Traduza este blog

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013



Para não suceder que, havendo tu comido e fores farto, e havendo edificado boas casas, e habitando-as, Se eleve o teu coração e te esqueças do SENHOR teu Deus, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão; Deuteronômio 8:12-14


Moisés exorta o povo de Israel a  não se esquecer do Senhor, deixando de guardar os seus mandamentos, os seus juízos, e os seus estatutos. Observe que o Senhor falou a Moisés para que entregasse essa palavra ao povo antes de entrar na Terra Prometida. Assim que eles entrassem, passariam a viver a vida abundante, e a desfrutar de tudo que Ele preparou. Essas palavras foram proferidas para que eles não viessem a esquecer de Quem proporcionou aquelas bênçãos, depois de séculos sendo escravizado por  Faraó  de quarenta anos andando em círculos pelo deserto. Esse texto de Moisés é bem oportuno nos dias de hoje. Ele nos alerta a nos esquecermos Daquele que tem nos abençoado. Faraó representa a escravidão do mundo. Muitos, depois de libertos da escravidão imposta pelo deus deste século, depois de vagarem por anos repetindo os mesmos erros, encontram no Senhor a promessa de uma vida abundante e, assim como o povo que fugiu do Egito, aceitam seguir em frente, atravessando o mar de problemas em busca da Terra Prometida. Mas acontece que, como os israelitas, algumas pessoas, quando encontram a fartura, quando edificam suas casas, pagam suas dívidas, adquirem bem, esquecem-se Daquele que os livraram da escravidão. Muitos são ingratos e voltam as costas para o abençoador. É bom lembrar que a palavra de Deus é atual e assim como ocorreu ao povo de Israel, ocorre também a quem se esquece de onde saiu, de como saiu e porque saiu. Deus não deu essa palavra à toa. Ele quer prevenir a ingratidão e impedir que o povo deixe de usufruir as bênçãos da promessa. Não é raro vermos que pessoas que abençoadas de algum modo, ao agirem de forma ingrata, deixam de desfrutar o que tanto desejaram e o que seriam bênçãos passam a ser um peso em suas vidas. Há uma expressão popular que diz que “não devemos cuspir no prato que comemos” e há uma versão dela que afirma: “pior do que cuspir no prato que comemos é comer no prato que cuspimos”. Isso nos ensina a sermos gratos e refletir sobre as consequências de nossas atitudes. Corremos o risco de ter que voltar ao lugar de onde saímos. Se nossas atitudes forem sensatas, se formos gratos e sensíveis ao nosso próximo, certamente, colheremos o bem que plantamos. Mas se agirmos com egoísmo, orgulho e ingratidão, vamos colher as consequências de nossas atitudes. Portanto, se queremos comer em prato limpo, desfrutando da fartura prometida, é melhor não cuspirmos nele... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradecemos o seu comentário!