira, 22 de outubro de 2012


Antes de ser afligido andava errado; mas agora tenho guardado a tua palavra. Salmos 119:67

Muitas vezes não entendemos por que passamos por certas situações em nossas vidas, se estamos agindo conforme a vontade de Deus. Mas as palavras do salmista podem nos dar a resposta: a provação nos ajuda a crescer espiritualmente e nos prepara para receber as bênçãos. A provação não dever ser  encarada como um mal ou com tristeza, mas com alegria e entusiasmo, pois ela nos impulsiona a buscar mais a Deus. Mesmo que o sofrimento que  enfrentamos nos provoque dores, a confiança em Deus e nas Suas palavras nos levam a vislumbrar o outro lado das tribulações, conforme nos ensina Tiago 1:12: “Bem-aventurado o homem que suporta a tentação; porque, quando for provado, receberá a coroa da vida, a qual o Senhor tem prometido aos que o amam”. Assim como Tiago, também Paulo nos ensinou que as tribulações contribuem para o nosso bem, porque amamos ao Senhor (Romanos 8:28). Paciência e perseverança são características de quem é provado e  quem desenvolve esses atributos se torna capaz de enfrentar os maiores problemas sem se abalar. A cada vez que enfrentamos um problema saímos mais fortes e mais resistentes. 

domingo, 21 de outubro de 2012


porque lhes perdoarei a sua maldade, e nunca mais me lembrarei dos seus pecados. Jeremias 31:34c

Muitas vezes nos perguntamos se haverá perdão para nós. O profeta traz essa resposta neste versículo e nos alivia. As  vezes não conseguimos compreender a noção divina do perdão porque nós não nos perdoamos ou não sabemos abrir nosso coração para receber o perdão pelo que fizemos aos outros e a Deus. A Bíblia afirma que a não ser para aqueles que decidem seguir o caminho da perdição, todos estão incluídos na promessa de total perdão. Não há hábito, maldade, vício, rebelião, transgressão,  nem crime que não esteja incluído nessa promessa. O caminho para obtermos o perdão, tanto de Deus, quanto daqueles a quem fizemos mal e, consequentemente o alívio do tormento e da culpa  é o arrependimento sincero.  Veja o que diz o Senhor: “Vinde, então, e arguí-me, diz o Senhor: ainda que os vos­sos peca­dos sejam como a escar­la­ta, eles se tornarão brancos como a neve; ainda que sejam vermelhos como o carmesim, se tornarão como a branca lã.” Isso é, Isaías continua, “Se quiserdes e obedecerdes.”  Quando erramos, não devemos permanecer no erro. E isso vale para todas as nossas relações. Se erramos em relação a Deus, se falhamos em relação ao próximo, existe um caminho de volta. Não é o sentimento de culpa que irá nos resgatar, mas o desejo sincero de reconciliação. Quem não perdoa, ou se perdoa não avança, não cresce, não aprende a se relacionar. Infelizmente, muitos  vivem sentindo-se culpados, mesmo tendo o alívio a seu alcance.  Mas Deus nos chama ao arrependimento  e nos convida à reconciliação. A quem você precisa perdoar, ou pedir perdão? Pois certamente se há retenção de perdão, também há retenção de bênçãos. Pense nisto!

sábado, 20 de outubro de 2012


 "Mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede, porque a água que eu lhe der fará nele uma fonte de água que jorre para a vida eterna." (João 4: 14)

Quando alguém se converte ao Senhor Jesus passa a receber do Espírito Santo de Deus o consolo para a sua vida. O Senhor se encarrega de trazer para o ser humano que quis recebê-Lo, as instruções contidas na Sua Palavra. Então a vida de um convertido começa a mudar em casa, as atitudes com seus familiares e amigos, palavras brandas, paciência e domínio próprio passam a ser notados. Tudo naturalmente, sem forçar nenhuma condição ou autossugestão, afinal o convertido é  nova criatura e as pessoas percebem isso. Se alguém quer realmente mudar para melhor pelas bases da Palavra de Deus, o próprio Senhor ajuda, essa é a promessa Dele. A palavra de Deus é efetivamente um manual para a vida humana e aquele que faz de fato uso aprende a se estruturar para ter a Verdadeira Paz! Contudo precisamos entender o verdadeiro sentido de paz.
Falamos em paz, na igreja, nos nossos lares, no nosso trabalho, mas muitas vezes vivemos uma guerra silenciosa e hipócrita. Sepulcro caiado é o que somos, às vezes. PAZ é uma palavra que tem sido proferida de forma tão banalizada que muitos não atentam para seu verdadeiro significado. Não basta dizer em sociedade: "Muita paz!" se seu real significado tem sido desprezado e passa lamentavelmente a simbolizar algo que se deseja, mas que só se reflete de fato na vida das pessoas por meras palavras. A paz verdadeira não se consegue apenas por meio do desejo de  outra pessoa, é preciso buscá-la, conquistá-la. Paz é o equilíbrio na vida.  No âmbito conjugal muitos casais estão dentro de uma casa aparentando um relacionamento absolutamente normal, mas vivem de forma hipócrita, em um silêncio que machuca e fere, ou com rudes palavras, enquanto passam a imagem de casal perfeito. Não se envolvem como marido e mulher, dormem em camas separadas, quartos separados, mantêm as aparências.
Se  existe um problema a ser solucionado, mas a covardia de admiti-lo ou mesmo de estabelecer um diálogo racional fez com que este "casal" se perca nessa rede que só agrada ao inimigo das almas, que ataca preferencialmente nas famílias.
Deus conhece o nosso interior, é inútil tentar iludi-Lo ou persuadi-Lo com vãs formalidades. Ele está pronto a transmitir a Paz Real para todos os indivíduos que se submetem a Sua orientação e de fato a obedecem. Mas antes precisamos  aprender a deixar de lado a hipocrisia. Se assim agirmos, o Espírito Santo está pronto a nos transformar. 

sexta-feira, 19 de outubro de 2012


“Disse-lhe Jesus: Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá;” (João 11:25)

Se algo está morto em sua vida, creia que Jesus pode fazer ressurgir. Seus sonhos, uma amizade, seu casamento, sua vida profissional, suas emoções, sua vida espiritual, seus familiares em relação a Jesus, sua saúde ou de um ente querido. Nada é impossível para Deus e tudo é possível ao que crê afirma a Bíblia.
Jesus é ressurreição e a vida. E Ele mesmo afirma que se cremos Nele, mesmo que estejamos mortos viveremos. Isso a qualquer situação em impere a morte. Ele não se refere apenas à morte física. Jesus ressuscitou Lázaro, mas também pode fazer ressurgir  sonhos, relacionamentos, sentimentos... Ressuscitar é reaparecer, despertar, restituir à vida. Se Jesus venceu a morte, destruindo toda a fortaleza do inimigo, não há nada que não possa vencer. Na cruz Ele já venceu todas as coisas por você. 

quinta-feira, 18 de outubro de 2012


  E, na verdade, toda a correção, ao presente, não parece ser de gozo, senão de tristeza, mas depois produz um fruto pacífico de justiça nos exercitados por ela. Hebreus 12:11

O autor de faz uma referência ao fato de que a correção é atitude de pai zeloso que ama e quer o bem de seus filhos. Correção não é o mesmo que punição. Ela tem um propósito de edificar e de provocar o arrependimento e a mudança para a conversão. Há uma diferença entre punição e correção que nos leva a entender o quanto o Senhor nos ama. Há, em primeiro lugar, uma diferença com respeito ao motivo e razão para ambos. O motivo da punição é a justa ira de Deus contra o pecado; o motivo da correção é o seu amor eterno. “Porque o Senhor corrige a quem ama” (Hebreus 12:6). Há uma diferença, também, com respeito ao propósito. O propósito do castigo é a vindicação da justiça; o propósito da correção é instrução e santificação: “Para nosso proveito, para sermos participantes da sua santidade” (Hebreus 12:10). Mas há uma diferença significativa em relação ao resultado ou fim. O fim da punição é a morte eterna, enquanto o fim da correção é a glória eterna. Nosso Deus nunca pune seus filhos, pois Cristo suportou toda nossa punição sobre a cruz; Deus corrige aos que ama, para que possam ser exercitados por meio  disso (Hebreus 12:11).
Pensemos nisso!

quarta-feira, 17 de outubro de 2012


  Um pouco de fermento leveda toda a massa. (Gálatas 5:9)

Para que tenhamos crescimento espiritual e para que cheguemos à estatura de varão perfeito, é preciso eliminar as brechas e rachaduras. É imprescindível que não nos deixemos contaminar pelas novidades do mundo, pelas sutilezas do inimigo, pela aparência do bem. O que pode parecer inocente vai se tornando algo que aos poucos nos contamina de tal forma que, quando nos damos conta já estamos totalmente envolvidos. Paulo nos alerta sobre o perigo de não atentarmos para isso. A metáfora usada por ele nos faz refletir sobre o risco que corremos de nos deixar contaminar espiritualmente por influências várias. O fermento é uma substância que excita outras substâncias, e faz com cresçam em proporção inimaginável em muitos casos, dependendo de outros fatores externos e internos. Nossa vida é sempre um fermento espiritual com que influenciamos outras vidas. Nossas palavras provocam reações em quem nos ouve, e,  se não formos sinceros, provavelmente nosso interlocutor seja igualmente desleal. Nossas atitudes provocam reações e criam atitudes e atos do mesmo teor, naqueles que nos rodeiam, por isso não podemos esperar que sejam neutras.
Nossos pensamentos são fermentos espirituais. Eles estabelecem atitudes e geram hábitos que por sua vez influenciam pessoas e concorrem para a transformação positiva ou negativa da “massa”que encontram.

terça-feira, 16 de outubro de 2012


“Lembro-me dos dias antigos; considero todos os teus feitos; medito na obra das tuas mãos.” (Salmos 143:5).

  O salmista nos leva a refletir sobre como estamos vivendo o nosso presente e estabelecendo as bases de nosso futuro, reportando-nos ao nosso passado. Quando encontramos Jesus e decidimos por uma vida de santidade agíamos da mesma forma que hoje? É importante nos fazermos essa pergunta para sabermos como encaminharemos nossas vidas. Nos dias antigos frequentávamos os cultos de oração, buscávamos a reconciliação com os irmãos e a santidade; nos dias antigos  havia respeito entre os irmãos, busca de comunhão e valorização do ministério pastoral; nos dias antigos louvávamos a Deus não só com cânticos, mas com nossas obras e atitudes; nos dias antigos tínhamos um  desejo ardente de uma vida com Deus e uma alegria em servir, por gratidão ao Senhor. Hoje continuamos meditando na obra das mãos de Deus? O nosso estilo de vida tem sido o estilo de um cristão autêntico? Pensamos, conforme agimos? Agimos conforme pensamos? A Bíblia nos leva a pensar, refletir e aplicar. O pensamento molda o caráter, forma a personalidade e determina o estilo de vida que levamos, pois, nós somos o que pensamos! Por isso, meditar na obra das mãos do Senhor nos levará a refletir no que Ele já fez por nós e em nós. E isso irá nos  levará ao desejo de mudança, de reconciliações, de entrega pessoal e voluntária ao serviço do Reino de Deus e, consequentemente ao crescimento espiritual.

Pensemos nisso!

segunda-feira, 15 de outubro de 2012


“Porque Tu, só Tu, és conhecedor do coração de todos os filhos dos homens” (1Reis 8:39).

  A palavra coração é frequentemente usada na Bíblia como a sede dos pensamentos e emoções, conforme vemos em Mateus 9:4. Sabemos que só Deus tem acesso à intimidade de nossa atividade mental, às nossas verdadeiras intenções e aos nossos anseios secretos. Nada, nem mesmo na forma de um pensamento passageiro, pode ser escondida do Criador. Por essa razão não podemos pensar que enganamos a Deus, quando encontramos justificativas para nossos descuidos, nossas negligências em relação a Sua Obra, ou mesmo em relação aos irmãos e à Igreja. Mas também podemos nos aliviar sabendo que o conhecimento que Deus tem de nosso íntimo é para nosso bem. Quando as pessoas estão muito desencorajadas para pronunciar uma palavra sensata de oração, Deus conhece sua necessidade e pelo Espírito Santo intercede por nós. Os seres humanos podem ver só a aparência e os comportamentos exteriores e, nem sempre julgam com justiça as outras pessoas, mas Deus conhece os pensamentos de maneira que os outros nunca poderão alcançar faz justiça àqueles que são desprezados ou mal interpretados.  Por outro lado, satanás e seus anjos só podem observar e imaginar o que se passa no interior, mas não pode ler nossos pensamentos. É por nossas ações e por nossas palavras que ele forma as tentações para tirar proveito de nossos pontos fracos, uma vez que não pode entrar em nosso coração. Deus, sim. Ele conhece o que está em nossa mente antes mesmo de pronunciarmos. Eis por que devemos cuidar do que pensamos e procurar concentrar nossa mente naquilo que agrada a Deus que tudo sabe e tudo vê. Em nossas decisões diárias, quer pessoais, ou relacionadas com o trabalho, devemos deixar que Deus nos conduza, ainda que em pensamento, pois ninguém mais no Universo terá conhecimento dessa comunicação. Quando  a vontade Dele dirige nossa vida, a começar pelo nosso pensamento, ficamos protegidos da tentação e alcançamos  bênçãos espirituais. Esse processo, com certeza nos  ajudará a construir uma experiência mais íntima com o Senhor.

domingo, 14 de outubro de 2012


“Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento. (Filipenses 4:8)

A recomendação do apóstolo Paulo é a de concentremos nossas atenções e pautemos nossas ações naquilo que é puro, justo e digno. Se atentarmos para essas orientações nossas atitudes serão baseadas em princípios que não só agradam ao Senhor como trazem benefícios futuros e imediatos as nossas vidas. Andar no bem produz o bem. Conviver com pessoas de bem faz com que tenhamos atitudes e reflexos benéficos. Ainda que sejamos julgados pelo mundo como “tolos”, nossas atitudes trarão consequências positivas. Nossas ações seguem nossos pensamentos assim como um míssil persegue o calor do motor de um avião de caça. Por essa razão nossos pensamentos precisam buscar o que o apóstolo Paulo recomenda. Numa época em que a sociedade incentiva a desobediência, em que a mídia faz apologia do pecado e que tanta coisa ao nosso redor nos leva a buscar o negativo na vida, precisamos perseguir ativamente o caráter, as qualidades e os princípios de Deus. A Bíblia fala sobre a relação entre pensamentos e ações (Lucas 6:45). Salomão nos ensina em Provérbios 14:22 que bons padrões de pensamento são não apenas saudáveis, mas também fornecem um caminho para a integridade: “Acaso, não erram os que maquinam o mal? Mas amor e fidelidade haverá para os que planejam o bem” .

sábado, 13 de outubro de 2012


Quando tu disseste: Buscai o meu rosto; o meu coração disse a ti: O teu rosto, SENHOR, buscarei. Salmos 27:8

O salmista mostra um coração alegre pela oportunidade de estar diante do Senhor e responde com entusiasmo ao chamado de Deus para essa  atitude. Mas é preciso observar que sãos as nossas escolhas pessoais, nossas atitudes cotidianas que criam ou não ambientes favoráveis para presença de Deus em nossas vidas. Se nem sempre Deus é presença em nossas vidas, por conta de nossos pecados, é certo que podemos invocar o Seu nome para voltarmos à Sua presença. Esse é o propósito de Deus. Ele espera nossa atitude de buscar Sua presença não só pela alegria de contemplarmos a Sua face, mas para transformar nossa casa, nossa igreja, nosso bairro, nossa cidade em um santuário em que Ele queira habitar. Se as pessoas em nossa volta virem a manifestação da presença de Deus, certamente também hão de querer encontrá-Lo. Pois onde há presença de Deus, há manifestação de poder. A presença de Deus é o canal para a sua ação. Quando criamos um ambiente para a presença de Deus, e quando tomamos essa atitude, o Espírito de Deus agirá naturalmente em nossas vidas. Quando invocamos a presença de Deus e tomamos atitudes que afastem o pecado, naturalmente conheceremos a paz e a alegria verdadeira, pois quem gera tudo isso é Deus.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012


“Pensai nas coisas que são de cima, e não nas que são da terra; Porque já estais mortos, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus”. (Colossenses 3:2-3)

Devemos buscar as coisas que são do alto. É isso que a Bíblia ensina. E para isso precisamos observar não só nossas ações e palavras, mas também os nossos pensamentos porque eles podem ter efeitos poderosos sobre nós mesmos e sobre os outros. Os nossos pensamentos podem ser transformados em ações e são eles que dão início ao pecado, assim como a ações benditas. A Bíblia também deixa claro que o Senhor Se importa com os nossos pensamentos. Porque os pensamentos são a base de todas as palavras e ações. Cada má ação cometida, cada má palavra proferida, cada pecado,  teve origem no pensamento. O que parece um pensamento inocente mais tarde pode vir a se transformar em palavras ou ações que causaram incríveis danos à própria pessoa ou a outras. Muitos são os “pensamentos inocentes” que produziram frutos amargos, por essa razão a Bíblia recomenda que é melhor controlar os pensamentos, antes que se transformem em algo doloroso e prejudicial a nós mesmos e aos outros.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012


 “Onde está o Espírito de Deus ai há liberdade” (2 Cor 3:17)

É extremamente precioso saber que temos liberdade para escolher a quem servir, porque Deus nos deu o Espírito de liberdade. Não há nada mais precioso do que ser servo do Deus vivo, porque Ele é um Deus misericordioso e demonstra Seu amor por nós de forma absoluta. Há pessoas que pensam ser livres quando servem outros deuses e não veem que são escravas de sua opção. São escravas dos vícios, de amores que não satisfazem, de dívidas e dúvidas frequentes. Saber que Deus não nos condena a servidão, mas somos servos Dele por saber que essa condição é por demais elevada. Mas Deus dá aos filhos a liberdade como prova de amor e de confiança. Como  força para enfrentar e vencer a batalha espiritual contra o mal, nossa liberdade é conquistada pela nossa fé Naquele que tudo pode, e que nos sustém. Quando nos deixamos guiar pelo Espírito, vivemos na liberdade, que encontra sua orientação na fé em Cristo e se concretiza no serviço aos irmãos. Por isso, também é preciso que o cristão mostre sua condição aos demais e não deixe nunca de apregoar o amor de Deus em sua vida, pois o exemplo de fé e conduta leva os ímpios a buscar essa liberdade.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012


"As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem;" (João 10:27).

Jesus nos alerta sobre o fato de que precisamos ouvir a voz do Senhor, porque Ele nos conhece verdadeiramente e tem cuidado de nós. Há uma diferença entre: ouvir e escutar. Ouvir é uma qualidade biológica do ser humano, ao passo que “Escutar”  tem uma dimensão mais profunda.  É perceber, é tomar consciência do que está por detrás da palavra. Há pessoas que ouvem e não compreendem o que foi dito. Não estão dispostos a escutar, por isso não seguem pelo caminho certo. Quem se coloca diante do Senhor, numa atitude de “escuta” age como discípulo, como ovelha que quer estar com o pastor e não se desgarra. Mas para escutar é  necessário que façamos silêncio para aprendermos a discernir o que vem de Deus e o que são os ruídos do mundo. Quanto mais íntimos estivermos com o Espírito Santo, mais sensível estaremos à voz do Pai. Precisamos evitar o pecado e as brechas que atrapalham nossa comunicação com Ele.
Por isso precisamos ter o coração aberto para que Deus se manifeste por meio de sua multiforme graça para falar conosco. O Senhor nos chama pelo nome. Ele nos conhece  e nos diz: “Clama a mim, e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes que não sabes.” (Jeremias 33.3)

terça-feira, 9 de outubro de 2012


"E seja o vosso coração inteiro para com o SENHOR nosso Deus, para andardes nos seus estatutos, e guardardes os seus mandamentos como hoje. (1 Reis 8:61)

Nada nesta vida pode ser maior do que Deus. É isso o que as palavras de Salomão quer dizer. As sábias palavras do rei nos fazem refletir sobre o quanto ou como estamos nos dedicando a Deus. De nada adianta acumularmos bens, se andarmos distantes de Deus. Todo mundo tem um tesouro, até o mais pobre dos homens tem o seu tesouro e esse tesouro pode ter várias faces, muitos motivos e razões diversas, mas todo mundo cultiva um tesouro pessoal. Para Deus nós somos o tesouro, tanto que Ele enviou Seu único Filho para nos resgatar.

A Bíblia ensina que não devemos acumular riquezas na terra, porque as coisas perdem valor, a moeda se desvaloriza, ou pode ser roubada. Jesus recomendou que juntássemos tesouros no céu e não na Terra. “Não ajunteis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem tudo consomem, e onde os ladrões minam e roubam; mas ajuntai tesouros no céu, onde nem a traça nem a ferrugem consomem, e onde os ladrões não minam nem roubam. Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração.” (Mateus 6:19-21).

Amor, dinheiro, sucesso profissional, vida familiar equilibrada, tudo isso pode fazer parte de nossas vidas e é certo que Deus realiza todas estas coisas na vida daqueles que ama, mas não admite que nenhuma destas coisas ocupe o Seu lugar em nosso coração. Deus quer que nosso coração esteja inteiro para que Ele o ocupe. Nenhum tesouro pode ser maior do que Deus.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012


"Mas, se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel” (1 Timóteo 5:8).  

A família é um presente de Deus e um grande tesouro em nossa vida. Valorizá-la é mais do que cumprir um mandamento! Quando demonstramos a importância de nossos familiares, cuidando, dando atenção, ou retribuindo o que recebemos, estamos criando condições melhores para edificar nossos lares. Muitas vezes somos rudes com as pessoas que nos amam, somos negligentes e até indiferentes, sonegamos atenção e carinho, justamente àqueles a quem devíamos demonstrar cuidado, ao passo que não poupamos tempo em dedicar atenção e cuidado, sendo carinhosos e delicados com pessoas mais estranhas. Não percebemos o quanto machucamos nossos entes queridos e não reparamos que estamos semeando o que colheremos em um futuro breve. Nossos filhos nos veem como modelos. Aquilo que fazemos aos nossos pais são vistos por eles que, certamente, seguirão nossos exemplos. 
Você  tem dito obrigado(a) às pessoas que lhe são caras, que se preocupam com você de uma forma ou de outra?  Você  tem  parado para pensar o quanto tem sido rude, indiferente, até agressivo com pessoas que lhe querem bem?

domingo, 7 de outubro de 2012


Estai, pois, firmes na liberdade com que Cristo nos libertou, e não torneis a colocar-vos debaixo do jugo da servidão. Gálatas 5:1

O apóstolo nos exorta a não nos colocarmos debaixo do jugo da escravidão, sabendo que somos livres em Cristo. Mas quantas pessoas não estão sendo  escravizadas pelo mundo e perdendo sua dignidade sob a justificativa de serem livres para escolher o que fazer de seus corpos, de suas vidas, de suas relações. Quantas mulheres que aderiram à proposta mundana de se igualarem aos homens, no sentido de se libertarem dos princípios que determinavam a importância de se preservarem moral e fisicamente, estão se tornando escravas do próprio corpo e sob o pretexto da liberdade de dar vazão aos seus desejos tornam-se presas aos desejos dos outros sem perceberem que perderam a dignidade e até mesmo o controle de suas vontades. De submissa à moral conservadora passaram a submissas aos desejos da carne, muitas vezes sem perceberem que perderam o tão sonhado direito de escolhas, pois tornaram-se reféns dos comandos do mundo, por isso continuam vazias e infelizes. Ao se deixarem influenciar pelas regras do mundo, perderam a dignidade e se tornaram objetos manipulados para uso e prazer alheios. Não é difícil encontrar mulheres que gritaram pelo direito de praticarem o sexo livre ou o aborto descontentes ou sob a falsa aparência da felicidade mascarada pelo abuso do álcool, droga ou relações superficiais e sem compromisso. De igual modo pode-se verificar a situação dos homens que, de sacerdotes do lar, provedores da casa e chefes da família passaram a escravos das circunstâncias. Quantos não estão vendo suas mulheres abrindo mão de serem honradas para partirem em busca de satisfazer os desejos de outros? Quantos não estão também se tornando escravos do próprio direito de escolher fazer diferente do que ensinam os princípios cristãos? Às vezes as aparências enganam. Aqueles que aparentam ser livres são os que se encontram sem escolhas, porque caíram na armadilha do mundo. Mas os cristãos, considerados presos às orientações bíblicas, é que verdadeiramente são livres para escolher. E, livres, escolhem não   fazer parte da roda dos escarnecedores, escolhem não permitir que seus corpos sejam usados por aquilo que lhes roubam a dignidade: álcool, droga, prostituição. O cristão é livre porque tem a liberdade de escolher a Cristo ou o que o mundo oferece, ao passo que os mundanos não têm escolha: estão presos pelas escolhas feitas. Não são livres para sair do alcoolismo, não são livres para abandonar as drogas, não são livres para viver a sexualidade que lhe complete a alma, pois tornaram-se reféns dos desejos alheios que lhes roubam a paz e a dignidade.

sábado, 6 de outubro de 2012


A perdida buscarei, e a desgarrada tornarei a trazer... e a enferma fortalecerei..." (Ezequiel 34:16)

Se você está perdido, Jesus vai ao seu encontro. Se está distante do rebanho, Ele o aproximará. Se está doente, ele sarará suas feridas e lhe deixará mais forte. Por mais que tenha se desencantado, resta-lhe a certeza ao sair da tempestade ao enfrentar o deserto. O salmista garante que o Senhor  ”Julgará os aflitos do povo, salvará os filhos do necessitado, e quebrantará o opressor.” (Salmos  72:4). Essa não é promessa de homens, que pode não se cumprir. É  promessa divina e não será esquecida, ainda que tudo lhe pareça difícil. Ainda que você esteja distante do Senhor, que esteja decepcionado com as pessoas e que seu mundo tenha se abalado, Deus conhece a sua aflição e sabe o que tem passado. Conhece também os seus erros, vê as suas teimosias, as suas resistências o seu apego ao passado. Mas acredite que Ele está olhando por você e quer lhe dar uma nova chance de se encontrar com Ele. Se você permitir, o Senhor quebrantará o que lhe oprime, seja em que área for. Ele não deixará que lhe falte algo, ou que sua vida continue sem frutificar. E Ele lhe diz agora: "Ouvi a tua oração, vi as tuas lágrimas, Eis que eu te sararei..." (2 Reis 20:5). E você poderá  repetir as palavras do salmista, com segurança: "Aumentarás a minha grandeza,e de novo me consolarás."  (Salmos 71: 21).

sexta-feira, 5 de outubro de 2012


como tu fizeste, assim se fará contigo; a tua recompensa voltará sobre a tua cabeça. (Obadias 1: 15b)

 Deus quer nos falar neste momento pelas palavras proferidas pelo profeta Obadias. Ele nos lembra que aquilo que fazemos aos outros será a medida com a qual seremos medidos. A nossa recompensa para tudo o que fizermos terá como parâmetro a nossa própria ação. Sobre a nossa cabeça virá tudo aquilo que fizermos contra ou a favor de nosso próximo, assim como tudo o que fizermos para a obra do Senhor. Ninguém espere colher bem se semeia o mal. Há um ditado  que diz “quem com ferro fere, com ferro será ferido”. Essa expressão popular  reflete sabiamente o que diz a Bíblia em vários momentos  e encontra ressonância nas palavras de Obadias. Colheremos exatamente aquilo que plantarmos, afirma o profeta. E isso vale para todas as nossas atitudes, pois Deus não se deixa escarnecer. Se mentimos a alguém, encontraremos quem minta a nós. Se negligenciamos ou hostilizamos quem nos trata com atenção, é bem certo que haveremos de encontrar quem nos trate da mesma forma. Se traímos ou enganamos a quem confiou em nós, não poderemos esperar outro tratamento mesmo que essa atitude não venha da mesma pessoa. Fazemos o mal a um e colhemos de outrem, como uma corrente e da mesma forma o bem se propaga. Podemos ver o alastramento de nossas atitudes em exemplos de pessoas bem próximas de nós. Quem vive enganando, abusando do sentimento de alguém pode não ter o troco da pessoa a quem ludibriou, mas jamais se farta com o que roubou, pois encontrará à frente quem lhe roube. E isso se aplica a coisas materiais ou subjetivas como amor, cuidado, atenção, não só a bens ou dinheiro. Mas é interessante constatarmos que o bem roubado, seja ele material ou emocional, não faz falta ao que foi enganado e sim ao que enganou. Quem perdeu injustamente será provido de algum modo por outra pessoa, porque Deus providencia a reposição, mas aquele que tirou não se satisfaz com o que não é seu por direito. Não precisamos, pois, cuidar de nos vingar, porque a vingança a Deus pertence e Ele se encarrega de prover cuidados aos que Nele confiam e vivem segundo os Seus princípios, mas aqueles que vivem segundo as suas próprias convicções colherão os frutos de sua insensatez. 

quinta-feira, 4 de outubro de 2012


“Por um breve momento te deixei, mas com grandes misericórdias te recolherei; Com um pouco de ira escondi a minha face de ti por um momento; mas com benignidade eterna me compadecerei de ti, diz o SENHOR, o teu Redentor”. Isaías  54: 7-8
 Deus quer nos falar neste momento pelas palavras proferidas pelo profeta Isaías. Ele está olhando por nós.  Tome posse dessa palavra, seja qual for o seu problema. Lembremo-nos destas palavras proféticas “Toda a ferramenta preparada contra ti não prosperará, e toda a língua que se levantar contra ti em juízo tu a condenarás; esta é a herança dos servos do SENHOR, e a sua justiça que de mim procede, diz o SENHOR”. (Isaias 54: 17). Se estamos em Deus e se as suas palavras estão em nós, não há porque temer. Seus é o nosso refugio e fortaleza, socorro bem presente na angústia, afirmou o salmista. Aqueles que intentam o mal contra nós, os escolhidos do Senhor, não prevalecerão. Antes, todo o mal se transformará em bênçãos, conforme  diz  Paulo em Romanos 8:28 “E sabemos que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.“ Se você está passando por lutas, por uma guerra difícil de ser vencida, quando lhe parece que os inimigos são muitos e que estão armados contra você, não se inquiete: Deus converterá o mal em bem, a seu favor..

quarta-feira, 3 de outubro de 2012



E quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, porque hoje me convém pousar em tua casa. E, apressando-se, desceu, e recebeu-o alegremente. Lucas 19:5,6 

A história de Zaqueu nos ensina sobre conversão. Observe  nestes versículos quatro pontos imprescindíveis para isso.  Antes de recebermos qualquer bênção, precisamos descer  de nossa posição e ficarmos na posição de sermos percebidos por Jesus. Nosso orgulho, independência, intransigência e outras características que nos fazem querer ser maiores do que somos nos distancia de Jesus.  Quando Jesus nos convida para acompanhá-lo, precisamos ser rápidos. Descer depressa, sem titubear deve ser a nossa reação. Quando Jesus  afirma “hoje me convém pousar em sua casa” Ele está nos chamando a uma posição de honra, que mesmo sem sermos merecedores não podemos desprezar. Vemos que Zaqueu, mesmo sendo um pecador, não hesitou e desceu apressadamente e o recebeu com alegria. Jesus nos convida a recebê-lo em nossa casa, e, assim como fez  Zaqueu, devemos obedecer prontamente, com alegria no coração e um desejo sincero de promovermos uma mudança em nossas vidas. 

terça-feira, 2 de outubro de 2012


Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. Romanos 8:15

Quando o apóstolo Paulo afirma que somos filhos de Deus entendemos que por essa razão somos livres “Porque todos os que são guiados pelo Espírito de Deus, esses são filhos de Deus” (Romanos 8.14). Se antes estávamos mortos  espiritualmente e andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, separados de Cristo, sem esperança e sem Deus, hoje podemos dizer “Aba Pai” porque  “se nós somos filhos, somos, logo, herdeiros também, herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo; se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados” (Romanos 8:17). Precisamos tomar posse de nossa herança,  pois pela cruz temos direitos concedidos,  por meio  Graça de Deus (Efésios 2:8). Somos uma geração eleita, conforme afirma 1 Pe 2: 9  “Mas vós sois a geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa, o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz”. Conhecendo essa verdade somos livres e livres podemos tomar posse daquilo que Deus reservou para os Seus filhos.  

segunda-feira, 1 de outubro de 2012


Porventura não fizestes  isto a ti mesmo, deixando o SENHOR teu Deus, no tempo em que ele te guiava pelo caminho? Jeremias 2:17

O profeta traz um questionamento que deve nos levar a uma reflexão: como estamos agindo em relação a Deus? Se obsevarmos a nossa vida, a forma como conduzimos nossos projetos, como planejamos nossas atividades, como direcionamos nossas ações diárias podemos responder  à pergunta  do profeta. Quantos não pautavam suas ações guiados pela palavra de Deus, pelas orientações recebidas dos profetas do Senhor e  deixaram de ouvir a voz de Deus por sua conta e risco? Não é surpresa constatarmos que essas pessoas se encontram em dificuldades em administrar suas vidas, ainda que aparentemente isso não seja visível. Os que preferem seguir os atalhos do mundo têm se deparado com situações as quais não conseguem resolver. Isso porque, ao desconsiderarem os princípios do Senhor, agem com independência de Deus e se perdem no caminho. Quando o povo se deixa guiar pelo Senhor, ele recebe o maná diário que o sustenta e dá condições de seguir em frente, mas quando começa a sentir falta das cebolas e dos alhos do Egito a consequência é o abandono dos princípios orientadores. Foi isso que ocorreu com o povo de Deus no deserto e é isso que continua acontecendo com os cristãos que, ouvindo os apelos do mundo, deixam de seguir os caminhos do Senhor para se apegarem naquilo que lhe parece atrativo aos olhos, mas que bem cedo se mostra uma cilada do inimigo.  A palavra do profeta nos faz pensar que nossas escolhas determinam a consequência do que viveremos. Quem escolhe deixar um manancial de águas vivas para cavar cisternas rotas que não retém águas padecerá de sede e não poderá dizer que não foi avisado. Deus sempre encontra uma forma de conduzir o seu povo e de lhe enviar recados claros, mas ouvir e permanecer no caminho é opção nossa.