Traduza este blog

domingo, 5 de fevereiro de 2017

E Pedro o seguiu de longe, até ao pátio do sumo sacerdote e, entrando, assentou-se entre os criados, para ver o fim. Mateus 26:58

Um dos fatos mais discutidos sobre o julgamento de Jesus é a traição de Judas seguida da negação de um de Seus discípulos mais amados: Pedro. O mesmo que foi constituído pelo próprio Senhor como a base da Sua Igreja. Mas há na narrativa evangélica um fato curioso que parece ficar sobreposto essa atitude de covardia de ambos. Judas traiu o Mestre por motivos mesquinhos e por remorsos tirou a própria vida, por não se apropriar do que ele mesmo teve a oportunidade de experimentar convivendo com Jesus: a força do amor e do perdão. Pedro também foi covarde ao negar Aquele a quem jurou amor total, mas nele percebemos uma atitude diferente e que nos aproxima de Jesus, sabendo de nossas fraquezas. A atitude de negação de Pedro foi a alavanca de sua edificação, justamente porque ele, tendo o mesmo sentimento de remorso que Judas, fez de sua má escolha um motivo de transformação em sua vida. E isso começa na decisão de seguir Jesus sendo levado ao sumo sacerdote Caifás. Antes, ao vê-Lo condenado por admitir ser o próprio Deus, todos os discípulos fugiram. Menos Pedro. Se ele, em uma atitude covarde para salvar a própria vida, negou Jesus três vezes antes que o galo cantasse, como o próprio Jesus havia predito, paradoxalmente, em uma atitude corajosa, entrou no pátio do sumo sacerdote e assentou-se entre seus criados. Se Pedro, com sua boca negou Seu Mestre, com sua atitude contraditória confirmou que O seguiria como havia afirmado, pois a própria fala típica dos galileus, reconhecida pelos demais o entregaria, além de ter sido visto com Ele por tantas pessoas. E quando o galo cantou pela terceira vez Pedro se lembrou, e então saiu e chorou com sinceridade de coração. Mas é nesse episódio que percebemos a sinceridade de Pedro, a despeito de sua fraqueza e entendemos porque Jesus confiou a ele a importante missão de liderar Sua Igreja. Pedro reconheceu seu erro e mesmo enquanto errava não desistiu de seguir Jesus. Isso nos ensina que qualquer um pode cair, até mesmo os mais próximos de Jesus, mas a nossa queda não pode ser a última coisa de nossa vida, como foi para Judas, pois o arrependimento está disponível para todos. Devemos nos lembrar de não há pecado que a graça de Deus não possa perdoar. Lembremo-nos de que a noite em que Pedro traiu Jesus foi também a noite da sua vitória e da sua redenção. Lembremo-nos do que nos ensina o salmista
Os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus. Salmos 51:17


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos o seu comentário!