Traduza este blog

sábado, 31 de julho de 2010



Porque eu, o SENHOR teu Deus, te tomo pela tua mão direita; e te digo: Não temas, eu te ajudo. (Isaías 41:13)

Amado(a), nem sempre conseguimos entender porque as coisas tomam um rumo inesperado, quando parece que Deus está guiando tudo. Às vezes nos perguntamos: “Por que Deus permitiu que eu entrasse nesta, sabendo que nunca iria dar certo?” Mas a resposta é clara: Deus nos permite fazer escolhas. Veja o caso de Judas. Ele foi chamado pelo Senhor. Estava destinado a ser um homem de Deus, comia à Sua mesa e tinha livre acesso ao Mestre. Foi escolhido à mão por Jesus. Poderia ter sido poderosamente usado por Deus, se não tivesse se deixado corromper pelas propostas do mundo. Ele abortou o plano de Deus e com isso partiu o coração de Jesus. Aquilo que havia se iniciado dentro da vontade de Deus terminou em desastre, porque Judas escolheu os seus próprios caminhos. O orgulho e a teimosia destruíram o plano de Deus em ação sua vida. Quantas vezes nós também não fazemos isso? Começamos bem, seguindo os passos do Mestre, dedicando-nos à Sua obra, mas nos desviamos no meio do caminho, escolhendo seguir nosso coração ou dar ouvidos aos convites do mundo. Deus não escolhe o nosso mal. É verdade que Ele permite que colhamos as conseqüências de nossas escolhas e muitas vezes as usa para nos corrigir, pois Ele corrige a quem ama. Mas essa correção é só por um período, porque o Senhor nos diz por meio de Paulo em I Coríntios 10:13 “Não vos sobreveio tentação que não fosse humana; mas Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além das vossas forças; pelo contrário, juntamente com a tentação, vos proverá livramento, de sorte que a possais suportar”
Graça e Paz!

sexta-feira, 30 de julho de 2010


Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; olha para os seus caminhos, e sê sábio. (Provérbios 6:6)

Amado(a) o sábio nos dá mais uma lição, quando nos mostra que um ser tão pequeno, cujas ações as vezes imperceptíveis aos nossos olhos nos ensinam a grandeza da persistência e da solidariedade. Sozinhos nada somos. Isso é ponto indiscutível. Antes precisamos da força do Criador que nos vivifica, e somos mais fortes quando dividimos nossos problemas com aqueles semelhantes que Deus permite cruzar nossos caminhos, para entendermos que não podemos caminhar sós. “Porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante”. (Eclesiastes 4:10). Essa consideração de Salomão reforça o sentido de união, de família como célula da sociedade e a necessidade de estabelecermos vínculos sinceros e de confiança para que nunca estejamos sós. Outras características que devemos adotar das formigas é a determinação e persistência quando nos propomos a realizar alguma atividade. Isso vale tanto para as ações seculares como para os nossos propósitos de oração e de intercessão por aqueles que carecem de experimentar o novo nascimento. Desistir é um termo que só deve ser empregado quando se referir às coisas mundanas, à promiscuidade, a toda forma de pecado.

quinta-feira, 29 de julho de 2010


Mas, se padece como cristão, não se envergonhe, antes glorifique a Deus nesta parte. (I Pedro 4:16)


Amado(a),
Ao contrário do que muitos pensam, o tempo não resolve nada! Só Deus resolve. Quando estamos feridos, o tempo só amplia a dor.
E raramente nos machucamos apenas uma vez. Em geral, uma ferida, antes de ser cicatrizada, dá lugar à outra e qualquer toque pode desencadear mais dor. Assim, um coração partido é facilmente magoado porque não é protegido por uma casca dura. Ele geralmente é sensível, frágil. O pior é que a brandura muitas vezes é confundida com vulnerabilidade pelo coração de casca dura. O silêncio é interpretado como fraqueza e a abertura para o perdão ao ofensor é tomada por autorização para novas ofensas.
Isso muitas vezes indica que um coração sensível que busca amor e compreensão, em geral, é o mais fácil de ser partido. Corações abertos e que confiam são mais machucados. O mundo está cheio de homens e mulheres que rejeitaram o amor oferecido por um coração suave e terno, que aceita as diferenças e assim como Jesus ensinou não trata o mal com o mal. O que se observa é que os corações fortes, que quase nunca estão dispostos a dar, antes querem receber o que não entregam, raramente se quebram. Eles estão cobertos por uma carapaça dura, não confiam em ninguém, e exigem que o amor constantemente lhes seja provado. Não se ferem porque não se colocam na posição do próximo, não caminham no mesmo sentido e assim não há o que os fira. São muito orgulhosos e muito egoístas para permitir que alguém os faça sofrer de alguma maneira. São corações que não assumem compromissos. Não conseguem ser fieis a Deus, ao companheiro do momento, porque também não são fieis a si mesmos.
Amado(a), se você tem esse coração sensível e não tem conseguido quebrantar um coração casca dura, não se martirize, você provavelmente fez o que era preciso. Moveu-se dentro da vontade de Deus, agindo com honestidade. Se foi motivado(a) pelo amor de Deus, lembre-se de que Deus sabe exatamente o quanto você pode aguentar e não permitirá que passe por provações maiores do que possa suportar. Lembre-se do que nos disse Paulo em Romanos 5: 3-5 “Nós nos gloriamos também nas tribulações, sabendo que a tribulação produz a perseverança…” Em momentos difíceis, louve a Deus e descanse Nele.
Graça e Paz!

quarta-feira, 28 de julho de 2010




E disse: Se ouvires atento a voz do SENHOR teu Deus, e fizeres o que é reto diante de seus olhos, e inclinares os teus ouvidos aos seus mandamentos, e guardares todos os seus estatutos, nenhuma das enfermidades porei sobre ti, que pus sobre o Egito; porque eu sou o SENHOR que te sara. (Êxodo 15:26)


Amado(a), todos nós de um jeito ou de outro nos machucamos. É certo que cada pessoa a seu modo carrega sua própria carga de dor e de mágoa. E para este mal não existe a cura física. Só Deus pode curar a depressão, a sensação de solidão e de fracasso que sentimos na alma e muitas vezes são somatizadas. E o único remédio é a fé no amor de Deus que pode libertar a mente ferida. Não há médico ou prazeres que possam curar o coração ferido e partido que sofre em silêncio. Ele só pode ser curado por uma obra sobrenatural do Espírito Santo e nada, a não ser a intervenção divina, realmente vai funcionar.
Amado(a), nesses casos, é inútil colocar depositar nossas expectativas em outra pessoa, isso só faz mascarar o problema, que, inevitavelmente, voltará à tona em pouco tempo.
Quando a dor é profunda, ninguém consegue interromper os medos íntimos e a mais profunda das agonias. Nem o melhor dos amigos pode entender na realidade a batalha que enfrentamos, ou as feridas que insistem em não cicatrizar. Nesse caso, Deus tem de intervir e assumir o controle, pois Ele conhece a profundidade de nossos sentimentos, dores e mágoas.
Graça e Paz!

terça-feira, 27 de julho de 2010





Vós sereis meus amigos, se fizerdes o que eu vos mando. (João 15:14)


Amado(a), João nos ensina o segredo de ser amigo de Deus. É simples: ser obediente. O verdadeiro cristão é amigo de Deus, porque só é cristão de verdade aquele que faz a vontade Dele. E amigo de verdade não usa o nome de Deus apenas para se dar importância. Não procura o Senhor apenas quando está se sentindo só, com problemas pessoais, financeiros ou profissionais. Não deixa de ir à sua casa porque tem outros compromissos. Não deixa de servi-Lo porque se acha estabilizado ou confiante em suas próprias forças. Não vai à Sua casa apenas para pedir, mas também para agradecer e honrá-Lo. O amigo de Deus fala bem de Seu nome diante de todos e não apenas quando está na igreja. O amigo de Deus é fiel, pronto para servir, adorar e honrar o Senhor também nos momentos difíceis e não apenas nos momentos de festa.
Mas é interessante observar que, quem se comporta com Deus de acordo com sua conveniência: procura-O nos momentos difíceis e O ignora quando tudo parece bem, em geral, age de forma análoga nos demais relacionamentos: com os amigos, com os irmãos, com o cônjuge... O cristão verdadeiro é amigo de todas as horas, é companheiro fiel e a exemplo de Deus não coloca condições para servir ou para honrar.
Podemos observar em nossas relações seculares essa verdade: o verdadeiro amigo está sempre pronto a ajudar, principalmente nas adversidades, mas o amigo de ocasião apenas se aproxima nas boas horas ou quando precisa do outro.
Conhecemos o amigo de Deus nas horas difíceis. Quando todos os outros nos abandonam, ele está sempre pronto a nos apoiar, independentemente de como temos agido com ele.
Mas os amigos do mundo são amigos da hora: só nos rodeiam quando temos algo a oferecer, quando vê o sorriso em nossos lábios, jamais aparecem para carregar o fardo conosco ou enxugar nossas lágrimas.
Amado(a), consulte seu coração e verifique se tem agido como amigo ou inimigo de Deus, porque somente os que viveram a experiência de um novo nascimento pela purificação do Evangelho de Cristo, poderão recebê-Lo com verdadeiro amigo. E agir com o próximo assim como Ele age: com amor incondicional.
Graça e Paz!

segunda-feira, 26 de julho de 2010



Nós somos de Deus; aquele que conhece a Deus ouve-nos; aquele que não é de Deus não nos ouve. Nisto conhecemos nós o espírito da verdade e o espírito do erro. (I João 4:1-6)


Amado(a), João está nos mostrando que somos reconhecidos como filhos de Deus e não apenas como criaturas quando ouvimos a Sua voz e guardamos os Seus mandamentos. Isso é reforçado na Primeira Carta de Pedro 1;14-16 “Como filhos obedientes, não vos conformando com as concupiscências que antes havia em vossa ignorância”. Quando éramos ignorantes e nada sabíamos sobre a vontade de Deus ainda tínhamos uma desculpa para nossos erros, mas isso não ocorre quando conhecemos a palavra. Por diversos meios o Senhor nos manda recados e nos orienta por intermédio de Seus profetas. Se você vai à igreja, ouve a pregação, mas sai de lá fazendo as mesmas coisas, você, certamente não tem agido como filho legítimo. As promessas do Senhor e Suas revelações estão para quem tiver olhos e ouvidos e coração abertos para aceitar e praticar os Seus mandamentos.
Há muitos que são cristãos domingueiros: vão ao culto, ouvem a pregação, fazem o social e mal atravessam a soleira do templo voltam a ser do mundo, até se apresentarem novamente como cristãos na próxima reunião da Igreja. Amado(a), se você tem se comportado assim, há uma péssima notícia para você: não há bênçãos que poderão lhe alcançar. Você está perdendo seu tempo e comprometendo o nome de Jesus. Quem vê você com a Bíblia na mão aos domingos e esporadicamente em outros dias e observa seu comportamento, seus relacionamentos e atitudes durante a semana, certamente, rejeitará o Evangelho. Quem ama a Deus e é verdadeiramente cristão não evangeliza com palavras, mas com atitudes firmes e constantes. Mas se você crê na palavra de Deus, reconhece que foi resgatado por um alto preço e o Senhor tem sido misericordioso com você, permitindo que se erga, examine seu coração e verifique onde tem errado. O que tem feito que é contrário à palavra, como tem agido dentro e fora do templo. Não é preciso nenhuma profecia para lhe dizer que suas escolhas definirão seus caminhos e o cumprimento das promessas em sua vida. Fique atento(a), satanás não vacila e se ele tem se agradado de suas atitudes, ainda há tempo de clamar ao único que pode resgatá-lo de suas fraquezas. A boa notícia é que, se você tomar um posicionamento firme diante do Senhor, se deixar para trás os erros do passado e passar a agir como nova criatura, aquele vazio que sente na alma será preenchido, pois nele só há espaço para o Deus verdadeiro que ama você com amor incondicional e ilimitado.
Graça e Paz!

domingo, 25 de julho de 2010


“Sede sóbrios e vigilantes. O diabo, vosso adversário, anda em derredor, como leão que ruge procurando alguém para devorar; resisti-lhe firmes na fé.” (1 Pedro 5.8-9).


Amado(a), não pense que o inimigo dorme. Se há nele uma qualidade a ser destacada é a persistência. Enquanto muitos que se afirmam cristãos se acomodam, ou não se envolvem verdadeiramente com a obra de Deus, o diabo é determinado em usar as estratégias para desviar os escolhidos do propósito de servir a Deus. Mas é interessante observar que ele não é nem um pouco criativo. Suas armas são as de sempre. E não é raro perceber que ele emprega sempre os mesmos recursos para tirar da presença de Deus aqueles que assim pensam estar. Ele conhece os nossos pontos frágeis, sabe de nossas carências e se aproveita das brechas. Quase sempre age quando baixamos a guarda e passamos a nos sentir confiantes. Nesse momento esquecemos as recomendações do Senhor, ignoramos as palavras proféticas, deixamos de lado os que procuram nos alertar sobre nossas fragilidades. Quando estamos nos sentindo invulneráveis é que somos uma presa fácil. O pior disso tudo é que insistimos nos mesmos erros e não enxergamos que o resultado não será inédito. É como o remake de um filme: trocam-se apenas os atores coadjuvantes. Os que representam os papeis principais continuam sendo nós, como meras marionetes; o inimigo nos bastidores; e Deus, sempre longânime e misericordioso.
E final é sempre o mesmo, sem surpresas e sem modificações. E nessa história nem Deus ou satanás podem mudar o fim. Somos nós os autores dessa trama. Deus pode, mas não muda porque nos dá o direito de escolha, e satanás só tem permissão para fazer o deixamos. Quando abrimos as brechas, damos a ele o direito de agir em nossas vidas.
Amado(a), se você já viu esse filme, sabe qual é o final, então sabe também o que fazer e o que não fazer para mudar essa história. A palavra de Deus já lhe revelou o segredo para não abrir as brechas e não ceder espaço ao inimigo, resta a você usar os seus conhecimentos e experiências ou mais uma vez cair na velha e conhecida cilada do diabo.
Quantos cristãos tidos como inteligentes e sinceros, mas negligentes quanto ao conhecimento das Escrituras, têm se deixado enredar pela astúcia de homens que induzem ao erro? Quantos não são os que ignoram o alerta dos ungidos do Senhor e se estribam em seu próprio entendimento e por isso mesmo são presas do inimigo? Você não quer se juntar a essa lista. Ou quer?

Graça e Paz!

sábado, 24 de julho de 2010






“Eu te ouvi no tempo da oportunidade e te socorri no dia da salvação; eis, agora, o tempo oportuno, eis agora, o dia da salvação”. (II Coríntios 6:2)


Amado(a), eis o tempo oportuno da salvação. Em outras palavras: hoje, agora, neste instante é o momento de tomar um posicionamento diante de Deus e aceitar verdadeiramente que o sacrifício de Jesus por nós não pode ser desprezado. Somos livres para escolher e somos por isso responsáveis por nossas escolhas. O Senhor tem se revelado dia após dia a nós e nos dito repetidas vezes o que fazer e o que não fazer. Mas nem sempre damos ouvidos aos alertas. Deixamos que nossa cegueira espiritual nos desvie do caminho e nossa surdez diante dos recados divinos tem nos conduzido aos mesmos erros. Nossa tolice se manifesta, quando, em vez de sermos humildes para aceitar nossas fraquezas, julgamos que podemos caminhar com nossos pés, sem a luz do Espírito. Ou pior, quando achamos que pequenas frestas representam a luz. Amado(a), o que é de Deus brilha por si, tem luz própria, não pode ser ofuscado. Deus está falando com você: “Eu te socorri”. Não abra mão de suas bênçãos agindo precipitada e insensatamente. Não s deixe enganar pelas aparências. O inimigo sabe qual é a sua fraqueza, mas cabe a você neutralizar sua ação para que ele não encontre brechas. Você conhece a palavra de Deus e se não está seguro(a) peça ao Espírito Santo para lhe abrir a mente e o coração para saber ouvir e compreender. Deixe que Ele lhe aponte o caminho e tome uma decisão acertada: aceite a salvação. Esse é o momento e pode ser a sua última chance.
Graça e Paz!

sexta-feira, 23 de julho de 2010




“Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito”.(Romanos 8:28)


Amado(a), como é bom abrir a Bíblia e nos deparar com essa mensagem. É reconfortante e nos refrigera a alma saber que Deus usa até o mal que nos fazem para nos abençoar. Quantas vezes passamos por lutas e tribulações e mais adiante isso se mostra favorável a nós. Distanciando do problema, conseguimos enxergá-lo como um exercício de resistência que nos prepara para receber a bênção, mas, enquanto estamos vivenciando-o, muitas vezes ele nos parece o distanciamento de Deus. José é um grande exemplo disso: a inveja de seus irmãos, sua venda como escravo e sua passagem pela cisterna fizeram com que ele cumprisse o propósito de ser honrado por aqueles que o venderam e o lançaram a mercê da sorte. Deus era com ele e nem mesmo a armadilha de uma mulher fez com que se desviasse desse caminho de bênçãos. Ao contrário, foi na prisão, depois de ser condenado injustamente, que teve a oportunidade de ser reconhecido. E assim também é com todos aqueles que amam a Deus, afirma o apóstolo Paulo. Mas é preciso observar que há uma restrição nesse versículo: o que pode ser visto por alguns como coincidência ou acaso contribui para o bem daqueles que amam a Deus. E isso significa que não é para todos. Amar a Deus implica seguir seus estatutos, obedecer Sua palavra, não se desviar de Seus caminhos. Amar a Deus não é ser freqüentador de igreja, clamar pelo Seu nome somente quando todos viram as costas. É ser servo, mesmo nos momentos difíceis, assim como fez José. É ser perseverante nas adversidades. É ser fiel nas tribulações. É ser grato em todos os momentos. Amado(a), tudo conspira em favor dos escolhidos do Senhor. Essa é uma verdade inegável. Você já se deu conta disso?
Graça e Paz!

quinta-feira, 22 de julho de 2010





Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.
(Mateus 11:28)


Amado(a), veja que reconfortante essa mensagem de Jesus: Ele não está distante. Seus braços estão abertos a nossa espera e oferece alívio a todos aqueles que compreendem o Seu chamado. Quantas vezes nos sentimos impotentes diante de uma situação, quando vemos nossos esforços humanos se esvaírem diante das lutas e incertezas da vida e nesse momento o que precisamos é desse convite. O convite está feito, amado(a), mas aceitá-lo ou procurar outras formas de alívio é opção de cada um. O Senhor nos convida a deixar com Ele nossas dores, nossos problemas, nossas incompletudes. E se Ele nos garante alívio, por que insistimos em carregar sozinhos nossos fardos?
É uma decisão pessoal deixar o pecado, confiar em Cristo e começar a segui-Lo.
Observe, amado(a), que Jesus se dirige a todos os que lutam e estão sobrecarregados e oferece perdão aos culpados. E só Ele pode dar pureza aos impuros e a promessa é: "Eu vos darei descanso". Entretanto, nesse convite está subtendido que é preciso acreditar nele e tomar a decisão pessoal de vir a Jeus com obediência.
Graça e Paz!

quarta-feira, 21 de julho de 2010







“Não retarda o Senhor a sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, ele é longânime para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento”. (II Pedro, 3: 9)


Amado(a), muitas vezes pensamos que Deus não nos tem ouvido e que aquilo que nos foi prometido está demorando a chegar. Mas é preciso saber que, se a promessa vem de Deus, ela virá e que o tempo de Deus não é o nosso tempo. Porque Ele nos conhece, sabe o momento certo de nos entregar as bênçãos. Porque é onisciente, conhece o nosso coração e sabe que entregando uma bênção sem que estejamos preparados iremos desperdiçá-la. Mas o certo é que só enxergamos isso quando deixamos a ansiedade de lado e olhamos com atenção as coisas que nos acontecem. Muitas dores, desencontros e reencontros servem para nos mostrar os caminhos de Deus, quando deles nos desviamos. Nada é por acaso. Há propósitos para tudo debaixo do sol, diz o sábio. E Pedro nos ensina que o caminho mais curto para chegarmos ao coração de Deus e obter Dele nossas petições é o arrependimento. Ele não quer que pereçamos, e espera de nós um sinal, uma abertura para que entre e faça morada em nossas vidas. Mas não podemos nos esquecer que Ele não divide espaço: se escolhemos servir a Deus, o pecado não pode fazer parte de nossa vida, sob nenhuma justificativa.

Graça e Paz!

terça-feira, 20 de julho de 2010






Tendo por certo isto mesmo, que aquele que em vós começou a boa obra a aperfeiçoará até ao dia de Jesus Cristo. (Filipenses 1: 6)

Amado(a),. Não desanime! Essa é a palavra de ordem. Se você tem uma promessa de Deus. Se ela já foi entregue por um profeta do Senhor, se já foi confirmada em diferentes épocas, e por diferentes pessoas, além de estar de acordo com as Escrituras, a única coisa a fazer agora é esperar com paciência, sem se desviar do lugar da benção. Aquele que prometeu é fiel para cumprir. Se a sua petição está dentro dos planos do Senhor, se é algo que vai ao encontro de Sua vontade, não se preocupe: ela está a sua porta. Mas não se esqueça: Deus é o mesmo de sempre. Não O procure apenas pelas bênçãos, busque-O de todo o coração pelo que Ele é. Quando O buscar de todo coração Ele se manifestará de forma sobrenatural em sua vida para que dê testemunhos e também possa edificar outras vidas.
Fique atento(a). observe os sinais e veja. Não deixe que o inimigo cegue seu entendimento. O Senhor, que começou a boa obra está pronto para aperfeiçoa-la. É só você se dispor a Ele.
Graça e Paz!
For.Bibliografia: http://www.icmv. org.br/BibliaOnline.aspx

segunda-feira, 19 de julho de 2010


E a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos sentimentos em Cristo Jesus. (Filipenses 4: 7)

Amado(a), é interessante observar que este versículo nos ajuda a compreendermos a diferença entre as nossas ilusões e expectativas acerca de nossos sentimentos e o que de fato o Senhor espera que façamos no momento de tomarmos algumas decisões: a paz que excede todo entendimento. Quando não estamos em paz, é certo que nossas decisões contrariam a vontade de Deus. Mas essa paz não é uma paz aparente. É o sopro da voz do Espírito que nos impele a agir e a serenar. Se nosso coração não nos condena, temos confiança. Essa paz que excede todo entendimento regerá também nossos sentimentos. Isso significa que somos compelidos a fazer a vontade de Deus porque nosso espírito entra em sintonia com o Espírito de Deus e isso nos dá a tranqüilidade necessária para agirmos com segurança. O profeta Isaias 26: 3 nos garante que Deus conserva em paz aquele cuja mente está firme em Nele; porque confia em Deus. Essa paz, amado(a), é algo indescritível, só pode saber quem vive uma verdadeira experiência com o Senhor, como nos ensina o apóstolo Paulo.
Graça e Paz!

domingo, 18 de julho de 2010


Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. (2 Coríntios 5:17).

Amado(a), o que o apóstolo Paulo está nos dizendo é que o cristão, aquele que se converte verdadeiramente, não mais se comporta como um ímpio. Se mentia, não mente mais, se adulterava, não adultera mais, se prostituia, não se prostitui mais, se roubava, não rouba mais... As coisas velhas já passaram, são as coisas da carne que agora dão lugar às coisas do espírito, pois a velha criatura está morta para o pecado e caminha em busca da santidade.
E quem anda em busca da santidade não anda mais em companhia mundana, não se associa mais com pecadores, nem se comporta como antes. Antes, porém, procura se cercar daqueles que podem testemunhar o evangelho de Cristo. Não é necessário sair do mundo, mas imprescindível fazer com que o mundo saia de você. Enterrar o passado e tudo aquilo que nos faz presos a ele é fundamental para que a nova criatura cresça e seja edificada na Rocha firme. Mas é importante que se recomece na perspectiva do evangelho, em todas as áreas: no trabalho, nos relacionamentos, nas finanças. Repetir os erros é dar espaço ao inimigo. É mais do que urgente fechar as brechas que dão espaço ao diabo para agir em nossas vidas e se já sabemos quais são os nossos pontos fracos é preciso começar por aí.
O profeta Isaias 32:3 nos garante que aqueles que se convertem terão nova perspectiva “E os olhos dos que veem não olharão para trás; e os ouvidos dos que ouvem estarão atentos”.
Amado(a), o diabo não desiste daqueles que querem servir ao Servir, por isso fique firme e não desanime, peça a Deus força e resista quando a tentação vier ao se alcance. Aquele que prometeu é fiel para cumprir e não deixará que você caia. Mas a decisão é sua: abrir ou não os portos para o inimigo.
Graça e Paz!

sábado, 17 de julho de 2010




"Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio ou quente! Assim, porque és morno, e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te de minha boca" (Apocalipse 3.15-16).


Amado(a), nesta carta endereçada aos cristãos mornos de Laodicéia, encontramos as principais características de muitos que, infelizmente, estão presentes na Igreja hoje.
Ela se refere àquele que se diz cristão, mas em vez de assumir uma vida de servo, envergonha o evangelho do Senhor. Esse tipo de freqüentador de igreja não se adapta nem à igreja, nem ao mundo, pois uma vez que assume que é cristão e não se porta como tal enfrenta a desconfiança de ambos os lados: o mundo o vê como alguém diferente, fora de seus padrões, mas os irmãos também não conseguem perceber firmeza em suas atitudes e trata-o como alguém que ainda está no mundo e precisa se converter. Em geral, esse tipo de cristão, sobre o qual Jesus chamou a atenção na Igreja de Laodiceia, é aquele que não se firma em lugar nenhum. Não se porta como um cristão diante do mundo e não assume diante da Igreja sua função de membro. Em outras palavras, o cristão morno é aquele que busca a Deus ou congrega ocasionalmente, apenas quando se sente deslocado no mundo. Mas, quando encontra algo no mundo que o atrai, ele não hesita em virar as costas para as coisas de Deus.
Essa atitude, normalmente, é cíclica, depende de onde o vento sopra, pois o cristão morno tem senso de valores invertidos. Para ele o que mais importa é ter as riquezas ou prazeres mundanos. O cristão morno deixa Jesus de fora do seu cotidiano e costumeiramente distingue “vida secular” de “vida espiritual”. Vida espiritual, para ele, é o domingo. É assistir o culto. Vida secular é tudo o mais. Se sobrar tempo, vai à igreja fazer o social.
O cristão morno é apenas uma caricatura de cristão. Ele não vive em santidade, prefere ouvir e conviver com mundanos e se associa aos pecadores com a desculpa de que está buscando almas para o Reino. O cristão morno dificilmente vai aos cultos de oração. Por isso Jesus sentencia: vomitar-te-ei!!!
Mas a boa notícia é que há uma solução para o morno, ou para o falso cristão. Se ele se converter e se arrepender de seus pecados, da sua miséria, da sua nudez, da sua cegueira e abandonar os erros que vêm cometendo, sob a capa de cristão, ele ouvirá Jesus e deixará que Ele, não o mundo e suas concupiscências, entre e tome sua casa!!!
Graça e Paz!

sexta-feira, 16 de julho de 2010




“Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará" (Gálatas 6:7)

Amado(a), nós colhemos o que plantamos. Tudo em nossa vida tem consequências e não estamos livres delas. Nossas atitudes de hoje se refletirão em nossa vida amanhã. E isso vale para a nossa vida espiritual, emocional, financeira, profissional...
Se não administramos bem nossos recursos, amanhã, provavelmente, eles nos faltarão. Se não cultivamos as boas amizades, pode ser que amanhã nos encontremos sozinhos. Se não depositamos em Deus nossa confiança, se nossos alicerces estão em coisas vãs e passageiras, não podemos esperar um amanhã seguro.
Somos responsáveis por nossas escolhas e sabemos que Deus nos dá liberdade de optar entre Ele e o mundo, mas sabemos, com sofrimento que as conseqüências de uma escolha insensata são amargas. O que nos parece bom, pode ser uma armadilha, quando temos os olhos e os ouvidos fechados para os sábios conselhos. Quem se aconselha no mundo, colhe os frutos do mundo. Quem se firma na palavra não se desaponta. Essa é uma constatação óbvia e que a Bíblia nos mostra muito claramente por meio de seus profetas.
O homem insensato colhe os frutos amargos, mas o sábio se regozija nas bênçãos de Deus.
Amado(a), não é preciso errar mais e sofrer as conseqüências desses erros, basta aprender com os erros passados, ou se espelhar nos inúmeros exemplos de pessoas que estão colhendo o que plantaram. Se você semear amor, colherá amor, se semear ódio, colherá ódio. O amor e o ódio são apenas exemplos extremos, mas há outras sementes daninhas que não devem ser cultivadas: a indiferença, o desafeto, a intolerância, a negligência, a falta de consideração,os maus tratos...
Há quem semeie essas pragas e não se dá conta de que irá colher seus frutos. Portanto, cuidado com o que você tem semeado!
Graça e Paz!

quinta-feira, 15 de julho de 2010


“e tornarei o seu pranto em alegria, e os consolarei, e lhes darei alegria em lugar de tristeza.” (Jeremias 31:13)


Amado(a), quantas vezes passamos por momentos ruins e pensamos que não há mais saída, mas o Senhor, grande e misericordioso, reconforta-nos com essa promessa maravilhosa entregue pelo profeta Jeremias! O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã, garante também o salmista e isso nos faz recobrar nossas forças, sabendo que nosso Deus não nos desampara e se permite que nossas lágrimas caiam, Ele mesmo as enxuga. Se estamos sofrendo por conta da injustiça, da indiferença daqueles que não sabem o que é exercitar o segundo mandamento, Deus cuida de nós e nos abriga de uma forma que nenhum ser humano poderia fazer, porque só Ele pode ocupar o espaço reservado em nosso coração. Temos, por natureza, um vazio que só pode ser preenchido por Deus e se tentamos preenchê-lo de outras formas, o certo é que o vazio permanecerá, mas quando damos ao Senhor o espaço que Lhe cabe, não há tristeza que não seja consolada.
Amado(a), isso é promessa. E promessa de Deus não é como a proferida pelo homem. Deus não deixa que os Seus filhos sejam abalados, porque é Ele quem peleja pelos Seus. Mas é preciso atentar para o fato de que todos são criaturas, mas nem todos são filhos, pois filhos somente são os que aceitam essa condição e se comportam como tal, por isso aceitam também a correção do Pai.
Graça e Paz!

quarta-feira, 14 de julho de 2010



“Vigiai e orai para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto; mas a carne é fraca.” (Mateus 26:41).

Amado(a), Jesus nos ensina o que fazer para ficarmos livres do pecado, porque Ele sabe que nem sempre a tentação se apresenta de forma obvia. Mas a maioria e as mais perigosas são as que não percebemos, porque se mostram de maneira sutil e agradável. Quem conhece a Deus e atenta para a Sua palavra não precisa ter medo das tentações e sim acreditar no amor e no poder que Deus tem em nos livrar do mal. Ao esquecermos-nos disto pecamos por não confiar e acreditar na palavra de Deus, que nos ensina como pedir ao pai o auxílio diante das tentações. Tentação é algo que vem a qualquer pessoa. Até Jesus sofreu tentações, mas nunca se deixou seduzir por elas. E satanás, nosso adversário, faz constantes tentativas para nos afastar de Jesus. Ele nos tenta em todas as áreas da nossa vida, por isso ninguém está livre das tentações. Tudo na vida pode nos destruir ou nos fortalecer, só cabe a nós sabermos como viver em Deus, por isso a tentação pode sim nos destruir, então Deus diante de sua grande sabedoria nos alerta mais uma vez: “Feliz o homem que suporta a tentação, por que, depois de sofrer a provação, receberá a coroa da vida que Deus prometeu aos que o amam.” (Tiago 1:12).
É preciso saber que tentação não é pecado, mas uma “tentativa” do inimigo para nos levar a pecar. Por ser persistente em seu plano de nos tirar da presença de Deus para nos destruir, satanás insiste em tentar nos levar a desobedecer, fazendo. Assim, somos tentados a pecar nas coisas referentes ao sexo, porque satanás sabe que o sexo é algo atraente e que dá prazer carnal, por isso faz com que, de maneira errada, usemos o sexo, feito por Deus para ser uma benção.
•Somos tentados a pecar pelo desejo de enriquecimento fácil e ilícito. O diabo nos tenta nessas questões, porque conhece nossa natureza a sabe que todos desejam ser possuidores de e assim insinua em nossa mente a idéia de que “os fins justificam os meios”. Muitos caem nessa tentação, usando meios ilícitos, desonestos, pecaminosos, para alcançar seu objetivo de ficar ricos.
•Somos tentados a ter uma posição social mais elevada e desejamos ser chefes, mandando em todos, sem querer obedecer a ninguém, cometendo o pecado da soberba, porque satanás sabe que essa é uma idéia tentadora, mas pecaminosa.

Mas é preciso lembrar também que o diabo está atrás daqueles que amam a Deus, sos que vivem seus mandamentos, sos que cumprem suas ordens e preceitos, por isso provoca para que, ao caírem, saiam da graça de Deus e se encontrem em pecado, mas os que suportarem e vencerem as tentações sejam mais e mais agraciados por terem sido fortes.
Amado(a), está em nossa responsabilidade cair ou não. Só caímos nas tentações por vontade própria, pois, como afirma Paulo em I Corintios 10:13 “Não vos sobreveio tentação alguma que ultrapasse as forças humanas. Deus é fiel e não permitirá que sejais tentados além de vossas forças, mas com as tentações Ele vos dará os meios de suportá-la e sairdes dela.”
Assim, se a tentação estiver em sua porta, saiba de duas coisas importantes: Você é escolhido de Deus e Ele estará com você e lhe dará forças para resistir.

Graça e Paz!

terça-feira, 13 de julho de 2010




Como eles se multiplicaram, assim pecaram contra mim; eu mudarei a sua honra em vergonha. (Oséias 4:7)


Amado(a), os estudos do livro de Oséias nos mostram de forma análoga que Deus estava passando em relação a Israel o que o profeta vivia no próprio casamento. Depois de casar sua a mulher se torna adúltera, mas mesmo sofrendo com a infidelidade dela, ele ainda mostra a misericórdia para tomá-la de volta. Assim Deus viu a sua noiva, o povo de Israel, quando se envolvia com "outros deuses", cometendo adultério espiritual. Mesmo depois de tudo que Israel havia feito, Deus mostrou graça e misericórdia para reconciliar com esta esposa adúltera e estabelecer uma nova aliança com ela. E assim Ele tem agido com Seus filhos ainda hoje, entretanto, aguarda o arrependimento do povo. Pecado em qualquer tempo e lugar gera a morte, mas o arrependimento sincero e o desejo de mudar geram o perdão. Mas assim como Israel, muitas pessoas ainda vivem como a mulher de Oséias: mesmo depois de receberem o perdão, voltam aos mesmos erros. Enquanto há tempo é preciso uma atitude firme para vencermos as fraquezas que nos impedem de fazer a vontade de Deus, pois sabemos que quando os pecados se multiplicam o que era honra torna-se em vergonha. E isso serve para todas as áreas de nossas vidas, tanto profissional quanto pessoal. Quando não fazemos as escolhas certas, quando não damos ouvidos à palavra de Deus, corremos o risco de nos frustramos e de repetirmos nossos infortúnios até que aprendamos a reconhecer a voz do Senhor.
Graça e Paz!

segunda-feira, 12 de julho de 2010


“Esperei com paciência pelo Senhor; ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor” (Salmos 40:1)


Amado(a), como filhos de Deus somos livres. O Senhor nos dá o direito de agirmos debaixo de Sua soberania, por isso podemos arbitrariamente decidir os rumos que queremos para a nossa vida. Contudo, nem sempre fazemos as escolhas corretas porque agimos com ansiedade, sem considerar as orientações de Deus. Mas é preciso saber que a ansiedade entra na mente e estimula as ações precipitadas. Aprender a descansar no Senhor é a atitude correta para não falharmos porque sabemos que Deus tem o melhor para nós. Quando nos antecipamos em decidir as coisas, na verdade, deixamos que a ansiedade crie uma abertura para a atuação do diabo. E não é necessário muito espaço pata que ele tenha livre acesso ao coração todo. Eis porque a ansiedade é responsável por destruir outras áreas na vida de uma pessoa. Ela mexe diretamente com a fé. Aquele que pensa que Deus está demorando muito para realizar um propósito, de certa maneira está condicionando as ações do Espírito Santo em suas vida. Muitas vezes Deus responde e não ouvimos, ou ouvimos e abrimos mão das bênçãos porque agimos de modo inconseqüente.
Amado(a), se você é filho de Deus, certamente, ouve a voz do Pai, pois a Bíblia afirma em João 10:27 “as minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem”. Não abra mãos de suas bênção por não saber esperar, ou não afinar seus ouvidos para ouvir a voz do Senhor.
Graça e Paz!

domingo, 11 de julho de 2010




Em ti confiarão os que conhecem o teu nome; porque tu, SENHOR, nunca desamparaste os que te buscam. (Salmos 9:10 )

Amado(a), o salmista reforça aquilo que jamais podemos nos esquecer: quem confia em Deus nunca se desaponta, porque, diferentemente do homem que não mantém sua palavra, que ignora o respeito ao outro, Deus é fiel. Quem confia em Deus sabe o poder de Seu nome e, principalmente, sabe que o melhor a fazer quando tudo parece mal é buscá-Lo de todo o coração.
Amado(a), se algo não está bem em sua vida, se as coisas parecem lhe sair do controle, não adianta agir com suas forças. Só há uma fórmula que não falha: confiar e esperar no Senhor. O salmista pode testemunhar isso em sua vida e você também pode verificar isso na vida daqueles que sabem onde buscar forças em momentos de crise. Mas aqueles que procuram os seus próprios caminhos, que não atentam para o que diz a palavra de Deus acabam pagando um alto preço pela sua insensatez.
Mas a boa notícia é que Deus ouve e atende os que se arrependem com sinceridade e invocam o Seu nome e jamais desampara os que Nele confiam.
Graça e Paz!

sábado, 10 de julho de 2010


“Porque os lábios do sacerdote devem guardar o conhecimento, e da sua boca devem os homens buscar a lei porque ele é o mensageiro do SENHOR dos Exércitos. (Malaquias 2:7)


Amado(a), o profeta Malaquias nos lembra que devemos ouvir os homens de Deus antes de tomarmos qualquer atitude porque eles trazem o conhecimento da palavra e a orientação necessária para que nossos caminhos sejam trilhados de acordo com a vontade do Senhor. Como mensageiros de Deus, eles devem conduzir suas ovelhas para um lugar seguro. Quantos de nós já não nos decepcionamos porque resolvemos seguir nossas vidas pelo nosso próprio entendimento, dando ouvidos a quem não compartilha da mesma fé, ou não tem testemunhos que possam nos edificar. Quando isso acontece, o resultado é a queda, mas o Senhor sempre fala por meio de Seus profetas e está nos advertindo a todo instante sobre os perigos de sairmos de Sua presença. Eis porque aquele que entrega a palavra também deve ter o cuidado de falar segundo a orientação de Deus e não conforme seu entendimento, pois como está escrito em 1 Pedro 4:11 “Se alguém falar, fale segundo as palavras de Deus; se alguém administrar, administre segundo o poder que Deus dá; para que em tudo Deus seja glorificado por Jesus Cristo, a quem pertence a glória e poder para todo o sempre. Amém”

Graça e Paz!

sexta-feira, 9 de julho de 2010




“Amai, pois, a vossos inimigos, e fazei bem, e emprestai, sem nada esperardes, e será grande o vosso galardão, e sereis filhos do Altíssimo; porque ele é benigno até para com os ingratos e maus”. (Lucas 6:35)


Amado(a), Jesus nos ensina a fazer o bem, mesmo que seja a favor de quem é contra nós. Isso parece loucura para o mundo, mas para os cristãos é imperativo. E não significa esperar por recompensa ou retribuição terrena. Nosso galardão será no céu. É da natureza humana esperar retribuição, mas precisamos saber que nem sempre ela vem da pessoa que recebe, mas Deus sempre misericordioso faz com que recebamos por outras mãos. É natural que soframos pela ingratidão. Mas devemos seguir o exemplo de Jesus em relação a Judas, que foi um grande ingrato. Ele foi salvo por Jesus, amado, e cuidado por Ele (e mesmo sabendo que Judas era um ingrato, lavou seus pés). Judas não reconheceu as ações de Jesus, foi ingrato, infiel e traidor e mesmo assim, Jesus nunca o rejeitou…
Precisamos também aprender com Jesus a não termos ilusões a respeito das pessoas. Devemos amá-las sem nos iludir, sem esperar nada delas. Dessa forma não corremos o risco de nos decepcionar. Sabendo qual era a natureza de Judas, ele não decepcionou, mas preparou-se para ser traído, pois sabia com quem estava lidando.
Muitas vezes, criamos expectativas em relação as pessoas, mesmo sabendo quem são e como são. Precisamos aprender com Jesus a não nos iludir para evitar decepções nos nossos relacionamentos, pois certamente muitos são os “Judas” que aparecem em nossas vidas, mas insistimos em vê-los com os olhos da ilusão. E a ilusão nos fere muito, porque quando ela se desfaz, tudo que foi fundado sobre ela, se desfaz junto. Isso serve para todas as áreas de nossas vidas.
Amado(a), quando aprendemos a lidar com os “Judas” que aparecem nas nossas vidas, não deixamos que eles destruam a nossa capacidade de amar e de acreditar no amor verdadeiro, sabendo que a mudança só é possível por meio de Jesus Cristo.

Graça e Paz!

quinta-feira, 8 de julho de 2010




E, respondendo Jesus, disse: Não foram dez os limpos? E onde estão os nove? (Lucas 17:17).


Amado(a), neste versículo, Jesus está nos chamando a atenção para um aspecto de nosso comportamento como filhos, membros e irmãos: a capacidade de sermos gratos.
Dez foram contemplados com o mesmo milagre, mas só um voltou para agradecer. Quantas vezes não temos nos comportado como os nove, tanto em relação a Deus, quanto em relação ao nosso próximo? Ninguém há nesse mundo, nem mesmo a mais miserável das criaturas que não tenha o quer dar graças. Basta acordamos para reconhecer que temos de graça a vida, ainda que cheia de tribulações. Nós, cristãos, mais ainda temos o que agradecer, pois somos salvos e temos o cuidado constante de nosso Pastor, que mesmo permitindo as lutas faz com elas nos impulsione ao crescimento para atingirmos a estatura de Cristo.
Amado(a), quantos de nós tem recebido bênçãos do Senhor, vindas pelas mãos de irmãos, de amigos e até mesmo de desconhecidos, mas não nos voltamos para agradecer, agindo como os nove? O ingrato atribui suas vitórias a ele mesmo, e não a Deus e não reconhece que, sem Ele, talvez não estivesse nem vivo. Em geral, esquece com muita facilidade, não as coisas ruins, mas as coisas boas que fizeram por ele. Por não saber reconhecer a grande dádiva divina, vive no “seu mundo”, buscando apenas os seus próprios interesses. É um tipo de pessoa que se torna cega para o amor (e doação) de quem está ao lado. Outra característica da personalidade do ingrato é a desobediência que leva a rebeldia… e a infidelidade.
Como o ingrato acha que sabe das coisas, normalmente, não ouve e nem aceita conselho de ninguém, ou a se submeter a autoridade, porque ele realmente acredita que sabe o que é melhor para si.
Quando temos um coração grato, abrimos as portas para novas bênçãos, porque nos esvaziamos do sentimento de onipotência e reconhecemos nossa dependência de Deus, sabendo que Ele usa o nosso próximo para nos abençoar.
Graça e Paz!

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Nenhum servo pode servir a dois senhores, pois ou odiará um e amará o outro, ou será fiel a um e a abandonará o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas. (Lucas 16, 13).


Amado(a), a Bíblia é bem clara quando nos adverte sobre o perigo de nos apegarmos aos bens materiais e nos afastarmos de Deus, quando faz uma analogia com o servo que se divide entre dois senhores. Quem se deixa envolver pelo dinheiro deixa de crescer espiritualmente e de dar importância aos tesouros espirituais que Deus oferece. Quantos cristãos não se comprometem com sua própria edificação porque não têm tempo, ao passo que trazem uma agenda cheia de atividades com vista a auferir lucros? Vigílias, células, escola bíblica e eventos espirituais são descartados muitas vezes pela falta de tempo, pois não têm tempo para gastar com as coisas de Deus. Deixar-se dominar pelo dinheiro é perder o rumo da vida, da relação com os outros e do culto ao Deus verdadeiro. O dinheiro não pode ser valor absoluto governando a nossa vida. Ele deve ser motivo de bênçãos, por isso deve ser usado com discernimento. O cristão precisa cumprir com suas obrigações, dando testemunho de honestidade, sem gastar mais do que ganha, sendo prudente com relação às despesas e prioridades.
Mas aquele que não atenta primeiro para as coisas de Deus tende a se tornar escravo do dinheiro. O querer ter faz com que muitas pessoas se corrompam, façam negócios ilícitos, abrindo mão da própria dignidade para viverem de aparências. Quantas pessoas se endividam ou trocam a consciência para ostentarem bens materiais, sem pensarem que Deus é o dono do ouro e da prata e que aquilo que vem do Senhor ninguém pode tomar, enquanto as riquezas do mundo são passageiras e não satisfazem.
Graça e Paz!

terça-feira, 6 de julho de 2010






“Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, depois de terdes vencido tudo, permanecer inabaláveis . . . embraçando sempre o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do Maligno” (Efésios 6:13,16).


Amado(a), Paulo nos instrui a nos revestir com a armadura de Deus para resistirmos aos ataques do inimigo. Não é porque nos tornamos cristãos que estamos livres deles, ao contrário: quanto mais tentamos nos aproximar de Deus, mais satanás e seus demônios tentam nos puxar para o seu lado.
O falso sentido de segurança pode nos fazer descuidar e abrir espaços para que o diabo procure as brechas, por pensar que, uma vez que já vieram ao Senhor, o diabo não tem como nos atingir de maneira alguma. A Bíblia ensina que a única forma de o homem não ser vencido pelo diabo é a resistência total e deliberada. “Sujeitai-vos, portanto, a Deus; mas resisti ao diabo, e ele fugirá de vós” (Tiago 4:7). O diabo não é onipresente, por isso atua com seus demônios, aproveitando-se das fraquezas do homem. O diabo entrou em Judas e o controlou. E se nós falharmos em resisti-lo, ele nos controlará também. É por isso que Paulo nos instrui a colocar toda a armadura de Deus. Os demônios atuam nas vidas dos seres humanos, mas seu propósito é cumprir os esquemas de satanás e fazer oposição a Deus. Tentam, enganam e iludem as pessoas com a intenção de trazê-las para a condenação eterna. Constantemente atacam, oprimem e acusam o povo de Deus, fazendo-os se desviar de seu propósito de servir e adorar a Deus. Porque Satanás não pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo ele usa os demônios para executarem diferentes tarefas. Isso está bem claro na parábola do semeador (Mateus 13:3-9, Marcos 4:1-20, Lucas 8:4-15). Os evangelistas mostram como os demônios arrancam fora a palavra antes que ela possa enraizar. Muitas vezes, satanás promove o afastamento de algumas pessoas de Deus antes que façam um genuíno compromisso (Marcos 4:17) e fazem isso porque sabem que a palavra que cai em terreno fértil frutifica, mas aquela que cai em meios aos espinhos é sufocada.
Amado(a), você já recebeu a palavra, a semente. Mas o terreno é o seu coração. E dele você tem o domínio. Jesus bate e quer entrar, mas a porta só abre do lado de dentro...

Graça e Paz!

segunda-feira, 5 de julho de 2010






E, poucos dias depois, o filho mais novo, ajuntando tudo, partiu para uma terra longínqua e ali desperdiçou a sua fazenda, vivendo dissolutamente. (Lucas 15:13)



Amado(a), esse versículo, parte da parábola do filho pródigo, mostra-nos o quanto somos insensatos quando damos as costas ao Pai e nos iludimos com o mundo, pois isso acontece todas as vezes em que julgamos que sabemos administrar nossa herança.
Nesse caso, o pai não proibiu a partida do filho, mas o advertiu sobre os riscos que correria no mundo, respeitando o seu direito de escolha. Mas o filho, julgando-se capaz de administrar a própria vida e os bens, ao se afastar dos domínios de sua família para viver sob o domínio do mundo, acaba perdendo tudo o que tinha, inclusive a auto-estima. É isso que acontece quando nos afastamos de Deus: afastamo-nos de Suas bênçãos. Quanto mais damos espaço ao mundo, mais nos enterramos na ilusão do prazer, na perdição do vício das drogas, das bebidas, do fumo, da prostituição e assim destruímos os nossos próprios sonhos.
Quando o filho pródigo se dá conta da escolha errada que havia feito, ao deixar tudo o que tinha, uma família que o amava sem condições, pela falsa vida de alegrias e de liberdade que encontrou no mundo, ele percebe o quanto foi insensato. Mas foi necessário um processo doloroso de perda e de angústia para que desse lugar ao arrependimento. Sem arrependimento sincero, abrimos espaços cada vez maiores para voltar a errar para irmos ao encontro da decepção, da destruição, da derrubada total dos verdadeiros valores de Deus e da ruína de nossa vida. Ao retornar à casa paterna, o filho pródigo não foi questionado, não foi condenado, nem cobrado em suas ações pelo pai. Ao contrário, ele foi abençoado com vestes novas que simboliza a santidade e com um anel que simboliza a aliança entre pai e filho; recebeu sandálias que representam o Evangelho que tira o pecador do caminho do mundo e o coloca no Caminho de Deus; e para coroar foi recebido com uma grande festa.
Quando alguém peca, mesmo se arrependendo depois, o mundo dificilmente esquece e o cobra sempre pelo erro cometido, mas Deus não age assim. Ele perdoa e apaga as nossas transgressões e espera que aprendamos a lição para não mais precisarmos comer as migalhas do mundo.
Graça e Paz!

domingo, 4 de julho de 2010




Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem.(Romanos 12:21)


Amado(a), Paulo nos exorta a praticar o bem, mesmo quando somos afrontados. Isso não significa compactuar com o pecado, mas agir como Jesus agiria diante do mal. Se agirmos como o mundo aconselha, trataremos como somos tratados. Mas a Bíblia ensina que vingar-se é uma atitude tão negativa e tão devastadora, que somente a justiça de Deus possui a capacidade de fazê-lo justamente. A nós, servos de Jesus Cristo, cabe a postura do perdão, que somente o amor de Cristo nos capacita a oferecer. Não podemos negar o evangelho e sacrifício de Jesus na cruz se pretendemos vencer o mal com o mal. Responder o mal com o mal significa a vitória do mal, entretanto, sabemos que o exemplo de Jesus foi o perdão. Quando Pedro reagiu ao soldado romano, cortando-lhe a orelha, Jesus reagiu com amor, restituindo-a, mesmo padecendo a dor do calvário. E foi lá que ele venceu o mundo. Muitas vezes nossas vitórias são dolorosas e com muitas lágrimas, mas podemos contabilizar como vitórias! A maior arma ao nosso dispor é o amor. Só ele tudo vence, quando se vive numa sociedade em que é olho por olho, dente por dente, em que retribuímos conforme recebemos, este versículo vem nos desafiar a fazer diferente. Vem nos dizer para fazer o bem mesmo a quem nos faz o mal, vem para nos lembrar que a justiça provém do Senhor e Ele que tudo pode fará aquilo que não podemos fazer.
Deus sabe o que diz!
Graça e Paz!

sábado, 3 de julho de 2010




“Quem anda com os sábios será sábio, mas o companheiro dos insensatos se tornará mau” (Provérbios 13:20).


Amado(a), a Bíblia nos ensina a escolher nossas companhias para que possamos crescer tanto nessa vida secular, como espiritualmente. Por este motivo, a escolha de nossos companheiros é um assunto de grande importância, pois nossas escolhas não envolvem apenas pessoas, mas decidem a nossa direção na vida e na eternidade. Tiago foi bastante claro quando perguntou: “Infiéis, não compreendeis que a amizade do mundo é inimiga de Deus? Aquele, pois, que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” (Tiago 4:4). Eis porque devemos escolher bons amigos que nos ajudarão, especialmente em termos espirituais.
O justo serve de guia para o seu companheiro, mas o caminho dos perversos os faz errar” (Provérbios 12:26).
Quando escolhemos mal, pagamos o preço de nossas escolhas e isso define nossos caminhos, por isso é preciso consultar a Bíblia e os seus profetas para escolhermos com quem caminhar. Mas se fizermos bem nossas escolhas nossos caminhos serão de bênçãos, é isso que a palavra de Deus nos garante.
Graça e Paz!

sexta-feira, 2 de julho de 2010





" Qual dos dois quereis que eu vos solte? Responderam eles: Barrabás! ". (Mateus 27:21.)



Amado(a), a Bíblia nos mostra em Mateus 27:16-26 que Pilatos deu ao povo a oportunidade de escolher entre Barrabás ou a Jesus, chamado Cristo, porque sabia que, por inveja, o tinham entregado. E, estando ele no tribunal, sua mulher mandou dizer-lhe: Não te envolvas com esse justo; porque hoje, em sonho, muito sofri por seu respeito. Mas os principais sacerdotes e os anciãos persuadiram o povo a que pedisse Barrabás e fizesse morrer Jesus. E o povo todo respondeu: Caia sobre nós o seu sangue e sobre nossos filhos. Então Pilatos soltou Barrabás, e, após haver açoitado a Jesus, entregou-o para ser crucificado.
Vemos nesta passagem que o povo teve a oportunidade de escolher e Pilatos teve uma palavra para não se envolver. Mas ambos foram influenciados. Pilatos questiona o povo por duas vezes para ouvir suas decisões. (Mateus 27:17-21). Fica claro para nós também a influência que aquele povo recebeu de alguns. Influência para optar por Barrabás e negar a Jesus Cristo. Quantas vezes tentam nos influenciar para escolhermos Barrabás?
Amado(a), quais são os Barrabás de sua vida? Muitas vezes você é tentado a escolher a eles, e é influenciado a negar as coisas de Cristo e dessa forma, a negar ao próprio Cristo. Quantas vezes somos tentados à desistir do caminho de Deus, a escolher Barrabás.
Mas é preciso que saiba que você também pode vencer, seguindo a influência daqueles que colocaram os olhos em Jesus e não no mundo. Paulo diz que devemos seguir firme na verdade em amor, crescendo sempre Naquele que é cabeça, naquele que passou também por tentações, mas que venceu: Jesus. Faça a escolha certa quando tentarem te influenciar e, como nos revela a palavra de Deus, você será mais que vencedor,se permanecer firme em Cristo. Cristo. (Efésios 4:15) (Romanos 8:37)
Amado(a), você, como o povo que escolheu crucificar Jesus, pode escolher. Faça diferente daquele povo, escolha a Cristo quando for questionado, pois Ele já lhe escolheu!


Graça e Paz!

quinta-feira, 1 de julho de 2010




"Então vocês clamarão a Mim, virão ORAR A MIM, e EU OS OUVIREI. Vocês Me procurarão e Me acharão quando Me procurarem de todo o coração". (Jeremias 29:12, 13.)


Amado(a), a Bíblia nos mostra em vários momentos que a nossa arma contra todos os males é a oração. Ela pode nos ajudar a edificar uma forte relação com Deus e uma vida cristã dinâmica. Ela é a nossa ligação com Deus. Orar nada mais é do que conversar com o Pai. E Deus nos deu autorização expressa para falarmos diretamente com Ele sem necessidade de agendamentos ou de intermediários. Mas o segredo é buscá-Lo de todo o coração.
Em Lucas 11:9, Jesus nos dá a garantia de que Ele nos ouve e responde as orações "Por isso lhes digo: Peçam, e lhes será dado; busquem, e encontrarão; batam, e a porta lhes será aberta".
A oração é uma conversa que envolve falar e ouvir. É isso o que Jesus promete: "Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei e cearei com ele, e ele comigo". (Apocalipse 3:20). Muitos têm negligenciado o poder da oração e levado suas vidas de forma mecânica, sem um propósito, esperando que Deus vá ao seu encontro e lhes entregue o que desejam. Tiago 4:8 nos mostra porque as bênçãos não chegam e nos ensina o que fazer "Aproximem-se de Deus, e Ele se aproximará de vocês!"
E em I Pedro 5:7 temos a exortação: "Lancem sobre Ele toda a sua ansiedade, porque Ele tem cuidado de vocês". Se você se sente ansioso, estressado ou culpado, coloque tudo diante do Senhor. Só assim, então, Ele pode suprir todas as nossas necessidades.
Quando Moisés orou, o Mar Vermelho se dividiu. Quando Elias orou, fogo desceu dos céus. Quando Daniel orou, um anjo fechou a boca dos leões. Quando Ana orou ela se tornou fértil. A Bíblia nos apresenta muitos outros relatos de orações respondidas. E ela nos recomenda a oração como a forma de nos apoderarmos do poder infinito de Deus. E se Jesus promete em João 14:14:"O que vocês pedirem em Meu nome, Eu farei". Certamente, Ele fará, porque não é homem para mentir.
Espere pacientemente em Deus e ao Seu tempo Ele atenderá. Jesus ilustrou a necessidade de perseverarmos em nossos pedidos contando a história de uma viúva insistente que sempre trazia seu pedido diante de um juiz. Até que um dia o juiz se incomodou: "Está viúva está me aborrecendo; vou fazer-lhe justiça". Então, Jesus concluiu: "Acaso Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a Ele dia e noite? Continuará fazendo-os esperar?" (Lucas 18:5, 7).
Amado(a), a palavra é perseverança. Você é fruto da perseverança de alguém que tem orado por você, mesmo que não saiba, ou reconheça. Alguém que, como Davi afirma com segurança: "Esperei confiantemente pelo Senhor; ele se inclinou para mim e me ouviu quando clamei por socorro". (Salmo 40:1)

Graça e Paz!