Traduza este blog

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

E outra caiu entre espinhos e crescendo com ela os espinhos, a sufocaram; Lucas 8:7




O texto em epígrafe é um fragmento da conhecida parábola do semeador. Os espinhos simbolizam o mundo, ou o terreno mundano, que sufoca a palavra de Deus. A metáfora dos espinhos vem nos mostrar que os espinhos cresceram e sufocaram a palavra, considerando que os espinhos são os cuidados deste mundo e a sedução das riquezas que sufocam a palavra e não oferecem condição de uma vida plena porque são iludidos. O apóstolo Lucas nos mostra que os espinhos crescem junto com a palavra, como o joio que cresce no meio do trigo, entrelaçando suas raízes. Assim é com a palavra semeada entre os espinhos. Ao arrancarmos o joio, arrancamos também o trigo. As raízes da palavra não se firmam, entrelaçadas na raiz do mundo que a sufoca. As riquezas e os deleites da vida sufocam a palavra de Deus e não deixam que ela crie raízes fortes. Deus não nos deu vida para os deleites deste mundo, mas para nos deleitarmos nele. Estamos vivendo uma época em que prevalecem os amigos dos deleites e em que poucos se comportam como amigos de Deus. Jesus nos ensina a não semear entre espinhos, e reitera o que já dizia o profeta Jeremias.

Porque assim diz o Senhor aos homens de Judá e a Jerusalém: Preparai para vós o campo de lavoura, e não semeeis entre espinhos. Jeremias 4:3


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos o seu comentário!