Traduza este blog

sexta-feira, 26 de agosto de 2016

Pagarei os meus votos ao Senhor, agora, na presença de todo o seu povo. Salmos 116:14


Neste salmo vemos que o salmista tem um coração agradecido a Deus pelos benefícios que Ele lhe concedeu. Ele estava agradecido a Deus porque Ele ouviu a sua súplica e lhe deu livramentos de morte. Estava grato pelo livramento do abatimento emocional e pelo poder de Deus que o capacitou a superar as tentações. Por tudo isso, o salmista além de reconhecer a ação de Deus em seu favor, coloca-se na posição de fazer a sua parte para demonstrar essa gratidão, assumindo que pagaria os votos de forma pública, não como uma barganha com o Criador. Na Bíblia, lemos sobre várias referências a votos, e as consequências desastrosas para os israelitas que fizeram e os quebraram, especialmente quando feitos a Deus. Com Davi e outros personagens bíblicos aprendemos sobre a importância do pagamento dos votos, e a história de Jefté narrada em (Juízes 11:29-40) ilustra a tolice de fazê-los sem compreender as consequências. Por isso, Jesus nos deu um novo mandamento sobre votos. O que precisamos aprender como cristãos é que não devemos fazer promessas, seja para o Senhor ou outra pessoa, pois não temos como saber se seremos capazes de mantê-las. Jesus nos ensina que a nossa palavra deve ser suficiente sem fazermos votos. Ao dizermos "sim" ou "não", isso deve ser a verdade. Mas se fizemos uma promessa tola e percebemos que não podemos ou devemos mantê-la, devemos confessá-la a Deus, sabendo que Ele é "fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos purificar de toda injustiça."



"Também ouvistes que foi dito aos antigos: Não jurarás falso, mas cumprirás rigorosamente para com o Senhor os teus juramentos. Eu, porém, vos digo: de modo algum jureis; nem pelo céu, por ser o trono de Deus; nem pela terra, por ser estrado de seus pés; nem por Jerusalém, por ser cidade do grande Rei; nem jures pela tua cabeça, porque não podes tornar um cabelo branco ou preto. Seja, porém, a tua palavra: Sim, sim; não, não. O que disto passar vem do maligno" (Mateus 5:33-37).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos o seu comentário!