Traduza este blog

terça-feira, 30 de abril de 2013


E te converteres ao SENHOR teu Deus, e deres ouvidos à sua voz, conforme a tudo o que eu te ordeno hoje, tu e teus filhos, com todo o teu coração, e com toda a tua alma, Então o SENHOR teu Deus te fará voltar do teu cativeiro, e se compadecerá de ti, e tornará a ajuntar-te dentre todas as nações entre as quais te espalhou o SENHOR teu Deus. Deuteronômio 30:2-3


 Moisés está falando da verdadeira conversão, daquela que agrada ao Senhor, porque não é baseada na emoção, ou na espera de uma recompensa imediata. Mas daquela conversão na sua mais ampla acepção: a que volta ao lugar de origem. E nossa origem é Deus. Somos criaturas de Deus, feitas à Sua imagem e semelhança e nos tornamos filhos quando entendemos o plano do Criador. Quando nos convertermos neste sentido, temos consciência de quem somos, de onde viemos e para onde iremos e por isso escolhemos a liberdade que Jesus nos oferece. Quando somos conscientes de nossa condição de filhos, não aceitamos mais o cativeiro do mundo. O que parece ser uma contradição que o mundo não entende: se estivermos ligados à videira, somos verdadeiramente livres. É o que nos garante João 8:36 “Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”. 

segunda-feira, 29 de abril de 2013


Assim diz o SENHOR: O céu é o meu trono, e a terra o escabelo dos meus pés; que casa me edificaríeis vós? E qual seria o lugar do meu descanso? Isaías 66:1



 Deus está nos perguntando, por meio do profeta Isaias, que casa estamos edificando para que Ele habite. Atentemos para o fato de que Ele não está interessado em habitar edificações construídas por mãos humanas, mas em habitar em nós. O que estamos fazendo de nossas vidas? É essa a pergunta que devemos nos fazer a cada instante. Precisamos nos lembrar de que Deus não haveria de habitar em um lugar sujo ou escuro. Ele nos quer puros e em santidade para que possa fazer morada em nosso coração. E  a pureza que Deus espera começa em nosso coração, conforme registra  1 Samuel 16:7-8 “Porém o SENHOR disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a grandeza da sua estatura, porque o tenho rejeitado; porque o SENHOR não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o SENHOR olha para o coração”. 

domingo, 28 de abril de 2013


Mas o Altíssimo não habita em templos feitos por mãos de homens, como diz o profeta: O céu é o meu trono, E a terra o estrado dos meus pés. Que casa me edificareis? diz o Senhor, Ou qual é o lugar do meu repouso? Atos 7:48-49

Observe que Lucas está no chamando a atenção para o fato de que Deus quer habitar em nós. Ele nos constituiu templo do Espírito Santo e espera que nos santifiquemos para recebê-lo. Ele não quer habitar fora de nós. No Antigo Testamento, muitos quiseram agradar a Deus, imaginado que construir uma casa para Ele seria suficiente. Salomão e Davi tiveram essa intenção. E o sábio rei concretizou isso, mas certamente, naquele tempo eles não tinham consciência e visão do que é a casa de Deus como entendemos hoje. O templo humano pode ser construído, mas o lugar que Deus quer habitar é o nosso coração. Isso nos foi revelado por Jesus. O que faz de um templo uma Igreja não é o edifício, mas a unidade e o objetivo de cultuar a Deus em Espírito. Deus não será encontrado no templo, mas nas pessoas que estão nesse templo, por isso nós precisamos ser edificados a cada dia, com esmero. Precisamos estar envolvidos com a obra de Deus e participar de Sua casa não como visitante, mas como parte dela. Se nos preocuparmos com a nossa santificação, Cristo fará morada em nós, por isso o apóstolo Paulo  nos exorta em II Co 13:5-6: “Examinai-vos a vós mesmos se permaneceis na fé; provai-vos a vós mesmos. Ou não sabeis quanto a vós mesmos, que Jesus Cristo está em vós? Se não é que já estais reprovados. Mas espero que entendereis que nós não somos reprovados.” 

sábado, 27 de abril de 2013


E será que antes que clamem eu responderei; estando eles ainda falando, eu os ouvirei. Isaías 65:24-25


O profeta Isaias nos ensina a contar as necessidades à pessoa certa. Em tempos de urgência e de desejo de rápida satisfação de nossas necessidades, nem sempre procuramos a pessoa certa para desabafarmos e assim caímos no erro de confiar em conselhos equivocados, ou de nos precipitarmos em atitudes erradas, por conta da intempestividade. A Bíblia deixa bem claro que a pessoa certa é Jesus. É a Ele que devemos clamar porque jamais deixará de nos ouvir, ainda que a resposta não seja imediata. Em Marcos 1:40, vemos que o leproso procurou a pessoa certa e foi curado: “E aproximou-se dele um leproso que, rogando-lhe, e pondo-se de joelhos diante dele, lhe dizia: Se queres, bem podes limpar-me.”  Vemos em várias passagens que também o rei    Davi procura a Deus para contar suas necessidades. Ele se aproximava de Deus e clamava por ajuda quando necessitava ser perdoado, porque havia entristecido o coração de Deus, para buscar alívio às suas angústias. Quando se sentia  mal,  não deixava o orgulho impedi-lo de recorrer a Deus para pedir perdão, ou para suplicar por socorro. Não há pecador que se aproxime de Deus que não seja perdoado. Não há um necessitado que busque a Deus e não seja atendido. Muitas vezes nossa enfermidade está relacionada à falta de perdão não recebida, ou não liberada. Muitas vezes nossa necessidade não é satisfeita porque não buscamos em Deus. ou se buscamos,  também colocamos nossa súplica em outros altares, não as entregamos por completo, duvidando da ação do Senhor. A mulher pede ao Senhor para libertar sua filha e foi prontamente atendida. Ela não desistiu, mas insistiu até ser atendida. Muitas vezes contamos a nossa necessidade, mas não temos a paciência ou a persistência para esperar a resposta. A Bíblia insiste que é tão somente a Deus, que é fiel e justo, que devemos fazer o nosso clamor.Pedro também vai até o Senhor e grita pedindo pela salvação, quando estava afundando nas águas. Ele estava submergindo e nesse momento recorreu ao Senhor. Quantos de nós não estamos submergindo em algum problema sem clamar diretamente àquele que pode nos salvar. Quantos não preferem contar com mediadores. Há quem peça aos padroeiros, há quem entregue suas lutas à energias várias, há quem busque ajuda nos orixás e há quem acenda vela para todos os santos. Precisamos nos lembrar que a Bíblia reconhece os santos, reconhece os seus feitos e testemunhos, assim como reconhece a importância de Maria, mãe do Senhor, mas em nenhum momento ela nos ensina a deixar com eles nossas petições. Ao contrário, ela é clara ao afirmar que há um só mediador entre Deus e os homens: Jesus Cristo de Nazaré.

sexta-feira, 26 de abril de 2013


Não vos esqueçais da hospitalidade, porque por ela alguns, não o sabendo, hospedaram anjos. Hebreus 13:2


O apóstolo Paulo, com essas palavras nos lembra de uma das virtudes  esperadas de um seguidor de Cristo: a hospitalidade. Ser hospitaleiro não é apenas uma questão de boas maneiras ou uma condição de convivência. Mas a habilidade de receber bem, de saber acolher o outro é uma orientação bíblica que nos eleva em condição e nos coloca na posição de abençoados em vez de abençoadores. Mas a Bíblia não diz que devemos apenas ser hospitaleiros com os amigos. Esse trecho bíblico, em epígrafe, nos leva a crer que devemos ser hospitaleiros com as pessoas, sejam amigas, inimigas ou desconhecidas. O episódio do Bom Samaritano também nos dá a verdadeira dimensão da hospitalidade, a que acolhe o próximo, sem esperar nada em troca. Precisamos nos lembrar que na terra somos peregrinos e com certeza em algum momento estaremos dependendo da hospitalidade. E a Bíblia diz que aquele que é hospitaleiro, sem o saber, pode hospedar anjos.

quinta-feira, 25 de abril de 2013



Porque a promessa vos diz respeito a vós, a vossos filhos, e a todos os que estão longe, a tantos quantos Deus nosso Senhor chamar. Atos 2:39


O apóstolo nos lembra da mais importante promessa do Senhor: ao manifestarmos arrependimento, seremos livres do pecado e alcançaremos a salvação. Esta promessa alcança a todos quantos aceitarem o sacrifício de Jesus. Mas receber o Espírito Santo e a remissão dos pecados só é possível àqueles que conhecem e creem na verdade do batismo e do sangue de Jesus. Esse versículo demonstra que a fé que crê no batismo de Jesus e no sangue da Cruz é a condição para receber o Espírito Santo depois dos acontecimentos do dia de Pentecostes. Precisamos crer, para receber o Espírito de Deus como um presente da salvação. Quando cremos  no poder do sangue de Jesus, e nos arrependemos verdadeiramente de nossos pecados estamos aptos a receber a remissão dos nossos pecados, e a também receber o Espírito Santo, pois o Espírito Santo vem àqueles cujos pecados foram perdoados. O verdadeiro arrependimento diante de Deus também significa adotar  a verdadeira fé que nos capacita a nascer de novo da água e do Espírito, eis por que a Bíblia nos diz: “Arrependei-vos, pois, e convertei-vos, para que sejam apagados os vossos pecados, e venham assim os tempos do refrigério pela presença do Senhor” (Atos 3:19). 

quarta-feira, 24 de abril de 2013




Com a sabedoria se edifica a casa, e com o entendimento ela se estabelece; Provérbios 24:3-4

Uma casa só pode ser considerada um lar se estiver edificada com sabiamente, como afirma Salomão. Ainda que tenha todas as provisões, conforto e riqueza, ela não subsistirá se seu alicerce não for estabelecido em bases sólidas e perenes. Mas essa solidez não é garantida pelo dinheiro, e sim pela determinação em transformar uma casa e um grupo de pessoas em uma família, ou um lar. Edificar um lar é estar presente é dedicar tempo para construção. E para isso devemos orar ao Senhor pedindo-Lhe sabedoria para saber como edificar o nosso  lar de acordo com Seus planos. A decisão de transformar nossa casa em um lar é a primeira atitude, é a pedra fundamental.

terça-feira, 23 de abril de 2013




Porque um certo ourives da prata, por nome Demétrio, que fazia de prata nichos de Diana, dava não pouco lucro aos artífices, Aos quais, havendo-os ajuntado com os oficiais de obras semelhantes, disse: Senhores, vós bem sabeis que deste ofício temos a nossa prosperidade; (Atos 19:24-26)

Esses versículos narram parte de um episódio em que a pregação do Evangelho pelos discípulos na cidade de Éfeso confrontava o comércio que se mantinha da idolatria. O lucro auferido por aqueles que exploravam a fé irracional e a ignorância do povo que não conhecia a verdade estimulava a rejeição ao Evangelho. O que vemos atualmente não é diferente, mesmo que a Palavra de Deus seja pregava e que o sacrifício de Jesus seja conhecido por muitos que se denominam cristãos. Contudo mesmo sabendo que é Jesus e qual foi a sua mensagem na cruz, essas pessoas insistem em adorar outros deuses, feitos, como os nichos de Diana, pelas mãos de artesãos que vivem de alimentar a ignorância de homens que têm ouvidos para ouvir e não ouvem, têm olhos para ver e não enxergam a mais obvia das mensagens. O salmista levanta esta questão nos Salmos 115:3-7 “Mas o nosso Deus está nos céus; fez tudo o que lhe agradou. Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca, mas não falam; olhos têm, mas não veem. Têm ouvidos, mas não ouvem; narizes têm, mas não cheiram” e Salmos 135: 15-19 “Os ídolos dos gentios são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca, mas não falam; têm olhos, e não veem, Têm ouvidos, mas não ouvem, nem há respiro algum nas suas bocas. Semelhantes a eles se tornem os que os fazem, e todos os que confiam neles”. O apóstolo Paulo em 1 Coríntios 10:14 exorta o povo a não ser idólatra “Portanto, meus amados, fugi da idolatria”. Há 650 anos antes de Cristo, o profeta Isaías já ponderava sobre a insensatez de se deixar de adorar a um único e verdadeiro Deus para se curvar diante de obras de esculturas, feitas por mãos humanas, conforme registra em Isaias 44:8-18  “Todos os artífices de imagens de escultura são vaidade, e as suas coisas mais desejáveis são de nenhum préstimo; e suas próprias testemunhas, nada vêem nem entendem para que sejam envergonhados. Quem forma um deus, e funde uma imagem de escultura, que é de nenhum préstimo? Eis que todos os seus companheiros ficarão confundidos, pois os mesmos artífices não passam de homens; ajuntem-se todos, e levantem-se; assombrar-se-ão, e serão juntamente confundidos. O ferreiro, com a tenaz, trabalha nas brasas, e o forma com martelos, e o lavra com a força do seu braço; ele tem fome e a sua força enfraquece, e não bebe água, e desfalece. O carpinteiro estende a régua, desenha-o com uma linha, aplaina-o com a plaina, e traça-o com o compasso; e o faz à semelhança de um homem, segundo a forma de um homem, para ficar em casa. Quando corta para si cedros, toma, também, o cipreste e o carvalho; assim escolhe dentre as árvores do bosque; planta um olmeiro, e a chuva o faz crescer. Então serve ao homem para queimar; e toma deles, e se aquenta, e os acende, e coze o pão; também faz um deus, e se prostra diante dele; também fabrica uma imagem de escultura, e ajoelha-se diante dela. Metade dele queima no fogo, com a outra metade prepara a carne para comer, assa-a e farta-se dela; também se aquenta, e diz: Ora já me aquentei, já vi o fogo. Então do resto faz um deus, uma imagem de escultura; ajoelha-se diante dela, e se inclina, e roga-lhe, e diz: Livra-me, porquanto tu és o meu deus. Nada sabem, nem entendem; porque tapou os olhos para que não vejam, e os seus corações para que não entendam”. O profeta ainda faz um questionamento que deveria ser compreendido pelas pessoas com um mínimo de inteligência, pois é uma mensagem clara: “E nenhum deles cai em si, e já não têm conhecimento nem entendimento para dizer: Metade queimei no fogo, e cozi pão sobre as suas brasas, assei sobre elas carne, e a comi; e faria eu do resto uma abominação? Ajoelhar-me-ei ao que saiu de uma árvore? Apascenta-se de cinza; o seu coração enganado o desviou, de maneira que já não pode livrar a sua alma, nem dizer: Porventura não há uma mentira na minha mão direita?”(Isaias 44: 19-20). Entretanto, as pessoas continuam se ajoelhando diante de objetos inertes e perecíveis, feitos por mãos de artífices que prosperam com a fé ignorante. Mas aqueles que têm o discernimento do Espírito compreendem a mensagem bíblica, e estão entre os sábios lembrados por Lucas em Atos 19:26 “E bem vedes e ouvis que não só em Éfeso, mas até quase em toda a Ásia, este Paulo tem convencido e afastado uma grande multidão, dizendo que não são deuses os que se fazem com as mãos”. E você a que grupo pertence? Ao que entende a mensagem de Paulo, ou ao dos tolos que leem e não compreendem, que têm olhos e não veem, que têm ouvidos e não ouvem? 

segunda-feira, 22 de abril de 2013


Assim que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo. 2 Coríntios 5:17

Esse trecho da carta de Paulo aos Coríntios nos mostra que a atitude de um cristão reflete o reino que ele habita. Quem verdadeiramente se converte aos passos de Jesus age como Ele agiria e deixa para trás tudo aquilo que antes o fazia pertencer ao mundo. Mas isso não significa que ele tenha que deixar o mundo. Ao contrário, ele deve habitar o mundo sem permitir que o mundo habite nele. Estar no mundo sem ser do mundo é um desafio que começa com a mudança de linguagem, com mudança de costumes e até mesmo de alimentação. A nova criatura é nutrida pelo corpo e pelo sangue de Jesus enquanto está no mundo para depois receber um alimento especial, destinado aos vencedores, àqueles que perseveram e se mantém firmes na presença de Deus, conforme está registrado em Apocalipse 2:17-18: “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer darei a comer do maná escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe”. A promessa do Senhor é que tudo será novo, teremos um corpo incorruptível, um nome especial  e conheceremos a Glória de Deus em Sua plenitude. Seremos de fato e de verdade à imagem e semelhança do Pai. 

domingo, 21 de abril de 2013


Mas nós, irmãos, somos filhos da promessa como Isaque.  Gálatas 4:28-29


Esse trecho da carta de Paulo aos Gálatas nos remete à história de Abraão e ao fato de, por desobediência, por não saber esperar e confiar na promessa, Sara ter aberto espaço para o pecado e para uma geração que não herdaria a promessa. Esse trecho nos lembra que os filhos do pecado são muito mais numerosos do que os da promessa,  os que amam o pecado são mais do que os que buscam santidade e a presença do Senhor.  E nem sempre o fato de alguém ser bem sucedido em determinada área significa benção, pois as bênçãos do Senhor sempre e só poderão acontecer segundo a sua Palavra. Vemos que os verdadeiros cristãos são perseguidos pelos que  não têm compromisso com a Palavra de Deus, mas devemos perseverar, sabendo que a promessa se cumprirá em nossas vidas. Se Sara tivesse esperado, não teria sofrido as consequências de sua intempestividade, mas ela deu vazão ao pecado e a vontade carnal sempre geram dores e sofrimentos. Ainda que Deus nos perdoe quando nos arrependemos e vamos a Ele, as consequências do pecado ficam, e quem os cometeu as sofrerá. Se Ele prometeu, devemos aprender a  guardar com paciência e aguardar o cumprimento da promessa, pois não importa o tempo, isto se cumprirá, e assim como foi com Abraão, será conosco, e no tempo certo a benção acontecerá. Somos filhos da promessa, portanto, livres. Não somos filhos da escrava e se somos filhos da promessa, vivemos segundo os preceitos do Senhor, sabendo esperar o cumprimento da Palavra sem buscarmos atalhos que levam inevitavelmente à escravidão, pois quem está no pecado está preso.

sábado, 20 de abril de 2013



Tu a quem tomei desde os fins da terra, e te chamei dentre os seus mais excelentes, e te disse: Tu és o meu servo, a ti escolhi e nunca te rejeitei. Isaías 41:9


Observe que esse versículo tem um interlocutor especial. Ele não está dirigido a todos de forma genérica, por isso não está na terceira pessoa, mas na segunda. Essa marca evidente de interlocução é intencional. É a  você que Deus está se dirigindo, é com você que Ele fala por intermédio do profeta Isaías. Mas para compreender essa inserção e tomar posse do que essa palavra diz precisamos entender que os profetas são a boca de Deus e não falam sem um propósito definido, para servir a quem possa interessar, como muitos acreditam. Se a voz do profeta chega aos seus ouvidos, por algum modo, até mesmo por algum veículo impensado é porque Deus tem um objetivo. Não há nada por acaso na Sua Obra. E isso continua valendo nos dias de hoje, porque Deus não desistiu de Seu Plano e nada foge ao Seu controle. Em João 15:16, temos a confirmação disso, quando Jesus afirma: “Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda”. Se você recebe uma palavra, creia, ela não foi dita ao acaso a todos que a ouviram, porque escolheram ouvi-la. O princípio é outro: todos que a ouvem a recebem porque antes foram escolhidos para ouvi-la. A palavra de Deus é semente, como explica Jesus na parábola do semeador, e nós somos o terreno onde a semente será plantada. As condições de plantio são definidas pela importância que damos a ela. Isso nos faz refletir sobre a responsabilidade de não deixarmos o inimigo nos roubar a preciosa semente, porque essa é a estratégia dele desde o início. Mas Deus nos dá as condições, as estratégias para sermos bons lavradores. Colheremos o que for plantado. E a qualidade e quantidade do que colhermos dependerá do nosso zelo nessa plantação. Não se esqueça das palavras de Isaias: Foi Deus quem o escolheu. Ele não lhe tem rejeitado. E você, como  você, escolhido de Deus, tem cuidado da preciosa semente que Ele tem lhe enviado por meio de Seus profetas?

sexta-feira, 19 de abril de 2013



Então orou Ana, e disse: O meu coração exulta ao SENHOR, o meu poder está exaltado no SENHOR; a minha boca se dilatou sobre os meus inimigos, porquanto me alegro na tua salvação. 1 Samuel 2:1


Como Ana, devemos abrir a nossa boca e exaltar o nome do Senhor, mesmo antes de receber aquilo por que tanto clamamos. Basta-nos saber que temos pela graça o benefício da salvação. Essa é a nossa maior bênção, mas o Senhor tem nos dado muito mais. Ele tem nos livrado do inimigo que nem sempre se apresenta como tal. Muitas vezes o nosso inimigo se apresenta como amigo, como colega, como companheiro. Assim como Judas, muitos deles estão assentado à nossa mesa e comem conosco o pão. Aqueles a quem damos o ombro, a quem socorremos nas horas difíceis, a quem emprestamos o fruto de nosso trabalho e que se voltam contra nós, pagando o bem com o mal. Talvez esses sejam os mais ardilosos, os mais perigosos porque se infiltram em nossa intimidade e nos roubam a confiança, bem mais do que nossos bens. Mas Deus que tudo sabe, tudo vê e que sonda as intenções não nos deixa à mercê do mal. Ele toma a nossa causa e nos garante a salvação. O nosso coração exulta e a nossa boca  não pode se calar. Somos fortes porque cremos e temos um Deus forte. Aquele que abre a porta que não pode ser fechada por nenhum outro. Aquele que fecha a porta que não será jamais aberta a não ser por Ele. E se Ele é por nós, quem será contra? Como Ana, exultemos e cantemos louvores a esse Deus soberano! Aleluia!

quinta-feira, 18 de abril de 2013





Aprendei a fazer bem; procurai o que é justo; ajudai o oprimido; fazei justiça ao órfão; tratai da causa das viúvas. Isaías 1:17


Como cristãos precisamos ter compaixão por aqueles que estão necessitando de alguma forma e o amor nos move a fazer o bem, ainda que minimamente. Sabemos que são muito importantes as ações sociais de socorro, mas praticar o bem é ir além das ações sociais. É, como enfatiza o profeta Isaias, praticar a justiça!  E isso não se trata apenas de distribuir pão, de acolher o pobre, mas  fazer o que é correto em qualquer situação! Não basta doar o que pode ser doado e deixar espaço para corrupção, de que tamanho for. Quem pratica o bem, não age com agressividade, com brutalidade, ou desonestidade. Quem pratica o bem não deixa de quitar suas dívidas, não usurpa direito de ninguém, não rouba. Quem pratica o bem dá exemplo aos filhos, não calunia, nem explora o mais débil. Quem decide praticar o bem, não o faz somente nas esmolas no sinal, mas no dia a dia, no trabalho, em casa, com a família e com o s amigos. Praticar o bem é exercer o segundo mandamento sem restrições. O que queremos para nós devemos praticar com nosso semelhante. Amemos mais, por ações práticas e não apenas por palavras. É isso que o profeta quer dizer!

quarta-feira, 17 de abril de 2013



Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito. João 14:26


O que o apóstolo João nos fala neste texto é que não estaremos sós ainda que distantes. O Consolador prometido por Jesus estará em nós para nos ensinar aquilo que precisamos saber, para nos lembrar daquilo que pode ser esquecido. Por essa razão, quando comentemos um pecado, não precisamos ser acusados por outrem, o Espírito nos faz refletir e nos leva a considerar os nossos erros. Por essa razão, o Evangelho ensinado por Jesus e disseminado por Seus discípulos desde a Igreja Primitiva até os dias atuais cumpre a sua função. O Espírito Santo nos adverte e nos faz repensar ou capitular. Mas isso só acontece com aqueles que dão lugar ao Espírito, pois quem fecha seus ouvidos ou se torna insensível para ouvi-Lo continuará cometendo os mesmos erros e se negando ao arrependimento, mas esses continuarão cada vez mais distantes do Reino de Deus e das bênçãos prometidas aos que, mesmo errando, estão dispostos a se arrepender e a mudar o curso de sua vida. 

terça-feira, 16 de abril de 2013


E, passando, viu Levi, filho de Alfeu, sentado na recebedoria, e disse-lhe: Segue-me. E, levantando-se, o seguiu. Marcos 2:14


Observe que nesta passagem Jesus está nos mostrando uma característica marcante do cristianismo: a necessária mobilidade. Observe que os verbos “passar, seguir, levantar” pressupõem movimento e o único verbo que indicava imobilidade, estaticidade foi superado pelos demais, quando Jesus passou. Quando Jesus passa por nós não há como ficar na mesma posição. Mas esse trecho também nos leva a refletir que o cristianismo não é uma posição confortável. Assim como Mateus/Levi, ao abraçar o cristianismo não podemos mais ficar na cômoda posição de recebedores. Abraçar o Cristiano significa levantar e seguir Aquele que passa por nossa vida  e isso implica deixar nossa zona de conforto e colocar a mão no arado. Foi assim com a Abraão, o patriarca da fé, que, sendo chamado, obedeceu, saiu de seu lugar de conforto, deixou sua parentela e partiu para um lugar que havia de receber por herança;  sem saber aonde ia, conforme mostra o autor de Hebreus 11:8. Abraão não sabia aonde iria, mas confiou Naquele que prometeu, por isso se pôs a caminho. A Bíblia registra que Abraão saiu do conforto da casa do Pai, para enfrentar um deserto. O mesmo ocorreu com Mateus, também chamado de Levi. Ele escolheu seguir Jesus, mas para isso teve que abandonar seu trabalho de cobrador de impostos, que o tornou rico, para seguir alguém que simplesmente passou por ele, e nem ao menos parou para explicar quem era. E Jesus continua fazendo o mesmo hoje. Ele passa por nós todos os dias e diz: Vem e segue-me. Assim como Mateus, explicações encontraremos no caminho... 

segunda-feira, 15 de abril de 2013




Vós sois as minhas testemunhas, diz o SENHOR, e meu servo, a quem escolhi; para que o saibais, e me creiais, e entendais que eu sou o mesmo, e que antes de mim deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá. Isaías 43:10


Pregar o evangelho tem sido a palavra de ordem em tempos de crise social, familiar e moral. Jesus nos exorta a isso e nos compele a agir como cristãos, no sentido estrito e original desse termo “pequenos cristos”, ou aqueles que fazem segundo Ele faria. Jesus também presenciou a crise moral e familiar de uma sociedade carente de princípios e de orientações do Senhor. O profeta Isaías já apregoava a necessidade de reconhecermos que não há deus além do único e verdadeiro Deus a quem, como o profeta, devemos anunciar em todo tempo e lugar, atendendo o que está registrado em Marcos 16:15 “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura”. Deus é o mesmo e não desistiu dos Seus escolhidos, mesmo que tudo pareça conspirar contra o Seu Plano. A Sua Palavra é lâmpada capaz de iluminar a mais tenebrosa treva e Nela temos a segurança para seguirmos testemunhando o caminho único da salvação. 

domingo, 14 de abril de 2013




Porque, se anuncio o evangelho, não tenho de que me gloriar, pois me é imposta essa obrigação; e ai de mim, se não anunciar o evangelho! 1 Coríntios 9:16


Pregar o evangelho, seja de forma explícita, seja como testemunho vivo da Salvação não é escolha do cristão. É mandamento do Senhor Jesus, expresso de forma imperativa em Marcos 16:15-17 “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado”. É condição para a volta do Senhor que todas as criaturas conheçam o Evangelho. Mas aceitar a Palavra e a Salvação é opção individual. Infelizmente existirão aqueles que não aceitarão o Evangelho,conforme registra Jesus na parábola narrada em Mateus 22:14. Muitas pessoas estão tão cegas pelas ilusões deste mundo, que não querem enxergar o amor de Deus, não percebem as armadilhas do inimigo e não compreendem a mensagem da Cruz. Mas aqueles que se dispõem a viver de acordo com os princípios do Evangelho serão poupados e encontrarão forças para resistir. Deus escolhe aqueles que têm o coração aberto para ele, e lhes usa como um canal para alcançar os que estão mais distantes do evangelho, de Sua Palavra e de Seu caminho. Por isso todo o tempo Ele faz esse convite aos que estão  no sem compactuar com ele: "Deixe o ímpio o seu caminho, e o homem maligno os seus pensamentos,e torne para o Senhor nosso Deus que e misericordioso em perdoar." (Isaias 55:7). A Salvação é dom de graça e nos foi dada pela aceitação do sacrifício de Jesus e pelo reconhecimento de Seu nome. Mas se nem todos, mesmo tendo a oportunidade de conhecer e aceitar o Evangelho da verdade O recebem como Senhor e Salvador, no final dos tempos, alguns terão que morrer pra poder viver, e outros desejarão a morte e não a acharão, de acordo com o que o apóstolo João afirma em Apocalipse 9:6 "Naqueles dias os homens buscarão a morte, e de modo algum a acharão; e desejarão morrer, e a morte fugirá deles. "

sábado, 13 de abril de 2013




Há muito que o SENHOR me apareceu, dizendo: Porquanto com amor eterno te amei, por isso com benignidade te atraí. Jeremias 31:3-4

A expressão do profeta é um alento para aqueles que esperam o aconchego do Senhor. Deus tem se revelado a nós todos os dias, de todos o modos, mas nem sempre temos os olhos e os ouvidos abertos para reconhecer a Sua presença e a Sua voz. Mas com amor e benignidade Ele nos atrai. Com amor eterno e incondicional tem perdoado as nossas falhas e transgressões e tem cuidado de nós com incomparável ternura. Falta-nos, porém, sensibilidade para perceber os Seus livramentos, a Sua resposta aos nossos clamores, embora ela nos pareça distante. Deus não está surdo e nem distante, mas nossa urgência e visão turva da realidade não nos têm permitido compreender a dimensão de Seu tempo e a natureza de Sua expressão. Muitas vezes não nos damos conta de que a resposta está na palavra do pregada pelo pastor, no versículo destacado pelo irmão, no texto do devocional, ou na simples e despretensiosa fala de um desconhecido. Deus está no controle de todas as coisas e nada há que seja feito sem seu conhecimento. A porta aberta por Ele não pode ser fechada por outra pessoa, e de igual modo a porta que Ele fecha não pode ser aberta sem o Seu consentimento. Deus ama àqueles que o honram e isso é tudo!

sexta-feira, 12 de abril de 2013






Porque apregoarei o nome do SENHOR; engrandecei a nosso Deus. Deuteronômio 32:3


A exortação de Moisés continua sendo imperativa nos dias atuais, quando o mundo carece de conhecer e de ter uma verdadeira experiência com Deus. O povo de Deus precisa se posicionar diante do mundo e, mais do que reverenciar o nome do Senhor, apregoar os Seus feitos e Seus livramentos para aqueles que não O conhecem. Deus tem feito maravilhas no meio de Seu povo, mas poucos são os que testemunham e apregoam o que o Senhor é. Sabemos que a liberdade que Jesus conquistou para nós nos leva à verdadeira vida, somos conscientes de que nada somos sem a proteção de Deus, mas nos calamos diante da sociedade que idolatra outros deuses, que coloca o humanismo acima do Criador. Enquanto muitos estão buscando uma vida que atendam aos seus próprios ideais, nós, como servos de Deus, sabedores de que fomos por Ele criados, temos de ter a consciência de que nossa existência só faz sentido e é verdadeiramente livre, quando atribuímos a Ele tudo que somos e temos, pois é a fonte de tudo o que há e que há de ser.
Os cristãos devem apregoar o nome de Deus repetindo incansavelmente o que Paulo disse em Romanos 11.36: “Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas”. A Ele, pois, a glória eternamente. 

quinta-feira, 11 de abril de 2013


E andarei em liberdade; pois busco os teus preceitos. Salmos 119:45

Andar em liberdade é um desejo de todo ser humano. Desde o início da humanidade, vemos os povos lutando para se verem libertos de seus opressores. Mas não é somente pela liberdade de um grupo ou de uma nação, vemos  homens  lutando pela liberdade  de uma forma que foge aos princípios da liberdade. Trata-se da liberdade de exercerem direitos não definidos pelo Criador. O direito à liberdade sexual, à escolha do sexo, ao direito ao uso de drogas, de praticar o aborto... Essa liberdade individual é requerida constantemente por meio da contínua quebra de tabus na sociedade moderna. A mídia e a militância agressiva vem levantando o questionamento dos padrões e tem se esmerado no esforço de fazerem aceitáveis seus padrões e vontades, levando a sociedade a tolerar comportamentos e conceitos anteriormente marginalizados. O direito de pensar diferente tem criados grupos e que mostram a variedade de possibilidades de comportamentos e tribos com que se pode conviver em nome de uma liberdade de pensamento ou comportamentos nem sempre coerentes com a Palavra de Deus. Mas quando falamos de liberdade, para sermos coerentes com os princípios bíblicos, precisamos deixar claro que essa almejada pelo mundo, que é a de fazer tudo o que se deseja não é a vontade de Deus para Seus filhos. O anseio do mundo é o de fazer o que quer que seja para satisfazer-se, enquanto a liberdade segundo a Bíblia nada tem a ver com a possibilidade de se fazer tudo que se tem vontade, mas, sim, de vermos nossa vontade livre do pecado. Biblicamente falando, liberdade significa ver nossa existência livre do pecado. O que o mundo chama de liberdade acaba sendo uma prisão. Mas aquele que é capturado pela Palavra torna-se livre, porque pode escolher não se deixar aprisionar pelos grilhões do pecado, enquanto o que se tem fora de Cristo é um homem dominado pelo sexo, dinheiro, bens e pela ilusão de que a satisfação pessoal é sinônimo de liberdade, quando não se tem escolha.  Livre é quem pode escolher o pecado e não o faz, mas aquele que peca se torna escravo de sua escolha e dela não consegue se livrar, por essa razão ”Jesus dizia, pois, aos judeus que criam nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, verdadeiramente sereis meus discípulos; E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. João 8:31,32.

quarta-feira, 10 de abril de 2013



Não retires da criança a disciplina, pois, se a fustigares com a vara, não morrerá. Tu a fustigarás com a vara e livrarás a sua alma do inferno." (Provérbios 23:13-14)

Estamos vivendo num mundo no qual os pais trabalham cada dia mais em busca da sobrevivência e os filhos ficam cada dia mais por conta de si mesmos, sendo privados da presença dos pais em decorrência da existência de um mundo capitalista. Assim, disciplinar os filhos é difícil e cada dia mais trabalhoso. E após um dia inteiro de trabalho, quando  chegam em casa, não há mais energia para dar atenção aos filhos. Certo egoísmo toma conta e o jornal, o comer sem ser incomodado, ou ainda ler um livro ou ficar horas diante do computador tomam o tempo que deveria ser gasto com os filhos. Então não há tempo para a disciplina e a vara muitas vezes é usada não para corrigir, mas para descontar o cansaço de um dia difícil, ou afastar o filho no momento onde os pais desejam fazer as suas tarefas em primeiro lugar. A palavra fustigar serve tanto para bater como para repreender com palavras. E fazê-lo de forma apropriada livrará a alma de nossos filhos do inferno. Em Provérbios 29:15 o Senhor nos adverte: "A vara e a repreensão dão sabedoria, mas a criança entregue a si mesma, envergonha a sua mãe." Disciplinar é tornar nossos filhos sábios e deixá-los por conta de si mesmos é colher vergonha e desonra como fruto da má semente plantada.
Não seja desleixado com a educação de seu filho por nenhum motivo, não use a rotina diária como desculpa para não obedecer a palavra de Deus. Além de estar em pecado por não seguir as orientações de nosso Pai, estaremos a mercê dos frutos desta desobediência.

Graça e Paz! 

terça-feira, 9 de abril de 2013




Tendo, pois, Maria chegado aonde Jesus estava, e vendo-o, lançou-se aos seus pés, dizendo-lhe: Senhor, se tu estivesses aqui, meu irmão não teria morrido. João 11:32


Quantas vezes nos expressamos como Maria, reclamando com Deus sobre o que Ele poderia ter feito e julgamos que não o fez! Assim como a irmã de Lázaro, cremos que o Senhor pode resolver todos os nossos problemas e pensamos que Ele chega atrasado ao nosso socorro. Mas na verdade Jesus nunca se atrasa. Ele usa até mesmo a morte, ou as circunstâncias adversas que nos angustiam para que a Sua glória seja manifesta. O mal que é feito a nós, as armadilhas que o inimigo arma, os adversários que se interpõem em nosso caminho em geral são as catapultas que nos empurram a lugares altos. Mas é importante que façamos as três coisas que fez Maria, registrado na primeira parte do versículo em epígrafe: chegar até onde está Jesus, vê-Lo e lançar-nos aos Seus pés. Quando fazemos isso, nada é impossível a nós. Tudo podemos Naquele que nos fortalece e Ele está sempre ao nosso lado, ainda que tenhamos a impressão de que chegou tarde. O Senhor sabe todas as coisas e sabe qual é o momento certo para ressuscitar nossos sonhos.  

segunda-feira, 8 de abril de 2013





Segundo a palavra da aliança que fiz convosco, quando saístes do Egito, o meu Espírito permanece no meio de vós; não temais. Ageu 2:5

Nesta declaração do profeta Ageu vemos que o Espírito Santo sempre esteve presente e Sua obra neste mundo não se iniciou no Pentecostes. Desde o início o Espírito capacita os homens na realização de tarefas importantes para a Obra de Deus, desde a criação. Os profetas desde o Antigo Testamento até os dias atuais recebem do Espírito a inspiração para anunciar com intrepidez e determinação a Palavra de Deus. E aqueles que oportunizam a ação do Espírito em suas vidas recebem Dele a capacitação para compreender num nível de entendimento inexplicável a ação e o mover de Deus em cada momento. O Espírito Santo agia no início para conceder às pessoas alguns dons, concedendo uma capacitação especial para o cumprimento de uma missão específica  como construção do Tabernáculo, ou para conceder aos profetas a capacitação para anunciarem, conforme desejo do Senhor a Sua Palavra para orientação do povo. E no período da Graça age capacitando todos os membros do Corpo de Cristo, com dons espirituais. Hoje o Espírito trabalha para criar, abençoar e redimir. Ele nos capacita a todo instante e nos consola, conforme a promessa de Jesus. É o Espírito que nos dá o dom de “sabedoria”, que significa capacidade de tomar decisões corretas, nos momentos certos. É Ele que nos dá o discernimento que nos conduz a um viver correto, com integridade e de forma coerente com os princípios bíblicos. Se cremos que o Espírito de Deus permanece entre nós, não temos o que temer. Essa é a promessa do Senhor desde sempre.

domingo, 7 de abril de 2013




Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra. Atos 1:8-9.

O Lucas está registrando é a palavra de Jesus aos Seus discípulos, antes de subir aos céus. Mas essa palavra não foi dita para vigorar apenas naquele momento histórico ou àqueles homens que presenciaram a ascensão do Senhor. Essa palavra é atemporal e deve prevalecer entre qualquer que se assuma cristão, discípulo do Senhor Jesus e membro da Grande Comissão expressa em Mateus 28:19 “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações”. O discípulo do Senhor não se detém em fronteiras. Ele testemunha o amor de Cristo e leva a Sua palavra onde quer que esteja, pois como afirmou Lucas a virtude recebida do Espírito Santo é que determina o que há de ser dito até os confins da terra. Se é pelo Espírito que somos guiados, não temos o que temer. O que Jesus espera é que sejamos boca para a propagação do Evangelho, testemunhas vivas da Salvação.  O que Jesus espera é que a igreja assuma o seu papel missionário, pois ele não é uma opção, como, por exemplo, construir templos. Missões  é mandamento de Jesus e cabe à Igreja obedecê-lo. O próprio significado da palavra igreja já define e determina a sua função: “Igreja” é a comunidade daqueles que são chamados para fora. Portanto, ser Igreja é ser missionário. É sair do invólucro confortável da igreja (templo) e ser Igreja lá fora, onde estão aqueles que precisam ver e ouvir o testemunho vivo dos que realmente assumem a tarefa designada por Jesus: “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda a criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado” (Marcos 16:15 - 16). Lembrando sempre que o limite de tempo para se cumprir essa tarefa é até o fim, conforme registra Mateus 24:14: “E este evangelho do reino será pregado no mundo inteiro, em testemunho a todos as nações, e então virá o fim”.

sábado, 6 de abril de 2013


Mas fiel é o Senhor, que vos confirmará, e guardará do maligno. 2 Tessalonicenses 3:3


O apóstolo Paulo nos lembra de que se estivermos em Deus, nada pode nos atingir. Ele nos guardará do mal e não deixará que o diabo nos atinja, pois ninguém poderá nos atingir. Não temos como saber tudo o que Deus faz, porque nossos olhos não alcançam a dimensão do trabalho de Deus em nosso favor. Podemos tão somente contemplar uma parte a nós revelada, mas se tivermos fé e confiança no Criador podemos vislumbrar as maravilhas que Ele tem preparado para nós a cada dia. Se tirarmos os nossos olhos de nossa própria vontade, se aprendermos a olhar além do que esperamos, poderemos perceber que às vezes Deus está gerando algo às ocultas, que não percebemos porque Ele é Espírito, mas virá à luz quando deixarmos de enxergar com os lhos humanos e aprendermos a ver com os olhos da fé. 

sexta-feira, 5 de abril de 2013


A minha alma se gloriará no SENHOR; os mansos o ouvirão e se alegrarão. Salmos 34:2

Davi nos faz refletir sobre a importância da humildade, sintetizada nesta expressão: “minha alma se gloriará no Senhor”. Ao viver em comunhão com o Senhor, quem humilde nada terá que temer. O Senhor Jesus fez da humildade um dos instrumentos para a realização da Sua obra, por isso se humilhou, para descer até nós e nos encontrar. É na dignidade desta humilhação que se baseia nossa restauração e é nela que devemos nos espelhar. A não ser no Senhor não temos o que nos gloriar.  A alegria dos humildes alegra o coração de Deus e quem reconhece a sua própria  insignificância, exaltando o nome de Deus não se ensoberbece nem se exalta, mas deixa que o Senhor aja em sua vida, impulsionando-o para lugares nunca imaginados, ao contrário daquele que se arvora em seu próprio entendimento e deixa que Deus esteja no controle.   
                                                                                                                  

quinta-feira, 4 de abril de 2013




O homem que muitas vezes repreendido endurece a cerviz será quebrantado de repente sem que haja cura. Provérbios 29:1

Algumas pessoas  têm excelentes oportunidades de serem abençoadas,mas não são porque quando assumem uma posição mesmo estando convencida do erro não voltam atrás  por causa do orgulho e da teimosia. Assim, o diabo tem se aproveitado desta teimosia para impedir que as bênçãos do Senhor sejam entregues. É preciso lembrar que orgulho e teimosia são pecados e que o arrependimento é necessário para que Deus derrame suas bênçãos. O salmista deixa claro nos Salmo 81: 10-16 que essa posição de teimosia não agrada a Deus ”Eu sou o SENHOR, teu Deus, que te tirei da terra do Egito. Abre bem a boca, e ta encherei. Mas o meu povo não me quis escutar a voz, e Israel não me atendeu. Assim, deixei-o andar na teimosia do seu coração; siga os seus próprios conselhos. Ah! Se o meu povo me escutasse, se Israel andasse nos meus caminhos! Eu, de pronto, lhe abateria o inimigo e deitaria mão contra os seus adversários. Os que aborrecem ao SENHOR se lhe submeteriam, e isto duraria para sempre. Eu o sustentaria com o trigo mais fino e o saciaria com o mel que escorre da rocha.

quarta-feira, 3 de abril de 2013




Que tendes vós, vós que, acerca da terra de Israel, proferis este provérbio, dizendo: Os pais comeram uvas verdes, e os dentes dos filhos é que se embotaram? Ezequiel 18:2

As nossas decisões podem ser classificadas em cinco níveis de importância: as decisões automáticas, aquelas decisões que em grau de consequência não afetam o curso de nossas vidas, pois são aquelas decisões corriqueiras que fazemos de forma mecânica, como escolher que roupa vestir. As decisões superficiais, que não afetam tanto o curso de nossas vidas, que a qualquer momento podemos alterá-las, como a troca de um carro, a  escolha de um time de futebol. As decisões importantes. São aquelas que em grau de consequência podem alterar o nosso  futuro e algumas vezes podem ser alteradas, todavia, trazem consigo o peso desta decisão. A escolha da profissão, da casa própria, do local  de moradia. As decisões irrevogáveis. São aquelas decisões que em grau de consequência afetam diretamente o curso de nossas vidas, de forma irrevogável, não podendo alterá-las.  A conversão em Cristo, o casamento, a criação de filhos. As decisões interligadas: São aquelas decisões que em grau de consequência afetam diretamente o curso de nossas vidas e de terceiros. Ex: As finanças, O casamento, A criação de filhos. A salvação e etc. Sabemos que independente de qual dos cinco níveis de decisões todos nós somos responsáveis diante de Deus por elas. Por isso temos que ser mais responsáveis ao tomar qualquer decisão. Contudo, o que se percebe é que quanto mais importante é a decisão a ser tomada mais as pessoas as tomam pelo sentimento em vez de buscarem a direção do Espírito ou razão. O casamento, os filhos.  Muitos tomam decisões  reativas, por impulso, como uma reação de gestos ou atitudes de alguém para conosco. Podem ser motivadas por feridas, por amargura, ressentimentos, ou raiva, por isso Salomão diz em Provérbios 19:19 Homem de grande ira tem de sofrer o dano; porque, se tu o livrares, virás ainda a fazê-lo de novo. Outros tomam decisões pelo momento, avaliando apenas as circunstâncias do momento, pelo prazer imediato, esquecendo de avaliar com os olhos para o futuro ou até Eternidade. Agem assim quando compram por impulso, quando fazem tatuagem, usam drogas, ou fazem sexo inseguro com consequências de doenças transmissíveis ou gravidez. Há quem tome decisões passionais, ao se encantar com um parceiro que não tem as menores condições de assumir família. O grande problema é o não aceitar conselhos quando se está apaixonado, está sob influencia de um espírito de encantamento.

terça-feira, 2 de abril de 2013




” Se a vossa justiça não exceder em muito os escribas e fariseus de modo algum entrareis no reino de Deus”Mateus 5:20.

Sabemos que nem todos que se dizem crentes são cristãos verdadeiros. Creem em Jesus, mas não se deixam transformar por Ele. Transformação é uma palavra chave na vida de cada pessoa que se identifica como seguidora de Jesus Cristo, mas infelizmente as igrejas estão cheias de simpatizantes e admiradores dos ensinamentos de Jesus, porém nem todos vivem conforme os Seus princípios. A transformação de que fala a bíblia é uma condição inegociável para o cristão. Transformação pressupõe uma mudança de vida, não basta ir à igreja em todas as reuniões, participar dos cultos, andar com a bíblia e dizer que é crente. ”Aquele que diz está nele deve andar como ele andou” I João 2:6. Transformai-vos, essa é ordem de Jesus, para vida de todo aquele que é nascido de novo. E isso vem de uma determinação e uma força interna. Não pode ser por motivação exterior. O mundo quer ver Jesus em nossos atos, nas nossas palavras, não afaste pessoas de Jesus, seja um crente transformado, seja diferente. Ame, perdoei, ajude, coopere, compreenda, ganhe vidas pra Jesus, entregue a sua vida para Jesus.