Traduza este blog

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Portanto, estando eles reunidos, disse-lhes Pilatos: Qual quereis que vos solte? Barrabás, ou Jesus, chamado Cristo? Mateus 27:17

O relato de Mateus nos mostra que Jesus foi levado até Pilatos, governador romano, para a confirmação da sentença depois de ter sido condenado pelos juízes do Sinédrio. Mas Pilatos não viu em Jesus nada que o condenasse e notou que era um homem de aspecto nobre e de porte digno. E por não terem nenhuma prova concreta de algum delito cometido por Jesus para que o governador confirmasse a sentença, apresentaram falsas testemunhas contra Ele. Embora Pilatos estivesse convencido da inocência de Jesus, sua atitude não foi suficiente para aplacar a fúria sem limites dos príncipes de Israel. Eles que armaram um plano cruel e esperam tanto tempo pela oportunidade de condenar o Salvador não deixariam que fosse solto. Para isso não se importaram nem mesmo em infringir as próprias leis judaicas que tanto defendiam. Pilatos mesmo tendo percebido que Jesus não era um criminoso e que a verdadeira motivação dos acusadores era inveja não queria se indispor com os líderes judeus. Então, o governante resolveu jogar a decisão para a multidão. E, lavando as mãos, Pilatos deixou ao povo ensandecido a opção de libertar Jesus ou um dos prisioneiros, o ladrão Barrabás. Essa era uma prática por ocasião da páscoa. Influenciada pelos príncipes dos sacerdotes a multidão sentenciou a crucificação de Cristo e escolheu libertar um notório conhecido malfeitor preso por seus roubos assassinatos e por liderar revoltas contra o Império Romano. Insuflada por um grupo preparado pelos príncipes judeus a multidão fez-lhe coro e preferiu condenar Aquele a quem admirava. Quando agimos sem considerar os verdadeiros motivos e seguimos as vozes alheias que nos levam a decisões cujas consequências são irreparáveis. Quando não agimos guiados pelo Espírito Santo corremos o risco de escolher Barrabás e nos esquecemos Daquele que deu a sua vida pelos nossos pecados como profetizou Isaías 53:7
“Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos o seu comentário!