Traduza este blog

terça-feira, 20 de novembro de 2012


Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; na verdade, o espírito está pronto, mas a carne é fraca. Mateus 26:41

Jesus nos exorta a estar em estado de vigília constante, orando sempre para não cedermos às tentações do inimigo. É importante conhecermos quem é e como age o inimigo para não cairmos nas suas ciladas. O diabo, inimigo de nossas almas, não muda de estratégia, mas se esmera em conhecer o nosso ponto fraco. Ele age desde Gênesis com a mesma determinação e empenho e para isso dispara as tentações feitas sob medida a quem quer destruir.  Ele tem um prontuário completa de seu alvo desde o dia em que nasceu e mantém esse arquivo atualizado. Com estes dados, ele prepara tentações personalizadas. Isso explica porque há tentações que atingem um tipo de pessoa e não outro. Afinal, o inimigo, grande estrategista conhece a vida de cada um. Para contra atacarmos, desarmando nosso inimigo, precisamos saber que tentação gera o pecado, mas não é pecado. Ninguém pode ser pecador porque é tentado. O pecado começa quando cedemos à tentação. Jesus foi tentado e não cedeu, não pecou e não deu lugar ao diabo. Martinho Lutero usou uma metáfora interessante para definir tentação e pecado: Tentação é o passarinho voando. Pecado é o passarinho fazendo ninho na nossa cabeça.  Ele afirma que não podemos impedir que um pássaro pouse em cima de nossa cabeça, mas podemos evitar que façam ninhos sobre ela.


 


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos o seu comentário!