Traduza este blog

segunda-feira, 31 de dezembro de 2012


Em tudo dai graças, porque está é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco. (I Tessalonicenses 5:18)

Nosso Deus tem nos dado tudo que precisamos. Ele tem nos dado paz, amor, provisão, cuidado, alimento, vestes, amigos, familiares .... Ainda que o ímpio aparentemente possua muito mais, precisamos nos lembrar de que temos o maior tesouro desse mundo: a paz de Cristo. Nenhum bem material se compara ao que o Senhor Deus tem nos dado. Por essa razão, no momento em que o mundo festeja ao seu modo, os cristãos devem fazer diferente e em vez da festa mundana, iniciar o ano agradecendo ao Pai pelas bênçãos recebidas e até mesmo pelos infortúnios que nos fizeram mais forte durante o ano que se acaba. É isso que o apóstolo nos ensina. Muitos têm se ocupado em pedir e não se lembram de agradecer. O Senhor não tem deixado nos faltar nada. Muitos têm colocado sua esperança nas coisas do mundo, mas “Bendito o homem que confia no SENHOR, e cuja confiança é o SENHOR. Porque será como a árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro, e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e no ano de sequidão não se afadiga, nem deixa de dar fruto”, afirma o profeta Jeremias 17:7-8. Ao fazermos o balanço de como foi nossa vida este ano, ao mexermos em nossas gavetas  para uma faxina, precisamos nos lembrar que a verdadeira e eficaz limpeza é aquela que fazemos em nossos corações. É tempo de contabilizar nossas bênçãos, de verificar os motivos de nossas perdas. Para saber como agir no próximo ano, em vez de confiarmos em superstições ou em mega prêmios da virada, será bem mais proveitoso colocarmos nossa confiança em Deus e nos  fazermos as seguintes perguntas: neste ano que  hoje finda eu fui mais vezes à casa de Deus ou a lugares nos quais Ele não entraria? Eu fui fiel e leal com meus amigos, bem mais do que os desprezei? Eu abençoei mais do que magoei? Eu disse aos meus pais, aos meus irmãos e aos meus filhos o quanto eu os amo, ou eu banalizei essa declaração fazendo-a repetidas vezes a pessoas com as quais eu sequer convivi ou procurei amar verdadeiramente? Eu retribuí com amor e atenção o amor e o carinho que me deram, ou julguei que o dinheiro pagaria minha dívida? Eu respeitei o sentimento de meus semelhantes, comportando-me com eles como eu gostaria que fizessem comigo, ou eu fui arrogante e insensível, trazendo mais lágrimas do que sorriso aos que conviveram comigo? Eu falei do amor de Deus para as pessoas, orando e perseverando em oração para que elas se convertessem a Deus? Eu dei testemunho de cristão aos meus amigos, colegas e familiares, pregando com minhas atitudes, ou apenas vesti uma couraça de “crente” e saí por aí mostrando como um cristão não deve se comportar? Os amigos que fiz ao longo do ano, ainda constam em minhas relações, ou apenas em meus álbuns de fotografia? Eu fui fiel a Deus e as pessoas com as quais me comprometi, ou agi como se Deus e as pessoas fossem apenas um objeto de uso pessoal, descartável e transferível, quando eu não os quisesse por perto? Eu tive um verdadeiro encontro com Deus, ou fiz apenas parte de mais um evento social? Eu mostrei ao mundo que sou nova criatura, ou termino o ano fazendo as mesmas coisas de sempre? Eu paguei minhas dívidas a Deus e aos homens, como uma pessoa digna e honrada, ou continuo achando que não devo nada a ninguém, nem mesmo amor e consideração?  Feitos esses questionamentos, contabilize agora suas vitórias  e suas perdas: Os amigos de hoje são os mesmos, ou você nem se lembra quem eles eram? O seu lar foi edificado, restaurado e abençoado pelo Senhor, ou maculado pela sua infidelidade e inconstância? Sua vida financeira melhorou porque você foi fiel a Deus e Ele o abençoou, ou você espalhou seus ganhos com futilidades? Quando você recebeu uma bênção de Deus, aonde foi comemorar: em um culto de ação de graças entre os irmãos que oraram e jejuaram pelo seu pedido, ou entre mundanos, nas rodas dos escarnecedores? Quando você esteve só e sem dinheiro, foi buscar abrigo e ajuda entre os irmãos que compartilham da mesma fé. E quanto se sentiu seguro e com a carteira cheia, com quem compartilhou? Isso  não é uma previsão astrológica, mas é um check list necessário para que você saiba como será seu próximo ano. A lei da semeadura é certa: aquilo que o homem plantar, isso também colherá. 

domingo, 30 de dezembro de 2012


Eu disse no meu coração: Deus julgará o justo e o ímpio; porque há um tempo para todo o propósito e para toda a obra. Eclesiastes 3:17-18

Antes que o ano mude, faça uma reflexão para que no próximo ano não venha a cometer os velhos erros. Não espere que o ano mude. Mude antes, essa é a palavra de ordem para que venha a colher as tão esperadas bênçãos. Não é necessário pular sete ondas, comer romãs, uvas ou lentilhas, nem mesmo vestir branco para ter paz, amarelo para ter dinheiro, vermelho para ter amor. O que você precisa fazer é ter uma atitude diferente.  O que você não fez que ainda pode ser feito: pedir perdão a alguém que magoou, saldar uma dívida, dizer a alguém o quanto é importante, confessar um pecado escondido...? Mesmo que seja difícil, o primeiro passo precisa ser dado e só você pode fazer isso, não se esqueça. O "novo homem", nascido de uma decisão consciente, fundamentada na fé em Jesus Cristo, poderá dar passos confiantes no novo ano.  Mas para desfrutarmos das novidades, precisamos criar novas estruturas na vida, deixando pra trás o que já constatamos não ser bom e não estar em consonância com a vontade de Deus para nossas vidas. Em  Romanos  6:4 e 7:6, o apóstolo Paulo nos lembra que "De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo ressuscitou dos mortos pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida". "Mas agora estamos livres da lei, pois morremos para aquilo em que estávamos retidos; para que sirvamos em novidade de espírito e não na velhice da letra". Antes que o ano mude, experimente mudar a forma de agir e de reagir diante daqueles que tentam lhe indicar um caminho do bem. Não volte a cometer os mesmos erros, não ande mais em círculos, fazendo sempre as mesmas coisas, ainda que mudem as pessoas, ou o cenário.  Hoje  é dia de renovação, é dia de agradecimento pelos bons e maus momentos que vivemos e dia de compreender que, se não podemos voltar atrás e fazer de novo o que não foi feito, ainda há tempo de fazermos diferente a partir de agora.

sábado, 29 de dezembro de 2012


“Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior do que o primeiro. Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado;Deste modo sobreveio-lhes o que por um verdadeiro provérbio se diz: O cão voltou ao seu próprio vômito, e a porca lavada ao espojadouro de lama”. (2 Pedro 2: 20-22)

Não raro vemos as pessoas se perderem, destruírem o que conquistaram porque deixaram de olhar para Deus e de seguir os conselhos dos profetas do Senhor para se estribarem em seu próprio entendimento. O apóstolo Pedro afirma  que aqueles que conhecem a palavra e dela se desvia encontra-se em pior estado do que antes quando andava nas trevas. Por isso, precisamos ficar atentos para conhecer e aceitar os planos de Deus para nossas vidas para não cairmos nas armadilhas de satanás. Neste tempo de balanço, precisamos verificar o que fizemos contrário à orientação do Pai. É importante compreendermos que nossos atos trazem consequências e não estamos livres de pagar por eles. É necessário lembrar que aquilo que vem de Deus, mesmo que não seja em nosso tempo, não traz dores, nem confusão. O que vem de Deus é duradouro, pleno e nos satisfaz, ao contrário das coisas do mundo. A Bíblia diz que se obedecermos comeremos o melhor desta terra. Resta-nos agir de forma inteligente e, em vez de iniciarmos mais um ano enfrentando as consequências de nossa insensatez,  é fundamental abrir nossas mentes e tomar posse do que nos foi prometido e já é nosso por herança. Mas é preciso que não nos esqueçamos de que só filho tem direito a herança. E se não estamos agindo como filhos, nem adianta reivindicar esse direito. Temos que agir como nos recomenda a palavra de Deus, deixando com Ele nossa ansiedade e fazendo a nossa parte, pois quem obedece à voz do Senhor jamais se encontrará em dificuldades. Essa é promessa de Deus e Ele não é homem para mentir. Ouvir e obedecer são as palavras chave. Quantas vezes Deus tem se manifestado e enviado a Sua revelação para nos livrar das ciladas, mas preferimos nos guiar por nosso próprio entendimento? Os sentimentos subjetivos, aqueles que julgamos serem corretos, não nos levam a caminhos seguros. Quantas vezes precisamos cair para entender isso? Quando nós aprendemos e obedecemos a verdade revelada na palavra de Deus, podemos estar certos da nossa salvação. João nos lembra disso quando afirma: "Ora, sabemos que o temos conhecido por isto: se guardamos os seus mandamentos. Aquele que diz: Eu o conheço, e não guarda os seus mandamentos, é mentiroso, e nele não está  a verdade" (1 João 2:3-4). O  Natal do mundo já passou, mas o Natal do Salvador pode acontecer a qualquer momento. Jesus está esperando para nascer dentro de você e promover aquela verdadeira transformação em sua vida. Ainda há tempo!

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012


Porque Deus é o que opera em vós tanto o querer como o efetuar, segundo a sua boa vontade. Filipenses 2:13

No final de ano é sempre oportuno fazermos um balanço do que fizemos no ano que findou, embora isso devesse ser feito a todo instante, em todos os dias do ano para evitarmos arrependimentos tardios. O que deixamos de fazer durante este ano? Quais foram os alvos que estabelecemos para este ano e ainda não conquistamos? O que deixamos de dizer para quem amamos e ainda não dissemos? O que ainda dá tempo fazer antes que o ano termine? E  quando nos dispomos a fazer m balanço de nossas atitudes e omissões durante o ano que chega ao fim precisamos antes de tudo ter a Bíblia como balizadora de nossas ações, para não incorrermos nos mesmos erros no próximo ano. Assim, podemos fazer planos sem nos afastar da vontade de Deus para as nossas vidas. São os nossos sonhos que nos impulsionam à construção de  nossos projetos. O apóstolo afirma que o querer, o sonhar, vem de Deus e é Ele mesmo quem realiza, quem concretiza estes sonhos. Todas as pessoas precisam de um sonho. Quem não sonha está morrendo. São os grandes sonhos que transformam o mundo. Quando uma pessoa comum está comprometida com um grande sonho, e se move para a sua concretização, ela muda a sua vida e a das pessoas a sua volta. Mas sonhar apenas não basta. É preciso determinação e constância para que os sonhos se materializem. Sonhar é imprescindível, contudo é necessário que Deus conduza os nossos sonhos. É preciso buscar a sabedoria para compreender a vontade de Deus e estar em sintonia com os Seus sonhos para a nossa vida. Se nossos sonhos estão de acordo com a vontade de Deus, certamente esses sonhos trazem glória a Deus. A Palavra diz que o coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa vem do Senhor. Afirma também que há caminhos que ao homem parecem perfeitos, mas o seu fim é de morte. Nós, muitas vezes, pensamos que alguma coisa é sonho de Deus para nós, mas nem sempre é. Muitas vezes nosso coração nos engana. Uma boa maneira de obter esta resposta é sondando o nosso coração e observando se a realização daquele sonho vai trazer glória a Deus ou não. Os sonhos de Deus se realizam no Seu tempo. Pode parecer que está demorando, que é impossível, que é algo grande demais, mas para Deus todas as coisas são possíveis.

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012


Lembro-me dos dias antigos; considero todos os teus feitos; medito na obra das tuas mãos. Salmos 143:5-6

O salmista nos dá, neste versículo, um exemplo do que deveríamos fazer todos os dias, ou pelo menos em tempo de balanço, ao final de um ano que chega ao fim. Trazer à memória o que Deus tem feito por nós é o mínimo que podemos fazer para aprendermos a agradecer, em vez de continuar pedindo ou reclamando daquilo que não temos. Trazer à memória os feitos de Deus sobre nossas vidas nos faz compreender de onde viemos e qual é o nosso papel aqui. Deus tem um plano em nossa vida, mas nem sempre encontramos explicação plausível para o sofrimento que às vezes toma conta do nosso espírito. Isto acontece por conta do desprezo inconsciente que damos à Palavra de Deus. Quando nos afastamos do Senhor, ou não nos apoiamos em Sua Palavra, ficamos propensos a nos angustiar ao sinal do menor problema, pois aquilo que encontramos no mundo não tem a capacidade de assumir o lugar de Deus. Não há ninguém  por mais importante que seja para nós que  consiga suprir a falta do Senhor em nossa vida. Examinar o que Deus já fez em prol da humanidade, ou por nós individualmente reanima o nosso espírito e nos aproxima Dele. Lembrar as Suas operações produzem um avivamento em qualquer coração que O respeita como Senhor e O tem como Pai. Precisamos nos lembrar sempre de que Deus não mudou. E Suas promessas jamais falharão, e Suas obras registradas nas Escrituras poderão repetir-se em nossas vidas quando ns colocamos em comunhão com Ele. 

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012




Sou teu, salva-me; pois tenho buscado os teus preceitos. Salmos 119:94

Quantos podem dizer o que diz o salmista, “sou teu”?  Quantos podem clamar ao Senhor, ancorando-se no argumento usado por Davi “tenho buscado os teus preceitos”? O fato é que muitos querem as bênçãos do Senhor, querem Seu livramento, querem as prerrogativas de filhos, mas não se empenham em fazer a vontade Dele, não se dedicam a buscar os Seus caminhos. O que vemos acontecer são as mais diversas formas de desencantamento. Pessoas que seguem os próprios caminhos, fazem escolhas insensatas, visando seus desejos imediatos, sem ouvir os conselhos do Senhor e depois não querem assumir as consequências de seus atos, ou decisões impensadas. Pessoas que abrem mão de uma vida correta no centro da vontade de Deus para seguirem seus impulsos, ou em busca de prazeres efêmeros, e não se dão conta que terão que assumir os riscos de suas escolhas. Mas aqueles que vivem segundo a vontade de Deus, mesmo que isto lhes custe abrir mão de prazeres, de reconhecimento do mundo, com certeza poderão exclamar como Davi: sou teu! 

terça-feira, 25 de dezembro de 2012


E dará à luz um filho e chamarás o seu nome JESUS; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados. Mateus 1:21-22   
                  
Observe a mensagem inequívoca deste versículo: Jesus é o nome, não outro. Somente a Ele foi dado o poder de salvação. A missão de Jesus foi colocada claramente, embora muitos insistam em  fechar o entendimento para compreender o que isto significa. Muitos preferem continuar na ignorância, ou dar ouvidos para o que dizem aqueles que também estão no escuro. Alguns afirmam que Jesus é um Espírito iluminado que já alcançou a plenitude, outros que Ele foi um apenas homem bom, mas o Messias ainda está por vir, enquanto outros preferem achar que Ele nem mesmo existiu, que, assim como a Bíblia é apenas uma invenção da Igreja. Mas o fato é que há somente um nome debaixo do céus “E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”. (Atos 4:12). Essa foi a razão do nascimento de Jesus, não importa em que data esse nascimento é comemorado. Ainda que muitos façam do Natal apenas um momento comercial, ou mais uma festa mundana. O que importa é que Ele vive e cumpriu a Sua missão. Somos livres para aceitar ou não esse fato.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012




Então Herodes chamou secretamente os magos, e deles inquiriu com precisão acerca do tempo em que a estrela aparecera;  e enviando-os a Belém, disse-lhes: Ide, e perguntai diligentemente pelo menino; e, quando o achardes, participai-me, para que também eu vá e o adore. Mateus 1:7-8

Lemos nos Evangelhos que Herodes, o rei da Judeia à época, sabendo que haveria de nascer um menino que seria aclamado Rei dos Judeus, mandou que todas as crianças com menos de dois anos fossem mortas.  Essa passagem nos faz refletir sobre os motivos que levam as pessoas a procurar Jesus. Aqueles que conhecem as Escrituras e têm a revelação do Espírito Santo querem se encontrar com Ele para que suas vidas sejam transformadas de dentro para fora. Vimos isso em Zaqueu  que evidencia uma mudança de coração, o verdadeiro  arrependimento,  por causa do encontro que teve com Jesus Cristo. O Centurião Romano, a mulher Cananeia,  dois exemplos bíblicos de pessoas que tinham origens pagãs, mas creram em Jesus. Mas há também aqueles que conhecem as Escrituras e buscam Jesus por motivos egoístas. O rei Herodes do trecho em epígrafe buscava Jesus pelo receio de ter seu trono usurpado. Foi a ganância pelo poder e não o desejo de transformar sua vida que o levou a procurar Jesus. Herodes, o Grande, numa tentativa de encontrar e matar o menino Jesus,  assassinou as crianças de Belém.  (Mateus 2:1-16). O outro Herodes, Antipas era o "tetrarca" da Galiléia, e foi também o que tomou parte no julgamento de Jesus. Filho daquele que exterminou as crianças, Herodes Antipas também procurou por Jesus, como assinala Lucas 23:8 “E Herodes, quando viu a Jesus, alegrou-se muito; porque havia muito que desejava vê-lo, por ter ouvido dele muitas coisas; e esperava que lhe veria fazer algum sinal”.   De início, podemos até perceber que esse Herodes mostrou a alegria que sentia de, por fim, se encontrar com esse homem de quem tanto tinha ouvido falar. Há muito ele estava querendo ver Jesus há e testemunhar pessoalmente um milagre.  Mas suas intenções também não eram sinceras. Herodes e seus soldados caçoavam de Jesus. Mesmo não podendo condenar Jesus, porque sabia de sua inocência, o desprezo de Herodes pelo Salvador era óbvio. Ele maltratou e humilhou alguém que era, segundo suas próprias palavras, inocente. Certamente Jesus estava certo quando o chamou de "raposa". Podemos refletir com isso sobre quantas “raposas” nos dias de hoje procuram por Jesus apenas para zombar, para fazer um circo, como nos tempos de Roma. Herodes fez deu encontro com Jesus uma oportunidade de estabelecer uma boa política com os judeus, assim como muitos que se aproximaram do Senhor por curiosidade, para depois rejeitá-lo como Salvador em benefício de desejos próprios.
Procurar Jesus, seguir sua estrela não pode ser somente uma busca astrológica. Pelas Escrituras podemos ver que os reis que saíram do oriente à procurar de Jesus, guiados por uma estrela eram astrólogos. Percebemos isso quando eles, ao procurarem por Jesus, chegam até Herodes e pergunta: “Onde está aquele que nasceu rei dos judeus? Pois vimos a sua estrela no Oriente e viemos prestar-lhe homenagem.” (Mt 2:2). Quando dizem, vimos a sua estrela, estão dizendo “examinamos nos astros que nasceria alguém muito importante e confirmamos por seguir a estrela que nos trouxe aqui até vocês”. Sabemos que eles eram  não consultaram a Deus, mas a astrologia, da qual eram praticantes.  Os Evangelhos dão conta de que eles, ao seguir a estrela, não foram levados até Jesus, mas àquele que queria matá-Lo. Os  três reis  do oriente somente foram na direção de Jesus após Herodes consultar os escribas sobre a cidade onde nasceria o messias, Belém, e ter-lhes dito para encontrarem o menino e voltarem para dizer o local exato. (MT. 2:3-5.) Nem sempre os que chegam até Jesus vêm por caminhos retos. Muitos chegam por caminhos tortuosos, mas o importante não é como é como chegam. Importa como saem depois do encontro. Aqueles reis certamente mudaram seus destinos após esse encontro. Vemos que eles não retornaram a Herodes: “E, sendo por divina revelação avisados em sonhos para que não voltassem para junto de Herodes, partiram para a sua terra por outro caminho”. (Mateus 2:12-13). A estrela que leva até Jesus está nos céus, ela nos convida a ir ao Seu encontro. Mas cabe a nós escolher de que forma iremos a esse encontro. Podemos fazer deste momento  apenas um motivo de diversão, um acontecimento social ou político ou podemos nos agarrar a essa oportunidade como a nossa grande oportunidade de transformação de nossas vidas. Aí sim, nunca mais seremos os mesmos e não precisaremos voltar pelos mesmos caminhos!

domingo, 23 de dezembro de 2012


Quem pode entender os seus erros? Expurga-me tu dos que me são ocultos. Salmos 19:12
                     
Final de ano é tempo de balanço nas empresas, de avaliação nas escolas. Mas o objetivo disso deve ser o de fazer um planejamento. Isso porque, com um bom planejamento, pode-se evitar cometer os mesmos erros e pensar em estratégias para melhorar o desempenho no próximo ano. Sabemos que é  difícil reconhecer os nossos próprios erros. Para cada um deles sempre tentamos encontrar uma explicação ou uma desculpa, quando não tentamos colocar no outro a responsabilidade por eles. Independentemente de nosso erro ter sido grande ou pequeno, sem intenção ou intencional, mesmo quando erramos inconscientemente, precisamos saber que  suas consequências prejudicam a nós e aos outros.
Neste salmo, Davi pede que o Senhor o purifique até daqueles erros que sejam ocultos. Isso mostra o impacto que nossos erros podem ter  e, nos indica  o caminho para a libertação. Se somos falhos e imperfeitos, capazes de cometer erros e de  provocar consequências danosas a nós e aos outros, precisamos contar com a misericórdia purificadora do Cristo. Só o amor poderoso do Senhor “nos purifica de todo pecado”.  Há pessoas que não se consideram culpadas dos seus pecados, porque não viram, nem sentiram esses pecados. No entanto, todos nós pecamos por pensamentos, palavras e obras. Há quem argumente que Deus não pode condená-los pelos pecados que cometem  na ignorância, contudo, a verdade é que ninguém pode ser desculpado por não conhecer a lei! Isso vale na justiça humana. Ninguém pode argumentar em sua defesa o desconhecimento. A lei existe e é  para ser cumprida - "dura lex , sed lex ". Não é diferente em relacão às Leis de Deus. A Sua Palavra está posta e está aí para ser conhecida. Além disso,  Deus deu-nos a consciência para denunciar em nós o que está errado; não podemos desculpar-nos. Se alguém é ignorante no que respeita à lei, nem por isso é desculpável. O  homem é sempre responsável perante Ele. A ignorância nunca pode ser uma desculpa. Aos olhos de Deus, o pecado tem que ser castigado. Foi, por isso, que "Cristo  veio ao mundo e morreu pelos nossos pecados".
Por isso, a melhor avaliação que temos que fazer ao final do ano é nos perguntar: o que tenho feito que desagrada a Deus? Precisamos ficar atentos ao que exorta o autor de Hebreus 12:15 “Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem”. 

sábado, 22 de dezembro de 2012


Grandes são as obras do SENHOR, procuradas por todos os que nelas tomam prazer. Salmos 111:2

Esse é o tempo de reconhecimento das obras de Deus em nossas vidas, principalmente o tempo de celebrar o nascimento de Jesus. Não é o momento comercial de compra e venda de presentes, quando Papai Noel é a estrela máxima, o dono e o promotor da festa. Por mais que esteja em muitos  lugares, com roupa vistosa e aparência de bom velhinho, aquele que “não se esquece de ninguém, seja rico ou seja pobre”, ele não é onipresente. Ele é apenas uma figura criada pelo marketing do mundo para tirar o foco do verdadeiro Dono da Festa. É uma estratégia inteligente e “politicamente correta”para não ferir interesses de religiões que não veem Jesus como o Messias. É uma fórmula sutil de distrair as pessoas da verdadeira mensagem do Evangelho. Afinal, Papai Noel é alegre, traz presentes a todos que pedem, é a figura mais popular desta festa que deixou de ser cristã para agradar aos interesses comerciais e, principalmente, para agradar ao inimigo do verdadeiro Aniversariante. Grandes são as obras do Senhor e uma delas foi a de nos enviar seu único Filho como Redentor e Salvador, cujo nome é capaz de fazer maravilhas. Por mais que seja uma figura alegre e ruidosa, Papel Noel não foi enviado por Deus, seu nascimento não foi anunciado por um anjo, nem nasceu do Espírito Santo, dado à luz por uma mulher santa e digna, como Maria de Nazaré. Papai Noel, ou os papais noeis  não passam de uma figura simbólica do que se transformou o mundo. Ingrato em relação a quem deu a vida por nós, interessado apenas em ganhar e pedir e não em agradecer as bênçãos já recebidas, sendo a maior delas  a oportunidade da salvação. Desobediente a Deus na ordem de não ter outros deuses diante de si. Insensato porque em vez de se apegar ao único Deus capaz de nos dar muito mais do que presentes,  a Vida Eterna na  Glória de Deus, e vida abundante e plena de significados neste mundo caótico e dominado pelo deus deste século.

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012



Mas Deus lhe disse: Louco! Esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Lucas 12:20

E se o mundo tivesse mesmo se acabado hoje? Você estaria preparado para o que encontraria? Essa deve ser a pergunta que devemos nos fazer em todo momento, pois um dia, independentemente das previsões, o mundo vai chegar ao fim. Mesmo que não seja de uma forma catastrófica o mundo vai se acabar para cada um de nós. Esse dia ninguém conhece, mas ele vem para todos é um fato.  Todos um dia conhecerão a morte e como no trecho de Lucas, em epígrafe, o que temos preparado para esse dia? Em Gênesis 19:26, lemos sobre a história de Ló e sua família. Um dia, para eles, o mundo em que viviam chegou ao fim. Cansado da promiscuidade e podridão daquela sociedade, Deus determinou o fim. Mas Ló e sua família seriam poupados. Acontece que a mulher de Ló, não tinha os olhos nas coisas de Deus. Estava tão presa àquele mundo que desobedeceu à ordem de não olhar para trás e por isso foi transformada em estátua de sal. Muitos estão como a mulher de Ló. Despreparados para o fim do seu mundo, porque se acostumaram à perdição, às mazelas que ele oferece, não obedecem mais às orientações de Deus e seguem presas ao seu passado, assim como a mulher de Ló. Olhar para trás, nesse caso, significa morte, enquanto Deus nos estimula a olhar para gente e a deixar o mundo sujo e contaminado que nos aprisiona. Mesmo que o mundo não acabe para nós em forma de uma catástrofe como ocorreu com Sodoma e Gomorra, ou não acabe em forma de morte física no dia determinado, mas desconhecido, ele precisa acabar dentro de nós. Assim como Jesus explicou em João 8:23 “E dizia-lhes: Vós sois de baixo, eu sou de cima; vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo”. Podemos estar no mundo sem o mundo estar em nós. É nesse sentido que o mundo deve acabar para nós. Antes mesmo que ele venha a se acabar conforme o mandamento e de acordo com o tempo de Deus, o qual desconhecemos. Se não foi hoje, pode ser a qualquer hora a qualquer momento e esse tempo nós podemos determinar, porque chegará um dia que em que ele definitivamente chegará ao fim sem que tenhamos como prever ou evitar e aí se a pergunta for feita o que teremos preparado? Nesse dia olharemos para o alto e seguiremos em frente, ou nos transformaremos em uma estátua de sal?

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012


E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste. João 17:3

Deus nunca admitiu outro alem Dele. Ele é único e  o verdadeiro Senhor de nossas vidas. Mas Ele é  Deus zeloso e requer exclusividade. Não podemos imaginar que esse Deus repartiria o seu povo com um rival. Ele não divide a sua glória com ninguém, por isso a ordem tácita: " não terá outros deuses diante de mim".  Como então se espera que esse Deus possa fazer vista grossa aos que dobram seus joelhos, ou peçam favores diante de imagens de escultura feitas pelas mãos dos homens. Por mais que tentem se justificar, aqueles que  assim fazem cometem a tão condenada idolatria, uma vez que Deus foi explícito ao afirmar que Ele é o único Deus e que só poderemos adorá-Lo em espírito. Só chegaremos a Ele por meio de Seu Filho, e de ninguém mais, por mais santo que tenham sido. E a  idolatria é uma afronta a Deus,  porque  rouba-lhe a glória . Todos os profetas exortaram os israelitas a que se abstivessem da idolatria  e não foi diferente no Novo Testamento, assim não mudou nos dias atuais. Por isso fiquemos atentos ao que nos diz I João 5:21 "filhinhos, guardai-vos dos ídolos" .

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012


“E lhes darei um só coração, e um espírito novo porei dentro deles; e tirarei da sua carne o coração de pedra, e lhes darei um coração de carne”. Ezequiel 11:19

Essa é uma declaração de Deus àquele que assume uma verdadeira conversão.  Converter  é mudar o sentido, é fazer a transformação completa. É disso que trata esse versículo de Ezequiel. Trocar um coração endurecido, cético,  resistente aos apelos do Senhor, insensível às maravilhas que Ele tem feito. A verdadeira conversão só vem com o arrependimento, com o reconhecimento do erro e o desejo sincero de mudança. E isso só pode ser conseguido em um coração que se abre para aceitar a correção e a exortação. A promessa para esses que se desviam, mas desejam se converter verdadeiramente é a de perdão completo, de apagamento do passado, de mudança de vida e de situação. O que antes mentia, não mente mais, o que antes roubava, paga as suas dívidas,  assim como fez Zaqueu; o que antes era insensato, inconstante, maldizente, hoje sabiamente, com segurança plena abre a boca apenas para glorificar o nome do Senhor e  testemunhar as Suas bênçãos. Quem não muda o curso de sua, mesmo que se denomine evangélico não pode ser considerado  convertido. O convertido muda o curso de sua  vida e deixa para trás tudo o que não se coaduna com a palavra de Deus. Conhecer a palavra não basta. É preciso vivê-la e demonstrar na prática a mudança efetiva. Muitos que se afirmam convertidos, são na verdade convencidos e precisam se converter. O pouco que sabem da palavra já lhes dão autoridade para seguirem seu próprio caminho, ignorando a voz dos lideres. Isso porque seu ego ainda não morreu na cruz.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012


E ao segundo chamou Efraim; porque disse: Deus me fez crescer na terra da minha aflição. Gênesis 41:52

A história de José pode ser representada pelo significado dos nomes de seus dois filhos. O primeiro filho de José chamou “Manassés, porque disse: Deus me fez esquecer de todo o meu trabalho, e de toda a casa de meu pai”. Efraim foi o segundo filho de José e também nasceu quando ele ainda estava no Egito. Há uma diferença bastante significativa  entre esses dois estágios da vida de José no Egito. Ele precisou esquecer o passado de  dor com a  traição dos próprios irmãos para seguir em frente e prosperar.  A experiência de José nos faz refletir que não basta apenas esquecer o passado, é preciso seguir em frente.  E ninguém  consegue ser prospero apenas porque  se enriquece de bens materiais ou porque tem poder e status. A prosperidade que vem de Deus é muito  mais completa. Ela nos enriquece de todas as formas, ainda que esse enriquecimento não possa ser aquilatado. O José, antes desprezado e humilhado,  é honrado e elevado a salvador do Egito e de Israel. Quantas vezes somos desprezados, rejeitados por quem queremos bem, humilhados, escravizados pelos ímpios que parecem prosperar. Mas, assim  como fez a  José, Deus usa o mal que o inimigo intenta fazer a nós para o nosso bem. Muitas vezes é na cilada do inimigo, naquilo que ele arma contra nós, que encontramos o caminho da prosperidade. José foi vendido como escravo pelos seus irmãos e esse foi o caminho que o levou ao Egito. José foi preso, por conta de uma calúnia da mulher de Faraó, justamente porque não quis se desviar de seus princípios. A armadilha, que aparentemente era uma injustiça na vida de um homem íntegro, levou José à prisão que o levou a desvendar o sonho de Faraó e, consequentemente o colocou em evidência e o levou a ser o segundo homem mais importante do Egito. O mal que intentaram fazer a ele foi o caminho que o conduziu ao sucesso pessoal e que foi estendido à sua família. Vemos aí que, para chegar à prosperidade José precisou esquecer o seu passado que lhe trazia tristeza. Ele poderia ter escolhido a revanche, a manutenção da mágoa, mas optou pelo perdão e por pagar o mal com o bem.  Com isso, Efraim representou um marco em sua vida, pois saiu da aflição e pode crescer e prosperar em vários sentidos: pessoal, familiar, financeiro, social, moral...
De Manassés a Efraim é uma passo que só pode ser possível quando fazemos a escolha segundo os princípios de Deus.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012


“E este evangelho do reino será pregado no mundo inteiro, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.” Mateus 24:14

Essas palavras de Jesus nos fazem pensar sobre o fato de que a Sua volta está próxima, ainda que não se possa precisar a data. Isto porque as evidências de que o cumprimento da profecia já vem  ocorrendo gradativamente até que o grande dia desponte. Por muitas décadas, praticamente metade do planeta esteve com as portas fechadas para o Evangelho por causa da cortina de ferro. Mas a História registra que  a Europa Oriental se libertou das cadeias de ferro do comunismo, o muro de Berlim caiu, e o poderoso Império Soviético se dividiu. Depois disso, em pouco tempo, praticamente metade do planeta abriu as portas para receber o evangelho. Isso significa que o  evangelho está sendo pregado  por "todo o mundo" como nunca foi visto antes. Com o advento da Internet, a mensagem cristã está sendo apresentada simultaneamente para praticamente todas as nações da terra. Estamos vivendo nos dias preditos por Jesus quando declarou: "Este evangelho do reino será pregado em todo o mundo" e "então virá o fim".

domingo, 16 de dezembro de 2012


Ora, quando estas coisas começarem a acontecer, olhai para cima e levantai as vossas cabeças, porque a vossa redenção está próxima. (Lucas 21:28)

A Bíblia aponta os sinais que esse dia se aproxima, mas não precisa a data, como tem sido anunciado por aí.  Angústia, terror, perplexidade são  previstos na Bíblia e vêm acontecendo cotidianamente, mas muitos  não percebem que são claros sinais de que a vinda de Jesus está próxima: "Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas. Na terra, as nações estarão em angústia e perplexidade com o bramido e a agitação do mar. Os  homens desmaiarão de terror, apreensivos com o que estará sobrevindo ao mundo; e os poderes celestes serão abalados. Então, se verá o filho do homem vindo numa nuvem com poder e grande glória. Quando começarem a acontecer estas coisas, levantem-se e ergam a cabeça, porque estará próxima a redenção de vocês". Lucas 21:25-28.  As calamidades mundiais "Haverá grandes TERREMOTOS, FOMES e PESTES em vários lugares, e acontecimentos terríveis e grandes sinais provenientes do céu... Quando virem essas coisas acontecendo, saibam que o reino de deus está próximo". Lucas  21:11, 31.  As fortunas de algumas pessoas e a pobreza extrema de outras são outro sinal que nos mostra que a "vinda do Senhor está próxima".  A tensão entre os que têm e os que não têm é crescente. Eis aí outro sinal de que "a vinda do Senhor está próxima". Os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios, sem amor pela família, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem, traidores, precipitados, soberbos, mais amantes dos prazeres do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando o seu poder... II Timóteo 3:1-5, 13. Mateus 24:24 destaca outro sinal: "Pois aparecerão falsos cristos e falsos profetas que realizarão grandes sinais e maravilhas para, se possível, enganar até os eleitos". Essas passagens predizem que o tempo do fim terá todo tipo de milagres e sinais, uma manifestação enganosa do sobrenatural.  Há um abrangente despertar das nações que também mostra que  "o dia do Senhor se aproxima". Os profetas Miquéias e Joel predisseram que ao mesmo tempo em que as nações falassem de paz (Miquéias 4:1-3), a desconfiança nos outros os compeliria à guerra (Joel 3:9-13). Isso é notícia diária na sociedade atual. Assim como o crescente progresso tecnológico, como predisse Daniel 12:4 “Muitos irão por todo lado em busca de maior conhecimento". Daniel 12:4. O evangelho será pregado por todo o mundo. Jesus profetizou que pouco antes da Sua vinda, o evangelho alcançaria todo o mundo: "E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo como testemunho a todas as nações, e então virá o fim". Mateus 24:14.

sábado, 15 de dezembro de 2012


"Dize-nos, quando acontecerão essas coisas? E qual será O SINAL DA TUA VIDA e do fim dos tempos?". Mateus 24:3

Nos últimos dias tem-se falado muito sobre o fim do mundo, por conta da divulgação de uma, entre tantas profecias de pessoas que se dedicam a esse tema. Contudo as pessoas que se preocupam com esses fatos têm se esquecido de se orientar pela Palavra de Deus que, embora afirme que o fim chegará, diz claramente que ninguém sabe que dia será esse. Paulo em I Tessalonicenses 5:2-6 nos fala sobre isso: “Porque vós mesmos sabeis perfeitamente que o dia do Senhor virá como vem o ladrão de noite; pois quando estiverem dizendo: Paz e segurança! Então lhes sobrevirá repentina destruição, como as dores de parto àquela que está grávida; e de modo nenhum escaparão. Mas vós, irmãos, não estais em trevas, para que aquele dia, como ladrão, vos surpreenda; porque todos vós sois filhos da luz e filhos do dia; nós não somos da noite nem das trevas; não durmamos, pois, como os demais, antes vigiemos e sejamos sóbrios. Porque os que dormem, dormem de noite, e os que se embriagam, embriagam-se de noite; mas nós, porque somos do dia, sejamos sóbrios, vestindo-nos da couraça da fé e do amor, e tendo por capacete a esperança da salvação; porque Deus não nos destinou para a ira, mas para alcançarmos a salvação por nosso Senhor Jesus Cristo”. Esse texto deixa claro que as pessoas serão pegas de surpresa na volta de Jesus.  E nos exorta a estar sempre atentos e a que  sejamos sóbrios.  Sobre o fim do mundo “profetas”de todas as épocas especularam e até hoje nenhuma profecia se cumpriu. Mas se há alguém, cujas profecias têm se provado precisas e não se destoam do Livro Sagrado, mesmo que examinado por crenças diversas, é  Jesus Cristo. As Suas profecias estão se cumprindo diante de nossos olhos, mas muitos preferem dar ouvidos às especulações de pessoas sem o menor credenciamento para afirmar sobre a vinda Daquele que é o Alfa e o Omega. Cristo é a última e única esperança para nosso mundo, e é Nele que devemos confiar e nos apegar. Nenhuma data, profecia ou adivinhação se sustentarão enquanto o Plano de Deus não se cumprir. Jesus foi o único que nasceu e morreu com uma missão específica de salvar a humanidade. Essa humanidade que prefere fechar o Evangelho de Cristo e ouvir especulações. Nosso Salvador criou uma alternativa para nosso mundo despedaçado pelo sacrifício de Sua própria vida e o derramamento de Seu sangue. Se você crê  nisso e reconhece Jesus como o único e absoluto salvador, o mundo já acabou para você. Resta agora viver em santidade aguardando a volta de Cristo, em tempo certo, porém imprevisto!

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012


Guarda-te, que não te esqueças do SENHOR, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão. Deuteronômio 6:12

Deus tem ensinado o seu povo que ele deve se lembrar da escravidão que teve na terra do Egito, para exercer  misericórdia em relação ao seu próximo. Muitos  têm se esquecido de onde foi que Deus nos tirou e não se lembram das benesses do Senhor, comportando-se com arrogância quando saem das lutas e contemplam a graça. O Senhor considera fundamental que nos lembremos de nosso passado, sem retornar aos nossos pecados, para que possamos ministrar sem arrogância a qualquer um (Ageu 1:7). É fundamental que nós, cristãos, possamos considerar e chamar à memória as obras de Deus em nossas vidas, devemos saber de onde Deus nos tirou, reconhecendo sempre todos os benefícios que Dele recebemos.  Aqueles que, depois de abençoados, depois de libertos da escravidão, seguem suas vidas desprezando os ensinamentos do Senhor, tão logo se sentem protegidos pela sua própria força, acabam se perdendo no caminho.
Esse texto de Moisés nos exorta a lembrar que Deus é a nossa fonte de segurança e não há outra chave para a verdadeira prosperidade, diferente daquela apregoada pelo mundo e que faz com muitos se esqueçam do que Deus realmente tem para os Seus filhos.  

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012



E estes sinais seguirão aos que crerem: Em meu nome expulsarão os demônios; falarão novas línguas; Marcos 16:17-18

Neste versículo Jesus está nos dando autoridade para usarmos o Seu nome e com esta autoridade fazer maravilhas. Quando usamos o Nome de Jesus Deus atende à nossa ordem, tal como atendia às ordens de Jesus. Mas precisamos saber que usar o Nome de Jesus é agir como Seu procurador e isso implica um posicionamento de fé. Essa decisão significa também uma tomada de responsabilidade. Em Filipenses 2:9-11, Paulo afirma “Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome; Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai”. Esses versículos demonstram que o  poder e a autoridade que estão no Nome de Jesus são o poder e a autoridade intrínsecos ao próprio Deus, por isso Jesus declarou em Mateus 28:18 que havia recebido todo o poder: E chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra. Quando usamos o nome de Jesus, estamos nos apropriando das prerrogativas de filhos de Deus  e essa é a atitude que Ele espera de nós. Mas não há como misturar a ordem: somente o nome de Jesus tem esse poder. Não há outro nome no céu ou na terra. Não há nenhum intermediário, ou intermediaria. Somente Jesus tem esse poder

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012


Mas nós, segundo a sua promessa, aguardamos novos céus e nova terra, em que habita a justiça. Por isso, amados, aguardando estas coisas, procurai que dele sejais achados imaculados e irrepreensíveis em paz. 2 Pedro 3:13,14

Ninguém  sabe exatamente qual é o dia da volta de Jesus, embora se criem suposições, fantasias e histórias que retratam o “fim do mundo”, mas de acordo com a Bíblia esse dia se dará em um momento inesperado, apesar de todas as tentativas de adivinhação. Por essa razão, não devemos nos preparar para um dia, mas a todo o momento, pois Ele retornará sem data marcada. Eis por que  vigilância é fundamental, para que neste dia, não sejamos pegos de surpresa e não fiquemos para trás. Deus  ainda está dando chances àqueles que ainda não O encontraram.
Enquanto esse dia não chega, devemos aguardar vigiando, conforme nos ensina Jesus nas parábolas que proferiu para nos motivar: a do dono de casa e do porteiro (Mc 13.32-37), a do servo mau (Mt 24.45-51), a das dez virgens (Mt 25.1-13), dos talentos (Mt 25.14-30), a das ovelhas e bodes (Mt 25.31-46) e a das dez minas (Lc 19.27). Vigiar não é estar acordado quando Jesus voltar, nem especular a respeito do dia e hora de sua volta, mas preparar-se agora, no momento presente para recebê-Lo. Aguardar trabalhando em prol do Reino de Deus, pois Jesus ordena que a igreja trabalhe (Mt 28.19,20). Ele mesmo deu o exemplo quando disse que tinha que realizar a vontade do Pai e a sua obra (Jo 4.34; 9.4). Aguardar em santidade, buscando a semelhança com Cristo: "E olhai por vós, para que não aconteça que o vosso coração se carregue de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e venha sobre vós de improviso aquele dia. Porque virá como um laço sobre todos os que habitam na face de toda a terra. Vigiai, pois, em todo o tempo, orando, para sejais havidos por dignos de evitar todas essas coisas que hão de acontecer e de estar em pé diante do Filho de Homem" (Lc 21.34-36).

terça-feira, 11 de dezembro de 2012


E, aproximando-se Jesus, tocou-lhes, e disse: Levantai-vos, e não tenhais medo. Mateus 17:7

Nesse trecho de Mateus vemos a aparição de Jesus aos discípulos, quando Ele diz a eles para não terem medo. Uma passagem de Lucas mostra uma exortação do Senhor ensina a quem devemos e o que não devemos temer “E digo-vos, meus amigos: Não temais os que matam o corpo, e depois não tem mais que fazer. Mas eu vos mostrarei a quem deveis temer; temei aquele que, depois de matar, tem poder para lançar no inferno; sim, vos digo, a esse temei.” Mas é interessante observarmos que as pessoas continuam com medo do que não devem e por isso mesmo não se levantam. Isso porque se apegam ao conforto, e perdem a oportunidade  de comunhão com Deus. Jesus nos mostra a necessidade de temer a Deus, pois ele nos mostra as consequências eternas, não só as temporais de nos afastarmos Dele. Toda vez que deixamos de proclamar o que não é correto., quando ficamos  em silêncio quando deveríamos proclamar o nosso relacionamento com Deus perdemos a oportunidade de nos aproximar de Deu Reino. A palavra alerta que o homem deve temer aquele que depois de matar tem poder para lançar no inferno. Jesus é Aquele que nos convida a levantar e não ter medo. Não importa como e  onde estamos. 

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012


Bem-aventurado aquele a quem tu escolhes, e fazes chegar a ti, para que habite em teus átrios; nós seremos fartos da bondade da tua casa e do teu santo templo. Salmos 65:4-5

O pronome "quem" geralmente é um pronome interrogativo, quando aparece nas interrogações diretas e nas indiretas, mas pode funcionar também como relativo (ou relativo indefinido).  O salmista chama de bem-aventurado aquele que é escolhido por Deus. Nesse caso não há uma pergunta, mas um pronome relativo. Esse “quem”pode ser qualquer, pode todo mundo.  Mas se lermos atentamente a palavra de Deus veremos que esse “quem”,  a despeito da classificação gramatical não pode ser relativizado. A Bíblia deixa claro que esse “quem” de fato é alguém que faz a vontade de Deus e que segue os Seus preceitos.  Esse “quem”é aquele que tem fome e sede de conhecer a palavra e que tudo faz para permanecer ao menos nos átrios da Casa do Senhor. O salmista conhece a importância de preencher esses requisitos.  Assim como Davi, devemos nos esforçar para preencher essas condições e como o profeta Isaias estar prontos para  responder à voz do Senhor, quando usar esse mesmo pronome de forma interrogativa: “A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim. Isaías 6:8. Como o profeta, devemos estar seguros de que esse pronome não é mais relativo. Ele tem uma identidade certa: aquele que está disposto a seguir as orientações e fazer a vontade de Deus.

domingo, 9 de dezembro de 2012


Afasta de mim a vaidade e a palavra mentirosa; não me dês nem a pobreza nem a riqueza; mantém-me do pão da minha porção de costume; Provérbios 30:8

Esse versículo contém uma sábia oração que devemos nos lembrar de fazer com frequência para não nos incorrermos no erro de, estando em situação de fartura não negarmos o Senhor ou em situação de pobreza não venhamos a furtar, a tomar emprestado e não pagar e assim não tomamos o nome de Deus em vão. Essas sábias palavras de Salomão nos alertam para o perigo de nos deixar contaminar pela vaidade e de, estando em situação de aparente prosperidade, ignorar aqueles que nos estenderam a mão, que nos apoiaram nos momentos difíceis. Estando em momento de gozo, não nos deixarmos guiar pelos que nos cercam , desconsiderando aqueles que olham para nossas fraquezas e não impõem condições para nos amar. Não raras vezes percebemos que as pessoas têm uma tendência a se aproximarem daqueles que lhes viram as costas em momentos de lutas e a se afastarem daqueles que jamais lhe deixariam nesses momentos. São as contradições dos homens: valorizam quem lhes desprezam e hostilizam ou negligenciam os que estão prontos a lhe devotarem amor, cuidado, atenção, sem restrições. Mas se aprendermos com Salomão a pedir a Deus que nos oriente nesse sentido, afastaremos de nós a vaidade, a ignorância que nos mantém presos a quem não nos valoriza ou nos cobra um preço elevado por essa devoção e passaremos a olhar para quem nos ama incondicionalmente. 

sábado, 8 de dezembro de 2012


Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens. João 10:9

Jesus ensinou claramente que não existe outro diferente caminho para a vida abundante, plena e eterna. Só Ele é a porta que leva à salvação, no entanto, a sociedade insiste em dizer que todos os caminhos levam a Deus. Ao contrário do que diz a Bíblia, religiões afirmam que a porta da salvação é a caridade, Maria é outra porta, talvez mais lembrada por muitos. Há também os que atribuem a salvação a outros homens que viveram neste mundo e como pecadores, diferentemente de Jesus que se fez cordeiro, que entrou pela porta das Ovelhas e foi imolado sem pecado para que a humanidade se salvasse. Em João 14:6  vemos essa afirmação que muitos ignoram: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, senão por mim.” Em Atos 4:10,12  Lucas deixa bem claro que em outro não há salvação, não há outro nome a não ser Jesus que possa interceder por nós: “Seja conhecido de vós todos, e de todo o povo de Israel, que em nome de Jesus Cristo, o nazareno, aquele a quem vós crucificastes, mas a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, em nome Desse é que este está são diante de vós.” “Em nenhum outro há salvação, pois debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” Jesus é a única porta e o único caminho que muda realmente as nossas vidas. Paulo afirma em II Coríntios 5:17 “Portanto, se alguém está em Cristo, nova criatura é, as coisas velhas já passaram, tudo se fez novo.” Essa é a porta que está aberta para todos, para quem quiser, não importa seu passado, sua origem, o que fez ou o que deixou de fazer. Ele nos convida a entrar pela porta que está aberta e conduz a vida abundante aqui e agora e a vida eterna com o Pai. Não adianta bater em outra porta. Quando entramos pela porta chamada Jesus, encontramos um refúgio seguro e a salvação. Fora desta porta vivemos num ambiente perigoso, expondo-nos a quem só quer nos destruir, onde quem reina é nosso inimigo. Jesus é a única porta, apesar de o inimigo ardilosamente nos apresentar opções que confundem aos que não ouvem a Palavra.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012


Mas o que para mim era ganho reputei-o perda por Cristo. Filipenses 3:7

Paulo  se refere ao fato de que ele havia conseguido um estatuto social perceptível em todos os níveis, em termos de família, educação, religiosidade e profissão. Paulo fazia todas as coisas com distinção que foi considerado irrepreensível, mesmo nas tarefas mais exigentes, como as da lei judaica. Quando ele usa a palavra “perda”, o termo grego se referia a um sacrifício expiatório que se celebrava para reparar as faltas cometidas para com certos deuses e também a uma multa e indemnização por perdas e danos. Ao ter um encontro pessoal com Cristo, Paulo reconheceu que a sua perseguição aos cristãos não tinha qualquer valor para Deus, que não se agradava daquele tipo de serviço. Depois de se encontrar com Cristo ele estava pronto para abandonar o seu status social, entregar a sua vida egoísta para ser crucificada com Cristo, como forma de pagar a multa pelos danos e perdas provocados na propagação do evangelho. Essas palavras do apóstolo podem nos ajudar a refletir sobre nossos propósitos em relação às nossas vidas.  Muitas vezes, quando pensamos que perdemos algo o qual desejamos muito,  na verdade estamos ganhando. Deus que tudo conhece e que não desiste de nos abençoar apesar de nossas fraquezas, tira dos nossos caminhos o que não nos trará bem, ou não permite que cheguemos a conquistar aquilo que desejamos inconscientes do mal que poderá nos trazer. Um relacionamento frustrado pode ser um livramento, um emprego perdido pode ser uma vitória em outra área. Nem sempre o que parece perda é de fato algo negativo. O ditado popular que afirma quem perde ganha mostra-nos que Deus não age conforme a nossa pobre compreensão. Deus é onisciente e vê além do que podemos imaginar, por isso, antes de qualquer decisão ou de nos indignarmos diante de uma aparente perda, devemos refletir sobre a excelência do conhecimento de Cristo, considerando tudo aquilo que o mundo reputa por ganho como sendo na realidade perda. Se esta noite nos tirarem a vida que valor terá tudo aquilo que ganhamos? O ganhará o homem se perder a sua alma? 

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012


Todo caminho do homem é reto aos seus olhos, mas o SENHOR sonda os corações. Provérbios 21:2

Muitas podem ser as estradas que algumas vezes se abrem diante de nós, principalmente nos dias atuais, quando tudo é sedutor e nos convida a novas experiências, muitas portas podem ser abertas por nós, mas nem todas trazem consequências positivas. Nossos corações planejam e se encantam diante daquilo que nos seduz. É natural que o homem faça planos e que busque a felicidade, mas antes precisa saber que não há felicidade plena quando não temos uma direção segura. Quando o homem se baseia no seu próprio entendimento, quando se direciona pelos caminhos que acha reto, o mais provável é que se decepcione, pois o coração humano é enganoso.   Entretanto, quando o homem se orienta pela Palavra, quando ouve o que o Senhor diz, por meio de seus profetas ele jamais se decepciona porque só Deus sabe como nos dirigir. Muitas vezes julgamos que Ele não nos dá o que pedimos ou nos dá justamente o que não queremos e adiante vamos compreender que Ele nos deu o melhor, no tempo  e na medida certa.  No texto de Provérbios, nós vemos que embora um homem possa fazer muitos planos e pensamentos que parecem direito aos seus olhos, no final será o desejo do Senhor que irá permanecer. E quem age segundo os conselhos de Deus sabe que mesmo sem entender de imediato o que não lhe parece bom terá com que se regozijar, ao contrário daquele que julga ser dono de sua vida e não escuta os conselhos de quem Deus preparou para lhe orientar. Quantas vezes nós nos arrependemos de não ter dado ouvidos ao pastor, ao irmão, ao amigo que tentou nos orientar ou nos mostrar o nosso engano? Muitas vezes tomamos essas pessoas por inimigas e não abrimos os nossos corações e mentes para receber a orientação. Mas, como diz Salomão, o Senhor que sonda os corações bem sabe o que é melhor para nós. 

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012


E Jacó deu pão a Esaú e o guisado de lentilhas; e ele comeu, e bebeu, e levantou-se, e saiu. Assim desprezou Esaú a sua primogenitura. Gênesis 25:34

Neste trecho, Moisés narra o conhecido episódio protagonizado pelos gêmeos Jacó e Esaú, quando esse último vendeu ao seu irmão o direito à bênção da primogenitura. Esse  direito era de Esaú, porque embora tivesse sido gerado junto com Jacó, teve a fortuna de nascer antes de seu irmão. Mas daí em diante, ambos tiveram as  mesmas oportunidades. A grande diferença entre suas histórias se deu em razão das escolhas que fizeram. Esaú, que, pela tradição, tinha o direito natural de primogenitura, desprezou a bênção, trocando-a por um prato de lentilhas. Ele poderia ter optado por conter o desejo de se alimentar e não barganhar um bem precioso por algo passageiro. Quantas pessoas trocam a oportunidade de uma vida em abundância por um desejo passageiro e quantas não abrem mão da vida eterna no Reino de Deus por algo terreno. A Bíblia mostra que satanás está sempre atento a essas brechas e sempre estará disposto a fazer a troca.  Terá sempre à disposição uma oferta que sacia o desejo imediato, mas que trará sérias consequências na vida daquele que precipita em aceitar a barganha.  Nesse propósito, satanás se aproveitará de uma necessidade nossa, no caso de Esaú,  a fome.  Esse  momento da necessidade é sempre oportuno para a tentação. Quantos não se vendem por uma necessidade imediata:  dinheiro, carência afetiva... Ele se aproveita da possibilidade de uma solução. Para Esaú  um prato de lentilhas, mas terá sempre uma “solução” enganosa para muitos problemas humanos. E essa solução para suprir a necessidade, sempre envolve a prática do pecado.  A tentação de buscar recursos de uma forma desonesta, tomar dinheiro emprestado e não pagar, roubar ou se apropriar do que não é devido. Sexo ilícito, corrupção, negócio ilegal... A mesa do inimigo (I Cor.10.21) contém os “banquetes” que o mundo oferece. A oferta do inimigo sempre terá um preço. Para Esaú foi o direito de primogenitura. Em geral o inimigo é hábil no comércio (Ez.28.16,18) e o homem empenha o que tem e o que não tem para usar agora e pagar depois, assim como o cartão de crédito. Aparentemente é viável, a tentação é grande, mas o preço é alto demais.  

terça-feira, 4 de dezembro de 2012


E a mulher de Ló olhou para trás e ficou convertida numa estátua de sal. (Gênesis 19: 26)

A Mulher de Ló não se transformou em estátua de sal porque olhou para trás, mas sim porque desobedeceu à ordem de fazer isso! A ordem dada pelos anjos  enviados pelo Senhor era que a família de Ló não deveria olhar para trás, para ver as cidades de Sodoma e Gomorra sendo destruídas. O que fez a mulher de Ló desobedecer a essa ordem não foi a simples curiosidade, mas o fato de não ela era realmente convertida a Deus e se deixou contaminar pelos pecados daquele povo, por isso olhou para trás. Jesus nos exorta em Lucas 17:32 “Lembrai-vos da mulher de Ló”, Ele quer que tenhamos o cuidado para não nos tornarmos uma Estátua de Sal. Jesus disse para sermos o sal da terra, mas não uma estátua de sal. A Bíblia diz em Gênesis que a mulher de Ló olhou e se converteu numa estátua de sal!  Muitos são os que se convertem desse modo: em estátua de sal e não em seguidores de Cristo. Infelizmente as igrejas atuais estão repletas de estátuas de sal, feitas por pessoas que olham para trás, que estão com seu coração no mundo e não na Palavra e em vez de se converterem a Cristo, convertem-se ao mundo. Paralisados pela desobediência, essas pessoas ficam presas numa apatia espiritual, que as transformam em estátuas. Mas Jesus nos convida a uma verdadeira conversão. A escolha é nossa: olhar para trás, ou seguir em frente, com os olhos em Cristo. 

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012


Não temais; estai quietos e vede o livramento do Senhor. Êxodo 14.13

Moisés faz essa exortação ao povo e Davi a reforça nos Salmos 34:19 quando afirma que "Muitas são as aflições do justo, mas de todas elas o Senhor o livra", pois ele reconhece que o Senhor, em tudo, tem nos ajudado. Mas, nós, nem sempre reconhecemos a presença de Deus nos livramentos que temos recebido. Muitas vezes, focamos nossas atenções mais nas aflições e não percebemos a mão protetora do Senhor até mesmo nos momentos mais impensados. Precisamos nos conscientizar do quanto Deus nos ama e do quanto temos sido livrados de situações adversas que, por mais que venham contra nós e nos enfraqueçam, em Deus, somos fortalecidos. A Bíblia nos mostra vários homens que passaram por grandes aflições e nelas foram fortalecidos, apesar de no momento da dificuldade não terem entendido a dimensão do que poderia vir a acontecer. José foi um desses homens mais íntegros e santos do Antigo Testamento. Ele foi vendido pelos seus irmãos  como escravo e acabou se transformando no segundo homem mais poderoso da nação mais próspera de sua época. Após várias aflições no Egito, ele se tornou governador. A Bíblia diz que, mesmo assim, ele não usou de sua posição para reivindicar seus direitos ao rei e se vingar de seus irmãos. Pelo contrário, Deus mesmo os trouxe até José e fez com que se prostrassem diante dele (Gn 37 a 50).  Josué passou por dificuldades e aflições, afinal, não é fácil conduzir um povo numeroso em meio a um deserto. Davi passou por diversas aflições. Enfrentou guerras dentro da sua casa com os seus irmãos, depois com os seus filhos e isso sem falar das guerras com os outros povos, inimigos de Israel. Enfrentou a aflição de andar como fugitivo e errante por causa da inveja de Saul.  Mas em momento algum ele ousou se levantar contra o ungido do Senhor. Davi, em tudo, foi obediente e não permitiu que as aflições e dificuldades que se apresentavam o deixassem desacreditado. Nos momentos mais difíceis ele se apegou ao Senhor e recebeu livramento de todas as tribulações pelas quais passou (I Sm 24:1:22).  Daniel, ainda jovem, passou pela aflição do cativeiro babilônico. Mas o Senhor  trouxe livramento para ele e o rei reconheceu que o Deus de Daniel era o Deus verdadeiro. As  aflições e dificuldades que esses homens enfrentaram os ajudaram na formação do seu caráter. José transformou-se em um líder de excelência, Josué creu que o Senhor lhes entregaria a terra prometida apesar dos gigantes. Davi foi fiel a Deus e não tocou em Saul, ungido do Senhor. Daniel foi íntegro durante o cativeiro na Babilônia e recebeu grande livramento na cova dos leões.  Palavra declara:"Muitas são as aflições do justo, mas de todas elas o Senhor o livra". (Salmo 34:19). Confie nessa Palavra, porque ela não falha jamais e prossiga para o alvo que é Jesus mantendo os nossos olhos muito mais no livramento do que nas aflições. A vitória é sua. Portanto, caminhe em justiça e receba, da parte Deus todo livramento que você precisa.o nosso Deus é Deus que nos livra. 

domingo, 2 de dezembro de 2012


Porquanto Efraim multiplicou os altares para pecar; teve altares para pecar. Escrevi-lhe as grandezas da minha lei, porém essas são estimadas como coisa estranha. Oséias 8:11-13

O profeta Oseias foi usado por Deus para mostrar ao povo de Israel o perigo do pecado da idolatria. Em meio a  prosperidade, o povo estava se corrompendo por causa da idolatria, da imoralidade e da injustiça.  Assim como nos dias atuais, o povo multiplica seus altares e adora deuses estranhos, fazendo com que a palavra de Deus seja negligenciada. Oseias viveu em sua vida pessoal uma analogia à vida de Israel. A infidelidade da qual fora vítima em seu  casamento pode ser comparada à infidelidade espiritual do povo. Israel, tal qual a esposa do profeta entregava-se ao  pecado de adultério, assim como a sociedade atual. Oséias sofre com a infidelidade da mesma forma que Deus em relação ao Seu povo, quando se entrega a outros deuses e se contamina com eles. Mas assim como Oseias se compadece da esposa que o traía,  e ainda mostra a misericórdia para tomá-la de volta, Deus que viu o povo de Israel se envolvendo com outros deuses, ou seja, cometendo adultério espiritual, também age com graça e misericórdia para reconciliar com “a esposa adúltera” e estabelece uma nova aliança com ela. Nós somos essa esposa e precisamos nos posicionar diante desta oportunidade que o Senhor nos dá. Ele está disposto a não olhar para a nossa traição e a nos receber de volta, apesar de nossa infidelidade. Mas precisamos também saber que Deus não é conivente com o pecado e que, embora tenha apagado as nossas transgressões, Ele aceita que maculemos o Seu nome. Temos a oportunidade de nos reconciliar, mas não podemos mais viver no pecado. Não podemos mais ser infiéis. 

sábado, 1 de dezembro de 2012


Dirige os meus passos nos teus caminhos, para que as minhas pegadas não vacilem. SALMOS 17:5

O salmista sabe quem é o Seu Deus e reconhece que Nele está a verdade da qual não deve se desviar. Ele sabe que Jesus veio ao mundo para nos dar o caminho e a direção,  para mostrar o amor do Pai,  para nos libertar das garras da escravidão do pecado e para nos  fazer herdeiros da graça de Deus. Diferentemente  do que ensina o mundo, que todos os caminhos levam a Deus, o salmista nos leva a reconhecer também que só há um caminho, aquele mencionado em João 14:6. Assim como Davi, devemos sempre clamar a Deus para que dirija nossos passos neste caminho, para que nossos pés não vacilem e para que nossa caminhada seja constante e firme, principalmente quando o mundo tenta turvar a nossa visão, com seduções e enganos a fim de que jamais nos desviemos do alvo.  Quando colocamos nossos olhos em Deus, quando firmamos nossos passos na direção indicada pela Palavra não corremos o risco de nos precipitar em decisões que nos deixarão reféns de nossas escolhas erradas. Quando deixamos que Deus dirija nossos passos, não vacilamos em nossos compromissos e até mesmo o que nos parece incerto será confirmado pela prosperidade de nossas ações. Quem confia e segue na direção do Senhor, ouvindo e praticando a Sua Palavra  é próspero em todos os sentidos: na vida pessoal, financeira, profissional, espiritual e social.