Traduza este blog

terça-feira, 23 de abril de 2013




Porque um certo ourives da prata, por nome Demétrio, que fazia de prata nichos de Diana, dava não pouco lucro aos artífices, Aos quais, havendo-os ajuntado com os oficiais de obras semelhantes, disse: Senhores, vós bem sabeis que deste ofício temos a nossa prosperidade; (Atos 19:24-26)

Esses versículos narram parte de um episódio em que a pregação do Evangelho pelos discípulos na cidade de Éfeso confrontava o comércio que se mantinha da idolatria. O lucro auferido por aqueles que exploravam a fé irracional e a ignorância do povo que não conhecia a verdade estimulava a rejeição ao Evangelho. O que vemos atualmente não é diferente, mesmo que a Palavra de Deus seja pregava e que o sacrifício de Jesus seja conhecido por muitos que se denominam cristãos. Contudo mesmo sabendo que é Jesus e qual foi a sua mensagem na cruz, essas pessoas insistem em adorar outros deuses, feitos, como os nichos de Diana, pelas mãos de artesãos que vivem de alimentar a ignorância de homens que têm ouvidos para ouvir e não ouvem, têm olhos para ver e não enxergam a mais obvia das mensagens. O salmista levanta esta questão nos Salmos 115:3-7 “Mas o nosso Deus está nos céus; fez tudo o que lhe agradou. Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca, mas não falam; olhos têm, mas não veem. Têm ouvidos, mas não ouvem; narizes têm, mas não cheiram” e Salmos 135: 15-19 “Os ídolos dos gentios são prata e ouro, obra das mãos dos homens. Têm boca, mas não falam; têm olhos, e não veem, Têm ouvidos, mas não ouvem, nem há respiro algum nas suas bocas. Semelhantes a eles se tornem os que os fazem, e todos os que confiam neles”. O apóstolo Paulo em 1 Coríntios 10:14 exorta o povo a não ser idólatra “Portanto, meus amados, fugi da idolatria”. Há 650 anos antes de Cristo, o profeta Isaías já ponderava sobre a insensatez de se deixar de adorar a um único e verdadeiro Deus para se curvar diante de obras de esculturas, feitas por mãos humanas, conforme registra em Isaias 44:8-18  “Todos os artífices de imagens de escultura são vaidade, e as suas coisas mais desejáveis são de nenhum préstimo; e suas próprias testemunhas, nada vêem nem entendem para que sejam envergonhados. Quem forma um deus, e funde uma imagem de escultura, que é de nenhum préstimo? Eis que todos os seus companheiros ficarão confundidos, pois os mesmos artífices não passam de homens; ajuntem-se todos, e levantem-se; assombrar-se-ão, e serão juntamente confundidos. O ferreiro, com a tenaz, trabalha nas brasas, e o forma com martelos, e o lavra com a força do seu braço; ele tem fome e a sua força enfraquece, e não bebe água, e desfalece. O carpinteiro estende a régua, desenha-o com uma linha, aplaina-o com a plaina, e traça-o com o compasso; e o faz à semelhança de um homem, segundo a forma de um homem, para ficar em casa. Quando corta para si cedros, toma, também, o cipreste e o carvalho; assim escolhe dentre as árvores do bosque; planta um olmeiro, e a chuva o faz crescer. Então serve ao homem para queimar; e toma deles, e se aquenta, e os acende, e coze o pão; também faz um deus, e se prostra diante dele; também fabrica uma imagem de escultura, e ajoelha-se diante dela. Metade dele queima no fogo, com a outra metade prepara a carne para comer, assa-a e farta-se dela; também se aquenta, e diz: Ora já me aquentei, já vi o fogo. Então do resto faz um deus, uma imagem de escultura; ajoelha-se diante dela, e se inclina, e roga-lhe, e diz: Livra-me, porquanto tu és o meu deus. Nada sabem, nem entendem; porque tapou os olhos para que não vejam, e os seus corações para que não entendam”. O profeta ainda faz um questionamento que deveria ser compreendido pelas pessoas com um mínimo de inteligência, pois é uma mensagem clara: “E nenhum deles cai em si, e já não têm conhecimento nem entendimento para dizer: Metade queimei no fogo, e cozi pão sobre as suas brasas, assei sobre elas carne, e a comi; e faria eu do resto uma abominação? Ajoelhar-me-ei ao que saiu de uma árvore? Apascenta-se de cinza; o seu coração enganado o desviou, de maneira que já não pode livrar a sua alma, nem dizer: Porventura não há uma mentira na minha mão direita?”(Isaias 44: 19-20). Entretanto, as pessoas continuam se ajoelhando diante de objetos inertes e perecíveis, feitos por mãos de artífices que prosperam com a fé ignorante. Mas aqueles que têm o discernimento do Espírito compreendem a mensagem bíblica, e estão entre os sábios lembrados por Lucas em Atos 19:26 “E bem vedes e ouvis que não só em Éfeso, mas até quase em toda a Ásia, este Paulo tem convencido e afastado uma grande multidão, dizendo que não são deuses os que se fazem com as mãos”. E você a que grupo pertence? Ao que entende a mensagem de Paulo, ou ao dos tolos que leem e não compreendem, que têm olhos e não veem, que têm ouvidos e não ouvem? 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos o seu comentário!